em portugal um tanque de gasolina não o leva longe

Angelo Ferreira shared a post.

3 mins

No automatic alt text available.
Gabriel Maria Baptista Fernandes

Ora aqui está um gráfico elucidativo sobre o que valem 50€ de combustível em Portugal em comparação com a Europa. Mais de 60% desse combustível alimenta a Geringonça e as suas promessas, enquanto enfraquece a Economia, o Emprego e as empresas.

despedir a EDP era a solução para Portugal

For my Portuguese friends: Sempre defendi este tipo de soluções – tornar as cidades independentes de ‘utilities’ privadas de energia. Se aplicássemos este princípio em Portugal, estaríamos a contribuir para desmantelar uma das grandes fontes de ineficiência e corrupção no país, a EDP.

obras na ponte 25 abril já

RTP.PT
A revista Visão revela que o Ministério das Infraestruturas esteve seis meses à espera de luz verde do Ministério das Finanças para avançar com as …

CP E A HIPOCRISIA DO CDS QUE A DESMANTELOU

Diz Filipe Neto Brandao
Entre 2013 e meados de 2017, nomeado pelo Governo PSD/CDS, o conselho de administração da CP foi presidido por Manuel Queiró, ex-deputado e ex-secretário geral do CDS. Foi nesse quadriénio que se verificou o maior desinvestimento na empresa, a par com a maior quebra no número de passageiros transportados – quebra esta que ainda não foi integralmente recuperada –, tendo sido inclusive atingido, em 2014, o maior valor da dívida da empresa, superior a 410

See More

Image may contain: 5 people
Filipe Neto Brandão

Entre 2013 e meados de 2017, nomeado pelo Governo PSD/CDS, o conselho de administração da CP foi presidido por Manuel Queiró, ex-deputado e ex-secretário geral do CDS. Foi nesse quadriénio que se verificou o maior desinvestimento na empresa, a par com a maior quebra no número de passageiros transportados – quebra esta que ainda não foi integralmente recuperada –, tendo sido inclusive atingido, em 2014, o maior valor da dívida da empresa, superior a 4100 M€. O número de trabalhadores foi então reduzido em um terço, existindo um plano para privatização da EMEF que ficou então muito perto de ser concretizado, tendo sido descartado pelo actual Governo.
Hoje, o CDS decidiu fazer com que alguns dos seus candidatos às próximas eleições passeassem em comboios protestando contra a “falta de investimento”. Ei-la, a imagem da desfaçatez…

EM BREVE A VENDA DA CP???

 

a situação tem todos os contornos de a desvalorizar vender ao desbarato aos amigos da pandilha Chrys Chrystello

Teixeira Bastos shared a post.

2 hrs

CP EM FALÊNCIA TÉCNICA !!!

A empresa anunciou a redução do número de comboios em diversas linhas do país, “por falta de material circulante e respetiva manutenção”.

24.SAPO.PT
O PSD responsabilizou hoje o Governo pelo estado de “falência operacional” da CP, após o anúncio pela empresa da redução do número de comboios em diversas linhas do país, “por falta de material circulante e respetiva manutenção”.
***********************
Inicio Destaque Administração da CP está de saída

Administração da CP está de saída

Em plena crise ferroviária, com supressão de linhas e redução de horários, o conselho de administração da Comboios de Portugal, composto por Carlos Nogueira, Abrantes Machado e Ana Malhó está de saída. A tutela já está à procura de uma nova equipa.

A notícia é avançada esta terça-feira pelo jornal Público. Questionada pelo jornal, a CP limitou-se a responder que “não tem informações sobre esse assunto“. Já o Ministério do Planeamento e Infraestruturas não respondeu ao pedido do matutino.

A confirmar-se a saída da equipa de administração, Carlos Nogueira abandona a liderança da CP pouco mais de um ano depois de ter assumido essa posição. Nessa altura, em julho de 2017, era consensual que a CP precisava de comprar novos comboios – o que não chegou a acontecer no último ano.

Na verdade, a situação da empresa foi-se agravando, com a inoperância da EMEF (Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário), incapaz de reparar e manter a frota da empresa por falta de autorização da tutela para contratar pessoal, aponta o jornal.

Secretário de Estado rejeita “situação de colapso”

O secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d’Oliveira Martins, rejeitou nesta segunda-feira que a Comboios de Portugal esteja “em situação de colapso”, considerando que a oposição PSD/CDS-PP está “a criar um caso que não existe de todo”.

“A oposição PSD/CDS-PP está a criar um caso que não existe de todo. Não há colapso nenhum, o que acontece são opções por parte da CP para garantir que há condições de transporte dignas e de qualidade”, disse o governante em declarações à Lusa.

Em causa estão as alterações temporárias nos horários nas linhas de Cascais, Sintra, Norte e Oeste em vigor desde domingo, mas também a suspensão da venda dos bilhetes devido às temperaturas elevadas que se fizeram sentir no final da semana, cuja situação hoje já se encontra regularizada.

O CDS-PP exigiu explicações ao Governo sobre a “situação de colapso” na CP e admite antecipar a reunião da Comissão Permanente do parlamento, prevista para setembro, se entretanto o ministro do Planeamento não der esclarecimentos públicos.

Há uma “situação de colapso” nos transportes ferroviários com consequências nos horários, manutenção e número de comboios em funcionamento, afirmou o vice-presidente do partido Adolfo Mesquita Nunes, em conferência de imprensa conjunta com o líder parlamentar, Nuno Magalhães, na Assembleia da República, em Lisboa.

Guilherme d’Oliveira Martins rejeita falar em colapso: “Uma questão tem a ver com questões excecionais relacionadas com a meteorologia, opções técnicas de suspensão de bilhetes em alguns comboios e que está já ultrapassado”.

No passado domingo, o PSD responsabilizou o Governo pelo estado de “falência operacional” da CP, após o anúncio pela empresa da redução do número de comboios em diversas linhas do país, “por falta de material circulante e respetiva manutenção”.

ZAP // Lusa

A CP IMITA A ÍNDIA?

Comboios Intercidades viajam com passageiros que não pagam bilhete

Há passageiros que circulam no comboio Intercidades que não pagam bilhete por problemas de cobrança a bordo. A CP assume que este episódio se tem repetido nas últimas semanas, sobretudo no troço entre Lisboa e Faro, que passa por várias estações sem bilheteira.

Apesar de a situação não colocar em perigo a segurança dos passageiros, a empresa pública está a perder receitas. Os utentes apenas podem utilizar o Intercidades se reservarem lugar com até 60 dias de antecedência.

“A CP tem conhecimento de que, em dias de maior procura, se verificam situações com clientes que, não tendo comprado a sua viagem antecipadamente num dos diversos canais disponíveis, entram nos comboios sem previamente validarem com o revisor do comboio se existem lugares disponíveis e sem adquirirem a viagem junto dele, como deveriam fazer em cumprimento da regulamentação em vigor”, refere fonte oficial ao JN/Dinheiro Vivo.

Os bilhetes para os comboios Intercidades podem ser comprados através dos serviços da CP, através das caixas de Multibanco e de agências de viagem.

Só que a empresa pública “não tem presença de meios para a compra de bilhetes em algumas das estações” que estão no percurso deste Intercidades, como Ermidas-Sado e, nessas estações, “é obrigatório que o passageiro se dirija ao agente da CP, antes ou imediatamente após embarque e antes de ocupar lugar, para solicitar a aquisição do respetivo título de transporte. A bordo, o pagamento é feito apenas em numerário. Não estando nestas condições, é considerado passageiro sem bilhete”, refere o documento das condições gerais de transporte da empresa. Mas, dentro do comboio, o revisor acaba por não chegar aos passageiros sem bilhete.

Denúncia de passageira

A situação foi denunciada na semana passada por uma passageira através do Facebook. “A partir do meio da viagem, os bilhetes estão esgotados, mas nas estações onde não existem bilheteiras as pessoas entram em busca de um lugar; espalham-se pelos corredores, junto das portas e na zona do bar, amontoadas com todo um aparato de malas, bicicletas, cães, etc.”, referiu esta utente.

Image may contain: 1 person, outdoor
Comments

sem educação não há crescimento económico

(há anos que escrevo isto)…

Não há Desenvolvimento sem Crescimento Económico.
E não há Crescimento Económico sem EDUCAÇÃO DE QUALIDADE ao nível da Literacia, do conhecimento da Matemática e das Ciências.

Mas, não há educação de qualidade sem boa formação universitária de professores, sem boa formação contínua de docentes, sem escolas de qualidade, sem laboratórios, sem bibliotecas, sem manuais escolares que os alunos possam usar em casa, sem escolas organizadas com equipas pedagógicas com capacidade de supervisão e avaliação curricular, etc.

Em resumo, não há crescimento económico se não existir um significativo investimento do Orçamento Geral de Estado coerente com um bom Programa do Governo no setor da Educação!

No automatic alt text available.

A DÍVIDA ESCONDIDA

For my Portuguese friends: Se existe algum adjectivo para caracterizar a gestão financeira que sucessivos governos – com raríssimas excepções – têm vindo a executar no país, esse adjectivo será “irresponsável”. Pensando bem, poderia também recorrer a outros adjectivos…

ECO.PT
O Governo prevê que no final do ano a dívida pública caia para 122,2% do PIB. Mas o Conselho das Finanças Públicas alerta para a existência de “responsabilidades contingentes” no valor de 76,5%.

Portugal tem 76,5% do PIB de dívida “escondida”, diz o Conselho das Finanças Públicas. Somos campeões das PPP – ECO

O Governo prevê que no final do ano a dívida pública caia para 122,2% do PIB. Mas o Conselho das Finanças Públicas alerta para a existência de “responsabilidades contingentes” no valor de 76,5%.

Source: Portugal tem 76,5% do PIB de dívida “escondida”, diz o Conselho das Finanças Públicas. Somos campeões das PPP – ECO

%d bloggers like this: