Angola e o Acordo Ortográfico – DN

Como observei no meu artigo anterior, Angola é o segundo maior falante de português em todo o mundo, depois do Brasil, o que lhe atribui responsabilidades acrescidas no que diz respeito às respetivas políticas, não apenas internas mas igualmente externas. Na minha opinião, que é rigorosamente individual e vale o que vale, o país tem negligenciado tais responsabilidades.A persistente ambiguidade e hesitação em tomar uma posição definitiva em relação ao Acordo Ortográfico de 1990, por exemplo, confirma essa atitude. Pela parte que me cabe, tenho muita dificuldade em entender a relutância de alguns setores em ratificar o referido acordo.

Source: Angola e o Acordo Ortográfico – DN

Português, língua nacional angolana – 2

Segundo artigo do jornalista, escritor e ex-ministro angolano João Melo sobre a língua portuguesa em Angola.

…………………………………………

« (…) O português exerce em Angola três papéis fundamentais: primeiro, é a única língua de comunicação nacional do país e substracto da unidade dos angolanos; segundo, é a língua oficial e da administração; e, terceiro, é o primeiro veículo de comunicação internacional dos angolanos, permitindo-lhes comunicar com os cidadãos de outros sete países e de várias comunidades onde o referido idioma é utilizado.

Ao contrário do que alguns ainda pensam, não apenas em Portugal, mas também nos outros territórios de língua portuguesa, incluindo o Brasil, maior usuário desta última, a mesma há muito deixou de ser pertença da antiga potência colonizadora. As línguas, na verdade, pertencem a todos os que a falam. Ou seja, o português não é apenas a língua de Camões, mas também de Machado de Assis, Agostinho Neto, Amílcar Cabral, Corsino Fortes, Alda do Espírito Santo, José Craveirinha, António Ramos Horta e tantos outros.

O facto de ser o segundo maior falante de português atribui a Angola responsabilidades acrescidas no que diz respeito às respectivas políticas, não somente internas, mas igualmente externas. Na minha modesta opinião, o país tem negligenciado tais responsabilidades.

A persistente ambiguidade e hesitação em tomar uma posição definitiva relativamente ao acordo ortográfico de 1990, por exemplo, confirma essa atitude. Pela parte que me cabe, tenho muita dificuldade em entender a relutância de alguns sectores em ratificar o referido acordo.

Do ponto de vista interno, Angola tem todos os motivos para ratificá-lo, pela seguinte razão de base: o acordo prioriza a fonética em detrimento da etimologia (ou seja, tende a grafar as palavras tal como elas são pronunciadas), o que facilita enormemente a sua difusão junto de uma população para a qual, originariamente, a língua portuguesa é uma língua segunda. Em termos de grafia, essa é a tendência da maioria das línguas contemporâneas: quanto mais simples, melhor.
Os seguintes argumentos principais costumam ser utilizados para questionar a ractificação do acordo ortográfico de 1990 por parte de Angola: o risco de uma “colonização linguística” por parte do Brasil, a ausência de qualquer previsão de inclusão das palavras de origem africana e a ameaça da dependên-cia de Angola em relação à indústria gráfica estrangeira (portuguesa e brasileira). Com todo o respeito, nenhum desses argumentos faz sentido.

Os números mostram, desde logo, que o Brasil fez mais concessões do que Portugal (cuja norma antiga ainda usamos), em termos do novo acordo ortográfico. Por outro lado, este é apenas um acordo sobre o modo de grafar as palavras, não tem nada a ver com o vocabulário, a fonética ou a sintaxe, ou seja, é falso que seremos todos obrigados a “falar como os brasileiros”. Por fim, no nosso caso, como angolanos, não deixa de ser esquisito recear uma hipotética “colonização linguística” do Brasil. A variante brasileira da língua portuguesa foi fortemente influenciada, em termos fonéticos, lexicais e sintácticos, pelas línguas angolanas de origem africana e não se vê ninguém, nesse caso, a falar em “colonização linguística” por parte de Angola.

A verdade é que as línguas transformam-se, viajam, cruzam-se, interpenetram-se e, se “caírem na boca do povo” (assim como na literatura ou no jornalismo), não serão os puristas ou sebastianistas que impedirão as mudanças, influências e apropriações mútuas.
Quanto à alegada necessidade de o acordo ortográfico incluir a questão das palavras angolanas de origem africana (processo que, na verdade, e como lembrei atrás, já ocorre há séculos), é um falso problema. Esse não é um tema do referido acordo, mas do vocabulário ortográfico comum. Segundo sei, este deverá ser elaborado com base nos vocabulários ortográficos nacionais, pelo que, em princípio, a bola está do nosso lado. É preciso elaborar primeiro o vocabulário ortográfico nacional e, depois disso, negociar a sua inclusão no vocabulário ortográfico comum da língua portuguesa.

Finalmente, o que dizer da alegada ameaça da dependência de Angola, se ractificar o acordo ortográfico, relativamente à indústria gráfica portuguesa e brasileira? Mais do que um falso problema, tal argumento é um autêntico mito. Com efeito, o que o nosso país precisa, com ou sem acordo ortográfico, é de desenvolver a sua própria indústria gráfica. O resto é confusão de temas. Ponto final.

Angola tem igualmente responsabilidades externas em relação à língua portuguesa, o que inclui, entre outros, as seguintes questões: uso efectivo do português nos organismos regionais e internacionais, assim como na Internet; ensino da língua portuguesa no estrangeiro, desde logo no continente africano, onde vários países anglófonos e francófonos têm demonstrado interesse nisso; e internacionalização das literaturas em língua portuguesa.

A propósito, aliás, não posso deixar de evocar a relação entre alguns desses processos e o acordo ortográfico: a existência de uma grafia única facilitará, quanto a mim, o uso do português nos organismos internacionais e na Internet, bem como o seu ensino em países estrangeiros.

Acrescento que a CPLP deveria desempenhar um papel condutor dos processos acima referidos. Escrevo no condicional por ser claro, para mim, que a mesma está longe de desempenhar esse papel, talvez porque ainda não é reconhecido por todos, de facto e na prática, que o português (e as suas políticas) pertence a todos os seus falantes. Um sintoma notório dessa realidade é a existência de dois institutos de promoção da língua portuguesa.

Angola, como segundo maior falante mundial da língua portuguesa, não pode estar ausente de todos esses processos e debates. Em breve, o país assumirá a presidência rotativa da CPLP. Talvez possa inscrever estas questões na agenda.»

No artigo anterior sobre este tema, recordei os resultados do censo de 2014, segundo os quais a língua portuguesa é a primeira língua falada em casa por mais de 71 por cento da nossa população, o que torna Angola o segundo maior falante de português em todo o mundo, depois do Brasil.
JORNALDEANGOLA.SAPO.AO
No artigo anterior sobre este tema, recordei os resultados do censo de 2014, segundo os quais…

A princesa de Angola escravizada no Brasil que lutou por seu povo

Zacimba Gaba era princesa de Cabinda em Angola, há 300 anos, quando foi capturada e vendida como escrava para o Brasil. Mas nunca desistiu da sua liberdade.

Source: A princesa de Angola escravizada no Brasil que lutou por seu povo

A princesa de Angola escravizada no Brasil que lutou por seu povo

Zacimba Gaba era princesa de Cabinda, em Angola, há 300 anos, quando foi capturada e vendida como escrava para o Brasil. O fazendeiro português José Trancoso arrematou Zacimba, no Porto da Aldeia de São Matheus, na Capitania do Espírito Santo, com mais uma dúzia de negros escravizados de Angola.

Durante anos Zacimba foi cruelmente castigada por não aceitar atender os desejos do fazendeiro. Um dia, ela foi arrastada da senzala até à Casa Grande, onde foi interrogada pelo senhor, que queria saber se era verdade o boato que se espalhava por todos os lugares de que ela era uma princesa.

Depois de dias e muitas chibatadas, ela confessou sua verdadeira identidade: Zacimba Gaba, princesa da nação de Cabinda. E foi estuprada depois disso.

Localizada na baía do mesmo nome, na costa oeste da África, em Angola, Cabinda teve sua população quase que dizimada, com seus homens e jovens aprisionados e mandados como escravos para o Brasil, durante duzentos anos.

O fazendeiro, sabendo que os seus escravos, em grande maioria, eram oriundos de Angola, e que poderiam invadir a Casa Grande para libertá-la, passou a avisar que, se alguma coisa acontecesse a ele ou à sua família, “Zacimba seria morta”.

Com o passar do tempo, a jovem princesa, aprisionada na Casa Grande, sob ameaça permanente, castigos e sendo violentada pelo fazendeiro e pelo capataz, crescia e tomava coragem para enfrentar, sozinha, o senhor. Ela tinha proibido que os negros tentassem libertá-la e passou a elaborar planos de fuga e de vingança. Zacimba também sofria ao ouvir os lamentos de seu povo sendo cortado no chicote, amarrado no tronco e levado aos ferros, durante os anos que se passaram.

Uma das armas mais poderosas e silenciosas que os escravos usavam contra os senhores ou feitores que lhes impunham castigos desumanos e humilhantes era o envenenamento.

Um dos venenos mais utilizados pelos escravos era extraído da cabeça da “Preguiçosa”, uma cobra temida pelo seu veneno mortal, característica do Vale do Cricaré. Esse veneno era usado por matar com pequenas doses e não logo que ingerido. Os senhores daquela época, até pegarem confiança em quem preparava a comida, obrigava os escravos a experimentarem tudo primeiro. Se não acontecesse nada, o senhor comia. Para não envenenar ninguém do seu povo, Zacimba levou anos para conseguir finalizar o seu plano.

Um dia aconteceu, o senhor da fazenda caiu envenenado, e logo Zacimba deu a ordem para os escravos da senzala invadirem a fazenda. Todos os torturadores foram mortos e a família do senhor da fazenda foi poupada. Zacimba fugiu junto com os outros negros e criou seu próprio quilombo.

Mas Zacimba não esqueceu de seu povo que ainda era escravizado e passou o resto da sua vida libertando os escravos, atacando os navios negreiros que os traziam como prisioneiros. Morreu como uma princesa guerreira, invadindo um navio para libertar seu povo

Continuar a ler A princesa de Angola escravizada no Brasil que lutou por seu povo

ANGOLA PAÍS DE ESCRAVOS (NÃO É SÓ NO VIZINHO CONGO…)(

Joana Mota shared a link.

6 hrs

NOVOJORNAL.CO.AO
http://www.novojornal.co.ao/sociedade/interior/angola-e-o-segundo-pais-lusofono-com-mais-escravos-modernos-exploracao-de-diamantes-agrava-risco-de-trabalhos-forcados-57016.html

Angola, Brasil e Moçambique têm 720 mil “escravos modernos”

Angola, Brasil e Moçambique são os países lusófonos com maior número de “escravos modernos”, totalizando 720.000 habitantes nestas condições, segundo um relatório da fundação australiana Walk Free apresentado hoje nas Nações Unidas.

Source: SIC Notícias | Angola, Brasil e Moçambique têm 720 mil “escravos modernos”

Continuar a ler Angola, Brasil e Moçambique têm 720 mil “escravos modernos”

África minha 2015

O Huambo. Angola No dia em que conheci o Huambo, travei conhecimento com as incomensuráveis trovoadas africanas que rasgam violentamente o céu de luz e num frenesim alucinante prenunciam as abruptas quedas de água, chuvadas diluvianas. E rugidos de trovões. Ficamos com a sensação que tudo vai desabar; que a linha do horizonte desapareceu e […]

Fonte: África minha Continuar a ler África minha 2015