The Eco-Apocalypse in Indonesia That No One is Talking About : Waking Times

Some are already calling this the greatest ecological catastrophe of the 21 st century so far, and the devastation to wildlife is already tremendous.

Fonte: The Eco-Apocalypse in Indonesia That No One is Talking About : Waking Times

Please follow and like us:
error

Balibo Five 40 years on | SBS News

Barely a week goes by without Tony Maniaty thinking about Balibo. Maniaty, an up-and-coming ABC journalist, travelled with a film crew to the East Timorese border town in October 1975, just as the Portuguese colony was about to be overrun by Indonesia. Shelled and shot upon by Indonesian forces, the ABC team retreated with the pro-independence Fretilin group towards the capital of Dili.

Fonte: Balibo Five 40 years on | SBS News

Please follow and like us:
error

Lamno: o povo de olhos azuis da Indonésia que descende de portugueses | Vortex Magazine

Numa pequena vila piscatória da Indonésia vive um povo de olhos azuis que descende de portugueses. Conheça o povo de Lamno e a sua história.

Fonte: Lamno: o povo de olhos azuis da Indonésia que descende de portugueses | Vortex Magazine

Please follow and like us:
error

Indonésia: uma comunidade de Flores Oriental quer aprender a Língua Portuguesa

Indonésia: uma comunidade de Flores Oriental quer aprender a Língua Portuguesa

In Lusofonia e Diversidade, O Mundo de Língua Portuguesa on 23 de Março de 2014 by ronsoar Tagged: , , ,

Da Agência Lusa
24 de fevereiro de 2014

.
A administração regional das Flores Oriental, na Indonésia, quer ensinar Língua Portuguesa às crianças, à Confraria Rainha do Rosário e ao grupo Mama Muji, que reza na “Língua de Camões” há vários séculos, no seguimento da evangelização de missionários católicos portugueses na região.

“Nós temos um grande plano. Podemos ter classes de português aqui, mas temos um problema com a falta de professores”, disse à Agência Lusa o regente das Flores Oriental, Joseph Lagadoni Herin, acrescentando que pretende cooperar com a embaixada portuguesa na Indonésia ou com as autoridades de Timor-Leste para encontrar a pessoa certa.

Assim que tiver um professor, o regente das Flores Oriental quer iniciar as aulas de modo consistente e regular. “Não nos é dificil iniciar o português aqui, porque o português tem a mesma estrutura que o indonésio. Logo, nós esperamos que as crianças, a confraria e o Mama Muji possam aprender”, salientou Joseph Lagadoni Herin.

–– Indonésios que rezam em português ––
O Mama Muji (“Louvor de Mãe”), iniciado no século XVIII, é um grupo de 125 mulheres casadas que reza em português obrigatoriamente durante a Semana Santa. Mas todos os sábados cerca de 80 elementos do grupo e outras pessoas que não fazem parte do mesmo deslocam-se à “Gereja Tuan Ma” ou Capela da Senhora Mãe para rezar o rosário na “Língua de Camões”.

O Mama Muji faz parte da Confraria Rainha do Rosário, que, segundo o seu presidente, o rei de Larantuca, D. Martinus Dias Vieira de Godinho, foi formada em 1642 e é provavelmente a mais antiga organização da Indonésia.

Mulheres e crianças de diferentes idades e até alguns homens rezam e cantam em português, por vezes intercalado com indonésio, com o auxílio de livros, onde o português aparece escrito na forma mais conveniente para os indonésios, substituindo, por exemplo, “nosso” por “noso”.

Algumas pessoas vão acendendo velas durante a reza do terço, mas no final todos se deslocam junto aos santos da igreja para oferecer velas e para beijá-los, em uma cultura onde os beijos como saudação apenas estão reservados aos familiares e amigos mais próximos.

Aos sábados de manhã, depois da oração das mulheres, é tempo de os homens também o fazerem, igualmente na Capela da Senhora Mãe, embora o número de participantes seja menor, rondando as duas dezenas.

–– Preces em português aprendidas oralmente ––
O rei de Larantuca, que apenas governa durante a Semana Santa – dado que o papel do reino foi entregue ao governo indonésio –, explica que “o Mama Muji e a Confraria rezam sempre em português por causa dos seus antecessores” e aprenderam a fazê-lo pela via oral e não através de livros.

D. Martinus Dias Vieira de Godinho acredita que será difícil envolver “as senhoras idosas” nas aulas de português, “por causa da mentalidade”, dado que “mudar os hábitos é difícil”, mas mostra-se disponível para tentar e confiante de que “as gerações mais jovens” irão participar nas aulas.

–– Palavras portuguesas no indonésio de Flores ––
Clara Kung tem 50 anos, aprendeu a rezar na Língua Portuguesa através da mãe e da avó, que “rezavam sempre em português”. Daí que hoje em dia todos os sábados se desloque à capela da Senhora Mãe, ao lado da sua casa, para “rezar pelas crianças e pela felicidade na vida”.

Clara Kung mostra-se interessada em participar nas classes de português e frisa que, apesar de no início ter sido “difícil” aprender a rezar na Língua Portuguesa, com o tempo e com a ajuda de um livro, já consegue fazê-lo sem dificuldade.

Ainda que por agora não saiba o significado das palavras em português, Clara Kung consegue identificar o nome da oração e, logo, perceber o que está a pedir a Deus.

Há centenas de palavras em indonésio derivadas do português, como bola, boneka, keju, sekolah,mas nas regiões de Flores Oriental e Sica os vestígios estão ainda mais presentes, não só nas orações, que também acontecem na regência de Sica, mas também nas palavras usadas no quotidiano, como por exemplo os dias da semana.

Os portugueses foram os primeiros europeus a chegar à Indonésia, em 1512, na mira de especiarias e, embora não tenham colonizado o país, procederam a uma forte evangelização católica até 1859, ano em que assinaram um tratado com a Holanda.  :::

.
–– Extraído da Agência Lusa ––

Please follow and like us:
error