TUTUALA TIMOR

May be an image of nature, ocean and sky
Fatin furak,
turistiko Tutuala,
Zonusere, Lautein,
Timor Leste.
Exposure photo,
Iso.100
Aperture.f22.
Ss.6sec.
See translation
You and 3 others

Produtores timorenses acusam comissão da Expo Dubai de falta de organização

Produtores timorenses acusam comissão da Expo Dubai de falta de organização.
Por Antonio Sampaio , correspondente da Agência LUSA.
Díli, 17 jan 2022 (Lusa) – Representantes de 14 grupos de artesanato e outros produtos artísticos e culturais timorenses criticaram hoje os organizadores da missão de Timor-Leste à Expo Dubai que deixou por enviar, durante meses, um contentor com produtos destinados ao evento.
“Os grupos são vítimas de um plano sem organização, de uma equipa que não sabe organizar bem este evento importante de representação de Timor numa exposição internacional. Os grupos estão dececionados pois trabalharam muito para poder entregar os produtos que nos foram pedidos com urgência”, refere uma nota enviada à Lusa.
Em causa estão centenas de produtos, preparados especialmente para a Expo Dubai a pedido da missão organizadora do pavilhão timorense, e que estão há seis meses num contentor em Díli sem ser enviados para a exposição.
Detalhes da situação foram dados a conhecer à Lusa por representantes dos 14 produtores, entre os quais organizações como a Boneca de Ataúro, Projeto Montanha ou um coletivo de mulheres do enclave de Oecusse.
O grupo explica ter sido contactado para uma “reunião urgente” com Manuel Vong, responsável da equipa organizadora da participação de Timor-Leste na Dubai Expo.
“Todos nós estávamos esperançosos que seria uma reunião de novidades, ou de algum resultado positivo das entregas feitas há seis meses”, explicou um dos representantes.
“Mas quando chegamos fomos informados que, afinal, os produtos nunca saíram daqui. Ficaram seis meses num contentor e agora tínhamos que os tirar de lá porque tinham que devolver o contentor ao dono”, referiu.
Os artesãos e produtores expressaram “choque e surpresa” pelo anúncio porque “os produtos ficaram dentro de um contentor” à porta do edifício dos organizadores, e que nem se sabe ao certo a sua condição.
Manuel Vong disse à Lusa que o processo de envio de produtos para o Dubai “não é fácil” e que o primeiro contentor demorou seis meses a ser enviado, sendo necessário fechar aspetos como lista de itens, matérias-primas e outra informação exigida pelo país.
“Sim, alguns entregaram os produtos em agosto. Outros em setembro. Assim que recebemos as listas dos produtos dos produtores enviamos para o Dubai”, afirmou.
Vong alega que ainda não houve aprovação para o envio de todos os produtos, seis meses depois, mas que a equipa está a trabalhar “para encontrar uma solução”.
“Tivemos hoje a reunião com o gabinete do senhor ministro e certamente haverá algumas soluções. Queremos procurar soluções porque o Governo quer fortalecer o setor privado. Nós só facilitamos”, afirmou.
“Possivelmente poderemos enviar alguns produtos por carga aérea”, disse ainda.
Os produtores acusam Vong de ter feito discursos “vazios de soluções”, com referências “vagas a planos sobre o aeroporto de Díli, de Baucau ou de Oecusse” e a outros investimentos do Governo.
As respostas não agradaram aos grupos, com produtores de Oecusse, por exemplo, a ameaçar mesmo levar o assunto ao Parlamento Nacional, recordando que chegaram a pedir empréstimos ao banco timorense BNCTL para fabricar os produtos a enviar para o Dubai.
“Estamos há seis meses a pagar o empréstimo, mas sem qualquer venda de produtos porque continuam no contentor à porta do senhor Vong”, disse uma representante.
No caso do enclave de Oecusse, os produtos foram preparados por um conjunto de artesãos, a maioria mulheres, que teve que enviar representantes à sua custa – incluindo pagamento de viagens de avião – para participar na reunião.
Participantes no encontro dizem que houve momentos de “tristeza e choro” com muitos dos grupos, que já se debatem com dificuldades financeiras, a relembrar o investimento feito na produção.
Acusam ainda assessores do Ministério do Turismo de terem feito esperar os produtores “várias horas” mostrando “falta de respeito e compromisso” e sem oferecerem qualquer explicação clara ou solução.
“Os assessores tentaram empurrar o problema para o senhor Vong e este disse que não tinha responsabilidade e que o seu papel era mais de conceção. Chegaram mesmo a dizer que se não gostássemos podíamos levar o caso a tribunal”, afirmou uma das representantes.
Os produtores insistem que foram contactados para preparar os produtos “com muita urgência” e que as autoridades mostraram uma “grande falta de respeito e de consideração”.
“Saímos da reunião sem nenhuma solução. Penso que vamos ter que tirar os nossos produtos do contentor para que não se estraguem mais, e tentar vender alguma coisa, porque precisamos de apoiar famílias e mulheres que trabalharam muito”, frisou.
“Queremos sugerir para o Governo que da próxima vez escolham pessoas adequadas para organizar um grande evento, pessoas de qualidade mas de boa vontade com grande sensibilidade humana, e pessoas que conhecem arte e cultura”, sublinhou.
O responsável da missão de Timor-Leste à Expo Dubai explicou que desde a abertura, em 14 de outubro e até final do ano, o pavilhão timorense registou cerca de 145 mil visitantes, com um total de 13.000 dólares de produtos vendidos, principalmente café.
“Tivemos visitas de centenas de empresários de vários países interessados em oportunidades em Timor-Leste”, afirmou.
“Este nosso investimento é um processo. Temos que ver a participação na exposição como um processo mais longo, que permitiu contactos entre pessoas, entre Governos e entre empresas. Não é apenas uma montra de produtos, mas uma montra do país, com encontros bilaterais”, recordou.
Vong disse que foi assinado ainda um memorando de entendimento para um futuro acordo de serviços aéreos e que Timor-Leste foi convidado a ter um espaço no Dubai para sua promoção depois do fim da Expo.
ASP // LFS
Lusa/Fim.
Like

Comment

0 comments

TIMOR – SEMÁFOROS E BRUXAS

Agora já há semáforos nalgumas dessas ruas. Mas ainda há pessoas a serem agredidas, às vezes com gravidade, sob a acusação de serem “bruxas”.
3 years ago
«quarta-feira, janeiro 17, 2007
Tradição
As autoridades locais decidiram mandar pintar passadeiras em várias ruas do centro de Díli. O problema é que se esqueceram de fazer uma campanha de educação rodoviária na televisão e nos jornais para ensinar às pessoas para que servem as ditas. Se os peões descobrirem antes dos condutores a utilidade das passadeiras vai ser uma tragédia. E parece-me que a hecatombe vai começar pelos peões estrangeiros, que – pelo menos na maioria – já…

See more
No photo description available.
5
Like

Comment
0 comments

«quarta-feira, janeiro 17, 2007
Tradição
As autoridades locais decidiram mandar pintar passadeiras em várias ruas do centro de Díli. O problema é que se esqueceram de fazer uma campanha de educação rodoviária na televisão e nos jornais para ensinar às pessoas para que servem as ditas. Se os peões descobrirem antes dos condutores a utilidade das passadeiras vai ser uma tragédia. E parece-me que a hecatombe vai começar pelos peões estrangeiros, que – pelo menos na maioria – já…

See more

5

Like

Comment
0 comments

Língua portuguesa como marca distintiva: uma escola de identidade timorense na ocupação indonésia – Observatório da Língua Portuguesa

Os timorenses lutaram durante 24 anos (1975-1999) contra a violenta ocupação indonésia e o esforço educativo para os indonesiar. Esta pesquisa, um estudo de caso sobre o Externato de São José (ESJ) para compreender o propósito de manter o ensino em língua portuguesa (LP), quando esta foi proibida e perseguida por atrasar a integração efetiva na […]

Source: Língua portuguesa como marca distintiva: uma escola de identidade timorense na ocupação indonésia – Observatório da Língua Portuguesa

O LIXO EM TIMOR, AREIA BRANCA E CRISTO REI

+13
Areia Branca – Cristo Rei hanesan Fahi Luan😴🤦🏽‍♂️
Woiiii Estado RDTL liu² Ministerio Turismo Timor Leste Imi la Moe ka? Ema estranjeiro dhn ita nia turismo hanesan fahi luan??
You and 2 others
Angry

Comment

ESTRADAS DE TIMOR, MANUTENÇÃO E ETC….

Dúvida existencial de domingo.
Timor-Leste já gastou quantidades significativas em estradas. Mesmo sem entrar no debate sobre a qualidade das obras, é evidente que é sempre necessário manutenção, reparações e limpeza. Quem faz isso? Ou melhor, quem não faz? Porque se deixam situações destas meses e meses sem qualquer intervenção das autoridades? Com o grande risco que muitas destas situações representam para quem viaja. Estas imagens são do caminho para Dare, mas há exemplos disto pelo país fora. Com tanta gente desempregada não valia a pena ter brigadas locais que garantam estas manutenções a sério? Pode ser que as caravanas da campanha eleitoral sirvam de motor para algumas intervenções….
+7
Inacio Moura, Alberto Borges and 198 others
14 comments
26 shares
Like

Comment
Share
14 comments
Most relevant

  • Jan-Patrick Fischer

    It requests a lot of infrastructure and equipment to keep a roadsystem free, especially with the climate situation in Timor.
    To compare:
    German authorities has needed five weeks to make this road free again:
    To protect roads of mud slides takes millions of Dollar/Euro.
    Reparatur nach Erdrutsch: Straße bei Kordel wieder frei
    T-ONLINE.DE
    Reparatur nach Erdrutsch: Straße bei Kordel wieder frei

    Reparatur nach Erdrutsch: Straße bei Kordel wieder frei

    • Like

    • Reply
    • 3 h
  • May be a cartoon of text that says "WDR Lokalzeit Man könnte so die Umleitungsstrecken entlasten. HiLGRING"
    • Like

    • Reply
    • 2 h
  • Helen Mary Hill

    Jerry Desousa what do you think of this debate?
    • Like

    • Reply
    • 2 h
  • Maria Borges

    E necessário um grande trabalho de mudança de mindset. A população precisa se conscientizar que também é responsável pelos cuidados com o país onde vive, mantendo ruas limpas, evitandojogar lixo nas estradas, etc. E esse trabalho deve se iniciar com as…

    See more
    1
    • Like

    • Reply
    • 2 h
    • Edited
  • António Serra

    Já mais de uma vez foi proposta a criação de um corpo de “cantoneiros” que vigiassem as condições das estradas e fizessem pequenas obras de conservação. Resultado? Népia!
    3
    • Like

    • Reply
    • 3 h
    3 replies
  • Manny Napoleon

    E uma incompetencia incrivel por parte deste e governos anteriores. Nao ha nenhuma estrutura de manutênção as estradas ao longo destes anos.
    1
    • Like

    • Reply
    • 4 h
  • Elvis Da Cruz

    Iso e ma governacao ou seija nao tenho conhesemento de gestor dos aitoridades… Os estradas foram feito por dinheiro imprestimo longo Prado de ADB e otros…. Por parte de governo que tenho responsablidade para manutencao mas os governantes nao alocar…

    See more
    • Like

    • Reply
    • 3 h
  • Martin Mesquita Watugari Hardie

    It hasn’t spent enough to finish the road to Aileu. 3 years and no work on the first half… It will soon fall into the valley below
    • Like

    • Reply
    • 4 h
  • John Da Costa

    Don’t get me started Antonio 🙄
    • Like

    • Reply
    • 2 h
  • Nuno Moniz

    DNEPCC-MOP..??
    • Like

    • Reply
    • 4 h

Vicente Soares Faria: “Timor é o único país membro da CPLP que não tem governação local” | Timor-Leste | PÚBLICO

Fez parte da Resistência timorense, lutando pela independência do seu país, e hoje luta pelo seu desenvolvimento. Vicente Soares Faria acaba de se doutorar em Portugal, na Universidade de Aveiro, com uma investigação que aborda a inexistência de pod

Source: Vicente Soares Faria: “Timor é o único país membro da CPLP que não tem governação local” | Timor-Leste | PÚBLICO

Comandante das Forças de Defesa timorense vai demitir-se para ser candidato presidencial

O comandante das Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL), Lere Anan Timur, disse hoje à Lusa que se vai demitir do cargo para se poder candidatar, a tempo, às eleições presidenciais previstas para março.

Source: Comandante das Forças de Defesa timorense vai demitir-se para ser candidato presidencial