covid, cuidados e paranoias

Image may contain: one or more people
TiaLú Oliveira

OPINIÃO DO DR. FAHEM YOUNUUS, Chefe da Clínica de Doenças Infecciosas – Universidade de Maryland EUA sobre o Covid-19 (C19)

1- Viveremos com C19 por meses. Não vamos negar ou entrar em pânico. Não vamos tornar nossas vidas insuportáveis. Vamos aprender a ser felizes e a viver com esse fato.

2- O vírus não reduzirá seus efeitos no verão. Foi verão no Brasil e na Argentina, mas o vírus se espalhou rapidamente por lá.

3- Você não pode destruir os vírus C19 que penetraram em suas células bebendo muita água, você só irá ao banheiro com mais frequência.

4- Lavar as mãos e manter uma distância de proteção de 2 m é o melhor método para se proteger contra o vírus. Se você não tem um paciente C19 em sua casa, não há necessidade de desinfetar as superfícies da sua casa.

5- Pacotes de compras, garrafas de gás, carrinhos de compras ou caixas eletrônicos NÃO CAUSAM INFECÇÃO. Lave as mãos e viva sua vida como sempre.

6- C19 NÃO É UMA INFECÇÃO ALIMENTAR. Isso está associado a quedas de infecção como a gripe. Não há risco demonstrado de que o C19 seja transmitido pelo manuseio de alimentos.

7- As sessões de sauna não matam os vírus C19 que invadiram a cabine.

8- Você pode perder sua percepção do olfato devido a alergias e infecções virais. Este NÃO É um sintoma específico do C-19.

9- Uma vez em casa, não precisamos trocar de roupa com urgência e tomar banho. Limpeza é uma virtude, NÃO UMA PARANÓIA.

10- O vírus C19 não é transmitido pelo ar. Esta é uma infecção disseminada que requer CONTATO PRÓXIMO. O ar está limpo, você pode caminhar pelos jardins e parques e ruas, mantendo sua distância de proteção.

11- C19 não distingue raça, religião ou idade, é transmitida a todas as pessoas.

12- É suficiente usar SABÃO NORMAL contra C19, não necessariamente sabão antibacteriano. O vírus não é uma bactéria!!!

13- Você não precisa se preocupar com seus pedidos de comida preparada (pizzas, paellas, hambúrgueres, etc.). Mas se você quiser alimentos processados, pode aquecê-los um pouco no microondas para sua paz de espírito.

14- A possibilidade de trazer para casa o vírus C 19 nos sapatos e, como resultado, ficar doente é a mesma que você ser atingido por um raio duas vezes por dia, ou seja, nenhuma!. Trabalho contra vírus há 20 anos – as infecções por contágio não se espalham assim !!!

15- Você não pode ser protegido contra o vírus tomando vinagre, açúcar, suco e gengibre ou “remédios” desse tipo.

16- USAR LUVAS É UMA MÁ IDÉIA; o vírus pode se acumular na luva e pode se espalhar facilmente tocando em seu rosto. É MELHOR LAVAR AS MÃOS!

PROTEJA SUA SAÚDE MENTAL E SAÚDE FÍSICA DO CORPO!

NÃO ESQUEÇA QUE UM ESTADO PSÍQUICO INSTÁVEL AFETA O SISTEMA IMUNOLÓGICO INTEIRO DO CORPO! ”

Preliminary study suggests tuberculosis vaccine may be limiting COVID-19 deaths

One of the emerging questions about the coronavirus that scientists are working to understand is why developing countries are showing markedly lower rates of mortality in COVID-19 cases than expected.

Source: Preliminary study suggests tuberculosis vaccine may be limiting COVID-19 deaths

Virologista Pedro Simas e a regra dos três cês

Virologista Pedro Simas e a regra dos três cês

(Fonte: Expresso)

O parecer dum especialista equilibrado: PEDRO SIMAS – VIROLOGISTA vale a pena ler (escrito ontem no Expresso) :
Portugal está a desconfinar na altura certa. Temos o número de novas infeções por dia controlado (com uma média de aproximadamente 300 nos últimos 70 dias). O Serviço Nacional de Saúde está capacitado. Temos uma excelente taxa de testagem para deteção de infeções. E, na ausência de uma vacina, temos de construir uma imunidade de grupo para solucionar a pandemia. Ficar em isolamento, à espera, não é solução.
Mas, atenção, não podemos aliviar demasiado as medidas de distanciamento social. O potencial pandémico é maior agora do que no início da pandemia. O vírus SARS-CoV-2 tem uma capacidade de transmissão muito alta e está agora disseminado por todo o país e por todo o mundo. A maioria da população portuguesa e mundial ainda é suscetível à infeção. Apesar de ainda não ter sido realizado um estudo serológico em Portugal, estima-se que a imunidade populacional ronde os 2% ou 3%. Portanto, não podemos dar um passo atrás e confinar outra vez.
Mas desconfinar é difícil. E como sabemos isso? Porque Pequim, ao fim de 56 dias sem nenhum caso de infeção transmitida localmente, voltou a ter um surto. Porque em Singapura, onde a primeira onda de infeções foi controlada precocemente, o vírus regressou, causando centenas de novos casos por dia. Porque na Coreia do Sul, as infeções aumentaram assim que a sociedade começou a relaxar as regras de distanciamento. Porque a Nova Zelândia, poucos dias depois de declarar a erradicação do vírus, voltou a registar casos importados de infeção. Porque a Suécia, que adotou medidas de confinamento um pouco menos severas que os seus países vizinhos, teve muita dificuldade em proteger os grupos de risco.
E então como desconfinamos? Vivemos numa sociedade complexa e plural, pelo que criar regras que funcionem de forma transversal é difícil. Mas existe uma regra que funciona e já temos provas disso: o distanciamento. A principal forma de transmissão da infeção ocorre por via respiratória em situações de contacto próximo. Não temos de ficar confinados, mas temos de usar a regra dos três cês: evitar close contacts (contactos próximos), closed spaces (espaços fechados) e crowded spaces (espaços lotados). O nosso comportamento como sociedade é fundamental para construir a tão desejada imunidade de grupo, protegendo os grupos de risco.
👍

PJ faz busca na Câmara de Montalegre e constitui arguidos presidente e vice-presidente | Diário de Trás-os-Montes

A Polícia Judiciária fez na quarta-feira uma busca na Câmara de Montalegre e constituiu arguidos o presidente e vice-presidente, anunciou hoje a autarquia.

Source: PJ faz busca na Câmara de Montalegre e constitui arguidos presidente e vice-presidente | Diário de Trás-os-Montes

José António Saraiva condenado por devassa da vida privada

Jornalista Fernanda Câncio é uma das indemnizadas. Autor do livro “Eu e os políticos”, que foi retirado do mercado por ordem judicial, foi esta quarta-feira condenado a 180 dias de multa à taxa diária de 30 euros: 5400 euros. Terá ainda de pagar 30 mil euros de indemnização, a dividir pela j…

 

Jornalista Fernanda Câncio é uma das indemnizadas. Autor do livro “Eu e os políticos”, que foi retirado do mercado por ordem judicial, foi esta quarta-feira condenado a 180 dias de multa à taxa diária de 30 euros: 5400 euros. Terá ainda de pagar 30 mil euros de indemnização, a dividir pela j…
Jornalista Fernanda Câncio é uma das indemnizadas. Autor do livro “Eu e os políticos”, que foi retirado do mercado por ordem judicial, foi esta quarta-feira condenado a 180 dias de multa à taxa diária de 30 euros: 5400 euros. Terá ainda de pagar 30 mil euros de indemnização, a dividir pela j…

merecia copiar isto da China

A legislação publicada pela China em Abril deste ano, que bane a construção de arranha-céus, passou entre os pingos de chuva da atenção mediática. É uma pena, pois trata-se de exemplo a todos os títulos positivo para o mundo. Já há muito se debatia se estes monstros metálicos – estruturas inestéticas, poluentes, inseguras, feitas em escala desumana, caras, de difícil manutenção e desastrosas consequências ambientais – tinham verdadeira utilidade ou serviam, sobretudo, para afagar os egos de arquitectos arrogantes e parvenus sem gosto. O Império do Meio acompanha essas objecções e apresenta outras, a mais importante delas “conservadora”: o arranha-céus é arado que nada respeita, é “internacional” e, pois, ferramenta de desnacionalização do espaço urbano. Daqui para a frente, quer-se construção que em si incorpore a tradição arquitectónica chinesa. Sabemos que os tempos são de forte sinofobia, mas aqui Pequim tem razão. Bom seria se Portugal, o espaço português – veja-se os horrores impostos a Luanda, a São Paulo e ao Rio – e a Europa quisessem aprender qualquer coisa.

Image may contain: sky, skyscraper and outdoor

Edgar Morin – As certezas são uma ilusão | Fronteiras do Pensamento

Redefinição de valores e prioridades e aceitação das incertezas: o filósofo Edgar Morin reflete sobre efeitos da pandemia global.

Source: Edgar Morin – As certezas são uma ilusão | Fronteiras do Pensamento