e o saque da banca aos dinheiros da gente vai continuar

António Hespanha shared a post.

1 hr

Só para dizer que este banco é privado. Foi dado pelo governo PS a um grupo americano a preço zero. Ora, sendo que já precisou de 720 milhões e vai precisar de

See More

LikeShow more reactions

Comment

Comments
Jota Monteiro Isto é um escândalo. Porque não foi o BES nacionalizado?. Os Girondinos de 1789 continuaram a atraiçoar o povo feitos Mencheviques em 1917 e hoje 2018 afirmam-se Socialistas mas o percurso destes séculos definem bem esta politica; a traição, a rendição e o conluio com a Burguesia.
1

Manage

Like

Reply1h

Acácio Machado E tudo começou com Salgado, Carlos Costa e Mr. Pin😂

Queda do valor de moedas emergentes desperta temor de nova crise mundial | Economia | EL PAÍS Brasil

Epicentro da crise cambial está na Turquia, mas as reverberações chegam a Argentina, África do Sul, Rússia, Índia e Brasil, onde o real voltou ao nível de 2016, período pré- impeachment de Dilma Rousseff

Source: Queda do valor de moedas emergentes desperta temor de nova crise mundial | Economia | EL PAÍS Brasil

O CRIME COMPENSA EM PORTUGAL

Lotus De Jade Tchum and Julieta Roxo Magalhaes shared a post.
Image may contain: 1 person, eyeglasses

Paulo de Morais

21 hrs

OLIVEIRA E COSTA Está a gozar férias, tranquilamente, neste exacto momento. Foi CONDENADO a 14 anos de cadeia. Mas… NÃO ESTÁ PRESO. Nem devolveu um único euro dos sete mil milhões que esta burla custou aos portugueses. Oliveira e Costa foi Presidente do BPN, responsável pela “maior burla da história da Justiça portuguesa julgada até ao momento”. Mas continua tranquilamente a gozar a sua vidinha. Entretanto, há dois milhões de portugueses pobres, que continuam a pagar a factura das burlas de Oliveira e Costa. Estes dois milhões de pobres não gozam férias, nem vivem condignamente. Porque estão a pagar a corrupção a que Oliveira e Costa e outros condenaram o nosso País. E a Justiça onde anda? E os políticos no activo que têm a dizer sobre isto? E Marcelo, que tudo comenta, nada diz?

Julieta Roxo Magalhaes and Rui Cruz shared a post.
Image may contain: 1 person, standing and suit
Paulo de Morais

CORRUPTO em férias tranquilas. Armando Vara foi condenado a cinco anos de PRISÃO EFECTIVA, por corrupção. Mas continua à SOLTA. E não devolveu, até hoje, os activos de que se apropriou. Condenado em Primeira Instância, recorreu para a o Tribunal da Relação do Porto. A Relação confirmou a decisão. E nada aconteceu. Recorreu para o Tribunal Constitucional. O TC também não lhe deu razão. E nada aconteceu.
Vara ludibria a Justiça. E goza: goza férias, goza com a Justiça, goza com um Estado de Direito que não se dá ao respeito.
Continuaremos, a repetir este post – quinzenalmente. Até que a Justiça funcione, efectivamente.

RICARDO SALGADO O DONO DISTO TUDO

3 mins

Image may contain: 1 person, smiling
Paulo de Morais

Ricardo Salgado goza férias. Goza férias longe de Lisboa. Goza com a Justiça, goza com o Povo Português. RICARDO SALGADO continua à solta. E protegido pelo regime, pois é amigo de Marcelo, de António Costa, de Cavaco Silva, de Sócrates. Esteve sempre ligado aos negócios mais obscuros e ilegais: intermediação na compra (corrupta) de submarinos aos alemães; tráfico de influências na privatização da EDP, falência fraudulenta da Portugal Telecom, eventuais subornos a Sócrates e Vara; e tantos outros. No estrangeiro, surge como o banqueiro do escândalo Mensalão, no Brasil; e associado aos problemas do Petróleo de Angola. Salgado provocou a falência do BES, do BES Angola, do GES, da Rioforte, da PT… um coveiro de empresas à custa das quais se tornou multi-milionário.
Foi responsável pela desgraça de milhares de portugueses. Desacreditou os funcionários do Novo Banco (ex-BES), que andaram a vender papel comercial falso aos seus clientes. Descapitalizou muitas famílias que tinham as suas poupanças à guarda do BES, os Lesados do BES. Muitos faliram, caíram em depressão. Houve até suicídios!
Mas… o que lhe aconteceu até hoje? Nada! Salgado dispõe do cartão “Você está livre da Prisão” – no verso do cartão está lista dos políticos que foi subornando ao longo de décadas.
A conclusão é a de que Portugal não é um verdadeiro Estado de Direito! Porque há INTOCÁVEIS. E assim continuará esta democracia moribunda, se não provocarmos um sobressalto cívico.

Caixa fica em França mas tem de perder peso em Moçambique e Cabo Verde – Banca & Finanças – Jornal de Negócios

A Comissão Europeia autorizou várias alterações ao plano estratégico da Caixa Geral de Depósitos, destacando-se que já não obriga à retirada do banco do Estado no mercado francês, onde emprega 500 trabalhadores. Em contrapartida, a presença em Cabo Verde e Moçambique é para reduzir.

Source: Caixa fica em França mas tem de perder peso em Moçambique e Cabo Verde – Banca & Finanças – Jornal de Negócios

a banca sempre a roubar….Comissões: Bancos portugueses cobram o dobro da banca espanhola – Banca & Finanças – Jornal de Negócios

O preço cobrado pelos bancos portugueses aos clientes típicos por diversos serviços ascende a 78 euros por ano, um valor que mais do que duplica os 38 euros cobrados pela banca espanhola. Os dados constam de um estudo da consultora Deloitte divulgado esta terça-feira.

Source: Comissões: Bancos portugueses cobram o dobro da banca espanhola – Banca & Finanças – Jornal de Negócios

tadinhos dos bancos falidos ..para os profes não chega…Estado gasta mais 768 milhões de euros com bancos falidos em 2017

Parvalorem, o maior veículo de todos, ligado ao BPN, teve receitas globais 447 milhões de euros em 2017. No entanto,72% desse encaixe é um pagamento que veio do Estado

Source: Estado gasta mais 768 milhões de euros com bancos falidos em 2017

a desgraça da banca

For my Portuguese friends: O retrato de um país em que irresponsabilidade – pessoal e institucional – é uma característica da cultura vigente. Essa irresponsabilidade e a correspondente impunidade, com forte protecção política e institucional, são fonte permanente de pobreza para o país. Entretanto, o futebol parece comandar as atenções nacionais, embora infelizmente não pelas centenas de milhões de euros que alguns dirigentes devem. A ignorância, a parolice e a irresponsabilidade instituídas são inadmissíveis.