são jorge uma ilha esquecida

 

Jornal de Negócios:
S. Jorge – Ilha esquecida
“Vitorino Nemésio, em “Mau Tempo no Canal”, vê-a [à Ilha de S. Jorge] como um “vulto estirado” no mar, “um navio azulado pelo próprio fumo da marcha”.
Não tem o cosmopolitismo da Horta nem exerce a atração natural do majestático Pico, mas é na pacata e discreta ilha de São Jorge que se escondem as paisagens mais surpreendentes das “ilhas do triângulo”.”

https://www.jornaldenegocios.pt/negocios-iniciativas/verao/detalhe/SJorge_Ilha_esquecida

S. Jorge – Ilha esquecida

www.jornaldenegocios.pt

Vitorino Nemésio, em Mau Tempo no Canal, vê-a [à Ilha de S. Jorge] como um vulto estirado no mar, um navio azulado pelo próprio fumo da marcha.
Please follow and like us:
error

repor a dignidade de antero de quental

REPOR ANTERO DE QUENTAL COM DIGNIDADE EM PONTA DELGADA….. em 2010 nos colóquios da lusofonia em floripa sta catarina , o nosso associado escritor Vasco Pereira da Costa fez aprovar por unanimidade (quase 300 pessoas) esta proposta (mas nada aconteceu)A Suas Excelências
O Presidente da Assembleia Legislativa Regional dos Açores
O Presidente do Governo Regional dos Açores
Considerando que o Campo de São Francisco na cidade de Ponta Delgada, está
povoado pela memória de Antero de Quental;
Considerando que o local que acolheu o coração liberto do poeta -sob a âncora da
Esperança -está indelevelmente inscrito no imaginário cultural português;
Considerando que um grupo de cidadãos manifestou publicamente a intenção e
o empenho de sinalizar aquele espaço simbólico, identificando-o e conferindo-lhe a dignidade de que carece; Os participantes no XIII Colóquio da Lusofonia, reunidos em Florianópolis, estado de Santa Catarina, Brasil, declaram a sua adesão a esta patriótica iniciativa
 Chrys Chrystello, An Aussie in the Azores /Um Australiano nos Açores,

 

Please follow and like us:
error

texto de josé luís peixoto

SÁBADO, 12 DE MAIO DE 2012
O, esta era a forma do sinal

 

 

No dia 18 de Abril de 1990, acordei às cinco e meia da manhã. O after-shave do meu pai tinha um cheiro enjoativo. A minha mãe era muito mais gorda do que é hoje. Talvez o meu pai nos estivesse a apressar, isso já não me lembro. Lembro-me da sua voz.

 

Nesse tempo, quando saíamos, a nossa cadela vinha a correr atrás da camioneta pelas ruas da vila. Corria até o meu pai conseguir acelerar o suficiente, o que só acontecia quando chegávamos à estrada de Avis. A minha mãe olhava para trás e afligia-se. Depois, vínhamos a saber que, nesses dias, a cadela ia procurar a minha mãe aos lugares onde ela costumava ir habitualmente. Era assim que a minha madrinha sabia que tínhamos ido a algum lugar. No dia 18 de Abril de 1990, íamos a Lisboa.

 

Na época, a estrada que ligava a Aldeia Velha a Cabeção era de terra e tinha grandes buracos. A cada solavanco, pulávamos na cabine da camioneta. Era de noite, madrugada, e havia lebres que se atravessavam, disparadas à frente dos faróis. A minha mãe sobressaltava-se. A minha mãe era uma menina, nervosa. Íamos a Lisboa para ela tirar o sinal. Quando eu era pequeno, chamava-lhe “o cuzinho”. Era um sinal que lhe crescera no peito, por baixo do pescoço. Ela não deixava que ninguém lhe mexesse. Quando alguém se aproximava para tocar-lhe num fio ou perto do pescoço, ela tinha o gesto automático de proteger o sinal.

 

Num instante, a camioneta acertou numa lebre. O meu pai saiu e eu saí atrás dele. A lebre, estendida sobre a terra, estava quase morta, respirava depressa, era um bicho ferido e desconsolado. O meu pai levantou-a no ar pelas orelhas e acertou-lhe por duas vezes com o punho fechado por detrás da cabeça. Fui buscar um saco de plástico e guardamo-la atrás do banco. Estava boa para comer.

 

A minha mãe não concordou. Enquanto protestava, eu e o meu pai partilhávamos alguma coisa que era maior do que o silêncio. O dia haveria de começar a nascer. Lisboa aproximava-se de nós. A minha mãe temia pelo sinal porque tinha aparecido sem aviso e, ao longo dos anos, tinha crescido, tinha mudado de cor. Quando o médico lhe disse para o tirar, conformou-se.

 

No dia 18 de Abril de 1990, Lisboa era maior e muito mais confusa. Tinha mistérios. Era já de manhã quando estacionámos nas traseiras do Hospital Curry Cabral. A minha mãe despediu-se de mim e eu, sem palavras, desejei-lhe boa sorte. O meu pai acompanhou-a. No rádio da camioneta, sintonizei um posto onde falavam do Benfica. Entretive-me a ver passar os comboios e foi nesse tempo que comecei a ter comichão.

 

Quando o meu pai voltou sozinho, foi ele que descobriu que eu tinha as pernas cheias de pulgas. A lebre. Quando o corpo arrefeceu, as pulgas começaram a abandonar-lhe o pêlo. O saco de plástico foi fraco protector. Juntos, tivemos de esfolá-la ali, nas traseiras do Hospital Curry Cabral. Tive de despir as calças e o meu pai catou-me as pernas. Não sei onde a minha mãe estava, imagino que estivesse anestesiada, num lugar branco.

 

À hora de almoço, estava pronta, mas um pouco despassarada. Tinha um penso no lugar do sinal. Pedi-lhe que me mostrasse, mas não quis. Apanhámos o metro e fomos comer um frango ao Bonjardim, nas Portas de Santo Antão. O meu pai pedia sempre picante. Eu e a minha mãe bebíamos coca-cola. A minha prenda nesse dia foi um alfinete com o emblema do Benfica.

 

A camioneta sentiu alívio ao ver-nos. Ainda estava estacionada no mesmo sítio, à nossa espera. Atrás do banco, dentro de um saco de plástico novo, estava a lebre esfolada. Fizemos o caminho de volta, cheios de Lisboa. As estradas, as histórias do meu pai, a fonte onde parávamos sempre para beber água. Horas depois, quando chegámos a casa, a nossa cadela estava à porta. Quando viu a minha mãe abanou a cauda amputada e mijou-se às pinguinhas. Era uma cadela muito sentimental.

 

Ouvi o relato no meu quarto, numa telefonia verde que tínhamos. A menos de dez minutos do fim, o angolano Vata marcou um golo espectacular com a mão. No Estádio da Luz, o Benfica apurou-se para a final dos clubes campeões europeus. Tive vontade de ir ao terreiro, mas já era tarde. Em vez disso, apanhei alguma coisa bicuda e marquei a data de 18 de Abril de 1990 na parte de trás do alfinete com o emblema do Benfica, o mesmo que agora seguro na palma da mão.

 

 

 

 

José Luís Peixoto, in Abraço

 

 

 

tags: 
Please follow and like us:
error

ROTA DE SEFARAD (SEFARDITAS)

Com a ajuda da Noruega, Portugal recupera herança judaica

https://www.publico.pt/2013/07/26/culturaipsilon/noticia/com-a-ajuda-da-noruega-portugal-recupera-heranca-judaica-1601457?fb_action_ids=10200511795773683&fb_action_types=og.recommends

 

Please follow and like us:
error

S MIGUEL (AÇORES) EM TONS DE VERDE

 

https://www.youtube.com/watch?v=07_OCMEwnmI&feature=share
Shades of Green – S Miguel, Azores

www.youtube.com

Slide show. Beautiful scenery. Mountains. Lakes. Lava rock coastline. Dark sand beaches. Villages and Towns.
Please follow and like us:
error