AÇORES VAI COMPRAR VACINAS DEPOIS DA NEGA DO MNE

O governo açoreano vai comprar vacinas contra a covid ao mercado.
Uma opção assumida depois de o ministro dos Negócios Estrangeiros fechar portas à proposta açoreana de pedir aos Estados Unidos vacinas para a região.
Augusto Santos Silva só admite a hipótese se acordada no quadro de negociação da União Europeia.
No entender do vice-presidente do Governo Regional, Artur Lima, esta recusa do governo da república legitima a região a comprar vacinas por conta própria.
Açores. MNE vê compra de vacinas no mercado como "responsabilidade regional"
RTP.PT
Açores. MNE vê compra de vacinas no mercado como “responsabilidade regional”
O governo açoreano vai comprar vacinas contra a covid ao mercado.
Pierre Sousa Lima, Fátima Silva and 17 others
12 comments
Like

Comment
Share

Comments

View 3 more comments
All comments

  • Este atoleimado, nunca aprova nada dos Açores
    4
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 9 h
    1 reply
  • Acho muito bem contatar diretamente
    Existe autonomia, não?
    👏🇵🇹👏🇺🇸👏
    2
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 6 h
    • Edited
    1 reply
  • Se as vacinas forem certificadas pela EMA e pelo INFARMED. As vacinas são distribuías conforme à população pelo país todo. Todos somos iguais.
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 2 h
  • Este Santos Silva não gosta de nós Açorianos!
    2
    • Like

    • Reply
    • Share
    • 7 m

PAULO SIMÕES VENTOS UIVANTES

May be an image of 1 person and beard
EDITORIAL
Ventos uivantes
As ilhas portuguesas do Atlântico Norte são de meteorologia e humor imprevisíveis e, por ser assim, os ilhéus sabem que nos Açores e na Madeira manda a lei universal da Natureza. Nem mesmo o simpático e selfie-Marcelo, no seu fato presidencial, escapa aos ventos uivantes das ilhas e a viagem marcada para sexta-feira às regiões Autónomas teve que ser adiada porque o vento madeirense não quis nada com o Presidente da República – talvez um sinal dos Deuses de que a Madeira, tal como os Açores, começa a ficar saturada de uma República que por detrás de um sorriso afável esconde um cinismo genético para com estas ilhas que a custo toleram.
Os Açores e a Madeira são um mal necessário para um país que quer ter uma das maiores Zonas Económicas Exclusivas do mundo, que quer encher o peito com um mar quase-infinito que lhe garante lugar nas principais mesas negociais internacionais. Lisboa vai tolerando as ilhas porque somos uma espécie de “visto gold” para a roda dos grandes. Os mais de duzentos deputados da Assembleia Legislativa, as dezenas de governantes e figurantes do Estado sabem lá o quanto custa viver rodeado de mar e sujeitos aos caprichos da natureza. Sabem lá o que é viver no Corvo, na Graciosa ou mesmo em São Miguel e Terceira. Mas, contudo, são eles que decidem; são eles que mandam; é deles a Constituição. São eles que destinam 2 por centos das vacinas para as ilhas-adjacentes e 5 por cento para os PALOP. Complexo de culpa do Grande Conquistador agora reduzido à sua insignificância geopolítica?
A vinda do Presidente da República para dar posse ao Representante da dita é um bom ponto de partida para que nos revoltemos contra quem nos coarta a liberdade a troco de umas benesses que julgam suficientes para nos manter mansos. Desenganem-se que nestas terras-de-mar habitam bravos que chegada a hora exigirão mais da República. Esta é a altura certa para redefinirmos as regras de um jogo com o tabuleiro sempre inclinado para o lado continental, mesmo quando são as ilhas que conferem dimensão mundial a um país pequenino, entalado entre o grande oceano e a gigante Espanha.
A geopolítica está a mudar e os Açores vão estar de novo no centro do mapa onde se irá disputar o futuro da Europa. Aguardemos , tal como Ulisses, pelos ventos uivantes que se avizinham.
(Paulo Simões)
in, Açoriano Oriental, 07 de Março / 2021
5
1 comment
Like

Comment
Share

TRUMP OFERECE O SAARÁ OCIDENTAL A MARROCOS

Favourites 7 m
TRUMP DÁ PRESENTE DE DESPEDIDA A MARROCOS
SAARA OCIDENTAL EM TROCA DE RELAÇÕES COM ISRAEL
Trump’s parting gift to Morocco
Washinton Post
David T. Fischer, the U.S. ambassador to Morocco, standing before a State Department-authorized map of the country recognizing the internationally disputed Western Sahara, in Rabat, Morocco’s capital, on Dec. 12. (AFP/Getty Images)
“Morocco recognized the United States in 1777,” President Trump tweeted Thursday, invoking a letter circulated by the then-sultan allowing then-rebel Americans “free entry in his ports,” an edict that is sometimes seen as the first act of formal recognition of the United States.
The appeal to history was the prelude to a proclamation. “It is thus fitting,” Trump wrote, “we recognize their sovereignty over the Western Sahara.”
In a series of tweets, he announced that Morocco had joined the growing list of predominantly Arab countries to establish open diplomatic relations with Israel, and in return, it appeared, the United States would formally recognize Morocco’s claims over the disputed Western Sahara region, becoming the only major world power to do so.
Whatever the centuries-old provenance of the U.S.-Morocco relationship, Trump couldn’t obscure modern cynicism over the transaction his government had engineered.
The Trump administration has prioritized strengthening Israel’s diplomatic position in the Middle East, helping burnish right-wing Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu’s credentials as a regional statesman.
For years, Morocco’s ruling monarchy maintained friendly yet covert ties with Israel, and Israeli passport holders are already able to obtain visas on arrival in Morocco. Yet the kingdom’s leadership needed a popular national victory, such as U.S. recognition of its Western Sahara claims, to assuage public opinion, which remains opposed to full normalization with Israel.
Morocco annexed Western Sahara, a former Spanish colony, in 1975. That sparked a bloody conflict, which left tens of thousands of refugees stranded in desert camps. A United Nations-brokered agreement in 1991 led to an uneasy truce.
Some 38 nations recognize or maintain diplomatic ties with the Sahrawi Democratic Arab Republic, while Morocco’s neighbor Algeria backs and hosts the government-in-exile of the Polisario Front, the armed separatist movement fighting for Western Sahara’s independence.
Even though the United States supported Morocco’s military at the height of hostilities with the then-Soviet-backed Polisario Front, it along with the bulk of the international community maintained a position of neutrality on both sides’ political claims.
That is, until last week. The timing of Trump’s intervention is conspicuous. “Last month, the rebels ended a 29-year-old cease-fire and declared a state of war after they accused Morocco of launching military operations in a buffer zone in the Western Sahara,” wrote my colleague Sudarsan Raghavan. “Morocco said it acted because the rebels were allegedly stopping people and goods, and harassing U.N. peacekeeping troops, which the United Nations later denied.”
It’s unclear to what extent Trump can tip the scales of the current conflict. “What this does is it adds a major world power in support of Morocco’s claims, which is something that Morocco has lacked until now,” said Samia Errazzouki, a former Moroccan journalist and current doctoral candidate who closely tracks the Western Sahara issue, to Raghavan. She added that full American backing of Morocco’s claims complicates hopes for a referendum in the region on its status, as mandated by U.N. Security Council resolutions.
“Without a referendum, it’s going to have an impact on what future steps the Polisario Front and the refugees will take,” Errazzouki said. “And as we have seen in the past few months, war is not off the table.”
There’s no indication yet that other governments will duplicate Trump’s decision. Polisario officials condemned the move, while a statement from the Algerian foreign ministry said it “has no legal effect,” contradicts existing U.N. resolutions about the conflict and “would undermine” international efforts toward producing a “real political process.”
Trump, who is set to leave office next month, may simply be adding to the fires President-elect Joe Biden will try to put out. The declaration “puts the incoming administration … in a bind. Biden could face pressure from members of his own party and foreign allies to walk back U.S. recognition of Morocco’s control over Western Sahara,” noted the Wall Street Journal. “But any reversal of Mr. Trump’s declaration would create friction with both Morocco and Israel, adding to a long list of foreign policy problems Biden must tackle.”
While leaders in Morocco and Israel may hail diplomatic victories, Trump yet again exercised his power to make a determination about land far from the United States in whose inhabitants’ concerns Trump had little to no interest.
“Once again, Trump cedes territory (an executive action on his part without any debate in Congress) which he does not own without even a discussion with, let along an agreement from, the Sahrawi people who have fought long and hard for self-determination,” wrote Nabeel Khoury, a nonresident senior fellow at the Atlantic Council, referring to Trump’s controversial adjudications over the status of territories contested by Israelis and Palestinians. “Trump has once again disregarded three decades of US and UN diplomacy that sought via referendum and consultation to come to a peaceful resolution of the Western Sahara dispute.”
Some Palestinians and Sahrawis have found growing solidarity in a joint sense of abandonment. “Trump’s announcement will strengthen the bonds of solidarity between the Sahrawis and the Palestinians, who were deceived by the fake Moroccan support for the Palestinian cause,” Nazha el-Khalidi, a Sahrawi activist, told the Middle East Eye.
Ibtihaml Alaloul, a Sweden-based Palestinian activist, told the same website that Morocco’s overtures to Israel ought to disabuse Palestinians of whatever support they believe they have from other Arab nations. It also, in her view, highlights the link between the Palestinian and Sahrawi plight. “If not Palestinians, then who are the main nation who should understand this situation?” she asked.
Image may contain: 1 person, suit
4
1 share
Like

Comment
Share

açores, um submarino e o separatismo despertado

* HISTÓRIA POSTAL AÇORIANA
** Como um submarino acordou o separatismo
O ataque de um submarino alemão à Base Naval de Ponta Delgada, criada em 1917 pelos Estados Unidos, no contexto da I Guerra Mundial, despertou desejos separatistas, revelou, quinta-feira, Álvaro Monjardino, numa conferência na Biblioteca de Angra do Heroísmo.
A ilha foi apanhada de surpresa pelo ataque, que aconteceu a quatro de julho de 1917. A resposta das baterias de costa portuguesas foi um “desastre” e a salvação veio pelo navio americano U.S.S. Orion, que estava no porto para reparações. A população de Ponta Delgada sentiu-se desprotegida, abandonada pelo Governo Português.
“Isto causou uma impressão tremenda em São Miguel, mormente na cidade de Ponta Delgada. Pensaram: Se não fosse esta gente, estávamos aqui à mercê… Deu-se uma coisa complicada. Os jornais começaram, embora com uma certa discrição, porque havia censura, a afirmar que o que nos valia eram os americanos”, explicou, na conferência inserida no ciclo “100 Anos da Primeira Guerra Mundial”, promovido pela direção regional da Cultura, através da Biblioteca de Angra.
A intenção de uns Açores independentes tinha já surgido no século XIX, com contornos mais teóricos. O submarino alemão acordou-os. “Isto teve eco nas comunidades emigradas nos Estados Unidos. Começaram a aparecer lá, nos jornais, referências segundo as quais o que os Açores tinham de fazer era separar-se de Portugal e passar-se para os americanos”, assinalou o advogado, primeiro presidente da Assembleia Regional.
Dali a uns meses, chegou a Ponta Delgada um almirante americano, OwarDunn, que, de alguma maneira, acalentou estes desejos. Já em 1918, passou em São Miguel um então jovem subsecretário da Marinha, chamado Franklin D. Roosevelt.
Uma carta de 1979, enviada a Álvaro Monjardino por um ex-membro da Casa dos Açores do Rio de Janeiro, relatava as memórias de um antigo chanceler brasileiro, Osvaldo Aranha. “Osvaldo Aranha contou que o presidente Roosevelt lhe tinha dito que, aquando da guerra de 1914, tinha, na sua qualidade de subsecretário da Marinha, passado nos Açores, sendo-lhe solicitada uma entrevista com uma proeminente figura da política açoriana, que pretendera recusar, sendo convencido do contrário pelo almirante Dunn”, revelou Monjardino. “Esse político explicou a Roosevelt que os açorianos, sentindo-se sobrecarregados pelo poder central, pretendiam separar-se de Portugal”, acrescentou. Roosevelt recusou a ideia.
O Dr. Álvaro Monjardino acredita que o político pudesse ser José Bruno Tavares Carreiro, até pela proximidade ao almirante Dunn.
Artigo publicado no Diário Insular a 22-NOV-2014
12
Like

Comment
Comments

José Soares A Terceira Autonomia

Peixe do meu quintal José Soares

 

 

A Terceira Autonomia

 

 

Espartilhada, com fortíssimas limitações e condicionalismos, algemada com a corrente constitucional controladora de medos infundados, a Autonomia açoriana irá começar o terceiro período político da sua existência.

Cerca de vinte anos com o Partido Social Democrata de Mota Amaral, passando para os vinte e quatro anos do Partido Socialista de Carlos César, ela vira-se agora ao PSD de José Manuel Bolieiro, no triunvirato açoriano PSD-CDS-PPM, acompanhados por aconchego parlamentar dos Liberais e do Chega.

Com as esperanças renovadas, o povo espera muito da nova chefia democrática que escolheu.

Se na Primeira Autonomia assistimos ao seu nascer e à sua infância, por vezes conturbada por sismos e abalos a que Mota Amaral, sem dinheiros da Europa se teve de confrontar – alguém se lembra do 1º de janeiro de 1980? – com tudo que havia na nova Era que abril trouxera, esta mesma Autonomia, com a idade de vinte anos decidiu sair de casa dos pais e ir à sua vida. Assim foi pela mão de Carlos César, que a desenvolveu e criou nela uma maturidade consciente, adulta e pensante.

Agora, essa Autonomia, ciente que já aprendeu o suficiente para saber o que faz, deixa o tutor de vinte e quatro anos e resolve entrar na grande aventura do desconhecido, com multiparceiros de diferentes ideias e opiniões, que certamente lhe irão continuar a desenvolver o seu grau autonómico num conceito de liberdade, democracia e progresso.

A escolha não foi fácil. Ela sentia-se bem com o regime de César, mas… outros lhe abanaram as ideias e fizeram-lhe crer que havia mundo para além do PS. E havia.

O triunvirato que vai governar os Açores, é o laboratório político que Lisboa espreita e espera, como quem, ansioso e plantado à porta da oficina, olha os cientistas a desenvolverem a vacina política que daqui sairá.

É agora uma Autonomia mais adulta, aquela que olha o seu futuro. Não teme ter escolhido vários componentes ideológicos para governar-lhe os destinos.

Dos Açores saem historicamente as soluções que o retângulo ibérico sempre buscou. E por isso a polémica está em brasa entre os sabichões do país, que agora comentam à esquerda e à direita, o quão amargo é bebermos o próprio veneno. É pior que fel.

Mas se essa Autonomia chegou até aqui, embora limitada, fraca, contorcida e controlada pelo dono colonialista, ela só foi capaz disso porque todos os que a acompanharam, lhe dedicaram trabalho e boa vontade. Com erros, certamente, ou não fôramos humanos! Mas o esforço de a fazer crescer, no meio de tantos adversários e até inimigos da sua existência, compensou inteiramente o olharmos para ela e pensar que valeu a pena. Podia ter sido melhor? Talvez. Mas na mesma proporção, poderia ter sido pior. Seja como for chegamos até aqui.

Já fizemos melhor do que a nossa querida América açoriana, comandada nos últimos quatro anos por um louco excêntrico, perigoso irresponsável, narcisista drogado, que perdendo eleições nega reconhecê-lo até à última.

A transição de poder nos Açores já começou. Os líderes reuniram, de ambos os lados, para que tudo corra normalmente. Assim manda Nossa Senhora Democracia.

Bem sabemos que as máquinas trituradoras de papel sobreaquecem nos vários departamentos públicos. Bem sabemos que concursos à última hora acontecem. O afã é enorme e as preocupações ainda maiores. Em tempos difíceis como o que vivemos, não é fácil arranjar empregos “tão saborosos”. É assim por todo o mundo no render da guarda.

O que interessa, verdadeiramente, é que os Açores possam sair sempre a ganhar. Que o seu Povo usufrua as escolhas que faz na transparência do sistema que ainda estamos a conquistar.

Iremos ter tantas Autonomias, quantas necessárias para sermos verdadeiramente AUTÓNOMOS.

O tempo está do nosso lado.

O importante é continuarmos a cuidar da nossa Autonomia, preparar-lhe o noivado e o seu casamento e depois… ela irá definitivamente à sua vida.

Elias Pereira · Autonomias Condicionadas – Parte II

ctSl9pontsoredm

Autonomias Condicionadas – Parte II
A Autonomia Condicionada externa e autolimitada regionalmente sem adaptação ao contexto mundial terá dificuldades em acompanhar a revolução tecnológica e a derivada das alterações climáticas com uma economia verde a liderar nas próximas décadas.
A transformação da sociedade açoriana não tem o ritmo das mais desenvolvidas com a maior divergência com o mundo evoluído.
A revolução digital e a revolução verde parecem ainda não terem chegado ao horizonte dos Açores, não fazendo parte do discurso político, nem da reflexão coletiva.
Uma sociedade que não acompanha esta transformação estará condenada ao fracasso e à miséria.
A nossa educação e cultura mantém as profundas assimetrias sociais, apesar dos recursos financeiros que entraram na região há mais de 40 anos.
Os últimos dados sobre a educação nos Açores são catastróficos, o número de licenciados ou o abandono escolar, ou aqueles que frequentaram o ensino secundário, com resultados com metade da média do país, que por si só já apresenta uma divergência com a Europa evoluída, quando seria tão fácil copiar as políticas da Finlândia ou Nova Iorque.
Nem uma singela reflexão sobre o ensino público e o privado permitiria outros resultados com o reforço do estatuto do professor e a não discriminação dos alunos numa e noutra modalidade de ensino, nada de bom podemos augurar nos próximos anos.
A ausência de educação e de cultura diminui o nível económico e social e incentiva a prática de condutas marginais muito alheias à concretização e defesa de valores de cidadania.
Em período eleitoral, a abstenção é, porventura, das mais graves manifestações da ausência de uma consciência cívica mínima que demonstra mais preocupação pelo coletivo, que pelo EU.
A educação e a cultura cria cidadãos autónomos, pressuposto para a verdadeira democracia, sem prejuízo que a economia e a sociedade dificulta o aparecimento de profissionais autónomos em quase todos os sectores da sociedade açoriana, desde profissionais liberais, a jornalistas, desde lavradores a pescadores.
Na noite eleitoral, que aí vem, de novo os partidos lamentarão a profunda abstenção, se bem que neste ato eleitoral terão uma pequena desculpa com o Covid-19 , se esta for muito superior em relação às últimas eleições regionais.
Virão mais teses, estudos e escribas, sempre ao lado da questão essencial que é quem vota e por que vota.
Com aquela baixa cultura cívica eleitoral, votam aqueles apenas que têm interesses económicos ou socias, pessoais ou profissionais, e assim, definem o destino coletivo.
Com uma abstenção muito elevada, muito poucos podem mandar em muitos.
Os jovens que por diversas razões podem ser discriminados devem votar, nem que seja por causas que apreciam ou valores que defendem.
Estes jovens que não podem fazer da política profissão, uma vez que os lugares estão todos tapados, pois os cargos políticos são ocupados por verdadeiros profissionais o que traduz um bloqueio significativo na renovação partidária, a que não é indiferente a abstenção, a extrema direita e a extrema esquerda.
A cristalização da sociedade com a não alternância democrática implica muitas vezes uma autoridade e um jus imperii que não possibilita a mobilidade geracional na atividade política.
A sociedade açoriana do séc. XXI trilhará um bom caminho?…
You and 6 others
Like

Comment
Share
Comments

Autonomias Condicionadas, Elias Pereira

45 m

Autonomias Condicionadas – Parte I
As autonomias dos Açores e da Madeira transportam fatores exógenos e endógenos, que a montante e a jusante lhes causam profundas limitações
A nova ordem mundial, a revolução digital, a pandemia e a economia mundial que condiciona toda a política europeia e por consequência a Açoriana.
Atente-se na guerra comercial – EUA / China. As declarações recentes do embaixador dos EUA que criticou a política externa portuguesa e apelou ao travão ao investimento chinês, o que demonstrou a vulnerabilidade do país.
Os Açores são atingidos quando se refere que o Porto de Sines será o verdadeiro hub internacional do transporte marítimo e o Porto da Praia da Vitória, será esquecido nas águas profundas, da injustiça da não plena retribuição aos Açores das vantagens que a Base das Lajes permite ao país no contexto diplomático internacional e na profundidade atlântica no âmbito geo estratégico.
– A Constituição da República Portuguesa permitiu a regionalização de serviços públicos, como a Saúde que encontra limites constitucionais – o princípio da continuidade territorial que muitas vezes faz lembrar o conceito de Ilhas Adjacentes da Constituição de 1822.
Existem condicionantes constitucionais que não permitem o pleno exercício das autonomias sem o aval do Estado, como seja, por exemplo a chancela do Representante da República.
A gestão do mar é outro exemplo da confusão de atribuições e competências da Região e da República, o que nunca deveria acontecer porque a salvaguarda do nosso ecossistema deveria ter a voz decisiva dos Açorianos.
– A jurisprudência do Tribunal Constitucional restritiva em Acórdãos de natureza jurídico-política, quer na apreciação de matérias concretas que competiam aos Açores gerir, quer na consolidação do conceito da Autonomia.
– O centralismo de Lisboa que permite um clima de desconfiança inaceitável no séc. XXI, quando já não se fala em independência dos Açores e da Madeira
-Ascensões político-partidárias de dirigentes regionais- A sedução por parte dos partidos nacionais para que os dirigentes regionais sejam dirigentes nacionais limita-lhes o campo de acção de defesa intransigente da autonomia. A ação do Dr. João Jardim, não se apreciando o estilo, talvez seja o melhor exemplo da defesa das Ilhas, sem qualquer temor pelos poderes do império.
Por outro lado, designadamente
– Algumas instituições autonómicas padecem de patologias, o regime é formalmente parlamentar, mas na prática é um sistema presencial puro com todas as consequências para a falta de representatividade do povo açoriano, quer na elaboração de legislação, quer na fiscalização dos atos políticos.
– O reforço das atribuições da Assembleia Legislativa Regional seria decisivo para atenuar os efeitos nocivos de ciclos políticos longos.
Atente-se na autoridade de saúde pública regional que sairia mais dignificada se respondesse politicamente perante o Parlamento, tal como as inspeções regionais ou a estatística, entre outros.
A ideia de administração pública regional despesista, muitas vezes com injustiça caracterizada pelo centralismo de Lisboa, outras verdadeira, sairia beneficiada com maior controlo parlamentar. Agora que se aproxima o dinheiro dos Fundos comunitários seria positiva a criação de uma comissão especial de fiscalização da execução daqueles.
Há órgãos e cargos que não funcionam ou que são pura ressonância do poder instalado como os concelhos de ilha e os delegados de Ilha que com esta composição são pouco úteis e não representam a cidadania.
A reforma da administração pública regional que inclui a orgânica do governo regional adaptada aos novos tempos e enquadrada numa digitalização que teima em ser adiada, porque eventualmente politicamente desinteressante, aumentaria a isenção e imparcialidade indispensáveis.
É inexplicável que no país não surja uma Lei da Pandemia.
É mais notável ainda que os Açores e Madeira podendo beneficiar da condição insular não apresentem uma ante proposta de Lei na Assembleia da República, por deputados eleitos para aquela ou até por deputados regionais, cujo objeto resolvesse as nossas preocupações coletivas – quarentenas, recusa a fazer os testes e outros aspetos conexos – que poderia ser uma lei absolutamente excecional e temporária (3 ou 6 meses), com o respeito pelos Direitos Humanos e enquadrada na defesa da saúde pública. Era a demonstração da vontade dos insulares.
Espantoso é que se continue em campanha eleitoral e ninguém proponha um singelo diploma nesta matéria, quando a situação do Covid hoje é bem mais grave que outrora, momento em que já no Prova das 9, defendia-se uma urgente alteração legislativa para que não se culpasse os tribunais sobre decisões que nos seriam previsivelmente desfavoráveis.
A CEVERA que, sem prejuízo da qualidade do seu trabalho, embora, por exemplo, profundamente errada na pretensa criação do Tribunal da Relação dos Açores, que em nada prestigia a autonomia e é prejudicial à justiça, a respetiva comissão concluiu os seus trabalhos e não os apresentou até ao fim da legislatura com argumento absolutamente inócuo.
Mais grave ainda a não discussão em período eleitoral das grandes opções que constam daqueles trabalhos e que tem a ver com o destino coletivo dos açorianos, e algumas matérias nem constam dos programas dos partidos políticos, que mais tarde aprovarão, porventura, aqueles trabalhos.
Enfim, aqueles exemplos, que valem por outros tantos, constituem também verdadeiras causas para a explicação da abstenção.
Helena Castanho and 11 others
1 comment
1 share
Like

Comment
Share
Comments
  • Amigo, é de homens como tu que os Açores precisam!
    Nao tenho palavras para expressar a minha concordância com o que acabaste de publicar. Só há uma coisa que te quero lembrar. Existe gente nos Açores que defende a autodeterminação, e esses também devia…

    See more
    • Like

    • Reply
    • 34 m
    • Edited

AUTONOMIA 44 ANOS DEPOIS JOSE GABRIEL AVILA

44 anos depois…

Foi há 44 anos que o primeiro Governo Regional dos Açores iniciou a administração autónoma do arquipélago.
No início, o processo não foi consensual, pois os habitantes destas ilhas tinham razões de queixa para duvidar de que os interesses e direitos das nove, seriam tratados com equidade.
Na mente do cidadão comum, persistia – e ainda subsiste – a dúvida de que os governantes sediados nas ex-capitais de distrito iriam, com o rodar dos anos, envolver as restantes seis na partilha administrativa do poder, disponibilizando aos quadros e técnicos entretanto formados, a possibilidade de integrarem os novos serviços públicos continuando a viver no torrão natal e promovendo a fixação das jovens gerações.
Tinham razão os que assim pensavam, pois em quatro décadas, a tripolaridade cimentou-se e afirmou-se nas três ex-capitais, todavia os serviços não foram distribuídos pelo arquipélago, como se esperava.
E não vale a pena apontar o dedo a esta ou àquela ilha e seus habitantes.
O poder político tem por missão a defesa da justiça, da equidade, do progresso e do bem-comum, cabendo-lhe satisfazer – o que não tem acontecido – as aspirações legítimas de ilhas cada vez menos povoadas e mais envelhecidas. Por falta de coragem, certamente, o que aumenta o desânimo dos lesados há décadas com esta estruturação administrativa.
O centralismo não existe apenas na mentalidade do poder de Lisboa. Ele manifesta-se, nos Açores, de formas diversas e atende sobremaneira à concentração do eleitorado em prejuízo das “insignificantes” ultraperiferias açorianas, cada vez mais carecidas do essencial.
A compreensão da singularidade e do querer de cada ilha e de cada localidade, a aceitação dos problemas por que passam os seus habitantes, é a única forma capaz de promover a necessária unidade das nossas ilhas e de alterar este estado de coisas.
Quem não entende as nossas especificidades insulares, normalmente designa por bairrismo, reclamações antigas, direitos não satisfeitos vindos de pequenas ilhas e de comunidades sem-voz, que mais não pretendem senão aceder a satisfatórias condições de vida existentes noutras localidades.
Assim promove-se a desunião, a fuga de jovens para os centros urbanos maiores, a emigração – clandestina ou não.
As ilhas pequenas ficam, normalmente, a perder no seu crescimento e tardam em aproximar-se dos lugares da frente, apesar das suas potencialidades.
Felizmente, os que nelas ficam, não desarmam e são resilientes. Agarram-se às suas tradições culturais e animam o seu viver, “enquanto Deus quiser”. Esta forma de estar tem preservado a identidade cultural – bem precioso -, o que é de louvar.
De entre as manifestações típicas de cada ilha, saliento o rejuvenescimento dos “balhos” de roda, nomeadamente a Chamarrita, as filarmónicas, cujo interesse pelas crianças e jovens é de louvar, a preservação do cerimonial das Festas do Espírito Santo, as confraternizações familiares nas matanças dos porcos e das vindimas, a produção de artefactos típicos, as manifestações da religiosidade popular e o desvelo na preservação do património cultural.
Se o processo autonómico não integrar a cultura e identidade própria de cada ilha e não responder ao viver e às necessidades das suas gentes, de pouco vale apelar à participação cívica nos atos eleitorais.
Quarenta e quatro anos após a entrada em funcionamento do primeiro Governo Constitucional Autónomo, importa que os agentes políticos – todos eles – se questionem sobre que respostas satisfatórias têm sido dadas ao mais humilde cidadão da ilha do Pico ou do Corvo, do Nordeste ou da Calheta de São Jorge – esse açoriano ou açoriana que luta pela vida no dia-a-dia e que estampa no rosto as agruras do mar e das invernias, o calor do sol, a rudeza do acesso a ravinas e campos de pão, a firmeza das convicções religiosas e o amor ao torrão natal.
Se a Autonomia não responder a estas contrariedades, toda a sua credibilidade, eficácia e devir estão em causa.
O poder político tem de preocupar-se em satisfazer não só os interesses de grupos sociais, como em atender aos direitos fundamentais dos sem-voz.
O desígnio da fraternidade humana é tratar todos por igual.
Essa deve ser também a prioridade da Autonomia açoriana.

José Gabriel Ávila
jornalista c.p. 239 A