PORTUGUESES E CHINA ANTIGA

A história não se repete mas rima.
No século XVII, quando os Portugueses andavam pela Ásia a comerciar e extorquir tributos com as nossas armadas, os Chineses quiseram reformar o calendário e pediram a ajuda de astrónomos europeus.
Entre estes surgiu o mais famoso o padre jesuíta Matteo Ricci, que se tornou mandarim, com Xu Guangqi, o mandarim que se tornou cristão. Foi criado o Observatório astronómico de Pequim – que visitei em 1997 – e foi reformado o calendário. A ciência juntava-se à religião que Francisco Xavier pregara sem grande sucesso, acompanhado à distância por Fernão Mendes Pinto.
Passaram séculos. Calcula-se que o número de cristãos chineses aumentou de 4 milhões antes de 1949 para 67 milhões em 2010 e talvez 90 milhões na atualidade. Esta vaga de fundo, e os cerca de 250 milhões de budistas e umas dezenas de muçulmanos chineses e ainda os Falun Gong -poderá ajudar a travar os ímpetos das “Rotas da Seda”, a iniciativa chinesa para grandes investimentos na massa continental euroafroasiática. A “paz pelo comércio” é uma das grandes meias verdades da política que só dura enquanto a paz for mais forte que o comércio.
Por detrás dos noticiários que só falam da China como unidade política e grande potência económica – em breve a maior – convém olhar para a China como diversidade e para as forças internas religiosas que um dia precisarão de mais liberdade e menos Rotas da seda.
May be an image of 1 person
3
Like

Comment
Share
0 comments

Publicado por

lusofonias.net

Chrys Chrystello jornalista, tradutor e presidente da direção e da comissão executiva da AICL