ANGOLA A PIADA DO ANO

eixeira Bastos shared a post.

9 hrs

15 hrs

O antigo Presidente do MPLA e da República de Angola José Eduardo dos Santos indicou que, agora que deixou a política activa, vai dedicar-se a causas sociais.

(4) Teixeira Bastos – ANGOLA O povo angolano não quererá também uma…

ANGOLA
O povo angolano não quererá também uma indemnização pela obscena acumulação de riqueza da Isabel do papá e respectiva família e apêndices?

No ano passado, o desenvolvimento e a implementação do projeto do Porto da Barra do Dande tinha sido concessionado à Atlantic Ventures pelo anterior governo, liderado por José Eduardo dos Santos. Em janeiro, João Lourenço decidiu que queria atribuir o projeto por concurso público.

A empresa angolana Atlantic Ventures, de Isabel dos Santos, diz ter sabido da perda de um negócio de construção do novo porto da barra de Dande pela comunicação social e ter sido apanhada de de surpresa. Em comunicado, defende que a decisão do governo de João Lourenço, que revoga a do anterior executivo, implica o pagamento de indemnizações e a perda de credibilidade do país a nível internacional.

“A revogação da referida concessão, agora comunicada, tem um carácter expropriatório nos termos da lei angolana e da lei internacional. Com a decisão infundada de revogar a concessão, o Estado Angolano fica exposto ao pagamento de indemnizações previstas pela lei angolana e pelo Direito Internacional, o que implica custos adicionais para o Estado e, portanto, para o contribuinte”, referiu a empresa num comunicado enviado ao Jornal Económico.

“Implica também uma perda de credibilidade de Angola nos mercados internacionais e uma maior dificuldade em encontrar soluções de financiamento mais sofisticadas e menos pesadas para o Tesouro público, no que se refere a grandes projetos”, acrescentou.
No ano passado, o desenvolvimento e a implementação do projeto do Porto da Barra do Dande tinha sido concessionado à Atlantic Ventures pelo anterior governo, liderado pelo pai de Isabel dos Santos, José Eduardo dos Santos.

A obra envolvia um investimento de 1,5 mil milhões de dólares através da parceria entre investidores angolanos e estrangeiros. No entanto, em janeiro, o novo presidente João Lourenço decidiu, por decreto presidencial, revogar a decisão anterior por considerar que um projeto de tal dimensão tinha que ser atribuído por concurso público.

Mas a empresa alega que a questão não se coloca. “A lei aplicável a este projeto é a lei das concessões portuárias e foi corretamente aplicada pelo anterior Executivo neste processo. A lei dos Contratos Públicos – que poderia ditar a realização de concurso público – não se aplica a contratos de concessões portuárias, ao contrário do que agora assume o atual Executivo”, defende.

A Atlantic Ventures sublinha que uma vez que o valor do investimento não é pago pelo Estado, não existe colateral ou garantia financeira do Estado e, por se tratar de uma concessão, a amortização do custo da obra do Porto do Dande é paga com a rentabilidade da operação portuária, ao longo do tempo e, desta forma, não contribui para o agravar da dívida pública do país estimada em 64% do PIB para 2017.

“A Atlantic Ventures aguarda agora a necessária informação por parte do Executivo Angolano quanto às consequências da decisão adoptada pelo mesmo, após o que tomará as decisões necessárias e convenientes à proteção dos interesses em presença”, acrescentou.

LikeShow more reactions

Comment

ESPIÕES SOVIÉTICOS EM ANGOLA

«Uma “assistente política” do primeiro presidente de Angola, Agostinho Neto, foi durante anos informadora dos serviços secretos da antiga União Soviética, KGB, segundo documentos incluídos num livro agora publicado nos Estados Unidos.

O livro “The World Was Going Our Way – The KGB and the Battle for the Third World” é de autoria do historiador britânico Christophher Andrew e do antigo agente e arquivista do KGB Vasili Mitrokhin, que em 1992 fugiu da União Soviética com o auxí…

Continue Reading

economia de Angola

Os analistas do Standard Bank, um dos maiores bancos a operar em África, consideram que “há um interesse palpável nas oportunidades de investimento em Angola”.
#vpnews #angola #economia
https://vivenciaspressnews.com/investidores-internacionais…/

Angola sem florestas virgens daqui a duas décadas – revela estudo

Angola vai perder a totalidade das suas florestas virgens, se o ritmo de abate e destruição permanecer semelhante ao actual, em escassos 20 anos, revela um estudo apresentado na Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Source: Angola sem florestas virgens daqui a duas décadas – revela estudo

Um Ponto É Tudo – A língua franca e a língua de Angola

Um extenso artigo de Paulo Pena, no DN, ontem, mostrava a importante dimensão do recente périplo europeu, Paris e Bruxelas, do presidente angolano João Lourenço. O nosso jornalista escolheu este título: “A língua franca de João Lourenço na Europa foi a diplomacia”. O artigo sublinhava o interesse de o presidente Emmanuel Macron reconhecer Angola como o parceiro para resolver um dos mais graves problemas africanos: a instável República Democrática do Congo (RDC), que já foi conhecida como Zaire ou Congo (Kinshasa). Uma dificuldade de fixação no nome, que por si já indicia que procura identidade. A RDC tem uma capital que não governa, é um falhanço de país, tanto mais grave porque em tamanho é o 2.º de África e muito povoado (o 4.º).

Source: Um Ponto É Tudo – A língua franca e a língua de Angola