DANIEL FELIPE um poema de amor e da resistência

hoje dia mundial da poesia:Para este dia um poema de amor e da resistência:

em anexo as minhas 3 versões de homenagem a este poeta e poema que me marcaram desde há mais 40 anos...Chrys Chrystello

1.     e.37. tantos os sonhos (a soeiro pereira gomes) mar 16, 1973

tantos os sonhos
                             nunca demarcados
meu irmão de todo o tempo
                                                 insubmisso
perseguidos
                     por uma mancheia de quimeras
engalanámos as palavras
                                           falaciosas ambições
imensos campos
                             por habitar
lezírias de lentas mortes
                                          estioladas
gretava o verão
                            severos carões
ninguém cuidara
                            os linótipos esmaeciam
aquosos gradeamentos
                                        da saudade
– era então o tempo –
fortunas dissipadas
                                 amargor de mil cansaços
                                 prematura senilidade
febril catarro
                     escrava luta
cifras
        tabelas
                  gráficos
mecanizado o homem
                                      engrenagem-sem-nome
impiedosa e febril cadeia
                                          gangrenosos ossos
no silêncio chantagista
                                        se diluía a sobrevivência
vasta paisagem
                         por entre o adobe
paredes
            quatro
                       desfraldadas
vogando ao vento
                                 do desprezo motorizado das sanguessugas
PERFEITA SÚCIA/DADE
                                       
irrefreado progresso
                                   civilização do abandono
deserda-se a agricultura
cria-se ferro
                    cimento
                     fome
tímida e simples
                            a voz do povo
                                                    (que ainda resta)
recusa a caridade
                              das piranhas
secretas as greves
                               corrompem a opressão
selvagens se abatem
                                   esbirros e lacaios
(ah! como é bom ser-se proletário
                                                           no feudo do patrão)
tu – meu irmão
não assististe
                     ao mito no apogeu
de nascença condenado
                                        o sentenciavas
tuas mãos eram a dor
                                     sempre retardada
escreviam a agonia lenta
                                          dos que calam
exultante vitória dos que não consentem
militantes modelos
                                 de rebeldes se venderam
falsos heróis
                    covardes de merda
felizes os traidores
                                 pelo pão nunca trincado
                                 pela carne inviolada e casta
                                 pela fome mitigada
riquezas imensas
                             saldo de lassos músculos
quem as ergueu?
imolados os corpos
                                 sem palavras nem gestas
abatem-se de luto aldeias
paga-se da fome
                             a vida
a salto se emigra
                            a preço de morte
– decide-te irmão –
volte a nós quem a nós pertence
connosco reagirás
                              à opulência de discursos em família
– obsoletas conversas que não asfixiam –
repudiamos toda a antropofagia
                                                      que nos hipoteca
não os executemos
também eles sentirão
                                     um só dia que seja
                                    um só instante
o vão esforço do suor grátis
nesse dia
               urgente e único
inexorável
                o grito
                            então comunitário
                            então revolucionário
                                                               PRESENTE!
para que não morram por desprazer
pelas dores insofridas
pelo sangue ulcerado nunca cuspido
pelas mãos imaculadas sempre assassinas
revolver-se-ão aposentados donos
                                                            deste feudo saqueado
dançaremos o cântico final
                                               apoteose de labaredas
                                                                                       vossos corpos defuntos
serão nossos o chão
                                  a pátria liberta
                                  a vocação insubmissa
ninguém nos apode de vingativos
honraremos
                     das memórias a vossa
adubaremos das cinzas vossas
                                                   o pão
algo renasce das ruínas vossas
                                                    a esperança
– quem nos confortará
                                      nesse instante ingente? –


******

2.  474. poesia revisitada ( de novo a ti, daniel filipe) 16 mai 1976

ALERTA!  a imaginação tomou de assalto o poder!
hoje
       virão talvez crianças
                                          descendo as sagradas ruas das máquinas
                                          acampando nas avenidas da liberdade
                                                                                                           por inventar
                                          dando-nos as mãos
                                                                             os sorrisos
                                                                                                 os sonhos
hoje
       nas campas rasas
                                     estarão heróis que nunca foram
perguntarão
        quando somos ouvidos?
(a nossa carne encheu canhões
                                                    no-la recusam agora?)
os mendigos
                     desempregados                      
  reformados
                                                                     deficientes das guerras todas
as pegas
              messalinas
        prostitutas
                           meretrizes
         chulos
                                                       traficantes de ilusões
os ladrões
                 criminosos
e demais gente ordinária e vulgar
anunciam manifs reivindicativas
       “a greve será total! – dizem”)                                    
enquanto isso
                        partidos
                                      militares                              
                            sindicatos
demais desorganizações de massa
                                                        exigem
do governo
                   a ordem
                                 a força
         a autoridade
das armas
                 a repressão
            o estado-de-sitio
a censura
                até mesmo a pena de morte
por toda a parte
solidária é a luta dos oprimidos
       – clama o poeta!
única é a voz dos marginais
            – escreve o louco sensato
                                                  nas paredes sem grades
                                                                                       desta prisão
(aqui e além leves escaramuças populares
não há baixas dignas de registo
                                                     – asseveram fontes oficiais
                                                       geralmente desinformadas)
a sociedade é um flagelo social do indivíduo
libertemo-nos da grande ameaça
         – denunciam os dissidentes
a situação é calma
                                assegurado o controlo total do país
militares, militarizados e milícias
                                                       em prevenção rigorosa
algures à mesma hora
                                      num público jardim
                                                                       um casal de amantes
felizes
          desocupados
                                 despolitizados
                                                         fazem amor
                                                                           despreocupado
sem caráter de urgência
confundidos por vulgares agitadores da ordem
foram chacinados ao despontar o amanhã
(felizmente havia luar!
             comentou lacónico o primeiro-ministro
              muito dado a lucubrações intelectuais).
*****

3. 524 reinvenção do amor , revisitando daniel filipe, 18 outubro 2011

o pássaro descreve o seu voo
na sinusoide deste tempo
a voz e a palavra são campos floridos
evocam verdes infâncias
é preciso inventar o amor
com caráter de urgência
dizia Daniel Felipe
mas são precisos homens e mulheres
dispostos a amar
capazes de ouvir e perdoar
os sentimentos podem esfriar
mas não se gastam
nem devem ser mudados
com a  frequência das camisas
não são fraldas descartáveis
precisam de ser regados
com a humidade das neblinas
e o orvalho das lágrimas
neste deserto com vozes
a felicidade é um mito
o mundo é um inferno
a paixão uma utopia
e tu acreditas, meu amor?
andam
– de novo –
      pássaros à solta nos jardins de Eros.

Please follow and like us:
error

OLIVENÇA

i n MIL

O alcalde espanhol de Olivença (do PP) quer organizar um espectáculo para comemorar a invasão espanhola dessas terras. Se se realizasse seria uma evidente humilhação a Portugal e ao seu povo.
Já veremos como atua perante estas informações o governo de Passos Coelho, que se quer levar muito bem com o de Espanha, como se puido ver ao impedir que uma delegação cultural galega participasse nas cimeiras da CPLP.
Que hipocrisia os do PP, que levam anos reclamando retoricamente a “devolução” de Gibraltar.
Vai permitir o governo português essa afronta a Portugal?

movv.org

Existe em Portugal uma estranha amnésia coletiva quanto à ocupação de uma parcela muito significativa do nosso território por parte de uma potência estratégia: essa parcela são os concelhos…

 ·  ·  · Share · 8 hours ago
Please follow and like us:
error