The Strangest And The Oldest Step Pyramid In The World Found In Indonesia – It’s 28,000 Years Old – Anciently

The pyramid has been buried at the peak of Mount Padang in West Java for thousands of years (Indonesia). On December 12, a group of Indonesian scientists and geologists announced their finding of a pyramidal structure concealed beneath the earth at the peak of Mount Padang in West Java at the annual conference of the American Geophysical Union (AGU, after its English abbreviation). The edifice is built beneath an archaeological site that was found in the early 1800s and has rows of old stone pillars. “What used to be regarded as a built-up surface now penetrates deeper and is a

Source: The Strangest And The Oldest Step Pyramid In The World Found In Indonesia – It’s 28,000 Years Old – Anciently

(99+) COMPLEXO RELIGIOSO DA COVOADA, NA ILHA DE SÃO MIGUEL, AÇORES: POSSÍVEL LOCAL DE EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS JESUÍTAS | Félix Rodrigues – Academia.edu

Trabalho apresentado no III Congresso para a Ciência e Desenvolvimento dos Açores/8º Congresso de Gestão e Conservação da Natureza, sobre património religioso, de possível origem jesuíta, descoberto recentemente na ilha de São Miguel, Açores,

Source: (99+) COMPLEXO RELIGIOSO DA COVOADA, NA ILHA DE SÃO MIGUEL, AÇORES: POSSÍVEL LOCAL DE EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS JESUÍTAS | Félix Rodrigues – Academia.edu

A PEDRA INGA

May be an image of monument and outdoors
A pedra Inga, também conhecida como “Pedra do Inga”, é atualmente um dos monumentos arqueológicos mais significativos do mundo. Está localizado no município de Ingá, no interior da Paraíba. A Pedra Inga apresenta centenas de símbolos estranhos e ‘Estrelas’ que se estendem sobre uma rocha com 245 metros de comprimento e 3 metros de altura. Várias figuras são esculpidas em baixo relevo neste conjunto e existem entradas cujos significados são desconhecidos. A idade das inscrições é desconhecida, mas os geólogos estimam que a formação rochosa data de pelo menos 6.000 anos. Os símbolos mais famosos da Pedra Inga são aqueles que representam a constelação de Orion e a Via Láctea. Os especialistas se referem à Pedra Inga como ‘um monumento excepcional da arqueoastronomia, como nenhum outro no mundo’. Um dos especialistas mais notáveis ​​que estudaram a Pedra do Ingá era um brasileiro de origem italiana chamado Gabriele D’Annunzio Baraldi. Na sua opinião, a escrita na rocha assemelha-se uma linguagem muito semelhante ao hitita, falada no segundo milênio a.C. na atual Turquia. Segundo o pesquisador Yuri Leveratto, a hipótese de Baraldi poderia ser considerada real, e a mensagem escrita na Pedra do Ingá poderia ser escrita em Nostratic – uma família de idiomas em larga escala, que inclui muitas das famílias de idiomas indígenas da Eurásia, embora sua composição exata E estrutura variam entre os proponentes. Mas existem inúmeras teorias em torno deste incrível monumento antigo.
3
1 share
Like

Comment
Share
0 comments

″Único″ na Península Ibérica. Sítio megalítico com mais de 500 menires descoberto nas margens do Guadiana

Mais de 500 menires, alguns organizados em recintos tumulares e cromeleques (círculos de pedra como o famoso Stonehenge) foram descobertos nas margens do Guadiana, a poucos metros da fronteira com Portugal, e constituem um sítio ″único″ na Península Ibérica.

Source: ″Único″ na Península Ibérica. Sítio megalítico com mais de 500 menires descoberto nas margens do Guadiana

ÁFRICA ABRE FENDA E NOVO OCEANO SE VAI FORMAR

May be an image of map, sky and text
UMA FENDA ENORME SE ABRE E A ÁFRICA COMEÇA A SE DIVIDIR
Na verdade este processo começou em 2005, quando uma fenda de 60 quilômetros de extensão se abriu no meio do Deserto Afar, na Etiópia. O fenômeno é bem conhecido e já foi estudado nos anos 70. Mas o que trouxe esta história de volta aos assuntos foi a formação de uma longa e profunda fenda por atividades sísmicas da erupção do vulcão Dabbahu, que teria desencadeado o fenômeno.
É bastante surpreendente que uma região mude tanto e tão rapidamente, mas há uma boa razão para isso. A fenda se abriu em poucos dias e com 6 metros de largura no local.
Apenas alguns dias para formar uma grande fenda
Um fenômeno que surgiu desde o aparecimento da rachadura até a formação de um oceano ocorreu em poucos meses. Você pode não perceber isso se não prestar mais atenção às formas incomuns na paisagem. Desde que esta fenda foi observada em sua totalidade, dezenas de outras se formaram mais ao sul da Etiópia.
Estas placas são divergentes; elas se afastam umas das outras ao invés de colidirem. Caso você não tenha prestado atenção às aulas de geografia, as placas tectônicas são grandes pedaços de rocha que compõem a litosfera, a crosta terrestre. Vulcões como o Dabbahu, são as demonstrações perfeitas daquilo em que repousa a crosta terrestre e as razões para estes movimentos visíveis ao longo de milhões de anos.
Parte da Terra se abriu por 60 quilômetros
Como a litosfera não é sólida, estas placas podem se mover dependendo do que está acontecendo abaixo delas e como as placas adjacentes estão se movendo. Os vários fenômenos geológicos principais são conhecidos hoje em dia. Os solos já revelaram muitos de seus segredos. Mas o que é impressionante de se observar é a formação de fendas em tão pouco tempo, enquanto todo o processo levaria vários milhões de anos.
Por exemplo, as placas adjacentes podem deslizar umas ao lado das outras, causando terremotos. As erupções vulcânicas nas bordas ou entre placas tectônicas podem produzir magma que pode separá-las. Isto geralmente acontece no fundo do oceano, onde não é visto. As mudanças na superfície muitas vezes ocorrem muito lentamente para que possamos percebê-las sem estudo científico, graças às câmeras térmicas e aos submarinos robóticos. O progresso na observação das profundezas do mar tem avançado significativamente na pesquisa de vulcões.
Não reconheceríamos a Terra há 300 milhões de anos
Há 300 milhões de anos, os continentes e oceanos que todos nós conhecemos hoje não existiam. Havia apenas uma gigantesca massa terrestre chamada Pangea (que signifca ‘todas as terras’) que estava associada a um enorme oceano global chamado Panthalassa (que quer dizer ‘todos os mares’). Há 200 milhões de anos, a Pangea começou a se dividir, transformando Panthalassa em oceanos separados ao redor dos continentes que se formaram a partir da deriva continental.
O que exatamente está acontecendo abaixo da superfície?
Uma equipe de pesquisadores da Universidade Abbis Abeba na Etiópia estudou a fundo a história da atividade sísmica na região. Liderados pelo Doutor Atalay Ayaele, eles descobriram pistas que eles acreditam levar à possibilidade de que um dique vulcânico esteja na origem da fissura de 60 quilômetros. Um dique é uma enorme massa rochosa empurrada por respiradouros vulcânicos, e ao fazê-lo, eles racham a terra em seu caminho. A abertura lenta da fissura irá separar a área desértica de Afar e a África do resto do continente.
Quando o leito da fenda vai ficar inundado?
O processo de separação já está acontecendo, não apenas agora, mas há cerca de 30 milhões de anos, a uma taxa bastante lenta de cerca de 2,5 centímetros por ano. Graças a isto, o Mar Vermelho e a Depressão Afar, com quase 300 quilômetros de extensão, ambos se formaram. É apenas uma questão de tempo até que o Mar Vermelho flua sobre a Etiópia e contribua para a formação de um novo oceano.
Um bloco é a única coisa que impede a água
Sismólogos da Universidade de Bristol e membros de equipes de pesquisa na região de Afar têm realizado inúmeros estudos. Eles estão muito familiarizados com tudo relacionado às atividades sísmicas ao redor da região de Afar. E não faltam dados para analisar. Mas as conclusões parecem bastante óbvias, dado o nível do oceano e o nível inferior da região de Afar. Em uma faixa de poucos metros, ainda havia solo suficiente para bloquear a água que fluiria.
Estes estudos lhes permitem afirmar que a única coisa que separa a Depressão Afar dos oceanos é um bloco de terra de 20 metros. Assim que for estabelecida uma conexão entre terra e água, a fendas e as terras próximas tomarão água do Mar Vermelho e do Golfo de Aden, submergindo áreas que estão abaixo do nível do mar e criando um novo corpo de água enorme. Uma mudança de tal magnitude será visível do espaço.
Falhas similares apareceram mais ao sul, no Quênia
A Etiópia não é o único país da África Oriental onde enormes rachaduras estão começando a se formar. É importante pensar em relação ao que a população local vai estar vivenciando se a rocha cortar o acesso principal, vital para seus negócios e seu abastecimento alimentar. Não deve demorar muito para que eles construam uma ponte improvisada enquanto esperam por algo melhor.
A ilustração abaixo nos dá uma dimensão das mudanças que podem ocorrer no mapa da África quando o fenômeno em tela se consolidar.
Texto completo no link abaixo:
You, Augusto Athayde and 5 others
1 comment