Canábis está cada vez mais potente e variada, mesmo em alimentos

Especialistas estão preocupados com novas técnicas de extração e crescente número de produtos com canábis, a droga mais consumida em Portugal.

Source: Canábis está cada vez mais potente e variada, mesmo em alimentos

Please follow and like us:
error

QUEREM ACABAR COM O SNS OU AINDA NÃO ENTENDERAM???

Não é uma infantil irresponsabilidade, é uma gritante indiferença!

Image may contain: one or more people and close-up
Teresa Morais

17 hrs

É o colapso na Saúde!
Faltam coisas tão básicas como fios de sutura, luvas e macas. Doentes oncológicos ficam sem tratamento. Urgências de maternidades estão em risco por falta de especialistas em obstetrícia. E a ministra? Sorri, numa infantil irresponsabilidade!

Please follow and like us:
error

dicas para lidar com alzheimer

César Morais shared a post.
5 hrs

Eishhhh! Isto fez-me *repensar* tanta coisa errada que a gente faz com as PESSOAS com quem lidamos…
O que eu *aprendi*!!!!!
Como é verdadeiro o facto de nós, mesmo quando “sabemos” o que é correcto “fazer”…tantas vezes ‘escorregamos’ para comportamentos *COMPLETAMENTE-ERRADOS*…

Please follow and like us:
error

A cegueira ideológica que o SNS não cura

For my Portuguese friends: “O SNS tem 100 unidades com o estatuto de hospitais (excluindo todas as outras centenas de unidades como centros de saúde, unidades de cuidados primários ou continuados, etc.). Desta centena de unidades, quantas PPP temos? Quatro: Hospital de Braga, Hospital de Loures, Hospital de Cascais e Hospital de Vila Franca de Xira. Estamos, então, a falar de 4% do total de hospitais do SNS. É nessas unidades que, segundo alguns partidos da esquerda, radica o grande problema da saúde prestada pelo Estado.

E em termos de despesa? O custo do Estado com estas unidades pelos serviços que eles prestam foi, em 2017, de cerca de 450 milhões de euros por ano. O orçamento global da Saúde no Orçamento do Estado rondou os 8.450 milhões de euros e a dívida dos hospitais públicos está próxima de 750 milhões de euros. Temos, então, um peso de 4,9% das PPP no total do orçamento do SNS em Portugal.

E toda a discussão sobre a Lei de Bases está centrada nestes 4%, num sector manifestamente em crise no país que, dizem, virou a página da austeridade há quase quatro anos e teve dinheiro para, por exemplo, abdicar de 350 milhões por ano de IVA dos restaurantes.

Acresce que nada, nas narrativas do Bloco de Esquerda e do PCP – mas sobretudo do primeiro – é sustentado pelos factos, essa coisa aborrecida que teima em contrariar a ideologia.”

Tenho o maior desprezo por pessoas que teimam em impor a sua ideologia totalitária, ainda por cima bacoca e que a História provou ser criminosa, à revelia dos factos e da realidade. Pessoas assim não formam nem integram um movimento político para benefício dos cidadãos, mas um culto – absurdo na sua cegueira como todos os cultos – para benefício das suas vidinhas à custa de todos os demais cidadãos.

Pensamento crítico e criativo nunca foi tão importante como hoje; por esta razão estes políticos de opressão e miséria tanto se têm esforçado para o destruir em Educação e através da sua influência desproporcionada na comunicação social. Precisamente por estas razões não o podemos permitir, porque também faz parte da nossa responsabilidade desmascarar estes manipuladores.

ECO.SAPO.PT
Os hospitais PPP são só quatro, pesam 5% no orçamento do sector, são os melhores nos cuidados prestados, são os mais baratos para o Estado mas são a causa do estado em que está o SNS. É isso?

Continuar a ler A cegueira ideológica que o SNS não cura

Please follow and like us:
error