Governo dos Açores define apoios culturais no total de 730 mil euros

 

O Governo dos Açores definiu hoje os critérios e o montante dos apoios a atribuir a cada agente cultural, que totalizam cerca de 730 mil euros, anunciou hoje o executivo regional.

Source: Governo dos Açores define apoios culturais no total de 730 mil euros

SANTA MARIA | Cinema pode abrir ainda este ano, diz Sofia Ribeiro. – Rádio Ilhéu

A Secretária Regional da Educação e dos Assuntos Culturais, Sofia Ribeiro, afirmou que o Atlântida Cine, em Santa Maria, pode abrir ao público ainda durante este ano.

Source: SANTA MARIA | Cinema pode abrir ainda este ano, diz Sofia Ribeiro. – Rádio Ilhéu

AÇORES, CULTURA, TEMOS DIRETOR REGIONAL FINALMENTE

Temos diretor regional…
May be an image of 1 person, beard and glasses
BEM VINDO… José Paulo Brito Ventura – Diretor Regional dos Assuntos Culturais (Governo dos Açores). Que venha para trabalhar em política cultural e na união das 9 ilhas dos Açores através do que se faz na cultura artística. Vamos em frente!
José Paulo Brito Ventura, é Licenciado em Direito pela Universidade Autónoma de Lisboa, tendo frequentado o Curso de Pós-Graduação em Direito Penal Económico e Direito do Consumo na Universidade de Coimbra.
Possui várias formações complementares na área do Direito Penal, do Direito Processual Penal, Direito Penal Económico e Direito das Sociedades Comerciais.
Advogado na área do Direito Criminal e Societário na PCB – Advogados.
Foi Advogado na Sociedade de Advogados Carvalhal & Associados. Foi Advogado Estagiário na Sociedade de Advogados Pedro Raposo & Associados.
Presidente do Conselho de Jurisdição PSD Açores.
Em Fevereiro 2021, foi nomeado para um período de três anos, para exercer funções de Presidente do Conselho Diretivo do Fundo Regional de Apoio à Coesão e ao Desenvolvimento Económico, cargo de direção superior de 2.º grau. Em Maio 2022, nomeado Diretor Regional dos Assuntos Culturais.

FORTUNAS, PROMESSAS E A CULTURA QUE NÃO TEMOS maio 20º22

CRÓNICA 452 FORTUNAS, PROMESSAS E A CULTURA QUE NÃO TEMOS maio 20º22

 

O meu vizinho de infância cresceu a comprar e vender e assim enriqueceu e dividiu a sua riqueza por entre filhos e netos. Eu, que nunca tive jeito para o negócio, cresci a escrever palavras em pedaços de papel, muitos dos quais se transformaram em livros que poucos liam e que filhos e netos não apreciavam. Sempre entendi que eram fortunas e riquezas distintas havendo a probabilidade de os escritos perdurarem no tempo, enquanto os bens materiais do meu vizinho se poderiam esfumar ou serem dilapidados por filhos e netos como vi ao longo da minha vida.

A riqueza dos povos e nações é semelhante e só aqueles que cuidam da sua história, património e legado cultural estão fadados a ter um futuro, os restantes serão um mero rodapé na história tal como os Sumérios, Gregos, Troianos, Romanos e tantos mais.

Vem isto a propósito da situação calamitosa de abandono, desprezo e desdém por entidades culturais não-governamentais, de utilidade pública e demais produtores de cultura nas suas múltiplas vertentes. Para a AICL, associação dos colóquios da lusofonia, que desde 2002 realizou 36 colóquios (dois ao ano, um fora e outro nos Açores, desde 2006) a situação só não é pior pelo modelo de quotização e de pagamento de inscrições nos nossos eventos, pois se dependêssemos do investimento governamental já teríamos fechado portas. Tudo começou com o cessante Diretor Regional e Secretária Regional que receberam, comprovadamente, por escrito, as nossas candidaturas para 2021 e depois com enorme desplante declararam não as terem recebido e portanto não seríamos elegíveis. Idêntico despautério sucedeu com apoios a fundo perdido de 2021.

Não se tratava de montantes exorbitantes, até porque os apoios aos colóquios raramente excedem mil euros !!!! que nos permite pagar a deslocação e estadia a um autor de fora da região e nada mais. Trata-se do ato em si, repulsivo, castigador talvez por sermos críticos de uma região onde a cultura é tratada como um dano colateral da governação.

Nada disto seria importante se não tivéssemos programado para 2022, ano em que celebramos 20 anos de colóquios, um enorme evento em outubro, em Ponta Delgada com mais de 50 autores açorianos presentes e pela primeira vez necessitávamos de um apoio condigno. Sabemos pela comunicação social que os apoios deste ano (que já vai quase a meio, e se deveriam ter tornado públicos em janeiro) que nem apoios, nem comissão de análise dos mesmos, nem data prevista seja para o que for. nem tampouco foi nomeado um novo diretor na nova Direção de Assuntos Culturais no seio da Secretaria da EDUCAÇÃO.

Ótimo cartão de visita para quem quer Ponta Delgada como capital da Cultura 2027…relembro as palavras sinceras do Presidente do Governo Regional na cerimónia de abertura do 34º colóquio junho 2021 em Ponta Delgada, onde pela primeira vez esteve presente um Presidente do GRA), o Dr José Manuel Bolieiro salientou o “mundo sem geografia” que é a Lusofonia..O Governo dos Açores, prosseguiu, “estará ao lado” da AICL para “todas as realizações de futuro”, asseverou ainda o Presidente do Governo. Iniciativas como esta “valem pela qualidade que representam” na literatura e também na “identidade lusófona”, até porque “transportam para o presente todo o legado poético” e “inspiram novas gerações a darem valor e a conheceram aqueles que deram raiz à Açorianidade, Portugalidade e Lusofonia”. José Manuel Bolieiro elogiou ainda a “resiliência” da AICL, presidida por Chrys Chrystello, elogiando ainda a “simbólica data” de arranque do colóquio deste ano e o “inspirador lugar” do mesmo: o Centro de Estudos Natália Correia, na Fajã de Baixo.

Perguntarei, parafraseando Drummond de Andrade “E agora, José?”

 

 

 

Chrys Chrystello, [email protected]

Jornalista, Membro Honorário Vitalício nº 297713

[Australian Journalists’ Association – MEEA]

Diário dos Açores (desde 2018)

Diário de Trás-os-Montes (desde 2005)

Tribuna das Ilhas (desde 2019)

Jornal LusoPress Québec, Canadá (desde 2020)

Jornal do Pico (desde 2021)

 

 

PS/Açores acusa Governo Regional de “insensibilidade” com agentes culturais – Jornal Açores 9

Os deputados do PS/Açores no parlamento açoriano acusaram hoje o Governo Regional de coligação PSD/CDS-PP/PPM de “insensibilidade” em relação aos agentes culturais, que vivem num “cenário de incerteza”. “O grupo parlamentar do PS tem vindo a reunir-se com agentes culturais de todas as ilhas e, infelizmente, tem vindo a constatar que o setor da cultura […]

Source: PS/Açores acusa Governo Regional de “insensibilidade” com agentes culturais – Jornal Açores 9