DO IBERISMO AO 1º DEZEMBRO in ChrónicAçores vol.2

 

16.5. Do Iberismo ao 1º de dezembro
Gostava JC de ter algumas réstias do sempiterno otimismo mas a
desoladamente, a sua reserva, está no nível mínimo desde há déca-das. Mas quando, ano após ano, a chuva cai dentro de casa e alaga o chão ou móveis como se não houvesse teto, tem de assumir a péssi-ma qualidade das casas e que os ”mestres” de construção não passam de biscateiros incapazes de fazerem a obra como deve ser. Mas se vai a um restaurante o resultado é similar com um serviço deficiente a preços de luxo, se vai a um mecânico automóvel idem aspas. E o mesmo se passa na saúde, na justiça, na ignorância santa dos novos professores, na incompetência dos que governam e dos que são man-dados. É esta a tradição. Não é de hoje, vem de longe como consta-tou hoje ao traduzir este parágrafo
Enquanto a Terceira e as ilhas próximas resistiam ao assalto dos espanhóis à Coroa portuguesa, S. Miguel franqueou-lhes a entrada. Esta diferença deveu-se ao facto de o Corregedor Ciprião de Figueiredo estar sedeado em Angra. Fiel apoiante do Prior de Crato, terá proferido a frase “antes morrer livres que em paz sujeitos”. Por outro lado, a capitania de S. Miguel estava na mão da influente família Gonçalves da Câmara. Além disso, residia nessa altura em São Miguel o Bispo dos Açores, D. Pedro de Castilho, fiel a Filipe II. Viria a ser Vice-Rei de Portugal em paga da sua fidelidade à causa castelhana. Mais tarde, o Capitão do Donatário de São Miguel receberia o título de Conde de Vila Franca.
Abundam assim os que esquecem o terror do domínio castelhano e
pressurosos querem entregar o país ao vizinho ibérico.
Miguel Urbano Rodrigues escrevia em 2006:
151

J. Chrys Chrystello
Os iberistas, ao esboçarem uma Espanha pletórica de energias, de
progresso e criatividade, simulam esquecer que o país exibe a mais
alta taxa de desemprego da UE. Não aludem ao racismo e à xenofobia
…onde os imigrantes, sobretudo os magrebinos, equatorianos e colom-
bianos são mais discriminados.
Há três décadas a Espanha não existia como parceiro comercial. Hoje
ocupa o primeiro lugar nas importações portuguesas. A banca espanho-
la conquistou uma parcela importante. O mesmo ocorre com a hotelaria
e grandes transnacionais como El Corte Inglês e Zara. As imobiliárias
espanholas invadem as cidades. … no Alentejo capitalistas espanhóis
compraram já as melhores terras no Alqueva. Adquiriram milhares de
hectares para criação de porcos, lagares e plantação de oliveiras e vinhas. Essa invasão é festejada pelo Governo de Sócrates e pela grande burguesia. … Agradecem. Com a espontaneidade da nobreza
de 1383 a saudar D João De Castela e a nobreza de 1580 a alinhar
com Filipe II. Essa forma de dominação económica encobre uma moda-
lidade de intervenção imperial. “Alentejo Popular”(Beja) 02-11-06
Portugal atingiu tal irrelevância que ninguém se surpreenderia se
passasse a dependência espanhola, como se de banco se tratasse.
Como se estivéssemos a falar de abrir um escritório no litoral já que
o interior está desertificado de gentes e de economias de mercado viáveis. Por outro lado, despontam a nível governamental, iniciativas de união ibérica, nem sempre dissimuladas, que causam engulhos. Por ser um estudioso do assunto que condensou o que JC pensa, sigamos Carlos Fontes em Lusotopias
O iberismo é um fenómeno do séc. XIX como resposta à teoria das
grandes nações então em voga. …as pequenas estariam condenadas
a serem absorvidas pelas grandes, tal como teria acontecido entre os
animais onde os mais fortes extinguiram os mais fracos (darwinismo).
Sempre que a situação é melhor no outro lado da fronteira, a integra-
ção de Portugal em Espanha surge aos olhos dos iberistas como a
solução para resolver a crise, sem trabalho… as mortes de dois ibe-
ristas assumiram enorme carga simbólica na história portuguesa, sendo
continuamente evocadas. A morte do Conde de Andeiro, fidalgo galego,
foi assumida como o símbolo de liberdade de um povo que recusa as
ingerências externas. Acabou por ascender a elevada posição na corte,
tendo recebido de D. Fernando o título de Conde de Ourém, pondo-se
152

ChrónicAçores:
.
na crise de 1383-85, ao serviço de Castela. Foi assassinado, em 1383, por D. João, mestre de Avis e futuro rei de Portugal. A sua nefasta ação traduziu-se numa violenta guerra civil.
Já a morte de Miguel de Vascon-celos exprime simbolicamente a afir-mação da identidade cultural de um povo, após a opressão de 60 anos. Após a morte deste esbirro, o povo português travou com a Espanha, durante 28 anos, uma sangrenta guerra na Europa e na América do Sul pela defesa da sua liberdade e dignidade.
…E como já ninguém estuda História, estes episódios perdem
a força, não são transmitidos de geração para geração, perde-se a
memória coletiva do povo. Continuemos com Carlos Fontes:
Nas últimas décadas, órgãos de comunicação social usando da
liberdade de expressão, têm procurado abrir fraturas na sociedade.
O seu objetivo é simples:
1. Mostrar através de “sondagens” encomendadas ou “discussões”
públicas que na sociedade portuguesa existe um grupo cujo objetivo é a
dissolução do Estado português;
2. Dar “voz” à hipotética minoria iberista portuguesa. Ao mesmo
tempo, a imprensa espanhola mostra aceitação à possível integração.
3. Os supostos iberistas não constituem uma corrente de opinião nem
um movimento organizado.
A imprensa trabalha no terreno das hipóteses…introduzindo elementos de discórdia e desmoralização coletiva.
Oliveira Martins (1845-1894) é o melhor exemplo dos esbirros iberistas.
É difícil de determinar a causa do profundo ódio que manifestava pelos
seus concidadãos e o país. Foi um típico vira-casaca: anarquista, socia-
lista, republicano, monárquico, liberal, antiliberal. Defendeu a liberdade,
mas também a ditadura. Atacou os ditadores, mas apoiou João Franco,
Muitas das suas ideias foram aplicadas por ditadores (Sidónio Pais ou
Oliveira Salazar).
Antero de Quental (1869) era um confesso iberista, dois anos depois já nem fala no assunto, e mais tarde abomina a ideia. Algo idêntico ocorreu com Teófilo Braga. …
Durante as legislativas de setembro 2009 – a TVI -, canal de TV controlado por espanhóis interferiu diretamente na campanha eleitoral, e…afastou a “jornalista” (Manuela Moura Guedes) que promovia uma campanha de propaganda contra o governo socialista… e a comuni-icação social espanhola procurava lançar nova campanha em defesa das teses iberistas, apoiada numa “sondagem” da Universidade de Salamanca, com a colaboração de alienados no ISCTE (Lisboa).
153

J. Chrys Chrystello
A razão por que se escolheu este tema e as citações supra para esta
crónica é a data que ora se celebra, o dia da Restauração da Indepen-
dência de 1 de dezembro de 1640. Para que os mais jovens nunca o
esqueçam e deixem de a tratar como um dia sem aulas. Infelizmente,
é para a maioria, um dia como qualquer outro nos Açores, sem que
o povo se dê conta do seu significado:
“…arrebatados do generoso impulso, saíram todos das carroças e
avançaram ao paço. .. D. Miguel de Almeida, venerável e brioso, com a
espada na mão grita: Liberdade, portugueses! Viva El-Rei D. João IV”
A ideia de nacionalidade esteve por trás da restauração da inde-
pendência plena de Portugal após 60 anos de monarquia dualista.
Cinco séculos de governo próprio haviam forjado a nação, fortalecen-
do a rejeição da união com o vizinho. A independência fora sempre um
desafio a Castela. Foram sucessivas e acerbas as guerras, as únicas
que Portugal travou na Europa. Para a maioria, os Habsburgo eram
usurpadores, os Espanhóis inimigos e os seus partidários, traidores.
Culturalmente, avançara depressa a castelhanização de 1580 a 1640.
Autores e artistas gravitavam na corte espanhola, aceitavam padrões
espanhóis e escreviam cada vez mais em castelhano, contribuindo para
a riqueza espanhola. Dão a impressão errada de decadência cultural
após 1580. A perda da individualidade cultural era sentida por muitos
portugueses, com reações diversas a favor da língua pátria e da sua
expressão em prosa e poesia. Contudo, os intelectuais sabiam perfei-
tamente que os seus esforços seriam vãos sem a recuperação da
independência política. O Império Português atravessava uma crise
com a entrada em jogo de holandeses e ingleses. Perdera o mono-
pólio comercial (Ásia, África e Brasil) e a Coroa, a nobreza, o clero
e a burguesia haviam sofrido severos cortes de receitas.
Os Espanhóis reagiam contra a presença portuguesa nos seus ter-
ritórios, mediante vários processos, entre os quais a Inquisição. Isso
suscitou grande animosidade nacionalista em Portugal aprofundan-
do o fosso entre os dois países.
Margarida, duquesa de Mântua, neta de Filipe II, exerceu o governo
de Portugal, de 1634 a 1640, como vice-rei e capitão-general. Econo-
micamente, a situação piorara desde 1620 ou até antes. Os produtores
sofriam com a queda dos preços do trigo, azeite e carvão. A crise
afetava as classes baixas, cuja pobreza aumentou sem disfarces. O
agravamento dos impostos tornava a situação pior. A solução apre-
sentava-se fácil e óbvia: a Espanha, causa de todos os males.
154

J. Chrys Chrystello
A conspiração independentista congregava um grupo heterogé-
neo [nobres, funcionários da Casa de Bragança e elementos do clero
(alto e baixo)]. Em novembro de 1640 conseguiram o apoio formal
do duque de Bragança. Na manhã do 1º de dezembro, um grupo de
nobres atacou a sede do governo (Paço da Ribeira), prendeu a du-
quesa de Mântua, matou e feriu membros da guarnição militar e
funcionários, como o Secretário de Estado, Miguel de Vasconcelos.
Dizia Camões: “Também dos Portugueses alguns traidores houve,
algumas vezes…” (Os Lusíadas, C. IV, 33). Seguidamente, os re-
voltosos percorreram a cidade, aclamando o novo estado, secun-
dados pelo entusiasmo popular. Em todo o Portugal, metropolitano
e ultramarino, a notícia da mudança do regime foi recebida e obe-
decida sem qualquer dúvida. Só Ceuta permaneceu fiel a Filipe IV.
D. João IV entrou em Lisboa a 6 de dezembro. Proclamar a separa-
ção fora fácil. Mais difícil seria mantê-la. Tal como em 1580, em 1640 os
portugueses estavam longe de unidos. As classes inferiores mantinham
a fé nacionalista em D. João IV, mas o clero e a nobreza, com laços em
Espanha, hesitava e a medo alinhava com o duque de Bragança.
O novo monarca estava numa posição pouco invejável. Tornava-se
necessário justificar a secessão não como usurpador, mas a reaver o
que por direito legítimo lhe pertencia. Abundante bibliografia (em
Portugal e fora dele) procurou demonstrar direitos reais do duque
de Bragança. Se o trono jamais estivera vago de direito, em 1580
ou 1640, não havia razões para eleição em cortes, o que retirava
ao povo a importância que teria, fosse o trono declarado vago.
Todo o reinado (1640-56) foi orientado por prioridades. Primeiro, a re-
organização do aparelho militar, reparação de fortalezas das linhas
defensivas fronteiriças, fortalecimento das guarnições e obtenção de
reforços no estrangeiro. Paralelamente, a intensa atividade diplomática
nas cortes da Europa, para obter apoio militar e financeiro, negociar
tratados de paz ou de tréguas, o reconhecimento da Restauração, e a
reconquista do império ultramarino. A nível interno, a estabilidade de-
pendeu, do aniquilamento de toda a dissensão a favor de Espanha.
A guerra da Restauração mobilizou todos os esforços e absorveu
enormes somas. Pior, impediu o governo de conceder ajuda às ata-
cadas possessões ultramarinas. Mas, se o cerne do Império, na Ásia,
foi sacrificado, salvou a Metrópole da ocupação espanhola.
155

ChrónicAçores:
Portugal não dispunha de exército moderno, as forças terrestres
escassas na fronteira, as coudelarias extintas e os melhores generais
lutavam pela Espanha na Europa. Isto explica por que motivo a guerra se limitou a operações fronteiriças de pouca envergadura.
Do lado espanhol, a Guerra dos Trinta Anos (até 1659) e a questão
da Catalunha (até 1652) atrasavam ofensivas de vulto. A guerra, que se
prolongou por 28 anos, teve altos e baixos até se assinar o Tratado de
Lisboa,1668, entre Afonso VI de Portugal e Carlos II de Espanha, em
que este reconhece a independência do nosso País. (Adaptado de
Oliveira Marques, “A Restauração e suas Consequências”, in História de
Portugal, vol. II, Lisboa, ed. Presença, 1998, pp. 176-201).
Hoje anda muita gente com passaporte português a celebrar o 1º
de dezembro como desastre ou deplorável evento. Esquecem que se
tratou da reconquista da liberdade do povo e da nação subjugada
pelo poder dinástico dos Filipes de Castela. Mais vale um povo
pobre e livre do que rico na gaiola dourada com as cores do reino
de Espanha. Assim o dizem os galegos que se acercam das origens
portuguesas preservando a língua e cultura comuns. A memória dos
homens é curta e ninguém sabe nem evoca o jovem Miguel da Paz
(n. 1499) que seria Rei de Portugal e de Espanha se não morresse
aos dois anos. Infelizmente morreu e este “se” é desconhecido dos
portugueses, clamem ou não pelo regresso ao trono espanhol.
São deveras interessantes os “pequenos detalhes” que determinam
o curso da História e que vieram legalizar de pleno direito a sucessão de
Filipe II ao trono de Portugal em 1580, por morte sem descendência do
herdeiro varão, cardeal D. Henrique (68 anos), 9º filho do rei D. Manuel I
A candidatura de Filipe era fortíssima e indiscutível e resultava do ca-
samento da filha terceira de D. Manuel I, com Carlos V (I de Espanha),
pais de Filipe I de Portugal (II de Espanha). Paradoxalmente, antes da
candidatura de Filipe ao trono, a situação poderia ter sido invertida,
unificando as coroas ibéricas “para o lado português”. Em 1499, fora
proclamado herdeiro das coroas de Portugal e de Espanha, Miguel da
Paz, primeiro filho de D. Manuel I com Isabel, filha dos Reis Católicos.
Azar dos portugueses ou conspiração castelhana, morreu com 2 anos.
Por estas e outras razões os portugueses serão sempre saudosistas,
dos espanhóis, de Salazar e do sonho chamado 25 de abril.
in CHRÓNICAÇORES UMA CIRCUM-NAVEGAÇÃO POR J CHRYS CHRYSTELLO ED CALENDÁRIO DE LETRAS 2011
156

J. Chrys Chrystello
— Quem garante que Portugal estaria melhor como província espa-
nhola do que independente? (Os galegos dizem que não)
— Quem garante que não seria Portugal uma célula independentista,
tipo ETA, (aliada ou não à Galiza)?
E se fosse ao contrário e o Reino de Espanha fosse uma província
de Portugal? Que aconteceria aos Bourbon? Só tinham utilidade nos
EUA. Lá emborcam todos os Bourbon que encontram. Infelizmente,
aqui ao lado, entronizam-nos e chamam-lhes Reis.

Malaca povos cruzados

 

NOTICIA PUBLICADA PELO CLUBE RAIZES

Malaca 500 anos – Portugal ao longe | Clube Raízes

Viagens pela História e pelo Património

Malaca 500 anos – Portugal ao longe

(Photography by: Antony D’Cruz)
Comemoram-se este ano os 500 anos da conquista da cidade – entreposto comercial – de Malaca,
na Malásia, pelas forças portuguesas, comandadas por Afonso de Albuquerque.
Malaca, do outro lado do mundo, no continente asiático, apesar da grande distância a que se encontra de Portugal,
mantém uma comunidade de origem portuguesa que tenta manter vivas as raízes lá deixadas desde o século XVI.
É grande o amor que esta comunidade nutre por Portugal, traduzido na manutenção dos nomes portugueses,
comuns na maior parte destas famílias, e de mostrar aos outros, através das canções e das danças de influência lusa,
da prática do catolicismo, da transmissão familiar da língua portuguesa localmente falada, preservada desde o tempo
de Albuquerque. A origem portuguesa é, para esta comunidade, um orgulho que pretendem manter. As
comemorações tiveram o seu ponto alto nos finais de Outubro, com atividades diversas onde prevaleceu a ligação
histórica, cultural e religiosa a Portugal. Nelas esteve presente o Cónego António Rego, que além de participar na
missa, ofereceu à comunidade uma imagem da padroeira de Portugal, Nossa Senhora da Conceição. Reproduzimos
aqui as palavras de António Rego sobre a sua participação nas comemorações em Malaca, publicadas no site da Agência
Ecclesia e também no semanário figueirense ”O Dever”, de 10 de novembro.

Portugal ao longe

Mesmo sem se entender a língua, ou falando um português do tempo de Afonso de Albuquerque, há

um povo que aí encontra a sua identidade, a venera, reza e ama com um enternecimento comovedor

500 anos não são nada na história. Andar 12 mil quilómetros de avião aos
solavancos, chegar a um lugar, ver uma pequena fortaleza, dois barquinhos a percorrer a cidade como se fossem duas
imagens de santos, os jovens numa correria para os acompanharem, alguns mais tisnados, junto ao mar a cantar melodias
portuguesas tão distantes do original nas palavras como nas melodias, as casas marcadas por uma cruz, o bairro conhecido
tanto como português, como cristão, faz, a quem chega, ainda que não seja pela primeira vez, estremecer de emoção por
o povo a que pertence ser o mesmo que ali vive naquele bairro simples de pescadores. Não sabem o nome do presidente
da República nem do Cardeal-Patriarca de Lisboa, mas sentem-se transportados a uma origem que sendo, para um
recém-chegado igual ao resto do povo de Malaca, traz um registo indefinido de fé e portugalidade próximos e naturais sem
a mais pequena discussão sobre o laicismo, separação de poderes, profano e sagrado, passado e presente. Sabe-se que,
mesmo sem se entender a língua, ou falando um português do tempo de Afonso de Albuquerque, há um povo que aí
encontra a sua identidade, a venera, reza e ama com um enternecimento comovedor. Expliquei que a imagem de Nossa
Senhora de Fátima é a mais conhecida do mundo. Mas a que os portugueses agora lhes ofereceram é de Nossa Senhora
da Conceição, foi coroada por um rei português e é a nossa padroeira. Foi um grupo de quinze jovens portugueses do
ensino superior que levou o bandolim, a guitarra, o traje, a voz, um sorriso doce com um imenso respeito e dignidade,
que acordou no coração dos presentes não apenas uma casa portuguesa, mas um povo lá dentro, com uma identidade
para além do fado. “Aqui sou mais do que eu”, diria Pessoa. E nada disto foi de organização burocrática. Aconteceu pela
sensibilidade de quem cá passou e se apercebeu que por vezes, quanto mais longe se está mais se ama Portugal. E a fé
que o integrou e integra, mudados os tempos e as vontades.

António Rego

e veja também:
http://www.agencia.ecclesia.pt/cgi-bin/noticia.pl?&id=87938

Sobre clube11raizes

Clube de Divulgação e Defesa do Património

OLIVENÇA

CARLOS LUNA JÁ ESTEVE NOS COLÓQUIOS D ALUSOFONIA

Como é possível o caso de Olivença ser tão ignorado em Portugal? Como é possível que os sucessivos governos do País, desde o princípio do século XIX, nunca tenham reivindicado de forma categórica um território que à luz do Direito Internacional, lhe pertence?


Carlos Luna: – Muitos portugueses nem conhecem a sua História, mas o mais grave é que Portugal se acha tão mau, tão mau, que nem reivindica o que é seu de direito. Em 20 de Maio de 1801, Olivença foi ocupada por Espanha. Curiosamente, foi em 20 de Maio de 2002, que Timor dia da independência de Timor….

O empenhamento que se pôs na causa de Timor, devia ter sido posto na causa de Olivença?

Acho que sim.

Como começou esta sua luta?

Por volta de 1986 lembrei-me de ir à terra de que muito se falava, gostei do que vi mas detestei a profunda desinformação que reina em Olivença entre a população que não tem culpa nenhuma. As autoridades espanholas mascararam e esconderam a verdadeira realidade histórica ao povo de Olivença, fazendo-os acreditar em mitos absurdos, ofensivos e chauvinistas em relação a Portugal e à sua História.

Mesmo depois de 1975, da democratização?

É verdade. Acho inacreditável que uma Espanha democrática continue a ensinar a um povo um passado que não é o seu. Embora parte da culpa de não haver uma definição no caso de Olivença também resida no povo português.

No povo e sobretudo nos sucessivos governos…

Sou essencialmente um lutador pela positiva e há alguns argumentos que eu detesto, os portugueses têm um desprezo tal por si próprios que é quase impossível de explicar. A luta pelo caso de Olivença tem muitas semelhanças com a contenda sobre Gibraltar. Neste caso, os espanhóis insistem ser uma questão de justiça e tratam-no de maneira muito diferente do que acontece com a localidade próxima de Portugal. Aproveitam todas as oportunidades para resolver, ou pelo menos debater, a questão de Gibraltar. Em contrapartida, o Estado Português não fala em Olivença, é quase uma posição clandestina

OLIVENÇA 1801

O Jornal espanhol  publicou, em 21.11.11, a matéria OLIVENZA CELEBRA DERROTAS
de J. R. ALONSO DE LA TORRE
No artigo o articulista critica o fato de Olivença estar a comemorar a Guerra das Laranjas de 1801com uma grande representação do acontecimento, celebrando uma guerra que os derrotou e uma conquista que acabou com  tantos de seus antepasados…..
 
Lembrando esta data cito um livro:
 

OLIVENÇA, 1801.
Portugal em Guerra do Guadiana ao Paraguai

de Manuel Amaral
Lisboa, Tribuna («Batalhas de Portugal»), 2004.
112 págs.
Preço: 25€ 
Comprar
 
 
Olivença A guerra de 1801 entre Portugal e a Espanha aliada à França, é conhecida sobretudo por ser o momento em que se perdeu o território de Olivença. Mas este conflito, conhecido por “Guerra das Laranjas”, esteve longe de ter como preocupação fundamental aquela antiga vila Alentejana. Na realidade, as operações desenrolaram-se tanto ao longo das fronteiras de Portugal, como das do Brasil e no Oceano Atlântico.

Esta obra apresenta uma visão nova do desenrolar das hostilidades no território europeu, não só abordando os teatros de operações em que o exército português se confrontou com o espanhol, em Trás-os-Montes, no Algarve e no Alto Alentejo, mas também abordando a estratégia desenvolvida á época face ao que já se via como uma possivel primeira invasão francesa do território nacional. Aborda-se o desenrolar da Guerra na América do Sul, onde Portugal conquistou um imenso território, tanto no estado do Rio Grande do Sul como no de Mato Grosso, delimitando quase definitivamente as actuais fronteiras do Brasil.
Se Portugal perdeu Olivença logo no início das hostilidades, conseguiu no entanto realizar os seus objectivos estratégicos neste conflito. Foi esta a última guerra travada por Portugal com a vizinha Espanha.

http://www.arqnet.pt/portal/agenda/col_batalhas.html
— On Wed, 11/23/11, AMarques wrote:

From: AMarques
Subject: OLIVENZA CELEBRA DERROTAS? (ver la foto adjunta)
To: margaridadsc@yahoo.com
Date: Wednesday, November 23, 2011, 1:36 AM

NO!

“HOY”, 21-Novembro-2011
OLIVENZA CELEBRA DERROTAS
21.11.11 –
J. R. ALONSO DE LA TORRE
Olivenza van a celebrar la Guerra de las Naranjas con una gran representación del acontecimiento. Supongo que habrá soldados españoles que ataquen la fortaleza, ciudadanos oliventinos que la defiendan, sean soldados, sean civiles, y al final habrá conquista española, quizás algún saqueo si se quiere ser fieles a las guerras de antaño y después se celebrará algún evento gastronómico para festejar la fecha. La celebración se las trae. Los oliventinos celebran que fueron conquistados y derrotados, algo impensable en otras ciudades, que suelen celebrar sus victorias y triunfos, nunca sus derrotas. Esta ‘Macrorrepresentación de la Guerra de las Naranjas’ está levantando muchas ampollas en Portugal, aunque lo más destacable es la esquizofrenia que supone celebrar que a tus antepasados se los cargó un ejército enemigo, aunque tú ahora formes parte del país que te conquistó y estés encantado de ello. Solo conozco un caso parecido en Extremadura, se trata de la llamada Torre de Bujaco de Cáceres, nombrada así en honor del caudillo árabe Abu Jacob, que se cargó en esa torre a los últimos caballeros cacereños en una de las varias reconquistas de la ciudad. Aunque en ese caso pudiera haber truco y llamarse de Bujaco en honor a un ‘muñeco’ que en ella había. Sería más lógico pues a nadie se le ocurre ponerle a una torre el nombre del caudillo que mató a los tuyos. A nadie salvo a los oliventinos, que han tenido la idea de festejar la guerra que los derrotó y celebrar la conquista que acabó con tantos de sus antepasados.
(J.R. Alonso de la Torre)

MARCAS DA GALIZA NOS AÇORES

 

Algumas marcas de Galiza nos Açores e Brasil
Desde 1475 o arquipélago dos Açores recebeu povoadores vindos inicialmente de Portugal
Continental que trouxeram consigo alguns escravos de África e depois, em menor quantidade,
de Flandres, Galiza, Inglaterra, França e Estados Unidos.
Naquela época em Castela ocorria uma disputa para a sucessão do trono entre D. Joana (a
Beltraneja) e Isabel, irmã do rei Henrique IV de Castela. D. Joana, filha de Joana de Portugal
e talvez do rei, era considerada ilegítima pelos nobres espanhóis, uma vez que Henrique IV
era considerado impotente. Mas Portugal e Galiza apoiavam-na. Os partidários de Joana,
perseguidos, abrigaram-se em Portugal. Quando a paz foi restabelecida esses refugiados
tornaram-se incômodos ao reino português, que não sabendo o que fazer deles, resolveu
encaminhá-los para as ilhas atlânticas recentemente descobertas e que precisavam ser
povoadas.
Nas ilhas açorianas do Faial e Pico instalaram-se as famílias galegas ABARCA, ANDRADE,
GARCIA, ORTIZ, PORRAS, LEDESMA, TROJILLO. Quando apareceram as dificuldades de
sobrevivência, trazidas pelos desastres naturais que acometiam o arquipélago de tempos em
tempos, a emigração para o Brasil surgiu como a solução. E assim muitos dessas famílias se
transferiram para o Brasil à procura de uma nova vida. Dizem que João Garcia Pereira deu
origem aos “Garcia” faialenses e João Luís Garcia aos picoenses.
A partir do século XVIII, consideráveis e repetidas levas de açorianos chegaram ao sul e
sudeste do Brasil. Alguns se deslocaram para as regiões auríferas e de criação de gado, onde
havia mais oportunidades de ganhar terras e riquezas. Destes oriundos dos Açores, de raízes
galegas, a história relata um tal de Antônio Garcia Rosa, que emigrou para o Brasil em 1741 e
que juntou forte cabedal em Minas Gerais, como vigário (Paróquia de Nossa Senhora da
Glória). Voltou para os Açores rico. É conhecido também um imigrante João Garcia que
chegou ao Rio de Janeiro em 1773, parece que se tornou fazendeiro. Outro faialense de
nascimento foi Diogo Garcia. Este casou em terras brasileiras com uma das três irmãs, que de
lá também vieram em 1723 e que eram conhecidas como as três ilhoas (Antónia da Graça,
Júlia Maria da Caridade, Helena Maria de Jesus). Eram as três filhas de Manuel Gonçalves
Correa e de Maria Nunes.
Antônia da Graça veio já casada com Manuel Gonçalves da Fonseca e com duas filhas
Catarina e Maria Tereza.
Júlia Maria da Caridade casou-se em São João del Rei com o conterrâneo Diogo Garcia.
Helena Maria de Jesus casou com o também açoriano, natural de Santa Maria, João Rezende
da Costa.
Essas três irmãs tiveram muitos filhos e deixaram larga descendência que se espalhou por
Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Paraná e Mato Grosso, dando origem a grande parte das
famílias tradicionais desses estados brasileiros.
Ref. Bibliográfica
FAMILIAS FAIALENSES (Marcelino Lima)
As três Ilhoas ( pesquisa dos genealogistas Marta Amato e José Guimarães)
Maria Eduarda Fagundes
Uberaba, 10/11/07