só para gente sem medo

Inaugura hoje em Canela a maior plataforma de vidro do mundo.
SkyGlass no Parque da Ferradura. São 360 metros de altura, que você pode ir por cima, na passarela de vidro, ou nas cadeiras no monotrilho por baixo, chamado Abusado
Os valores:
Acesso ao Parque: R$ 40,00
Parque + Plataforma: R$ 90,00
Parque + Abusado: R$ 120,00
Parque + Plataforma + Abusado: R$ 170,00
Like

Comment
Share

Amazonia pinturas rupestres

Favourites 1etSpoti0nmsoreddh
Chiribiquete: Amazônia abriga a "Capela Sistina" da pintura rupestre
HISTORY.UOL.COM.BR
Chiribiquete: Amazônia abriga a “Capela Sistina” da pintura rupestre
Uma localidade no sul da Colômbia abriga algumas das pinturas rupestres mais impressionantes do mundo. Chiribiquete é conhecida entre os arqueólogos latino-americanos como a “Capela Sistina” da Amazônia. Esse parque nacional foi declarado patrimônio cultural e biológico da humanidade pela UNES…
You, Eunice Brito and 29 others
4 shares
Like

Comment
Share

Bolsonaro decretou guerra aos EUA

Inominável
[Álvaro Gribel – voz e violão]
0:00 / 1:41
Artur Arêde and 3 others
1 comment
3 shares
Like

 

Comment
Share
Comments
  • «Bolsonaro declarou guerra aos Estados Unidos. Os americanos fizeram as contas e concluíram que ela levaria cinco segundos, talvez menos.
    (….)
    Não sei se sabem, mas há duas semanas o Brasil declarou guerra aos Estados Unidos. E, se não sabem, isso não constitui desdouro, porque nós, brasileiros, também só ficámos sabendo pela televisão.
    Na verdade, foi só uma declaração individual de guerra por nosso demente presidente Jair Bolsonaro. Inconformado com a vitória de Joe Biden sobre seu herói e fixação sexual Donald Trump nas eleições à presidência do país até então amigo, ele ressuscitou uma frase de Biden sobre a Amazónia para mostrar que, com ele, Bolsonaro, os americanos que pensassem duas vezes antes de vir se meter nos nossos negócios.
    Biden dissera que, se o Brasil não parasse de incendiar a Amazónia, sofreria sanções económicas. Bolsonaro esbravejou que ameaças verbais como aquela eram simples gasto de saliva – o que ele queria ver era a pólvora.
    Ao ouvir isto pelo noticiário, nós, paisanos, perfilamo-nos imediatamente, batemos os calcanhares e nos preparamos para marchar assim que viesse a convocação. Como desde a Segunda Guerra, há 80 anos o Brasil não vive um conflito internacional, nossos arcabuzes, bestas e mosquetões devem estar meio enferrujados, mas o que se há de fazer se a pátria exige? Veja os nossos próprios generais. Apesar de desfilarem nas datas cívicas com o peito ornado de fitas e chapinhas, nenhum deles comandou nada mais importante que uma mesa. E, se eles estavam dispostos a ir para a frente de batalha – afinal, seu comandante supremo Jair Bolsonaro assim ordenara -, o que nos restava fazer senão encher nossos cantis e segui-los?
    Bolsonaro é assim mesmo, impulsivo. Diz as coisas mais absurdas sabendo que, no Brasil, nada tem consequência. Nossos amigos portugueses, que têm mais a fazer do que acompanhar a comédia brasileira, ignoram que não se passa um dia em que Bolsonaro não agrida a gramática, o bom senso, as instituições, a educação, a cultura, a saúde, os direitos humanos e a própria vida. E, por incrível que pareça, isso não é tudo – sua principal vítima é a verdade. Bolsonaro está promovendo a mentira à condição de arte, e essa declaração de guerra foi das mais elaboradas.
    (…)
    Mas Bolsonaro tem suas razões para se meter a valente. Antes de ser o pior presidente dos 131 anos da República brasileira, ele passou 30 anos como um deputado de quem nunca se ouviu um pio na Câmara dos Representantes, exceto para engordar seu património imobiliário e o de sua família. E, antes disso, Bolsonaro teve uma medíocre carreira militar, da qual foi exonerado a bem do serviço como tenente e, ao devolver a farda, promovido burocraticamente a capitão.
    Ou seja, embora se diga ex-capitão, não foi capitão nem por um minuto. E como no ativo deve ter levado inúmeros carões por alguma corneta que tocou errado ou cavalo que deixou de lavar, vinga-se dos atuais generais nomeando-os ministros e, em seguida, desautorizando-os, demitindo-os, humilhando-os, reduzindo-os a recrutas e obrigando-os a engolir as ofensas que ele lhes dispara.
    Os analistas já estão atentos a isso. Temos na presidência um cabeça-de-papel que declara guerras e dá ordens de marcha-soldado a homens que trocaram o mandar por obedecer – e logo a quem.»
    [Ruiy Castro, “Diário de Notícias”, 21/11]
    O valente demente
    DN.PT
    O valente demente

Carlos FinoPORTUGAL-BRASIL – RAÍZES DO ESTRANHAMENTO

th2fS1ponsomremmd

PORTUGAL-BRASIL – RAÍZES DO ESTRANHAMENTO
“Andávamos sem nos procurar, mas sabendo sempre
que andávamos para nos encontrar.”
Julio Cortázar
Entreguei ontem, finalmente, à minha editora, a versão revista da tese sobre as relações Portugal-Brasil que defendi o ano passado na UMinho, em Braga.
Foram largos meses de um aturado trabalho a conferir referências, recompor e até reescrever alguns capítulos. Um trabalho que vai agora prosseguir com os editores para arrumação, formatação final do texto e escolha das ilustrações.
O livro deverá ser lançado em Portugal e no Brasil nos primeiros meses do próximo ano.
Espero deixar um contributo, ainda que modesto, para melhor se entender – e ajudar eventualmente a minorar – o estranho estranhamento que no meu entender marca o relacionamento mais profundo entre os dois países.
A todos quantos, a certa altura, me encorajaram a prosseguir e muito em particular àqueles a quem pedi sugestões de editoras e me ajudaram a desbravar o caminho, aqui fica o meu público obrigado.
Image may contain: one or more people
You, Eunice Brito and 20 others
5 comments
Like

Comment
Share
Comments
Most relevant

View 4 more comments