ONÉSIMO: Do casario de Ouro Preto e de Angra do Heroísmo VICTOR RUI DORES

Do casario de Ouro Preto e de Angra do Heroísmo

texto sem imagens

 

com imagens ler em pdf

Casario Ouro Preto Angra

 

Na sua crónica “Ouro Preto – o mistério do seu casario”, publicada na edição de 24 de agosto do “JL”, Onésimo Teotónio Almeida fala da sua descoberta do Brasil colonial mineiro e das suas andanças por Ouro Preto. Escritor viajado, andou ele a tomar notas e a disparar fotos por tudo quanto era sítio, tendo ficado deslumbrado e com uma estranha sensação de “déjá vu”, ao deparar com as incríveis semelhanças do casario de Ouro Preto com o de Angra do Heroísmo, achando iguais parecenças nas ruas íngremes das duas urbes. E, para exemplificar, fez ilustrar o referido escrito com duas fotos daquela cidade brasileira.

Recentemente, em viagem pela ilha Terceira, calcorreei Angra do Heroísmo, e decidi-me dar uma achega ao artigo de Onésimo: munido do referido “JL”, pedi ao meu irmão José Elmiro Dores que tirasse duas fotos, uma na Rua do Galo e outra na Rua da Miragaia, procurando fixar os mesmos enquadramentos das fotos de Onésimo, para efeitos de comparação. As semelhanças do casario de Ouro Preto com o de Angra do Heroísmo saltam à vista e aí ficam à visualização do leitor:

 

Ouro Preto – Brasil

Rua do Galo – Angra do Heroísmo

 

Ouro Preto – Brasil

 

Rua da Miragaia – Angra do Heroísmo

 

No entanto, segundo Onésimo, há aqui um “enigma” e um “mistério”…

Sabemos, pela História, que cerca de 6.000 açorianos, na sua maioria oriundos das ilhas Terceira, Graciosa, Pico, Faial e São Jorge, rumaram para o Brasil na primeira metade do século XVIII (mais precisamente entre 1748 e 1756) e acabaram espalhados por todo o país até Manaus, concentrando-se em Santa Catarina e Rio Grande do Sul (fundaram mesmo Porto Alegre). Porém, Onésimo refere que não tem “nenhuma particular notícia de terem esses ilhéus encalhado em Ouro Preto”. E como se isto não bastasse, o insuspeito Vitorino Nemésio, que foi profundo estudioso do Brasil, não deixou nenhum registo escrito sobre esta matéria.

Por isso pergunto: receberei, num destes dias, alvíssaras de algum(a) leitor(a) sobre o “mistério” destas cidades gémeas? O Onésimo e eu agradecemos.

 

Victor Rui Dores

 

 

 

O OURO DO BRASIL

“O OURO DO BRASIL
***
Duas brasileiras, na Biblioteca Joanina: “Lindo, mas tudo feito com ouro brasileiro…”
Nem por isso, minha tupi loirinha.
A qualidade do ouro brasileiro muitas vezes não era apropriada para a talha dourada, como a que cobre magnificamente esta biblioteca, por isso é que o ouro normalmente usado é de proveniência europeia.
Já agora, algo que o professor Borges Macedo estudou muito bem, o Brasil só começou a dar lucro à Coroa portuguesa a partir de 1730, já terminada a Era do Ouro.
De 1500 até 1730, o Brasil para os portugueses foi sempre a lerpar.
Ou seja, o Brasil contribuiu positivamente para o Império, em termos de contribuição fiscal, durante menos de um século, de 1730 a 1820.
Até essa altura, foi equipar armadas para proteger o Brasil de índios, holandeses, franceses, espanhóis, outros brasileiros, etc. Tudo isto enquanto se construíam estradas, cidades, portos, etc.
Quanto aos portugueses “escravocratas” e “colonialistas”, esses portugueses, na sua maioria, ficaram no Brasil e deram origem às atuais famílias das burguesinhas ricas que viajam para Portugal para mandar boquinhas sobre o “ouro do Brasil que os portugueses roubaram”.
Boa viagem de regresso às terras de Vera Cruz !!!”
(texto de autoria desconhecida, via Maria Pinto)
4
1
Like

Comment

Cônsul alemão no Rio de Janeiro detido por suspeita de matar marido – Jornal Açores 9

A polícia brasileira disse hoje que deteve o cônsul da Alemanha no Rio de Janeiro, Uwe Herbert Hahn, suspeito de ter assassinado o marido belga, na sua casa, no bairro carioca de Ipanema. Segundo a France-Presse (AFP), Uwe Herbert Hahn disse às autoridades que o marido, Walter Biot, de nacionalidade belga, desmaiou repentinamente na noite […]

Source: Cônsul alemão no Rio de Janeiro detido por suspeita de matar marido – Jornal Açores 9