DOM BOSCO E A PEDAGOGIA DA ALEGRIA

 

DOM BOSCO E A PEDAGOGIA DA ALEGRIA

O Carisma salesiano é pioneiro na Educação

António Justo

Hoje, dia 31 de Janeiro, é um grande dia! Celebra-se a festa de Dom Bosco (nascido a 16 de agosto de 1815 Asti, Itália e falecido em Turim a 31 de janeiro de 1888), o fundador dos salesianos.

Em Dom Bosco juntam-se a realidade e o sonho. A sua dedicação à juventude (especialmente a mais pobre) era uma verdadeira liturgia. Por isso, ainda hoje, a juventude, que teve o privilégio de passar pelas casas de Dom Bosco, considera os salesianos como grandes beneméritos e amigos.

Dom Bosco, pai da família salesiana, foi designado de “pai e mestre da Juventude” por João Paulo II. Viveu numa época conflituosa e de costumes ásperos do processo da unificação da Itália. Com o seu espírito conciliador, consegue ultrapassar as intrigas políticas e religiosas do tempo e colocar tudo à sua volta ao serviço dos jovens. Neste sentido resume, na sua oração e acção, a frase do rei de Sodoma a Abraão “Da mihi animas cetera tolle” (“Dá-me as pessoas e fica com os bens para ti”) e que, no sentido da mística de Dom Bosco, se expressava na oração “Ó Senhor, dá-me almas e toma todas as outras coisas”. No mesmo espírito Dom Bosco dizia aos seus colaboradores: “Quando tiver espinhos, ponha-os na coroa de Jesus.” Aquele ficou o lema da congregação salesiana, que fundou e se encontra espalhada por todo o mundo, ao serviço da juventude, com escolas do ensino básico e secundário e com escolas profissionais médias e superiores; os salesianos também se dedicam na sua especialidade ao trabalho missionário.

O Sistema Preventivo da Pedagogia Salesiana

A pedagogia preventiva salesiana resume-se nas palavras “amor, razão e religião”. No sistema preventivo, o educador “não ama para educar, educa porque ama”. “A prática desse sistema é toda apoiada sobre as palavras de São Paulo, que diz: A caridade é paciente, é benigna, tudo sofre, tudo espera e suporta qualquer incómodo”.

Uma vez que lhe fizeram uma pergunta sobre o seu sistema educativo respondeu: “O meu sistema? Simplicíssimo: deixar aos jovens plena liberdade de fazer o que mais lhe agrada. O problema é descobrir neles germes de boa disposição e procurar desenvolvê-los”. De facto, para Dom Bosco, “Os meninos são bons; se há meninos maus é porque não há quem cuide deles”.

A sua pedagogia preventiva baseada no amor, no carinho e no respeito pela criança/jovem, contrariamente aos hábitos daquele tempo, não recorre à violência. Trata de prevenir os males sem lesar a liberdade da pessoa. No recreio, servia-se de palavrinhas que dizia ao ouvido de algum que precisasse de apoio ou reflexão.

Recomendava aos educadores, que denominava de assistentes: “Os jovens não só devem ser amados, mas devem saber que são amados. A primeira felicidade de um menino é saber-se amado.” Trata-se de ir ao encontro da juventude nas condições que lhe são próprias. “É impossível educar bem a juventude se não se lhe conquista a confiança” e esta cultiva-se na alegria do viver e por isso “uma casa sem música é como um corpo sem alma”. “Conseguir-se-á mais com um olhar de bondade, com uma palavra animadora, que encha o coração de confiança, do que com muitas repreensões que só trazem inquietações e matam a espontaneidade”.

No seu sistema a religião é um elemento que dá profundidade e autonomia à personalidade. Um jovem com fé é forte porque não anda sozinho tem a experiência íntima de comunidade. “Quem é humilde é amável, será amado por todos, por Deus e pelos homens.” Um dos seus lemas era: “Reprovemos os erros, mas respeitemos as pessoas.” E acrescentava “Suporta de bom grado os defeitos alheios, se queres que os outros suportem os seus.”

Era da convicção que a pobreza se ultrapassa com formação. A sua estratégia concretizava-se no “é preciso ensinar a pescar em vez de dar o peixe”. Por isso fundou o oratório que albergava crianças da rua, com os quais queria ver os seus colaboradores a jogar e trabalhar de mangas arregaçadas.

Um ritual importante das casas salesianas era a boa noite. Ninguém devia ir dormir sem ouvir uma palavra de optimismo e sem um sorriso no coração.

Na sequência dos seus passos, a congregação Salesiana dedica-se por todo o mundo à educação da juventude. Terra onde os salesianos entram torna-se terra abençoada.

O carisma salesiano é pioneiro porque o assistente/professor embarca com o jovem onde ele está, ganha-lhe a confiança, passando de assistente a amigo. Tive a felicidade de ser educado por “assistentes” que viviam a pedagogia e a didática acima descrita! Ainda hoje, recordo e sinto os pedagogos e colegas de outrora como familiares e amigos!

António da Cunha Duarte Justo

www.antonio-justo.eu

 

 

.
__,_._,___
Please follow and like us:
error

Emigração empacotada em Papel couché

 

Emigração empacotada em Papel couché

Da Força muscular à Energia cerebral- Colonialismo e Desenvolvimento

António Justo

Ontem era a pobreza da terra e do interior que obrigava a emigrar. Hoje juntou-se-lhe a pobreza das cidades e dos Estados a testemunhar uma EU de política desigual. A emigração das periferias para os centros serve a exploração dos povos ricos sobre os pobres. No tempo em que as máquinas precisavam da força muscular, os países fortes importavam a força muscular humana, hoje que nos encontramos no tempo das tecnologias de ponta, importam as energias cerebrais humanas, sorvendo o pessoal formado à conta dos povos marginais.

A crise na Europa alastra com tal raiva que muita da classe média já se encontra quase no mesmo pé que a baixa antiga. Em nome da nova mobilidade, das pessoas em direcção às máquinas, continua-se a refinada e velha tática de levar as pessoas às máquinas e não as máquinas às pessoas. O sistema da velha colonização mantem-se, evoluiu apenas a fineza! Os países fortes antigos são apelidados de colonizadores, os de hoje dá-se-lhe o meigo nome de desenvolvidos!

A tristeza é grande e ainda se faz propaganda dela! O snobismo, de um Portugal novo-rico, testemunha a falta de patriotismo e de formação, ao estimular, oficialmente, académicos desempregados, a procurar trabalho no estrangeiro. Em 2012 emigraram 120 000 portugueses e em 2013 outros 120 000 num total de 240.000. Destes, 20% tinham um curso superior. A Incompetência do Estado dá sustentabilidade à emigração.

A carência portuguesa actual passa agora a ser empacotada com papel de lustro académico; este deve substituir a miséria do antigo papel de embrulhar bacalhau e salpicões; a nova diáspora distingue-se pela diferença do lustre que deve limitar a vergonha à antiga.

A elite do nosso Estado, como atestam os escritores dos últimos dois séculos, sobressai pela sua situação parasita a viver dos impostos do Estado e das remessas da emigração. A classe política fala agora desavergonhadamente da “nova diáspora” dos emigrantes com estudos, no desdém pelos antigos.

Fala-se da necessidade de se aproveitar “a potencialidade” da “nova diáspora”. Tal é a crueldade dos bastardos da economia, tal é a fome canina que se aproveita das migalhas deixadas pelos portugueses obrigados a sair para o estrangeiro. Portugal nunca deixou de “ tirar partido” das remessas dos emigrantes para cimentar a inércia governamental e a preguiça mental da Assembleia da República.

Quem sai não grita e ainda manda uns milhões! Segundo o Banco de Portugal, as remessas dos emigrantes atingiram, nos cinco primeiros meses de 2013, 1,14 mil milhões de euros, o que correspondeu a uma subida de 9,12%.

Portugal tornou-se num país sem capacidade empreendedora. Na TV e na discussão pública não há lugar para quem produz nem para as firmas de sucesso; a arena pública é ocupada pelos conhecidos sobas dos partidos e por algum boçal mais letrado. Quem berra, fá-lo de estômago bem recheado, continuando a fazer por um Portugal da meia-luz onde a esperteza tenha conjuntura à custa da inteligência soterrada na virgindade do povo.

O Português novo-rico perdeu o espírito de risco, o espírito de empreendedor, para viver do espírito de funcionário. A estrutura suporte do pensar português, para lá da fantasia, contenta-se com coisas pequenas que possa controlar, satisfazendo-se a olhar para o resultado que pode ter do que faz. Cada um é módico, contenta-se em ter algumas ovelhas que o admirem ou verga-se a qualquer coisa.

O problema do povo português vem do facto de tudo correr por amor à camisola sem se preocupar com o que ela encobre!

Portugal encontra-se hoje, tal como no século XV e XVI, à frente da civilização. Outrora à frente da expansão e agora à frente do seu colapso.

António da Cunha Duarte Justo

www.antonio-justo.eu

 

 

.
__,_._,___
Please follow and like us:
error

ANTOLOGIAS E COLETÂNEAS DE AUTORES AÇORIANOS

a AICL (Associação internacional dos colóquios da lusofonia) vai lançar no 21º colóquio (http://lusofonia2006.com.sapo.pt/index.htm) de 24 a 27 de abril 2014 a

COLETÂNEA DE TEXTOS DRAMÁTICOS AÇORIANOS POR HELENA CHRYSTELLO E LUCÍLIA ROXO. Não são textos didatizados. São excertos de textos dramáticos de obras do Álamo (“Missa Terra Lavrada”, “Manuel seis vezes pensei em ti” e a “Solidão da Casa do Regalo”), Daniel de Sá (“Bartolomeu”), José Martins Garcia (“Domiciano”), Norberto Ávila (“Algum Teatro”) e Onésimo (“No Seio desse Amargo Mar”).

JÁ TEMOS em nossa posse 100 EXEMPLARES PARA VENDER (autografados pelas autoras) A 10 EUROS cada MAIS 2.00€ PORTES (Portugal) CONTACTAR [email protected]

Esta iniciativa precede o lançamento na mesma data e local da ANTOLOGIA NO FEMININO “9 ILHAS, 9 ESCRITORAS” [Brites Araújo, Joana Félix, Judite Jorge, Luísa Ribeiro, Luísa Soares, Madalena Férin, Madalena San-Bento, Natália Correia, Renata Correia Botelho]

****

PARA ALÉM DESTES DOIS NOVOS LANÇAMENTOS A CARGO DA EDITORA CALENDÁRIO DE LETRAS (WWW.CALENDARIO.PT) vamos manter em linha os CADERNOS DE ESTUDOS AÇORIANOS e seus anexos https://www.lusofonias.net/acorianidade/cadernos-acorianos-suplementos.html

A AICL continuará a promover e vender duas antologias de autores açorianos contemporâneos (uma monolingue de 17 autores e a bilingue de 15 autores ver

Se estiverem interessados em adquirir exemplares destes livros por favor entrem em contacto direto connosco

[email protected]

solicito igualmente a divulgação na vossa área de influência

 Capa-Coletânea(3)Capa Antologia(Vol.I)(B).indd Capa Antologia(Vol.II)(B).indd capa antologia
Please follow and like us:
error

GOA – PATRIMÓNIO

IN DIÁLOGOS LUSÓFONOS

 

“O património arquitectónico e artístico goês é riquíssimo”

JANEIRO 28, 2014
1Arquitecto de profissão, o delegado da Fundação Oriente em Goa encontrou aqui um espólio cultural “fantástico”. Depois de 15 anos no Japão, onde a eficiência era a palavra de ordem, Eduardo Kol de Carvalho fala agora de “uma Ásia completamente diferente”. Da preservação do património à promoção da língua portuguesa, a delegação não tem mãos a medir.
Inês Santinhos Gonçalves, em Goa
– Qual é o maior desafio da Fundação Oriente em Goa?
Eduardo Kol de Carvalho – Estamos de porta aberta desde 1995. Ao longo dos anos a situação mudou, tanto a da Fundação como a da própria Índia. Temos tido diferentes tipos de preocupações, embora algumas permaneçam desde a primeira hora, como é o caso da promoção da língua portuguesa. No início fizemos muita recuperação de património, até porque a Índia não tinha meios e equipas técnicas. Não é o caso hoje em dia, porque eles já têm as suas equipas e presentemente damos mais apoio técnico e tentamos fomentar. Quais são as principais preocupações? É manter este intercâmbio entre Portugal e a Índia, fomentar as relações culturais, trazer artistas portugueses à Índia, apoiar muito as populações locais na área cultural e promover a língua portuguesa.
– Quais são as maiores dificuldades?
E.K.C. – Para já, dificuldades orçamentais. A Índia deu um grande salto e o custo de vida já não é como era no passado, em que o investimento aqui era fácil, qualquer verba se traduzia em resultados palpáveis. Hoje já não é tanto assim. E a Fundação Oriente tem outros projectos, como o Museu do Oriente, e tem de prestar atenção à manutenção e promoção desse instrumento, tendo menos verbas disponíveis para a Índia. Depois, temos de ver que a Índia, e Goa, se move noutro ritmo e eventualmente é isso que nos perturba mais.
– É a Fundação Oriente quem lidera as acções de promoção da língua portuguesa?
E.K.C. – Não. A língua portuguesa está contemplada no programa escolar goês, é uma língua de opção a partir do 8º ano de escolaridade, é a terceira língua de opção, com o francês e o hindi. Depois, no superior, também há português. A Fundação Oriente não tem o monopólio do português no secundário, que tem os seus próprios professores, mas apoiamos muitas das outras escolas que não têm condições para manter um professor de português. Hoje em dia estamos a apoiar 848 estudantes, do 8º ao 12º ano. Temos um trabalho de cooperação muito profícuo com o Instituto Camões. Desde 2010 existe uma associação goesa de professores de português, de que também somos sócios e a quem damos apoio.
– A Fundação Oriente organiza um concurso muito popular em Goa, o “Vem Cantar”.
E.K.C. – Vamos para a 16ª edição, mas não foi uma iniciativa nossa, foi de um college [instituto superior] nos arredores de Margão. Era um bocadinho insipiente mas um dos meus antecessores trouxe-a para o seio da Fundação, sempre em colaboração com este college. Começámos a participar a partir da quarta edição e hoje é uma manifestação cultural em Goa, em torno da língua portuguesa. Porque realmente move a juventude e não só. Tem duas eliminatórias, uma em Pangim, outra em Margão e uma final. Inicialmente havia apenas uma prova, o que quer dizer que o número de participantes aumentou imenso. É um concurso de canção em português, com divisão entre grupos etários, dos mais miúdos até aos adultos, e também entre grupos e solos. No início ainda estavam muito presos às canções que tínhamos deixado aqui em 1961, os temas até se repetiam muito, como ‘Encosta a tua cabecinha no meu ombro e chora’. Entretanto, começámos a organizar workshops de preparação, para apresentar a canção contemporânea em português. Hoje em dia cantam Mariza, por exemplo. O fado está presente mas nem é o prato principal, há músicas de todos os tipos. No ano passado tivemos 52 solos e 33 grupos, o que é um número já fantástico. Na final conseguimos ter uma sala com mais de mil lugares cheia, durante quase cinco horas. É super popular.
– Os participantes dominam todos os português?
E.K.C. – Não, nem todos falam português e alguns dominam mal. Já estive em quatro concursos e já notei uma presença em palco muito diferente, estão muito mais sofisticados e estão a tomar muita atenção à forma como se apresentam.
– É, então, um bom instrumento de promoção da língua?
E.K.C. – Fantástico. Confesso que quando estava a preparar-me para vir para Goa, estava a ler os dossiers da delegação e vi aquilo, “Concurso da canção portuguesa ‘Vem Cantar’”, e pensei “É a primeira coisa com que vou acabar”. Parecia uma coisa muito tosca. Mas realmente é uma acção fantástica, que move imensa gente – são os participantes, os familiares, os amigos, as escolas. Não precisamos de fazer muita promoção.
– Há cooperação entre a delegação da Fundação Oriente em Goa e a delegação em Macau?
E.K.C. – Há diálogo mas não há muita cooperação, o ambiente de trabalho é muito diferente. Temos uma iniciativa, que vai ser agora a 7, 8 e 9 de Fevereiro, que é o Festival de Música do Monte. Tentei trazer grupos de Macau ao festival, a minha colega [Ana Paula Cleto] tentou mover mundos junto das instituições culturais em Macau, mas não se conseguiu.
– Em que consiste o festival?
E.K.C. – Como disse, uma das preocupações da Fundação foi a recuperação de património. O ex-libris desse trabalho foi a recuperação da Capela do Monte, que tem uma posição fantástica, uma vista linda sobre Velha Goa. É um edifício muito interessante histórica e arquitectonicamente, localizado num sítio maravilhoso. Após a conclusão da reparação, um dos meus antecessores teve a excelente ideia de instituir um festival de música. É a uma sexta, sábado e domingo à noite, com música do Oriente e do Ocidente. Trazemos sempre alguém da Europa – acabou de chegar a soprano portuguesa, de um coro italiano, que vem participar. Há vários palcos: a igreja não permite que se cante outra música que não seja música sacra, mas no exterior montamos outros palcos. Montamos o palco das seis da tarde, para se assistir ao pôr-do-sol. Portanto, temos em frente de nós o artista –  normalmente é música ou dança indiana –, a paisagem de velha Goa com as suas igrejas a despontar na floresta de coqueiros e o pôr-do-sol. É realmente um espectáculo lindíssimo, que chama imenso público. Às vezes temos também um terceiro palco, o da noite. E terminamos sempre na capela, com música sacra e coros.
– Faria sentido uma maior aproximação entre Macau e Goa?
E.K.C. – Claro, sem dúvida.
– Nalgum projecto em particular?
E.K.C. – Acho que na área da música, sobretudo. Já houve artistas de Goa que foram cantar a Macau. Até em termos das relações entre a Índia e a China, seria muito recomendável. Mas infelizmente, quer o Governo de Macau, quero o Governo de Goa, se calhar não se aperceberam disso. As relações são um bocadinho frias e ter-nos a nós como interlocutores seria muito útil.
– Como avalia o estado do património em Goa?
E.K.C. – O património arquitectónico e artístico goês é riquíssimo. Ao longo dos 451 anos que estivemos aqui, construímos muito. Tem um património de arquitectura militar, civil, religiosa, tem um património ao nível de altares e púlpitos, de mobiliário de igreja, fantástico. As peças ligadas à arquitectura civil também são fantásticas. Todo o património indo-português é realmente fabuloso. Depois tem uma monção anual devastadora. Não é por acaso que Goa é muito verde e tem água por todos os lados. Durante quatro meses chove 48 horas por dia, como costumo dizer, e com uma intensidade absolutamente inacreditável. Para o património é muito mau, a arquitectura não gosta. Tem de haver um trabalho contínuo de conservação. [E há algum] desleixo em relação ao património arquitectónico, em Portugal isso [também] aconteceu durante algumas décadas.
– Falamos apenas do património cristão?
E.K.C. – Sobretudo. Diz-se que os portugueses destruíram muitos templos e é natural que sim, mas presumo que também não houvesse templos de grande envergadura em Goa.
– Mas quando se fala em trabalhos de preservação, são para todo o património?
E.K.C. – Para todo. Na região de Ponda há uns templos hindus de grande interesse arquitectónico e artístico, existem algumas mesquitas e edifícios históricos classificados e aí não há distinção. Mas, realmente, ressalta o valor da arquitectura militar, religiosa e civil indo-portuguesa. E aí não temos mãos a medir, os recursos são escassos para o valor do património. As populações, com a globalização, perderam um pouco esse instinto de conservação, como aconteceu em Portugal na década de 1960 e 1970. Em Macau, a arquitectura civil não teve a mesma expressão [que em Goa], embora tivesse coisas muito interessantes, quer da arquitectura chinesa, quer da ocidental.
– Esteve 15 anos no Japão como professor e conselheiro cultural da Embaixada de Portugal. Porquê esse interesse pela Ásia?
E.K.C. – Já tenho quase 21 anos de Ásia. Estive um ano no Golfo, um ano na Tailândia, 12 em Tóquio, três em Quioto e três e meio em Goa. Calhou. Sou arquitecto, neste momento não estou a executar arquitectura, mas na arquitectura uma área que sempre me foi cara foi a do património e foi isso que me trouxe à Ásia. Do património à cultura foi um pulo. A experiência no Japão foi muito rica, um bocadinho contrária à da Índia. As coisas funcionam a uma velocidade fantástica, idealiza-se um projecto e amanhã já está concretizado. Há recursos humanos, há recursos materiais. Tive a felicidade de conseguir realizar projectos interessantes e importantes, com a colaboração da área empresarial japonesa e dos municípios. Aqui é uma Ásia completamente diferente, são outros desafios. 
“Importante para Goa, para a lusofonia e para a língua portuguesa” 
– Como olha para os Jogos da Lusofonia?
E.K.C. – A Fundação não colaborou, estou a ver como espectador. Acho que é desafio grande para Goa. Nunca aconteceu nada desta dimensão e estão obviamente orgulhosos disso. Devia ter acontecido em Novembro, as coisas atrasaram-se muito e foi pena, porque teríamos tido mais participações de outros países. Mas acho que é importante para Goa, para a lusofonia e para a promoção da língua portuguesa. Estes acontecimentos são sempre importantes para os países organizadores e vai ser importante para a lusofonia, não pode deixar de o ser. Tenho esperança de que, para já, elimine alguns preconceitos da Administração em relação a Portugal e à língua portuguesa, e depois é a adesão popular.
– Como comenta a posição do chefe de missão de Portugal, que se recusou a falar inglês com os jornalistas indianos?
E.K.C. – Respeito. Eu talvez não o tivesse feito porque haverá jornalistas que não serão sequer de Goa. Percebo que a organização não tenha capacidade para ter intérpretes disponíveis.
– Seria realista esperar que os Jogos tivessem o português como língua de trabalho?
E.K.C. – Deviam ter, mas são só os terceiros Jogos, num país que não é lusófono.
http://pontofinalmacau.wordpress.com/2014/01/28/o-patrimonio-arquitectonico-e-artistico-goes-e-riquissimo/

 

__.

__,_._,___
Please follow and like us:
error

AMAZING AZORES VIDEO (INGLES)

http://www.youtube.com/watch?v=S1I05VU_8uQ&feature=em-share_video_user

vídeo: “Amazing Azores – 720 HD”
partilhou um vídeo consigo no YouTube
Amazing Azores – 720 HD
An unusual perspective on the very pretty Azores Islands in the Atlantic Ocean a long way west of Portugal. If lots of wildflowers and very little traffic appeals to you, then you`ll love this place. Time lapse photography by Ian Swarbrick – www.imagesfromthewild.ch
©2014 YouTube, LLC 901 Cherry Ave, San Bruno, CA 94066

Please follow and like us:
error

ANTONIO CARLOS JOBIM

Uma figura : Antonio Carlos Jobim, foi mais reconhecido em Nova York do que no Brasil, começa a ser ouvido por “aqui” .

Um passado pela frente

in diálogos lusófonos
por Ruy Castro
25/01/2014
RIO DE JANEIRO – Antonio Carlos Jobim faria 87 anos hoje. Se ainda estivesse entre nós (morreu em dezembro de 1994), ficaria contente de constatar a força da bossa nova, a música que ele e grande elenco construíram nos anos 50 e 60. E a força da sua própria música –custou, mas, agora, o Brasil toca mais Jobim do que nas últimas décadas de vida do maestro. Ele me dizia que não se conformava em ser mais reconhecido em Nova York do que aqui.
As coisas mudaram mesmo. Neste fim de semana, no Rio, turistas e nativos têm à sua escolha um tentador cardápio de Jobim e bossa nova. A Casa Julieta de Serpa, no Flamengo, receberá hoje Wanda Sá com um show em homenagem a Tom. Amanhã, a Julieta de Serpa caberá a Leny Andrade, mas o homenageado será Durval Ferreira, autor de “Estamos Aí”, “Tristeza de Nós Dois” e “Batida Diferente” –no mesmo palco em que os dois fizeram um show inesquecível em 2007, o último de Durval, a poucos meses de sua morte.
No Imperator, no Meier, o guitarrista Mario Adnet e uma formação de 13 feras oferecerão uma visão jazzística de Jobim, explorando seus ricos temas instrumentais, menos conhecidos. No Horse’s Neck, em Copacabana, a cantora Ithamara Koorax dedicará a noite não apenas a Tom, mas também a Luiz Bonfá, Marcos Valle e a um artista raramente lembrado como compositor –João Gilberto.
No novo Tom do Leblon, na rua Bartolomeu Mitre, o pianista Osmar Milito desfilará seu inesgotável repertório de Jobim e receberá amigos do aniversariante –entre os quais, quem sabe, Carlos Lyra e Marcos Valle. A poucos metros, no antigo Bar do Tom, também no Leblon, outro pianista, Marcos Ariel, despejará fagulhas ao fundir bossa nova e bebop.
Contra todas as correntes, e mesmo que para poucos e felizes, Tom Jobim e a bossa nova parecem ter um indestrutível passado pela frente.
Ruy Castro, escritor e jornalista, já trabalhou nos jornais e nas revistas mais importantes do Rio e de São Paulo. Considerado um dos maiores biógrafos brasileiros, escreveu sobre Nelson Rodrigues, Garrincha e Carmen Miranda.
Please follow and like us:
error

LAS ÇARANDAS (mirandês)

quando não souberem o que fazer com as peneiras, “razoulas”, e afins
Las Çarandas – “Ciranda”
http://vimeo.com/84696020
vimeo.com
Projecto 885 Las Çarandas ,Ciranda Gravado em Duas Igrejas, Bragança, Norte (Alto Trás-os-Montes) 19 de Janeiro de 2014 Realização: Tiago Pereira Som: Telma…
Please follow and like us:
error

A BELEZA DOS AÇORES (NA ÁGUA)

Aos que apregoam a beleza das nossas Ilhas fica um aviso: só estão a descrever metade da realidade. Metam uma máscara na cara e olhem debaixo de água. Meros, tubarões, Jamantas, tartarugas, pelágicos de grande porte, para não falar em inúmeros cetáceos. Está quase na hora de voltar lá abaixo!!!
https://www.youtube.com/watch?v=h3k32GmO8zg
Dive in the Azores
youtube.com
Scuba Diving in the Azores, by Nuno Sá.
--
Please follow and like us:
error