carros elétricos,a fraude

QUANDO ESCREVO PARA NÃO COMPRAREM CARROS ELÉCTRiCOS, INSULTAM-ME…
Post do Director da revista Turbo
Ontem fui ao Porto de Porsche Taycan. No regresso decidi testar o novo ponto de carregamento super-rápido da Ionity/Brisa, em Leiria. Em 40 minutos “meti” 49,43kWh ou seja, aquilo que tinha gasto para fazer 190 km à incrível média de 104 km/h. Fiquei fascinado; foi o tempo de um jantar rápido e… seguir viagem.
A mobilidade 100% elétrica começava a fazer sentido para mim. Estava quase, quase -mesmo quase- a render-me. Até qu, já em casa recebi a fatura: 57,24€!!!!!
Assim: 18,13€ de energia e…31,13€ de utilização do posto (mais umas taxinhas).
Eis o milagre que nos querem impingir. Ou acampamos ao lado de um ponto de carregamento baratinho que precisa de várias horas para satisfazer as necessidades de viagem, ou aderimos àquilo que apresentam como o milagre tecnológico e… pagamos mais caro do que se abastecermos de gasolina. Garanto que àquela velocidade, num 911, teria gasto menos de 20 litros para os 190km. Ou seja, 40€. Paguei 57€ pela solução que os nossos governantes (e os de quase todo o Mundo) apresentam como “um fabuloso futuro”.
Recordo: 18€ de “combustível/energia” e 31€ respeitantes ao ponto de carregamento.
Uma pergunta para “um milhão de dólares”: o governo vai limitar a margem de lucro dos fornecedores de energia?
Tretas!
PS – O Hidrogénio é a energia do futuro. As marcas de automóveis já estão a produzir vários modelos, quando confirmaram que se vai de Lisboa a Moscovo e volta com um depósito de hidrogénio.
You and 13 others
5 comments
Like

Comment
Share
5 comments

PONTA DELGADA | Primeira planta biotecnológica do mundo oferecida à Câmara Municipal. – Rádio Ilhéu

A empresa de investigação biotecnológica Algicel ofereceu à Câmara Municipal de Ponta Delgada a primeira planta biotecnológica do mundo. Uma planta criada na unidade piloto situada no

Source: PONTA DELGADA | Primeira planta biotecnológica do mundo oferecida à Câmara Municipal. – Rádio Ilhéu

alexa põe a máquina a lavar por joão bendito

ALEXA! PÕE A LOUÇA A LAVAR!
Estou à beira dos setenta, faltam-me poucos meses para lá chegar.
Quando eu era criança, uma pessoa de setenta anos, era velha. Não seria apenas pelo aspecto físico, mas também pelo modo de vestir ou pelas coisas que (não) fazia. Sim, é verdade, trabalhava-se até ao fim da vida, eram poucos os que se podiam dar ao luxo de dizer que eram reformados. Ser reformado era quase como sinónimo de malandro, de pessoa que vivia à custa dos outros, uma situação reservada para quem tivera a sorte de ter vivido uma vida desafogada. Claro que estou a generalizar, estas regras não se aplicavam a todos e eu não tenho nada contra os que souberam passar por esta existência com uma perna às costas. Pelo menos foram mais espertos do que eu, aqui lhes tiro o meu chapéu.
Portanto, quero com isto dizer que me estou a inquietar para fugir às rilheiras que me estão a conduzir à velhice. Já escrevi sobre isso, ser velho não me assusta (por enquanto…), considerando que é uma situação muito melhor do que a alternativa, isto é, já ter passado para o outro lado da vida. Bem, logo que possa ir seguindo com alguma saúde, boa disposição e frescura de espírito. A presença da família e de um punhado de amigos ao nosso lado é essencial, assim como o é o facto de podermos usufruir dos benefícios das novas tecnologias, principalmente no campo da medicina.
Estes avanços tecnológicos deixam-me, por vezes, espantado. Ontem estava entretido na tarefa de traduzir umas crónicas e arrepiei-me. “Como é possível esta máquina fazer isto com tal velocidade e com esta minúcia?”, perguntei aos meus botões. Não foi a primeira vez que usei este processo, que nunca deixa de me enriçar o juízo. Afinal, é fácil, para quem tem uma pisca de habilidade de como usar um computador: escolhes o texto que queres traduzir, escorregas o rato sobre ele para o pintares de azul e carregas no “copiar”; abres, a seguir, o programa do tradutor Google e empastas o teu texto nele. Não demora dois segundos, aí tens o resultado, a crónica passou de português para inglês num instante. Não é preciso vir aqui dizer que há mais trabalho a fazer, tens que corrigir várias frases ou palavras, estes tradutores não são perfeitos. Então, para quem como eu, que uso muitos termos populares ou regionais, a tradução faz-nos dar umas gaitadas porque tudo é traduzido à letra. Numa frase onde usei um galicismo – “a menina tinha uma toilette muito bonita” – o Google resolveu informar-me que a menina tinha um sifão (toilet) muito bonito. Traduziu por aproximação…
Fiquei a pensar neste e noutros pequenos milagres. Alguns, nem demos pela passagem deles na nossa vida. Eu nunca soube bem o que é um MP3. Mais lá para trás no meu percurso de vida, apareceram outras inovações que, afinal, são sempre sinal de progresso. Sou do tempo em que as caixas de fósforos e os isqueiros de faísca foram substituídos pelos Zippo americanos, os fogões Primus deram lugar aos de gás e os pequenos rádios portáteis faziam a alegria de muitos. Os grandes gravadores de bobines passaram à reforma, já que os mais pequeninos, com cassetes de fita magnética, cabiam numa algibeira e nem precisavam de eletricidade, bastava um par de baterias. Toda a gente podia ter música em casa sem ter que estar com o ouvido encostado ao aparelho de rádio, na prateleira da sala. Com o primeiro ordenado que recebi do meu também primeiro trabalho, comprei, ao meu vizinho Amílcar “Quatro Escudos”, um gira-discos americano. Requeria o uso de um transformador, mas esse
era o problema menor, o pior era sofrer as zangas da minha mãe, que cismava que a música
estava sempre muito alta.
Aqui, no EL Dorado, na terra das modernidades, já não tenho conta das maravilhas tecnológicas que me foram passando em frente dos olhos. Mesmo assim, sem querer ser saudosista, ainda recordo a primeira televisão que comprámos, que nem transmitia a cores e te obrigava a levantar o traseiro do sofá quando querias mudar de canal (eram apenas meia dúzia!) ou abaixar o som; agora, tenho acesso a uns duzentos canais, mas continuo só a ver dois ou três. E o controlo à distância resolve as mudanças todas apenas com uns toques do polegar. Para já não falar sequer que nem precisamos antenas, umas caixinhas pequeninas trazem-nos imagens e sons mesmo até do outro lado do mundo, via satélite.
Talvez dos aparelhos que sofreram – melhor dizendo, beneficiaram – de maiores transformações, foram os telefones. Outro dia mostrei ao meu neto uma fotografia de um daqueles com mostrador rotativo e ele não sabia o que aquilo era. Substituímos esses por uns que tinham um ecrã tipo calculadora e um gravador incluído, para receber e enviar mensagens de voz. Ainda usei, no meu carro, um dos primeiros telefones portáteis, quase do tamanho de uma caixa de sapatos. Pelo caminho do esquecimento ficaram também as “beepers”, hoje quase só usadas nos hospitais. Eu ficava levado do Diabo, quando, ainda sem telefone portátil, tinha que sair da autoestrada para procurar uma estação de serviço onde pudesse usar um telefone e me respondiam que já tinham resolvido o problema.
Que dizer dos telefones atuais? São telefones ou são computadores? Ou são máquinas fotográficas? Ou são televisões? Parece-me até que são utilizadas para estas coisas todas, sendo a de menor uso o telefone em si. Enviamos mensagens de texto e de voz e nem precisamos conversar com a pessoa do outro lado. Há uns 10 ou 12 anos eu resistia à moda e não queria um telefone que tirasse fotografias, preferia cada atividade executada pela sua máquina especifica. Pois… o telefone que tenho agora, e que nem é dos mais sofisticados, tem três lentes e um completo laboratório fotográfico lá dentro, com tanta variedade de operações que eu nem sei trabalhar com a maioria delas.
Outra modernidade que tenho tentado não entrar cá em casa, pelo menos por enquanto, é a Alexa. Pode ser que seja muito útil e eficiente, mas ainda não me convenceu. Acho-a um pouco a tender para a mexeriquice, parece uma das nossas vizinhas da Miragaia, bastava fazer-lhe uma pergunta e ela desbobinava tudo o que sabia e o que inventava sobre o assunto. As minhas netas nem precisam de gira-discos, de gravador de cassete ou de MP3. Basta darem uma ordem e a fiel Alexa põe logo o Shawn Mendes a chamar Señorita à Camila Cabello. Eu já percebi como é que a Alexa trabalha, mas, mesmo assim, ainda me mete impressão como é que a maquineta consegue apagar e acender tanto interruptor de luz ou pôr tanta máquina de lavar louça a trabalhar ao mesmo tempo! O jeito que ela teria dado à minha mãe.
Pronto, queria deixar as modernidades em paz e ir ler um livro, mas estou a lembrar-me que tenho ainda muitas crónicas para traduzir.
Afinal, já sou velho, mas não posso viver sem as tecnologias modernas. E bem bom que assim é.
PS: Depois de ter enviado esta crónica para o jornal, ficou-me a impressão que eu já tinha escrito alguma coisa muito parecida com o que aqui foi dito acima. Mais uma prova que a velhice está a bater à porta e que, como já são muitas as crónicas – só para o “Tribuna Portuguesa” já foram 170 – vou esquecendo os assuntos tratados nalgumas dela, acabando por repetir temas ou passagens. Fui rebuscar nos arquivos e confirmei que, em Abril de 2019 publiquei a crónica “AI TAL TRISTEZA!”, que não rima, mas encosta um pouco com esta. Pelo menos fica a consolação que, se me acusarem de plagio, posso usar a defesa de que me plagiei a mim próprio.
Lincoln, Califórnia, Outubro, 3, 2021
João Bendito
Chrys Chrystello
Like

Comment
Share

via verde ou via de extorsão

+3
A Via Verde… e vale a pena ler para quem a tem, quem não quiser ler o que se passou que vá para o fim.
Vou eu todo contente à Via Verde em Fernão Magalhães relatar que o meu identificador ficou sem bateria (o que é normal ao fim de 7 anos) e que teria de substituir o equipamento.
Eu: Mas não dá para substituir a pilha?
Funcionária: Mas isso não leva pilha.
Eu: Leva sim pois já substitui muitas quando trabalhava numa empresa da especialidade (Onlybattery).
Funcionária: AH! Isso são as antigas, as novas não levam pilha.
Eu: Desculpe, mas levam e o tempo que durou é o período normal de vida de uma pilha de lítio.
Funcionária: Pois, mas não pode mudar a pilha, nem pode abrir o equipamento.
Eu: E então diga o que se pode fazer para resolver o problema?
Funcionária: (Resumindo) Ou compra um dispositivo novo ou aluga, caso contrário fica com o contrato rescindido por avaria do equipamento.
Eu: Mas o equipamento não está avariado, a pilha é que chegou ao fim de vida.
Funcionária: (após trocas de palavras com o tom a subir entre ambos) Mas se não quer comprar ou alugar só posso rescindir o contrato, não tenho outra hipótese.
Eu: Eu assumo a responsabilidade da substituição da pilha e se não funcionar compro um identificador novo. Com quem posso falar para resolver isto da melhor maneira?
Funcionária: Você não pode abrir o equipamento, nem o mesmo tem reparação.
Eu: (Já prestes a armar barulho dentro da loja) Você vai chamar alguém para resolver esta questão e exijo que não rescinda o contracto.
Lá chamou um dos técnicos e o mesmo veio com a mesma conversa a dizer que tinha um componente electrónico que ao fim de algum tempo o equipamento tinha de ser substituído. E que não dava para abrir pois danifica o mesmo.
Para que a minha situação tivesse outra resolução tive de preencher um documento em que me responsabilizo pela substituição da pilha sem prejuízo de contracto.
Resumindo: O equipamento fica sem bateria, vai-se ao local onde se adquiriu para dar assistência de forma apropriada, não só é recusada como também há tentativas de extorsão da empresa para que se compre/alugue, desnecessariamente um identificador NOVO fazendo com que se gaste 7€ por ano em aluguer ou 22€ em caso de aquisição quando por 5€ se fica com o problema resolvido por mais 7 anos.
Ficam as provas fotográficas como é possível abrir e substituir a pilha.
Quem não quiser arriscar recomendo a irem à Onlybattery S.A. para fazer a substituição. Desculpem pelo longo post
Like

Comment
Share
0 comments

Frances Haugen: A informante que levou o Facebook à sua pior crise existencial | Tecnologia | EL PAÍS Brasil

Frances Haugen colocou o gigante da tecnologia diante de sua “falência moral” e levou o Congresso dos EUA a concordar sobre a necessidade de regulamentar as redes sociais

Source: Frances Haugen: A informante que levou o Facebook à sua pior crise existencial | Tecnologia | EL PAÍS Brasil