Do solstício e da língua mirandesa

Hoje é o maior dia do ano, o meu preferido. Amo os dias longos que entram pela noite dentro! Entre o nascimento e o ocaso do Sol terão decorrido 14 horas, 53 minutos e 08 segundos. O solstício de verão ocorre neste ano precisamente às 04 horas e 32 minutos e nesse momento começa a estação por mim mais almejada.

Source: Do solstício e da língua mirandesa

em defesa das TERRAS DE MIRANDA

Carta aberta aos cidadãos da Terra de Miranda
O Movimento Cultural da Terra de Miranda teve acesso, depois de o ter legalmente solicitado, aos elementos necessários e suficientes para poder afirmar a sua conclusão de que todos os impostos que incidem sobre o negócio da venda das barragens são devidos, tanto o Imposto do Selo, como o IMT e o IRC, sendo também devido o IMI.
Esta conclusão assenta nas seguintes constatações:
i) A estrutura jurídica montada pela EDP não corresponde a uma operação de reestruturação enquadrável, nem na letra nem na finalidade que a lei fiscal estabelece para a aplicação dos benefícios fiscais à reestruturação de empresas;
ii) Nenhuma lei cria, nem podia criar, benefícios fiscais para a criação de empresas com morte previamente anunciada, pelo seu próprio criador, para alguns meses depois;
iii) A criação desta empresa (designada Camirengia) não tem qualquer racionalidade económica, como as partes do negócio escrevem em vários documentos, pelo que parece ter tido como objetivo exclusivo eludir o pagamento de impostos, o que pode constituir crime de fraude fiscal;
iv) São abundantes as provas de que as partes sempre acertaram que o negócio consistia na transmissão, da EDP para a Movhera I, dos estabelecimentos industriais compostos pelas seis barragens;
v) Os edifícios e construções das barragens eram, desde sempre, propriedade da EDP, que os tinha inscritos no seu balanço como sendo deles titular, e como consta dos contratos de concessões e de todas as suas adendas. Esses bens foram transmitidos duas vezes neste negócio primeiro por ela própria para a Camirengia e depois para a Movhera I, pelo que:
a. Se se trata de bens do domínio público, essas transmissões são nulas, porque esses bens são, por natureza, insuscetíveis de transmissão;
b. Se a transmissão da sua titularidade é legítima, então estão desde sempre sujeitas ao IMI e a sua transmissão está sujeita ao IMT.
Todos estes impostos deveriam ter sido acautelados pelo Estado, como condição de autorização para a realização do negócio. Incompreensivelmente não o foram.
É também incompreensível a declaração do Ministro do Ambiente, acompanhado do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, no dia 28/12/2020, em Miranda do Douro, de que o negócio não estava sujeito ao IMT nem ao Imposto do Selo e que as edificações das barragens não estão sujeitas ao IMI.
São ainda dificilmente compreensíveis a anulação da liquidação do IMI sobre a barragem de Bemposta por uma decisão arbitral erroneamente fundamentada e as variações de entendimento da administração tributária durante a pendência do processo sobre esta e outras matérias relevantes.
Por estes factos, e por muitos outros, este Movimento apela a todas as instituições do Estado Português competentes na aplicação da lei, de controlo da legalidade e da prossecução do Interesse Público, que intervenham no sentido da realização do Direito neste caso.
Este Movimento reafirma o seu caráter construtivo e colaborativo na defesa dos interesses legítimos da Terra de Miranda e de Portugal.
Pode consultar o carta aberta na íntegra aqui https://bit.ly/3vlE451

A LÍNGUA MIRANDESA

Espero e desejo que na próxima edição da Eurovisão, Portugal apresente uma canção em língua mirandesa. Creio que a canção ” Molinera ” interpretada por Luís Represas do Trovante está em língua mirandesa. Espero não estar errado.
May be an image of map and text that says "Aldeias onde se fala a língua mirandesa PORTUGAL A ESPANHA PORTUGAL Cicouro S. Martinho de Angueira Angueira VIMIOSO Constantim Especiosa Concelho de Vimioso Caçarelhos Ifanes Povoa Paradela Angueira Rio Genisio Maçaς Rio Malhadas Aldeia Nova Pena Branca Fonte Ladrão Vilar Seco Palancar Vale deAgua Pedro Silva Concelho de Miranda do Douro MIRANDA DO DOURO Aguas Vivas Palaçoulo Duas Igrejas Cércio Prado Gatão Fonte de Aldeia V.Chả Braciosa Freixiosa Aldeia onde se fala sendinês, uma variante do mirandês Picote Sendim 10 km"
1 – Afinal o que é o Mirandês
A língua mirandesa é o nome oficial que recebe o asturo-leonês em território português, e possui status de língua oficial em Portugal desde 1999.
Não existem dados que permitam quantificar com precisão o número atual de utilizadores desta lingua, pelo que os números apontados variam entre 7.000 a 10.000 utilizadores distribuídos principalmente por uma área de 550 km², conhecida como Terras de Miranda e formada pelo concelho de Miranda do Douro e freguesias de Angueira e Vilar Seco, no concelho de Vimioso.
A inclusão de Caçarelhos (atualmente denominada por Caçarelhos e Angueira) na área deste domínio linguístico mirandês é no entanto também defendida por diversos autorese historiadores tais como Amadeu Ferreira por exemplo.
O mirandês tem três subdialetos (central ou normal, setentrional ou raiano, meridional ou sendinês) e possui um dicionário, gramática e ortografia próprios, os seus utilizadores são em maior parte bilíngues, trilíngues ou até mesmo quadrilíngues falando muitos deles o mirandês, o português. o castelhano, e alguns deles também o galego.
As associações como a SIL International outorgam um código próprio a esta língua, enquanto que a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) por seu lado enquadra-a no contexto do asturo-leonês.
Os textos recolhidos em mirandês mostram a envolvência de traços fonéticos, sintáticos ou vocabulares das diferentes línguas, mas o português é mais reconhecido pelos mirandeses, porque é considerado uma língua culta, fidalga, por isso importante.
2 – Situação actual:
A língua mirandesa, tal como já foi referida anteriormente, é falada por, sensivelmente, 7 000 a 10 000 pessoas no extremo nordeste de Portugal, sendo desde 1999 considerada como segunda língua oficial do país.
A preservação da língua mirandesa deve-se sobretudo à geografia e ao isolamento das designadas Terras de Miranda onde os rios e as cordilheiras acabam por ser factores cruciais para a criação de uma “fronteira linguística”.
No caso das Terras de Miranda, o rio Sabor teve uma influência, que convém realçar por isolar a área da influência da língua portuguesa, no entanto outro factor para a preservação desta língua acaba por ser também a proximidade e a acessibilidade a Espanha, pois esta região tem uma grande vertente comercial destinada aos espanhóis que outrora faziam parte do Reino de Leão, ou seja, muitos deles ainda falam o asturiano, língua de origem do mirandês.
Na práctica o mirandês chegou aos nossos dias quase intacto, devido quer a esta acessibilidade e ao contacto constante a uma Espanha que fala, essencialmente, o asturiano quer a um isolamento das populações locais face ao português.
Há muitos anos que o mirandês não era falado no coração da comarca de Miranda do Douro, mas, nos últimos anos, a deslocação das pessoas das aldeias para a cidade trouxe o mirandês de volta, porque nas aldeias rurais era onde se conservava mais o mirandês, e este êxodo rural acabou por trazer a língua mirandesa novamente à cidade.
A língua mirandesa está numa situação de diglossia, isto é, quando duas línguas coexistem mas uma prevalece sobre a outra, nesta caso com a prevalência do português, mas a disseminação do mirandês por razões extralinguisticas mas sobretudo de afirmação cultural, tem conquistado cada vez mais os habitantes das Terras de Miranda.
A atitude dos falantes em relação à sua língua autóctone também leva a uma relação de diglossia, como exemplo, tem-se “Lição de Mirandês: You falo como bós i bós nun falais como you” de Manuela Barros Ferreira (do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa) em que é evidente a desvalorização da língua mirandesa face ao português.
Segundo diversos estudos os habitantes desta região não falam o mirandês quando estão em situações formais, como por exemplo, na relação professor-aluno onde de uma forma geral, é a língua portuguesa que prevalece. Há também alguns complexos com a língua, reservando-a a contextos mais familiares, do quotidiano ou mesmo contextos de extrema intimidade, e todos estes fatores levam a língua a uma situação de diglossia.
3 – Medidas de defesa
O mirandês é ameaçado atualmente pelo desenvolvimento, a vida moderna, a televisão, e as pressões do português e do castelhano.
Em sua defesa, foram tomadas as seguintes medidas:
. ensino em mirandês, como opção, nas escolas do ensino básico do concelho de Miranda do Douro, desde 1986/1987, por autorização ministerial de 9 de setembro de 1985.
. publicação de livros sobre e em mirandês, pela Câmara Municipal de Miranda do Douro.
. realização anual de um festival da canção e de um concurso literário, pela Câmara Municipal em mirandês.
. uso do mirandês em festas e celebrações da cidade e, ocasionalmente, nos meios de comunicação social.
. publicação de dois volumes da série de banda desenhada Astérix.
. tradução de todas as placas toponímicas da cidade de Miranda do Douro, efetuada em 2006 pela Câmara Municipal.
. criação de uma Wikipédia em mirandês, a Biquipédia.
. disponibilização de sites de computador em mirandês, entre eles Photoblog e WordPress em mirandês.
Fontes:
«Mirandese». Ethnologue
«Linguagens Fronteiriças: Mirandês». Centro de Linguística da Universidade de Lisboa.
Wikipédia – A lingua mirandesa
Ferreira, Manuela Barros – Lições de Mirandês
2
1 share
Like

Comment
Share
0 comments

Miranda do Douro coloca 1415 placas toponímicas em mirandês e português em 33 localidades

O município de Miranda do Douro vai colocar 1415 placas toponímicas bilíngues em mirandês e português em 33 localidades deste concelho que resultam de um trabalho de investigação que procedeu ao levantamento dos topónimos originais.

Source: Miranda do Douro coloca 1415 placas toponímicas em mirandês e português em 33 localidades

A ESQUECIDA LÍNGUA MIRANDESA, LUÍS REPRESAS A CANTA

Como já sabem a Ana Lains tem um novo trabalho discográfico, com características muito especiais, sobre as quais ela vos fala neste vídeo, fazendo novo desafio, desta vez a Luis Represas. para dizer umas palavras e até cantar em mirandês um excerto da canção Feiticeira, desafio que foi aceite.
Já está disponível para aquisição e está em primeiro lugar no TOP das pré-vendas da FNAC e passa a estar disponível também na página da tradisom a partir de amanhã – tradisom.com.
TRADISOM.COM
Tradisom Produções Culturais, Lda – Tradisom Produções Culturais, Lda

Shop Now

 

 

Aníbal C. Pires and 166 others

 

26 shares

 

Like

Comment
Share

 

CANTAR EM MIRANDÊS

https://www.youtube.com/watch?v=mfLXPe8sqh4&feature=youtu.be&fbclid=IwAR0x4b_N09USHpuYjGwO56G0k7GEVKKmZd6vhjwMBMaUv8hwpitVlewq8yU
O mirandês não deve ser nunca esquecido. É a segunda língua oficial de Portugal e, ao contrário do que acontece do outro lado da fronteira, os números de falantes nativos têm-se mantido estável. Talvez um dos melhores filmes sobre o mirandês seja este, sem dúvida um trabalho espetacular!
Anquanto La Lhéngua Fur Cantada - Enquanto a Língua for Cantada - (Mirandês)
YOUTUBE.COM
Anquanto La Lhéngua Fur Cantada – Enquanto a Língua for Cantada – (Mirandês)
Mirandês