Portugal acusado de tentar eliminar Espanha da primeira volta ao mundo

Um artigo do ABC acusa Portugal de tentar branquear a história nas comemorações dos 500 anos da circum-navegação de Fernão de Magalhães e na candidatura à UNESCO da Rota de Magalhães

Source: Portugal acusado de tentar eliminar Espanha da primeira volta ao mundo

1807: quando a França quis dividir Portugal em 3 e dar uma parte à Itália | VortexMag

O Tratado de Fontainebleu, celebrado entre a França e a Espanha, pretendia atacar Portugal e dividir o país em 3 mas felizmente nunca foi concretizado.

Source: 1807: quando a França quis dividir Portugal em 3 e dar uma parte à Itália | VortexMag

Cláudio Torres: D. Afonso Henriques não conquistou Lisboa aos mouros, foi aos cristãos – Pessoas – SÁBADO

O arqueólogo, especialista em cultura islâmica, desfaz vários mitos da História. Defende que não houve invasões muçulmanas em massa na Pensínsula Ibérica. – Site , Sábado.

Source: Cláudio Torres: D. Afonso Henriques não conquistou Lisboa aos mouros, foi aos cristãos – Pessoas – SÁBADO

O rio que corre por baixo da cidade do Porto

Passamos sobre eles centenas de vezes, mas não damos conta de que, por baixo do solo portuense, correm mananciais construídos em terreno granítico que permitiram, durante séculos, o abastecimento das fontes e chafarizes para o consumo de água.

Source: O rio que corre por baixo da cidade do Porto

MELUNGOS Será que os luso-portugueses continuam a fazer parte do povo Melungo ?

o palmo, medidas antigas de S Miguel

Medidas antigas.
Começou por ser ao “Palmo”
Nesta ilha de São Miguel Açores.

As servidões de terras para terra de outros começou pela a largura dos carros de bois 6 “Palmos” e cada Palmo com 22 centímetros o que dá 1,32 ( que é ainda a medida do eixo das rodas de madeira dos carros de bois) e a servidão teve 10 Palmos de largura.o que dava 2.20 de largura. Estas medidas levaram séculos até começar os caminhos públicos entre Vilas e as Candas.Vou publicar outras medidas que houve no Povoamento nesta ilha de São Miguel Açores.

Image may contain: sky, cloud, grass, house, outdoor and nature
Image may contain: one or more people and close-up
Image may contain: 3 people, sky and outdoor

8 provas de que os Açores já eram habitados antes da chegada dos portugueses | VortexMag

São cada vez mais as provas de que alguém terá chegado aos Açores antes dos portugueses. Umas mais evidentes, outras mais fantasiosas. Conheça 8 delas.

Source: 8 provas de que os Açores já eram habitados antes da chegada dos portugueses | VortexMag

PORTUGUESES NA COLÓNIA DE SACRAMENTO

NOTA DO AUTOR DO BLOGUE LEIA MAIS SOBRE ESTE TEMA E COMO O 1º GOV DA AUSTRÁLIA FOI ALMIRANTE DA ARMADA PORTUGUESA NA DEFESA DA COLÓNIA EM
https://www.lusofonias.net/arquivos/429/OBRAS-DO-AUTOR/1007/CRONICAS-AUSTRAIS-1978-1998-4%C2%AA-ed-2015.pdf (HÁ UM CAPÍTULO DEDICADO AO TEMA)

COLÓNIA DE SACRAMENTO – PRESENÇA PORTUGUESA NO URUGUAI

Fundada em 1680 pelo então governador do Rio de Janeiro, Manuel Lobo, a Colónia de Sacramento, no magnífico e estratégico estuário do rio da Prata, entre o Uruguai e a Argentina, constituiu o avanço estratégico mais importante do império português na América do Sul.
Disputada pelas armas durante quase um século, a cidade- fortaleza mudou de mãos entre portugueses e espanhóis sete vezes, até que em 1777 a sua administração foi entregue a Buenos Aires.
No âmbito do Tratado de Madrid, negociado em 1750 entre Portugal e Espanha para definir as fronteiras dos seus impérios respectivos, Sacramento foi entregue em troca de vastas regiões do centro-norte do Brasil, na bacia amazónica, e também das Filipinas, que Lisboa cedeu então a Madrid.
Mesmo assim, o velho sonho de completar o Brasil dentro das suas “fronteiras naturais” – entre o Amazonas e o Prata, a famosa “Ilha-Brasil” – não morreu aí.No século XIX, já com D. João VI no Brasil, tropas portuguesas tomaram a região e formaram a província Cisplatina, que passou a integrar, a partir de 1816, o Reino Unido de Portugal e do Brasil. Só em 1825, já depois da independência do Brasil, o território foi cedido, ao cabo de numerosos confrontos com as forças locais do general Artigas, para nele se constituir a república do Uruguai – “uma bolinha de algodão colocada entre dois vidros”, na expressão de um diplomata britânico.
Com o patrocínio da Fundação Gulbenkian, têm vindo a ser recuperados inúmeros vestígios da presença portuguesa em Sacramento, sendo hoje possível visitar, além das ruínas da fortaleza que cercava a cidade, das ruínas do convento de São Francico, da Igreja matriz de Sacramento e da Casa do Governador, também um exemplar tipico de uma casa portuguesa entretanto recuperada. Nela estão expostos, entre outros objetos, um escudo português esculpido em pedra, fardas de oficias e um belíssimo estandarte da Marinha Portuguesa da época, bem como alguns objetos decorativos de loiça regional do nosso país.
Quem for ao Uruguai – país sereno – não deixe de visitar estes testemunhos do passado imperial português. A todos um Excelente 2019!

Image may contain: text
Image may contain: ocean, sky, outdoor, water and nature
Image may contain: outdoor
Image may contain: outdoor and nature
Image may contain: sky, outdoor and nature

PDL ANTIGAMENTE 1948

Image may contain: sky, outdoor and water
Image may contain: sky and outdoor
Image may contain: one or more people, sky and outdoor
Image may contain: outdoor
+79
Ponta Delgada Antigamente added 82 new photos to the album Avenida Marginal.

A primeira pedra da obra de aterro para dar origem à Avenida Marginal de Ponta Delgada foi em 28 de Maio de 1948.
O início das obras foram a 30 de Junho do mesmo ano e a conclusão das mesmas em 1952.

A construção da Avenida Infante D. Henrique em 1952 prolongou-se até a zona marítima ter transformado a cidade, nos anos 90, abrindo novas vistas do mar e escondendo os portos originais de São Francisco, Caldeira da Ribeira de Valverde e Calheta de Pedro Teive, profundamente ligados à história da ilha. A longa avenida, que flanqueia o porto e o mar, define o perfil da cidade. Reflecte também o seu dinamismo e habilidade de se adaptar ao passar do tempo. Esta avenida é, também, a principal entrada numa cidade construída através de mais de cinco séculos de história, com preciosos testemunhos do seu passado histórico. Ponta Delgada é uma cidade multi-facetada na qual a tradição vive lado a lado com a modernidade e cosmopolitismo, e a sadia tranquilidade da vida Açoriana.

a aventura de conduzir

Popular Across Facebook

They don’t make them like they used to.

-1:37

64
Watch this video with your friends

Documentário explica o fim da epopeia da caça à baleia nos Açores | Conservação da natureza | PÚBLICO

Estreia-se esta sexta-feira um documentário com produção portuguesa sobre a transformação da indústria baleeira na actividade de observação de baleias no arquipélago açoriano.

Source: Documentário explica o fim da epopeia da caça à baleia nos Açores | Conservação da natureza | PÚBLICO

LUSITANOS E/OU GALAICOS?

Eheheheh…Estes tipos da Nova Portugalidade são ridiculos.
Usam e abusam daquela formazinha de passarem mensagens “fascistinhas” disfarçadas de historia…zinha.
Guerreiro lusitano-galaico😂

Image may contain: one or more people
Nova Portugalidade

Nos confins do tempo: os guerreiros lusitanos

Estátua de guerreiro lusitano-galaico proveniente de Outeiro, Castro de Lezenho, perto de Vila Real. Encontra-se hoje exposta no Museu de Arqueologia de Lisboa. Datada da Segunda Idade do Ferro, ou seja, por volta da invasão romana, é um de muitos exemplares da cultura “castreja” exumados desde o século XIX em sucessivas campanhas arqueológicas no noroeste peninsular.

Os guerreiros lusitanos vestiam uma camisa de cores garridas e ornamentadas com motivos talismânicos e um saio com padrões de tartan, característico das culturas indo-europeias, apertado à cintura por um cinturão com aplicações metálicas. Calçavam botins em couro. A cabeça era protegida por um capacete em bronze com um pico no topo do qual pendia um adorno de crina de cavalo.

Para defesa, carregavam um escudo redondo de madeira reforçado com aplicações metálicas e como arma a falcata, espada curta e arqueada lembrando uma foice.

Comments
  • Guel de Miranda Se até o museu nacional de arqueologia( que para estes senhores é o museu de arqueologia de Lisboa) mudou a referência…O que era guerreiro lusitano, passou a Guerreiro Galaico.
    Enfim…tudo serve para enaltecer o Estado Novo🐵
    Image may contain: text
  • Guel de Miranda Trabalho de recriação da indumentária galaica realizado por Paco Boluda
    Image may contain: text

    Guel de MirandaGuel de Miranda replied

    2 Replies 3 hrs

  • João Lima Os Lusitanos eram tambem Galaicos, ou os Galaicos eram tambem Lusitanos ??? Isto nunca foi bem explicado pelos nacionalistas do Estado Novo. Ou seja eu penso que para os nacionalistas do Estado Novo, os Galaicos nao podiam ter existido, porque isso significava que os povos da Galiza (Espanha) e do Norte de Portugal, eram todos o mesmo povo. Portanto isso punha em causa a unidade de Portugal e da “raca” portuguesa. Esta indefinicao historica continua a existir na actualidade.🤔