quem é Joana Félix a poeta, poetisa e musa

485841_357474217621577_2022723692_n lagoa2012 03abr caloura rolf (40) ???????????????????????????????retirado de Diário Insular 15 setembro 2013

 

reportagem Hélio Vieira
Fotografia António Araújo

A arte de Joana Félix

Escrita
de emoções

 

Joana Félix desde o berço que se habituou aos serões culturais em casa. Filha de Emanuel Félix, um dos mais importantes poetas açorianos, segue os trilhos da poesia.Quando ainda era criança, Joana Félix apreciava a azáfama que regularmente existia em sua casa durante os serões, em que eram convidadas figuras da cultura da Terceira ou com visitantes como Adriano Correia de Oliveira ou Carlos Paredes.
Recorda-se, também, quando o pai – Emanuel Félix, um dos maiores poetas açorianos de sempre – a cativava lendo poesia como quem conta uma história para dormir.
Com toda a ambiência cultural que fervilhava na casa da família Félix em Angra do Heroísmo, o encontro de Joana Félix com a escrita foi inevitável.
“Comecei a escrever muito cedo, tinha seis anos de idade. O meu pai encontrava coisas escritas por mim escondidas dentro de livros. No meu primeiro livro estão várias coisas que escrevi quando era criança e que foram publicadas exatamente como tinham sido feitas nessa altura”, referiu.
Os primeiros poemas de Joana Félix foram publicados em jornais como o extinto “Directo”, cuja redação ficava na mesma rua onde residida.
Desde cedo que começou a habituar-se a conviver com as comparações entre a sua escrita e a do pai, situação que, segundo confessa, nunca a incomodou.
“Sempre tive consciência da responsabilidade de escrever poesia, sendo filha de Emanuel Félix que foi um grande escritor, mas sempre procurei percorrer o meu caminho sem nunca deixar de ter em conta esse facto. Desde cedo que dei a conhecer aquilo que escrevo porque concordo com quem diz que a poesia, ou outra forma de arte, não deve estar escondida numa gaveta”, afirmou.
Apesar de a realidade em termos afetivos e geográficos da ilha estar patente na sua poesia, Joana Félix assegura que não existem limites para a sua escrita.
“Tal como acontecia com o meu pai, por vezes levanto-me a meio da noite para escrever ou fazer apontamentos de coisas que me ocorrem. Sinto necessidade de registar essas ideias que surgem de um momento para o outro”, disse.
Quando lhe perguntamos se a obra poética de Emanuel Félix não tem sido esquecida desde a sua morte em 2004, Joana Félix responde afirmativamente sem hesitar.
“Custa-me que a sua obra esteja um bocado esquecida. É óbvio que ainda existem pessoas interessadas em mantê-la viva, mas é um facto que hoje ouve-se falar pouco dela e isso entristece-me um bocadinho”, adiantou.
Numa altura em que se edita cada vez menos livros de poesia e os textos de novos autores açorianos são pouco divulgados, recorda que é importante não desistir porque “a palavra escrita é muito importante”.
Nesse sentido, Joana Félix refere que é fundamental que as pessoas que têm gosto pela escrita publiquem os seus trabalhos, até porque hoje existem muitos recursos para isso com as potencialidades que a internet tem para oferecer.
“Não me importo que ‘usem e abusem’ dos meus textos porque a arte deve ser partilhada”, referiu.
Aponta como lacuna o facto de não haver, presentemente, na Terceira, muitos espaços onde se possam realizar recitais de poesia, uma vez que poderia ser uma via para despertar o interesse das pessoas por essa e outras formas de expressão escrita.
Depois de ter editado o seu primeiro livro com o título “Palavras que eu disse”, integrou uma antologia de poesia da Chiado Editora e prepara uma nova publicação de textos.PAUSA NA PINTURA
Para além da escrita, Joana Félix tem dedicado algum do seu tempo à pintura, outra vertente da arte que também mereceu interesse do seu pai, que exerceu a sua atividade durante muitos anos na área do restauro de obras de arte.
“Tal como aconteceu com a escrita, comecei a fazer desenhos muito nova porque tinha acesso aos materiais que me pai me arranjava para pintar. O meu irmão (Emanuel Félix Júnior) era muito melhor do que eu nessa área, mas lá em casa quase toda a gente gostava de pintar”, referiu.
No entanto, confessa que nos últimos tempos a pintura tem ficado um pouco de lado, ao contrário do que acontece com a escrita.
“No desenho e na pintura, quando se fica muito tempo parado, perde-se o jeito, por isso espero voltar a essa atividade em breve até porque começo a ter saudades dos pinceis e das tintas”, afirmou.
Joana Félix admite que na sua poesia existe muito do que faz na pintura através do jogo de cores e das imagens e que as duas formas de expressão de artes se podem complementar.

 

A JOANA (VER CADERNO AÇORIANO Nº 20 EM

http://www.lusofonias.net/doc_download/1654-caderno-20-joana-felix.html

FOI UMA DAS AUTORAS SELECIONADAS PARA A NOVA ANTOLOGIA NO FEMININO “9 ILHAS NOVE ESCRITORAS” QUE A AAICL ESTÁ A PREPARAR PELA MÃO DE HELEMNA CHRYSTELLO E ROSÁRIO GIRÃO)

 

ESTEVE PRESENTE NO 117º COLÓQUIO DA LUSOFONIA LAGOA 2012 E VOLTARÁ A MARCAR PRESENÇA NO 21º EM ABRIL 2014….

 

livro sobre judeus portugueses

Livro – História dos Judeus Portugueses
Autor Carsten L. Wilke(1)
Classificação Autor Autor
Editora Almedina
ISBN 9789724415789
Páginas 247
Livro - Historia dos Judeus Portuguesesin diálogos lusófonos

Portugal tem um olhar único sobre a história judaica.

No imaginário nacional, o judaísmo pertence não apenas à sua tradição cultural, mas também à sua genealogia. Na época medieval, os monarcas portugueses garantiram aos judeus mais proteção e segurança do que qualquer outro país europeu. A entrada de Portugal na era moderna fez-se, porém, no decurso de um processo de cristianização violenta de toda a sua vasta comunidade judaica, e os descendentes desta, quando não puderam, ou quiseram, sobreviver como judeus no exílio, misturaram-se em grande número ao resto da população.

Os que se exilaram e vieram a fundar, ou desenvolver, dezenas das mais dinâmicas comunidades judaicas do mundo moderno, nem por isso deixaram de reivindicar além-fronteiras a identidade contraditória de judeus do desterro de Portugal. Há mais de um século que esta história complexa e absolutamente singular apaixona estudiosos dos mais variados ramos do saber, dentro e fora de Portugal. E se hoje os aspectos parcelares de dois milênios de civilização judeo-portuguesa estão amplamente estudados, são também dos mais mal resumidos, o que explica que sejam tão mal conhecidos fora dos círculos especializados.

(1) Carsten L. Wilke é doutor em Estudos Judaicos pela Universidade de Colónia e estudou na Escola Prática de Altos Estudos de Paris. Foi professor nas universidades de Heidelberg, Düsseldorf e Bruxelas, e é actualmente investigador no Instituto Steinheim de História Judaica Alemã, em Duisburg. Autor de numerosos livros e artigos, Carsten Wilke tem-se dedicado ao estudo das transformações vividas pelo judaísmo europeu, desde o criptojudaísmo do Renascimento ibérico até o modernismo rabínico do século XIX.

as lições do Urbano

Photo

Há uma linha que separa
__________________________________

traz – trás
Photo
Há uma linha que separa “traz” de “trás”, mas a confusão na escrita destas palavras homófonas (que se pronunciam da mesma maneira) é relativamente frequente.
“Traz” tanto pode ser a terceira p. do singular do presente do indicativo do verbo “trazer” como uma segunda p. do singular do imperativo do mesmo verbo. Ocorre, sempre com “z”, em frases como estas: ele traz sempre uma prenda para a mãe/isso só te traz problemas/traz o cão para dentro, por favor/traz mais cervejas.
“Trás” é um advérbio de lugar, escreve-se sempre com “s”, e ocorre em frases como as seguintes: segue a tua vida e não olhes para trás/ele passou por trás do carro/ele deixou os amigos para trás/essas queixas já vêm de trás/ninguém quer andar para trás.
Também “atrás” e “detrás” se escrevem sempre com “s: está alguém atrás da árvore/ele anda atrás dela há anos/percorri o caminho de marcha atrás/tudo começou lá atrás/detrás daquela montanha, há um lago/quem será o homem por detrás da máscara?/por detrás do palco há dois camarins.

a lei do Tétum em 2004

alguém pode atualizar esta informação de 2004?

Tetun escrito e padronizacao.
E official. Esta na Legislacao

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE

GOVERNO


Decreto n.o 1 /2004

de 14 de Abril

O PADRÃO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA TÉTUM

O Tétum, língua simultâneamente oficial e nacional, deve ser utilizado de forma consistente por toda a administração do Estado e demais instituições, bem como pelos meios de comunicação social.
O Tétum é essencial na construção da Nação e na afirmação da identidade timorense, por isso mesmo, a sua utilização constitui imperativo constitucional que urge concretizar. E, para tanto, impõe-se uniformizar a sua ortografia no processo de desenvolvimento da língua.
Ciente da importância estratégica da língua Tétum no cimentar da unidade nacional, o Governo decreta nos termos da alínea p) do artigo 115.° da Constituição da República, para valer como regulamento, o seguinte:

Artigo 1.º
Padrão Ortográfico

  1. É adoptado o Padrão Ortográfico de Tétum Oficial, desenvolvido pelo Instituto Nacional de Linguística/INL da Universidade Nacional de Timor-Leste.
  2. O Padrão Ortográfico adoptado não deve prejudicar a pesquisa e o processo de desenvolvimento da língua Tétum pelo INL.

Artigo 2.º
Ortografia do Tétum Oficial

1 A ortografia do Tétum Oficial é o sistema fonémico promovido, administrado e desenvolvido pelo INL com base em critérios científicos.
2 A variedade do Tétum afirmada como língua oficial e nacional é o Tétum Oficial, uma forma literária moderna do vernáculo mais comum no país, baseado no Tétum-Praça.
3 Esta opção faz-se sem prejuízo das variações do Tétum circunscritas a determinadas regiões, que o Estado preserva e promove enquanto línguas nacionais.
Artigo 3.º
Âmbito de implementação

  1. O Padrão Ortográfico de Tétum Oficial deve ser seguido no sistema geral de educação, nas publicações oficiais e na comunicação social.
  2. Deve ser dada prioridade ao uso do Tétum Oficial e do português na iconografia e sinalização públicas.
  3. O inglês e o malaio-indonésio como simples línguas de trabalho, não devem ser utilizados na iconografia e sinalização públicas a menos que acompanhados de textos em tétum e português com visível proeminência.

Artigo 4.º
Papel do Instituto Nacional de Linguística

  1. O INL é a guardiã científica do Tétum Oficial.
  2. O INL deve continuar a desenvolver as actividades científicas necessárias à preservação e protecção das restantes línguas nacionais, trabalhando nomeadamente os respectivos padrões ortográficos.
  3. O trabalho de pesquisa e desenvolvimento do Tétum e restantes línguas nacionais da República Democrática de Timor-Leste deve ser conduzido em estreita cooperação com o INL.
  4. Os linguistas e estudiosos estrangeiros devem obter do INL autorização para levar a cabo as suas actividades de pesquisa, com submissão e aprovação do projecto de trabalho a desenvolver, sob pena de ilegalidade manifesta.
  5. O INL pode recusar a autorização caso não reconheça mérito científico ao projecto de investigação ou tal pesquisa não traga vantagens para o país.
  6. Da decisão do INL recusar a autorização solicitada cabe recurso para o Ministro da Educação, Cultura, Juventude e Desporto que julga em definitivo.

Artigo 5.º
Data de entrada em vigor
O presente Decreto entra em vigor um dia depois da sua publicação.
Aprovado em Conselho de Ministros, aos 31 de Março de 2004.

Publique-se.
O Primeiro-Ministro

(Mari Bim Amude Alkatiri)

EVANILDO BECHARA – SENHOR NORMA CULTA

 

Evanildo Bechara defende que o aluno deva ser poliglota em sua própria língua. “Ninguém vai à praia de fraque ou de chinelo ao Municipal”, diz.

Por Clara Becker

Há coisas nas quais é difícil ser original: a primeira palavra que Evanildo Bechara falou foi mãe. “O registro mais antigo do vocábulo está no indo-europeu, antes disso não temos conhecimento”, ele explicou, durante um almoço na Academia Brasileira de Letras. “A palavra veio do latim matrem. No francês temos mère; mother, no inglês; mutter, no alemão. Em quase todas as línguas, a palavra começa com a bilabial m, que nos obriga a juntar e abrir os lábios para pronunciá-la. Quando os bebês falam mamãe, talvez o que queiram mesmo é mamar.”

Quando fala sobre a vírgula facultativa – aquela que não é exigida pela gramática, obedecendo apenas à entoação da frase –, faz um parêntese para citar um estudo de estilística mostrando que autores míopes pontuam mais. “Isto ocorre porque eles leem mais pausadamente”, explicou. “Nosso Machado e nosso Rui Barbosa eram míopes que pontuavam muito.”

Com 65 anos de magistério, o professor Evanildo Bechara ainda dá aulas, de análise sintática, na especialização em língua portuguesa do Liceu Literário Português, no Rio. Seu curso, carro-chefe da casa, é disputadíssimo por pós-graduandos no vernáculo – querem estar perto daquele que é tido pelos pares como um dos grandes filólogos, linguistas e gramáticos do idioma em que Camões chorou no exílio amargo.

“Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, enfiou a linha na agulha, e entrou a coser”, declamou Bechara de cor, numa aula recente. A frase, tirada do conto “Um apólogo (A agulha e a linha)”, de Machado de Assis, servia para ilustrar o posvérbio – a preposição que, posposta a um verbo, altera o seu sentido. A função não é sintática, mas semântica. Pegar uma linha indicaria nada mais do que segurá-la. Mas pegar da linha implica que ela será utilizada. “É impressionante como os bons autores aproveitam todas as faculdades da língua”, comentou.

No inglês, o fenômeno, conhecido como two-word verbs, é largamente utilizado. Look é “olhar”. Acrescido da preposição for, quer dizer “procurar”, look for. Bechara explicou então que “cumprir o dever” é diferente de “cumprir com o dever”, que exige sacrifício.

Todos os anos, ele recebe dezenas de convites para ser paraninfo Brasil afora e periferia adentro. Para surpresa de quem o convida, espanto dos colegas e às vezes contragosto da família, ele costuma aceitá-los. Já foi ao Acre e a São Gonçalo, Mato Grosso e Nova Iguaçu, cumprir com o dever de prestigiar os jovens que militarão no magistério da última flor do Lácio. Constantemente, começa os discursos com a frase: “Bem-vindos à nau dos insensatos: só louco para ser professor de português no Brasil hoje.”

Evanildo Cavalcante Bechara nasceu no Recife, a 26 de fevereiro de 1928. Filho primogênito do comerciante libanês João Bechara e da dona de casa maranhense Maria Izabel Cavalcante, foi criado para seguir a profissão do pai. Os estudos não eram valorizados em casa: a nota que desse para passar de ano bastava. Pequeno, acompanhava o pai em viagens para comprar tecidos, roupas femininas, brinquedos e outras mercadorias. Nessas expedições, usavam uma língua própria: “bom”, “barato”, “caro” e “não presta” eram falados em árabe para não ofender os interlocutores.

Evanildo tinha 11 anos, andava de bicicleta com seu irmão Everaldo, quando Tatá, a empregada da casa, os chamou e avisou que o pai deles havia falecido. Maria Izabel, viúva aos 25 anos, não teve condições de ficar com todos os cinco filhos, e distribuiu os dois mais velhos. Numa manhã de abril de 1940, Bechara subiu a bordo do Itaité, rumo ao Rio. Seguia para a casa do tio-avô, Benedito Cavalcante, um capitão do Exército.

O capitão Benedito recebera um telegrama de Maria Izabel pedindo que tutelasse o menino até completar os estudos. O tio-avô, que havia perdido o filho para a febre espanhola, atendeu ao pedido. Sua casa ficava no Méier, na Zona Norte. Poucas horas depois de ter desembarcado e pousado a matalotagem, a campainha tocou. O menino atendeu à porta e quem tocava lhe disse que era o tintureiro. Bechara avisou ao tio: “É o homem do carro de presos.”

No Recife, tintureiro queria dizer isso mesmo: carro que conduz presos. Era a segunda variação regional que aprendia emmenos de uma semana. Na escala em Salvador, Bechara optara por um vatapá “bem quentinho”, achando que o garçom se referia à temperatura do quitute. Aprendeu, no paladar, que quente era sinônimo de apimentado na Bahia.

Nos anos que se seguiram, o menino passou por outras tantas desavenças lexicais. Na escola, seu sotaque nordestino era motivo de chacota. “No Rio, o chiamento da pronúncia vem da influência dos portugueses quando a cidade era capital”, disse. “Como em Pernambuco nós não chiamos, eu era o diferente da turma.”

Bechara não disse, contudo, que sofreu bullying. Por quê? Para o lexicógrafo, à diferença de “mangar”, “caçoar”, “zoar” e “bulir”, o traço distintivo de bullying – nuance que não permite que uma palavra seja sinônimo de outras do mesmo campo semântico – está no teor mais agressivo que o termo em inglês implica. “A palavra entrou na moda porque é nova, a sociedade é novidadeira, e a novidade faz parecer que o sentido da palavra é mais forte, fica mais apelativa”, explicou o gramático entre uma garfada e outra de picadinho com ovo e farofa, no restaurante da Academia Brasileira de Letras. Pediu feijão, mas não havia.

Aos 83 anos, Bechara tem excelentes apetite e memória. Decora até os nomes dos filhos das garçonetes dos restaurantes dos quais é freguês, e é sempre recebido com beijinhos e abraços. Não vi ninguém que o cumprimentasse sem lhe tocar o ombro ou passar as mãos em volta da cintura. Bechara mantém os ombros largos e o peito aberto da sua infância de nadador, quando foi campeão de natação pelo Náutico, no Recife. A idade e a vaidade só se notam nos ralos cabelos que lhe restam, devidamente tingidos. Sua fala eloquente, sempre acompanhada de gestos com as mãos, ainda guarda um sotaque quase imperceptível, desbastado da exuberância regional.

Ele integra a Comissão de Lexicologia e Lexicografia da ABL, que, entre outras missões, faz um dicionário ortoépico. Bechara explicou: “A ortoépia ensina a articular bem os fonemas – se se fala obéso ou obêso. Toda língua tem variações, em primeiro lugar no tempo e depois diferenças regionais, sociais e de estilo, conforme o uso mais ou menos culto. Quando fazemos um trabalho normativo desse tipo, levantamos os fatos da língua exemplar. Não é correção.”

Bechara senta-se na sala da Comissão com outros seis lexicógrafos sem nenhuma distinção hierárquica. Sua mesa só se destaca por ser a única em que não há um computador. Seus trabalhos são todos manuscritos, e posteriormente digitados. A sala é decorada com fotos de Aurélio Buarque de Holanda, Antônio Houaiss e Afrânio Coutinho, as estantes são abarrotadas de dicionários e enciclopédias em diversas línguas. Naquela tarde, estavam todos aliviados: finalmente poderiam dicionarizar a palavra “azul-barateia”, tom de cor usado nos uniformes da Aeronáutica.

Para descobrir qual matiz de azul traduziria o termo “barateia”, tiveram que pesquisar junto a oficiais da Aeronáutica. Foi difícil encontrar alguém na FAB que soubesse explicar a origem do termo – a maioria adiantava apenas que era a mesma nuança do “azul-marinho”. Mas um oficial aviador formado em letras explicou que o termo “marinho” alude ao mar, e, portanto, sugeriria o azul da farda usada pela Força Naval. A Força Aérea precisava de nome à altura de seus pundonores e melindres.

Depois de semanas às voltas com o vocábulo, Débora Garcia Restom, uma das lexicógrafas, encontrou a palavra barathea em um dicionário de inglês. Oprimeiro registro que se tem da palavra é de 1812, indicando um tecido. A origem é desconhecida, mas é provável que venha do sânscrito, pois a Inglaterra importava tecidos da Índia. “O léxico é a janela da língua que se abre para o mundo”, disse-me Bechara. “Enquanto a gramática é você consigo, o vocábulo é você com o externo.”

Lexicógrafos são capazes de passar um dia inteiro discutindo as acepções da palavra “charada”, que pode significar tanto a motivação quanto a solução. Ou se a palavra panturrilha, que vem do espanhol pantorrilla, não deveria também ser escrita com o, pois a fonética e a etimologia são os dois critérios utilizados na ortografia.

“Antigamente, colocavam-se vários dicionários na mesa e as pessoas copiavam como se lhes conviesse, mas hoje fazemos um levantamento de milhões de ocorrências e vemos as variações semânticas dentro do contexto de uso”, explicou. “No Brasil, ainda engatinhamos na lexicografia. O dicionário Houaiss conta com 250 mil vocábulos. Já o Oxford, com 600 mil palavras, é excelente: só para a letra chá um volume inteiro. A letra c, na maioria das línguas, é a que tem o maior número de palavras.”

Bechara ficou felicíssimo com a recente conclusão do levantamento do léxico de Machado de Assis. “Os Lusíadas foram escritos com 5 mil palavras, a Bíblia com 7 mil”, disse. “Nós imaginávamos que iríamos encontrar não mais de 4 mil palavras nas obras completas de Machado. Quando você o lê, dificilmente tem que abrir o dicionário, ele usa um vocabulário comum. É diferente de um Euclides da Cunha, um Coelho Neto ou de um Rui Barbosa, que escreveram em um momento da estilística nacional em que se expressar bem era usar palavras difíceis”, contou. O resultado do levantamento mostrou, no entanto, que Machado utilizou 16 mil palavras diferentes. “Que surpresa boa, menina”, disse, orgulhoso da riqueza do seu escritor dileto.

Bechara aprendeu português no Colégio Leverger, instituto educacional modesto no Méier, cujo dono era um coronel amigo do tio-avô capitão. Teve como ferramenta de aprendizado a gramática de Eduardo Carlos Pereira, que, vinte anos mais tarde, seria convidado a atualizar. “Trabalhávamos a gramática de Pereira de cabo a rabo, sabíamos passagens de cabeça”, contou. Mas a disciplina que mais gostava era a matemática, pois queria seguir carreira militar como engenheiro aeronáutico. Um de seus programas prediletos era visitar o aeroclube do Campo dos Afonsos. Não foram penas perdidas. “Estudando matemática disciplinei meu pensamento”, avaliou.

Como precisava mandar dinheiro para a mãe e os irmãos que ficaram no Recife, passou a dar aulas particulares. Oferecia lições de matemática, mas só lhe apareciam alunos de português e latim, as disciplinas que mais reprovavam. Não podia se dar ao luxo de recusá-los, e então se dedicou aos estudos daquela que é esplendor e sepultura.

Certo dia, ao ajudar o tio-avô na faxina da garagem topou com Lexicologia do Português Histórico, de Manuel Said Ali, um dos maiores sintaxistas da língua portuguesa. Terminada a limpeza, o menino correu para o quarto e começou a leitura. “Quando li a primeira frase do prefácio, soube que, como dizia Dante, Said seria Il mio autore”, contou Bechara. O prefácio começava com: “Não estudo a língua separada do homem que a fala.”

Bechara recita o adágio com o arrebatamento de um adolescente a quem um mundo rútilo se descortina. O novel erudito já pressentia que não se devia decompor a língua como um legista faz com um cadáver. Mas era essa a atitude dominante. “A língua era estudada como produto natural”, lembrou. “Nascia, crescia e vivia independentemente do social. Se você plantar semente de laranja, nascerá uma laranjeira. Acontece que a língua depende do uso, e é perfeitamente possível plantar uma laranjeira e nascer uma macieira. Essa era a novidade de Said Ali.”

Como decorrência da afirmação de Said Ali, Bechara tem um axioma que sempre repete: a língua é produto de tradições, e não da lógica. “Se a língua fosse lógica, não poderíamos dizer ‘mais de um saiu’, teríamos que dizer ‘mais de um saíram’, porque mais de um tem de ser no mínimo dois; e dois leva o verbo ao plural”, explicou. “Os gramáticos não procuram a lógica da língua, apenas sistematizam os fatos produzidos pelos usuários. Quem quiser mostrar como a língua deve ser usada tem de conhecê-la, ler tudo o que cair debaixo dos olhos, do século XVI aos nossos dias.”

Bechara mantém sempre o mesmo padrão uniforme elocucional, não há flutuação tonal em sua voz. Seus amigos nunca o viram perder a paciência, nem mesmo quando teria razões para tanto. Em 1999, quando o deputado federal Aldo Rebelo quis restringir os estrangeirismos, para proteger a língua portuguesa, Bechara julgou o projeto absurdo.

“Essa ideia só pode ter vindo de alguém que não sabe o que é e como funciona uma língua”, constatou. “Por exemplo, os romanos eram muito pobres em cores. Posteriormente, os franceses e ingleses desenvolveram mais nomes para designá-las em decorrência da expansão do comércio e do aprimoramento da manufatura. Hoje, as palavras mais ligadas à tecnologia vêm do inglês, língua do país que a divulga. Os estrangeirismos são registros linguísticos do contato entre povos. Era o que Said Ali dizia no início do século passado: a língua é um produto social.”

No dia seguinte à leitura do Lexicologia do Português Histórico, Bechara foi à Livraria Central e comprou outras obras do autor: Dificuldades da Língua Portuguesa, Meios de Expressão e Alterações Semânticas e a Gramática Histórica da Língua Portuguesa.

Leu-as todas. Mas “um belo dia eu tive dificuldade no entendimento de um texto e precisei falar com o autor”. No viço da mocidade, e cheio de iniciativa, procurou Said Ali no catálogo de telefones. Ligou, apresentou-se como admirador de seus livros e pediu um encontro para sanar dúvidas.

No dia combinado, pôs a melhor farda colegial, pegou um trem do Méier até a Central do Brasil e de lá seguiu a pé até a rua da Glória. “Apareceu um homem que parecia um sultão com barbas longas, tendo ao lado uma cachorrinha preta com quem só falava em alemão”, lembrou-se. Bechara e Said Ali conversaram longamente, tarde adentro. O menino contou que desejava ser professor de português. O mestre lhe indagou se tinha alguma coisa escrita. Bechara contou que escrevia um trabalhinho, em rascunho, inspirado na leitura do próprio Said Ali.

O trabalho era sobre entonação, sobre significados na língua que são expressos por meio da modulação do falante. Fazia um levantamento do fenômeno em várias línguas. Em árabe, disse, xabat quer dizer bater, mas se pronunciado xaaaaabat, com gradação intensiva, significa bater fortemente.

A musa que cativou o jovem e continua a enfeitiçar Bechara é a sintaxe. “Você não fala com palavras isoladas ou com fonemas”, defendeu. “Você fala com a frase. O estudo da frase é a sintaxe. Sintaxe quer dizer ‘combinação’. Os gregos foram buscar a palavra na nomenclatura militar: sintaxe era a arrumação dos soldados na tropa, e a reunião da tropa no exército. Na língua, o processo é o mesmo: a análise sintática mostra as relações de dependência e independência que as palavras, expressões e orações mantêm entre si.”

Passado algum tempo, numa sexta-feira, dia de encerar a casa, Bechara estava com a enceradeira para lá e para cá, quando o telefone tocou. Era da casa de Said Ali, pedindo que ele fosse lá, no dia seguinte. No sábado, o pupilo recebeu um elogio austero: “Para sua idade, achei bom o trabalho que o senhor fez.” Veio então o presente: “Está vendo aquela pilha de livros ali? São seus. À medida que o senhor for lendo, vá levando-os.” A pilha media mais de 1 metro e incluía Diogo do Couto, João de Barros, Fernão Lopes de Castanheda e outros de jaez excelso. Eça e Machado eram o que a torre tinha de mais recente.

Durante doze anos, até a morte de Said Ali, aos 91, Bechara frequentou a casa do professor. Trabalhavam em traduções do alemão, ou estudavam os antigos. Said Ali lia em voz alta, e frequentemente se interrompia para fazer comentários filológicos do texto, elucidando a história de palavras. Foi apenas depois de dar uma sólida base literária ao aprendiz que Said Ali o apresentou aos textos teóricos. O primeiro deles, escolhido a dedo, foi o Cours de Linguistique Générale, de Ferdinand de Saussure. Ao lembrar-se de sua formação, em homenagem ao grande mestre, Bechara pediu de sobremesa uma torta alemã.

Concluído o ginásio, começou o curso clássico no Instituto La-Fayette, hoje Universidade do Estado do Rio de Janeiro. “Fiquei sabendo através de um amigo que eu poderia apresentar um trabalho em vez de cursar os dois anos de clássico que faltavam”, contou. “Se o trabalho fosse julgado de valor, notório saber, não precisaria concluir o curso para me candidatar ao vestibular. Eu tinha o trabalho dos fenômenos de entonação, elogiado por Said Ali. Apresentei e passei.” Entrou para a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Instituto La-Fayette. No curso de neolatinas, o colega de turma mais novo depois de Bechara tinha 28 anos, dez a mais que ele.

Horácio Rolim de Freitas é um filólogo de 79 anos, amigo de Bechara há cinquenta. Apesar de mais jovem, não se vexa em dizer que inveja a memória do amigo: “É de admirar! Bechara sabe o aniversário de todos os filólogos de cor, lembra-se de livros que leu há cinquenta anos.”

Perguntado sobre quantas línguas fala, Bechara respondeu: “Só português, mal e parcamente.” Modéstia à parte, disse que para uso pessoal tem o português, o inglês, o francês e o alemão. Consegue ler em todas as línguas românicas, que são dez. “Do ocidente para o oriente, excluindo os dialetos, temos o português, o galego, o espanhol, o catalão, o francês, o provençal, o italiano, o dalmático, o reto-românico e o romeno”, explicou, apontando no ar, como se estivesse mostrando as regiões em um mapa. O bom conhecimento de grego e latim, disse, facilitou o aprendizado. “Em árabe, não leio, mas sei xingar muito porque era o que as avós mais faziam”, brincou.

Em 1946, quando começou a dar aulas, não havia concurso público para escolas, os cargos eram todos preenchidos por indicação. “Como não tinha ninguém que me indicasse, sabia que teria de estudar o dobro”, contou. Chegou a dar treze aulas por dia, quatro de manhã, quatro à tarde e cinco à noite. Chegava em casa, jantava, tomava banho e estudava até as três da madrugada: “O professor nada mais é do que um estudante mais velho”, disse o gramático, que ainda hoje não dorme antes da uma da manhã. “A consciência permanente da responsabilidade que colegas competentes e alunos me atribuem não me deixa parar de estudar.”

Quando vieram os concursos públicos, entrou de cabeça: participou de dez deles. Aproveitava posições, cátedras e titularidades que se lhe iam apresentando. A carreira poderia ter sido catapultada se tivesse aceitado o convite, recebido ainda no 3º ano de faculdade, para tornar-se catedrático de latim. “Eu declinei o convite em homenagem ao professor Said Ali”, contou. “Aos meus 16 anos ele se debruçara sobre mim, e me orientara para ser professor de língua portuguesa.”

Para o primeiro concurso que prestou – para a cátedra de língua portuguesa no Colégio Pedro II, em 1954 –, escreveu a tese “Evolução do pensamento concessivo no português”.Boatos se espalharam que Bechara teria plagiado um trabalho de Said Ali. Os vinte e poucos anos do rapaz não condiziam com a bibliografia fora de órbita que apresentara. Quando veio o exame escrito, tirou dez com todos os arguidores. O boato então mudou: o espírito de Said Ali havia feito a prova.

A única preocupação de Bechara foi com a palavra boato. O termo, indicando notícia que anda publicamente, sem procedência, não é herança romana. Ao contrário, seu aparecimento é recente no português. Não encontrou a palavra em Barros, Couto e Camões. Nos Sermões de Vieira colheu um exemplo em que significava som forte. “Os escritores do passado recorriam às palavras fama ou rumor quando pretendiam expressar o boato de nossos dias”, esclareceu.

Na defesa da tese de livre-docência, “O futuro românico: considerações em torno de sua origem”, Bechara emocionou-se com o comentário da banca: “Não podemos dar menos de dez em títulos para o autor da Moderna Gramática Portuguesa.” A gramática de Bechara é seu principal motivo de notoriedade. Além de ser usada em escolas, universidades, e bibliografia obrigatória em concursos públicos, é uma das obras mais citadas em teses e dissertações sobre língua portuguesa.

Em 1961, a Companhia Editora Nacional propôs a Bechara que escrevesse um capítulo para atualizar a Gramática Expositiva de Eduardo Carlos Pereira, publicada em 1910. As ideias estruturalistas chegavam ao Brasil, abalando a linguística, e era necessário ajustar o texto de Pereira. “Quando eu apresentei o capítulo, que também incluía os estudos americanos adiantados sobre fonêmica e fonologia, viram que eu tinha feito um novo livro, já não era mais o Pereira”, contou. “Pediram então que eu escrevesse a minha própria gramática.”

Para escrevê-la, releu todos os grandes autores e começou a anotar os fatos da língua. Na bibliografia, mais de 150 obras são citadas. Bechara também faz frases para a esposa, Marlit, três filhos, sete netos, dois bisnetos, colegas e o barbeiro. A frase “Eu dancei com Marlit” serve para exemplificar o sentido de companhia da preposição “com”.

A Moderna Gramática, dedicada a Said Ali, está na 37ª edição. Só a edição de 1999 teve mais de vinte reimpressões. Na década de 80, o editor da Nacional disse a Bechara que a gramática já havia vendido mais de 2 milhões de exemplares. “Só sei que eu não fiquei rico”, brincou o autor.

Evanildo Bechara relutou em se candidatar a uma vaga de imortal. “A Academia sempre foi madrasta dos filólogos”, justificou. “Como todos os fundadores eram literatos, direta ou indiretamente, o amor à língua era cultivado, mas não o estudo dela. Basta dizer que Antônio de Moraes Silva, autor do primeiro dicionário monolíngue em língua portuguesa – até então todos os dicionários eram de português-latim –, não foi escolhido como um dos patronos. A Academia também foi muito injusta com o velho Antenor Nascentes, que lhe escreveu um dicionário em quatro volumes e foi rejeitado.”

Amigos, contudo, o persuadiram a se candidatar. Mas alertou que concorreria uma única vez. Em 2000, foi eleito para a cadeira 33. Brincou: “Virei imortal, mas não imorrível.”

Bechara lembrou-se então da polêmica levantada quando o ex-ministro Antônio Rogério Magri, do governo de Fernando Collor, declarou que era “imexível” no cargo. “Fizeram o maior alarde porque não encontraram a palavra no dicionário”, recordou. “Esqueceram a potencialidade da língua, que nada mais é do que um reflexo sociocultural das comunidades. Se pegarmos a morfologia de impagável, imutável, o ‘imexível’ do Magri foi e sempre será perfeitamente possível.” E citou a definição de Fernão de Oliveira, que em 1536 escreveu a primeira gramática de português: “A língua é o que os falantes fazem dela.”

A única competência legal da Academia Brasileira de Letras é publicar o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, que os imortais chamam de Volp. Em 2008, a quarta edição do Vocabulário estava esgotada e acadêmicos trabalhavam na quinta edição, quando foram surpreendidos pelo novo acordo ortográfico, que desde 1990 estava no limbo. Esqueceram-se do projeto desde o falecimento de Antônio Houaiss, o mentor da reforma que unificaria a ortografia dos oito países de língua portuguesa. Em setembro de 2008, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou o decreto, fazendo valer as novas regras de escrita, que entrariam em vigor a partir de janeiro de 2009.

Os seis lexicógrafos que integram a comissão do Vocabulário resolveram aplicar as novas regras nas 350 mil palavras do vocabulário da nova edição. Naquele ano, ninguém tirou férias. “Mergulhamos no texto do acordo e muitas vezes demos com a cabeça na pedra”, contou Bechara. “O texto é muito lacunoso e, o que não sabíamos, interpretamos, imbuídos do espírito do acordo.” Ele estava preparado para a catadupa de críticas que viriam. “Primeiro as palmas, depois as palmadas”, brincou.

O acordo desagradou boa parte dos linguistas, abrindo uma série de discussões na imprensa. Houve desde manifestações românticas, do tipo “o voo da gaivota perdeu a poesia sem o circunflexo”, até a lástima narcísica dos que sabiam explicar a diferença entre à-toa e à toa. Agora, ambos não têm hífen.

Mário Perini, linguista da Universidade Federal de Minas Gerais, é um forte opositor do novo acordo ortográfico. Segundo ele, o cunho da reforma é político e comercial. Acredita que a Guiné-Bissau deve ter necessidades maiores do que destinar seus poucos recursos a reimprimir livros escolares para remover tremas e acentos. E acrescenta que se fosse para de fato simplificar a língua, a reforma teria de ter maior alcance, permitindo que se escreva “xuva”, “jente”, “sidade” e “caza”. Perini não vê nada de simples em escrever “ideia” igual a “feia”, quando a pronúncia é diferente. Disse ainda que a reforma só contribui para o complexo de inferioridade do brasileiro, que acha que não sabe a própria língua.

“Se essa parede não tem infiltração, por que vou quebrá-la?”, perguntou Claudio Cezar Henriques, professor de língua portuguesa da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, apontando para a parede da sala de seu apartamento na Tijuca. O professor explicou que não existe ortografia ideal simplesmente porque ela nunca poderá ser um espelho da fonética. É por isso que certas partes do acordo são incoerentes. O único acento diferencial mantido foi em “pôr”, explicou, para diferenciar o verbo da preposição por. Entretanto, o acento de “pára”, que também tem preposição e verbo homônimos, caiu. “O jornais nunca mais poderão dar a manchete ‘Justiça para o Brasil’, pois a frase fica ambígua”, constatou.

Segundo o acordo, o prefixo “co” diante de uma palavra iniciada com h tem hífen. Acontece que o Volp grafou “coerdeiro” sem hífen e sem h. Isto porque há outra regra que diz: “O h inicial suprime-se quando, ‘por via de composição, passa a interior e o elemento em que figura se aglutina ao precedente’, como em desarmonia, biebdomadário e lobisomem.”

A lista de incoerências encontradas por Henriques é longa: água-de-colônia tem hífen, mas água de cheiro não. O acordo diz que algumas palavras, consagradas pela tradição, mantêm o hífen. “Mas eles não estão justamente mudando a tradição? E quem decide quais usos são consagrados e quais não são?”, indagou o professor. Ele mesmo respondeu: “Seguimos o que está no Vocabulário Ortográfico, ele tem força de lei. Pela legislação é lá que se encontra a ortografia correta.”

Quer tirar um professor de português do sério? Peça que lhe explique o uso do hífen. Bechara reconhece que o hífen ainda está “capenga”. Explicou a origem da confusão. Antigamente, quase não havia hifens, mas no século XIX a nomenclatura técnica criou muitos compostos na física, na química, na botânica, na economia e na filosofia. Esses compostos começaram a atrair o hífen. Os espanhóis adotaram uma solução mais econômica para o seu emprego, e os aboliram em grande parte. Já os franceses, que exerciam uma influência na Europa, se excederam no acento. Portugal, em vez de adotar o sistema espanhol, seguiu as pegadas da França.

Cada notação ortográfica só tem uma função: o acento agudo mostra uma vogal aberta; o circunflexo, uma vogal fechada em sílaba tônica. Já o hífen tem cinco funções: fonética, morfológica, sintática, semântica e estilística. Daí a dificuldade em estabelecer regras que atendam e harmonizem todos os critérios. Dia-a-dia, quando significava cotidiano, era uma locução substantiva, então se usava hífen, como na frase: “O meu dia-a-dia é muito agradável.” Mas dia a dia também pode ser uma locução adverbial. Não havia hífen em “A criança cresce dia a dia”.

Até o século XIX, as gramáticas eram mais normativas do que descritivas. No século seguinte, com Ferdinand de Saussure, a linguística adquiriu proeminência, e a ênfase foi para o estudo interno e a descrição das línguas, feitas com base na oposição de diferenças e semelhanças, de sintagmas e paradigmas, de significados e significantes – foi o primado do método estrutural.

A língua falada, supostamente espontânea e livre, passou cada vez mais a ser objeto de estudo científico, enquanto a gramática era tida como dogmática e conservadora. Baseada num corpus literário de escolha subjetiva – o cânone dos grandes autores, sem fundamento científico –, dizia-se que a gramática impunha uma língua artificial e elitista, fora do uso comum.

Consolidaram-se, assim, estereótipos. Enquanto o linguista era vinculado à ideia de liberdade, o gramático simbolizava a opressão. Todo o falar seria legítimo, não existiria certo ou errado, desde que o falante se faça entender. A correção seria uma violência a jeitos diferentes de falar do aluno.

Esses estereótipos voltaram à tona no mês passado, numa polêmica em que o governo federal foi acusado pelas classes conservadoras de querer abolir a norma culta. O pretexto foi um livro recomendado pelo Ministério da Educação que, justamente, discutia os estereótipos.

A posição de Bechara é a de que os grandes escritores depuram e aperfeiçoama língua, não aceitam qualquer influência popular ou aderem a modas. Eles desbastam os excessos e os caprichos, e é neles que se encontra o “deve ser” da língua.

Ele defende que o aluno deva ser poliglota em sua própria língua. “Ninguém vai à praia de fraque ou de chinelo ao Municipal”, disse. “As pessoas têm de saber adequar o registro linguístico à situação, de modo que aprender a norma culta seria somar e não substituir uma variedade da língua.” Para não haver confusão, no entanto, acha que nas escolas se deva ensinar tão somente a norma culta, sem relativismos que venham a deixar crianças e adolescentes em dúvida.

Numa tarde quente, em seu apartamento no Flamengo, o professor Ricardo Cavaliere disse ser um discípulo de Bechara. Os dois se conheceram na Universidade Federal Fluminense, em 1992, onde dividiam a sala 452. Cavaliere organizou Entrelaço entre Textos: Miscelânea em Homenagem a Evanildo Bechara, publicado em deferência aos 80 anos do professor.

Ao fazer o levantamento bibliográfico dos mais de 25 livros, 26 capítulos de livros, cinco teses, centenas de artigos, resenhas e prefácios, introduções e apresentações, além de verbetes e traduções, Cavaliere se perguntou: tendo lido tanto, como Bechara teve tempo para escrever? E tendo escrito tanto, como teve tempo para ler?

“A biblioteca do Bechara é de causar inveja”, disse Cavaliere. “Ele deveria publicar um guia internacional de sebos. Conhece todas as livrarias e sebos da Rússia a Portugal. Tem um faro invejável para encontrar livros raros.”

Dona Marlit, casada com Bechara há trinta anos, contou que a busca de livros é uma obsessão do marido. “Uma vez, estávamos em Copenhague e o livreiro o levou para um porão onde havia obras raras”, contou. “Passou mais de uma hora e ele não voltava. Fiquei preocupada. Quando desci ao porão, lá estava ele muito interessado na leitura, sentado num banquinho com livros a sua volta.”

O gramático lembrou quando foi trancado numa livraria, em Estocolmo. Ele lia quietinho em um canto e fecharam a loja com ele dentro. “A sorte foi que consegui abrir uma janela e pedir ajuda a uma senhora que passava”, disse. A sua biblioteca tem mais de 35 mil volumes. Está espalhada por uma casa, no Méier, e dois apartamentos, em Botafogo, onde mora num terceiro.

Evanildo Chauvet Bechara, o seu filho mais velho, foi um dos idealizadores da coletânea organizada por Cavaliere. Mas não chegou a ver sua ideia concretizada: morreu de infarto fulminante, em 2007, num quarto de um hotel em Manaus. “No dia seguinte ao velório, o professor Bechara tinha uma viagem marcada para representar a Academia em Brasília”, contou o professor Domício Proença Filho, também acadêmico. “E me prontifiquei a substituí-lo, mas ele foi mesmo assim. Me comoveu a sua aceitação dos desígnios divinos.”

O latinista Rosalvo do Valle, de 84 anos, conhece Bechara há 65. Ele me contou que um neto de Bechara, um menino de 12 anos, teve um acidente de skate e morreu alguns meses depois que o gramático perdera o filho. “Pensei: agora o Bechara desmonta”, disse Do Valle. “Fui à missa de sétimo dia, encontrei-o caído, mas seguro. Na semana seguinte, já tinha voltado a dar aulas.”

Como conseguiu lidar com perdas difíceis? Bechara respondeu: “É como acontece na gramática, um verbo que só pedia objeto direto agora pede objeto indireto. Era transitivo, passou a intransitivo. É você saber receber a vida como ela é e não arquitetar uma vida diferente da realidade. Isso sim causa sofrimento. A morte é uma coisa natural na vida.”

Ele aproveitou e disse que não está errada a expressão “correr risco de vida”, como se acredita hoje, argumentando-se que o perigo que se corre é de morte. A expressão tem respaldo na tradição, explicou. O próprio Machado escreveu, em Quincas Borba: “Salvar uma criança com o risco da própria vida.”

[Fonte: www.revistapiaui.estadao.com.br]

__._,_.___

casa na Amazónia com mais de 3 mil anos

https://exame.abril.com.br/ciencia/restos-de-casa-costruida-ha-3-mil-anos-sao-encontrados-na-amazonia-do-equador/

Restos de casa costruída há 3 mil anos são encontrados na Amazônia do Equador

‘É a casa mais antiga de toda a Amazônia, mais antiga inclusive que as conhecidas no Brasil’, diz especialista

Quito – Arqueólogos franceses e equatorianos descobriram na Amazônia do Equador os restos de uma casa construída há cerca de três mil anos, a mais antiga da região amazônica, segundo disse à Agência Efe o arqueólogo Stéphen Rostain, diretor da pesquisa.

“Encontramos buracos de fornos e vestígios de cerâmica e pedras”, disse Rostain ao explicar que o que acharam foram “as marcas da casa mais antiga da Amazônia no Equador”, perto de Puyo, na província de Pastaza.

Rostain detalhou que encontraram o lugar há dois anos e abriram o campo em julho quando cavaram um metro de profundidade e aproximadamente 90 metros quadrados de diâmetro.

A descoberta “é totalmente nova, ninguém tem conhecimento dela”, assegurou o especialista ao comentar que, quando fizeram as prospecções há dois anos, encontraram uma forma do que seria uma fornalha.

“As fornalhas construídas com pedras são geralmente muito antigas, de entre 1.800 e 500 a.C.. Tiramos algumas amostras que nos remeteram a uma data de há três mil anos, e este ano encontramos todas as marcas de pilastras com as quais conseguimos reconstruir (em papel) a casa”, disse.

Em uma gráfica, o especialista mostrou os pontos que disse corresponderem às marcas das pilastras. “Reconstituindo isso, temos uma casa em formato oval, parecida às casas atuais, mas a diferença é que essa tem três mil anos. É a casa mais antiga de toda a Amazônia (…), mais antiga inclusive que as conhecidas no Brasil”, afirmou.

A “maior descoberta”, disse, foi o fato de, quando a casa foi construída, terem usado o tronco de uma árvore como pilastra, colocando-o de cabeça para baixo, enterrado na camada freática: “Isso economiza o trabalho humano, não é necessário talhar o tronco e assim a árvore não cresce novamente”, comentou.

As marcas achadas mostram que a casa foi construída no formato oval, com 17 metros de comprimento e 11 de largura. “A sua construção é um pouco parecida com a atual dos achuar e dos quichua”, e a maior diferença é a fornalha feita de pedra, disse o diretor do projeto, que comentou que deram o nome de Pambay à cultura da zona pelo rio próximo.

Entre outras coisas, a organização do III Encontro Internacional de Arqueologia Amazônica, que é realizado nesta semana em Quito, não lhe permitiu avançar mais no estudo de dados vinculados com o achado: “Agora sabemos como mais ou menos era a casa dos moradores de há três mil anos”.

“Ao sabermos as plantas que comiam vamos saber qual era a sua dieta; com a cerâmica, vamos conhecer sua arte, pelo tipo de lugar onde construíram a casa, conheceremos a relação que tinham com o meio ambiente”, declarou.

O especialista francês, que começou com as escavações há mais de 15 anos no Equador, diz sentir-se “feliz” pela descoberta e garante que “tocar algo que não foi tocado durante três mil anos sempre é um prazer”.

“Somos procuradores de tesouros, como se fossemos umas crianças”, comentou entre risos quem sugeriu a criação de um museu na região onde foi feita a descoberta.

O especialista francês garantiu que ainda há muito por descobrir da Amazônia, onde há savanas, pântanos, montanhas e uma grande biodiversidade. “São sete milhões de quilômetros quadrados, ou seja, o tamanho dos Estados Unidos ou da Europa”, exemplificou.

“Na Europa digamos que há 30 idiomas e dez famílias lingüísticas. Na Amazônia, no mesmo território, atualmente temos 200 idiomas e 80 famílias lingüísticas”, comentou, acrescentando que, por outro lado, existe essa diversidade pois os indígenas eram nômades.

Segundo ele, não se sabe muito da rede de caminhos que havia pela Amazônia e lamentou que esta ainda seja vista como um “mundo selvagem” onde agora a densidade da população é de 0,5 habitantes por quilômetro quadrado, mas onde havia lugares “com 10, 15, 20 habitantes por quilômetro quadrado; até 100 no litoral das Guyanas”, disse.

“Estou falando de uma Amazônia muito povoada, todos interligados, mas com idiomas diferentes. Era como a rede da web, mas com seres humanos”, disse Rostain, que lembra que, quando começou, há 35 anos, a trabalhar na Amazônia, havia “menos de 10” arqueólogos trabalhando nos sete milhões de quilômetros quadrados. Agora são centenas neste “continente verde”, concluiu. EFE

Restos de casa construída há 3 mil anos são encontrados na Amazônia equatoriana

, 15/09/2013 06:55

S

Arqueólogos acharam no Equador a casa mais antiga da Amazônia. Agência Efe

A descoberta “é totalmente nova, ninguém tem conhecimento dela”, afirma arqueólogo que achou residência
Opera Mundi – Arqueólogos franceses e equatorianos descobriram na Amazônia do Equador os restos de uma casa construída há cerca de três mil anos, a mais antiga da região amazônica, segundo disse à Agência Efe o arqueólogo Stéphen Rostain, diretor da pesquisa.
“Encontramos buracos de fornos e vestígios de cerâmica e pedras”, disse Rostain, ao explicar que o que acharam foram “as marcas da casa mais antiga da Amazônia no Equador”, perto de Puyo, na província de Pastaza. O arqueólogo detalhou que encontraram o lugar há dois anos e abriram o campo em julho, quando cavaram um metro de profundidade e aproximadamente 90 metros quadrados de diâmetro.
A descoberta “é totalmente nova, ninguém tem conhecimento dela”, assegurou o especialista ao comentar que, quando fizeram as prospecções há dois anos, encontraram uma forma do que seria uma fornalha.
“As fornalhas construídas com pedras são geralmente muito antigas, de entre 1.800 e 500 a.C.. Tiramos algumas amostras que nos remeteram a uma data de há três mil anos, e este ano encontramos todas as marcas de pilastras com as quais conseguimos reconstruir (em papel) a casa”, disse.
Em uma gráfica, o especialista mostrou os pontos que disse corresponderem às marcas das pilastras. “Reconstituindo isso, temos uma casa em formato oval, parecida às casas atuais, mas a diferença é que essa tem três mil anos. É a casa mais antiga de toda a Amazônia (…), mais antiga inclusive que as conhecidas no Brasil”, afirmou.
Tronco como pilastra
A “maior descoberta”, disse, foi o fato de, quando a casa foi construída, terem usado o tronco de uma árvore como pilastra, colocando-o de cabeça para baixo, enterrado na camada freática: “Isso economiza o trabalho humano, não é necessário talhar o tronco e assim a árvore não cresce novamente”, comentou.
As marcas achadas mostram que a casa foi construída no formato oval, com 17 metros de comprimento e 11 de largura. “A sua construção é um pouco parecida com a atual dos achuar e dos quichua”, e a maior diferença é a fornalha feita de pedra, disse o diretor do projeto, que comentou que deram o nome de Pambay à cultura da zona pelo rio próximo.
Entre outras coisas, a organização do III Encontro Internacional de Arqueologia Amazônica, que é realizado nesta semana em Quito, não lhe permitiu avançar mais no estudo de dados vinculados com o achado: “Agora sabemos como mais ou menos era a casa dos moradores de há três mil anos”.
“Ao sabermos as plantas que comiam vamos saber qual era a sua dieta; com a cerâmica, vamos conhecer sua arte, pelo tipo de lugar onde construíram a casa, conheceremos a relação que tinham com o meio ambiente”, declarou.
O especialista francês, que começou com as escavações há mais de 15 anos no Equador, diz sentir-se “feliz” pela descoberta e garante que “tocar algo que não foi tocado durante três mil anos sempre é um prazer”.
“Somos procuradores de tesouros, como se fossemos umas crianças”, comentou entre risos quem sugeriu a criação de um museu na região onde foi feita a descoberta.

Agência Efe - Tronco servia para fazer a sustentação da casa, afirmam arqueólogos

“Muito o que descobrir”
O especialista francês garantiu que ainda há muito por descobrir da Amazônia, onde há savanas, pântanos, montanhas e uma grande biodiversidade. “São sete milhões de quilômetros quadrados, ou seja, o tamanho dos Estados Unidos ou da Europa”, exemplificou.
“Na Europa digamos que há 30 idiomas e dez famílias lingüísticas. Na Amazônia, no mesmo território, atualmente temos 200 idiomas e 80 famílias lingüísticas”, comentou, acrescentando que, por outro lado, existe essa diversidade pois os indígenas eram nômades.
Segundo ele, não se sabe muito da rede de caminhos que havia pela Amazônia e lamentou que esta ainda seja vista como um “mundo selvagem” onde agora a densidade da população é de 0,5 habitantes por quilômetro quadrado, mas onde havia lugares “com 10, 15, 20 habitantes por quilômetro quadrado; até 100 no litoral das Guyanas”, disse.
“Estou falando de uma Amazônia muito povoada, todos interligados, mas com idiomas diferentes. Era como a rede da web, mas com seres humanos”, disse Rostain, que lembra que, quando começou, há 35 anos, a trabalhar na Amazônia, havia “menos de 10″ arqueólogos trabalhando nos sete milhões de quilômetros quadrados. Agora são centenas neste “continente verde”, concluiu.
https://www.revistaencontro.com.br/canal/atualidades/2016/02/amazonia-teria-sido-amplamente-habitada-ha-mais-de-10-mil-anos.html

__,_._,___

2 açorianos na nova águia José Enes e Daniel de Sá

Açorianos José Enes e Daniel de Sá evocados na Revista “Nova Águia”

Sexta, 06 de Setembro de 2013 em Cultura 65 visualizações Partilhar

Açorianos José Enes e Daniel de Sá evocados na Revista “Nova Águia”A Revista “Nova Águia”, publicada em Lisboa pelas Edições Zéfiro, irá evocar nos seus próximos números doze (a lançar dentro de um mês) e treze (a sair no início de 2014) a vida e obra dos açorianos José Enes e Daniel de Sá, com textos dos ensaístas e investigadores Miguel Real e Eduardo Ferraz da Rosa.

A “Nova Águia” – Revista de Cultura para o Século XXI, actualmente dirigida por Renato Epifânio, Miguel Real e Luísa Janeirinho, é uma publicação que retoma o ideário do chamado Movimento da Renascença Portuguesa (que integrou e foi liderado, entre outros grandes vultos poéticos e intelectuais portugueses do Século XX, por Teixeira de Pascoaes, Jaime Cortesão, António Carneiro, António Sérgio, Fernando Pessoa, Leonardo Coimbra e Agostinho da Silva).

Órgão do Movimento Internacional Lusófono (MIL), a “Nova Águia” (http://novaaguia.blogspot.pt/), conforme consta no seu Site e respectivo Índice divulgado, dedicará esta próxima edição (nº. 12) especialmente, com mais de uma dezena de ensaios temáticos e outra documentação inédita, ao pensador, escritor e filósofo português António Quadros (1923-1993), cujo vigésimo aniversário da morte decorre este ano e que é ali considerado como o “rosto mais visível da filosofia portuguesa”.

– Licenciado em Histórico-Filosóficas, António Quadros fundou o Instituto de Arte, Decoração e Design (IADE), foi director das Bibliotecas Itinerantes da Fundação Gulbenkian e dirigiu as revistas de cultura Acto, 57 e Espiral. Autor de vasta obra histórico-literária, filosófica, estética, crítica e ficcionista, tendo pertencido ao Grupo da Filosofia Portuguesa (entre outros, com Álvaro Ribeiro, José Marinho, Afonso Botelho e Cunha Leão), foi tradutor de Camus, Maurois, Cocteau e Duhamel, correspondente da Academia das Ciências de Lisboa e da Academia Brasileira de Filosofia, e membro da INSEA (International Society for Education Through Art), órgão consultivo da UNESCO, da qual foi delegado em Portugal até 1981.

Todavia e a par do autor de O Movimento do Homem (1963) e Memórias das Origens, Saudades do Futuro (1992), relembrados são também nas suas mais de 250 páginas outros autores, significativas efemérides e obras culturais, filosóficas, poéticas e históricas: Silvestre Pinheiro Ferreira (bicentenário das Prelecções), Orlando Vitorino, Eduardo Abranches de Soveral, Kierkegaard, António José Saraiva, José Mattoso, Cesário Verde, Fernando Pessoa, Dalila Pereira da Costa, Heraldo Barbuy, Daniel de Sá e José Enes, que são abordados, entre muitos e diversos Colaboradores deste número da revista por Pinharanda Gomes, Afonso Rocha, José Gama, Rodrigo Sobral Cunha, Miguel Real, Samuel Dimas, António Braz Teixeira, Nuno Sotto Mayor Ferrão, José Lança-Coelho, António Telmo, Manuel Ferreira Patrício, Eduardo Ferraz da Rosa e Adriano Moreira (com um texto sobre “O Futuro de Portugal”).

– No que se refere a Daniel de Sá (1944-2013) e José Enes (1924-2013) as suas vidas e obras são assim e agora ali retomadas (e continuarão a ser depois sucessivamente evocadas) na “Nova Águia” por Eduardo Ferraz da Rosa (que escreve neste nº. 12 sobre Daniel de Sá e no nº. 13 sobre José Enes), e por Miguel Real, nesta edição já com o artigo “Arte e Moral: No Ano da Morte de José Enes”, onde é analisada a reflexão estética do filósofo açoriano de A Autonomia da Arte.

O lançamento deste nº. 12 da “Nova Águia” terá lugar dia 15 de Outubro próximo, no Palácio da Independência (Largo de S. Domingos) em Lisboa, sede da Sociedade Histórica da Independência de Portugal (SHIP) e do Movimento Internacional Lusófono (http://movimentolusofono.wordpress.com/).

Unicef

Metereologia

  • Ponta Delgada24º

    Ponta Delgada

  • Praia da Vitória23º

    Praia da Vitória

  • Santa Cruz das Flores25º

    Santa Cruz das Flores

sereias de timor leste

  • Rosely Forganes and Maria João Moniz Barreto shared a link.

    “Há muitos filmes para fazer em Timor”

    pontofinalmacau.wordpress.com

    David Palazón é um espanhol que em 2008 trocou Londres por Díli. E

    “Há muitos filmes para fazer em Timor”

    004David Palazón é um espanhol que em 2008 trocou Londres por Díli. Envolveu-se com a cultura tradicional do país e prepara-se para lançar o documentário “Wawata Topu – Sereias de Timor-Leste”. É a história de mulheres da ilha de Atauro que mergulham e caçam peixe para sobreviver.

    Hélder Beja

    Mulheres vestidas, com uma espécie de lança numa das mãos, a entrarem nas águas que banham a ilha de Atauro, em Timor-Leste. Fazem-no para apanhar peixe, ostras, o que houver. Fazem-no por necessidade e a história, contada em imagens, parece de outro tempo mas também de outro mundo. David Palazón, cineasta, e Enrique Alonso, antropólogo, juntaram-se para filmar e perceber a vida na aldeia de Adara, na costa oeste de Atauro. O resultado é “Wawata Topu – Sereias de Timor Leste”, documentário de 33 minutos que deve estrear em breve em vários festivais. David Palazón conta como tudo começou.

    – Como se deparou com a história das melhores de Atauro que praticam este tipo de pesca tão especial?

    D.P. – Entre 2009 e 2012 estive a viajar pelo país e a trabalhar com vários timorenses. Numa dessas viagens, Nelson Turquel – um dos fotógrafos que trabalhou no filme – foi à aldeia de Adara e voltou com umas fotos que utilizámos no evento “Academia das Artes e Indústrias Criativas 2011”. Fiquei com essas fotografias e, em conversa com outro espanhol, Enrique Alonso, que é antropólogo e trabalhava como assessor do Ministério das Pescas, falámos de Atauro, que é um epicentro do mar e das pescas. Como ele já não estava a fazer assessoria e tinha tempo livre, falámos destas mulheres de Atauro. Há muitos filmes para fazer em Timor. Este era atractivo, ver as mulher ali debaixo de água… São as únicas mulheres em todo o Timor-Leste que o fazem. Pedimos fundos ao Secretariado da Comunidade do Pacífico. Queríamos também fazer um livro, com o estudo, mas só houve dinheiro para o filme. Pedimos autorização, fomos para a aldeia durante uma semana, entrevistámos toda a gente, levámos vários amigos como voluntários e outros que foram pagos. O Mário Gomes, que trabalha em Atauro, é um dos tipos mais espevitados de Adara e abriu-nos as portas da sua família na aldeia. Filmámos tudo a partir daí.

    – Que tipo de tecnologia usaram para filmar debaixo de água?

    D.P. – Tínhamos dois amigos que fazem mergulho, o Nuno da Silva e Bea. Mergulharam com botijas de oxigénio e filmaram debaixo de água com uma caixa que levava a câmara dentro. Além disso, tínhamos duas câmaras Canon próprias para filmar na água. Foi assim que filmámos o que é a pesca, os barcos, as redes, a luta com o peixe e tudo isso. Para o resto usámos uma HDV profissional.

    – Estas mulheres vão pescar para o mar sem qualquer equipamento, normalmente vestidas, com uns óculos artesanais que usam debaixo de água. Como foi a experiência de filmá-las?

    D.P. – Elas pescam nos recifes. É um pouco a contradição do filme: a beleza visual do que elas fazem é grande, mas ao pescarem assim estão a destruir um pouco o recife. Mas enfim… Os homens pescam na parede vertical, quando o recife termina. As mulheres pescam no máximo a dois, três metros de profundidade. Às vezes vão quase a andar. Filmámo-las durante três dias a pescar e a cada dia mudavam de lugar, consoante as marés. Elas têm o seu próprio sistema de rotatividade e sabem quando têm de ir a um sítio e ao outro. Os peixes que apanham não são muito grandes, mas também apanham ostras e outras coisas que encontram.

    – O documentário mostra-nos que o fazem por necessidade, como modo de subsistência. Depois, têm de caminhar algumas horas para vender o que pescam no único mercado de Atauro, certo?

    D.P. – O mercado é em Beloi [zona onde atracam os barcos vindos de Díli]. Elas têm de andar duas horas e meia até chegarem ao mercado. É ao sábado que fazem esse caminho.

    – Interessou-lhe esta questão de sobrevivência, do porquê das mulheres terem começado a dedicar-se a este tipo de pesca?

    D.P. – A mim o que me interessa mais é retratar a realidade. A questão explicativa das coisas, ao trabalhar com o Enrique que é antropólogo, estava mais com ele. Quando íamos à aldeia o que eu fazia era documentar histórias visualmente – as crianças, a igreja. Quando encontrávamos alguém que queríamos entrevistar, como o professor ou o chefe da aldeia, era o Enrique que conduzia as entrevistas, para averiguar o porquê de estas mulheres terem esta actividade. Há diferentes níveis económicos dentro da aldeia. No caso destas mulheres, ou estão sem marido, ou são de famílias com muitos irmãos, ou são poucas mulheres e por necessidade familiar têm de fazê-lo. Não têm dinheiro e por isso não podem comprar redes. Os peixes que pescam são para comer. Se pescam mais algum, vendem-no e compram arroz ou suprem qualquer outra necessidade básica que tenham. Nunca conseguem ter dinheiro para redes ou para construir um barco que lhes permita ir um pouco mais longe e pescar peixes maiores. Na aldeia há outras mulheres que não fazem pesca aquática porque têm barco e vão com o homem. É uma actividade social mas também é uma necessidade. Não vão fazer pesca submarina como se fossem fazer pilates.

    – Ainda que seja um documentário sobre estas mulheres, há uma boa parte sobre outros temas da aldeia, como o casamento, etc. Foi uma opção difícil fazê-lo assim? Não acha que o espectador pode estar à espera de mais cenas subaquáticas e mais imagens desta mulheres a pescar?

    D.P. – A pesca é a desculpa, mas o filme é uma investigação. Nesta aldeia toda a gente é protestante, não católica. Não fumam, não bebem, têm uma espécie de comportamento social diferente, um sentimento animista da sua própria religião tradicional, de como têm de casar. O tema do casamento é um intercâmbio económico. Aquilo a que chamam “barlaque” [oferta que o marido faz à família da noiva] é bastante complicado de traduzir. A língua não pode traduzir este tipo de actividade social. Se o traduzimos como “bride wealth”, estamos a dizer que as mulheres têm um preço e é politicamente incorrecto. É complicado, depende da audiência. Se for uma audiência que trabalha com o tema do género, verão isto do ponto de vista de defesa dos direitos da mulher. Mas a nossa intenção não era essa, mas simplesmente fazer um retrato do porquê de as mulheres terem esta actividade. Estivemos lá uma semana e tampouco é uma espécie de documentário à Jacques Cousteau, todo debaixo de água. Elas não passam toda a semana debaixo de água. Fazem-nos durante uma hora, três ou quatro vezes por semana. O material que temos filmado corresponde à vida de autóctones que levam. A primeira edição do documentário que fizemos era mais longa. Para esta, retirámos coisas, exactamente por querermos ter mais tempo as mulheres. Fizemos mais umas entrevistas, para que nos contassem a sua história.

    – Já vive em Timor-Leste há alguns anos e “Wawata Topu – Sereias de Timor Leste” não é o seu primeiro projecto no país. Como vai viver de Londres para Timor?

    David Palazón – Coisas da vida… Eu era professor na universidade, em Londres, tinha estudado lá, trabalhava como freelancer e com projectos artísticos. Interessavam-me as questões socioculturais e o poder pôr em prática a criatividade em lugares um pouco fora de contexto, onde talvez faça mais falta. Tinha então um amigo português que estava a fazer fotografia documental nas ex-colónias portuguesas e foi ele que me apresentou Timor. Era suposto virmos juntos. A ideia era ficar três meses e depois seguir para a Austrália. No final das contas ele não veio, eu encontrei um programa de voluntariado e fiquei por aqui.

    – Apaixonou-se pelo país? O que é que aconteceu?

    D.P – Bem, é um bocado uma relação de amor e ódio (risos). Fazes amigos timorenses, tens relações que geram projectos e, depois do voluntariado, apareceu um projecto com uma universidade australiana [Griffith University] e estive três anos a fazer pesquisa sobre as culturas tradicionais de Timor. Isso levou-me a colaborar com o Governo e há projectos que estão agora nas mãos deles. Entretanto estou a fazer vários projectos, faço design como freelancer.

    – Porquê essa relação amor/ódio?

    D.P. – É como em qualquer outro país em vias de desenvolvimento. Gosto das especificidades que tem, do facto de poder ir a Adara e filmar umas mulheres que pescam por necessidade, mas tudo é muito lento, sobretudo trabalhar com o Governo é lento. Não que tudo seja mau. Há coisas boas e coisas más.

    – Disse há pouco que há muitas histórias para contar em Timor. Vai continuar a filmar a essas histórias?

    D.P. – Depende. Está tudo relacionado com os projectos que estão em marcha. Queremos conservar o que existe no que toca à cultura e aos antepassados, mas fazer com que a nova geração reinterprete tudo isso e faça algo que possa criar empreendedores criativos, que possa gerar dinheiro e emprego – uma indústria. Aqui não há indústria de cinema. São sempre projectos promocionais, cooperações, ou são estrangeiros como eu que fazem alguma coisa. Agora há outro filme, que se chama “A Guerra de Beatriz” [de Luigi Acquisto e Bety Reis], há uma colaboração entre os estrangeiros e os timorenses. Para que os timorenses sejam capazes de ter a sua indústria de cinema, seja a que nível for, precisam de praticar e de fazer projectos. Se não há estudos, ou vão a estudar para fora ou tudo é um processo muito lento.

    – Enquanto vai filmando estes projectos, há jovens locais que aprendem consigo?

    D.P. – Sim, tenho vários discípulos que começaram comigo quando eu era voluntário. Com um deles, o Victor [de Sousa], fizemos o “Uma Lulik”, um filme para a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Passou nas televisões de todos os países de língua portuguesa através do programa DOCTV CPLP. Isso foi o resultado de trabalhar com um rapaz timorense durante um ano. Ele teve a ideia, fizemos a proposta, ganhámos um concurso, procurámos uma empresa. Fiz um pouco de director executivo, dei-lhe capacidade a ele, cedi equipamento, ele aprendeu um pouco mais e fomos filmando durante um ano. Ele vinha ter comigo a cada mês e pouco a pouco íamos montando o filme. Conseguimos mandar o filme a alguns festivais e ganhámos um pequeno prémio em no Festival Internacional de Brisbane. Mas não há indústria, é complicado. Ele agora tem estado a filmar os miúdos que lançam papagaios de papel em Agosto, que é o mês em que faz mais vento. É uma curta-metragem, uma espécie de exercício. Filmam, editam e eu pago a produção. Depois meto o filme online, para que seja visto e, se estiver suficientemente bem, mandamo-lo a algum festival. Há um marketing por trás disto que leva tempo e dinheiro que ninguém paga.

    – Por falar em festival, onde gostaria de ver estrear este “Wawata Topu – Sereias de Timor Leste”?

    D.P. – Já a enviámos para 12 festivais. Enviámo-la ao Indie Lisboa, a dois festivais em Londres, a um na Nova Zelândia, um em Los Angeles, outro na Austrália, outro na Holanda, na Alemanha e Canadá. Estamos à espera. Alguns são festivais etnográficos, outros são curtas-metragens documentais e outros estão mais relacionados com o mar.

    – E em Timor, quando vão mostrá-lo?

    D.P. – No último fim-de-semana deste mês vamos projectá-lo na aldeia, em Adara. Não temos verba para alugar um cinema. Toda a gente nos pergunta quando vai acontecer. Dentro de 15 dias virá um representa do Secretariado da Comunidade do Pacífico, saberemos a sua opinião sobre o filme. Estamos a traduzi-lo para francês, para passar nas TV’s do sudeste do Pacífico. Em Timor, de momento, há esta projecção prevista para Adara e suponho que haverá um screening em Díli, na Fundação Oriente ou algo assim.

    – Está a trabalhar noutros projectos?

    D.P. – Estou a terminar uma curta experimental que é ainda uma surpresa, um pouco secreta. É uma colaboração com a bailarina Collen Coy e o maestro Simão Barreto, que viveu muitos anos em Macau. Para já não posso dizer mais.