Arquivo de etiquetas: OLIVENÇA OLIVENZA

o 10 de junho em Olivença

A primeira reportagem do 10 de Junho em Olivença, hoje de manhã. Publicaremos mais.

Image may contain: sky, tree, cloud, plant, road, outdoor and nature
Image may contain: sky, cloud, tree, outdoor and nature
Image may contain: outdoor
Image may contain: 1 person
+49
Olivença added 52 new photos to the album 10 de Junho em Olivença | 2019.

Cerimónias de celebração do 10 de Junho, promovidas pela Câmara Municipal de Olivença, com intervenções de Eduardo Machado (Universidade Popular de Olivença), Manuel José González Andrade (Alcalde de Olivenza) e José Ribeiro e Castro (Movimento 2014 – 800 anos da Língua Portuguesa).

10 de Junho de 2019

Please follow and like us:
error

OLIVENÇA

Terras sem Sombra em Olivença Nota de Imprensa_19.Março.2019
View this email in your browser
Terras sem Sombra à conquista de Olivença
A mítica cidade raiana é o próximo destino do Terras sem Sombra, no fim-de-semana de 23 e 24 de Março. Conhecer as suas raízes portuguesas, escutar algumas das mais belas suítes para viola da gamba na igreja de Santa María del Castillo e ir ao encontro da biodiversidade da serra de Alor são as coordenadas para dois dias de festival.
Do Passado ao Futuro

Olivença é, hoje, uma cidade que não renunciou à tradição lusa, constituindo um símbolo de convivência e diálogo de culturas. A visita que terá lugar na tarde de sábado, 23, a partir das 16h00, sob a orientação de um profundo conhecedor do concelho, Joaquín Fuentes, da Associação Além-Guadiana, permitirá compreender os pilares da história local, assim como os principais monumentos e outros aspectos marcantes do património concelhio e do quotidiano das suas gentes.

A Lira de Apolo: Suítes para viola da gamba

A igreja de Santa María del Castillo, receberá no mesmo dia, às 20h00, o concerto Uma Viagem Imaginada: Suítes Francesas para Viola da Gamba. Em palco, quatro dos maiores intérpretes de música barroca da actualidade, Sofia Diniz, Holger Faust-Peters, Josep Maria Martí Duran e Fernando Miguel Jalôto. Trata-se da apresentação, em estreia absoluta, do CD La Lyre d’Apollon, dedicado ao primeiro livro de peças para aquele instrumento de Jacques Morel, o célebre compositor do tempo do Rei Sol, e que vai ser lançado pela prestigiada editora alemã Conditura.

Sofia Diniz e os seus convidados apelam a uma digressão pela Paris do século XVIII e a uma descoberta da panóplia de sonoridades da viola da gamba. Ouvir-se-ão andamentos de dança típicos como a Allemande, a Courante, Sarabande e Gigue, Couplets (variações) sobre as folias de Espanha, mas também as muito francesas Pièces de caractère, que ilustram desde os sentimentos mais profundos, como o Plainte (pranto), até pessoas e lugares; escutaremos igualmente uma peça bretã, uma espanhola, uma americana, uma portuguesa e uma italiana. Viajar-se-á, pois, sem sair do lugar.

O concerto em Olivença promete tornar-se um dos acontecimentos marcantes da temporada musical em 2019. Que esta estreia internacional tenha lugar, não em Colónia, onde Sofia Diniz reside e habitualmente trabalha, nem em Madrid ou Lisboa, é um sintoma de que algo tem vindo a mudar no panorama musical, graças a iniciativas, como o Terras sem Sombra, que unem cosmopolitismo e ruralidade, vanguarda e tradição.

Jardim de Deus: A Serra de Alor e a Dehesa

A manhã de domingo, dia 24, a partir das 9h30, vai ser dedicada à biodiversidade do concelho, sob a orientação de dois peritos territoriais, Joaquín Figueredo e Norberto Antúnez, tendo por alvo a serra de Alor.
Lugar-chave da zona, esta elevação atinge 600 m de altitude e possui densas manchas de dehesa (montado) e olivais. Preserva igualmente zonas de mato onde se conservam verdadeiros tesouros botânicos. Entre as espécies raras, destacam-se a peónia, conhecida na região como rosa-albardeira, que cresce em zonas altas, no meio das manchas de azinheiras, carrasqueiras e zambujeiros; o erodium mouretii ou relógio; a anagyris fœtida, única planta europeia polinizada por passariformes, como as felosas; a boca-de-dragão.
É também possível encontrar mais de 15 espécies distintas de orquídeas, entre elas a Barlia robertiana (orquídea gigante) e a Orchis itlaica (erva-do-homem-nu). Este tipo de vegetação protege o solo fértil e sustenta uma notável actividade pecuária: é um paraíso para o porco ibérico, mas também para o gado bovino, caprino e ovino, a caça e as abelhas.

Todas as actividades, são de acesso livre e sem inscrição prévia, partindo o Terras sem Sombra a seguir para Beja, Elvas, Cuba, Ferreira do Alentejo, Odemira, Barrancos, Santiago do Cacém e Sines.

Facebook
Twitter
Instagram
Website
Para mais informações:
Ana Abrantes
965653149

 

This email was sent to [email protected]
why did I get this? unsubscribe from this list update subscription preferences
Banco Social de Comunicação · Rua Prof. Pinto Peixoto n.8 – 1 B · Lisbon 1000-203 · Portugal
Please follow and like us:
error

OLIVENÇA É NOSSA, É PORTUGAL

TEXTO COMPLETO

ESPANHA
Olivença apaixona-se e zanga-se em português
Perdida no centro de uma extensa planície rodeada de azinheiras e banhada pela albufeira do Alqueva, Olivença tem sido esquecida por sucessivos governos de Portugal. Desde 2014, mais de um milhar de oliventinos já pediu a dupla nacionalidade.
CARLOS DIAS

19 de novembro de 2018

No dia 7 de Maio de 1817, a Acta Final do Congresso de Viena confirmava que Olivença é terra portuguesa e exigia à coroa espanhola que restituísse o território que anexou em 1801, decisão que o país ocupante aceitou, mas não cumpriu, até aos dias de hoje. Os sucessivos governos de Portugal têm reagido com o silêncio à ocupação espanhola, alegando sistematicamente não ser “o momento oportuno” para pedir o cumprimento da decisão do Congresso de Viena. Para superar o impasse, a diplomacia portuguesa recorre à subtileza ao considerar Olivença “território português sob administração espanhola”. No entanto, a Constituição da República Portuguesa de 1976 realça que “Portugal abrange o território historicamente definido no continente europeu”. Olivença apresenta uma configuração triangular com 430 quilómetros quadrados de área, onde vivem cerca de 12 mil habitantes.

Na quarta-feira realiza-se, em Valladolid, mais uma cimeira luso-espanhola, para discutir as relações transfronteiriças, nomeadamente a revitalização das localidades do interior de Portugal e de Espanha. Separada de Portugal há 217 anos na Guerra das Laranjas, Olivença, como é óbvio, não consta da agenda. Ali, porém, a língua portuguesa é cada vez mais incentivada e os oliventinos podem usufruir de dupla nacionalidade.

A primeira “afronta” à decisão do Congresso de Viena evidencia-se quando se atravessa a nova ponte sobre o rio Guadiana, inaugurada em Setembro do ano 2000 para ligar Elvas a Olivença. Logo à entrada do território oliventino, as autoridades espanholas colocaram um painel pintado de azul para informar os automobilistas que vão entrar em “Espana”. Por baixo alguém escreveu, com tinta branca: “Olivença é nossa. É Portugal.”

A cerca de 11 quilómetros do rio Guadiana e no centro de uma planície aparece o casario branco de Olivença com estruturas arquitectónicas à semelhança das localidades alentejanas. No centro da zona histórica sobressai a torre de menagem do castelo construída por ordem de D. Dinis, no século XIV. As ruas, avenidas e praças indicam os antigos nomes portugueses, uma reivindicação dos oliventinos, satisfeita pelos responsáveis do município em 2010.

No Largo da Constituição, onde se situa a câmara municipal, preservam-se vários testemunhos do gótico manuelino, como a Igreja da Madalena. A sua construção, no século XVI, foi impulsionada por frei Henrique de Coimbra, bispo de Ceuta, que celebrou a primeira missa no Brasil e se encontra sepultado no seu interior. Este monumento, que é a segunda igreja mais representativa do estilo manuelino a seguir ao Mosteiro dos Jerónimos, foi classificado, em 2012, como o melhor recanto espanhol.

Dois casais de portugueses, vindos da Figueira da Foz, depois de uma breve passagem por Vila Viçosa, revelam ao PÚBLICO que o objectivo principal da sua viagem era conhecer Olivença. Depois de terem percorrido a cidade, concluíram: “Reclamar esta terra como sendo portuguesa numa altura em que somos todos ibéricos, não faz qualquer sentido

Um homem de baixa estatura que, a pouca distância, ouvia com a atenção o diálogo, não é de modas: “Os espanhóis roubaram-nos isto.” E repetiu a afirmação fazendo um gesto com a cabeça na direcção da Igreja da Madalena, apontando de seguida as várias construções manuelinas que se concentram a pouca distância umas das outras. “Chamo-me Afonso Valério Silva e não quero ser espanhol, sinto-me português”, acentua. Conta que nasceu em Olivença, mas que a sua avó era filha de um português. Diz que foram os pais que lhe ensinaram a língua lusa, que hoje domina com bastante clareza. “Quando vejo portugueses, só quero falar com eles.” E está feliz por saber que “até mais moços que [ele, que tem 86 anos] já falam” português.

Ficou patente nos diálogos que o PÚBLICO manteve com oliventinos que estes recorrem com frequência à palavra “saudade”. Alguns levavam a mão ao peito, quando a pronunciavam, e um desabafou: “A minha saudade vem do fundo do coração.” O processo de aculturização que a ditadura de Franco impôs em Olivença foi muito intenso e um retrocesso para a cultura portuguesa, sistematicamente arredada da vivência comunitária ao longo de 200 anos de domínio da cultura e língua castelhanas. Tudo foi feito para apagar a língua portuguesa, mas a resistência manteve-a no seio da família, em clandestinidade.

Margarida estará na casa dos 40 anos. O PÚBLICO solicita-lhe, em português, informações para visitar determinadas partes da cidade de Olivença. A senhora sorri, enquanto abre o mapa de Olivença e num português quase irrepreensível explica os passos que tínhamos de dar e qual a distância mais curta. Perguntámos como é que aprendeu a falar português. Resposta pronta: “Aprendi a falar português como aprendi a andar. Os oliventinos deixaram de ter medo em assumir a sua língua materna.”

O território de Olivença é também terra de azinheiras. Preenchem o horizonte que o PÚBLICO percorreu para chegar a São Jorge de Alor, pequena povoação com poucas centenas de habitantes, situada a cerca de cinco quilómetros da sede do concelho.

Se Olivença mantém traços muito fortes da presença portuguesa, então o friso das chaminés de São Jorge de Alor é o que persiste numa qualquer aldeia do interior alentejano, assim como o silêncio. É a hora da sesta como em qualquer aldeia da raia no Alentejo. A limpeza das ruas, tal como em Olivença, é irrepreensível, assim como o branco que cobre as casas com telha de canudo e os barrões que embelezam as suas fachadas de cor amarela, azul ou cinzenta.

Na Cafetaria S. Jorge, o PÚBLICO causou um misto de surpresa e alegria, porque chegava gente de Portugal. À saudação em português, Nunes Pires um dos presentes, respondeu: “Mi madre hablaba português, eu não, mas tenho a dupla nacionalidade.” E para o comprovar exibe o cartão de cidadão português. Foi dos primeiros a obtê-lo.

A algaraviada instala-se, numa mistura de espanhol, português oliventino e português de Portugal. João Santos, outro residente em São Jorge lamenta que Portugal os tenha esquecido. “Fomos trocados por Campo Maior. É o que se conta por aí”, argumenta.

Com efeito, a versão que corre em Olivença refere que Portugal trocou Olivença por Campo Maior. No domínio da língua, os avanços são significativos, mas a história dos 500 anos da presença portuguesa é desconhecida por boa parte dos oliventinos.

“O português é a língua que se fala quando as emoções ou os afectos tomam conta de nós. Quando dizemos à namorada ou à mulher, ‘meu amor’ ou ‘amo-te muito’”, diz Nunes Pires. Mas também são as palavras lusas que destravam a língua à força de expressões verrinosas, quando ocorrem zangas entre vizinhos.

O futuro parece-lhes promissor. “As crianças já começaram a aprender o português no jardim infantil”, refere Nunes Pires. O PÚBLICO pergunta a uma criança com 8 anos se fala português. “Non”, foi a resposta acompanhado de um abanar da cabeça. Contudo, depois de correr uns metros, grita: “Obrigado por virem cá.” E desaparece.

Joaquín Fuentes Becerra, presidente da Associação Além-Guadiana (AAG), fundada em 2008, para promover a língua e a cultura portuguesas, garantiu ao PÚBLICO que “há um esforço sincero da parte dos autarcas locais e da Universidade Popular” para disseminar a aprendizagem do português em Olivença. É o primeiro e mais importante passo para “preservar e cultura e as raízes da comunidade”, salienta o dirigente da AAG.

Cerca de um milhar de oliventinos já solicitaram a obtenção da dupla nacionalidade e mais de 500 já ostentam, “com orgulho”, o seu cartão de cidadão português. O processo da dupla nacionalidade, que se iniciou em 2014, tem sido transversal a todas as classes sociais. “Há um facto que é incontornável: a maior parte dos oliventinos descende de portugueses”, observa Fuentes. E acrescenta: “Olivença é duas coisas, é bicultural. Estamos também a recuperar a cultura imaterial da comunidade oliventina.” Já se dança o corridinho, as saias ou os viras. O português está presente na toponímia de mais de 70 ruas, praças e avenidas de Olivença.

Mesmo assim, as autoridades portuguesas “não têm acarinhado ideias, projectos e objectivos para que sejam construídas novas pontes” com as comunidades além Guadiana. Portugal “deve fazer um esforço no sentido de um melhor entendimento da realidade que é Olivença”, advoga Joaquín Fuentes, frisando que “cerca 1500 pessoas já falam o português”.

Ele próprio, enquanto oliventino e dirigente da AAG, desconhece se o Estado português “alguma vez se manifestou” em relação à cultura portuguesa em Olivença.

PUBLICO.PT
Perdida no centro de uma extensa planície rodeada de azinheiras e banhada pela albufeira do Alqueva, Olivença tem sido esquecida por sucessivos governos de Portugal. Desde 2014, mais de um milhar de oliventinos já pediu a dupla nacionalidade.
Please follow and like us:
error

Espanhóis insistem em proibir navegação de barcos portugueses na albufeira do Alqueva frente a Olivença | Guadiana | PÚBLICO

No território sem delimitação de fronteira entre o rio Caia e a ribeira de Cuncos, as autoridades do país vizinho impõem condições de acesso a estruturas náuticas que Portugal não aceita.

Source: Espanhóis insistem em proibir navegação de barcos portugueses na albufeira do Alqueva frente a Olivença | Guadiana | PÚBLICO

Please follow and like us:
error