indonésia a regredir para a idade média

A tragédia continua.
Agora com violações dos direitos humanos cometidas por mulheres, talvez para não as acusarem de “Masculinidade Tóxica”…
As culturas são todas iguais?

‘Have no mercy for those who violate God’s law’, police chief says

Paquistão a lei da sharia à força

Não, as culturas não são todas equivalentes. Não, as culturas não são estáticas e as tradições não são eternas. Sim, as culturas evoluem ou, às vezes, regridem. Sim, os Direitos Humanos são uma grande conquista civilizacional da Humanidade e devem ser universais. Não, dizer que os Direitos Humanos devem ser universais não é “imperialismo cultural”.

«O Supremo Tribunal de Karachi, no Paquistão, aplicou a lei islâmica, ignorando a lei nacional, para validar o casamento forçado de uma cristã de 14 anos que foi raptada e forçada a converter-se ao Islão.

A família de Huma Younus interpôs uma ação em tribunal alegando que a sua filha era menor e que por isso não podia casar, tentando dessa forma obter a sua libertação. Os raptores, contudo, apresentaram um documento assinado pela rapariga a dizer que era maior de idade.

Perante a dúvida o tribunal mandou Huma comparecer em tribunal para depor, dando esperança à sua família e a toda a comunidade cristã de que finalmente o sistema judiciário pudesse estar a mudar e que defenderia os direitos dos cristãos, nomeadamente das jovens que são raptadas e forçadas a converter-se e casar com muçulmanos.

Essas esperanças foram, contudo, descartadas quando o tribunal declarou que o facto de Huma já ter tido um ciclo menstrual significa que pode casar, fazendo assim tábua rasa da própria lei nacional que proíbe o casamento de mulheres menores de 18 anos.

“Esperávamos que com este caso a lei fosse aplicada pela primeira vez, mas claramente no Paquistão estas leis apenas são formuladas e aprovadas para dar crédito ao país aos olhos da comunidade internacional, para pedir fundos para desenvolvimento e conseguir livre acesso aos mercados europeus para produtos paquistaneses”, lamentou o advogado Tabassum Yousaf, em declarações citadas pela fundação Ajuda à Igreja que Sofre.

A família e a equipa jurídica de Huma desconfiam ainda de cumplicidade entre o agente da polícia responsável pelo caso e o raptor, conhecido como Jabbar. Questionado sobre o facto de Huma não ter comparecido para a audição, o agente Akhtar Hussain limitou-se a dizer que ela tinha sido notificada. Apesar da sua incapacidade de cumprir as ordens do tribunal, os juízes mandaram o mesmo agente assegurar que fosse feito um exame médico à jovem, para comprovar a sua idade. Segundo o advogado Tabassum Yousaf, contudo, “É evidente que estando Hussain encarregue existe uma alta probabilidade de os resultados serem falseados. Mas ainda temos esperança de poder provar que a rapariga é menor e assim conseguir que ela seja entregue a um centro de acolhimento, pelo menos, para a livrar do seu raptor”.

A próxima sessão do processo será no dia 4 de março, mas, segundo a fundação Ajuda à Igreja que Sofre, que tem acompanhado de perto o caso e apoiado a família nas suas despesas jurídicas, o facto de o casamento ter sido considerado válido anula qualquer possibilidade de que Jabbar seja puindo pelos crimes de rapto e casamento forçado.

“Esta sentença envergonha o sistema judicial paquistanês. É inimaginável que a lei Sharia possa prevalecer sobre a lei nacional. Expressamos toda a nossa indignação, mas ao mesmo tempo não desistimos. Pela Huma e pelo mais de milhar de raparigas que são raptadas, violadas, convertidas à força e obrigadas a casar com o seu raptor”, diz a Alessandro Monteduro, do ramo italiano da AIS.

“Hoje aprendemos que vale tudo, porque no Paquistão até uma menina de oito ou nove anos, desde que já tenha menstruado, pode ser dada legalmente em casamento”, conclui.»

“É mais uma prova de que os cristãos não são considerados cidadãos do Paquistão”, lamenta a mãe de Huma Younus, a rapariga de 14 anos que foi raptada em outubro.

RR.SAPO.PT
“É mais uma prova de que os cristãos não são considerados cidadãos do Paquistão”, lamenta a mãe de Huma Younus, a rapariga de 14 anos que foi raptada em outubro.
“É mais uma prova de que os cristãos não são considerados cidadãos do Paquistão”, lamenta a mãe de Huma Younus, a rapariga de 14 anos que foi raptada em outubro.
Comments
  • Carlos Leitão Carreira E coragem para apelar ao boicote a tudo o que tenha origem paquistanesa? Ou pedir aos governos que imponham restrições económicas ao Paquistão? Que é do Bloco de Esquerda, das Capazes e outras supostas “feministas”…?!
  • Joao Paulo Esperanca Os alvos desse tipo de ativistas são outros…

a primitiva sharia no Aché Indonésia

No matter what Indonesian President Joko Widodo say and rights organizations that called for the end of the flogging, this remains the rule.
In Aceh, where sailing is mandatory for women, polygamy, sexual relations out of marriage or with a person of the same sex are punished. Alcohol consumption or playing is forbidden. Cinema is banned, to avoid “Non-Islamic” behavior.
In Case of transgression, it’s 10 shots for a gesture of affection in public, 40 for drinking alcohol, more than 100 in case of a homosexual relationship or with a minor.
So far, we could regularly see male executioners hitting women placed on stands in front of noisy crowds taking photos and videos with their smartphone.

Corps et visage dissimulés, canne de rotin en main, la femme avance, lève le bras puis fouette la condamnée agenouillée : c’est la dernière recrue d’une nouvelle brigade féminine chargée de flageller les femmes, de plus en plus nombreuses à être punies à Aceh en vertu de la charia. Au déb…

primitivos, animais, bestas….New Turkish law will allow men to legally rape young girls – if they marry them – Daily Star

The new bill is set to be introduced by lawmakers at the end of January. A similar one was defeated in 2016 following national and global outrage

Source: New Turkish law will allow men to legally rape young girls – if they marry them – Daily Star

ISLÃO RIDÍCULO

SecretNews

Riyad – the grand Mufti of the Saudi kingdom decided by a fatwa that the non-veiled emojis were contrary to a strict interpretation of Islam.

Riyad – Le grand mufti du royaume saoudien a décidé par une fatwa que les émojis non-voilés étaient contraires à une interprétation stricte de l’islam. Plus d’un milliard de personnes utilisent WhatsApp – mais en Arabie saoudite, un pays très conservateur, le service de messagerie vo…

O EXEMPLO DO QATAR

The country has the highest per capita income in the world. Qatar is classified by the UN as a country of very high human development and is widely regarded as the most advanced Arab state for human development. Qatar is a high-income economy, backed by the world’s third-largest natural gas reserves and oil reserves.

In early 2017, Qatar’s total population was 2.6 million: 313,000 Qatari citizens and 2.3 million expatriates. Islam is the official religion of Qatar. However, the illiteracy rate in Qatar was 3.1% for males and 4.2% for females in 2012, the lowest in the Arab-speaking world, but 86th in the world. Citizens are required to attend government-provided education from kindergarten through high school. Qatar University, founded in 1973, is the country’s oldest and largest institution of higher education.

No photo description available.
Image may contain: sky and stripes
Image may contain: cloud and sky
Comments
  • Rui Rocha Isto para dizer que independentemente da confissão religiosa, o importante é a qualidade e ética de cidadania dos dirigentes políticos!

Arabic prayer for women to speak little, be obedient and never think. It’s not A joke, this is so sad

https://www.facebook.com/mullinshhenry/videos/10220592827280464/

Henry MullinsFollow

Arabic prayer for women to speak little, be obedient and never think. It’s not A joke, this is so sad