JAPÃO O ESCRAVO SAMURAI

Statue of Yusuke, an African slave who came to Japan in 1579 and became the first black samurai.
In real life, Yasuke was an African warrior who arrived in Japan in the year 1579 as a servant of a European missionary. Astonishing the daimyo Oda Nobunaga by the color of his skin, he remained in the country serving the feudal lord until his death in 1582.
May be an image of 1 person
261
32 comments
73 shares
Like

Comment
Share
32 comments
View previous comments
All comments

Sabia que a tempura japonesa foi “inventada” por portugueses? | National Geographic

A tempura japonesa é um exemplo de comida estrangeira modificada pelos japoneses. Conheça melhor a sua origem.

Source: Sabia que a tempura japonesa foi “inventada” por portugueses? | National Geographic

20 provas que o Japão é um pais bem diferente dos outros e está a frente do seu tempo – X4T Arquitetura e Curiosidades

O Japão, é um dos principais países no cenário econômico global, além de ser uma referência internacional em educação e desenvolvimento científico, é também um dos países líderes da Revolução Técnico-Científica-Informacional. Nota-se nesse país que a população está munida de uma cultura muito rica,

Source: 20 provas que o Japão é um pais bem diferente dos outros e está a frente do seu tempo – X4T Arquitetura e Curiosidades

Muito mais do que biombos, japoneiras e kasutera – Mundo Português

O meu artigo em destaque no Mundo Português. Espero que gostem de ler.
Muito mais do que biombos, japoneiras e kasutera - Mundo Português
MUNDOPORTUGUES.PT
Muito mais do que biombos, japoneiras e kasutera – Mundo Português
Os primeiros europeus com os quais os japoneses tiveram contato foram os portugueses, que chegaram ao Japão por volta de 1543. Com os navegadores foram os padres jesuítas e com eles começou uma conversão em larga escala, com primazia pelas elites, num padrão muito seguido no Oriente.
Rosa Horta Carrascalao, Alfredo Azinheira and 9 others
2 comments
Like

Comment
Share
2 comments
View 1 more comment
  • David Canjamba DC

    Ótimo artigo histórico sobre a chegada dos portugueses ao Japão ,

    See more
    • Like

    • Reply
    • 31 m

1647 O BLOQUEIO A NAGASÁQUI

No photo description available.
O bloqueio de Nagasáqui (1647)
Quando, em 1580, Portugal ficou sob o domínio de Filipe II de Espanha, o conflito com outras potências europeias tornou-se inevitável.
De entre os referidos conflitos destaca-se o que teve lugar com a Holanda, que devido à situação conturbada que tinha com Espanha viu a rota comercial das especiarias com Lisboa embargada. Como resposta, este estado atacou as possessões portuguesas no oriente, de onde resultaram as perdas de Malaca, Ceilão, Cochim e Nagasáqui.
Foram tais acontecimentos que, conjuntamente, com a crescente perda de direitos dos portugueses perante o governo espanhol, conduziram à revolta de 1640 e à restauração da independência.
Nesta sequência, Portugal ficou numa situação de conflito intensa, na qual combatia, no continente, contra os espanhóis e, nas colónias, contra os holandeses. No que se refere a estes últimos confrontos, os mesmos persistiram devido às ações das companhias comercias, de que é exemplo a VOC e, aos constantes ataques nos territórios ultramarinos, não obstante os esforços diplomáticos para estabelecer a paz com Amesterdão.
Neste contexto, e ainda durante o período da restauração, D. João IV tenta restabelecer as relações comerciais com o Japão, enviando uma embaixada de dois galeões, o Santo André e o Santo António de Aveiro, liderada por Gonçalo de Serqueira de Sousa.
Durante a viagem os referidos navios foram obrigados a atracar em Goa para reabastecimento e o vice-rei Filipe de Mascarenhas cedeu o Galeão São João, que havia sido acabado de construir, para a missão, considerando que o seu porte permitiria causar uma impressão superior a que seria obtida pelo Santo André.
No Japão, os Tokugawa tinham ascendido ao poder e a sua intolerância face ao cristianismo tinha conduzido ao massacre de inúmeros missionários portugueses e espanhóis e ao fomentar de uma boa relação comercial com os holandeses.
A 26 de Julho de 1647, a embaixada portuguesa chega aos arredores do porto de Nagasáqui onde foi abordada por um navio japonês que indagou de onde eram os navios e qual o se objectivo, ao que lhe foi respondido que se tratava de um embaixador do rei de Portugal que pretendia reatar a amizade antiga entre os dois países.
Os navios portugueses receberam permissão de entrada no porto, contudo em face da incerteza quanto à recepção pelo imperador, o embaixador português optou por não atracar.
No dia seguinte, os japoneses retornam ao contacto da embaixada portuguesa com vista a perceber qual o ponto de situação da restauração da independência, tendo recebido a informação solicitada, sem, contudo, darem a perceber se os portugueses seriam recebidos pelo imperador.
Na manhã seguinte, o episódio repetiu-se, desta feita com uma insistência por parte dos japoneses para que os portugueses acedessem a atracar no porto.
Num gesto de boa fé, o embaixador português acedeu ao pedido, tendo entrado no porto de Nagasáqui.
Mais uma vez, os japoneses insistiram na obtenção de informações acerca da restauração e das verdadeiras razões que haviam motivado o envio de uma embaixada, pelo monarca português.
De igual modo, perguntaram se este tinha conhecimento das execuções de missionários portugueses que tinham acontecido antes da chegada dos navios àquele porto.
Nesta interação os japoneses solicitaram, ainda, que a carta que havia sido dirigida pelo monarca português ao imperador lhes fosse entregue, solicitação, à qual, o embaixador não acedeu, mantendo-se o impasse.
Posteriormente os japoneses pediram que os galeões portugueses retirassem a sua artilharia para terra à semelhança do que era o costume seguido pelas embarcações estrangeiras naquele porto.
Neste cenário, e tendo o embaixador português percebido a verdadeira intenção subjacente ao pedido, e sem hostilidade, respondeu apenas que tal pedido não fazia sentido no caso de embarcações de guerra. Não obstante tal resposta, o mencionado pedido foi repetido mais duas vezes sempre com a mesma resposta.
Ao mesmo tempo, eram visíveis movimentações militares de tanto os japoneses e holandeses com o objectivo de apreender a embaixada portuguesa no porto e atacá-la.
Perante isto, a tripulação portuguesa sugeriu ao embaixador que rompesse as fortificações que os japoneses contruíam à volta do porto e retornasse a Portugal, contudo este recusou afirmando que apenas retornaria após obter uma resposta do imperador.
Esta atitude de persistência parece ter causado nos japoneses um misto de temor e admiração pois apesar de a embaixada portuguesa não cumprir o objectivo principal foi deixada partir, pelo imperador, devido à sua firmeza e resposta correta às sucessivas armadilhas nipónicas.
Disto reza assim a história que mais uma vez Portugal esteva à altura de um grande desafio mesmo que este não se tratasse de um combate tradicional.
Imagem: Detalhe da obra “ Barbarians from the south” de Kano Naizen (1570-1616), que representa uma embarcação portuguesa.
Like

Comment

casas que levitam

Far Out
May be an image of outdoors
Planet Japan 🇯🇵
Japan is working on developing a special technology that allows homes to rise above ground enough to protect the home in case of earthquakes!
Terry Portugal Costa, Ricardo Pinto DeCastro ECésar and 2 others
1 comment
Like

Comment
Share

Ishi-no-Hoden: Japan’s Colossal Floating “Anti-epidemic” Megalith | Ancient Origins

Ishi-no-Hoden is one of Japan’s most mysterious and bewildering monuments, a gigantic stone structure in the shape of an old tube TV almost 6 meters (20 ft) high and 500 tons (560 US tons) in weight

Source: Ishi-no-Hoden: Japan’s Colossal Floating “Anti-epidemic” Megalith | Ancient Origins