TANTA GENTE PARA NADA SIDONIO BETTENCOURT

TANTA GENTE PARA NADA O sol a pique no meio desta nuvem de gente. Nunca vi tanta, tanta nuvem de gente, tropeçando nas pedras e nos sinais proibidos,nas línguas de fogo e de fora; no inglês, francês, americano, italiano, no português açoriano. Muito mais gente do que máscaras e óleo de gel. Mãos lavadinhas e sapatilhas para correr, água na mochila, e o dilema entre o céu e as profundezas do mar. Subir a montanha, ver a baleia, e mergulhar na caça ao tesouro. Ontem não havia gente hoje há muita gente e não há gente, para trabalhar. O pão esgotou cedo e hoje é domingo não há cozinheira.. e o melhor é fechar, sim fechar porque há muita gente. Fica a nu a nudez da solidão dos tempos por cumprir.Já não sei se é sazonal ou viral.Pode ser uma crise de crescimento, uma crise de lamúria, uma simples crise de qualquer coisa, mas é uma crise…afinal o futuro era o “Moinho das Galinhas”do avô Papuda, cancelar o barco e diminuir a factura das passagens aéreas. Tanto colóquio tanto aprofundamento da autonomia, tanta discussão para lamentar, e afinal era o moinho, o ex líbiris perdido no juncal da vila. Tanto debate para não haver pão, cozinheira, gente para trabalhar… continuo a preferir o silêncio do pôr-do- sol, e as noites vagas e vazias das ruas sem ninguém…e o muro para ouvir da escuridão a música das das aves nocturnas de sempre, em inglês, francês, italiano.. unhá unhá unhá unhá… Cagarras. Com ou sem barco, com ou sem alojamento, com ou sem carro, com ou sem cozinheira, com ou sem pão, elas as cagarras estão de novo aqui no próximo a ano…grandes clientes da marca Açores. S.B.
Pedro Paulo Camara, Jose Lopes de Araújo and 36 others
5 comments
1 share
Like

Comment
Share
5 comments