CONTO DE PEDRO PAULO CÂMARA

“Arquipélago de Escritores”:

  • Escritores convidados (nacionais):
    Afonso Cruz | Álamo Oliveira | Ana Cássia Rebelo | Ângela de Almeida | Carlos Alberto Machado | Carlos Bessa | Carlos Tomé | Clara Macedo Cabral | Daniel Gonçalves | Diogo Madre Deus | David Machado | Filipa Martins | Gonçalo M. Tavares | Isabel Lucas | João de Melo | João Pedro Porto | João Pereira Coutinho | João Tordo | Joel Neto | Isabel Rio Novo | Leonardo Sousa | Leonor Sampaio da Silva | Luís Osório | Onésimo Teotónio Almeida | Paula de Sousa Lima | Pedro Mexia | Renata Correia Botelho | Sandro William Junqueira | Urbano Bettencourt | Vamberto Freitas | Vasco Rosa

    Escritores convidados (internacionais):
    Anthony Marra | Diana Marcum | Nathan Hill (EUA) Lélia Nunes (Brasil)

…. um certo “festival” literário em Novembro nos vai colocar no mapa do país

Boa tarde.
Para os “gurus” açorianos que nos últimos anos trazem de Lisboa na “pasta”, meio vazia. Já estávamos aqui há muitos anos. Se não fosse a minha geração vocês eram os mais ilustres desconhecidos, tanto nos Açores como Continente. Entenderam? Sim, ando furioso quando dizem, como disseram hoje no Açoriano Oriental, que um certo “festival” literário em Novembro nos vai colocar no mapa do país. E do “mundo”? Espero que seja o Quénia, porque mais nada resta.
__

Comments
Chrys Chrystello vou já cancelar os colóquios que estes agora vão fazer isso e ainda mais…descobriram a roda e a pólvora e os indígenas agradecem o isqueiro pata substituir o sílex.. é um insulto ao Vamberto, Urbano, aos colóquios da lusofonia desde 2005 e a todos os que organizaram eventos desde 1989 na Maia…

ROBERTO MESQUITA Luiz Fagundes Duarte

ROBERTO DE MESQUITA (Ilha das Flores, 1871-1923), sem quase nunca ter saído da sua ilha natal, é um dos mais importantes poetas simbolistas portugueses. A sua poesia encontra-se reunida no livro póstumo «Almas Cativas e Poemas Dispersos» (1931) — onde podemos ler este soneto em alexandrinos:

Às grades da prisão, olhos extasiados
Vêem descer o Sol sobre o mar de metal.
Na tarde de âmbar há murmúrios espalhados
Como preces da Terra à estrela vesperal…

No horizonte rutilante, a toda a vela
Passa um navio; é todo de oiro e de rubis…
Onde vais, onde vais, brilhante caravela
Do rei poeta dum quimérico país?

É triste o alcácer, com salões frios e anosos,
Como as igrejas cheios de ecos cavernosos,
Com grossas portas de mosteiro medieval.

Mas desse interior taciturno, afastado,
Duma estreita janela, olhos extasiados
Vêem descer o sol sobre o mar de metal…

Image may contain: text
Image may contain: text
Image may contain: one or more people

novo lançamento daniel gonçalves

Domingo, dia de São João, tenho um novo livro que vai marchar na alegria do meu coração, até à alegria do vosso. Posso contar convosco? No recinto das festas, pelas 18.30… É uma história de amor, não me troquem por um fim de tarde na praia… vá lá!

Image may contain: 1 person, text

faleceu a escritora Maria Adelaide Correia Monteiro de Freitas.

Maria Adelaide Correia Monteiro de Freitas.
1949-2018.
Adeus Meu Amor. Descansa em Paz.
__

Image may contain: 1 person, sitting and indoor
Image may contain: 1 person, closeup
bibliografia
  1. Adelaide Batista. (1990). De emigração tecido. Ponta Delgada, Signo.
  2. Adelaide Batista. (1991). Moby Dick. A ilha e o mar. Metáforas do caráter do povo americano. Ponta Delgada, Signo.
  3. Adelaide Batista. (1993). “Identidade e espírito do lugar” in João de Melo e a Literatura Açoriana. Lisboa. Dom Quixote.
  4. Adelaide Batista. (1993). “Distância. Impulso genético da imagística açoriana”, in João de Melo e a Literatura Açoriana, Lisboa, Edições Salamandra,
  5. Adelaide Batista. (1994). Regresso a casa. Uma proposta de intervenção social. 2ª ed. Ponta Delgada, Coingra.
  6. Adelaide Batista. (1994). Viagem ao centro do mundo. Lisboa. Ed. Fragmentos.
  7. Adelaide Batista. (1995). Nordeste: e no princípio era a ilha, com Homem Cardoso. Ponta Delgada, Ed. Éter.
  8. Adelaide Batista, (1996), e Freitas, Vamberto. Women’s literary contribution in the Portuguese region of the Azores, ed. Universidade Fernando Pessoa
  9. Adelaide Batista. (1998). “Da cultura nos Açores”, Suplemento Açoriano de Cultura n° 67 Correio dos Açores, Ponta Delgada,
  10. Adelaide Batista. (2000) in Nove rumores do mar. Antologia de Poesia Açoriana Contemporânea, org. Eduardo Bettencourt Pinto e Vamberto Freitas, Instituto Camões e Seixo Publishers
  11. Adelaide Batista. (2004). Sorriso por dentro da noite. Vila Nova de Gaia. Ed. Ausência
  12. Adelaide Batista. (2006) in Ponta Delgada, Ficções, coord. Carmo Rodeia e José de Almeida Melo, ed. Câmara Municipal de Ponta Delgada,
  13. Adelaide Batista. (2007) in Voices from the islands, an Anthology of Azorean Poetry. John M K Kinsella. Gávea-Brown Publications. Providence. Rhode Island
  14. Adelaide Batista. (2008). Nas duas margens: da literatura norte-americana e açoriana. Ponta Delgada, Ed. Linhas E Círculos
  15. Adelaide Batista. (2011). Escultura de Luz. Edium ed.
  16. Adelaide. (2016). Smiling throughout the night, ed. Tagus Press. Sorriso por dentro da noite, trad. Katharine F Baker, Bobby J Chamberlain, Emanuel Melo
  17. Adelaide Batista. [s.d.; s.i.]. Os Açores na convergência dos olhares. In adiaspora.com

Fringe: uma especial forma de Ser — Opinião de Pedro Paulo Câmara

Publiée par Mais Central sur lundi 28 mai 2018