MORREU O ITALIANO DA FAJÃ

Disseram-me que morreste!
Não acredito! Homens como tu não morrem.
Obrigada por me teres ensinado tanta coisa!
Desculpa não ser capaz de dizer mais nada.
Eu não consigo deixar de pensar que vais chegar um dia destes à Fajã Grande para fazermos mais filmes….

Pierluigi Bragaglia natural de Medicina, Bolonha-Itália, um emigrante italiano radicado nesta ilha há várias décadas e que tem desenvolvido actividades no ra…

 

YOUTUBE.COM
osé Agostinho Serpa and Gabriela Silva shared a link.
Pierluigi Bragaglia natural de Medicina, Bolonha-Itália, um emigrante italiano radicado nesta ilha há várias décadas e que tem desenvolvido actividades no ra…

YOUTUBE.COM
Pierluigi Bragaglia natural de Medicina, Bolonha-Itália, um emigrante italiano radicado nesta ilha há várias décadas e que tem desenvolvido actividades no ra…
Pierluigi Bragaglia natural de Medicina, Bolonha-Itália, um emigrante italiano radicado nesta ilha há várias décadas e que tem desenvolvido actividades no ra…
  • A pequena e merecida homenagem.
    Pierluigi Bragaglia, nascido a 01 de Novembro de 1963, falecendo precocemente a 25 de Outubro de 2020 de Medicina, natural de Bolonha-Itália, um emigrante italiano radicado nesta ilha (das Flores-Açores) há várias décadas, mais concretamente desde 1990 e que tem desenvolvido actividades no ramo da hotelaria, turismo e literatura.
    Licenciado em Ciências Políticas, e com uma tese de História Moderna sobre os Açores e Madeira, conta com vários livros já editados, uma parte dedicados à ilha de acolhimento e aos Açores em geral. Sem sombra de dúvida que o seu amor por esta terra é inquestionável, bem como a sua dedicação, o empenho que coloca em tudo o que faz, e a dedicação personalizada para com os milhares de turistas que passam pela sua “mão”…
    Pierluigi, tem o seu nome gravado na história florentina e na vida de muitas pessoas quer sejam de cá ou de outras longínquas paragens.
    Sempre em grande azáfama, teve a amabilidade em aceitar o convite da Costa Ocidental para gravar este trabalho para memória futura.
    … mas para ficar a saber quase tudo, nada melhor que ver e ouvir esta entrevista conduzida pela Drª. Gabriela Silva, aliás a quem agradeço profundamente pela disponibilidade e grade profissionalismo que tem colocado em prol desta iniciativa.
    Obrigado a Pierluigi Bragaglia, Câmara Municipal das Lajes pela cedência do espaço para fazer esta gravação.
    Imagens/vídeo: https://youtu.be/82xVDe7OKIE
    Obrigado à Luísa Silveira pela ajuda à produção.
    नमस्ते
    josé

faleceu a escritora Helena Marques

Image may contain: 1 person, close-up

Dom Quixote

Foi com profunda tristeza que recebemos, ontem à noite, a notícia do falecimento da escritora Helena Marques. Aos seus familiares, a Dom Quixote faz chegar as mais sentidas condolências.
A leitura dos seus livros é a melhor forma de a homenagearmos

A jornalista e escritora Helena Marques morreu ontem, segunda-feira, aos 85 anos.

Helena Marques nasceu em Carcavelos, em 1935, numa família de origens madeirenses.
Jornalista durante trinta e seis anos, iniciou a sua carreira no Diário de Notícias do Funchal e terminou-a no Diário de Notícias de Lisboa, onde foi diretora-adjunta (1968-1992). Foi também redatora de vários outros diários, nomeadamente A Capital, República e A Luta.
Associada n.º 33 do Sindicato dos Jornalistas, integrou o Conselho Deontológico e a Assembleia Geral em vários mandatos.
Publicou o seu primeiro livro, O Último Cais, em 1992. Muito aclamado, recebeu o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores, o Prémio Revista Ler/Círculo de Leitores, o Prémio Máxima de Revelação, o Prémio Procópio de Literatura e o Prémio Bordallo de Literatura da Casa da Imprensa.
Seguiram-se os romances A Deusa Sentada (1994), Terceiras Pessoas (1998) e Os Íbis Vermelhos da Guiana (2002), e o livro de contos Ilhas Contadas (2007). O Bazar Alemão (2010) é o seu mais recente livro.
Em 2013 foi-lhe atribuído o Prémio Gazeta de Mérito.
Era mãe do editor Francisco Camacho, do grupo Leya, do jornalista Pedro Camacho, ex-diretor de Informação e atual diretor de Inovação e Novos Projetos da agência Lusa, e do antigo jornalista Paulo Camacho.
A jornalista e escritora Helena Marques morreu ontem, segunda-feira, aos 85 anos. Helena Marques nasceu em Carcavelos, em 1935, numa família de origens madeirenses. Jornalista durante trinta e seis anos, iniciou a sua carreira no Diário de Notícias do Funchal e terminou-a no Diário de Notícias …
JORNALISTAS.EU
A jornalista e escritora Helena Marques morreu ontem, segunda-feira, aos 85 anos. Helena Marques nasceu em Carcavelos, em 1935, numa família de origens madeirenses. Jornalista durante trinta e seis anos, iniciou a sua carreira no Diário de Notícias do Funchal e terminou-a no Diário de Notícias …
A jornalista e escritora Helena Marques morreu ontem, segunda-feira, aos 85 anos. Helena Marques nasceu em Carcavelos, em 1935, numa família de origens madeirenses. Jornalista durante trinta e seis anos, iniciou a sua carreira no Diário de Notícias do Funchal e terminou-a no Diário de Notícias …

Comments
  • Nelson Lobo Pimentel Uma grande senhora que parte, estivemos lado a lado na redacção do Diário de Notícias nos anos 80. Mais uma grande jornalista que nos deixa e vai contribuir para a grande redacção que está a formar-se no além, onde um dia voltaremos a estar juntos.

Faleceu ontem Augusto Cymbron, Vice-presidente do CDS Açores

Faleceu ontem Augusto Cymbron, Vice-presidente do CDS Açores
Augusto Botelho de Sousa Cymbron nasceu em Lisboa em 1944, casado, pai de 4 filhos e avô de 7 netos.
Concluiu o liceu em Ponta Delgada e após o Serviço Militar passou à disponibilidade em 1970.
Seguiu a vida comercial e teve uma loja de mobiliário inglês e de jardim.
Em 1993 entra para a Universidade dos Açores onde faz o curso de História.
Em 1995 volta à Sociedade A.C.Cymbron, Lda., e em 2000 é nomeado Gerente da A.C.C. e de outras sociedade do grupo familiar.
Em Março de 2006 é eleito Presidente da ANAREC (Associação Nacional de Revendedores de Combustível).
Em 2008 com um dos seus filhos, funda a Sociedade José Cymbron, Lda., e constrói um Posto de abastecimento de combustíveis e uma moderna Loja de Conviniência.
Em 2012 o Governo Regional atribui-lhe a Insígnia Autonómica de Mérito Industrial, Comercial e Agrícola.
Foi ainda Fundador do CDS nos Açores, Conselheiro Nacional e Presidente do Conselho Regional, sendo actualmente o seu Vice-presidente.
A administração do Açores Global endereça à sua Família as mais sentidas condolências.
Image may contain: one or more people, people sitting and glasses
Fernando Martinho Guimarães and 40 others
21 comments
3 shares
Like

Comment
Share
Comments
View 9 more comments