macau Mulher que violou quarentena arrisca seis meses de prisão

O caso da residente de Hong Kong que infringiu as normas da quarentena foi encaminhado para o Ministério Público, podendo a mulher enfrentar uma pena de até seis meses de prisão. As autoridades revelaram ainda que o hotel Sheraton vai deixar de ser usado para isolamento, sendo substituído pelo …

Maria Manso
tSoponsoo1ihred

O caso da residente de Hong Kong que infringiu as normas da quarentena foi encaminhado para o Ministério Público, podendo a mulher enfrentar uma pena de até seis meses de prisão. As autoridades revelaram ainda que o hotel Sheraton vai deixar de ser usado para isolamento, sendo substituído pelo …

Lorcha Macau | Embarcação foi totalmente destruída – Hoje Macau

A Lorcha Macau, a histórica embarcação que representou Macau na Expo 98, em Lisboa, já não existe. Carlos Monjardino, presidente da Fundação Oriente, mostra-se desapontado com o desfecho

Source: Lorcha Macau | Embarcação foi totalmente destruída – Hoje Macau

MACAU A CRESCER EM ÁREA

Macau growing in surface: in 1986, in 2014 and nowadays.

No photo description available.
No photo description available.
No photo description available.
Comments

Consumo | Nova lei relega língua portuguesa para o nível do inglês – Hoje Macau

Há duas línguas oficiais, mas uma é mais oficial que a outra. O novo normal consta na lei do consumidor, em que apenas o chinês é obrigatório nos manuais de instruções. Além da questão linguística, o novo diploma de protecção dos direitos do consumidor dá mais poderes de fiscalização ao Conselho dos Consumidores

Source: Consumo | Nova lei relega língua portuguesa para o nível do inglês – Hoje Macau

MACAU E O DIA DA CIDADE HÁ 398 ANOS

Date: Quarta, 24 de Jun, 2020
Subject: 24 de Junho de 1622 — Foi há 398 anos o ataque holandês a Macau e a data da nossa vitória foi escolhida para Dia da Cidade
Às gentes e aos amigos de Macau, vai um grande abraço neste dia grande da nossa memória da querida Macau de sempre! Jorge Rangel

Macau havia sido invadida pelos holandeses em 1601, 1603 e 1607, mas a invasão holandesa de 1622 representou a primeira tentativa real de capturar a cidade.

Introdução

Macau, por ter uma arposição estratégica, foi atacado por várias vezes pelos holandeses (inimigos de Espanha e simultaneamente os de Portugal devido à união destes dois países entre 1580 a 1640) que queriam controlar o comércio entre a Europa e o Extremo-Oriente. Estavam invejosos pelo monopólio que os portugueses gozavam.

O Rei Filipe III de Espanha, que estava em guerra com os holandeses, pôs um embargo aos barcos holandeses de comércio em todos os seus territórios (incluindo Portugal), por isso, estas embarcações dirigiram-se para o Oriente, causando muitos problemas para os portugueses instalados nesta região exótica e cheia de oportunidades de enriquecer. Em 1601, uma frota holandesa liderada pelo almirante Van Neck aparecia em Macau. Em 1603, barcos de guerra da Holanda bombardearam a Cidade; e nos anos de 1604 e 1607 vieram, respectivamente, as expedições lideradas pelos almirantes Wybrand van Warwijck e Cornelis Matelieff de Jonge.

Estas tentativas de invasão holandesa obrigaram as autoridades portuguesas a levantarem um sistema defensivo para a Cidade. Mas, as autoridades chinesas impediram a todo o custo, através de ameaças, a fortificação de Macau, temendo um possível golpe de estado contra o Império chinês. Em 1614, o Imperador, através de um decreto, sancionou a construção de fortificações em Macau. Mas, apesar de tudo isto, os portugueses conseguiram construir as suas desejadas e necessárias fortificações, graças aos magníficos presentes oferecidos aos mandarins encarregues de vigiar a Cidade.

A tentativa mais famosa de invasão holandesa começou no dia 22 de Junho de 1622 por 800 soldados que desembarcaram na praia de Cacilhas. Avançaram com cautela para o centro da Cidade, sofrendo pesado bombardeio de canhões da Fortaleza do Monte. Após 2 dias de combate, no dia 24 de Junho, um padre jesuíta disparou um tiro de canhão e acertou com precisão um vagão carregado de pólvora pertencente aos holandeses, desconcertando as forças invasoras. É também neste dia que a pequena guarnição militar de Macau (composta aproximadamente por 200 soldados e por algumas fortalezas, nomeadamente a Fortaleza do Monte e a Fortaleza da Guia) derrotou as forças invasoras. Os holandeses, derrotados, jogaram-se ao mar na tentativa de alcançar os barcos. Muitos se afogaram e um dos barcos, superlotado, afundou-se. Dizem os registos portugueses que morreram algumas dezenas de portugueses e que morreram em combate ou afogados cerca de 350 holandeses. Para Macau, desprevenida, a vitória foi considerada um milagre. Após a vitória, os moradores de Macau passaram a comemorar o dia 24 de Junho, dia da vitória, como o Dia da Cidade. É também neste dia que comemora o São João Baptista, o Padroeiro da Cidade. Conta a lenda que pelo seu manto, foram desviados os tiros dos inimigos, salvando a Cidade dos invasores holandeses. Este dia é feriado público e comemorado todos os anos com grandes festas e alegria até 1999, data da transferência da soberania de Macau para a China. Após a transferência, este dia deixou de ser feriado público e virtualmente esquecido.

Após esta tentativa de invasão holandesa, as autoridades portuguesas, a partir de 1623, passou a enviar um Governador para Macau. Antes da sua chegada, esta pequena cidade era administrada e governada pelo Leal Senado.