veja e ouça HOMENAGEM a autores açorianos NO DIA INTERNACIONAL DA POESIA tertulia

veja e ouça em https://www.facebook.com/lusofonias.aicl/videos/441781313704308

21 MARÇO 2021 10:10 AM

HOMENAGEM AICL NO DIA INTERNACIONAL DA POESIA. POEMA BALI 1975 E 32 POEMAS A AUTORES AÇORIANOS, POR CHRYS CHRYSTELLO VICE-PRESIDENTE PARA A OCEANIA DE POETAS DEL MUNDO

LINK https://www.facebook.com/lusofonias.aicl/videos/441781313704308

 

 

 

 

Lista De Autores Açorianos Homenageados

 

 

 

guarde em https://www.lusofonias.net/mais/poemas-declamados.html

O BEM MAIOR OU O BEM COMUM?

No photo description available.

 

714 O BEM MAIOR COVID-19 21.6.2020

 

Quando deixarem morrer os teus pais

num lar sem água

Deixa lá é por um bem maior

Quando recusarem levar

os teus pais ao hospital

deixa lá é por um bem maior

quando recusarem tratar os teus pais

porque os remédios são caros

deixa lá é por um bem maior

quando derem aos teus pais

morfina que inibe respirar

em vez de entubarem num ventilador

deixa lá é por um bem maior

quando em nome de um vírus

te tirarem toda a liberdade

deixa lá é por um bem maior

quando em nome da saúde

te controlarem o smartphone

deixa lá é por um bem maior

quando em nome de um bem maior

te levarem ao matadouro

 

deixa lá é por um bem maior

 

 

 

Tertúlia 27 GALIZA Concha Rousia, Antia Leiras, Artur Novelhe e HOMENAGEM AICL DIA DA POESIA

  • Sábado, 20 mar 2021 (18h00 AZOST) .

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Convidados e Moderador entram no link https://streamyard.com/wb4gp64ndv

os restantes podem assistir à transmissão EM https://www.facebook.com/lusofonias.aicl/

 

todas as anteriores em https://www.lusofonias.net/acorianidade/tert%C3%BAlias-saudade-dos-col%C3%B3quios-2.html

 

DIA 21 PELAS 10.10 – HORA AZOST – HOMENAGEM AICL NO DIA INTERNACIONAL DA POESIA. POEMA BALI 1975 E 32 POEMAS A AUTORES AÇORIANOS, POR CHRYS CHRYSTELLO VICE-PRESIDENTE PARA A OCEANIA DE POETAS DEL MUNDO

LINK https://streamyard.com/d2uw8j8tqm

 

 

PEDRO DA SILVEIRA “Fui ao Mar Buscar Laranjas

Click to view products

Instituto Açoriano de Cultura
Local business
Send Message
“Fui ao Mar Buscar Laranjas. Poesia Reunida”, de Pedro da Silveira.
Volume que inaugurou, em 2019, a Coleção Poesia editada pelo IAC, e que recolhe a obra completa (com inéditos) do mais ocidental poeta da Europa.
Vamberto Freitas, Ana Monteiro and 39 others

sou. Mulher! Sandra Fernandes

Eu tinha tudo para ser…

Cedo percebi que ter nascido mulher me iria trazer algumas batalhas dolorosas de travar. Mas tinha de as enfrentar de caras, sem fugir ou passar a vez.
Nasci num mundo de homens. Sim. Ainda há quem acredite que o homem é o dono do mundo, quando estes, tantas vezes nem sabem bem o que fazer com a sua vida, quanto mais com a vida dos outros…

À minha volta, na sua maioria, as figuras eram masculinas. Umas a aprenderem a ser macho, outro macho puro, e no meio daqueles exemplos, um, o meu Avô, que apesar de às vezes parecer rústico, carregava uma sabedoria serena difícil de encontrar num homem. Morreu cedo demais… A sua partida deixou-me à beira do precipício…

A menina da casa tinha de seguir os padrões estipulados. Nada de andar de bicicleta, brincar com amigas, estava fora de questão. Continuar os estudos… Nem pensar.

Durante muitos anos ouvi que “o lugar de mulher é em casa”, a “obedecer o marido em tudo” e “a criar os filhos”. Ouvi “que mulher que trabalha fora é puta” e que “mulher que pinta os beiços (lábios) com batom era mulher da vida”… Realmente, eu tinha tudo para ser uma destas mulheres que acabam por ceder a estes ensinamentos… Mas não cedi! Segundo o modelo, sou puta até hoje, continuo a ser uma “mulher da vida”, que já casou duas vezes, que já se divorciou duas vezes e contínua “à procura de sarna para se coçar”…

Durante anos, eu vi como não se deve tratar uma mulher, a mãe dos filhos, a companheira que abriu a porta de casa para abrigar quem tinha sido expulso de casa dos pais e não tinha aprendido com o desamor de mãe… Durante anos, muitas vezes jantei no meu quarto para não aborrecer o monstro que morava em casa.
Durante anos eu deixei de andar de bicicleta, deixei de brincar com as amigas… De um dia para o outro, deixei de ir ao Liceu, pela simples razão de que “mulher é em casa, sentada no canto do estrado a fazer renda…”. Eu deixei a meio o estudo do Auto da Barca do Inferno, para viver o inferno em tempo real, deixei para trás os Lusíadas e fui viver o meu próprio Cabo das Tormentas, passei a ser o escudo defensor da Mulher que mais amo neste mundo…

Eu pensava que a minha realidade poderia mudar, se eu mudasse de lugar. Mas os meus dezasseis anos, não me permitiam ver ainda que, de onde tinha vindo aquele monstro, tinham vindo outros mais… Mais monstros haviam sido criados para fazerem das mulheres, não companheiras de vida, mas escravas, não seres felizes, mas máquinas de cozinhar, lavar e passar, e à noite serem fodidas como se não sentissem, como se não estivessem ali, quer lhes apetecesse ou não, serem tocadas e invadidas…

Eu tinha tudo para ser uma fraca. Sem auto-estima, sem amor-próprio, sem vontade de viver e procurar amor… Cada queda que dei deixou uma ferida. Cada vez que me levantei, criou em mim uma cicatriz… Mas ter sofrido à mão de alguns homens que passaram na minha vida, não me faz odiar todos os homens. Não podia, que “uma árvore não faz a floresta”. A vida deu-me a missão de criar um e ensinar-lhe que o homem não pode tudo por ser homem e que ser homem não faz dele mais, nem menos do que uma mulher. Desde cedo que lhe ensinei que não há tarefas de homem nem de mulher, há sim tarefas que precisam ser feitas e que em nada nos reduzem. Cedo lhe ensinei que o corpo de uma mulher não é terreno baldio. Cedo aprendeu que Sim é Sim e Não é Não.

Eu tinha tudo para ser saco de pancada. Mas não. Vou defender-me sempre que me sentir ameaçada. Não deixo que mais ninguém me empurre escada abaixo… Não permito que mais nenhum homem me levante a mão ou me use, quer a nível emocional ou material, como se a minha vontade, os meus interesses ou os meus desejos não existam.
Há uma altura da nossa vida que não podemos continuar a perder tempo com o que não tivemos. Temos de avançar. E avançar é dar valor ao amor que nos foi dado e acreditar que ainda há muita coisa boa para nós.
Há quem diga que temos de perdoar para avançar. Eu sei que só perdoo quando sinto que foi um erro, mas repetições não podem ser vistas como erros. E não posso perdoar quem nunca muda e quem nunca se arrepende… Apenas deixa de fazer parte da minha vida, deixa de ter tempo e importância. Se isto me deixa mais fria? Não. Apenas mais leve… Que de nada adianta carregar quem não quer seguir, aprender e evoluir…
Eu tinha tudo para ser um ser vazio, sem poesia no interior, mas eu dou importância a quem me estima e a quem me dá amor. Tenho tantos capítulos tristes e magoados para partilhar, mas agora dou privilégio aos que me fortalecem e me levam aos jardins da felicidade…
Cedo percebi que ter nascido mulher me iria trazer algumas batalhas dolorosas de travar. Mas tenho de as enfrentar de caras, sem fugir ou passar a vez.
Por mim e pelas mulheres da minha vida.
Aquelas que nasceram livres e aquelas que conquistaram a sua liberdade, com lágrimas e dor, e ainda assim, sempre têm para dar, um abraço de amor.
Pelas mulheres que não se vitimizam para ter atenção.
Pelas mulheres inteligentes que não usam atributos físicos para atingirem lugares de destaque. Pelas mulheres que até podem ter errado como mulher mas não como mães.
Eu tinha tudo para ser…
E sou.
Mulher!

Sandra Fernandes
8 de março de 2021 ❤