politicamente correto cada vez mais ridiculo

chrys diz como se banir palavras, deitar abaixo estátuas, e outras idiotices adiantassem algo, o negro não desaparece por desaparecer a palavra, o racismo continuará com outro som
Olho negro passará a ser olho um bocado menos claro que o habitual, a nuvem negra deixará de anunciar chuva, os povos que usam o preto como cor do luto serão proibidos de o fazer…
A seita dos alucinados Politicamente Corretos está a passar por aqui.
《University students have demanded the word “black” be banned from lectures and textbooks amid claims it symbolises “negative situations”.…

See more
Students want the word 'black' banned from textbooks and lectures
telegraph.co.uk
Students want the word ‘black’ banned from textbooks and lectures
Manchester University undergraduates say using the colour as an adjective is stemmed in ‘colonial histo

Estrategizando | A ministra da Cultura lava a cara aos do sr. Ventura!? Com um tal Vitor Aguiar e Silva? Agora sabemos porque nunca receberíamos um subsidio desta ministra!

E basta recordar a serie portuguesa sobre o atentado a Salazar- a Pide/DGS ( na altura PVDE ou pevide) dominava a repressão e ponto.Na magistratura no mini

Source: Estrategizando | A ministra da Cultura lava a cara aos do sr. Ventura!? Com um tal Vitor Aguiar e Silva? Agora sabemos porque nunca receberíamos um subsidio desta ministra!

A ″miopia moral da fêmea″ e o assalto feminista ao Estado:

s Fino

and

2 others

shared a link.

A ″miopia moral da fêmea″ e o assalto feminista ao Estado: a teoria de Francisco Aguilar
DN.PT
A ″miopia moral da fêmea″ e o assalto feminista ao Estado: a teoria de Francisco Aguilar
Professor de Direito Penal da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa publicou um longo texto na revista de Direito Civil editada pela instituição, em que diz que o feminismo “é o mais criminoso regime da história” e aponta um “ódio genético” das mulheres àquele que é visto como “biol…

 

 

16 m

“A MIOPIA MORAL DA FÊMEA” – SEGUNDO AGUILAR

 

 

RAMOS HORTA, XENOFOBIA

Concordo com o Dr. Ramos Horta. E é triste ver discursos racistas e xenófobos contra imigrantes (sejam africanos, chineses, do Médio Oriente, do Sri Lanka, ou de outro sítio qualquer) em países como Portugal ou Timor-Leste, que viram e veem tantos dos seus filhos a irem para outros países à procura de uma vida melhor.

Enlighthening about the enormous contributions immigrants bring to UK economy. This is the case everywhere – Australia, USA, USA, Germany, etc. Only ultra conservative racist bufoons negate these facts, the loyalty and generosity of refugees and immigrants towards their adopted country.

‘If the UK’s new relationship with Europe involves reduced migration, this analysis suggests the tax burden on others will have to rise’

INDEPENDENT.CO.UK
‘If the UK’s new relationship with Europe involves reduced migration, this analysis suggests the tax burden on others will have to rise’

a miséria no fascismo …nunca esqueçam

Image may contain: outdoor, text that says "Alfredo Cunha"
Herminio Cerqueira

A miséria durante o fascismo de Salazar, até à Revolução do 25 de Abril de 1974. Esta foto foi tirada nesse ano, na Amadora, por Alfredo Cunha que a dedicou aos ‘jovens’ que têm saudades daquilo que não viveram. Aos direitolas nacional-populistas, saudosistas da pobreza do povo👇

a tortura da PIDE PDVE não era pouca

Para os que acham que na ditadura de Salazar não havia tortura, ou que “era pouca”. (!!)

“É com base nesse documento que Valdemar Cruz descreve as violentíssimas sessões de tortura que visavam adequar, com recurso à pancada, a realidade à estupidez da autoridade policial, inebriada pela sua força e pelo seu poder, desesperada por ver confirmada a sua fantasia, independentemente das consequências para um grupo de inocentes.

Como se sabe, veio a comprovar-se que Baleizão do Passo tinha razão e que tinham sido presas pessoas sem qualquer relação com o atentado. (…) é indubitável que o inquérito em questão deixa claro que para a PVDE não havia qualquer problema em torturar e manter prisioneiros indivíduos inocentes, preferindo, aliás, descredibilizar aqueles que punham em causa essa versão em vez de assumir o erro (p. 125). O facto de o inquérito em questão ter sido arrumado (para só voltar a ser encontrado em 1996) sem que dele tivesse saído qualquer consequência para os investigadores da PVDE que prenderam, torturaram e acusaram inocentes (cf. Pp. 173-5), é revelador da inimputabilidade absoluta da autoridade e da sua violência num regime fascista. Parte do valor desta obra está na forma como o demonstra – algo assinalável, pois, como nos recorda Manuel Loff no prefácio, mantêm-se vivos os esforços por desvalorizar a violência salazarista com o propósito de construir uma imagem branda do período do Estado Novo, como se os episódios de violência, tortura e perseguição tivessem sido a excepção mais do que a regra.”

Em Histórias Secretas do Atentado a Salazar (reedição do livro originalmente publicado em 1999, ao qual se juntam notas explicativas do autor e um útil prefácio do historiador Manuel Loff), Valdema…
ORGIALITERARIA.ORG
Em Histórias Secretas do Atentado a Salazar (reedição do livro originalmente publicado em 1999, ao qual se juntam notas explicativas do autor e um útil prefácio do historiador Manuel Loff), Valdema…
Em Histórias Secretas do Atentado a Salazar (reedição do livro originalmente publicado em 1999, ao qual se juntam notas explicativas do autor e um útil prefácio do historiador Manuel Loff), Valdema…

Comments
  • Carlos Leitão Carreira Havia pois. À semelhança do que se fazia nas percursoras e atuais CIA, MI5, DGSE, etc. Os métodos são todos idênticos. Nos anos 50, 60, 70, a tortura era metodologia científica, aceite, ensinada e partilhada através de cooperação entre estas polícias. See more
    • Shusan Liurai A PIDE foi uma ótima polícia política (na perseguição aos subversores) e um péssimo serviço de informações pois não conseguiu antecipar os perigos e neutralizá-los. O regime caiu e essa é a prova máxima da sua incompetência extrema, conclusão válida tanto para fascistas como comunistas. Trata-se de uma prova histórica e não de posicionamentos ideológicos. A raison d’État não o permite.
    View 1 more reply