PIAS EM SAO JORGE

Pias em zona de rebentação. Ilha de São Jorge.

Image may contain: plant, outdoor, water and nature
Comments
Write a comment…

a cidade mais antiga do mundo é no Líbano

Biblos, no Líbano, é a cidade mais antiga do mundo

LOCALIZAÇÃO DE BIBLOS

Biblos, Jbeil em árabe, é uma cidade portuária, localizada na costa mediterrânea do Líbano, 42km ao norte de Beirut.
História de Biblos
Biblos é a cidade continuamente habitada mais antiga do mundo, desenvolvida dentro de uma muralha desde o período Neolítico até 2.150 a.C.
Foi uma das cidades mais importantes da Fenícia, além de sua capital, por muito tempo.
Acredita-se que Biblos tenha sido ocupada primeiro entre 8.800 e 7.000 aC e, de acordo com os fragmentos atribuídos ao historiador fenício da Guerra de Tróia Sanchuniathon, foi construído por Cronos como a primeira cidade na Fenícia.
Até o início da Idade do Bronze (cerca de 3.000 aC), Biblos tinha se desenvolvido como o centro de expedição de madeira mais importante no leste do Mediterrâneo.
Por volta de 1.200 aC, os escribas de Biblos desenvolveram um script fonético alfabético, o precursor do nosso alfabeto moderno.
Por volta de 800 aC, o alfabeto chegou na Grécia, mudando para sempre o modo como o homem se comunicava.
Além disso, os faraós do Antigo Egito precisavam do cedro e outras madeiras para a construção naval e para a construção dos túmulos funerários. Em troca, o Egito enviou ouro, alabastro, corda papiro e linho.
Assim, começou um período de prosperidade, riqueza e intensa atividade.
Hoje, Biblos é Património Mundial da UNESCO.

O NOME BIBLOS

Biblos era uma cidade cananéia chamada Guba durante a Idade do Bronze e, durante a Idade do Ferro, a cidade é chamada Geba, como aparece na Bíblia hebraica.
Muito mais tarde, foi referida como Gibelet, durante as Cruzadas.
O nome fenício cananita da cidade (GBL, isto é Gubal, Gebal, etc.) pode ser derivado de gb, que significa “bem” ou “origem”, e El, o nome do deus supremo do panteão de Biblos.
A cidade atual é conhecida pelo nome árabe Jubayl ou Jbeil, um descendente direto do nome cananita.
No entanto, o nome é mais provável derivado da palavra fenícia GBL que significa “fronteira”, “distrito” ou “pico da montanha” e similarmente ao jabal árabe.
Seu nome era a origem da palavra grega “biblion”, que significa “livro”, dando-nos, portanto, “bibliografia” e “Bíblia“.
Image may contain: sky and outdoor

Há uma ″Woodhenge″ única na Península Ibérica e Évora é o seu berço – TSF

Estrutura descoberta no complexo dos Perdigões será mais antiga do que o Stonehenge e era constituída por troncos de madeira dispostos por círculos concêntricos.

Source: Há uma ″Woodhenge″ única na Península Ibérica e Évora é o seu berço – TSF

o mistério das pias da ilha Terceira

Esta lógica de pequenas pias organizadas têm sido descritas por alguns como sendo uma fenómeno natural. De facto não o é, independentemente de sabermos ou não quem as fez ou porque as fez. O que é certo é que se conclui com análises muito variadas que são feitas pelo homem. Passando a fase…

 

Covinhas ou fossetas: uma manifestação de arte rupestre na ilha Terceira

A 21 de Agosto de 2020 será publicado na revista holandesa ARCHEOLOGIE MAGAZINE, um artigo da autoria de Félix Rodrigues e Henk van Oosten, destacado com o título “AÇORES: OS MISTERIOSOS PRIMEIROS RESIDENTES” (AZOREN: DE MYSTERIEUZE EERSTE BEWONERS). Nele abordam-se factos, artefactos, construções e novas datações sobr

Source: Covinhas ou fossetas: uma manifestação de arte rupestre na ilha Terceira

Açores: Os misteriosos primeiros residentes. Brevemente em ARCHEOLOGIE MAGAZINE

A 21 de Agosto de 2020 será publicado na revista holandesa ARCHEOLOGIE MAGAZINE, um artigo da autoria de Félix Rodrigues e Henk van Oosten, destacado com o título “AÇORES: OS MISTERIOSOS PRIMEIROS RESIDENTES” (AZOREN: DE MYSTERIEUZE EERSTE BEWONERS). Nele abordam-se factos, artefactos, construções e novas datações sobr

Source: Açores: Os misteriosos primeiros residentes. Brevemente em ARCHEOLOGIE MAGAZINE

A física do quase impossível (o melro-preto

No voo de qualquer corpo aplica-se a lei de Bernoulli, no entanto, o voo das aves é muito mais complexo do que o voo dos aviões. Conjugar o lei de Bernoulli com a lei da Inércia é o que esta ave faz, este melro-preto, Turdus merula azorensis, que é uma subespécie endémica do arquipélago açoriano. O melro-preto açoriano

Source: A física do quase impossível

A física do quase impossível e o melro-preto

No voo de qualquer corpo aplica-se a lei de Bernoulli, no entanto, o voo das aves é muito mais complexo do que o voo dos aviões. Conjugar o lei de Bernoulli com a lei da Inércia é o que esta ave faz, este melro-preto, Turdus merula azorensis, que é uma subespécie endémica do arquipélago açoriano. O melro-preto açoriano

Source: A física do quase impossível