No Pico, fomos descobrir uma “aldeia turística” que propõe retiros para relaxar – GPS – SÁBADO

É no norte do Pico que encontramos o projeto Lava Homes e os seus programas para o bem-estar físico e da mente, com incursões pela natureza, ioga, meditação e dança.

Source: No Pico, fomos descobrir uma “aldeia turística” que propõe retiros para relaxar – GPS – SÁBADO

Vila Galé abre quatro novos hotéis num investimento de 35 ME e cria 170 postos de trabalho – Açoriano Oriental

O Grupo Vila Galé prevê abrir ao longo de 2023, ano de “otimismo moderado”, quatro novas unidades em Portugal, num investimento que ascende a mais de 35 milhões de euros, criando 170 postos de trabalho diretos.

Source: Vila Galé abre quatro novos hotéis num investimento de 35 ME e cria 170 postos de trabalho – Açoriano Oriental

acores-canarias-viagens-baratas.pdf

Açores Canarias Viagens Baratas

 

Binter lança promoção com passagens mais baratas entre Ponta Delgada e Canárias
A Binter lançou uma nova promoção que permite aos seus clientes adquirir passagens para voar de 1 de Abril a 15 de Junho de 2023 a preços mais reduzidos entre Ponta Delgada e as Ilhas Canárias.
A nova promoção aplica-se às passagens adquiridas até 23 de Janeiro.
Durante estes dias, os passageiros podem comprar as passagens desde 98,35 euros para voar às ilhas Canárias. …

See more
May be an image of 9 people and outdoors
You, Vitoria Raposo and 27 others
7 shares
Like

Comment
Share
0 comments

hotel de sonho que visitei ainda antes de abrir AÇORES

Casa onde foi içada a primeira bandeira da Autonomia é hotel boutique
Hotel boutique Sensi abriu há três anos nos Ginetes na casa onde foi içada a primeira bandeira da autonomia dos Açores
Com vista sobre vastos terrenos que no Verão se cobrem de milho, e sobre o Atlântico que é, durante todo o ano, leito do pôr-do-sol, ergueu-se, em 2020, das ruínas de uma herdade de quatro edifícios, o hotel Sensi Nature & Spa, fruto de um trabalho de reconstrução que durou um ano e dez meses.
Este peculiar refúgio, que pode ser encontrado nos Ginetes, tem como anfitriões Teresa e Miguel Urbano. O casal, junto há 35 anos, viveu 10 anos em Macau, explorou várias partes do mundo, nomeadamente a Ásia e África, e deu um toque desse multiculturalismo ao hotel, que tem decoração proveniente de várias partes do mundo.
Neste lugar com muita história, onde foi hasteada, em 1897, pela primeira vez a bandeira que simboliza a autonomia açoriana, os visitantes são acolhidos num ambiente familiar. A decoração é original, pensada e criada pelos anfitriões, que explicam que o hotel pretende fornecer uma experiência memorável e sensorial, através do contacto com texturas orgânicas, o fogo, a terra e a água.
O Sensi abriu portas a 21 de Fevereiro de 2020 e conta já com cerca 30 colaboradores e dois “anfitriões” de quatro patas, os labradores Guga e Mico, que convivem com os hóspedes. Miguel é natural de Coimbra, vivia da advocacia e foi professor assistente universitário. Teresa, de Viseu, é formada em relações públicas tendo também já leccionado. Vivem em São Miguel há já cinco anos. O projecto Sensi foi o seu “baptismo” na área da hotelaria e os donos dizem que este é um “espaço de abertura” e não de “exclusividade”.
Correio dos Açores: Como surgiu a ideia do Sensi? Porquê este nome?
Teresa: Andávamos à procura de um sítio com estas características, até no continente. Não imaginávamos que viríamos viver para os Açores. Viemos cá de férias e encontramos este sítio que tinha tudo o que queríamos, que era a proximidade ao mar, a vista para o mar – um sítio com alma, no fundo – edifícios antigos para recuperar, com poucas habitações à volta, ou nenhumas, neste caso. Como tinha tudo e apaixonámo-nos verdadeiramente pelo local, acabamos por decidir vir para cá viver. A nossa ideia teria sido fazer qualquer coisa deste género no continente, e não cá.
Miguel: O nome… esta casa principal é uma casa muito comprida e inicialmente era toda ela de um único piso, estivemos para chamar de Casa Deitada. Só que pensamos que para os turistas dizerem esse nome seria uma complicação. Depois, como isto tem muito apelo aos sentidos,… Sensi não quer dizer nada, mas apela à ideia de sensorial. A marca do hotel tem muito a ver com essa componente de sentidos, a componente da água, da terra, do fogo, temos lareiras, queríamos isso bem marcado.
Teresa: E não só, os materiais que são endógenos, o basalto, a madeira, a sensação dos materiais, o lado físico e orgânico das coisas. O sentido de casa também, com objectos pessoais da nossa vida, das nossas viagens, da nossa família. Todas essas sensações em conjunto acabaram por nos levar a essa palavra que é o Sensi.
“Era uma ruína que foi restaurada com imenso carinho e não destruímos a essência deste lugar”
Durante quanto tempo decorreu a recuperação do espaço?
Teresa: Começou em 2018, e demorou um ano e dez meses.
Miguel: Estava abandonado, em risco de se perder definitivamente e foi recuperado com respeito pela arquitectura. Modernizamos o espaço e adaptámo-lo à linguagem de hoje que é a de conforto moderno, mas está cá tudo. Era uma ruína que foi restaurada com imenso carinho e não destruímos a essência deste lugar, pelo contrário, acho que a reforçamos.
Teresa: Os quatro edifícios da propriedade estão cá. A começar pela primeira, onde existia uma cozinha exterior, este edifício onde estamos agora era a casa principal, isto era uma quinta para férias. O terceiro edifício era a casa do caseiro e agora é o spa. O último edifício em pedra eram os estábulos e neste momento é onde temos a maioria dos quartos.
Miguel: No fundo, mantivemos tudo o que estava. O hotel nasceu do que aqui havia, e o número de quartos foi definido pelo que aqui havia. A ideia que tínhamos sobre o que ia ser o nosso espaço teve que se adaptar ao lugar. Foi ele que nos disse o que é que íamos fazer do Sensi e não ao contrário. Tivemos de respeitar o que aqui estava.
Como foram recebidos cá?
Teresa: Muito bem. As pessoas são afáveis e queridas, desde o primeiro momento.
Miguel: Mesmo na área em que estamos, na hotelaria, podia haver alguma rivalidade porque éramos um intruso que vinha de fora e estava a lançar um projeto, mas foi exactamente ao contrário. Fomos bem recebidos por toda a gente, incluindo a concorrência e pessoas da área que sempre nos trataram com carinho e a reconhecer que o projecto trazia mais-valias para os Açores, portanto, um reconhecimento que as coisas eram boas para ambos os lados. Essa sensação de reconhecimento por parte da comunidade local existiu sempre.
“Grande marca do Sensi:
Receber muito bem as pessoas,
como se estivessem em casa”
O que tem sido e pretende ser o Sensi?
Miguel: A ideia central deste lugar é a de um lugar que gostássemos e que as outras pessoas, da mesma forma, também gostassem. Sempre quisemos que isso acontecesse como marca, ou seja, nunca procuramos ir agradar ao público, procuramos dizer “Vamos fazer uma coisa que nós próprios sintamos que tem alma e que essa alma passe para as pessoas”. Essa parte sempre existiu no Sensi, essa componente familiar, de casa. É um hotel, mas ao mesmo tempo tem uma dimensão de um aconchego e uma receção como se fosse um hotel pequeno, uma boutique. Queremos sempre que essa seja a grande marca do Sensi: receber muito bem as pessoas, como se estivessem em casa, e que quando as pessoas chegarem aqui, terem um sentimento de pertença ao local e dizerem: “Sinto-me bem, sinto-me como estivesse em minha casa, mas estou num hotel”.
Teresa: Temos aqui um restaurante, bar, spa, ou seja, é uma unidade muito pequena, mas que acaba por ter as ofertas que uma cadeia hoteleira acaba por oferecer.
Miguel: Estamos a apostar fortemente nessas duas componentes de bar e restauração, que são abertas ao público em geral que pode vir mesmo que não esteja hospedado. Não é um espaço de exclusividade, é um espaço de abertura. O spa também é uma aposta muito grande e tem uma atmosfera especial, com um lado oriental e zen. Estamos satisfeitos com todas as componentes do hotel, não apenas com a componente de alojamento de quem cá está, mas também destes outros serviços.
O hotel é também de abertura à comunidade local e temos recebido muita gente dos Açores, que é repetente e grande dinamizadora do hotel.
E a estética e decoração, em que se inspira? De Macau talvez?
Miguel: Estivemos na Ásia, com base em Macau, mas propriamente Macau, em termos de identidade estética, não foi uma grande marca. Todas as viagens na Ásia sim, foram uma grande marca, e de algum modo também o sul da Ásia, que tem essa atmosfera mais ligada aos elementos, ao sol e ao turismo. Essa foi uma grande presença. Por outro lado, como também trouxemos memórias, muitas dessas peças foram adquiridas em Macau e na China. Trouxemos para aqui algumas peças da nossa colecção particular, de memórias de viagens e do que fomos adquirindo. Há uma parte chinesa de Macau aqui colocada, mas ela é bastante mais abrangente. Fora essa marca asiática, é gosto pessoal.
Teresa: A decoração foi feita por nós os dois e depois acabamos por decorar o hotel todo quase como se fosse a nossa casa. Portanto, está aqui um gosto pessoal.
Miguel: Tem a ver novamente com essas coisas muito orgânicas e autênticas, as madeiras que a pessoa toca, o acto sensorial das coisas. Nunca gostamos das coisas muito perfeitinhas, queremos que elas tenham alma. Muitas vezes os materiais podem não ser antigos, mas têm essa ligação em que as pessoas têm as texturas dos tecidos, das madeiras e de tudo isso. É uma arquitectura muito natural e orgânica, mas que basicamente é gosto pessoal.
Em poucas palavras como é que descreve a essência do Censi?
Teresa: Acho que é o sentido de “casa”.
Miguel: E de receber bem. Temos uma equipa fantástica e sempre incentivámos a componente humana como a componente fundamental do Sensi. Isso porque gostamos de pessoas, mas também porque a própria estratégia do que é a hospitalidade é isso, é receber bem. Essa componente acho que é uma das marcas que o Sensi tem: as pessoas desde o momento em que aqui chegam são acolhidas com gosto pela própria equipa, que gosta de estar com elas. Essa é a grande marca, ser-se muito bem acolhido e recebido com carinho e vontade de que as pessoas tenham os melhores momentos da vida aqui. Queremos que o Sensi seja parte das memórias das pessoas. Queremos que isto não seja o local onde dormidos nas férias, mas que seja o coração da viagem.
Teresa: Um local que as tenha marcado.
Miguel: Acho que isso e o mais importante, que é quando passou e vais revisitar a tua vida, e tens aquelas marcas que foram os momentos que gostaste de viver. Queremos que o Sensi faça, de algum modo, conjuntamente com os Açores e São Miguel, parte dessas memórias das pessoas que aqui vieram, que elas se lembrem com saudade.
Teresa: Sim, do por-do-sol, do serviço que tiveram, do acolhimento das pessoas, da experiência como um todo.
Como tem sido o feedback dos clientes?
Miguel: Acho que tem sido excelente. É reconhecida já hoje, no panorama de turismo dos Açores, como uma das unidades hoteleiras mais interessantes. Temos tido um feedback fantástico a todos os níveis, de gente que vem cá e diz que foi das melhores experiências que tiveram em termos de hotelaria, pessoas que elogiam o serviço e as pessoas que aqui estão, de gente que adora os cães.
O que o distingue de outros alojamentos? Essa parte familiar?
Miguel: Esse é claramente um elemento distintivo. Como nós, os donos, passamos por cá, essa marca de um hotel familiar, sendo que é um hotel com serviços como nos outros hotéis, é mais vincada de que noutras unidades.
Teresa: Passa pela própria ambiência do hotel. Depois a decoração é tão pessoal, acaba por ser diferente de todos os outros, como quando um de nós decora a sua própria casa, também o fizemos aqui.
Que balanço fazem destes primeiros anos?
Miguel: Excelente a todos os níveis. Como experiência tem sido a melhor. Mudámos de vida e adoramos a nova vida. Só tenho pena de não ter feito essa troca mais cedo.
Mariana Rovoredo
May be an image of 2 people
Carlos Decq Mota, Maria Viveiros and 61 others
12 comments
4 shares
Like

 

Comment
Share
12 comments

All comments

  • José Tomaz Mello Breyner

    Um casal maravilha que fez uma obra fantástica

    2

    • Like

       

    • Reply
    • Share
    • 8 h
  • José Tomaz Mello Breyner

    Um hotel fantástico

    2

    • Like

       

    • Reply
    • Share
    • 8 h
  • Antonio Manuel Macedo Silva

    Já tinha ouvido falar deste hotel e das suas características muito familiares mas esta entrevista deu-me a certeza de que se trata de uma unidade de muito conforto e acolhedora. Parabéns à Teresa e ao Miguel pelo seu empreendedorismo. Muito sucesso.

    4

    • Like

       

    • Reply
    • Share
    • 7 h
    View 3 more replies
  • José Tomaz Mello Breyner

    Metade dos quartos têm na varanda uma mini piscina aquecida

    3

    • Like

       

    • Reply
    • Share
    • 7 h
  • Bibiana Viveiros

    Muitos parabéns, continuação de muito sucesso.
    • Like

       

    • Reply
    • Share
    • 6 h
  • Cristina Ghielmetti

    Auguri per un proseguo fruttuoso….
    • Like

       

    • Reply
    • Share
    • See translation
    • 5 h
  • Gilda Correia

    Muito bom.
    • Like

       

    • Reply
    • Share
    • 2 h
  • Manuel Borges

    Conheço as instalaçoes, os propriétarios!!
    Espaço muito acolhedor e intimista, com muito nivel!!
    Ao casal os meus Parabens e continuacao de muito sucesso!!

Renato Goulart, o guia de montanha que já subiu ao Pico mais de 2.700 vezes – NiT

Quando tinha sete anos, Renato Goulart subiu, pela primeira vez, a montanha do Pico, nos Açores. Acompanhado pela família e pelos irmãos mais velhos, nunca esqueceu o momento em que chegou ao ponto mais alto de Portugal — mas não foi pelos melhores motivos.  “Foi uma experiência que me recordo bastante bem porque me marcou … Continued

Source: Renato Goulart, o guia de montanha que já subiu ao Pico mais de 2.700 vezes – NiT