8.11.18 timor agora

TIMOR AGORA

Governu timoroan aprova Orsamentu hamutuk dolares billiaun 1,83 ba tinan 2019

Posted: 07 Nov 2018 09:58 AM PST

Konsellu Ministru timoroan aprova iha loron-kuarta ne’e proposta final Orsamentu Jeral Estadu nian ba tinan 2019, ho valor total hamutuk dolares billiaun 1,83 no ne’ebé maka agora sei haruka ba parlamentu.

Iha komunikadu, ezekutivu ne’e esplika katak aprova ona proposta ne’e iha reuniaun loron-kuarta ne’e nian, no seidauk fó sai dadu adisional konabá konteudu dokumentu ne’e.

Iha loron-tersa ne’e, iha reuniaun estraordinaria, Konsellu Ministru defini limite másimu foun ida gastus nian, ho montante dolares billiaun 1,83, valor ne’ebé boot ba daruak iha konta anual publika nasaun nian.

Limite foun ne’e mós inklui “orsamentu ministeriu ida-idak nian, no mós despeza esterna sira ne’ebé seidauk selu”, ne’ebé maka la defini.

“Ba fixasaun ba vaga tetu orsamental, tau mós konsiderasaun ba kompozisaun despeza sira tuir kategoria oioin no investimentu Estadu nian liu hosi Fundu Infraestrutura nian ho relasaun ho programa/projetu sira oioin ne’ebé maka halao ona no ne’ebé maka atu hahú”, esplika.

Ida ne’e sai hanesan orsamentu ne’ebé aas ba daruak, hafoin iha tinan 2016 nian ne’ebé maka ho montante billiaun 1,9 no reprezenta mós aumentu ida dolares millaun 548 konabá billaun 1,279 tinan 2018 nian.

Nune’e mós valor ne’ebé fixadu ba tinan 2019, ne’ebé maka Governu prevé bainhira prepara, iha tinan 2016, konta sira ba tinan 2017, ne’ebé maka antesipa ba tinan 2019 rekord gastu publika ida ho valor dolares billiaun 2,48.

Too momentu ne’e Governu seidauk konfirma se halo prosesu formal ga lae lei OJE ho urjénsia, tanba normalmente, konta publika sira fó entrada iha parlamentu iha fulan Outubru, ho prosesu formal ne’ebé normal no ne’ebé maka dura besik fulan rua, hamutuk mós ho periodu promulgasaun prezidensial.

SAPO TL ho Lusa

Organização timorense considera “muito perigosas” alterações a lei de atividades petrolíferas

Posted: 07 Nov 2018 09:17 AM PST

Díli, 06 nov (Lusa) – Uma organização timorense considerou hoje “muito perigosas” propostas de alterações legislativas que o parlamento está a estudar para facilitar a compra de uma participação no consórcio do Greater Sunrise, especialmente a eliminação do visto prévio da Câmara de Contas.

“Muitos acreditam que a verdadeira razão por detrás desta alteração é remover a supervisão do Tribunal de Contas, não só dos contratos petrolíferos, mas também dos contratos de empréstimo e outros contratos para a condução das operações petrolíferas que serão assinados à medida que o projeto Sunrise avance”, refere a organização La’o Hamutuk.

“Alguns políticos de Timor-Leste tornaram-se impacientes com os requisitos de governação e transparência escritos nas leis de petróleo do Estado”, sustenta.

O Parlamento timorense começou hoje a estudar alterações legislativas para permitir que o Estado concretize, através da sua petrolífera Timor Gap, a compra de 350 milhões de dólares pela participação da ConocoPhillips no consórcio do Greater Sunrise.

Em causa estão alterações à lei das atividades petrolíferas para remover um limite de 20% à participação máxima que o Estado pode ter em operações petrolíferas, criando igualmente uma exceção ao regime de visto prévio da Câmara de Contas.

O objetivo, como explicou hoje aos jornalistas Xanana Gusmão, representante especial de Timor-Leste para os assuntos do Mar de Timor, é retirar os 350 milhões da compra da participação Conoco do Orçamento Geral do Estado de 2019, atualmente a ser preparado, considerando o valor um “investimento” financiado diretamente pelo Fundo Petrolífero (FP).

A organização considera as propostas de alterações “muito perigosas”, em particular por considerar que “a maioria das empresas e credores legítimos querem ficar longe dos projetos do gasoduto de Sunrise e de Tasi Mane”.

Trata-se, considera a organização de “enfraquecer a governação para facilitar a compra” da participação no consórcio, alterando uma lei de 2005 promulgada depois de “extensas consultas” e que tem proporcionado “boa governação, transparência e controlos” sobre a contratação de petrolíferas desde então.

A organização nota que na sua breve análise da emenda proposta, a Divisão Parlamentar de Apoio ao Plenário (DIPLEN) considera que “com base nas evidências disponíveis, não é possível identificar e quantificar os custos financeiros resultantes da aprovação” das alterações.

“Acreditamos que os custos são demasiado elevados e pedimos ao Parlamento que rejeite as alterações propostas”, sustenta.

Na nota divulgada hoje, a La’o Hamutuk considera que a alteração à lei surge porque os atuais credores do país “não estão interessados em emprestar dinheiro para o projeto Tasi Mane”, que inclui o gasoduto do Greater Sunrise e uma refinaria, entre outras infraestruturas, na costa sul.

Isso, considera, torna “provável que Timor-Leste procure o financiamento dos vários milhares de milhões de investimentos na China, o que gerou preocupações sobre as “armadilhas da dívida”.

“Noutros países, incluindo o Sri Lanka e Angola, as dificuldades em reembolsar empréstimos da China aumentaram a pobreza, reduziram a democracia e sacrificaram a soberania nacional, consequências que remontam à crise global da dívida ao FMI e ao Banco Mundial no final dos anos 1990”, refere.

A organização sustenta que “muitas das negociações e concessões em relação aos projetos Tasi Mane e Sunrise foram realizadas sem transparência pública, prestação de contas ou supervisão pelas agências governamentais responsáveis”.

Numa altura em que “os líderes de Timor-Leste pedem milhares de milhões de dólares do tesouro nacional para projetos com retornos financeiros, económicos ou sociais duvidosos, estes controlos e contrapesos são ainda mais essenciais”, sustenta.

“Muitos países que dependem da extração de petróleo foram amaldiçoados por desperdiçar o dinheiro de seu povo em projetos mal concebidos, razão pela qual é crucial ter uma análise especializada de contratos de projeto realizada por agências estatais que não têm interesse pessoal em persegui-los independentemente dos custos e benefícios”, defende.

“Embora ainda não saibamos quantos milhares de milhões de dólares serão gastos nos projetos Sunrise e Tasi Mane (incluindo o serviço da dívida e possível incumprimento), os custos para a responsabilidade fiscal, democracia e prestação de contas são claros”, refere.

ASP // PJA

Proposta atu hafraku governasaun hafasil sosa parte iha Sunrise

Posted: 07 Nov 2018 08:46 AM PST

Submisaun ba Komisaun C

Parlamentu Nasionál Timor-Leste

Husi

Forum ONG Timor-Leste no Institutu La’o Hamutuk

Kona-ba

Proposta Revizaun ba Lei Atividade Petrolíferu 13/2005

7 Novembru 2018

Proposta atu hafraku governasaun hafasil sosa parte iha Sunrise

La’o Hamutuk no Fongtil hato’o obrigadu barak ba Komisaun C Parlamentu Nasionál ne’ebé konsidera no promove sosiedade sivíl nia partisipasaun iha prosesu revizaun ba Lei No 13/2005 kona-ba Atividade Petrolíferu. Ami nia pozisaun sira iha kraik, espera katak Komisaun C bele lee didi’ak no konsidera ami nia kontribuisaun sira iha paresér ne’ebé Komisaun C sei halo ba Prezidente Parlamentu Nasionál no Plenária.

Iha 22 Outubru Governu Timor-Leste husu Parlamentu atu altera Lei Atividade Petrolíferu 2005 ne’ebé promulga hafoin konsultasaun kle’an no kompletu. Lei atuál ida ne’e garante transparénsia, governasaun no kontrolu no balansu (checks and balances) sira iha nasaun ne’e hodi fó kontratu ba kompañia sira iha setór petrolíferu dezde tinan 13 ikus. Proposta alterasaun ida ne’e sei fó dalan ba Estadu atu partisipa iha Joint Venture (konsórsiu) ho partisipasaun liu 20%. Proposta lei ida ne’e mós kansela supervizaun husi Kámara Kontas iha Tribunál Superiór Administrativu, Fiskál no Kontas ba kontratu sira ne’ebé iha ligasaun ho asuntu petrolíferu molok tama iha vigór. Hanesan esplika ona husi Governu, alterasaun ida ne’e atu hafasil dalan ba Timor-Leste nia partisipasaun iha Projetu Greater Sunrise.

Parlamentu simu notifikasaun atu konsidera proposta ida ne’e durante feriadu nasionál, no prosesu ida ne’e dudu ho ansi. Se proposta ida ne’e pasa, sei retro-ativu to’o 27 Setembru, molok asina akordu ho ConocoPhillips.

La’o Hamutuk no Fongtil hanoin katak parte dahuluk husi lei ne’e, ne’ebé dehan atu abandona tiha 20% limitasaun, la nesesáriu. Lei atuál nunka sai obstákulu ida ne’ebé hapara Estadu iha pasadu atu hetan liu 20% husi partisipasaun iha projetu ida. TimorGAP sai ona parseiru 50% (hamutuk ho Timor Resources) iha kontratu rua kona-ba fahe produsaun rai-maran (PSCs), na’in husi 100% husi PSC S0-15-01 iha area eskluzivu maritima, no parseiru 24% (ho Eni no Inpex) iha PSC JPDA 11-106 iha tasi okos Area Konjunta ba Dezenvolvimentu Petrolíferu. Laiha limitasaun 20% husi lei atuál ba Timor-Leste atu sosa parte husi projetu; persentajen ne’e aplika de’it ba Estadu nia partisipasaun lahó selu iha joint venture nia laran ne’ebé obrigatóriamente tenke hakerek iha Kontratu Fahe Produsaun.

Ema barak hanoin katak razaun loloos husi alterasaun lei ne’e atu hasai kbiit Tribunal das Kontas nian hodi halo supervizaun ba kontratu petrolíferu sira no tratadu ba deve sira no “kontratu seluk… kona-ba atividade operasaun petrolíferu”, ne’ebé iha futuru sei asina bainhira projetu Sunrise nian la’o ba oin. Ukun na’in Timor-Leste balun laiha ona pasiénsia ho rekerimentu kona-ba transparénsia no governasaun ne’ebé hakerek ona iha estadu nia lei Petrolíferu sira. Iha tinan hirak liubá, Tribunal das Kontas la fó vistu ba kontratu ho valór tokon $719 ba aprovizionamentu projetu Suai Supply Base nian (maske Tribunal Rekursu reverte) no kontratu atu empresta tokon $50 husi Banku Ex-Im Xina nian hodi rehabilita drainajen iha Dili.

Ajénsia kreditór sira ne’ebé baibain fó osan ba Timor-Leste atu empresta rejeita atu finansia Projetu Tasi Mane. Iha posibilidade forte katak, Timor-Leste sei buka finansiamentu husi Xina atu investe iha Mega Projetu Sunrise no Tasi Mane ne’ebé sei gasta biliaun barak. La’o Hamutuk no Fongtil iha preokupasaun katak Timor-Leste sei monu ba “lasu ba deve.” Iha nasaun seluk, inklui Sri Lanka no Angola, bainhira nasaun hirak ne’e labele selu fila fali tusan husi Xina, sira sofre aumenta kiak no lakon soberania nasaun nian. Kondisaun sira ne’e besik hanesan ho krize deve global husi FMI no Banku Mundial ne’ebé akontese iha dékada 1990 nia rohan.

Negosiasaun no enkontru hirak ne’ebé hala’o relasiona ho Projetu Tasi Mane no Sunrise akontese lahó transparénsia públiku, akontabilidade no supervizaun husi ajénsia estadu ne’ebé iha responsabilidade ba ida ne’e. Ukun na’in Timor-Leste nian husu Parlamentu aprova osan dolares biliaun barak ba projetu ne’ebé seidauk iha serteza ba retornu finansiál, sosiál no ekonómiku. Tan ne’e, importante atu asegura Timor-Leste iha balansu no kontrolu.

Nasaun barak ne’ebé depende ba indústria petrolíferu hetan malisan (resource curse) husi gasta povu nia osan ba projetu ne’ebé la klaru ho nia benefísiu sira, tan ne’e importante tebes atu iha peritu analítiku husi ajénsia estadu nian ne’ebé laiha interese pesoál hodi kontinua ho projetu la haree ba kustu no benefísiu.

Iha análize badak husi Divizaun Suporta Plenária Parlamentu (DIPLEN) kona-ba proposta alterasaun ida ne’e, sira hakerek katak, “bazeia ba evidénsia ne’ebé iha, la iha posibilidade atu identifika no kuantifika kustu finansiál ne’ebé rezulta husi aprovasaun lei ida ne’e.” Maske seidauk hatene biliaun hira mak estadu sei gasta ba projetu Tasi Mane no Sunrise (inklui pagamentu ba tusan no konsekuénsia ne’ebé bele akontese karik Timor-Leste labele selu fila fali), maibé kustu ba responsabilidade fiskál, demokrasia no akontabilidade ita haree momoos hela.

La’o Hamutuk no Fongtil preokupa katak alterasaun ba lei ida ne’e ho intensaun atu aselera lalais projetu Tasi Mane no Sunrise, iha tempu hanesan fó impaktu negativu ba boa governasaun, transparénsia, no akontabilidade. Xefe Negosiador, Xanana Gusmão, dehan katak Timor-Leste presiza gasta mínimu biliaun $7 atu implementa projetu ne’e (ba dezenvolvimentu downstream de’it). Gastu barak hanesan ne’e presiza liu husi supervizaun legal atu asegura akontabilidade no hamenus korrupsaun atu evita ema ida ka kompañia ida halo tuir sira nia hakarak de’it.

Ami espera katak, submisaun ida ne’e sei fornese informasaun sira util ba Komisaun C Parlamentu Nasionál hodi inklui iha Paresér Komisaun C nian. Obrigadu barak ba kolaborasaun.

Ami ne’ebé saran lia,

Komisaun C PN ho Banku Sentrál Diskute Ona Atividade Petrolíferu

Posted: 07 Nov 2018 08:08 AM PST

DILI, (TATOLI) – Komisaun C Parlamentu Nasionál (PN) ne’ebé trata asuntu finansas, ohin (07/11) halo enkontru ho autoridade Banku Sentrál ho Tribunál Kontas, relasiona ho aliterasaun lei númeru 13/2005, kona ba atividade petrolíferu.

Prezidente Komisaun, Fernanda Lay, hateten proposta alterasaun lei númeru 13/2005 kona-ba atividade petrolífera molok altera, Komisaun C ho D Parlamentu Nasionál (PN) konsulta uluk Banku Sentrál ho Tribunál Kontas hafoin bele haruka ba sesaun plenária atu halo diskusaun.

“Ohin ami enkontru ho Tribunál Kontas hodi haree asuntu legalidade nian, no Banku Sentrál atu fó nia hanoin kona-ba alterasaun lei atividade petrolífera, karik orsamentu millaun U$ 350 atu sosa asaun ConocoPhillips la tama iha OJE, maibé foti direita hosi Banku Sentrál hodi sai investimentu iha asaun ne’ebé atu sosa,” Fernanda Lay ba jornalista sira iha Parlamentu Nasionál, ohin.

Lay esplika katak kuandu ita hatama iha Orsamentu Jerál Estadu (OJE) signifika ne’e despeza, maibé bainhira ita foti hosi Banku Sentrál signifika hanesan investimentu, depois tinan lima ka neen ita sei hetan funan ka rendimentu balun hosi prosesu ne’e.

Iha fatin hanesan, Prezidente Komisaun D ne’ebé trata asuntu ekonomia no dezenvolvimentu, Virginia Ana Belo reforsa lei atividade petrolífera ne’ebé atu halo alterasaun presiza rona hosi parte kompetente hafoin bele hakotu iha plenária.

Entretantu, iha proposta ba alterasaun lei ho posibilidade atu muda bainhira iha diskusaun jeneralidade ho espesialidade.

Jornalista: Zezito Silva | Editór: Manuel Pinto

Imajen: Votasaun proposta governu iha debate espesialidade Orsamentu Jerál Estadu (OJE) 2018 iha uma fukun Parlamentu Nasionál. Imajen António Goncalves

Xanana Gusmão Propoin PN Altera Lei Atividade Petrolífera

Posted: 07 Nov 2018 08:01 AM PST

DILI, (TATOLI) – Xefe negosiadór prinsipál ba delimitasaun ketan-tasik, Kay Rala Xanana Gusmão, hato’o hanoin ba Parlamentu Nasionál (PN) atu halo alterasaun lei númeru 13/2005 kona-ba atividade petrolífera.

“Ha’u mai hasoru malu ho komisaun C ho D iha parlamentu hodi ko’alia kona alterasaun ba lei atividade petrolífera nia, tanba uluk 2005 tranzasaun komersiál ho porsentu 20 de’it, maibé 2018 iha ona progresu hosi atividade petrolífera, entaun husu ba parlamentu bainhira atu diskute presiza halo alterasaun kona-ba tranzasaun komersiál bele liu porsentu 20”, Xanana Gusmão ba jornalista sira iha PN, ohin.

Xanana realsa PN kuandu atu diskute alterasaun ba lei ne’e bele kaer nafatin porsentu 20 maibé loke hodi fó esesaun ka loke dalan hodi liu porsentu 20 bainhira ko’alia kona-ba tranzasaun komersiál. Tanba alterasaun lei ne’e atu hatan ba asina akordu ho ConocoPhillips kona-ba sosa asaun porsentu 30.

Tanba ne’e mak ConocoPhilips respeita Timor-Leste nia vontade atu lori kadoras mai. “ConocoPhillips ko’alia ho ita katak imi hakarak ami faan ba imi, hodi ida ne’e mak ita sosa porsentu 30 hosi ne’e, mas ida ne’e kontraria ona ho lei ida dehan fó de’it porsentu 20, maibé bele tau nafatin porsentu 20 mas tenke fó esesaun katak la aplika ba kazu ne’ebé iha tranzasaun komersiál”.

Nune’e mós, PN karik aprova alterasaun lei númeru 4 iha artigu 15 kona-ba investimentu fundu petroleum nia hodi selu asaun ConocoPhillips ho milliaun $350, ida ne’e di’ak liu tanba osan kuandu tau iha Orsamentu Jerál Estadu (OJE) ne’e despeza.

Xanana espera karik ida ne’e mak PN aprova no Prezidente Repúblika, Francisco Guterres Lú Olo, promulga di’ak liu tan. Enkuantu lei ne’e mak la aprova mós osan ne’e tau ona iha OJE 2019.

“Atu autoriza hodi sosa asaun ConocoPhillips. Osan prevee ona iha OJE 2019, enkuantu orgaun soberania ne’ebé kompetente la promulga alterasaun lei atividade petrolífera mós sei iha posibilidade nafatin”, afirma.

Entretantu durante diskusaun ho komisaun C ho D iha PN, komisaun duvida tebes maibé to’o ikus kompriende no sei tau ba ajenda hodi diskute iha plenária no bele hetan aprovasaun ba alterasaun lei atividade petrolífera .

Jornalista: Zezito Silva | Editora: Rita Almeida

Imajen: Xefe negosiadór prinsipál ba delimitasaun ketan-tasik, Kay Rala Xanana Gusmão, bainhira sorumutu ho komisaun C no D PN, ohin. Imajen António Goncalves

KM Aprova Rezolusaun Ba TL Cement

Posted: 07 Nov 2018 07:55 AM PST

DILI, (TATOLI) – Reuniaun Konsellu Ministru (KM) Kuarta ne’e, aprova Rezolusaun Governu ida konaba Estatutos Sociais TL Cement no Akordu Parassosial entre Estadu Sósiu TL Cement.

“Konsellu Ministru rona no aprova rezolusaun ida konaba TL Cement iha Baukau, Autoridade Nasionál Petróleu no Minerais (ANPM) mak aprezenta tanba sira koordena hela prosesu ida ne’e.

Alende ida ne’e, tuir portal ofisiál governu Vise Prezidente Autoridade Nasionál Petróleu no Minerais (ANPM), José Gonçalves halo aprezentasaun konaba sosiedade TL Cement Lda, tanba sosiedade ne’e hari husi kuotas ho responsabilidade ilimitada no kapitál privadu.

“Tanba Estadu halo parte ona iha sosiedade, buka atu sosiedade ne’e rasik transforma ba Sosiedade Anónima, ne’ebé ho responsabilidade ilimitada katak hanaran fali TL Cement SA”, refere komunikadu.

Nune’e mós Ministra Finansa em ezersísiu, Sara Lobo Brites halo aprezentasaun badak konaba situasaun atuál ba dívida governu ba Timor Telecom (TT), hahú husi tinan 2017.

Ministru Reforma Lejizlativu no Asuntu Parlamentár, Fidelis Leite Magalhães aprezenta opsaun sira ne’ebé define ona iha programa Compacy, ne’ebé nia objetivu prinsipál mak hamenus kiak iha Timor-Leste, liuhosi kreximentu ekonómiku iha ámbitu projetu ne’ebé dezenvolve no finansia husi Millenium Challenge Coorporation (MCC), ho koordenasaun ho governu.

“Ho Hanoin atu reforsa relasaun bilateral entre Governu Timor-Leste no Governu Estadu Unidus Amérika (EUA), MCC dezenvolve to’o daudauk ne’e programa hotu hodi apoia Timor-Leste, hahú kedas tinan 2011”, esplika.

Jornalista: Julia Chatarina | Editór: Manuel Pinto

Imajen: Primeiru-Ministru, Taur Matan Ruak prezide reuniaun iha Konsellu Ministru.

Sosiadade Sivil Lakonkorda PN Sosa Kareta Foun

Posted: 07 Nov 2018 07:39 AM PST

DILI – Sosiadade sivil iha rai laran lakonkorda Parlamentu Nasional, sosa kareta foun ba membru deputadu 65, tanba gasta deit orsamentu.

Diretor Asosiasaun HAK Manuel Monteiro hatete, Hanesan Sosiadade Sivil nafatin la konkorda Parlamentu Nasional sosa kareta foun, tanba gasta osan nee solin hanesan bee, tanba osan orsamentu estadu ninia nee mai husi fonte ida deit rekursu mina rai. Enkuantu mina rai nee maran atu foti fali osan nee husi neebe.

“Estadu nee gadai ona tanba nee maka ami la konkorda atu sosa kareta foun, maibe trata uluk lai kareta sira neebe iha ona trata tiha lai ba, depois mai hatama patrimoniu estadu ninia cek tiha lai bainhira kareta nee nia kondisaun la diak halo fiskalizasaun duni,” dehan Diretor Manuel, ba jornalista sira, iha nia servisu fatin, Farol, Dili, Kuarta (07/11/2018).

Tanba Diretor Manuel hatete, Sira rona deputadu sira balun nakar kareta sira ba hadia, maib sira la ba hadia sira ba troka tiha rona informasaun ida nee tenke halo investigasaun, Parlamentu Nasional tenke hakaas halo investigasaun ba hatoo keixa ba polísia ba buka tuir maibé PN laiha vontade atu trata asuntu nee.

Nia dehan, Agora orgaun soberanu sira maka tenke hanorin sidadaun sira oinsa maka atu moris ho simplesidade ka moris ho bai-bain deit, se salariu hanesan nee, too ona salariu hanesan nee lalika buka tan ida seluk.

Iha parte ketak Peskizador AJAR Inocencio de Jesus Xavier louva inisiativa estudante sira neebe mak ho aten brani sakrefika sira nia estudu, tuir lolos estadu kria kondisaun ida diak atu sira labele lokon tempu ba halo asaun, maibe kria kondisaun diak para aban bainrua bele sai future lideransa neebe diak, mais tanba injustisa social neebe mak mosu iha ita nia lideransa estadu nian entaun sira tenke salva patrimoniu riku soin povu maubere nia.

Notisia kompletu lee iha jornal STL edisaun Kinta (08/11/2018)

Carme Ximenes | Suara Timor Lorosae

PNTL Mantein Nafatin Seguransa Rai Laran

Posted: 07 Nov 2018 07:33 AM PST

DILI – Maske ho situasaun neebe sempre akontese iha rai laran, no dalaruma mos halo komunidade sira hakfodak no tauk, maibee Polisia Nasional Timor Leste (PNTL), kontinua mantein seguransa iha rai laran.

Segundu Komadante PNTL Munisipiu Dili, superintedente asistente polisia Euclides Belo hateten, agora dadaun nee PNTL latur iha deit servisu fatin maibee PNTL tun direitamente ba iha tereinu hodi asegura seguransa iha rai laran.

“Tanba nee ema dehan polisia la halo seguransa iha rai laran, maibee ita bele dehan iha dadersan deit membru PNTL sira ativu iha fatin-fatin sira neebe maka uluk prejensa polisia nian laiha, agora bele dehan iha ona,” dehan Euclides ba Jornalsita sira iha nia knar fatin PNTL Munisipiu Dili, Kuarta (7/11/2018).

Nia husu ba komunidade sira labele tauk ho situasaun sira neebe mak akontese, tanba situasaun kikoan sira neebe mak sempre akontese iha komunidade nia let, nee tanba iha ema ida rua nia entrese hakarak estraga estabiliade.

Maske PNTL sei hasoru rekursu humanus neebe sei minimum, maibee kada suku mos estabelese ona Konselho Polisiamentu Komunitaria (KPK), ida sai hanesan tarjeitu ida atu hodi reforsa tan knar polisia nia iha suku laran.

Notisia kompletu lee iha jornal STL edisaun Kinta (08/11/2018)

Sonia Ferreira | Suara Timor Lorosae

You are subscribed to email updates from TIMOR AGORA.
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.
Email delivery powered by Google
Google, 1600 Amphitheatre Parkway, Mountain View, CA 94043, United States

ATAÚRO COM OCUPAÇÃO HUMANA HÁ 18 MIL ANOS

Ocupação humana na ilha timorense de Ataúro tem pelo menos 18 mil anos

Equipas de arqueólogos detectaram vestígios que comprovam a ocupação humana há pelo menos 18 mil anos na ilha timorense de Ataúro, a norte de Díli, com gravuras rupestres que podem datar de há cerca de 8000 anos.
As investigações foram conduzidas por uma equipa de arqueólogos franceses liderada por Jean-Christophe Galipaud (do Instituto de Investigação para o Desenvolvimento de França e do Museu de Históri…

Continue Reading

Image may contain: ocean, sky, outdoor, nature and water

4 meses de atraso, de novo, no salário de profs em Timor

será propositado? mais uma vez? todos os anos?

Ricardo Fino shared a link to the group: Portugueses em Timor.

2 hrs

É absolutamente vergonhoso o que está a acontecer, e que vem sucedendo com regularidade ao longo dos projetos, que quase parece premeditado. O desrespeito é por demais evidente, não só para com os portugueses, como para com os inúmeros timorenses que fazem parte destes projetos e cuja subsistência de muitos depende dos seus salários.
Infelizmente esta realidade será transversal a outros projetos de características semelhantes e se há coordenadores como a do Projeto CAFE que segundo a noticia, procuram envidar esforços no sentido de regularizar a situação, outros existem que tudo aquilo que têm para sugerir é uma mão cheia de ameaças e eventuais rescisões de contrato.
Tudo isto é muito baixo e indigno do esforço daqueles que longe dos bairros junto à Catedral, vão cumprindo diariamente com o seu dever para com os Timorenses e para com Timor-Leste.

Comments
Nídia Bárbara Santos A minha mãe é professora em Timor e é triste e deprimente esta situação se for verdade, pois está longe da filha e do neto porque foi à procura de uma vida melhor e no final das contas passa mais necessidade do que se estive em Portuga

SIRANA FILME DE TIMOR

Joao Paulo Esperanca added a new photo to the album: Timor.

«sábado, março 08, 2008
Sirana – O início do cinema timorense

As cenas iniciais mostram-nos o interior de uma casa de palapa, um típico lar timorense com uma fotografia do Papa João Paulo II pendurada na parede, um oratório onde rezam os habitantes com uma vela acesa, frinchas nas paredes, cozinha e quarto-de-banho exteriores, também feitos de materiais como palapa ou chapas. Um senhora de lipa e cabaia reza as orações matinais e faz a lida da casa. Ficamos então a saber quem mais mora na casa, Sirana, a protagonista, filha da senhora, e a irmã mais velha daquela e o cunhado. Este está desempregado, é vadio e bêbado, e bate na mulher. As discussões entre o casal são constantes.

Vemos depois Sirana sair cedo a pé com a mãe para irem vender legumes da sua horta no mercado. Aí aparece uma antiga conhecida da mãe, acompanhada por uma jovem colega de Sirana, ambas bem vestidas e com visual moderno. As senhoras conversam um pouco e a que compra os vegetais diz que trabalha num kantor [escritório] e refere as muitas colegas de ambas de antigamente, que são agora deputadas no Parlamento e funcionárias de Ministérios. A cena apresenta, sem tal mencionar explicitamente, o contraste chocante entre a vida de uma que continua pobre e a forma como a outra subiu na vida e se move no mundo dos políticos, dos malais, das ONGs… As duas raparigas andam ambas a ensaiar para uma peça de teatro e combinam encontrar-se lá no CJPAV mais tarde. Sirana interpreta o papel principal, o de Rosa Muki Bonaparte.

Já em casa, aparece a visitá-las uma prima, moça moderníssima, toda gira, transportada de carro. Explica que trabalha com os malais, ganha muito dinheiro, e, inquirida, responde que para arranjar um emprego assim “tem que se saber inglês e português, saber vestir-se bem, ser bonita, e mais outras coisas… que tu [Sirana] ainda não sabes”. Veio contar-lhes que na semana seguinte será o seu “troka prenda”, noivado, e que o namorado é estrangeiro, mas muito boa pessoa, e que no próximo ano irão ambos à terra dele.

Noutra cena, as amigas de Sirana vêm chamá-la para ir com elas à praia. São exuberantes, elegantes e belas, vestem roupas justas com ombros nus e umbigos à mostra… Sirana vai com roupas que a prima lhe havia oferecido. Na praia ela está triste e acaba por desabafar com dois colegas, um rapaz e uma cachopa, contando os problemas em casa entre a irmã e o cunhado, e também que não lhe estão a correr bem os ensaios porque não sabe o suficiente sobre Rosa Muki Bonaparte. Os colegas falam-lhe do papel desta como pioneira dos direitos da mulher em Timor, no âmbito da OPMT, e que foi assassinada pelos militares indonésios no porto de Díli logo no primeiro dia da invasão, e aconselham-na a procurar nos livros e perguntar às senhoras mais velhas. Ela confessa que há mais uma coisa a preocupá-la, um amigo, Nonó, gosta dela, mas ela sente-se reticente em retribuir porque ele é rico e ela não. Eles asseguram que o Nonó é um tipo impecável que não dá importância a essas coisas.

Noutro ensaio, um senhor lá no CJPAV (uma das mais importantes instituições culturais de Díli) pergunta à nossa jovem heroína porque não pede ela à mãe informação sobre a personagem que tem que interpretar e sobre esses tempos. Ele tinha afinal estado no mato com a mãe de Sirana. Esta conta depois à filha sobre os primórdios da luta das mulheres pela sua dignidade, oprimidas que estavam pela sociedade e pela cultura tradicional, e sobre as actividades da OPMT na montanha nos primeiros anos da guerra.

Entretanto o namoro com o tal Nonó parece estar encaminhado. Sirana chega a casa e depara com a irmã que fora novamente espancada.

Temos depois uma cena com a prima, numa esplanada com o namorado. Este é “português”, apesar de o actor falar com um forte sotaque anglo-saxónico:

“- Amor, quando é que me levas para Portugal?
– Fazer o quê?
– Aprezenta ha’u ba ó-nia família [apresentar-me à tua família], of course!
– Querida, ó tenke komprende ha’u tropa ne’e. Ha’u labele lori ó ba Portugál agora. [tens que compreender que sou militar aqui. Não posso levar-te para Portugal agora]
– Mas amorzinho, ó promete atu aprezenta ha’u ba ó-nia família! [tu prometeste apresentar-me à tua família] Sabes perfeitamente que eu estou grávida!
– Eu sei amor. Ne’e la’ós ha’u mak sala. Itrua mak hakarak!… [isso não é culpa minha. Ambos quisemos… ]
– Mas amor…
– Não, não! Ita la promete buat ida ba malu. [nós não prometemos nada um ao outro]
– Ó labele halo ha’u nune’e [não podes fazer-me isso], por favor! “

E o “português” pede desculpa e põe-se a andar. Fica a moça abandonada a chorar. Depois vai a casa das primas contar-lhes lavada em lágrimas.

Este é um drama relativamente comum em Timor, o das namoradas grávidas deixadas entregues à sua sorte por namorados malais que terminam o tempo de serviço e voltam para os seus países. Mas achei curioso que – ainda por cima sendo o actor falante de inglês – tivessem optado por dar ao personagem a nacionalidade portuguesa. É certo que um soldado australiano me contou (não sei se estava a dizer a verdade ou não) que eles estão proibidos de namorar com as timorenses e que por isso, enquanto dura a comissão, têm alguns dias de licença de xis em xis semanas para irem a Báli, mas também é verdade que ele me disse isso num bar e que fiquei com a impressão que ele namorava com uma das empregadas que lá trabalhava…

A história no filme continua a desenrolar-se com a estreia da peça, que retrata a violência da invasão indonésia. As cenas da peça alternam com outros acontecimentos: o cunhado que aparece bêbado mais uma vez e que a sogra expulsa de casa, o reaparecimento deste num estado deplorável andando aos tombos até à porta que ninguém lhe abre. A peça termina com aplausos entusiásticos do público e com a subida ao palco de Mari Alkatiri (na época Primeiro Ministro) para dar beijinhos e cumprimentos aos actores e actrizes.

O filme foi feito em Díli há uns quatro ou cinco anos, e parece-me que é a obra pioneira do cinema timorense. Lembro-me de ter visto pelo menos uma produção antiga com actores da diáspora, “Flores Amargas”, ambientado no meio dos refugiados do Vale do Jamor, em Portugal, mas produto nacional mesmo, este – que eu saiba – é o primeiro. Apesar de algumas dificuldades ao nível técnico, como por exemplo a captação do som que não está muito boa, parece-me um trabalho muito bem conseguido a vários níveis. O primeiro é a sua radicação consciente na realidade local, falado em tétum, não se tratando apenas de olhares de malai sobre Timor mas sim de ambientes e histórias que fazem parte do quotidiano genuíno dos timorenses. Outro aspecto que me agradou foi, que apesar da aparente simplicidade do argumento, há a possibilidade de mais do que um nível de leitura. Resta dizer que Ivete de Oliveira foi a realizadora, e que o filme resulta do trabalho conjunto de várias instituições: Fundasaun Kultural Le-Ziaval, Sahe Institute for Liberation, Sanggar Mamura e Catholic Institute for International Relations, com apoio da Caritas Australia e Caritas New Zealand. Da banda sonora fazem parte pelo menos Os Novos 5 do Oriente e o Nelson Turquel, que também aparecem no filme.

Publicada por João Paulo Esperança à(s) 11:03 da manhã»
https://jpesperanca.blogspot.com/…/sirana-o-incio-do-cinema…

Image may contain: one or more people, outdoor and nature
Like

Comment

Comments
Joao Paulo Esperanca «Sirana

Thanks to João Paulo Esperança who drew my attention to a unique window into Timorese life, post 1999. The film “Sirana,” he suggests, is the first Timorese feature film. The protagonist is a young woman who is caught between a number of worldSee MoreManage

RAIKETAK.WORDPRESS.COM

LUÍS CARDOSOS (TAKAS) ESCRITOR TIMORENSE

YOUTUBE.COM
O escritor fala sobre seus primeiros livros, seus país, o Timor Leste, seu último livro, Requiem para o navegador solitário, e sua relação com o Brasil.…

a “ocupação colonial” de Timor pelos portugueses

Image may contain: text

Joao Paulo Esperanca

Há dias li um comentário de um pseudo-historiador que falava sobre “invasão e ocupação portuguesa de Timor durante 450 anos” – em 1699 Dampier encontrou em Lifau (que era então a “capital”) só 3 portugueses, dos quais 2 eram padres. Deviam ser super-homens para conseguirem “invadir e ocupar” dezenas de reinos…

Timor-Leste: Mário Alkatiri, PM timorense, quebra a promessa feita a Xanana Gusmão sobre Oecusse – e-Global

Mário Alkatiri, primeiro-ministro timorense e líder da Fretilin, declarou ontem que não se demite da liderança da Região Administrativa Especial de Oecusse-Ambeno (RAEOA), quebrando a promessa feita à Aliança de Mudança para o Progresso (AMP), liderada por Xanana Gusmão.   O PM timorense tinha prometido demitir-se da liderança dos destinos da RAEOA caso tivesse menos de “20 mil votos” nas eleições legislativas de sábado passado. O […]

Source: Timor-Leste: Mário Alkatiri, PM timorense, quebra a promessa feita a Xanana Gusmão sobre Oecusse – e-Global