Arquivo de etiquetas: Notícias diversas

notícias público global

Leonete Botelho
leonete.botelho@publico.pt
16 de agosto de 2019

A greve que apardalou o país

Olá, globalistas!

E ao quinto-dia, o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), já devidamente isolado numa greve que o primeiro-ministro considerou “estéril”, cedeu. À hora do almoço desta sexta-feira, o sindicato que ficou conhecido pela voz e rosto do polémico advogado Pardal Henriques, anunciou a disponibilidade para a “suspensão temporária da greve” até domingo para permitir negociações mediadas pelo Governo.

Uma greve que “apardalou” o país, mas durante a qual não houve crises histéricas nos postos de combustíveis, nem falta de comida nos supermercados, nem aviões, hospitais ou serviços públicos paralisados. O país continuou a banhos, com muitos “bons pais de família” a armazenarem jerricans de gasolina nos arrumos lá de casa mas sem notícia de qualquer explosão.

Neste Ao Minuto que o PÚBLICO mantém desde o início da greve pode acompanhar o desenvolvimento da crise energética enquanto ela durar, mas também perceber como foi evoluindo e os resultados que teve. À hora em que vos escrevo, as negociações “políticas” que permitiriam (ou não) retomar as negociações laborais ainda estavam a começar. Mas tudo o que se passou na última semana e nas últimas horas fazem prever que a greve está por um fio.

A estratégia seguida pelo Governo, que sempre encarou esta greve como uma batalha política a menos de dois meses das eleições (como acredita o Presidente da República), foi saindo vencedora. Dos “serviços máximos” à requisição civil, da declaração de crise energética aos comboios de camiões-cisterna, muitos conduzidos por polícias e militares, a abastecer os postos onde o combustível não chegou a faltar, das negociações paralelas com outros sindicatos de onde saíram resultados concretos para os trabalhadores, tudo serviu para isolar os grevistas e esvaziar a greve.

Muito se discutiu por estes dias sobre o direito à greve, os direitos de quem não está em greve, os salários dos motoristas e a estratégia do governo. “Como todos os portugueses, espero que a greve acaba depressa. Mas se o pessoal só é verdadeiramente de esquerda com gasóleo no depósito, então Marx precisa de reescrever O Capital”, escreveu João Miguel Tavares. Já Boaventura de Sousa Santos viu nesta greve um sinal de que “o internacionalismo de extrema-direita está a transformar Portugal num alvo estratégico”, a par da “tentativa recente de alguns intelectuais de jogar a cartada do ódio racial para testar as divisões da direita e da esquerda” e a reunião internacional de partidos de extrema-direita em Lisboa, que praticamente não deu notícia.

Economia

Já a nível mundial, os alertas de chegada de uma recessão sucedem-se, quer em dados oficiais, quer em inquéritos de confiança, quer nos indicadores dos mercados. Na Alemanha a economia já se está a contrair, na China a produção industrial acentuou a tendência de abrandamento e nos EUA os mercados financeiros dão sinais que já não se viam desde 2007, quando a crise do subprime deflagrou. Para já, em Portugal, a economia resistiu durante o segundo trimestre, mantendo o mesmo ritmo de crescimento dos três meses anteriores, mas os impactos negativos vindos do exterior podem vir a ser demasiado difíceis de suportar.

Por causa do Brexit, a TAP anunciou que vai suspender a operação no aeroporto de London City. Uma medida prevista para 2020 que será compensada “parcialmente com o aumento da capacidade dos aviões à partida de Lisboa e do Porto para os restantes aeroportos londrinos, nos períodos de maior procura”. Mas este é um dos poucos destinos reduzidos no programa apresentado, que reforça as ligações ao Brasil, a Espanha e aos EUA.

Por cá…

Se é estrangeiro e vai precisar de tratar de assuntos no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), fique a saber que não há agenda para 2020. O SEF deixou de fazer marcações para atendimento aos imigrantes para tratar, por exemplo, de processos de autorização de residência ou renovação ou ainda para reagrupamento familiar. O calendário está cheio para todos os postos de atendimento do continente e ilhas até ao final deste ano e o SEF não sabe ainda quando abrirá o calendário de marcações para o próximo ano. Entretanto, está a decorrer um concurso para a contratação de 116 assistentes técnicos, exclusivamente para o atendimento ao público que, nas contas do serviço, “permitirá duplicar a capacidade de atendimento”.

O Presidente da República promulgou a Lei de Bases da Saúde e justificou a sua decisão com o facto de o diploma “deixar para futuras escolhas políticas e legislativas o que vai depender de circunstâncias hoje imprevisíveis”. Marcelo Rebelo de Sousa considera que o diploma “preenche o critério determinante” para a sua decisão, ou seja, a possibilidade de o Serviço Nacional de Saúde recorrer ao sector privado ou ao social e de estabelecer Parcerias Público-Privadas (PPP). O PS vangloriou-se e a direita continua sem dar sinais de vida.

Espera-se que esta lei tão importante não esteja escrita em “juridiquês”, uma linguagem cifrada que recorre a muitos termos técnicos e rebuscados que dificultam a compreensão da mensagem. Muitas vezes isso acontece com sentenças que assim se tornam incompreensíveis para os seus destinatários e outras vezes com notificações que acabam por ser ignoradas por não serem compreendidas pelos visados. Para tentar acabar com esta realidade, a última alteração ao Código Processo Civil, que entra em vigor a 16 de Setembro, passou a prever o “princípio da utilização de linguagem simples e clara”.

Uma regra que não se vai aplicar a “um dos maiores traficantes de armas do mundo”, que é como a imprensa belga classifica o homem que foi preso esta sexta-feira em Évora, na sequência investigações que envolveram as polícias belga, francesa e portuguesa. Jacques Monsieur, que ficou conhecido por sucessivas condenações por tráfico de armas, foi encontrado na quarta-feira à noite na Herdade do Zambujal e a sua detenção foi possível graças à “paixão do traficante por cavalos”. A sua extradição está iminente.

Mundo

Em Hong Kong, a escalada continua. Pequim não cede e os manifestantes pró-democracia também não. A China está a reunir polícias e militares em Shenzhen, na fronteira com Hong Kong, e teme-se mais que nunca uma intervenção militar na antiga colónia britânica. Vive-se um impasse político que pode resultar num “trágico banho de sangue”, alertou ao PÚBLICO Adam Ni, especialista da China da Universidade Macquarie, na Austrália.

Ainda não sabe o que se passa em Hong-Kong? Há dois meses que há manifestações nas ruas do território que a China administra com a promessa de manter a política “um país, dois sistemas”. Aqui fica uma revisão do que está em causa.

A Noruega suspendeu o apoio financeiro ao Fundo Amazónia, que apoia projectos contra a desflorestação no Brasil, depois de o Governo de Jair Bolsonaro ter bloqueado as operações do programa. O país escandinavo é o maior financiador do fundo (93,8%), ao qual já doou mais de mil milhões ao longo da última década. Tudo porque o Governo brasileiro mudou unilateralmente a estrutura de governação do Fundo Amazónia e acabou com a comissão que selecciona os projectos a apoiar, sem fazer qualquer proposta formal para a composição de um novo órgão colegial de administração. E a desflorestação continua…

Mulher-troféu ou a “melhor primeira-dama da história dos EUA”? Free Melania, a biografia não autorizada que Kate Bennett, a correspondente da CNN na Ala Leste da Casa Branca, irá publicar a 3 de Dezembro nos Estados Unidos, deixa passar a ideia de que a primeira-dama norte-americana é mais do que aquilo que deixa transparecer. O António Rodrigues leu e ouviu que a autora tem dito sobre Melania Trump e deixa aqui um aperitivo surpreendente.

Tendências globais

É mais um indicador de alerta sobre o ambiente do planeta: um estudo publicado na revista Science Advances mostra que os microplásticos são transportados pelo ar e caem depois sob a forma de neve (ou chuva), chegando a regiões tão remotas como o Árctico ou os Alpes Suíços. Graças ao movimento das ondas do mar e às radiações ultravioleta do Sol, o lixo é gradualmente dividido em pedaços cada vez mais pequenos, que se vão espalhando por toda a parte e acabam por chegar até nós. Isto quando já devíamos saber que estamos a ingerir até cinco gramas de plástico por semana: o equivalente a um cartão de crédito, como avisa outro relatório, este do Fundo Mundial para a Natureza.

Enquanto Greta Thunberg atravessa o Atlântico num navio ecológico para participar na Conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas, aqui ao lado, em Tomar, Leyla Acaroglu, nomeada defensora da Terra pelas Nações Unidas, gere a quinta CO Project Farm. CO significa Creative Optimism (Optimismo Criativo) e é ali que ela e a equipa recebem pessoas numa quinta cheia de animais, sustentável, para retiros que servem para mudar a forma como pensamos nos problemas, sejam eles da nossa vida, da casa ou do mundo. Leyla, 37 anos, é uma “sustainability provocateur”. Nesta entrevista, defende que “não devemos combater o sistema vigente, devemos desenhar um novo que torne o actual obsoleto”. E diz que todos nós temos esse poder, porque cada euro gasto tem impacto na economia e, se redireccionarmos as nossas despesas para escolhas mais éticas e sustentáveis, estaremos a imprimir uma mudança no sistema.

Outra mulher extraordinária anda há cinco anos a combater abusos online e agora escreveu um livro. A advogada Carrie Goldberg fundou uma sociedade para defender vítimas de abusos na Internet depois de ela própria ter sido assediada por um ex-companheiro. As histórias são narradas no livro Nobody’s Victim, publicado esta semana. Os gigantes da tecnologia, diz ao PÚBLICO, têm grande parte da culpa.

A fechar

E você, quer desligar-se por uns dias? Então prepare-se para um carrocel de emoções. Primeiro vêm a ansiedade, a frustração e os sintomas de privação. Depois, começam a instalar-se a aceitação, satisfação e até libertação. É assim a reacção dos viajantes quando vão de férias deixando para trás a tecnologia – que é como quem diz, telemóveis, computadores, tablets e tudo a que eles dão acesso, internet, redes sociais e outras ferramentas de navegação. Resultados do estudo “Turning it off: Emotions in Digital-Free Travel”, publicado no Journal of Travel Research, que examinou a jornada emocional dos viajantes em modo de “desintoxicação digital”.

Antes de desligar, passe pelo PGLOBAL e fique a par destas e outras notícias que selecionamos para si.

Bom fim de semana!

Gerir newsletters
© 2019 PÚBLICO Comunicação Social SA

Política de Privacidade

Público recomenda Marketing Automation by E-goi. Experimente já!
Remover
Enviado para aicl@lusofonias.net
Apartado 1606 EC Devesas 4401-901 V. N. Gaia Porto Portugal
Please follow and like us:
error

Alerta vermelho, em Portugal e no mundo (notícias da semana

9 de agosto de 2019

Alerta vermelho, em Portugal e no mundo

f t in
Olá, globalistas!

Este podia ser mais um fim-de-semana de Agosto típico em Portugal, com as estradas cheias de carros de norte a sul, sobretudo a sul, para onde boa parte do país migra por uns dias em busca de sol e descanso. Na zona centro, onde me encontro, um bom passatempo é descobrir de onde é a matrícula de cada veículo estrangeiro. Mas esta manhã, o passatempo foi outro, para mim e milhares de pessoas: ficar numa longa fila para abastecer o automóvel. O panorama é o mesmo em todo o país desde quarta-feira à noite. Na quinta-feira as televisões repetiram todo o dia imagens de pequenos conflitos nos postos de combustível, alimentando a percepção de que, em poucas horas, o país pode ficar seco, como ficou nas férias da Páscoa.

Mas desta vez, o Governo não foi apanhado de surpresa pela paralisação do país e preparou-se ao longo de semanas para a greve que pode ser a maior nódoa no Verão pré-eleitoral. E foi até ao mais pequeno detalhe para ter nas mãos todos os instrumentos legais para esvaziar a greve dos sindicatos independentes de motoristas de matérias perigosas e de mercadorias marcada a partir da próxima segunda-feira. Na quarta-feira decretou serviços mínimos “robustos”, que começam nos 50% e vão até aos 100%, e preparadas alternativas para transporte de mercadorias, caso os serviços não sejam cumpridos.

Nesta sexta-feira, já tranquilizado pelo parecer da Procuradoria-Geral da República, o Governo aprovou a declaração de crise energética a partir das 23h59. E ganhou argumentos para um novo instrumento, do qual não abdica se houver “factos” que o comprovem e se verifique uma “situação extrema”: a requisição civil preventiva.

O plano de acção do Governo está a ser criticado tanto pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), como pelo Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias (SIMM), os dois sindicatos que iniciam na segunda-feira uma greve por tempo indeterminado. Ambos já fizeram saber que avançarão com a impugnação dos serviços mínimos, que consideram tratar-se de “serviços máximos”.

Nesta entrevista ao PÚBLICO, o advogado e vice-presidente do SNMMP, Pardal Henriques, fala sobre a greve e sobre as notícias sobre o seu futuro político e o seu passado de empresário. Enquanto sindicalista, afirma que “há um atentado claro a um direito dos trabalhadores consagrado constitucionalmente”, e fala da providência cautelar entregue no Tribunal Administrativo e Fiscal de Lisboa. Diz que “o Governo veio criar uma revolta muito maior” contra o Governo e reafirma que a greve se mantém por tempo indeterminado.

À parte a luta político-sindical, a aplicação para smartphones Waze e o VOST Portugal (Grupo de Voluntários Digitais em Situações de Emergência) lançaram um mapa que permite identificar os postos da rede de emergência (REPA) e a sua disponibilidade de combustível. O mapa indica também os outros postos existentes em todo o território continental e a sua disponibilidade de combustível. Confira aqui.

Mundo

Nos EUA, as situações de crise são menos previsíveis e bem mais devastadoras. Na última semana houve quatro tiroteios, 34 vítimas mortais e dois atiradores abatidos. Só este ano houve 32 tiroteios em massa. Uma “caótica, mas muito familiar cena de carnificina”: era assim que o Washington Post descrevia o ambiente no supermercado da cadeia Walmart de El Paso, estado do Texas, depois do massacre que fez 20 mortos no sábado, e está a ser investigada como um possível crime de ódio. Horas depois, um homem abriu fogo no centro da cidade em Dayton, estado de Ohio. Pelo menos nove pessoas foram mortas no tiroteio. O atirador foi abatido pela polícia.

Várias figuras do universo do Partido Democrata admitiram que ataques como da cidade texana de El Paso, perto da fronteira com o México, alimentam-se da retórica xenófoba e anti-imigração promovida por quem manda na Casa Branca.

Entretanto, da Casa Branca seguiu a ordem para a maior operação de sempre da agência de imigração norte-americana (ICE, na sigla em inglês) num só estado, neste caso o Mississipi. Centenas de crianças foram retiradas de infantários e escolas e levadas para abrigos temporários. Em vídeos partilhados nas redes sociais, vêem-se crianças a chorar, sem saber onde estão os pais, depois de uma operação ordenada pelo Presidente Trump para deter e deportar imigrantes sem documentos.

O ataque de El Paso está a ser investigado como crime de ódio pois o seu autor terá publicado no site 8chan, cujos utilizadores se apresentam como defensores de uma liberdade de expressão sem restrições, um manifesto contra o que diz ser uma “invasão mexicana”. O 8chan funcionava como uma gigantesca casa cheia de salas onde a criatividade e o sentido de humor convivem com anúncios de matanças, discurso de ódio e fotografias de bebés, crianças e adolescentes em poses sexualizadas. O seu criador já veio reconhecer que “não está a fazer bem ao mundo”. Na segunda-feira, ao fim de muitas queixas e ameaças, o 8chan apagou-se da Internet por decisão dos seus responsáveis.

Se nos EUA as garras são mostradas aos estrangeiros, na China mostram-se os dentes aos povos locais. Esta semana, Hong Kong voltou a mergulhar no caos, com uma greve geral a seguir-se a mais uma onda de protestos violentos no fim-de-semana. O cancelamento de mais de 200 voos levou a uma paralisação sem precedentes na megacidade. A chefe do executivo de Hong Kong, Carrie Lam (apoiada por Pequim), avisou que os protestos são um desafio à soberania chinesa e deixam o território à beira de uma “situação extremamente perigosa”. A China já avisou que as punições vão chegar, é uma questão de tempo. “Quem brinca com o fogo sairá queimado”, disse o porta-voz do governo de Xi Jinping.

Entretanto, no hemisfério Sul…

Um dos focos de pressão migratória que mais preocupa os europeus são os africanos, mas sabia que a quantidade de africanos ilegais que entram na Europa é menos de metade dos que atravessam a fronteira do México para os Estados Unidos? É o que afirma Carlos Lopes nesta entrevista a António Rodrigues, onde defende uma transformação estrutural de África, com uma aposta na industrialização verde e uma maior integração. “A África fragmentada não tem futuro e este processo de transformação estrutural precisa da integração africana”, preconiza o antigo assessor político de Kofi Annan, que encerrou em 2016 uma longa carreira na ONU.

O físico brasileiro Ricardo Galvão protagonizou nas últimas semanas um duro embate com o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que culminou na sua saída da direcção do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), com o qual colaborou durante várias décadas. Ao ouvir Bolsonaro classificar os dados sobre a desflorestação da Amazónia recolhidos pelo INPE como “mentirosos”, o então director do instituto comparou os comentários do chefe de Estado a uma conversa de “botequim” e acusou-o de fazer “uma piada de um garoto de 14 anos”. Ouça o que ele tem a dizer agora que já foi despedido.

Informação versus populismo

Um estudo feito em Itália veio comprovar como os efeitos entorpecedores do telelixo deram poder a uma vaga de líderes populistas. O estudo, revelado neste artigo exclusivo Público/Washington Post, mostra como as crianças que cresceram em cidades com acesso à Mediaset de Berlusconi e aquelas que tiveram uma infância com tantas novelas ou entretenimento light em detrimento de programas de informação se tornariam eleitores mais permeáveis aos populismos.

Economia global

Depois de alguma expectativa em relação a qual seria a resposta de Pequim ao novo aumento de taxas alfandegárias anunciado por Trump, as autoridades chinesas mostraram esta semana que não pretendem simplesmente dar a outra face, tendo decidido usar a arma mais poderosa que têm à sua disposição: a depreciação da sua divisa. A juntar-se à guerra comercial, o mundo assiste agora a uma guerra cambial e os mercados financeiros estão assustados. Uma depreciação do iuan face ao dólar significa imediatamente que as exportações chinesas para os EUA se tornam mais competitivas, compensando pelo menos parcialmente o impacto negativo das taxas alfandegárias impostas por Washington.

Enquanto isso, prossegue outra frente de batalha: a liderança do FMI. A Europa já escolheu a sua candidata, Kristalina Georgieva, falta o resto do mundo. Países como a China, Índia ou Brasil querem ter um maior peso nos votos (aceitando contribuir mais para o orçamento do FMI) e vêem nas sucessivas lideranças da Europa um sinal de que as grandes potências não estão verdadeiramente interessadas em reformar o Fundo.

Alerta global sobre o abuso dos solos

Se a superfície da Terra fosse uma pele, estaria seca, enrugada, coberta de cicatrizes, queimaduras e feridas abertas. Sem recurso a qualquer metáfora, sobra a realidade nua e crua: a actividade humana degradou os solos, expandiu os desertos, derrubou florestas, eliminou vida selvagem, entre outros danos. É o que se lê no Relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas especificamente sobre o uso do solo, divulgado esta semana na Suíça e aqui interpretado por Andrea Cunha Freitas. Os especialistas apresentam um diagnóstico de uma Terra debaixo de uma dupla pressão do homem e das alterações climáticas, previsões e soluções. Região a região, ninguém parece estar a salvo de uma desgraça. Quase parece que alguém está a rogar pragas a todas as regiões do mundo. O que fazer com estes dados? Mudar – não há alternativa e não há tempo a perder.

Boas notícias na ciência em português

Se os solos estão exauridos, os mares estão sufocados. Mas nem tudo são más notícias. Aqui ficam duas boas notícias para o planeta e para a vida humana. Fionn Ferreira, um lusodescendente de 18 anos, foi premiado na Google Science Fair 2019, um evento global que envolve alunos dos 13 aos 18 anos, pela criação de um método para travar a poluição dos oceanos. O estudante acredita que a tecnologia que inventou pode remover, pelo menos, 87% dos microplásticos das amostras de água. Esta metodologia é uma nova oportunidade para rastrear microplásticos, antes que os mesmos sejam confundidos com alimento pelos peixes e outros seres marinhos.

A outra boa nova fala do desenvolvimento de uma vacina que acorda sistema imunitário para destruir células cancerígenas. Os primeiros resultados de equipa de cientistas a trabalhar em Portugal e Israel foram conseguidos no tratamento do melanoma em experiências com ratinhos. Mas os cientistas estão já a avaliar a eficácia desta abordagem em cancros como o da mama e do cólon.

A torre do tombo de Salazar

Há 51 anos, na manhã de 3 de Agosto, Maria de Jesus acorreu célere ao segundo andar da torre onde se encontravam os aposentos do velho ditador – cumprira 79 anos a 28 de Abril – depois de ouvir o que lhe soou como uma porta a bater. Quando às 20 horas de 5 de Setembro de 1968 o Cadillac preto da Presidência do Conselho de Ministros saiu do Forte de Santo António da Barra, no Estoril, iniciava-se o fim do Estado Novo. No interior do potente automóvel blindado iam Silva Pais, director da PIDE, António de Oliveira Salazar, o seu médico pessoal, o cardiologista Eduardo Coelho, e o neurocirurgião Vasconcelos Marques. O Nuno Ribeiro visitou aquela que ficou conhecida como a torre do tombo de Salazar e recorda a história e as histórias daquela famosa queda da cadeira.

A visitar…

Sintra está na lista dos “castelos mais bonitos do mundo” da CNN. “O vívido padrão de cores vermelho-e-amarelo do castelo – e sua vistosa torre do relógio – dotam a Pena e um tom muito mais divertido do que os castelos sombrios encontrados em outros lugares da Europa”, considera a CNN Travel.

Se está por Portugal e ainda tiver combustível, passe por lá. E passe também pelo PGLOBAL, onde estas e outras notícias esperam por si para o informar mais e melhor, mesmo sem sair de casa.

Bom fim de semana!

Please follow and like us:
error

público 26 de julho de 2019 Quente, frio, morno

Leonete Botelho
leonete.botelho@publico.pt
26 de julho de 2019

Quente, frio, morno

Olá, globalistas!

Como está o tempo por aí? Aqui em Lisboa o Verão está morno, mais fresco que no resto da Europa, o que não deixa de ser estranho, ainda para mais estando o país a dois meses das eleições legislativas.

Madrid é quente por natureza nesta altura do ano, mas esta semana as temperaturas bateram recordes nas Cortes. Espanha continua sem governo, quase três meses depois das eleições, depois do líder do PSOE, Pedro Sanches, ter falhado a investidura por falta de acordo com o Unidas Podemos. Agora, restam duas alternativas: um acordo em Setembro ou eleições antecipadas a 10 de Novembro (as quartas em menos de quatro anos).

Em Londres, as temperaturas ultrapassaram os 36 graus na quinta-feira, dia em que o novo primeiro-ministro Boris Johnson se estreou na Câmara dos Comuns com a mesma bandeira do seu primeiro discurso no cargo, na véspera: contrariar o “pessimismo, o derrotismo e a negatividade” dos críticos e dos cépticos é a chave para cumprir a promessa de retirar o país da União Europeia até ao dia 31 de Outubro. Quem é, afinal, este jornalista ambicioso que se agarrou ao Brexit para chegar ao topo? “É um homem que espera para ver para que lado a multidão está a correr antes de ‘sprintar’ para a dianteira e gritar: ‘sigam-me!’”, como o descreveu o antigo vice-primeiro-ministro britânico conservador, Michael Heseltine?

Nesta análise, a Teresa de Sousa escreve que agitar o fantasma de Churchill para prometer aos britânicos que tudo está ao alcance da velha nação imperial que foi capaz de fazer frente ao Blitz (bombardeamentos estratégicos alemães sobre o Reino Unido na II Guerra Mundial) até pode funcionar num primeiro momento, mas “a realidade acabará por impor-se”.

Por cá, a caminho das legislativas…

Em Lisboa, as temperaturas mantêm-se amenas, literal e politicamente, mas com alguns focos de incêndio difíceis de apagar. Depois dos grandes fogos florestais que voltaram à Beira Interior, o presidente da Câmara de Mação e o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, envolveram-se numa troca de acusações e esta sexta-feira o mesmo ministro ficou debaixo de fogo por causa de um kit distribuído às populações que contém golas anti-fumo que não protegem, nem do fogo, nem do fumo. Uma notícia “alarmista”, para não dizer incendiária, diz Eduardo Cabrita.

Dos incêndios que alarmaram a região centro esta semana já se sabe que há provas de mão criminosa. A Ana Henriques foi saber junto da Polícia Judiciária quais as motivações mais comuns dos incendiários e concluiu que são mais as perturbações mentais do que os interesses económicos.

Outro assunto escaldante ameaça as férias de milhões de portugueses e visitantes durante o mês de Agosto. Já deve saber que o sindicato dos motoristas de transporte de matérias perigosas tem uma greve anunciada com início a 12 de Agosto e sem data para terminar. O Governo já alertou para a necessidade de as pessoas abastecerem as viaturas e as dispensas (sim, a distribuição de alimentos pode ser posta em causa). Se vai estar por cá, consulte aqui a lista dos postos de abastecimento da rede estratégica de emergências onde vai poder (tentar) abastecer o carro durante a greve.

Na política, é o PSD que está a arder por causa das listas de candidatos para a Assembleia da República. Um pouco por todo o país, há distritais em rota de colisão com a direcção de Rui Rio. O líder social-democrata tem a prerrogativa de escolher os cabeças de lista do continente, mas o afastamento de nomes de peso, como Maria Luís Albuquerque (a antiga ministra das Finanças) ou Miguel Pinto Luz, além de muitos líderes distritais, está a agitar as bases.

O PÚBLICO tirou o retrato ao estado dos partidos na linha de partida para as legislativas e encontrou os eufóricos, os deprimidos e os nervosos. As sondagens que vão sendo conhecidas alimentam esses estados de espírito. Em particular esta, da Pitagórica para o JN e TSF, que mostra o PS à beira da maioria absoluta e o PSD em queda livre.

Muita coisa mudou nesta legislatura, no país e nas comunidades portuguesas. José Luís Carneiro, secretário de Estado das Comunidades, quis prestar contas do seu mandato e publicou o livro Valorizar os Portugueses no Mundo. Há capítulos pormenorizados sobre três grandes momentos internacionais que a secretaria de Estado teve coordenar o apoio às comunidades portuguesas e lusodescendentes: Venezuela, “Brexit” e Ciclone Idai, em Moçambique.

Brasil: Índios e cowboys

Do Brasil, onde o Inverno tem sido gélido, continuam a chegar notícias inquietantes. Esta semana, depois de ter acusado o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), um órgão público brasileiro, de mentir sobre a escala de desflorestação na floresta amazónica – que mostrou, com imagens de satélite, que mais de 1000 quilómetros quadrados da floresta amazónica foram devastados só na primeira quinzena do mês de Julho -, o Presidente Jair Bolsonaro nomeou o polícia Marcelo Augusto Xavier da Silva para dirigir a Fundação Nacional do Índio (Funai), um importante organismo governamental que entre várias competências tem o poder de identificar e delimitar terras indígenas, alvo de protecção especial. A escolha do polícia federal é do agrado do lobby dos empresários agrícolas, para quem o trabalho da Funai era há muito tempo um incómodo.

Coincidência ou não, foi entretanto revelado um vídeo raro de uma tribo isolada da Amazónia, considerada a mais ameaçada do mundo, por estar sob crescente pressão de explorações madeireiras ilegais. As imagens inéditas partilhadas pela organização indígena brasileira Mídia Índia mostram elementos da tribo awá, que habita o Noroeste do estado do Maranhão.

Das políticas de segurança pública no Brasil falou ao PÚBLICO a deputada estadual pelo Rio de Janeiro Renata Souza: “Quem banaliza a violência é quem está fora da favela”, disse nesta entrevista, em que critica a “lógica de guerra” urbana e explica porque é que apresentou uma denúncia na ONU contra a o governador Wilson Witzel.

A escalada

São pequenos passos para o homem, mas podem tornar-se escaladas para a humanidade. Todos os casos da chegada ao poder dos actuais populistas autoritários se pareceram com processos do passado, explica neste artigo a historiadora Irene Flunser Pimentel: “Primeiro, ganham eleições por via democrática; tentam obter influência nos meios de comunicação social; banalizam o racismo e a xenofobia, o sexismo e a homofobia; polarizam a sociedade, erigindo bodes expiatórios; elegem um crime a combater – a corrupção, que possibilita atingir as elites e os políticos – e, finalmente, capturam a Justiça”. Alerta vermelho, senhoras e senhores!

A verdade é que ideias acerca de raças e das suas alegadas diferenças têm sido usadas ao longo da história para justificar desumanidades. Essas ideias estão obviamente erradas. Não existem raças humanas e as presumidas diferenças entre elas — relacionadas com a inteligência ou outras capacidades cognitivas, por exemplo — não têm qualquer fundamento. Mas existem pequenas diferenças entre populações e é preciso saber lidar com elas sem abrir a porta a velhas ideias racistas, explica o bioquímico David Marçal neste artigo da série A ciência de…

E se alguém a impedir de embarcar num avião por usar um body, será sexismo? Foi o que aconteceu a uma mulher espanhola de 24 anos, proibida de embarcar num voo da Vueling entre Palma de Maiorca e Barcelona por usar “roupas impróprias”. O caso de Laura é caricato, mas não é inédito: episódios destes repetem-se em diferentes companhias aéreas e algumas já tiveram que pedir desculpa por excesso de zelo. Afinal, existe um dress code para uma mulher viajar?

Ciência portuguesa

O que parece certo é que as mulheres têm de provar três vezes mais o valor delas do que os homens para chegarem à posição que merecem. Quem o diz é Daniela Braga, empresária do Porto, que fundou uma das startups de inteligência artificial que povoam Seattle, nesta entrevista onde afirma também que “A Europa está a ficar para trás na competição tecnológica”.

Apesar disso, Portugal vai fazendo o seu caminho tecnológico com algum sucesso e tem conseguido colocar-se no mapa-mundi da investigação e até foi convidado para assumir a co-presidência da Agência Espacial Europeia (ESA) nos próximos três anos, possivelmente em colaboração com França e o Reino Unido. Na Bobadela (Sacavém, Lisboa), foi inaugurado esta semana o Tubo de Choque Europeu para a Investigação de Alta Entalpia (ESTHER, na sigla em inglês), dedicado ao apoio de missões espaciais da Agência Espacial Europeia (ESA). E o que é isto? Serve para simular a entrada de um veículo espacial na atmosfera de um planeta gasoso sem que se transforme numa bola de fogo.

Tendências globais

Adeus bares e convívios de amigos, olá aplicações de encontros. Talvez já se tenha apercebido que a tecnologia e a internet são cada vez mais usadas também na vida amorosa. O crescimento desta tendência foi agora demonstrado num estudo conduzido por investigadores da Universidade de Standford (How Couples Meet and Stay Together study), nos Estados Unidos, onde se conclui que 39% dos casais heterossexuais se conheceram através de sites ou aplicações ligadas à Internet.

“Um dos paradoxos do mundo actual é que as pessoas estão muito mais próximas umas das outras e estão constantemente em contacto, ao mesmo tempo essa proximidade cria tensões, rejeições, irritações. São estes dois movimentos contraditórios que estão em prática. O conflito entre estas duas forças é uma das consequências importantes da nossa época”. As palavras são do escritor libano-francês Amin Maalouf nesta grande entrevista ao PÚBLICO sobre a crise do humanismo, a propósito do Prémio Gulbenkian que recebeu na semana passada. Apesar de tudo, Maalouf tem esperança: “A história começará quando os homens sentirem que pertencem à mesma nação humana, e tiverem ambições à dimensão dessa nação humana. E que a primeira pátria para todos seja a Terra”.

Não se esqueça, estas e outras notícias estão sempre disponíveis no site PGLOBAL. Vá passando por lá!

Bom fim de semana!

Gerir newsletters
© 2019 PÚBLICO Comunicação Social SA

Política de Privacidade

Público recomenda Marketing Automation by E-goi. Experimente já!
Remover
Enviado para aicl@lusofonias.net
Apartado 1606 EC Devesas 4401-901 V. N. Gaia Porto Portugal
Please follow and like us:
error

conexões lusófonas

View this email in your browser
Olá a todos! Depois de um tempo em reconstrução, estamos de volta 🙂
Voltaremos a enviar uma vez por semana a seleção das notícias de destaque sobre os países de língua portuguesa. Compartilhe com seus amigos e siga-nos nas redes sociais!

Em 17 anos, Brasil perdeu três Portugais em florestas

Em Portugal, fazem-se gelados de ouro que combatem o envelhecimento

Zumbi dos Palmares, um líder da história negra brasileira

Será que os genes influenciam o nosso sucesso escolar?

Doação anónima origina bolsa Marielle Franco em faculdade norte-americana
Copyright © |2018| Conexão Lusófona, Todos os direitos reservados
Lista de e-mails da Conexão Lusófona

Quer falar conosco?
redacao@conexaolusofona.org

Se recebeu esta mensagem pela primeira vez, pode se cadastrar para receber regularmente. Se não quiser receber mais mensagens como esta, descadastre-se.

 

This email was sent to drchryschrystello@hotmail.com
why did I get this? unsubscribe from this list update subscription preferences
ONG · . · Porto 4000-008 · Portugal
Please follow and like us:
error

alternative news A SHEEP NO MORE

A Sheep No More


Chemtrails: Rain Water Analysis Reveals Six New Metallic Elements Impacting Our Health

Posted: 17 Jun 2018 03:25 AM PDT

Is It Fickle Mother Nature Or Determined Weather Geoengineering: Nor’easter No. 4 And Rainwater Analysis

By Catherine J. Frompovich

All these “weather” events began during Christmas week 2017 when we had a snowstorm blow through that probably had some interesting ‘ingredients’ and the proof of what I say is the fact the most beautiful green Boxwood shrub, which has lived for many years in a large garden pot at the back wall of my patio under a very wide overhang from above [my bedroom] protecting it from all weather, was devastated when ‘snow’ had blown onto it, covering it completely.

When the ‘snow’ melted, there was white stuff over every leaf, like someone had dusted the leaves with confectioners’ sugar! Guess what happened then? All the leaves died; they turned brown and dried up!

That Boxwood had been living in the same place year after year, but snow never fell upon it. What was in the snow that drenched and killed that Boxwood during Christmas week 2017?

I saved some leaves if any scientist would like to assay them; just let me know.

Before the fourth event

A most interesting aspect of the Nor’easter’s approach occurred the day before and during a short snowfall. First, there were small snow ‘pellets’, which reminded one of round, white candies on top of chocolates. Then there were flakes that sort of resembled snow, but what followed was totally unbelievable.

I could not believe what I was seeing, but the same ‘weather’ was confirmed by the person on the other end of my telephone conversation about five miles away. We both were amazed to see the size and configuration of the ‘snowflakes’, which looked like someone had torn pieces of white Kleenex and dropped them from the sky. The ‘snowflake forms’ were jagged—like torn, large, extremely white pieces of Kleenex and wafted down almost like a piece of paper would. Then the snow stopped until it began falling during the night.

An experiment in snowflake size?

What were weather geoengineers trying out with those ‘snowflakes’? Were they having a “field day” using special microwaves and chemtrails ‘ingredients’ to test out new snowflake configurations and sizes? I don’t think I will ever know, but for someone who’s seen snow for almost 80 years, I never saw anything like what preceded the official Nor’easter.

Testing rain water and the results

I must admit I’ve been watching the skies and weather more closely than most folks, and even have taken to doing some experiments using scientific laboratory testing. However, prior to the several snow melt experiments I participated in conjunction with a geophysicist, I collected rain water in November of 2017 and paid to have it analyzed by a certified laboratory. The results have led me to think more closely about what was found in one part of the test, since I think the elements could be implicated in various health issues, which physicians may not be factoring into acute and/or chronic illnesses.

Results

Six elements showed up in that rain water test, which I researched further to see what adverse health effects, if any, they could precipitate:

1 – Scandium is a silvery-white, metallic d-block element; a rare earth element found in rain water?!

Even though Scandium has no biological role and ‘supposedly’ is non-toxic, there are suggestions some of its compounds might be carcinogenic. When inhaled, it can cause lung embolisms, especially during long-term exposures. Scandium can be a threat to the liver when it accumulates in the human body. Scandium can become a threat to the environment, gradually accumulating in soil and water soils. It can have negative influences on reproduction and functions of the nervous systems of water animals.

Ref: https://www.lenntech.com/periodic/elements/sc.htm#xzz52UKLPDaxM

2 – Germanium is a lustrous, grayish-white metalloid in the carbon group.

Germanium hydride and Germanium tetrahydride are extremely flammable and explosive when mixed with air. Adverse health effects include irritation to the eyes, skin and respiratory tract, and may cause lesions on blood cells. Germanium is considered a heavy metal and has some negative impacts on aquatic ecosystems. How does it get into rain water?

Ref: https://www.lenntech.com/periodic/elements/ge.htm#ixzz52UMJZqwO

3 – Indium is a soft, ductile, silvery-white metal liquid over a wide range of temperatures. It has no biological role and should be regarded as highly toxic. Indium compounds can damage the heart, kidney and liver, and may be teratogenic [cause birth defects]. Caution is expressed about Indium because there is insufficient data about its effects on human health. Indium is not widely dispersed in the environment, so how does it land/appear in rain water? Furthermore, environmental effects have not been investigated.

Ref: https://www.lenntech.com/periodic/elements/in.htm#ixzz52UN7zDr

4 – Tellurium is a mildly toxic, silver-white metalloid chemically related to sulfur and selenium and is found in coal up to 2 ppm. Supposedly, Tellurium is rarely encountered by people, so how does it get into rain water? Tellurium compounds are teratogenic and ingesting even small amounts causes bad-smelling breath and appalling body odor. It can be absorbed into the body by inhalation of its aerosol! Effects of inhalation include: drowsiness, dry mouth, metal taste, headache, garlic odor, and nausea. The aerosol can irritate the eyes and respiratory tract. It can have adverse effects on the liver and central nervous system. Medical observation upon ingestion reveal abdominal pain, constipation, vomiting. Tellurium chloride, when heated to decomposition, may emit toxic fumes of Tellurium and Chlorine.

Ref: https://www.lenntech.com/periodic/elements/te.htm#ixzz52USk6OW8

5 – Terbium is a silvery-white, rare earth malleable metal, ductile and soft. So how does it get into rain water? It has no biological role and may be mildly toxic by ingestion. Its powder form and compound are very irritating to the skin and eyes. Terbium’s toxicity has not been investigated in detail.

Ref: https://www.lenntech.com/periodic/elements/tb.htm#ixzz52USHkKLS

6 – Bismuth is a white, crystalline, brittle metal having a pinkish tint. It’s the most diamagnetic [tending to become magnetized in a direction at 180° to the applied magnetic field. (Online Dictionary) ] [1] of all metals and thermal conductivity is lower than any metal except mercury. Bismuth and its salts can cause kidney damage. It is considered one of the less toxic of the heavy metals. Toxicity can result in the form of bodily discomfort, presence of albumin or other proteins in the urine, diarrhea, skin reactions and exodermatitis. It can enter the body via inhalation, skin and ingestion. There can be acute and chronic adverse health effects from exposure to Bismuth. It poses minimum threat to the environment, but caution is advised as there is limited information on its effects in the environment. So how does it get into rain water?

Ref: https://www.lenntech.com/periodic/elements/bi.htm#ixzz52UTvb7o2

Resource for the above information:
Chemical elements alphabetically listed
https://www.lenntech.com/periodic/name/alphabetic.htm

When one steps aside and considers how the above six metals—some rare earth metals—can be found in rain water, one has to surmise that what’s going on within those lines sprayed in the sky, called “chemtrails” or weather management or weather geoengineering or Solar Radiation Management (SRM), probably has some key role in making and managing weather.

Chemtrails are the ‘raw’ material for weather geoengineering because they create the clouds that can be directed with high frequency microwaves being sent from various ionospheric heaters like HAARP and the sea-based HAARP SBX Platform and various ionospheric heater ‘stations’ [2], plus some stations thought to be on isolated islands situated in the oceans.

(Source)

Interestingly, each of the six metals listed above are grayish, silvery-white—chemtrails cloud color. Those chemtrails dissipate into all sorts of scalar and ‘blanket’ clouds, which cover regions for days at a time, blocking precious sunlight!

Furthermore, those six metals ought to be investigated for any connection they may have with what’s called chemtrail flu.”

Weather really is being controlled

For skeptics who don’t believe weather can be controlled, well how about this: “Beijing snowfall hailed as ‘auspicious’” … but it’s man-made Beijing’s downtown area saw its first snow of the winter on Saturday morning, after a 145-day dry spell in the capital.”

Weather really is being controlled

For skeptics who don’t believe weather can be controlled, well how about this: “Beijing snowfall hailed as ‘auspicious’” … but it’s man-made Beijing’s downtown area saw its first snow of the winter on Saturday morning, after a 145-day dry spell in the capital.”

Additionally, here is the link to the U.S. Air Force report about owning the weather by 2025.

Furthermore, I wrote an article listing some of those weather engineering, climate change patents.

U.S. Law restrictions on biological/chemical agents use on humans

Lastly, there are ethical, moral, legal and constitutional issues revolving around humans being sprayed like bugs!

Who in the U.S. Congress, which has oversight, or the Supreme Court, or the legal system will address Public Law 105-85, Nov. 18, 1997, 111 Stat. 1915, Sec. 1078 Restrictions on the Use of Human Subjects for Testing of Chemical or Biological Agents?

Source: Activist Post

WHY Is This Printed On Our Money???

Posted: 16 Jun 2018 08:28 PM PDT

Why Is This Printed on Our Money?

Hypothesis: There are Major Bombings in the United States that have been printed on U.S. Currency several years before the events actually happened.

ALL OF THE BILLS ARE FOLDED THE EXACT SAME WAY:

“This IDENTICAL folding method eliminates the situation of: ‘folding it any way you want to & seeing whatever you want to see’. This is now a matter of statistical impossibility, not chance or coincidence.”

FEATURED VIDEO: Put This To The Test

*ATTENTION* All News Sources: Here is an in-depth analysis of all the U.S. Currency that contain hidden images of past false-flag terror events, and future ones as well…

The new $100 bill+ $10 bill = NYC Nuke. When the new $100 Bill was finally released to the public, it finished the story from the $10 Bill that started with the missile launch and tidal wave. The two bills together tell the story of a nuclear event taking place on the East Coast promulgated by the U.S. Government– which is spiritually inspired by Satan and his fallen angels.

“For our struggle is not against flesh and blood, but against the rulers, against the powers, against the world forces of this darkness, against the spiritual forces of wickedness in the heavenly places.” EPHESIANS 6:12

FEATURED VIDEO: New 100 Dollar Bill Decrypted – Nuclear Devastation

An Illustrated History of American Currency Design. It’s not just paper. From the first notes issued by the Continental Congress to the latest star-spangled bills released by the Federal Reserve, the history of money in America is laced with rebellion, propaganda, and—of course—lots and lots of wealth.

The history specifically serves as a curious lens through which to understand the origins of this complicated nation. Like the government itself, money in America dates back to 1776 when the Continental Congress issued the country’s first official dollar bills. But before and well after that, it had been a free-for-all with any bank or state able to issue its own currency.

It wasn’t until the 20th century that the nation’s currency would be standardized and even recognizable to present-day observers.

On April 20, 2016, the Treasury announced a major redesign of American paper currency. For the first time in over a century, women will appear on banknotes—specifically the $20, $10, and $5 bills. It’s the beginning of a new era of American money design.

For more information read: The History of American Currency

Source: illuminatisecretsexposed.com

White House Defends Ripping Children From Parents as “Very Biblical to Enforce the Law”

Posted: 16 Jun 2018 07:40 PM PDT

Asked to comment on remarks made by Attorney General Jeff Sessions earlier in the day about how the Trump administration’s policy of ripping children out of the arms of their immigrant parents is somehow justified by the Christian Bible, White House press secretary Sarah Huckabee Sanders on Thursday afternoon said she could not respond specifically to the AG’s claims but said “it is very biblical to enforce the law.”

“That is actually repeated a number of times throughout the Bible,” Huckabee Sanders said in response to the question by CNN’s Jim Acosta as she appeared to glance at notes on her podium.

Watch the exchange:

“Where does it say in the Bible that it’s moral to take children away from their mothers?” asked Acosta.

But Huckabee wasn’t interested in answering that question, however, and accused Acosta of trying to put words into her mouth and talking over her. “I know it’s hard for you to understand,” she said to the reporter, “even short sentences, I guess.”

Citing increasingly horrific stories of the children of immigrant and asylum-seeking parents being separated at the border, Acosta said “can you imagine the horror these children must be going through” and asked, “Why is the government doing this?”

U.S. Border Patrol agents question a group of adult and minor immigrants near Anzalduas Park, southwest of McAllen, Texas in 2014. There are plans afoot to separate such children from their parents and house the children at military bases. Photo: Jerry Lara

“Because it’s the law,” Huckabee Sanders responded. “And that’s what the law states.”

And it was downhill from there as subsequent reporters pushed back against the false claims the press secretary was making—namely that their family separation policy was “the law” and not a specific policy choice pushed by President Trump and promoted at the DOJ by Sessions on multiple occasions.

Pressed by journalist Brian Karem if she, as a parent herself, had any empathy for what these migrant families were going through, Huckabee Sanders refused to answer:

Turns out, there’s nothing in the Bible that says you have to answer questions you don’t like.

Common Dreams is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 International License.

H/T: Mint Press News

This Abandoned Macy’s Is Now A Homeless Shelter Housing Its Former Employees

Posted: 16 Jun 2018 05:02 PM PDT

The Landmark Mall in Alexandria, VA, used to be the talk of the town – in the 1960’s. Times have changed; Photo sources: NY Times

ZeroHedge| The Macy’s at the Landmark Mall in Alexandria, Virginia used to be an iconic and historic building. In what is now undoubtedly a sign of the times, it has been converted into a homeless shelter until the property can be razed and its owner, the Howard Hughes Corporation, can repurpose the property and build something new at its location.

Even more telling, this homeless shelter houses many of those who used to work at the very same Macy’s.

In the realm of brick-and-mortar retail, the times are definitely a changin’. We have often, on this site, detailed not only the slow and painful death of brick-and-mortar retail as it has been occurring, but also how the value of once coveted mall property has disintegrated and similarly, how landlords of these properties now find themselves stuck between a rock and a hard place – tenants are dropping like flies, sales numbers used to help calculate rent are on the decline and property appraisals have been underwhelming. This has led to a influx of abandoned property, not unlike the Macy’s in Alexandria, just sitting and waiting to be repurposed

(Photo sources: NY Times)

The Macy’s in the Landmark Mall was the topic of a recent New York Times article, detailing how a once historic landmark that it is now abandoned and has become a homeless shelter, 15 months after it had its last customers. The Macy’s “now provides 60 beds, hot meals and showers for families and for single men and women who are having trouble finding a place to live in a city with a scarcity of affordable housing.”

Here is The New York Times on the property’s once iconic status as a historic landmark:

The Landmark Mall was once at the vanguard of shopping. Opened in 1965, the mall housed the region’s most fashionable department stores, Hecht’s, Woodward & Lothrop and Sears & Roebuck. Boys came to buy their first suit at the haberdasher, and teenage girls could get their shoes dyed to match the color of their prom dress.

Alexandria’s former mayor William D. Euille remembered playing the clarinet in the high school band at the mall’s opening ceremony. “It was the economic engine of the city,” he said.

Landmark tried to adapt over the years. It began as an open-air shopping center and went through an overhaul in the 1980s to enclose the property.

Like many other malls, however, it has gone the way of the buffalo:

Eventually, the mall succumbed to retail’s propensity to chase after newer, flashier spaces. Developers built larger malls with more upscale brands nearby in Pentagon City and Tysons Corner, siphoning customers away from Landmark.

Landmark’s original anchor stores either have been bought out, went bankrupt or are clinging to life — like many in the retail business. Last year, 6,985 stores closed in the United States, a record number, according to Coresight Research, a retail analysis and advisory firm. This year, retailers are on a pace to close roughly 10,000 stores.

In its final years of operation, the Landmark’s tenants included two dollar stores and a tax preparer. Only the Sears is still operating. A lone, blue inflatable figure dances on the store’s roof, beckoning shoppers.

READ MORE: Thousands More Stores Are on the 2018 Retail Apocalypse DEATH LIST: Are your local stores on the list?

Plans to revamp the property, including a 2009 effort to help it once again become an open-air shopping destination, have failed – namely due to the property’s former owner, General Growth Properties, went bankrupt after the 2008 financial crisis. Subsequent to that, the mall was sold and those plans were scrapped.

Landmark’s current owner, the Howard Hughes Corporation, plans to tear down the mall and build a mixed-used space that could include offices, retail and other attractions that are still being finalized. It could take many more years to complete the planning, permitting and construction process for such a huge project.

“It’s a great piece of real estate,” said Mark Bulmash, a senior vice president of development at Howard Hughes.

The article then tells several stories of individuals who are moving into this property as it has now become a temporary homeless shelter for a builder who is seeking shelter while it constructs a permanent location on the other side of Alexandria:

Karleen Smith used to work at the Macy’s in Landmark Mall, putting price tags on summer dresses, housewares and the latest styles of shoes.

On Saturday, Ms. Smith, 57, returned to her former store, not as an employer or a customer, but as a resident.

The former Macy’s in this vacant shopping mall outside Washington has been transformed into a homeless shelter.

“It’s weird to be moving into this building. I used to work here,” she said inside the shelter’s common room, which was once the men’s department. “It’s called survival.”

Smith’s memories of the building, prior to its current state, were fondly noted in the NY Times article – again just making even clearer how the property is long past its heydey and has made a full 180 degree turn for the worse:

Ms. Smith, the former Macy’s worker, rested on the floor of the common room under a frayed green blanket. Before coming to the shelter, Ms. Smith had been living in a car and showering in a recreation center. “I was tired,” she said.

Ms. Smith, who worked at Macy’s as a seasonal hire during the holidays 10 years ago, remembers the store fondly.

On a slow day, she would try on makeup at the cosmetics counter and spray herself with samples of perfume. She said she could never afford to buy anything of her own. “All I could do was admire it.”

As Ms. Smith waited to move into her new room, the electricity cut out to a portion of the shelter and the staff set up battery powered camping lanterns to light the way for movers. Volunteers brought crockpots with taco makings for dinner and put together goody bags for the children staying there.

For many of the current residents of the shelter, what has happened is nothing short of shocking.

Keith Ham, 43, who has been living the shelter for about three months, said his family did not believe where he was moving.

“They say, ‘Macy’s at the mall?’ And I say, ‘For real, Macy’s at the mall.’”

We detailed the glut in retail space in an early May article that we published, noting that the American shopping mall – that centerpiece of the 1980’s big-box retail model – has fallen on hard times in recent years as the growing dominance of e-commerce has finally started to take a toll on brick-and-mortar retailers – a subject that we’ve frequently discussed.

Shifting consumption patterns (i.e. the dawn of e-commerce), years of underinvestment by mall owners, and a seemingly unceasing stream of retailer bankruptcies are the factors that have been responsible for most of the damage to Mall REITS, particularly products tied to lower quality malls.

Emptying storefronts and malls have only exacerbated a glut of American retail space. The country now has roughly 24 square feet of retail space per capita, more than twice that of Australia and 5 times that of the UK.

In April, we talked about the breakneck speed with which retail shopping space was closing. Retail real estate carnage is continuing this year with no signs of slowing up, as Bloomberg reported back in April that over 77 million square feet of retail real estate has closed this year and that 2018 will easily pass 2017’s record of 105 million square feet closed. The latest example was the fall of the once massive Toys ‘R’ Us name:

The fall of the Toys “R” Us chain, with more than 700 U.S. stores, shows how much retail real estate has changed in just the last decade. When KKR & Co., Bain Capital, and Vornado Realty Trust took over the company in 2005, the buyers justified the $7.5 billion price, in part, because of the supposedly valuable properties that came with the deal.

We also noted that the price of such properties was tanking. If there was ever to be any silver lining to the complete carnage in the retail real estate space, it was the argument that has been perpetuated over the last decade or so: despite retail stores closing, the real estate would eventually be worth something.

This argument was made by real estate investment trusts as well as activist investors and analysts who tried to put a positive spin on the death of brick and mortar retail. Now, with more space freeing up, the bid under former retail property is at ask of falling off as supply is starting to get far ahead of demand:

Real estate can put a floor under the value of a retailer and make it easier for the company to borrow. Maybe a particular store concept doesn’t work out as consumers’ tastes change, but in that case, investors can always sell the land and buildings to someone with a better plan. Long-term leases can be similarly valuable. But what if the problem isn’t that a particular store is out of fashion, but that consumers are just shopping less at brick-and-mortar retailers in general? As more storefronts empty, the valuation floor will look wobblier.

The story of Alexandria should come as no surprise to anybody who has been following brick-and-mortar retail, watching it get torched by online competitors, mostly Amazon.com.

Unfortunately as times goes on, the reality only gets more desperate for brick-and-mortar retail, and its (former) employees, at a time when many considered that the decimation of brick and mortar may finally be ending.

It appears that it’s only just beginning.

Study: Fasting for Three Days can Regenerate the Entire Immune System of Humans

Posted: 16 Jun 2018 11:52 AM PDT

Researchers at the University of Southern California have announced that fasting for as little as three days, can regenerate the entire human immune system for a very healthy living.

The researchers described their study as “remarkable and a major breakthrough” in finding natural methods to boost the immune system.

In the past, fasting diets have been criticized by nutritionists for being unhealthy. However, this new study by the Americans suggests that starving the body kick-starts stem cells into producing new white blood cells, which fight off infection.

The researchers said their discovery could be particularly beneficial for people suffering from damaged immune systems, such as cancer patients on chemotherapy. Elderly people, too, are said to benefit greatly from the study.

As people grow, their immune system becomes weak, making it harder for them to fight off even common diseases. As per this study, fasting could help them get their immune system back on track.

Fasting for 72 hours also protects cancer patients against the toxic impact of chemotherapy. Chemotherapy causes significant collateral damage to the immune system. The results of this study suggest that fasting may mitigate some of the harmful effects of chemotherapy.

Detailing the study, the researchers said fasting “flips a regenerative switch” that prompts stem cells to create brand new white blood cells, essentially regenerating the entire immune system.

Lead researcher of the study Professor Valter Longo, who serves as professor of Gerontology and the Biological Sciences at the University of California, said the study proved that fasting could indeed help the human body to produce a new immune system.

s 3,,,

“It gives the ‘OK’ for stem cells to go ahead and begin proliferating and rebuild the entire system. And the good news is that the body got rid of the parts of the system that might be damaged or old, the inefficient parts, during the fasting. Now, if you start with a system heavily damaged by chemotherapy or ageing, fasting cycles can generate, literally, a new immune system.” Professor Longo said.

At the Experimentation stage of the study, some people were asked by the researchers to regularly fast for between two and four days over a period of six months.

The researchers then found that the fasting helped to produce a new immune system, as well as reducing the enzyme PKA, a hormone which increases cancer risk and tumor growth that is linked to ageing.

Professor Longo expressed how the research team became surprised upon realizing the outcome of their experiment: “What we started noticing in both our human work and animal work is that the white blood cell count goes down with prolonged fasting. Then when you re-feed, the blood cells come back. So we started thinking, well, where does it come from?”

The study said prolonged fasting not only forces the body to use stores of glucose and fat, but it also breaks down a significant portion of white blood cells. During each cycle of fasting, this depletion of white blood cells induces changes that trigger stem cell-based regeneration of new immune system cells.

“We could not predict that prolonged fasting would have such a remarkable effect in promoting stem cell-based regeneration of the hematopoietic system. When you starve, the system tries to save energy and one of the things it can do to save energy is to recycle a lot of the immune cells that are not needed, especially those that may be damaged,” Professor Longo added.

With the study having been experimented already, more clinical trials will be able to determine other factors. If that is done, one can see a physician for an appropriate fasting recommendation.

Amando Flavio / AnonHQ.com.

Please follow and like us:
error