os AÇORES E O 1º PRESIDENTE DO BRASIL

Séc. XVIII, , Rio Grande do Sul, Brasil

- Os  Pais de Getúlio Vargas  (1º Presidene do Brazil) : Cândida Francisca e o General Manuel Vargas.
 Os Vargas são originários do Arquipélago dos Açores, como a maioria das famílias povoadoras do Rio Grande do Sul que emigraram para o Brasil em busca de melhores condições de vida. In wikipedia

>> Mais em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Get%C3%BAlio_Vargas

Fonte: wikipedia
(FF)
Séc. XVIII, , Rio Grande do Sul, Brasil

– Os Pais de Getúlio Vargas (1º Presidene do Brazil) : Cândida Francisca e o General Manuel Vargas.
Os Vargas são originários do Arquipélago dos Açores, como a maioria das famílias povoadoras do Rio Grande do Sul que emigraram para o Brasil em busca de melhores condições de vida. In wikipedia

>> Mais em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Getúlio_Vargas

Like ·  · Share · 102 · 56 minutes ago · Edited · 
Please follow and like us:
error

PREVER – as lições do Urbano

Urbano Bettencourt shared Dept. de Línguas e Literaturas Modernas da Universidade dos Açores‘s photo.
Há uma linha que separa __________________________________ previram – preveram Há uma linha que separa muito claramente “previram” de “preveram” e esta linha é também aquela que separa o certo do errado. O verbo “prever” (tal como “rever” e “antever”, por exemplo) deriva de “ver”, pelo que se conjuga em todos os tempos e pessoas como esse verbo. Estão, pois, erradas as formas presentes nestas frases: eles não preveram as consequências das medidas que tomaram/não preveste o que se ia passar, pois não?/a abertura de mais uma sala de cinema só se justifica se se prever o aumento do público. As versões corretas são as que se seguem: eles não previram as consequências das medidas que tomaram/não previste o que se ia passar, pois não?/a abertura de mais uma sala de cinema só se justifica se se previr o aumento do público.

Há uma linha que separa ______________________________

____ previram – preveram Há uma linha que separa muito claramente “previram” de “preveram” e esta linha é também aquela que separa o certo do errado. O verbo “prever” (tal como “rever” e “antever”, por exemplo) deriva de “ver”, pelo que se conjuga em todos os tempos e pessoas como esse verbo. Estão, pois, erradas as formas presentes nestas frases: eles não preveram as consequências das medidas que tomaram/não preveste o que se ia passar, pois não?/a abertura de mais uma sala de cinema só se justifica se se prever o aumento do público. As versões corretas são as que se seguem: eles não previram as consequências das medidas que tomaram/não previste o que se ia passar, pois não?/a abertura de mais uma sala de cinema só se justifica se se previr o aumento do público.
Please follow and like us:
error

ADRIANO MOREIRA E A EURÁFRICA

IN DIÁLOGOS LUSÓFONOS

Considero obrigatória a leitura do texto do prof Adriano Moreira. Uma aula sobre as relações entre Portugal e África , e o legado dos povos. Adriano Moreira lembra-nos a” Euráfrica, que em todas as épocas, com formas e semânticas variáveis, por vezes invocando a necessidade de destruir Cartago, outras de multiplicar a relação no domínio, finalmente assumindo que a relação mútua, consentida e racionalizada, seria o caminho mais correspondente à igual dignidade e interesses dos povos. Foi esse o projeto dos que, quando do fim da guerra de 1939-1945, pensaram ser evidente que era a cooperação o caminho, e tentaram que a Euráfrica fosse uma ideia força da recuperação, designadamente mediterrânica.” A Euroáfrica e a CPLP são forças a recuperar.

A Euráfrica

ADRIANO MOREIRA

por ADRIANO MOREIRAHoje
As preocupações explícitas de intervenções governamentais europeias, que acumulam as oportunidades de se ocupar do passado em termos de suavizarem as perplexidades com que visivelmente se defrontam para assumir o seu já longo presente, repetem o modelo, tantas vezes repetido, quando é evidente que a bússola não funciona.
Seguindo um livro de qualidade, devido a Douglas Smith, e traduzido em português com o título Gente do Passado, a experiência que relata diz respeito à evolução da Rússia para o sovietismo, e cita uma passagem de um jornal da época (1922), segundo o qual “já não existe nobreza russa. Já não existe aristocracia russa… Um historiador futuro descreverá, com pormenores precisos, como morreu esta classe”.
Nesta crise ocidental, que participamos, o conceito de gente do passado é mais de definição orçamental, para enfrentar o fenómeno da “geração grisalha”, gente do passado cujos impostos contribuíram para custearem a perfeição gestora atual, sem riscos de tributação retroativa.
Todavia, no legado dessa gente do passado, além do embaraçante direito constitucional em vigor, existem projetos que previram a urgência de responder à mudança do mundo, e da ordem que o século XX definitivamente destruiu.
E pelo que toca à Europa, lembra-se a questão da Euráfrica, em todas as épocas, com formas e semânticas variáveis, por vezes invocando a necessidade de destruir Cartago, outras de multiplicar a relação no domínio, finalmente assumindo que a relação mútua, consentida e racionalizada, seria o caminho mais correspondente à igual dignidade e interesses dos povos. Foi esse o projeto dos que, quando do fim da guerra de 1939-1945, pensaram ser evidente que era a cooperação o caminho, e tentaram que a Euráfrica fosse uma ideia força da recuperação, designadamente mediterrânica.
Não vale a pena lamentar que a CCTA (Comissão de Cooperação Técnica com África), juntando, com tal propósito, os países da frente marítima atlântica, tenha morrido sem certidão de óbito conhecida, mas é necessário não esquecer que apenas os países de língua portuguesa conseguiram, muito por decisão do Brasil, criar a CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), numa época já difícil, o que o ilustre atual secretário executivo da Organização, Murade Issac Murargy, resumira recentemente (Globo, junho-setembro, 2013) com estas palavras: “Na altura da criação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, há 17 anos, Angola estava em guerra, o Brasil tinha os seus problemas económicos e financeiros internos, Cabo Verde, que era estável, fazia parte dos países menos avançados, a Guiné-Bissau tinha o problema que tem, Moçambique tinha acabado de sair de uma guerra, e Portugal tinha entrado recentemente para a União Europeia.”
Neste quadro, nenhuma antiga metrópole, além de Portugal, viu concretizar o projeto. Por isso mesmo, isto é, pela viabilidade demonstrada, por ser um projeto com conceito estratégico definido e a consolidar, não é possível deixar de lidar com sentido de Estado com todos os problemas dessa comunidade, um sentido exigível a todos os órgãos estaduais, que não farão obra de futuro se não mobilizarem com confiança povos, gentes, elites, que possuem memória do passado, e que dão exemplo de cultivar as emergências anunciadoras de futuro, transformando em sabedoria os erros sofridos. Incidentes que firam o projeto e o seu trajeto, atingem o interesse comum, mas sobretudo agravam as dificuldades com que Portugal procura melhorar a circunstância externa e interna em que se encontra.
A diplomacia portuguesa não tem necessidade de ensinamentos para que, em relação a Angola, a tensão criada, com reflexo na opinião pública e seus órgãos, seja objeto de uma rápida política de contenção dos danos. Mas não dispensa que a decisão estratégica governamental não perca tempo.
Please follow and like us:
error

tautologias

TAUTOLOGIA

 

 

E já agora sabe o que é tautologia?

É o termo usado para definir um dos vícios, e erros, mais comuns de linguagem. Consiste na repetição de uma ideia, de maneira viciada, com palavras diferentes, mas com o mesmo sentido.
O exemplo clássico é o famoso ‘ subir para cima ‘ ou o ‘ descer para baixo ‘. Mas há outros, como pode ver na lista a seguir:
elode ligação
– acabamentofinal
– certezaabsoluta
– quantiaexacta
– nos dias 8, 9 e 10,inclusive
– juntamentecom
expressamenteproibido
– em duas metades
iguais
– sintomasindicativos
– há anosatrás
– vereadorda cidade
outraalternativa
– detalhes
minuciosos
– a razão éporque
– anexojuntoà carta
– de sua
livreescolha
– superávit
positivo
todosforam unânimes
– conviver
junto
– factoreal
– encararde frente
– multidãode pessoas
– amanhecero dia
– criaçãonova
– retornarde novo
– empréstimotemporário
– surpresainesperada
– escolhaopcional
– planearantecipadamente
– aberturainaugural
continua apermanecer
– a
últimaversão definitiva
possivelmentepoderá ocorrer
– comparecer
em pessoa
– gritarbem alto
– propriedadecaracterística
demasiadamenteexcessivo
– a seu critério
pessoal
– excederem muito.

Note que todas essas repetições são dispensáveis.
Por exemplo, ‘ surpresa inesperada ‘ . Existe alguma surpresa esperada? É óbvio que não.
Devemos evitar o uso das repetições desnecessárias. Fique atento às expressões que utiliza no seu dia-a-dia.

Gostou?
Reenvie para os amigos amantes da língua Portuguesa


Please follow and like us:
error

MIA COUTO-“Melhor de Moçambique”

IN DIÁLOGOS LUSÓFONOS

Mia Couto

Intervenção na Gala da STV para a atribuição do galardão do “Melhor de Moçambique”

Pensei bastante se estaria ou não presente nesta cerimónia. A razão para essa dúvida era a seguinte: há três dias a minha família foi alvo de várias e insistentes ameaças de morte. Essas ameaças persistiram e trouxeram para toda a nossa família um clima de medo e insegurança. A intenção foi-se revelando clara, depois de muitos telefonemas anónimos: a extorsão de dinheiro. A mesma criminosa ameaça, soubemos depois, já bateu à porta de muitos cidadãos de Maputo.

Poderíamos pensar que essas intimidações se reproduzem a tal escala que acabam por se desacreditar. Mas não é possível desvalorizar este fenómeno. Porque ele sucede num momento em que, na capital do país, pessoas são raptadas a um ritmo que não pára de crescer. Esses crimes reforçam um sentimento de desamparo e desprotecção como nunca tivemos nos últimos vinte anos da nossa história.

Esses que são raptados não são os outros, são moçambicanos como qualquer outro cidadão. De cada vez que um moçambicano é raptado, é Moçambique inteiro que é raptado. E de todas as vezes, há uma parte da nossa casa que deixa de ser nossa e vai ficando nas mãos do crime. Neste confronto com forças sem rosto nem nome, todos perdemos confiança em nós mesmos, e Moçambique perde a credibilidade dos outros.
Esses sequestros estão nos cercando por dentro como se houvesse uma outra guerra civil, uma guerra que cria tanta instabilidade como uma qualquer outra acção militar, qualquer outra acção terrorista.

Este é um fenómeno que atinge uma camada socialmente diferenciada do nosso país. Mas o mesmo sentimento de medo percorre hoje, sem excepção, todos os habitantes de Maputo, pobres e ricos, homens e mulheres, velhos e crianças que são vítimas quotidianas de crimes e assaltos.

Eu falo disto, aqui e agora, porque uma cerimónia destas nos poderia desviar do que é vital na nossa nação. Não podemos esquecer que o nosso destino colectivo se decide hoje sobretudo no centro do País, nessa fronteira que separa o diálogo do belicismo. E todos nós queremos defender essa que é a conquista maior depois da independência nacional: a Paz, a Paz em todo o país, a Paz no lar de cada moçambicano.
Se invoquei a situação que se vive hoje em Maputo é porque outras guerras, mais subtis e silenciosas, podem estar a agredir Moçambique e a roubar-nos a estabilidade e que tanto nos custou conquistar.

Caros amigos

Estamos celebrando nesta Gala algo que, certamente, possui a intenção positiva de valorizar o nosso país. Mas para usufruirmos o que aqui está a ser exaltado, as melhores praias, os melhores destinos turísticos, precisamos de saber o ver o que nos cerca. Na realidade, e em rigor, o melhor de Moçambique não pode ser seleccionado em concurso. O melhor de Moçambique são os moçambicanos de todas etnias, todas as raças, todas as opções políticas e religiosas. O melhor de Moçambique é a gente trabalhadora anónima que, todos os dias, atravessa a cidade em viaturas transportados em condições que são uma ofensa à vida e à dignidade humanas.

O melhor de Moçambique são os camponeses que embalam à pressa os seus haveres para fugirem das balas. O melhor de Moçambique são os que, mesmo não tendo dinheiro, pagam subornos para não serem incomodados por agentes da ordem cuja única autoridade nasce da arrogância.

O melhor de Moçambique são os que anonimamente constroem a nação moçambicana sem tirar vantagem de serem de um partido, de uma família, de uma farda.

Os melhores de Moçambique não precisam sequer que os outros digam que são os melhores. Basta-lhe serem moçambicanos, inteiros e íntegros, basta-lhes não sujarem a sua honra com a pressa de se tornarem ricos e poderosos.

Os melhores de Moçambique não precisam de grandes discursos para acreditarem numa pátria onde se possa viver sem medo, sem guerra, sem mentira e sem ódio. Precisam, sim, de acções claras que eliminem o crime e a corrupção. Porque a par deste galardão que distingue o melhor de Moçambique há um outro galardão, invisível mas permanente, que premeia o pior de Moçambique. Todos os dias, o pior de Moçambique é premiado pela impunidade, pela cumplicidade e pelo silêncio.

Caros amigos,

Disse, no início, que hesitei em estar presente nesta gala. Mas pensei que me competia, junto com todos vocês, a obrigação de construir um evento que fosse para além das luzes e das mediáticas aparências. Nós queremos certamente que esta festa tenha uma intenção e produza uma diferença. E esta celebração só terá sentido se ela for um marco na luta pela afirmação de valores morais e princípios colectivos. Para que a nossa vida seja nossa e não do medo, para que as nossas cidades sejam nossas e não dos ladrões, para que no nosso campo se cultive comida e não a guerra, para que a riqueza do país sirva o país inteiro.

MIA COUTO

25-10-2013

 

 

Please follow and like us:
error

TODA A obra de Fernando Pessoa

Toda a obra poética de Fernando Pessoa para download

 

Please follow and like us:
error

olivença por alexandre banhos

in comunidade lusófona

Uma opinião oportuna de um galego sobre a presença da língua portuguesa no norte da Extremadura e a situação vivida em Olivença («se empregaram a fundo os espanhois com -jugo e vara- para apagar…»).
AMarques

«O Português de Castela
São infelizmente poucos os portugueses que conhecem que a raia leste de Portugal não é exatamente uma fronteira linguística, que a fronteira política deixou em Espanha territórios bem portugueses onde a nossa fala vive em estado de depauperação.
Estou-me referindo aos concelhos espanhois de Olivença <http://olivenca.org/> e Tálega (a Olivença portuguesa) ocupados por Espanha em 1801, e que a pesar de ser mandato do tratado de Viena de 1815, o seu retorno à pátria, seguem ocupados e o português neles perseguido. Os territórios de Valência de Alcântara, Ferreira de Alcântara e Cedilho que cantou Pessoa, – e que bem se lembrou deles Afonso V ao assinar Portugal um tratado secreto com Filipe de Anjou, (neto de Luis XIV da França), intervindo Portugal a troca desses territórios, na longa guerra de sucessão em apoio do Bourbon, frente ao aspirante austríaco-; porém, obtida a vitória polo Bourbon (Filipe V da Espanha) este negou-se a cumprir o tratado –não tornando esses territórios bem portugueses a Portugal-, comportando-se assim dum jeito muito espanhol. Estão logo os territórios do vale do Xalma- concelhos espanhois de Valverde do Freixo, Sam Martim de Trevejo, e Eljas. Mais ao norte estão os concelhos de Almedilha e Calabor. Todos esses territórios são contíguos de Portugal e afastados geograficamente das falas galegas do português, ainda que a pressão do castelhano e a sua imposição, dá a estas falas uma farda muito galaica <http://www.pglingua.org/index.php?option=com_content&view=article&id=1906:o-galego-ou-a-caminhada-do-portugues-para-o-castelhano&catid=8:cronicas&Itemid=69>.
Um grupo de professores galegos membros do coletivo glu glu, realizaram um interessante filme sobre esta realidade, que pode ser adquirido na Loja on-line imperdível <http://imperdivel.net/documentarios/60-entrelinguas.html>, e que estou seguro vai ser todo um descobrimento para o público português em geral, e para entender de jeito muito mais claro que as falas galegas são parte da sua própria língua.
O documental é acompanhado com outro DVD com dados, inclui uma entrevista -de muito interesse- com um professor da universidade de Vigo – Henrique Costas-, que seguindo as teses espanholas, defende que as falas galegas não são português e por tanto algumas das falas portuguesas da raia leste e pela mesma razão -são galegas- é dizer espanholas (e não portuguesas)
A obra é uma pequena joia que vai servir para os portugueses recuperarmos algum aspecto da complexidade da nossa formação nacional, pois a fronteira do tratado de Alcanhizes não é exatamente uma fronteira linguística.
Só mais uma cousa, se o português destes territórios vive uma dura situação, onde pior está, é no mais recente território roubado de Portugal –Olivença-, onde se empregaram a fundo os espanhois com -jugo e vara- para apagar a nossa língua.
A Banhos»

__._,_.___
Please follow and like us:
error