grandes homens

José Rentes de Carvalho – Primeira Pessoa
Hoje, RTP1, a seguir ao Telejornal
Os Holandeses consideram-no seu, mas é português. Escritor e professor de Literatura Portuguesa em Amesterdão.
Nasceu em Vila Nova de Gaia e viveu parte da sua infância em Estevais, Mogadouro. As origens da família são deste Douro Interior, que descreve em detalhe nalgumas das obras. Até aos anos sessenta, revela-nos ter visto e vivido ali o quotidiano Medieval.
José Rentes de Carvalho - Primeira Pessoa - Informação - Entrevista e Debate - RTP
RTP.PT
José Rentes de Carvalho – Primeira Pessoa – Informação – Entrevista e Debate – RTP
Episódio n.6, Primeira Pessoa – Informação – Entrevista e Debate – Os Holandeses consideram-no seu, mas é português. Escritor e professor de Literatura Portuguesa em Amesterdão. Nasceu em Vila Nova de Gaia e viveu parte da sua infância em Estevais,…
37
8 comments
6 shares
Like

Comment
Share

FORNOS NAS FURNAS

From notifications

Estes fornos,pelo menos acho que são, estão na lagoa das Furnas em ruínas sem nenhuma informação.Seriam das antigas explorações de pedra Hume na ilha? Alguém sabe alguma coisa a respeito?Muito obrigada
May be an image of nature
Pedro Paulo Camara and 32 others
17 comments
Like

Comment
Share

17 comments

Top comments

  • Zé Torres

    Eram para fazer carvão, pelo menos foi essa a informação que o Dr. Garcia me deu durante o meu curso.
    Infelizmente, tal como muitos dos mirantes da laranja/ananás , como muitos dos fornos de cal e até mesmo muitas estufas “Vitorianas” , encontram se ao abandono.
    Ao menos não foram destruídos, como o jardim do Barão da Fonte Bela no Livramento. Esse sim, foi uma grande perda para o património da Ilha.
    Pelos relatos que li, da Dra Isabel Albergaria, seria um jardim muito mais bonito que os que nos restaram (sem retirar crédito à beleza deles).
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 4 h
  • Jorge Filipe

    Merecem ser devidamente identificados e valorizados!
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 6 h
  • Eduardo Moniz

    Isto faz parte do património mas como nunca ligaram a isto acabará por desaparecer como os que estão desaparecidos
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 5 h
  • Augusto Rangel

    Creio que era para fazer carvão, não tenho a certeza ou então para coser barro ou outra finalidade que eu desconheço.
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 5 h
  • Jorge Correia

    Tanta filosofia, é um abrigo para as cabras.
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 4 h
  • Soares Silvino

    Muito bonito.
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 5 h
  • Vera Mónica Correia

    São carvoeiros: serviam para queimar madeira de forma lenta a fim de fazer carvão
    13
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 3 h
    • Edited
    • Lucia Pires

      Author
      Vera Mónica Correia obrigada.E onde estariam os de processar pedra hume?.Pelo que li haveria na Ribeira Grande e também nas Furnas.Isso tudo faz parte da nossa historia antiga
      • Like

      • Reply
      • Share
      • 5 h
      • Vera Mónica Correia

        Lucia Pires pelo que sei, senhora, na zona do Pico do Carvão havia a extração de carvão mineral mas depois passaram para o carvão vegetal com este tipo de carvoeiro. Haviam efectivamente fornos na zona das Sete Cidades junto ao aqueduto mas o tempo não…

        See more
        • Like

        • Reply
        • Share
        • 3 h
    • Móniazinha Medeiros

      Vera Mónica Correia muitxo que tu sabes 👀 que mulher informáda é esta 🤪😂 agora a sério já estava a procura do teu comentário aqui… senti que sabias 🤭😂😂
      • Like

      • Reply
      • Share
      • 5 h
    View 2 more replies
  • May be an image of outdoors
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 1 h
  • May be an image of nature
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 1 h
  • May be an image of nature, tree and grass
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 1 h
  • May be an image of nature and tree
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 1 h
  • Jorge Correia

    Maravilhoso❤
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 4 h
Write a comment…

património

Dia 17 de Junho fui em serviço até Vila de Nordeste.
E fui visitar esta estrutura já inventariada por mim alguns anos. O muro de pedra é talvez do tempo do povoamento mas o outro ao lado quantos séculos tem? Trabalho para no futuro alguém fazer A matéria é muito dura como pedra e foi cortada a escopro e martelo
Pode ser uma imagem de natureza
Tomás Quental, Jose Tavares and 13 others
1 comment
Like

Comment
Share
1 comment
Most relevant

AÇORES PATRIMÓNIO EUROPEU

AÇORES DISTINGUIDOS EM BRUXELAS COM A MARCA DO PATRIMÓNIO EUROPEU
O Património Subaquático dos Açores foi distinguido pela Comissão Europeia com a Marca do Património Europeu numa cerimónia realizada esta semana em Bruxelas, um prémio que se destina a “manifestações culturais e sítios de elevado interesse na área do património cultural, que conjuguem a herança histórica, arqueológica e imaterial da identidade europeia”.
A Marca do Património Europeu “já distinguiu 60 sítios da União Europeia” e “Portugal é distinguido agora pela quarta vez”.
Desde a década de 1970, foram detetados, através de sucessivos trabalhos arqueológicos em todo o arquipélago, mais de uma centena de naufrágios, registados na Carta Arqueológica dos Açores, existindo cerca de um milhar de sítios documentados.
O arquipélago dos Açores corresponde “a um dos sítios, ao nível mundial, com maior potencial patrimonial nas suas águas”.
A Marca do Património Europeu é “a distinção de maior relevo, a nível europeu, no âmbito do património cultural, pretendendo aumentar o sentimento de pertença à União Europeia”
Luiz Nilton Corrêa and 3 others
1 comment
2 shares
Like

Comment
Share
1 comment

canhão roubado

Um canhão do reinado de D. João V, do século XVIII, pertencente ao Arsenal Real do Exército, foi roubado junto à pousada de S. Teotónio, no interior da fortaleza de Valença.
Roubado canhão do reinado de D.João V da fortaleza de Valença
DN.PT | BY DIÁRIO DE NOTÍCIAS
Roubado canhão do reinado de D.João V da fortaleza de Valença

açores e o património desbaratado

Vandalismo (?) no Pico da Pedra.
Já não deveria estar tapado o buraco?
May be an image of outdoors and door

Deixa-me revoltada a situação a que esta casa cheia de história chegou!
Casa onde nasceu Dr. Dinis Moreira da Mota, engenheiro responsável pela construção do molhe do porto de Ponta Delgada, na rua do mesmo nome, no Pico da Pedra, onde viveu Aristides Moreira da Mota, seu irmão, arauto da Autonomia dos Açores, António Augusto da Mota Frazão, pai, ilustre professor e reitor do Liceu de Ponta Delgada e cujo nome foi dado à Escola Básica da nossa freguesia; posteriormente pertença da família do Padre António Furtado de Mendonça, célebre orador do princípio do século XX nesta ilha, doada à Igreja por sua família, como pode chegar a este ponto de degradação?!
Como é possível a Igreja não preservar o património que tem ao seu cuidado e que é parte da nossa história e identidade?
Que exemplo de falta de respeito transmite?

You, Leonor Sampaio Silva and 4 others

1 comment
Like

Comment
Share
1 comment

Someone is typing a comment…

o Bolhão renovado

O Bolhão renovado e de cara lavada está prestes a abrir
Está bonito e vistoso, mas vou sentir saudades do velho Bolhão popular das peixeiras e vendedeiras de flores e do corrupio dos frequentadoras (es) diárias do mercado do Porto
May be an image of outdoors
1
Like

Comment
Share
0 comments

altar do sol

Altar do Sol.
Estruturas que que existem nos nos Açores deste gênero com Pia no meio enchida com água quando o Sol nasce no interior fica dourado tal com o Sol. As civilizações muito antigas faziam culto ao deus Sol. Curiosidades: Temos uma no Monte Brasil ilha Terceira.
Nenhuma descrição de foto disponível.
You, Maria Das Neves Baptista and 2 others
Like

Comment
Share
0 comments