açores maio 2020 causa mortis

citarei agora Zack Magiezi:

“Causa mortis: traumatismo craniano. Fruto de mergulho profundo em pessoas rasas.”

 

 

Estamos a falar evidentemente do bom povo português. A “raça abjeta” congenitamente incapaz de que falava (esse eterno frustrado) Oliveira Martins e que aqui poderia ter escrito:

Um povo cretinizado, obtuso, que se arrasta subjugado, sem lamúrias, a não ser à mesa do café enquanto vê o futebol pois a crise não lhe permite ter TV Sport em casa, sem um lamento, sem um gesto de rebeldia, tão pouco de raiva, nem que seja surda e muito menos de revolta. Um povo que se deixa levar, indiferente e passivo, por políticos sem escrúpulos, mentirosos congenitamente compulsivos, e por múmias silentes, em estado adiantado de decomposição mental, rodeadas de pompa e circunstância e dezenas de servis conselheiros pagos a preço de outro para bajularem. Afinal, a solução dos seus problemas poderia ser bem simples, a desobediência civil que deitaria abaixo esses castelos de cartas nas nuvens . Os pobres (de espírito) alinhavam sempre com os que pareciam ter o poder e assim os legitimavam. Sempre comeram e calaram, gratos pelas migalhas, ou moedas que os senhores feudais jogavam pelas seteiras do castelo quando a turba suplicava por tais migalhas para enganar a fome. Este povo inventou a padeira de Aljubarrota, a Maria da Fonte, a Velha da Ladeira (guerras liberais, São Miguel, Açores) e outras figuras lendárias para escamotear o facto de se tratar de uma populaça perenemente amodorrada e crassa, capaz de aceitar todos os sacrifícios. Basta atentar na lenda das tripas na defesa de Portucale. Povo de chapéu na mão, espinha dobrada até beijar o chão dos senhores feudais, que sempre o espoliaram, antes de recuarem, gratos e venerandos pelas migalhas, bendizendo a generosidade dos seus donos.

Eu vivi nesse país, nesse “sítio” de que falava Eça, nessa “piolheira” a que el-rei Dom Carlos se referia (um país de bananas governado por sacanas), também fui governado por gente como o douto Conde de Abranhos “Eu, que sou o governo, fraco, mas hábil, dou aparentemente a soberania ao povo. Mas como a falta de educação o mantém na imbecilidade e o adormecimento da consciência o amolece na indiferença, faço-o exercer essa soberania em meu proveito …” Ontem como hoje. O verdadeiro esplendor de Portugal.

Please follow and like us:

leitura obrigatória JOSE ANTONIO SALCEDO, O PROPÓSITO DO PROPÓSITO

For my Portuguese friends: Recentemente escrevi um artigo para a nova revista da Porto Business School, NORTE.AR, que intitulei “O propósito do propósito”. Nesse artigo debrucei-me sobre possíveis propósitos de vida num contexto pós-pandemia. Já publiquei aqui o link da revista completa num post anterior, mas para facilitar coloco aqui o link do meu artigo. Podem fazer download e distribuir como entenderem. Críticas e comentários serão sempre bem-vindos. Obrigado.

Shared with Dropbox
DROPBOX.COM
Please follow and like us:

‘A batalha política do século será entre humanos e transumanos desumanos’, alerta Franco Berardi

Em quarentena, filósofo italiano escreve um ‘Diário da psicodeflação’ e afirma que a pandemia pode nos ajudar a sonhar o futuro não previsto por algoritmos

Source: ‘A batalha política do século será entre humanos e transumanos desumanos’, alerta Franco Berardi

Please follow and like us:

Opinion | How Will the Coronavirus Affect Workers? Look At Past Plagues For a Hint – The New York Times

The coronavirus, like other plagues before it, could shift the balance between rich and poor.

Source: Opinion | How Will the Coronavirus Affect Workers? Look At Past Plagues For a Hint – The New York Times

Please follow and like us: