crenças da língua portuguesa

Das crenças

(Desde que Galileu teve de renegar o heliocentrismo à hidroxicloroquina e ao vodca para o covid-19…)

«No que respeita à língua portuguesa, perdura entre certa camada da população um conjunto particular de crenças, que se sustentam no passado colonial português e que, por seu turno, motivam comportamentos preconceituosos e xenófobos relativamente a variedades nacionais que não a portuguesa. Entre essas crenças contam-se a de que Portugal é o único dono da língua portuguesa, a de que a variedade brasileira difere da europeia por ter sido corrompida – e até de que foi tão corrompida que em rigor já não é português –, a de que a norma-padrão dos países africanos de língua portuguesa e de Timor-Leste é e será o português falado pelas classes cultas do eixo imaginário entre Lisboa e Coimbra.(…)»

Image may contain: text

A LÍNGUA À CONQUISTA DO PODER

A escola e a norma linguística – DN

Há uns anos, dei aulas de Didática, no Ramo Educacional da FLUL, a estudantes licenciados que pretendiam tornar-se professores de português do 3.º ciclo do ensino básico e do secundário. Começava o semestre com o seguinte tópico para discussão: “Se os alunos já sabem falar português, até já quase completaram a sua aquisição e se até já aprenderam ler e escrever, o que é que um professor de português como língua materna terá para lhes ensinar?”

Source: A escola e a norma linguística – DN

Português, língua nacional angolana – 2

Segundo artigo do jornalista, escritor e ex-ministro angolano João Melo sobre a língua portuguesa em Angola.

…………………………………………

« (…) O português exerce em Angola três papéis fundamentais: primeiro, é a única língua de comunicação nacional do país e substracto da unidade dos angolanos; segundo, é a língua oficial e da administração; e, terceiro, é o primeiro veículo de comunicação internacional dos angolanos, permitindo-lhes comunicar com os cidadãos de outros sete países e de várias comunidades onde o referido idioma é utilizado.

Ao contrário do que alguns ainda pensam, não apenas em Portugal, mas também nos outros territórios de língua portuguesa, incluindo o Brasil, maior usuário desta última, a mesma há muito deixou de ser pertença da antiga potência colonizadora. As línguas, na verdade, pertencem a todos os que a falam. Ou seja, o português não é apenas a língua de Camões, mas também de Machado de Assis, Agostinho Neto, Amílcar Cabral, Corsino Fortes, Alda do Espírito Santo, José Craveirinha, António Ramos Horta e tantos outros.

O facto de ser o segundo maior falante de português atribui a Angola responsabilidades acrescidas no que diz respeito às respectivas políticas, não somente internas, mas igualmente externas. Na minha modesta opinião, o país tem negligenciado tais responsabilidades.

A persistente ambiguidade e hesitação em tomar uma posição definitiva relativamente ao acordo ortográfico de 1990, por exemplo, confirma essa atitude. Pela parte que me cabe, tenho muita dificuldade em entender a relutância de alguns sectores em ratificar o referido acordo.

Do ponto de vista interno, Angola tem todos os motivos para ratificá-lo, pela seguinte razão de base: o acordo prioriza a fonética em detrimento da etimologia (ou seja, tende a grafar as palavras tal como elas são pronunciadas), o que facilita enormemente a sua difusão junto de uma população para a qual, originariamente, a língua portuguesa é uma língua segunda. Em termos de grafia, essa é a tendência da maioria das línguas contemporâneas: quanto mais simples, melhor.
Os seguintes argumentos principais costumam ser utilizados para questionar a ractificação do acordo ortográfico de 1990 por parte de Angola: o risco de uma “colonização linguística” por parte do Brasil, a ausência de qualquer previsão de inclusão das palavras de origem africana e a ameaça da dependên-cia de Angola em relação à indústria gráfica estrangeira (portuguesa e brasileira). Com todo o respeito, nenhum desses argumentos faz sentido.

Os números mostram, desde logo, que o Brasil fez mais concessões do que Portugal (cuja norma antiga ainda usamos), em termos do novo acordo ortográfico. Por outro lado, este é apenas um acordo sobre o modo de grafar as palavras, não tem nada a ver com o vocabulário, a fonética ou a sintaxe, ou seja, é falso que seremos todos obrigados a “falar como os brasileiros”. Por fim, no nosso caso, como angolanos, não deixa de ser esquisito recear uma hipotética “colonização linguística” do Brasil. A variante brasileira da língua portuguesa foi fortemente influenciada, em termos fonéticos, lexicais e sintácticos, pelas línguas angolanas de origem africana e não se vê ninguém, nesse caso, a falar em “colonização linguística” por parte de Angola.

A verdade é que as línguas transformam-se, viajam, cruzam-se, interpenetram-se e, se “caírem na boca do povo” (assim como na literatura ou no jornalismo), não serão os puristas ou sebastianistas que impedirão as mudanças, influências e apropriações mútuas.
Quanto à alegada necessidade de o acordo ortográfico incluir a questão das palavras angolanas de origem africana (processo que, na verdade, e como lembrei atrás, já ocorre há séculos), é um falso problema. Esse não é um tema do referido acordo, mas do vocabulário ortográfico comum. Segundo sei, este deverá ser elaborado com base nos vocabulários ortográficos nacionais, pelo que, em princípio, a bola está do nosso lado. É preciso elaborar primeiro o vocabulário ortográfico nacional e, depois disso, negociar a sua inclusão no vocabulário ortográfico comum da língua portuguesa.

Finalmente, o que dizer da alegada ameaça da dependência de Angola, se ractificar o acordo ortográfico, relativamente à indústria gráfica portuguesa e brasileira? Mais do que um falso problema, tal argumento é um autêntico mito. Com efeito, o que o nosso país precisa, com ou sem acordo ortográfico, é de desenvolver a sua própria indústria gráfica. O resto é confusão de temas. Ponto final.

Angola tem igualmente responsabilidades externas em relação à língua portuguesa, o que inclui, entre outros, as seguintes questões: uso efectivo do português nos organismos regionais e internacionais, assim como na Internet; ensino da língua portuguesa no estrangeiro, desde logo no continente africano, onde vários países anglófonos e francófonos têm demonstrado interesse nisso; e internacionalização das literaturas em língua portuguesa.

A propósito, aliás, não posso deixar de evocar a relação entre alguns desses processos e o acordo ortográfico: a existência de uma grafia única facilitará, quanto a mim, o uso do português nos organismos internacionais e na Internet, bem como o seu ensino em países estrangeiros.

Acrescento que a CPLP deveria desempenhar um papel condutor dos processos acima referidos. Escrevo no condicional por ser claro, para mim, que a mesma está longe de desempenhar esse papel, talvez porque ainda não é reconhecido por todos, de facto e na prática, que o português (e as suas políticas) pertence a todos os seus falantes. Um sintoma notório dessa realidade é a existência de dois institutos de promoção da língua portuguesa.

Angola, como segundo maior falante mundial da língua portuguesa, não pode estar ausente de todos esses processos e debates. Em breve, o país assumirá a presidência rotativa da CPLP. Talvez possa inscrever estas questões na agenda.»

No artigo anterior sobre este tema, recordei os resultados do censo de 2014, segundo os quais a língua portuguesa é a primeira língua falada em casa por mais de 71 por cento da nossa população, o que torna Angola o segundo maior falante de português em todo o mundo, depois do Brasil.
JORNALDEANGOLA.SAPO.AO
No artigo anterior sobre este tema, recordei os resultados do censo de 2014, segundo os quais…

A LÍNGUA (PORTUGUESA) EM TIMOR

Início Hoje Notícias José Ximenes: A língua portuguesa é “o sangue e osso do nosso… Hoje NotíciasInternacionalNotícias de Última Hora José Ximenes: A língua portuguesa é “o sangue e osso do nosso corpo e a alma” Maio 6, 2020 796 Share Facebook Twitter Pinterest WhatsApp Linkedin E…

em defesa das Clássicas na Unesco

https://www.change.org/p/gobiernos-proclives-a-la-defensa-del-griego-y-del-lat%C3%ADn-junto-con-la-cultura-cl%C3%A1sica-unamos-naciones-para-que-griego-lat%C3%ADn-y-cultura-cl%C3%A1sica-sean-patrimonio-de-la-humanidad-19ac613d-ae22-472b-90d1-de335e74a650?utm_source=share_petition&utm_medium=custom_url&recruited_by_id=f34ce2f0-7806-11e9-aba9-cf5ca68d91f5

 

Espero que esteja bem e venho pedir-lhe apoio para uma causa.
Para o caso de ainda não ter visto esta campanha em que estamos muito empenhados, os classicistas e todos os que reconhecem a importância das Línguas e da Cultura Clássica, peço que veja o que queremos e, se estiver de acordo, subscreva e divulgue entre os seus contactos. Em três dias, conseguimos quase 6 mil assinaturas. Mas precisamos de muitas mais.
Aqui fica o link, com os meus agradecimentos:
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

RSS
Follow by Email
Twitter
YouTube
LinkedIn
%d bloggers like this: