escravatura africana

Para que conste: (excertos do texto que se encontra no link)
“Foram os árabes muçulmanos que começaram o tráfico de escravos em grande escala”
O antropólogo e economista franco-senegalês Tidiane N’Diaye considera que o tráfico de escravos árabo-muçulmano realizado durante quase mil anos ainda não foi reconhecido em toda a dimensão. Falta virar esta página.
Tidiane N’Diaye publicou O Genocídio Ocultado em 2008, mas mais de uma década depois o que acusa de ser um encobrimento de práticas esclavagistas árabo-muçulmanas entre o sétimo e o décimo sexto, quase mil anos, ainda se mantém.
Sem ignorar o tráfico transatlântico que se segue durante quatro séculos, considera que “os árabes arrasaram a África Subsariana durante treze séculos ininterruptos” e que a “maioria dos milhões de homens por eles deportados desapareceu devido ao tratamento desumano e à castração generalizada”.
Para o investigador franco-senegalês, é mais do que tempo de “examinar e debater o genocidário tráfico negreiro árabo-muçulmano como se faz com o tráfico transatlântico”.
. A sua introdução ao ensaio O Genocídio Ocultado é muito violenta. Pode dizer-se que a escravatura arábo-muçulmana foi a mais dura?
É preciso reconhecer que as implosões pré-coloniais inauguradas pelos árabes destroem sem dúvida os povos africanos, que não tiveram um intervalo desde sua chegada. Como mostra a história, os árabes-muçulmanos estão na origem da calamidade que foi o tráfico e a escravatura, que praticaram do século VII ao século XX. E do sétimo ao décimo sexto século, durante quase mil anos, eles foram os únicos a praticar este comércio miserável, deportando quase 10 milhões de africanos, antes da entrada na cena dos europeus. A penetração árabe no continente negro iniciou a era das devastações permanentes de aldeias e as terríveis guerras santas realizadas pelos convertidos a fim de obter escravos de vizinhos que eram considerados pagãos. Quando isso não era suficiente, invadiram outros alegados “irmãos muçulmanos” e confiscaram os seu bens. Sob este acordo árabe-muçulmano, os povos africanos foram raptados e mantidos reféns permanentemente.
A recente islamização dos povos africanos excluiu as práticas de escravidão?
O islão só permite a escravização de não-muçulmanos. Mas em relação aos negros, os árabes utilizaram os textos eruditos como os de Al-Dimeshkri: “Nenhuma lei divina lhes foi revelada. Nenhum profeta foi mostrado em sua casa. Também são incapazes de conceber as noções de comando e de proibição, desejo e de abstinência. Tem uma mentalidade próxima da dos animais. A submissão dos povos do Sudão aos seus chefes e reis deve-se unicamente às leis e regulamentos que lhes são impostos da mesma maneira que aos animais. “
Considera existir um “desprezo dos árabes pelos negros no Darfur”. Mantém-se até à atualidade?
Sim. No inconsciente dos magrebinos, esta história deixou tantos vestígios que, para eles, um “negro” continua sendo um escravo. Eles nem podem conceber que os negros estejam entre eles. Basta ver o que está a acontecer na Mauritânia ou no Mali, onde os tuaregues do norte jamais aceitarão o poder negro. Os descendentes dos carrascos, como os das vítimas, tornaram-se solidários por motivos religiosos. Mas existem mercados de escravos na Líbia! Somente o debate permitirá superar essa situação. Recorde-se que em França, durante o comércio de escravos e a escravatura, havia filósofos do Iluminismo, como o Abade Gregório ou mesmo Montesquieu, que defendiam os negros, enquanto no mundo árabo-muçulmano os intelectuais mais respeitados, como Ibn Khaldun, também eram obscurantistas e afirmavam que os negros eram animais. Nenhum intelectual do Magrebe levantou a voz para defender a causa dos negros. É por esta razão que este genocídio assumiu tal magnitude e continua. No Líbano, na Síria, na Arábia Saudita, os trabalhadores domésticos africanos vivem em condições de escravatura. A divisão racial ainda é real na África.
– Quando se fala de genocídio o holocausto surge logo. Pode-se fazer comparações, apesar da duração temporal, com a do tráfico negreiro árabe?
Desde o início do comércio oriental de escravos que os muçulmanos árabes decidiram castrar os negros para evitar que se reproduzissem. Esses infelizes foram submetidos a terríveis situações para evitar que se integrassem e implantassem uma descendência nesta região do mundo. Sobre esse assunto, os comentários de uma rara brutalidade das Mil e Uma Noites testemunham o tratamento terrível que os árabes reservavam aos cativos africanos nas suas sociedades esclavagistas, cruéis e depreciativas particularmente para os negros. A castração total, a dos eunucos, era uma operação extremamente perigosa. Quando realizada em adultos, matou entre 75% e 80% dos que a ela foram sujeitos. A taxa de mortalidade só foi menor nas crianças que eram castradas de forma sistemática. Mas 30% a 40% das crianças não sobreviveram à castração total. Hoje, a grande maioria dos descendentes dos escravos africanos são na verdade mestiços, nascidos de mulheres deportadas para haréns. Apenas 20% são negros. Essa é a diferença com o comércio transatlântico.
– Como vê o papel de Portugal nesse trafico transatlântico?
Os portugueses tinham acidentalmente capturado um nobre mouro Adahu, em 1441. Este último ofereceu-se para comprar sua liberdade em troca de seis escravos negros e isso ocorreu em 1443. Depois disso, Dinis Dias desembarcou no Senegal e trouxe para Lagos quatro cativos, situação que marca o início do tráfico sistemático. Os portugueses foram, assim, os primeiros a importar escravos para o trabalho agrícola. Eles transportavam entre 700 e 800 cativos por ano desde os postos comerciais e fortes na costa africana. Os pioneiros neste tráfego foi Gonçalves Lançarote em 1444. Em seguida, foi a vez do navegador Tristão Nunes comprar aos mouros um número significativo de cativos africanos, para aumentar o seu número em São Tomé e Portugal. Em 1552, 10% da população de Lisboa consistia de escravos mouros ou negros. Aqui também há um trabalho de memória a ser feito…
– A colonização europeia de África suavizou a anterior crueldade sobre os povos do continente ou manteve-a?
Se essa colonização pudesse ter um rosto, seria aquele que está na origem de dramas inesquecíveis. Depois dos compromissos históricos dos pensadores iluministas com ideias racistas, desde meados do século XIX que também há teorias que se infiltraram nas cabeças de um grande número de intelectuais como a do racismo científico. Se no início das conquistas, os ingleses apresentavam a superioridade científica e técnica da sua civilização sobre a dos povos “atrasados”, em seguida procuraram uma “justificativa racial” para fazer a colonização. Sociólogos e cientistas britânicos decidiram elevar essa manobra ao apresentar os povos negros como sendo “seres vivos, semelhantes aos animais”. E foram inspirados por uma das referências científicas da época, Charles Darwin, que concluiu o seu trabalho da seguinte forma: “O homem subiu da condição de grande macaco para o homem civilizado, passando pelas fases do homem primitivo e do homem selvagem. O melhor grau de evolução foi alcançado pelo homem branco.” Todas essas construções levaram a calamidades como a do apartheid.
2
Like

Comment
Share
0 comments

áfrica negra

May be an image of one or more people
O encontro da Rainha Nzinga Mbande ou Dona Ana de Sousa, do Reino do Ndongo com o Governador de Luanda João Corrêa de Souza em 1657
Após décadas lutando contra os portugueses de Luanda e seus aliados, assegurando a autonomia de seu Reino, em 1659 a Rainha Nzinga assinou um novo tratado de paz com Portugal.
Ajudou a reinserir antigos escravos e formou uma economia que, ao contrário de outras no continente, não dependia do tráfico de escravos. Em 1657, um grupo de missionários capuchinhos italianos convenceram-na a retornar à fé católica e, então, o governador de Angola, Luís Martins de Sousa Chichorro, restituiu-lhe a irmã, que ainda era mantida cativa. Dona Ana faleceu de forma pacífica aos oitenta anos de idade, como uma figura admirada e respeitada por Portugal.
Atualmente Njinga é considerada uma heroína na história de Angola, sendo até hoje lembrado por seus feitos políticos e militares. Uma das principais ruas de Luanda, capital da atual Angola leva seu nome e, na mesma cidade, encontra-se uma estátua no Largo do Quinaxixi, construída a mando do presidente José Eduardo dos Santos em comemoração aos 27 anos de independência do país.
Fonte: Cavazzi, Giovanni Antonio da Montecuccolo. Istorica descrizione de tre regni Congo, Matamba ed Angola. (Bologna, 1687). Heintze, Beatrix. Fontes para a história de Angola no século XVII. (2 vols, Wiesbaden, 1985–88)
Maria Antónia Fraga and 1 other
1 comment
Like

Comment
Share
1 comment

ÁFRICA CORRUPTA

ÁFRICA
DO DESCONTENTAMENTO
Quando o erário público é sistematicamente pilhado.
Pelos mesmos governantes que se eternizam.
E que a comunidade internacional é cúmplice…..
.
May be an image of 3 people and outdoors
Os 5 principais países africanos com as piores estradas.
1. Camarões 🇨🇲 Pontuação 2,6
2. Nigéria 🇳🇬 Pontuação 2,5
3. Moçambique 🇲🇿 Pontuação 2,5
4. Guiné Conacri 🇬🇳 Pontuação 2,2
5. RD Congo 🇨🇩 Pontuação 2.1
Like

Comment
Share

a pobreza de áfrica

João Mota Gomes shared a link.

55 m
“A pobreza da África não é originada pela colonização e todo o mundo viveu situações de colonização e escravatura” e acrescente eu que o caso do Zimbabwe mostra o contrário, um país que era o celeiro de África depois de ter expulsado os agricultores brancos porque achava que eles eram um resto da colonização viu a sua economia encolher, a moeda depreciar, passou por hiperinflação e a produção de alimentos reduziu-se substancialmente . Obstâncialmente
Africa is Not Poor Because of Colonization
YOUTUBE.COM
Africa is Not Poor Because of Colonization
Dr. Peterson’s extensive catalog is available now on DailyWire+: https://utm.io/ueSXhDr. Jordan B Peterson and Magatte Wade discuss how economic freedom dict…
Like

Comment
Send

0 comments

NIGÉRIA REINO CRISTÃO DE ORIGEM PORTUGUESA

UM REINO CRISTÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA NIGÉRIA
O Reino de Warri, na Região do delta da Nigéria, foi fundado em 1480 pelo povo Itsekiri. Do Século XV ao XVIII os Itsekiri eram a tribo que mais tinha contando com os navegadores Portugueses na Região, sendo o português a língua da corte. Já no início do Século XVI, boa parte dos Itsekiris se converteram ao cristianismo por missionários portugueses.
No ano de 1680 o Rei Olu de Warri mandou seu filho Antonio Domingo visitar Portugal e, anos depois, voltou casado com uma portuguesa. Seu filho o mulato Olu Erejuwa, governou de 1720 a 1800 e estabeleceu a independência de Warri do Imperio do Benim, na época o mais poderoso da Nigéria. Os Itsekiris prosperaram com o comércio de marfim e de escravos com os Holandeses e Portugueses. Até os dias de hoje possuem uma monarquia local, e são um dos grupos étnicos mais influentes do País Africano.
May be an image of 5 people
3
1 share
Like

Comment
Share
0 comments

O legado português além-fronteiras não tem limites, o problema está na incompetência que grassa na metrópole, também não tem limites!
😃