FIQUEI OUTRA VEZ ÓRFÃO DE PAI, RIP PAI NENÉ BATALHA

 

 

em 2016 escrevi uma prece para o Leonel A Jorge Batalha (19 maio 1927-10 ago 2020) a quem desde 1979 chamei sempre pai, mesmo depois do a separação e divórcio da sua filha em 1992, hoje foi a vez dele se libertar desta vida e subir lá, onde quer que seja. Continuarei a falar com ele, partilhando desaires e vitórias, preocupações e escritos, como faço com o meu pai biológico desde 1992, sabendo que ele e Mãe Lala sempre estarão a olhar e a cuidar de mim, dos filhos e netos.

 

ESCREVI EM 2016

687. PRECE DE ATEU, AO PAI NENÉ, 24 julho 2016

pedem-me hoje que ore

como se um ateu rezasse

pedem-me hoje as minhas preces

como se vozes de ateu chegassem aos céus

mas nem sei nem posso

tentarei enviar energias positivas

pensamentos sãos

lembrar os momentos bons

as discussões que nunca tivemos

o apoio e amor que recebi

a partilha de parte da minha vida

apesar de sogro

foi um pai sempre presente

confidente e amigo

cúmplice

não sei se isto serve de prece

quero crer que sim

apesar dos continentes que nos separam

estivemos sempre perto

na china, na europa e na austrália

e nunca deixou de ser pai

desde que me aceitou há 37 anos

seremos sempre família

estará sempre comigo

nas preces que não sei

nas memórias que evoco

nos sorrisos que recordo

na sua bondade e tolerância

na sua ingenuidade sem malícia

para ti pai nené batalha

para onde quer que vás

estarei sempre contigo