SAUDE-OU-SATA-OSVALDO-CABRAL

 

 

 

 

SAUDE OU SATA OSVALDO CABRAL Pages From 2021 04 07

 

Ú ?
As contas já foram feitas pela Direcção Geral do Orçamento e replicadas pelo Governo da Madeira: no ano passado o peso das despesas afectas ao combate à pandemia foi maior no arquipélago vizinho (10%), enquanto nos Açores foi de apenas 3,9%, mesmo assim ligeiramente acima da média do país, que se quedou pelos 3,3%, se incluirmos os valores despendidos pela Segurança Social.
Os dados estão incluídos nas contas do Procedimento dos Défices Excessivos, onde se observa que a Madeira gastou 137,5 milhões de euros nas medidas contra o Covid-19, o que é um esforço significativo mesmo em termos de peso sobre o PIB, enquanto os Açores utilizaram mais esforço para a cura da SATA, que já nos absorveu dois empréstimos garantidos, um de 65 milhões de há dois anos, e o de agora, com 132 milhões (tanto quanto a Madeira gastou no combate à pandemia no ano passado).
Ou seja, o contributo da SATA para a dívida regional já vai em 197 milhões de euros, nada comparado com o que gastamos em medidas para mitigar a crise pandémica.
Mesmo na área da Segurança Social, tanto o governo da República como o dos Açores, parecem ter poupado mais na aplicação de medidas de apoio, a julgar pelos valores do peso no PIB.
Se na Madeira a despesa relativa às medidas covid em Segurança Social representa 3,5%, dos 3.981,1 milhões de euros, nos Açores foi de apenas 1,3% (no universo de 4.143,2 milhões de euros), uma décima abaixo dos gastos nacionais.
Na República, a única explicação para um investimento tão baixo no combate à pandemia é a obsessão no Ministério das Finanças em controlar o orçamento para apresentar em Bruxelas o floreado da saída do défice excessivo.
Jorge Sampaio criou a célebre expressão de que há mais vida para lá do défice.
Hoje, os portugueses devem estar a pensar que há mais saúde para lá do défice.
Para a baixa execução nos Açores a explicação poderá ser outra e terá a ver com opções políticas então tomadas: salvar a SATA a todo o custo, mesmo que isto implique a falta de recursos para outras despesas, como é o caso do combate à pandemia.
Trata-se de uma opção respeitável politicamente, mas que custa a engolir por quem está a passar por imensas dificuldades no meio deste turbilhão pandémico.
Urge, por isso, corrigir rapidamente a trajectória.
O actual Governo Regional não pode poupar em medidas de apoio à economia e às famílias, mesmo que isto nos custe um agravamento nas contas públicas, que, aliás, tem sido francamente ascendente na última década.
Ir à procura de outras alternativas, como é o caso do episódio das vacinas, não olhando a meios, é um bom sinal, mesmo que isto custe alguns engulhos à República.
O mais provável é não conseguirmos nada ou muito pouco, mas ao menos tentamos, porque de um governo central que tem menosprezado as Autonomias e com ministros como Augusto Santos Silva, o expoente máximo do centralismo provinciano, o tal que, faz hoje uma década, arrastou-nos com o seu amigo Sócrates para a falência, não se pode esperar nenhuma ajuda ou colaboração na procura de soluções externas.
Não será fácil a tarefa dos governantes regionais daqui para a frente.
Mas rebaixar-nos aos tiques centralistas em troco de dinheiro, nem pensar.
A divisa açoriana “antes morrer livres…” vai aparecer muitas vezes nos próximos tempos.
(

Osvaldo Cabral

– Diário dos Açores de 07/04/2021)

May be an image of Osvaldo José Vieira Cabral and text
Visit the COVID-19 Information Centre for vaccine resources.
Get Vaccine Info

You and 18 others
2 shares
Like

Comment
Share

a frieza dos números de ocupação de camas nos hospitais

May be an image of 1 person and text that says "OBSERVADOR António Ferreira Seguir Médico, Professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Covid-19: de como a frieza dos números atraiçoa a "narrativa" oficial"
O Prof. Dr. António Ferreira, médico especialista e doutorado em Medicina Interna, a exercer no Hospital de S. João, do qual foi Presidente do Conselho de Administração, chama hoje a atenção para alguns factos constantes dos dados oficiais:
– A taxa de ocupação dos hospitais públicos foi, em 2020, em plena pandemia, significativamente menor do que tinha sido em 2019.
– Em pleno pico da pandemia, em janeiro de 2021, a taxa de ocupação dos hospitais públicos foi menor do que nos períodos homólogos de 2019 e 2020.
– Comparando mês a mês, em todos os meses do período pandémico, a taxa de ocupação dos hospitais públicos portugueses foi menor do que em igual período do ano anterior.
——————-
Dito isto, muita coisa pode ser discutida. Para mim, a única coisa indiscutível é a incompetência criminosa da Ministra e das autoridades. Quem tiver olhos para ver, veja; quem tiver cabeça para pensar, pense. Mas reconheço a todos os que me lêem, mais ou menos amigos, o direito de terem uma opinião diversa, de iludirem a realidade e de serem, eles sim, os verdadeiros negacionistas…
You, Fátima Hopffer Rego and 3 others
Like

Comment
Share
0 comments

Sete mortos no Reino Unido após vacinação com AstraZeneca – Jornal Açores 9

Num comunicado enviado à agência France-Presse, a Agência Reguladora de Medicamentos e Cuidados de Saúde do Reino Unido (MHRA) diz que sete pessoas morreram de coágulos sanguíneos, num total de 30 casos identificados até agora. Na sexta-feira, a MHRA anunciara ter identificado 30 casos de coágulos sanguíneos raros entre os 18,1 milhões de pessoas vacinadas […]

Source: Sete mortos no Reino Unido após vacinação com AstraZeneca – Jornal Açores 9

Pessoas vacinadas não disseminam a COVID-19, diz estudo – Pplware

Para já, as pessoas vacinadas parecem não representar um canal de transmissão da COVID-19, além de não terem contraído o vírus.

Source: Pessoas vacinadas não disseminam a COVID-19, diz estudo – Pplware

CHAMEM A POLÍCIA…….desconfinadamente na Lomba da Maia

CHAMEM A POLÍCIA…….desconfinadamente na Lomba da Maia, ISTO É FAR WEST…nem sei para que publicam leis …..a lei aqui não se cumpre

Entre as 00h00 de sexta-feira e as 23h59 de domingo, está proibida a circulação entre concelhos em toda a ilha de São Miguel. O recolher obrigatório aplica-se entre as 15h00 de cada um deste três dias e as 05h00 do dia seguinte.

e continua, deve haver festa e não fui convidado, ontem houve lava-pés na igreja e hoje está a acontecer uma missa com dezenas de pessoas pelas 17 horas……

na república livre e independente da lomba da maia, contrariado me confino, mas em menos de 5 minutos passaram mais de uma dúzia de carros (particulares e não carrinhas de leite) no largo da igreja… e continuam …~são dezenas deles a movimentarem-se, não é uma emergência isolada …isto não é a cidade (PDL) disse-me em tempos um vizinho e acredito que aqui e noutros locais a vida se faça com normalidade

CONVERSAS PANDÉMICAS

é – ,
. É
“Nada está sob controlo até que todos os barcos flutuem”. A doença na Europa está em ascensão, muito devido aos novos casos na Polónia, Hungria e Ucrânia. A América do Sul (especialmente Brasil e Chile) e o Sudeste Asiático (em particular a Índia) também assistem a uma ascensão no número de casos.
. Á Ú
Notícias muito boas, acerca da eficácia da vacina na força de trabalho de saúde dos EUA e de Israel: um sistema de saúde com mais de 23.000 funcionários, com 70% vacinados, teve uma redução dramática de infecções [para consultar aqui https://t.co/xxMtfkDXpb?amp=1]
.
1. É na Europa, não vai acontecer nos EUA
2. A reabertura está a correr bem
3. A reabertura e os feriados: não vai acontecer nada
4. A reabertura está a correr bem: o problema da variante B.1.1.7 (Reino Unido) não acontecerá nos EUA.
. Ê Á ( )
Não restam palavras para descrever a imagem.
. ́ ̃ ?
Uma parte importante dos utentes triados para a área COVID19 do Serviço de Urgência do Hospital Divino Espírito Santo, de Ponta Delgada, nas últimas duas semanas foram diagnosticados como infectados pelo vírus SARS-CoV-2.
Aparentemente, tivemos 447 utentes referenciados (entre 15 de Março e 27 de Março), para um total de 154 de testes positivos para o Sarscov2 (responsável pela COVID19) registados na área de influência do HDES, 34,45% do total (assumindo o viés de ignorarmos que alguns casos apresentam mais do que um teste positivo – mas façamo-lo para este fim, pedagógico).
126 dos casos positivos foram adultos, sendo o grupo etário mais atingido o dos 40 aos 49 anos, com um total de 31 casos (21,5% do total e 26% dos adultos). Com mais de 60 anos há a registar 28 casos, representando 22% dos adultos.
Até aos 18 anos foram diagnosticados 28 casos, sendo que 11 (38%) tinham 15 a 18 anos de idade.
Ou seja, o que podemos dizer é que o vírus, bastante representado pela variante inglesa na ilha de São Miguel, está a assumir o comportamento típico desta variante, com especial infecciosidade entre crianças.
́, , ̧ ́ , – ́, , ́ – – .
Isto é particularmente importante, sobretudo no segundo caso, pois a associação com outras doenças pode levar a maior probabilidade de complicações, afectando a expectativa de um desfecho favorável.
Enquanto a vacinação não estiver disponível de forma universal o Governo dos Açores terá de estabelecer critérios de vacinação, e isso requer decisões relacionadas com a redução da letalidade desta doença.
́ ́ ̃ ̧ ́. ́ . ̧ ́ ́ ́…
. ,
́ ́ ̧. Nesta fase de grande pressão, pelo volume de pessoas referenciadas para a Área Covid da Urgência do HDES ter sido enorme, para a nossa dimensão, e ter exigido um esforço acrescido de meios humanos, técnicos e de organização, o HDES esteve à altura.
Toda a preparação prévia (e intensa) de Fevereiro mostrou a sua utilidade nesta fase.
́ , os 447 casos (sendo que aqui casos significam “atendimentos suspeitos de COVID19”) referidos entre 15 e 27 de Março representam 64% do total de 696 casos registados entre 1 e 27 de Março. , ́ , ́ ̧̃ ̂.
Para se ter uma ideia da tendência de crescimento que se tem vindo a verificar (e que, apesar de todas as medidas implementadas, uma parte da população ainda parece não entender a sua gravidade) os valores de Março representam mais do dobro dos verificados no mês de Novembro, que teve 313 situações de triagem Covid19. Esse valor tinha aumentado para 568 em Dezembro, 650 em Janeiro e baixou para 374 em Fevereiro, para depois voltar a duplicar em Março.
́ ́ , ̃ ̧̃ .
Temos de proteger o Serviço Regional de Saúde para salvarmos vidas. E proteger o Serviço Regional de Saúde significa não fazer parte das cadeias de contágio em que, sem sabermos, podemos estar a contaminar alguém que pode terminar esta doença com uma fatalidade.
Mário Freitas
é () ú ú ú
(Diário dos Açores de 02/04/2021) — with

Mario Freitas

.

+2
Visit the COVID-19 Information Centre for vaccine resources.
Get Vaccine Info

Fátima Silva and 5 others
2 shares
Like

Comment
Share
0 comments

HDES E COVID EM PONTA DELGADA

May be an image of text that says "Casos Referidos para a Área Covid nas Urgências Novembro de 2020 a Março de 2021 250 ADULTO PEDIATRIA 200 TOTAL 150 100 50 Nov14 Nov28 Dez12 Dez26 Jan9 Jan23 Fev6 Fev20 Mar6 Mar20 Nov7 Nov21 Dez5 Dez19 Jan2 Jan16 Jan30 Fev13 Fev27 Mar13 Mar27"
Uma parte importante dos utentes triados para a área COVID19 do Serviço de Urgência do Hospital Divino Espírito Santo, de Ponta Delgada, nas últimas duas semanas foram diagnosticados como infectados pelo vírus SARS-CoV-2.
Aparentemente, tivemos 447 utentes referenciados (entre 15 de Março e 27 de Março), para um total de 154 testes positivos para o Sarscov2 (vírus responsável pela COVID19) na área de influência do HDES, o que representaria cerca de 34,45% do total (ignorando, para este fim, o viés de alguns casos apresentarem mais de um teste positivo).
126 dos casos positivos foram adultos, sendo o grupo etário mais atingido o dos 40 aos 49 anos, com um total de 31 casos (21,5% do total e 26% dos adultos). Com mais de 60 anos há a registar 28 casos, representando 22% dos adultos.
Até aos 18 anos foram diagnosticados 28 casos, sendo que 11 (38%) tinham 15 a 18 anos de idade.
O Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada é um enorme motivo de orgulho para todos os açorianos. Nesta fase de grande pressão, pelo volume de pessoas referenciadas para a Área Covid da Urgência do HDES ter sido enorme, para a nossa dimensão, e ter exigido um esforço acrescido de meios humanos, técnicos e de organização, o HDES esteve à altura.
Toda a preparação prévia (e intensa) de Fevereiro mostrou a sua utilidade nesta fase.
Segundo dados da Unidade de Epidemiologia Clínica do HDES, os 447 casos (sendo que aqui casos significam “atendimentos suspeitos de COVID19”) referidos entre 15 e 27 de Março representam 64% do total de 696 casos registados entre 1 e 27 de Março. Pela primeira, desde o início da Pandemia, o número total de referenciações excedeu a fasquia dos 700 casos referenciados num mês.
Para se ter uma ideia da tendência de crescimento que se tem vindo a verificar (e que, apesar de todas as medidas implementadas, uma parte da população ainda parece não entender a sua gravidade) os valores de Março representam mais do dobro dos verificados no mês de Novembro, que teve 313 situações de triagem Covid19. Esse valor tinha aumentado para 568 em Dezembro, 650 em Janeiro e baixou para 374 em Fevereiro, para depois voltar a duplicar em Março.
O grau de infecciosidade do vírus é tremendo, especialmente se as pessoas não seguirem as medidas de prevenção que as autoridades nos pedem para cumprirmos.
Temos de proteger o Serviço Regional de Saúde para salvarmos vidas. E proteger o Serviço Regional de Saúde significa não fazer parte das cadeias de contágio em que, sem sabermos, podemos estar a contaminar alguém que pode terminar esta doença com uma fatalidade.
You, Fátima Silva and 23 others
1 comment
1 share
Like

Comment
Share
1 comment
All comments

  • Muito bem. Dá gosto ver o trabalho e transparência do HDES. Força, conselho de administração. 🙏🙏Sinto-me muita segura se algo me acontecer.
    1
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 7 h

Medidas para Ponta Delgada a partir de segunda-feira – Açoriano Oriental

O concelho de Ponta Delgada vai estar em Médio Alto Risco a partir de segunda-feira e até sexta-feira, 5 a 9 de abril.

Source: Medidas para Ponta Delgada a partir de segunda-feira – Açoriano Oriental