a sonhar com justiça

【A CAUSA DAS COISAS】
Está escrito preto no branco: o Ministério Público defende um confisco de 3,3 mil milhões de euros às empresas concessionárias e subconcessionárias de 10 PPP rodoviárias e também aos seus administradores que assinaram contratos com o Estado. Entre eles está Gonçalo Moura Martins, atual presidente executivo da Mota-Engil, a maior construtora em Portugal. Em causa estão renegociações feitas em prejuízo do Estado e em violação dos códigos de contratação pública.
Como termo de comparação, 3,3 mil milhões de euros é aproximadamente o dinheiro que o Estado pretende injetar no resgate da TAP. E é quase tanto quanto o Estado injetou no Novo Banco entre 2018 e 2021. Mais: se o confisco vier a ser efetivado pelos tribunais, é suficiente para poder fazer “falir” as concessões das estradas.
O nome mais presente no processo é o de Gonçalo Moura Martins, hoje presidente executivo da Mota-Engil, a maior e mais poderosa construtora em Portugal. Moura Martins assinou cinco contratos por outras tantas concessões negociadas com a Ascendi (então liderada pela Mota e pelo Grupo Espírito Santo), de que resultou um benefício para a empresa (e um prejuízo para o Estado) acima de mil milhões de euros, descreve a acusação.
Já quanto subconcessões, também elas cinco, há outras tantas empresa e administradores identificados no processo: Rui Pereira de Sousa, Manuel Rodrigues de Castro, José Sousa Revés, Rui Mesquita da Cunha e José Custódio dos Santos. Foram eles que assinaram contratos que, segundo a acusação, lesaram o Estado em mais 2,3 mil milhões de euros.
A tabela anexa sintetiza as concessões, as empresas, os administradores e o benefício económico em causa, tal como identificados no processo judicial:
A Ascendi Norte, Auto-Estradas do Norte, S.A é pedida a devolução de 595.783.800 euros e à Ascendi Grande Lisboa, Auto Estradas da Grande Lisboa, S.A é solicitado o confisco de o 185 milhões de euros.
Já em relação às outras três concessões, em causa estão valores que o MP considera que foram atribuídos indevidamente às concessionárias aquando da renegociação do contrato. E assim cada uma delas corre o risco de ter de devolver esse valor apurado: a Ascendi Costa de Prata, Auto Estradas da Costa de Prata, S.A. 40,7 milhões de euros; a Ascendi Grande Porto, Auto Estradas do Grande Porto, S.A. 78 milhões de euros e a Ascendi Beiras Litoral e Alta, Auto Estradas das Beiras Litoral e Alta, S.A. 115,7 milhões de euros.
fonte: CNNPortugal
Notícia completa aqui:
No photo description available.
Artur Arêde and 2 others
1 share
Like

 

Comment
Share
0 comments

the joker

Joe Berardo avançou com uma ação em tribunal contra o Millenium BCP, a Caixa Geral de Depósitos, o BES e o seu sucessor, Novo Banco. O empresário acusa estas instituições financeiras de terem lesado a Fundação Berardo e a gestora Metalgest.
Ação contra bancos. Berardo pede indemnização de 900 milhões de euros
RTP.PT
Ação contra bancos. Berardo pede indemnização de 900 milhões de euros

tachos e panelas

Os elegíveis… já agora além da Susete Amaro, o Bastos e Silva, o Mota Borges, quiçá até o padre!
May be an image of text
Ricardo Branco Cepeda, Sonia Borges de Sousa and 8 others
7 comments
Like

Comment
Share

7 comments

All comments

  • Luís Silva Melo

    Já agora poderiam alterar o nome da empresa, que nunca deveria ter sido mudado: AÇORLINE (Açores) e não Atlânticoline: até parece que os Açores são referência no Atlântico (Madeira, Cabo Verde, S. Tome, ilhas britânicas, etc.) que tristeza de políticos…

    See more
    5
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 3 h
  • José Malagueta da Terra

    Temos dança de cadeiras. Caem sempre de pé. Perder os “tachos” é que não! Paga Zé.
    3
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 3 h
  • António Pimenta Leal

    É um fartote!!!
    2
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 2 h
  • Luis Sacadura

    A secretária demitida por incompetência, tem competência para presidente de um Conselho de administração.
    É cada uma.
    2
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 2 h
  • Graça Menezes

    Bom, tanta propaganda em encurtar o governo, mas lá se arranja uns lugares para os despedidos
    Esta, de um lugar digno é de tirar o chapéu, então o lugar que ocupava antes de entrar para o governo não é digno ou será que está também a precaver-se futura…

    See more
    2
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 2 h
    • Edited
  • Boanerges Vieira

    Era fazer como fizeram aos frades um barco sem leme sempre em frente e fundo com eles
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 1 h
  • Célio Teves

    Direitos adquiridos dos governantes dos Açores? É isso? Palhaçada com dinheiros públicos, é isso?
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 1 h

PJ detém funcionários de limpeza no Aeroporto de Lisboa associados ao narcotráfico – Açoriano Oriental

A Polícia Judiciária (PJ) deteve dois trabalhadores da limpeza no Aeroporto de Lisboa suspeitos de retirarem de aviões malas de viagem carregadas de droga, tratando-as como se fosse lixo, para escaparem aos habituais circuitos de controlo.

Source: PJ detém funcionários de limpeza no Aeroporto de Lisboa associados ao narcotráfico – Açoriano Oriental