os inúteis a subirem ao poder

A CAUSA DAS COISAS
Vi recentemente, aqui pelos meus lados, um clássico da literatura laboral. Um colega com um cv fraquíssimo, pouca ou nenhuma competência e uma mão cheia de nada para mostrar no lado dos resultados, a queixar-se de outro, de inquestionável competência, sincero na abordagem e livre no pensamento.
A notícia que surge no Público sobre a Raquel Varela, com chamada na capa, fez-me pensar nesta dança dos inúteis que se encobrem na sombra do anonimato. E honestamente é para mim uma desilusão. O jornal, note-se, que em tempos foi o meu diário preferido em Portugal.
Há duas coisas que no nosso rectângulo começam a ganhar alguma forma: julgamentos em praca pública e denúncias anónimas com crédito. Neste caso, “vamo lá a ver”, cheira a encomenda, não é?
A Raquel Varela coloca-se em posição de escrutínio todas as semanas. Defende as suas opiniões, que não serão consensuais certamente, em antena aberta. Na RTP, na Antena 1 e em todas as palestras que dá. Tem o CV espalhado por todo o lado, livros escritos e até as provas de agregação foram feitas em directo ( com stream disponível) para quem quisesse acompanhar. Ou seja, sujeita-se a um caminho cheio de cascas de banana, toda a santa semana.
E o mais incrível? Não cai. A mulher não cai. Dir-me-ão que é sorte, coisa do momento, uma espécie de aventureiro que se põe em cima de uma prancha de padel pela primeira vez e…não cai.
Tenho uma teoria diferente. Acho-a uma máquina. Estuda, aprende, trabalha e evolui. Vi e ouvi. Ninguém me contou.
E nisto, com um CV do tamanho do mundo disponível para consulta há anos, eis que dois investigadores anónimos alertam para irregularidades? Anónimos? E isso já faz capa no Público? E quais são as irregularidades? Que repete duas vezes o mesmo livro porque coordenou a edição e escreveu um dos artigos publicados? Por acaso são um e o mesmo trabalho?
O artigo do Público é escrito sem deixar a dúvida, sem qualquer presunção de inocência. Quem lê aquilo fica com a exacta imagem que os anónimos querem deixar. Um machadada na credibilidade de uma profissional competente e um julgamento em praça pública.
Curiosamente, ou não, a notícia sai um ou dois dias depois da Raquel, na TVI, ter defendido um manifesto que condenava a censura feita pelo Público a um artigo do Pedro Girão.
De uma só penada, a capa do Público valida a censura, a sombra do anonimato de dois inúteis e promove (mais um) julgamento em praça pública. Portanto, torna-se oficialmente um braço do Correio da Manhã.
E atentem, pelo número de partilhas, como os leitores do jornal procuram mais essa notícia do que qualquer outra. Claramente a voz dela deve chegar a qualquer lado que incomode…
A Raquel, ajudada pelo Garcia Pereira, terá que lutar agora para repor o bom nome num país onde, como se vê, ser filho-da-puta ainda é profissão.
Não estás só.
May be an image of one or more people, people standing and text that says "FUGAS P3 PSUPERIOR VIVO Série Autárquicas: Dinossauros, mamutes baleias nas eleiçoes autárquicas Helena Pereira Marta Moitinho Oliveira CORONAVIRUS Covid-19 Portugal: mais mortese 780 infecções. Internamentos voltam descer Carmo Infografia PUBLICO UNIDAS Guterres pede cooperação porque mundo nunca enfrentou tantas ameaças" Lusa SIGA-NOS EXICLUSIVO ENERGIA Governo proposqu Galp EXCLUSIVO REPORTAGEM "Ninguém trabalhadores, empresa recusou AUTARQUICAS2021 Metro primeiros hcar para mobilidade habitação, do alterações climáticas que MINUTOS Richard vive pais Voltaire MINUTOS Urgência Torres encerrada "sobrelotação" SUPERIOR Millennium DEMOGRAFIA para concurso da devido erros no currículo MINUTOS do mundo-está encolher mas porque? rocessos discriminaçă imobiliárioP construção de habitação, comércio serviços homossexuais"
A RAQUEL
Vi recentemente, aqui pelos meus lados, um clássico da literatura laboral. Um colega com um cv fraquíssimo, pouca ou nenhuma competência e uma mão che…

See more
Like

Comment
Share
0 comments

Publicado por

lusofonias.net

Chrys Chrystello jornalista, tradutor e presidente da direção e da comissão executiva da AICL