China mostra interesse em cooperação científica com os Açores – Açoriano Oriental

O secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia dos Açores, Gui Menezes, admitiu hoje o interesse da China em cooperar cientificamente com a região no âmbito do Air Center – Centro de Investigação Internacional do Atlântico, a instalar no arquipélago.

Source: China mostra interesse em cooperação científica com os Açores – Açoriano Oriental

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

Raríssimas (cada vez mais ridícula esta comunicação social e os envolvidos no caso)- Paula Brito e Costa defende-se das acusações: ″Sou alérgica ao marisco″

Ex-presidente da Raríssimas disse ainda que os vestidos comprados com o cartão da empresa eram “fardas” para eventos formais

Source: Raríssimas – Paula Brito e Costa defende-se das acusações: ″Sou alérgica ao marisco″

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

SATA: Um incompreensível silêncio

Source: momentos: Um incompreensível silêncio

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

Última hora: Todo o tempo de serviço vai ser contabilizado! – YouTube

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

Ryanair acaba com duas bagagens na cabine a partir de janeiro

Source: Ryanair acaba com duas bagagens na cabine a partir de janeiro

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

LUÍS GIL BETTENCOURT PRESENTE ENVENENADO

Normal

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

Manuel Aires Mateus é o vencedor do Prémio Pessoa.

(em atualização)

Source: Manuel Aires Mateus é o vencedor do Prémio Pessoa.

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

Os milionários negócios da pobreza – Missão Continente – Jornal Tornado

O que têm em comum a Leopoldina, Paulo Azevedo, a Sonae, a TVI e as caras que empresta? A hipocrisia farisaica de quem ganha dinheiro com o negócio da multiplicação da pobreza enquanto faz de

Source: Os milionários negócios da pobreza – Missão Continente – Jornal Tornado

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

TIMOR AGORA 15DEZ17

TIMOR AGORA

Ró Ospitál Xina Sei Halo Asisténsia Médika Gratuita
Timor-Leste taka tinan ne'e ho tensaun polítika ne'ebé marka ho eleisaun rua
A DEMOCRACIA EM TIMOR-LESTE E O PODER DO VOTO
Sente La Seguru, PPN Adia Debate OR
BOAMP garante sei la hapara Funsinariu Kontratadu; OR finansia ba estrutura membru Governu
Tensão política encerra ano de Timor-Leste marcado por duas eleições
Oposição timorense acusa presidente do Parlamento de obstruir trabalhos
Tribunal Constitucional indonésio recusa ilegalizar sexo 'gay' e extraconjugal
Asalta Poder no Golpe Politika; Diskursus Erradu no Burradu
Intelektual Fiar Lideransa Sei Lafahe Malu
Governu Lakoi Halo Funsionariu Kontratadu Sai Vitima
Karta Destituisaun Tribunal Mak Deside, Prazu Loron 10
Primeiru-Ministru Fiar Opozisaun Vota Afavór ba Programa Governu
Governu Sei Atribui Sertifikadu Investidór Ba Pelikan Paradise
GMN TV | Lalaok Desportu

Ró Ospitál Xina Sei Halo Asisténsia Médika Gratuita

Posted: 14 Dec 2017 06:13 PM PST
DILI, (TATOLI) – Governu Timor-Leste hato’o benvindu ba ró ahi ospitál Xina, ho naran ARCA DA PAZ ne’ebé sei hala’o misaun pás no umanitária durante semana ida hodi fó asisténsia médika gratuita ba populasaun, veteranu, Polísia Nasionál Timor-Leste (PNTL) no FALINTIL-Forsa Defeza Timor-Leste (F-FDTL).

“Bemvindu mai Timor-Leste, embaixadór, almirante ofisiál superiór sira no mariñeiru sira ne’ebé mak halo ona viajen naruk hodi to’o Timor-Leste”, Ministru Defeza no seguransa, José Agostinho Siqueira Somotxo, perante autoridade xineza sira iha portu Dili, kinta (14/12) relasiona ho prezensa ARCA DA PAZ.

Ita kontinua serbisu hamutuk durante semana ida, programa sira ne’ebé sei tuir mai, programa no konsulta barak sei hahú, aban no loron tuir mai, “Seja Bem vindo”, deseja tan.

Governante ne’e mós agradese ho prezensa ró ahi ospitál Xina, ARCO DA PAZ hodi fó asisténsia médika ba timoroan sira.

“Agradese ba valiozu apoiu ne’ebé mak Repúblika Populár Xina ba Repúblika Demokrátika Timor-Leste, ba povu no militár iha área saúde, konsulta médika husi espesialista sira no asisténsia ospitalár hodi enaltese ita-nia esforsu konsertadu iha kooperasaun entre Xina no Timor-Leste iha área seguransa defeza, sívil no saúde”.

Somotxo akresenta Ró ARCA DA PAZ mai tanba konvite no kooperasaun entre Timor-Leste ho Xina ne’ebé hala’o ona durante ne’e.

Vizita ne’e mai kulmina iha konsolidasaun relasaun diplomátika no kooperasaun iha nível militár.

Tinan hirak ikus ne’e, hametin liutan relasaun amizade militár tanba Repúblika Populár Xina apoia ona iha nível kooperasaun, nomós nível dezenvolvimentu forsa armada, tenik Somotxo.

Ministru ne’e haktuir apoiu balun ne’ebé mak haree, kazu konkretu edifísiu Ministériu Negósiu Estranjeiru, edifísiu Palásiu Prezidenziál no diretamente kuartel jerál forsa armada ne’ebé agora akumula ministériu defeza.

“Repúblika Populár Xina mai hodi kontinua akordu sira ne’ebé ita estabelese, finalizadu akordu asinadu Repúblika Populár Xina iha área defeza ho Ministériu Defeza no Seguransa, iha fulan hirak kotuk kona-ba apoiu tékniku profisionál, apoiu iha nível ekipamentu prinsipalmente iha formasaun no komunikasaun ba forsa armada sira”, katak tan.

Komandante ró ahi ospitál ARCA DA PAZ, Gun Bailin, hodi ekipa serbisu nomós xineza sira agradese ho sinseru ba konvite husi governu Timor-Leste ba dizpozisaun no preparasaun delikada sira husi Ministériu Defeza no Seguransa, Ministériu Saúde, Ministériu Edukasaun, Ministériu Transporte no Komunikasaun, Forsa Defeza, Polísia Nasionál no seluk tan.

Gun Bailin hateten ARCA DA PAZ nakonu ho pás. Ró ahi ospitál ne’e sai husi Xina hodi kumpri misaun ida ho naran armonia 2017. Sira halo ona vizita durante loron 141 iha nasaun afrikanu sira, hafoin loron 18 halo viajen to’o Timor-Leste.

Nu’udar ró ospitál profisionál dahuluk iha mundu kadavez asume misaun sagrada hodi salvaguarda pás no salva vida.

Nune’e mós, ARCA DA PAZ mai nakonu ho amizade no foin dahuluk halo vizita mai Timor-Leste hodi hametin amizade no koñesimentu no haluan tan kooperasaun.

Sira sei estadia iha Timor-Leste durante semana ida no sei fó asisténsia no konsulta gratuita ba populasaun sira, hahú ohin to’o tersa (20/12).

“Ró ahi ospitál ARCA DA PAZ sei mai nafatin iha futuru, maun alin timoroan sira nu’udar viziñu di’ak, amigu no parseiru di’ak ne’ebé povu xines sempre preokupa no importa bainhira povu Timor-Leste presiza, governu Timor nesesita”, afirma.

Hatutan tan ARCA DA PAZ sempre disponível hodi apoia no presta asisténsia médika ho kualidade aas liu no efisiénsia.

ARCA DA PAZ konstrui iha Xina ho intensaun atu fó asisténsia médika iha tasi ho kompromísu ida katak manten pás, estabilidade nomós amizade.

Ró ne’e konstrui nu’udar mós kontinuasaun polítika no estratéjia marítima Xina nian iha 23 abril 1949.

Ró nia naruk metru 178 no todan 14.300 ton. Área médiku nian deskobre área 4.000 m2kompostu husi sala operasaun jerál neen no sala operasaun intensiva rua.

ARCA DA PAZ kumpleta ho ekipamentu foun no modernizadu, profisionál saúde espesializada no kualifikadu ho kualidade internasionál inklui profisionál mariña sira seluk tan.

Ró ne’e durante nia misaun hahú husi 2010 to’o 2015 halo ona konsulta no fó asisténsia médika gratuita ba nasaun 29 iha rejiaun Ázia, Áfrika, Amérika no Oseania ba ema kuaze rihun 120, iha Xina no populasaun sira iha mundu.

Jornalista: Rafy Belo | Editora: Rita Almeida

Timor-Leste taka tinan ne’e ho tensaun polítika ne’ebé marka ho eleisaun rua

Posted: 14 Dec 2017 06:04 PM PST
Iha Timor-Leste, tinan 2017 hahú ho dame ida kuaze total entre forsa partidáriu sira, iha klaran marka ho akordu fronteira ho Austrália no hakotu ho krizi polítika ida hafoin eleisaun prezidensial sira no lejislativu nian.

Hanesan moris polítika ida, domina dahuluk hosi kalendáriu eleitoral no hafoin ne’e ho formasaun susar hosi Governu no tuir protestu hosi opozisaun maioritáriu ne’ebé maka marka tan tinan 2017.

Tinan ne’e hotu ho dúvida barak liu duké dúvida sira ne’ebé maka ezisti bainhira hahú tinan 2017, bainhira nasaun prepara hela ba eleisaun prezidensial sira no konsensu ida hatudu ba vitória loloos hosi Francisco Guterres Lu-Olo, apoia hosi nia partidu – Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) – maibé mós ho apoiu hosi Xanana Gusmão ho nia partidu Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT).

Francisco Guterres Lu-Olo manán iha volta dahuluk. Susar liu maka lejislativu sira, iha fulan-Jullu, ne’ebé Fretilin manán ho vitória mínimu, liu de’it votu rihun resin duké CNRT.

Maibé, kuaze ekilíbriu entre forsa polítika rua ne’ebé hetan liu votu, tanba Fretilin apoia governu rua anterior ne’ebé lidera hosi CNRT no deklarasaun – hafoin períudu ida reflesaun nian iha loron barak nia laran hosi Xanana Gusmão – katak partidu daruak sei sai hanesan opozisaun konstrutivu, halo antevizaun ida ba solusaun pasífiku ida.

Maibé diálogu sira liuhosi konflitu oioin no Fretilin konsege harii de’it Governu minoritáriu ida ho Partidu Demokrátiku (PD), ne’ebé partisipa pelumenus militante ida hosi CNRT no na’in tolu hosi PLP.

Ekilíbriu iha tinan hirak ikus ne’e la mantén no hafoin prosesu naruk hosi formasaun Governu nian, ezekutivu nia programa la liu tanba iha proposta rejeisaun ida hosi opozisaun ne’ebé maka halibur hamutuk iha Aliansa Maioria Parlamentar (AMP) ida.

Nune’e tinan ne’e ho ho difikuldade ida: Governu akuza opozisaun ba tentativa golpe, AMP hatete katak atua tuir Konstituisaun no akuza prezidente Parlamentu Nasional nian tanba rekuza halo markasaun ba proposta sensura kontra ezekutivu.

Lahó osan iha área barak, ho orsamentu limitadu ida ba tinan 2017 – no previzaun katak iha 2018 sei hahú ho duodésimu – Governu labele halo buat barak iha área barak, ho opozisaun hakarak hetan aprovasaun ba nia proposta sensura, hodi obriga hatún ezekutivu.

Desizaun ikus iha Prezidente Repúblika nia liman laran, ne’ebé rona nafatin líder polítiku sira, relijiozu sira no hosi sosiedade sivil no ne’ebé sei desidi katak sei buka solusaun governativu seluk iha kuadru parlamentar atual ka avansa ba eleisaun antesipadu.

Iha planu externu, tinan ne’e marka ho akordu ba definisaun fronteira tasi sira nian ne’ebé hetan ho Austrália no karik sei asina, tuir dalan formal, iha tempu badak.

Akordu mós sai hanesan asaun boot ikus hosi moris luta ba independénsia no soberania Timor-Leste nian hosi istóriku Xanana Gusmão: tanba nia maka lidera ona ekipa timoroan ne’ebé halo negósiu ho Austrália ho mediasaun hosi Komisaun Konsiliasaun ida hosi ONU.

Iha tinan ida ho tensaun polítika ne’ebé pozisaun sira hosi partidu prinsipal sira hahú dook malu, luta ba definisaun fronteira sira no akordu ne’e sai hanesan parte maka’as unifikador nian, merese hetan apoiu kuaze konsensual iha Timor-Leste.

Aleinde defini “elementu sentral sira” hosi definisaun fronteira tasi nian entre nasaun rua – buat hotu indika katak sentra iha liña média ida ne’ebé maka ema timoroan sira reklama beibeik -, akordu iha impaktu diretu iha konta nasional sira, tanba inklui estatutu legal ba dezenvolvimentu hosi posu gás Greater Sunrise nian iha Tasi Timor.

Asuntu úniku ne’ebé pendente iha relasaun ho oinsá maka gás ne’e sei explora: ho gazodutu ida ba Darwin, iha Teritóriu Norte Austrália nian, ba ba kosta súl Timor-Leste nian. Destinu hosi gazodutu ne’e sei determina dalan oinsá sei fahe reseita sira entre nasaun rua.

Tinan ne’e marka mós ho momentu intensu ida hosi relasaun bilateral foin lalais ne’e entre Portugal ho Timor-Leste, tanba kaben-na’in portugés Tiago ho Fong Fong Guerra, ne’ebé hetan kondenasaun kadeia tinan ualu iha Díli no ne’ebé halai ba Austrália ho ró iha loron 09 Novembru. Kazal ne’e to’o iha Lisboa iha loron 25 Novembru.

Entrega pasaporte sira ba kazal ne’ebé halo foin lalais hosi embaixada portugeza iha Díli hetan krítika iha Timor-Leste, maibé ministru Negósiu Estranjeiru portugés, Augusto Santos Silva, garanti ona katak respeita ona lejislasaun portugeza, konkluzaun hosi investigasaun urjente ida ne’ebé maka nia haruka halo.

SAPO TL ho Lusa

A DEMOCRACIA EM TIMOR-LESTE E O PODER DO VOTO

Posted: 14 Dec 2017 01:00 PM PST
Hercus Pereira dos Santos * | opinião

«Povo de Timor-Leste martir, sofredor, indefeso e pacifico por uma causa justa, nobre e que muitas vezes os lideres do mundo esqueceram» (Traducao minha do livro de Jose Mattoso intitulado Konis Santana no Tuba-rai Timór nian, Lidel, p.305).

Timor-Leste, enquanto Estado democrático, um dos barómetros essenciais para o qualificar são os votos. São eles que determinam o destino de uma decisão importante para a vida do Estado, como a eleição legislativa, presidencial e a eleição dos líderes comunitários. Qualquer decisão do Parlamento Nacional em relação à criação das leis e sobre um determinado assunto importante do Estado também é determinada através dos votos e os votos dos deputados também determinam a vida de qualquer governo da República Democrática de Timor-Leste. Mesmo o nascimento de Timor-Leste como um Estado reconhecido internacionalmente também se deu através dos votos no dia 30 de Agosto de 1999.

Podemos concordar que os votos determinam a qualidade da democracia de um Estado democrático. Mas não devemos olhar só para a quantidade dos votos, mas o mais importante é que devemos assegurar um bom mecanismo para que não se diga que a voz da máquina é a voz do povo. Que seja a máquina a ganhar e não o povo. Nenhum estado pode ser chamado de estado democrático enquanto não estabelecer e assegurar um bom mecanismo de votação nas eleições, para os órgãos de soberania e o poder local, por sufrágio universal, direto, livre, secreto, pessoal e periódico, segundo o artigo 65, número 1, da Constituição da República Democrática de Timor-Leste. A Declaração Universal dos Direitos do Homem partilha o mesmo espírito quando diz no seu artigo 21, número 3, que «A vontade do povo é o fundamento da autoridade dos poderes públicos: e deve exprimir-se através de eleições honestas a realizar periodicamente por sufrágio universal e igual, com voto secreto ou segundo processo equivalente que salvaguarda a liberdade de voto.»

Eu, como um simples académico, penso que para um país muito pequeno como Timor-Leste na eleição legislativa deve ser aplicado o sistema maioritário, numa volta, com base em círculos individuais em cada sub-distrito. Não como o sistema proporcional; representação proporcional com o método de Hondt. No sistema maioritário numa volta com base em círculos individuais atribui-se maior responsabilidade política do candidato eleito perante os eleitores. Os deputados eleitos têm uma responsabilidade política direta para com os eleitores. Se os deputados eleitos desempenharem bem as suas funções no Parlamento Nacional e corresponderem bem às expectativas dos eleitores, certamente serão eleitos de novo na próxima vez. Caso contrário, eles não serão reeleitos. Há uma responsabilidade clara dos deputados. Como é possível um deputado chamar-se representante do povo se no momento da eleição o povo não o conhece; nesse caso, o povo não vota nele. Por isso, logicamente esse deputado não tem necessidade de se responsabilizar perante os eleitores porque ele mesmo não sabe quem são os seus eleitores. Ele apenas serve para o interesse do partido e muitas vezes há a tendência para servir cegamente o partido com a intenção de continuar a ganhar a confiança do partido para manter a sua posição política. Isso certamente contribui para o status quo. Por isso, eu espero (apenas como esperança) que em Timor-Leste se aplique sistema maioritário de uma volta com base em círculos individuais como acontece em Inglaterra, em França ena Alemanha, onde os deputados eleitos dispõem de um escritório para atender o público na sua circunscrição. Há assim uma relação de proximidade entre os eleitores e os eleitos. Só desta forma podemos dizer que o povo, como detentor do poder, delega efetivamente o seu poder nesses deputados eleitos. Quando os deputados eleitos desviam essa confiança do povo, então o povo tem razão para tirar essa delegação do poder através da sua não recondução na próxima eleição.

Não devemos esquecer também que o voto em si é um direito do cidadão e mais do que um direito é um dever e isso significa que o estado não pode criminalizar um cidadão que não queira, por livre vontade, participar em qualquer eleição. Por isso, qualquer lei ou decreto-lei que penalizem a não participação de um cidadão em qualquer eleição será inconstitucional. Enquanto Rousseau disse que os votos determinam a vontade geral e a vontade geral é a vontade de maioria, isso não significa que seja a vontade de todos. Basta a vontade da maioria. E, por conseguinte, a vontade geral é a vontade do corpo político; a vontade do Estado. A vontade geral traduz o interesse coletivo; o bem comum. Mas Locke afirma-se contra a ideia da vontade de maioria de Rousseau. Locke defende que a maioria nem sempre tem razão. Por isso, deve-se limitar a vontade da maioria. Enquanto Rousseau afirma que não é preciso limitar a vontade de maioria. As minorias é que nunca têm razão. Podemos ver esse fenómeno sempre dentro do Parlamento Nacional, mesmo antes, no tempo da Assembleia Constituinte. O partido mais votado com maioria absoluta ou a coligação de partidos de aliança de maioria parlamentar sempre julgaram que eles tinham ase melhores soluções para a vida do estado; para a vida do povo. Que eles representam melhor o estado; o povo. A voz da maioria é a voz do povo. As minorias mesmo que tenham razão não são valorizadas. Muitas vezes, a última solução de um longo debate é fazer-se no final uma votação e assim perde a minoria. Acontece desde a primeira legislatura até agora. É a democracia dos votos.

Todos nós sabemos que a democracia vem da palavra grega Demokratia; ‘demos’ significa povo e ‘kratos’ significa poder. Por conseguinte, a democracia significa povo que tem poder. O poder está nas mãos do povo ou o povo governa. Seguindo a Declaração de Viena, que diz que “a democracia é baseada na vontade livremente expressa do povo para determinar os seus próprios sistemas, político, económico, social e cultural e sua participação completa em todos os aspetos de suas vidas.” Antigamente na Grécia, a democracia era direta. Todos os cidadãos se reuniam numa assembleia, onde tomavam as principais decisões públicas. Quando Sua Excelência o Primeiro-Ministro Dr. Marie Alkatiri dizia que ia fazer um referendo sobre o Programa do Sétimo Governo Constitucional, eu interroguei-me: será que Timor-Leste volta a aplicar a democracia direta como faziam os cidadãos gregos do tempo antigo?

Fazer um referendo sobre o programa do governo não é só inconstitucional (e qualquer lei ou decreto-lei que viabiliza o referendo sobre o programa do governo será inconstitucional), mas mais do que isso, para mim, refletea coragem de Sua Excelência o Primeiro-Ministro ou se calhar uma tentativa de questionar a democracia representativa, onde o Parlamento Nacional é representante do povo. Sugere ainda que qualquer governo, para a sua estabilidade governativa, depende fortemente do Parlamento Nacional como um resultado lógico do sistema Semi-Presidencial que Timor-Leste opta. Diz o Professor Pedro Bacelar de Vasconcelos que«o parlamento continuaria, portanto, a ser um lugar da «sociedade», o espaço onde os «privados» acedem às definições do «bem comum», numa quase analogia com a acepção clássica de «legislação» enquanto revelação da razão setecentista, em cujo nome irá, justamente fazer leis, a título exclusivo, em determinadas matérias, segundo a hierarquia constitucional, fiscalizar o governo, a administração entregue ao seu comando, o conjunto da máquina do Estado» (Vasconcelos, Pedro Carlos Bacelar, Teoria Geral do Controlo Jurídico do Poder Público, Lisboa, Edições Cosmos, 1996, p. 137). Eu acredito que o Sua Excelência o Primeiro-Ministro nao tem intencao para fazer referendo para o programa do Governo. Mas será que Sua Excelência o Primeiro-Ministro queria pôr em prática uma democracia participativa onde daria maior liberdade e acesso do povo para apresentar ideias para traçar o programa do governo para o seu próprio bem? Um outro modelo que conduz à governação aberta como tinha feito anteriormente, na sua primeira governação do Primeiro Governo Constitucional? Se for assim, é de louvor essa iniciativa de Sua Excelência o Primeiro-Ministro Dr. Marie Alkatiri. Porque hoje em dia a democracia direta é difícil de realizar enquanto que a democracia representativa também tem muitos fracassos. Mas fazer um referendo para o programa do governo é inaceitável do ponto de vista da constituição. Está em choque com a competência do Parlamento Nacional segundo a nossa constituição,no artigo 108 número 2: «O Primeiro-Ministro submete o programa do Governo, aprovado em Conselho de Ministros, à apreciação do Parlamento Nacional, no prazo máximo de trinta dias a contar da data do início de funções do Governo»; no artigo 109, número 1 «O programa do Governo é submetido à apreciação do Parlamento Nacional e, se este não se encontrar em funcionamento, é obrigatoriamente convocado para o efeito», e no artigo 107 «o Governo responde perante o Presidente da República e o Parlamento Nacional pela condução e execução da política interna e externa, nos termos da Constituição e da lei»; no artigo 95, número 3, alínea d «Deliberar sobre o Plano e o Orçamento do Estado e o respectivo relatório de execução». Por isso, diz o artigo 66, número 3,na primeira parte «Não podem ser sujeitas a referendo as matérias da competência exclusiva do Parlamento Nacional». Mas se todas as leis têm de ser submetidas a referendo popular dá para entender que isso tem como fundamento o pensamento de Rousseau, o que hoje em dia podemos ver como o exemplo da consulta pública sobre um esboço de uma determinada lei ou decreto-lei. Na democracia representativa, como em Timor-Leste, pode fazer-se referendos para as questões de relevante interesse nacional, mas não para o programa do governo nem se pode fazer um decreto-lei para realizar o referendo para o programa do governo porque se corre o risco de inconstitucionalidade. Ensinam Locke e Montesquie que toda a legislação ordinária é inconstitucional quando não está em conformidade com a constituição.

Muitas vezes os políticos só “enganam” o povo para conquistar os votos no momento da eleição com promessas bonitas, mas depois da eleição o povo continua viver na pobreza e na miséria. Como Rousseau diz em relação à democracia inglesa, «o povo inglês pensa que é livre, no que se engana redondamente: só o é durante a eleição dos membros do Parlamento; logo que estes são eleitos, fica seu escravo e não é nada.» Então deve haver uma nova democracia que seja participativa como uma resposta nova para encorajar o povo a tomar parte ativamente no processo de desenvolvimento do país. Por isso, a sociedade timorense deve estar ativa e criativa para contribuir para a construção de um estado que possa corresponder às suas expectativas. Desse modo, é bom que o estado (o governo) tome essa iniciativa de criar uma ponte de ligação entre o povo e o governo e entre o eleitor e o eleito. A ponte é como um mecanismo adequado para acomodar e defender os interesses do povo no processo da Construção do Estado. Por isso, devemos louvar a contribuição da sociedade civil; das organizações não governamentais, da Igreja Católica e de outras confissões religiosas que procuram dar o melhor para o processo da Construção do Estado de Timor-Leste. Além disso, devemos louvar também a coragem dos jovens universitários que tomam a iniciativa de levar, apresentar e defender as aspirações do povo. O estado deve criar um mecanismo melhor para dar mais espaço para defender a liberdade de expressão nesse estado chamado República Democrática de Timor-Leste. Os atuais líderes do Estado de Timor-Leste eram jovens corajosos que não estavam calados e de braços cruzados, no seu tempo, ao ver a injustiça que a sociedade timorense enfrentou. Eles lutavam com todo o sofrimento inerente para defender o interesse do povo. O que hoje os jovens universitários fazem é tal igual como o que os líderes da resistência faziam antes. Será que os líderes da resistência hoje em dia, no tempo da Independência, se tornaram iguais aos governantes indonésios? Então qual é a diferença entre viver no tempo da ocupação indonésia e viver no tempo da independência? Construiu-se o estado independente de Timor-Leste para quê? Para viver tal como antes? Para que serve o Estado de Timor-Leste? Ou, como pergunta Rosseau, «Qual é o fim da associação política?» e ele depois responde, «É a conservação e a prosperidade dos seus membros». Já o Professor Diogo Freitas do Amaral diz que «os fins essenciais e permanentes do Estado, são, desde sempre, a segurança, a justiça, e o bem-estar; mas nos dias de hoje também abrangem a prevenção de riscos emergentes do desenvolvimento técnico e científico, a preservação do meio ambiente e das condições naturais básicas essenciais ao desenvolvimento da vida na Terra e a cooperação com os demais Estados no quadro da comunidade Internacional, de acordo com a Carta das Nações Unidas, em vista da promoção da paz e do respeito pelos direitos do homem» (AMARAL, Diogo Freitas, Uma Introdução à Política, Bertrand Editora, Lisboa, 2014, p. 101).

Nós também podemos seguramente dizer que construir o estado é basicamente construir a vida do povo. Todo o processo da construção do Estado não vale para nada enquanto o povo continuar a viver na miséria. Isso também é uma traição ao princípio fundamental da resistência; a libertação do povo. Mais do que isso, Timor-Leste também deve respeitar e valorizar os Direitos Humanos no seu processo de desenvolvimento como um resultado lógico de que a luta pela independência de Timor-Leste foi uma luta pelos Direitos Humanos e então Timor-Leste independente deve ter respeito e valorizar os Direitos Humanos para mostrar ao mundo a sua consistência na defesa dos Direitos Humanos. No tempo da resistência, uma das balas mais importante para ganhar a luta foi, sem dúvida, a invocação da violação dos Direitos Humanos em Timor-Leste.

Timor-Leste precisa mesmo de respeitar e valorizar os Direitos Humanos. Porque hoje em dia o estado é considerado como civilizado e é bem-visto no mundo por no seu processo de desenvolvimento nacional respeitar e valorizar os Direitos Humanos. Como diz AmartyaSen, «The ideia of human rights has gained a great deal of ground in recent years, and it has acquired something of an oficial status in international discourse. Weightly committees meet regularly to talk about the fulfillment and violation of human rights in different countries in the world. Certainly the rhetoric of human rights is much more widely accepted today – indeed much more frequently invoked – than it has ever been in the past. At least the language of national and international communication seems to reflect a shift in priorities and emphasis, compared with a few decades ago. Human rights have also become an important part of the literature on development»(SEN, Amartya, Development as Freedom, Oxford University Press, 1999, p. 227).

Em relação à formação do governo em Timor-Leste, é sempre como um resultado da eleição legislativa onde Timor-Leste, seguindo o exemplo de Portugal, opta pelo sistema de estado semi-presidencialista. Como uma consequência lógica desse sistema, o governo presta “contas” ao Parlamento Nacional e a vida do governo está nas mãos dos senhores ilustres deputados do Parlamento Nacional.

Eu concordo com Sua Excelência o Presidente da República Dr. Francisco Guterres – Lu Olo quando diz que há muitas interpretações da constituição neste momento em relação à formação do Sétimo Governo Constitucional. Para mim, se há muitas interpretações mostra que todos nós estamos preocupados com a vida do estado e que cada um de nós procura dar a sua contribuição para a nossa terra querida Timor-Leste. Para mim, a formação do Sétimo Governo é constitucional, segundo o artigo 106 número 1 que diz que «O Primeiro-Ministro é indigitado pelo partido mais votado ou pela aliança de partidos com maioria parlamentar e nomeado pelo Presidente da República, ouvidos os partidos políticos representados no Parlamento Nacional». Esse artigo, gramaticalmente, mostra claramente que o partido mais votado e a aliança de partidos com maioria parlamentar tem a mesma oportunidade e o mesmo direito constitucional para formar o governo. Cabe ao Presidente da República decidir, tendo em conta as forças políticas dentro do Parlamento Nacional. Ou seja, o Presidente da República enquanto indigita o Primeiro-Ministro deve ter em consideração os votos dos ilustres deputados do Parlamento Nacional para poderem assegurar a estabilidade governativa durante o mandato do governo de 5 anos.

No meu ver, Sua Excelência o Presidente da República Dr. Francisco Guterres “arrisca” indigitar o Primeiro-Ministro do partido mais votado mesmo que tenha votos minoritários no Parlamento Nacional. Caso contrário,acontece como anteriormente com o Dr. José Ramos Horta, que no seu mandato como Presidente da República indigitou o Primeiro-Ministro da aliança de partidos com maioria parlamentar. Os dois Presidentes da República tomam uma decisão constitucional. Por isso, eu não percebo como é possível este artigo tão claro como a luz do dia permitir muitas interpretações. Diz Montesquieu «In claris non fit interpretatio». Por isso, os aplicadores do Direito devem interpretar este artigo restrito à letra da lei. Baseando apenas no elemento literal ou gramatical. Se um texto normativo tem alguma insuficiência então dá para fazer interpretação segundo o espírito da lei. Procuramos fazer interpretação segundo a intenção do legislador histórico, teleológico e sistemático. Baseando no elemento lógico e racional. Mas para mim o artigo 106 é muito claro. Mesmo assim devo respeitar todas as interpretações possíveis porque é assim que funciona no mundo e em especial no mundo académico e mesmo no mundo jurídico também. Além de existir a cultura jurídica civilista-europa continental, tem uma outra cultura jurídico que é a cultura anglo-saxónica, onde a interpretação, segundo a minha Professora da História de Direito, Professora Joana Aguiar e Silva, pode basear-se no sentimento dos juízes, no mood dos juízes; se o juiz quando acorda se sente mal, esse mal-estar pode influenciar a decisão. Tenho percebido também que muitas vezes a interpretação é apenas uma questão de perceção. Tudo depende de que ângulo queremos ver. Um certo objeto pode ser visto de várias maneiras. Uma coisa é certa, num Estado de Direito Democrático como Timor-Leste, todos nós, os cidadãos, temos o mesmo direito para interpretar os textos normativos e a política do Estado segundo o nosso ponto de vista e o nosso interesse. Muitas vezes, a corrupção da interpretação é feita por causa dos interesses pessoais, dos grupos ou dos partidos.

Como cidadão, eu queria dar o meu apoio ao Sétimo Governo Constitucional. Isso quer dizer que sou a favor aos partidos da coligação e contra os partidos de aliança da maioria parlamentar? Não! Não sou contra nem pró qualquer partido político nem qualquer político. Mas sou a favor de um governo minoritário apenas por interesse nacional e para o bem do país e do povo. Porque eu acredito que é muito bom para a democracia de Timor-Leste se daqui para frente for possível em toda a existência do estado de Timor-Leste, termos um governo minoritário que sirva apenas o interesse do povo através do controlo político do parlamento responsável. Ou seja, se o governo está disponível para acomodar o interesse do partido da oposição e se o governo tiver um bom programa para o bem do país, então o partido da oposição deve ter responsabilidade para apoiar a execução deste programa e se o governo se desvia do seu programa então o Parlamento Nacional pode chamar a atenção para que o governo execute bem o seu programa, de acordo com o que está planeado. Se o governo não quiser ouvir a chamada de atenção do Parlamento Nacional e se o governo cometer um grande e grave erro, o Parlamento Nacional pode apresentar uma moção de censura, segundo o artigo 111, número 1, «O Parlamento Nacional pode votar moções de censura ao Governo sobre a execução do seu programa ou assunto de relevante interesse nacional, por iniciativa de um quarto dos Deputados em efetividade de funções». Contudo, não se deve apresentar uma moção de censura enquanto o governo ainda nao executou o seu programa. Caso contrário, podemos perguntar a moção de censura para governo como um órgão do Estado: o executivo, ou para o programa do Governo. Devemos separar as coisas. O Governo como um órgão de soberania resulta de eleição legislativa e a indigitacao do Primeiro-Ministro cabe à competência exclusiva do Presidente da República. Ninguém pode questionar a constitucionalidade da formação do Sétimo Governo. Os deputados só podem apresentar moção de censura para o programa do Governo. Mas como os deputados podem apresentar uma moção de censura para um programa que o governo ainda não executou? Non sense! Eu compreendo que os partidos de aliança da maioria parlamentar queiram derrubar o Sétimo Governo Constitucional dentro desses meses para que o Presidente da República não possa dissolver o Parlamento Nacional e fiquem assim os partidos de aliança da maioria parlamentar. Esperam que, pela falta da existência de um órgão de soberania, o Governo, então o Presidente da República pareça ser obrigado a indigitar o Primeiro-Ministro do partido que fica no segundo lugar ou dos partidos de aliança da maioria parlamentar. Por outro lado, o Primeiro-Ministro do Sétimo Governo Constitucional parece que “está a adiar” para não apresentar o programa do Sétimo Governo Constitucional pela segunda vez dentro dos seis meses para o Parlamento Nacional com intenção de ultrapassar os seis meses. Pois, se o Parlamento Nacional rejeitar pela segunda vez o programa do governo, então o Presidente da República tem legitimidade constitucional para derrubar o Parlamento Nacional e por conseguinte a eleição antecipada irá acontecer. Desse fenómeno, eu vejo que os políticos procuram as lacunas da ordem normativa para defender e atingir os seus objetivos. Para mim, a solução do problema pode ser através da remodelação do governo. O Primeiro Ministro deve remodelar o seu governo integrando também ou o partido CNRT ou o partido Khunto no seu governo para garantir a estabilidade governativa.

Eu creio firmemente que como um governo minoritário, o governo vai ter muito cuidado para prestar bem um serviço ao país para não entrar em conflito com o Parlamento Nacional. Para um governo minoritário deve-se aplicar este lema “salus publica suprema lex”. Só assim ganha mais credibilidade perante o povo. Se isso se tornar em realidade, o desenvolvimento de Timor-Leste vai se ver rapidamente porque todos querem servir e contribuir apenas para o bem do povo. E se o partido dar oposição não apoiar o governo minoritário que tem um bom programa para o país, então devemos perguntar o que é quer a oposição? Tenho consciência que todo o partido sempre tem um objetivo que é o poder; a governação do país. Mas se for um pouco mais longe, um partido deve ter também uma responsabilidade perante a vida do povo e o país. Ou seja, um partido deve pôr o interesse do país; o bem do povo, acima de todos os outros interesses. Isso é um ideal. Devo admitir que na realidade é muito difícil. Tudo depende da maturidade dos políticos. Por isso, a pergunta deve ser, o que querem os políticos? O poder, claro. E ambicionam o poder para quê? A resposta já depende da consciência de cada político e então isso vai variar de um para outro. O que eu tenho receio espelha-se nestas palavras de Rousseau «nada é mais perigoso do que a influência dos interesses privados nos negócios públicos…». Isso é um grande obstáculo para a democracia e para o desenvolvimento do país.

Em Timor-Leste, eu observo que há um outro obstáculo muito grande neste momento, que é aquilo que eu chamo a democracia Maun-Boot, que é a democracia onde a tomada da decisão serve apenas ao interesse e ao gosto de Maun-Boot. O Maun-Boot dentro dos órgãos do Estado. O Maun-Boot dentro do partido político e o Maun-Boot dentro de qualquer organização de caráter laico ou religioso. Em relação ao Maun-Boot dentro dos órgãos do Estado, lembro-me (salvo erro) de uma pergunta interessante de Sua Excelência o Primeiro-Ministro Dr. Marie Alkatiri no último dia da apresentação do seu programa no Parlamento Nacional que era: «até quando o apadrinhamento das instituições do Estado?». Eu não sei qual era o sentido dessa pergunta. Mas essa pergunta corresponde a esse fenómeno da democracia Maun-Boot dentro dos órgãos do Estado. Porém, a democracia Maun-Boot não é muito grave como acontece na Indonésia com a democracia guiada, no Paquistão com a democracia básica, no Egipto com a democracia presidencial, em Espanha com a democracia orgânica, no Paraguai com a democracia selectiva, no Dominican com a neo-democracia. Mas em qualquer lado do mundo, não é democracia, contra-senso, se o poder se concentra só num mesmo homem ou num mesmo grupo de políticos. Em Timor-Leste, baseando-me nas palavras de Montesquieu, posso dizer que «Tudo estaria perdido se o mesmo homem, um Maun-Boot, ou o mesmo grupo de políticos exercessem “a sombra” os três poderes que são o de fazer leis, o de executar as resoluções públicas e o de julgar os crimes ou os diferendos dos particulares».

Eu penso que deve se aplicar uma democracia que dê maior igualdade e participação do povo no processo de desenvolvimento. Como diz a Professora Patrícia Jerónimo, «Democracia significa participação e significa também igualdade. “Igualdade de direitos”, “igualdade no falar” e “igualdade no poder”. (JERÓNIMO, Patrícia, Os Direitos Humanos à Escala das Civilizações: Proposta de análise a partir do Confronto dos Modelos Ocidental e Islâmico, Almedina, 2001). Fora disso, apenas existe uma falsa democracia. Por outro lado, eu partilho também a ideia de Sua Excelência o Bispo da Diocese de Dili, Dom Virgílio do Carmo da Silva, SDB, quando diz que «em Timor-Leste é preciso o espírito de heroísmo para lutar contra o egoísmo e a arrogância. Estes tornam-se grandes obstáculos para este povo e esta nação». (Suara Timor Lorosae, 14 de Novembro de 2017, p. 3). A democracia de Maun-Boot tem mesmo esses dois aspetos; o egoísmo e a arrogância. Como dizem os antigos romanos, «Quodprincipiplacuitlegisviogorem», o que agrada ao príncipe tem a força da lei. No contexto da democracia de Maun-Boot, no contexto estadual, posso dizer «o que agrada ao Maun-Boot tem a força da lei».

Eu fico preocupado quando vejo os políticos a tentarem enganar o povo. Mas tenho mais preocupação quando noto o silêncio das forças sociais; dos académicos, da sociedade civil, da Igreja Católica e das outras confissões religiosas, perante a mentira política, a injustiça, a violação dos direitos e dos Direitos Humanos do cidadão, a pobreza, etc. Se houver essa situação, deve significar que existe algo que ainda não funciona bem. Por isso, dou o meu louvor ao Movimento Universitário e Juventude de Timor-Leste, como uma das forças sociais, para contribuir para um bom funcionamento dos órgãos do Estado de Timor-Leste para servir bem o povo de Timor-Leste. Nenhumcidadão pode ter restrições, tem direito de controlar um bom funcionamento dos órgãos públicos. Por isso, o Estado deve colaborar com qualquer manifestação pacífica dos jovens estudantes timorenses, sobretudo quando os jovens estudantes universitários fazem uma manifestação não para o seu interesse pessoal. Eles não ganham nada como isso. Mas eles, tal como os grandes líderes timorenses de hoje, no tempo da ocupação ilegal Indonésia, não ficaram de braços cruzados ao ver a injustiça que ocorreu na sociedade. Eles lutaram com bravura contra a injustiça do povo oprimido de Timor-Leste. Eles sofreram com as autoridades arrogantes e com o ditador. Eles foram capturados, torturados e aprisionados. Será que os nossos líderes, no tempo de hoje, em Timor-Leste independente, se tornaram iguais aos generais indonésios? Porque os nossos líderes não continuam ser como antes. Será que essa bravura de lutar contra a injustiça é apenas uma das características dos jovens? Ou é apenas uma das características dos oprimidos? Agora os líderes da resistência já são velhos e perdem esse espírito de bravura e luta contra a injustiça? Ou esses líderes já têm uma boa vida, à volta de tudo o que querem na vida, e então já perderam essa tal bravura? Quando os atuais líderes timorenses estiverem quase a cometer uma injustiça, por favor lembrem-se da injustiça que sentiram no tempo passado. Agora em Timor-Leste independente querem tornar-se um novo opressor para o povo? E então podemos perguntar qual foi o sentido da luta no tempo da ocupação? Não foi para libertar a pátria e libertar o povo?

Eu espero que os nossos líderes de Timor-Leste Independente, como pessoas importantes, não se tornem como opressores para o povo de Timor-Leste. Como o meu ídolo Grande Comandante Nino Konis Santana disse, «Povo de Timor-Leste mártir, sofredor, indefeso e pacífico por uma causa justa, nobre e que muitas vezes os líderes do mundo esqueceram» (Tradução minha do livro de José Mattoso intitulado Konis Santana no Tuba-rai Timór nian, Lidel, p.305). Por isso, os líderes da resistência não podem criar sofrimento para a vida do povo mártir, sofredor, indefeso e pacífico de Timor-Leste. Caso contrário, podemos perguntar: eles lutaram para quê? Eles lutaram para trocar de posição com os ocupantes indonésios? Para fazerem tal como os militares indonésios fizeram sofrer o povo de Timor-Leste? Eles lutaram para libertar esta pátria e este povo. A libertação da pátria já foi feita e a libertação do povo? A libertação do povo deve ser a sua libertação da pobreza, da injustiça, da mentira política, da discriminação, etc. A libertação do povo deve ser a libertação de toda a violação dos Direitos Humanos.

Eu quero fazer estas perguntas para tocar no coração dos nossos líderes atuais para que continuem a defender o interesse do povo. Para que eles não esqueçam o que se passou no tempo passado da escuridão. Para que eles não esqueçam o que eles prometeram no tempo da luta. Para que eles não se tornem como novos opressores para este povo de Timor-Leste. Para que eles continuem a defender o povo de Timor-Leste como fizeram no tempo da resistência. Por isso, todos nós; líderes da resistência, todas as forças sociais que amam o nosso país de Timor-Leste, devemos fazer e implementar a sugestão do Grande Comandante Nino Konis Santana, «…saber resistir sem cessar para procurar a liberdade e a justiça, os dois fundamentos para a paz»(Tradução minha do livro de José Mattoso intitulado Konis Santana no Tuba-rai Timór nian, Lidel, p.305).
Em Timor-Leste, precisamos também de formar os jovens estudantes para terem um espírito crítico (eu agradeço essa formaçãoaos jesuítas) não só para com os nossos conterrâneos, mas também em relação ao interesse estrangeiro para não aumentar o sofrimento deste povo. Devemos procurar dar a nossa contribuição para a formação do Estado de Direito Democrático para o bem do povo. Precisamos muito de ter cuidado para os jovens universitários não se tornaram apenas como yes-man and yes-woman. Nós não temos problemas com ninguém nem com qualquer país. O nosso problema é apenas procurar garantir uma boa vida para este povo e esta pátria sofredora. Todo o sofrimento, desde os nossos antepassados do tempo português e do tempo da Indonésia ainda não foi suficiente? Por isso, devemos dar o nosso louvor ao Movimento Universitário e Juventude de Timor-Leste que se tornou como uma das forcas sociais para fazer o controlo social e político para o bem desta terra querida nossa! Bravo, amigos, a luta continua!

Para Montesquieu, quando o território é pequeno, o estado pode procurar soluções políticas de tipo democrático. Mas, como um simples académico, penso que a solução do problema deve ser por via legal-constitucional. Partilho a ideia intentioinserviredebetlegibus non lgesintentioni, ou seja, todas as atuações dos partidos políticos devem estarem conformidade com a lei; a constituição. Por isso, em relação ao Sétimo Governo Constitucional, a solução deve ser por via constitucional e democrática. Não pode ser por via política. Porque a formação do governo já é uma questão constitucional, segue o requisito constitucional, segundo artigo 106 da nossa constituição, e resulta de um ato democrático que é a eleição legislativa. A solução por via política, de curto prazo, parece ser uma boa solução, mas a solução política muitas vezes ignora o respeito pela constituição e pelos princípios básicos da democracia. Se a solução de todos os problemas do Estado, neste caso a formação do Governo, acontecer apenas por via política, então corre o risco de enfraquecimento de um dos princípios fundamentais da construção do estado, que é o princípio do estado de direito democrático. Por um lado, os partidos políticos de aliança de maioria parlamentar que querem fazer cair o governo atuam de modo constitucional e, por outro lado, a eleição antecipada também é constitucional. Fora disso, é inconstitucional. Sou da opinião da Escola de Direito da Universidade do Minho, quanto à anotação do artigo 112 da nossa constituição que diz no número 3: «O juízo de necessidade acerca “do normal funcionamento das instituições democráticas” é autónomo e de livre apreciação pelo Presidente. Este apenas deverá previamente reunir o Conselho de Estado e ouvi-lo quanto à sua intenção. A demissão do Primeiro-Ministro arrasta consigo a demissão do Governo no seu conjunto.» Eu penso que na formação do Sétimo Governo Constitucional excluir o partido Khunto não foi uma decisão sábia.

Agora, se os partidos de aliança de maioria parlamentar fizerem cair o governo, Sua Excelência o Presidente da República deve, em nome do estado de Direito Democrático, dissolver o Parlamento Nacional, depois de seis meses da sua função, e convocar eleições antecipadas.

Eu partilho a ideia de Sua Excelência o Primeiro-Ministro Dr. Marie Alkatiri e tenho a convicção pessoal de que se houver eleições antecipada a Fretilin vai ganhar mais assentos parlamentares do que tem agora. Mesmo assim, eu noto que há três grupos de votantes neste momento que devemos ter em consideração. Alguns timorenses votam no partido baseando-se apenas no sentimento histórico ligado a um determinado partido ou a um determinado político. Outros votam no partido por uma questão dos interesses pessoais e de grupo. Existe depois um outro grupo muito pequeno que vota pelo programa do partido. Estes escolhem e votam no partido que corresponde melhor às suas inspirações e expectativas. Este último grupo utiliza o seu voto com responsabilidade; faz um voto responsável. Para fortificar o Estado de Direito Democrático, Timor-Leste deve fazer muitas formações e procurar promover a educação cívica para fazer crescer cada vez mais este último grupo.

No final, espero que todos os políticos, em qualquer formação do governo em Timor-Leste, tenham em consideração, sine quo non, os votos que podem assegurar a estabilidade governativa no Parlamento Nacional. Pode ter toda a razão em relação à formação do governo, mas se não tiver votos suficientes no Parlamento Nacional toda essa razão não vale para nada. Porque a democracia é sempre a democracia dos votos.

  • Antigo aluno Direitos Humanos da Escola de Direito da Universidade do Minho.

Sente La Seguru, PPN Adia Debate OR

Posted: 14 Dec 2017 11:22 AM PST
DILI, (TATOLI) – Prezidente Parlamentu Nasionál (PPN) Aniceto Guterres deside adia diskusaun jeneralidade Orsamentu Retifikativu (OR) Ohin, no Aban (14-15/12) tanba preokupa ho kestaun seguransa ne’ebe ladún kontroladu.

“Ha’u hakarak justifika razaun adiamentu diskusaun orsamentu retifikaativu katak situasaun seguransa rai laran ne’ebé liga ba situasaun polítika iha parlamentu nasionál (PN) katak ema estrañu sira tama sai maibé ladún iha kontrolu di’ak hosi seguransa, ha’u iha faktu no informasaun konkretu tanba ne’e ha’u hakarak koordena di’ak ho seguransa nia atu bele fó seguransa másimu ba diskusaun orsamentu retifikativu iha Segunda, 18 Dezembru,” Aniceto Guterres informa ba ba jornalista sira iha Parlamentu Nasionál, Kinta (14/12).

Aleinde de seguransa interna iha parlamentu la seguru, Aniceto mós konsidera statementu Ministru Defeza no Seguransa, Agostinho Sequeira Somoctho, Mayor Jenerál, Lere Anan Timur ne’ebé mak fó sai iha mídia katak iha kilat ilegál iha Timor-Leste, ho ida ne’e presiza halo koordenasaun servisu atu bele iha seguransa ba deputadu sira iha ámbitu diskusaun jeneralidade OR.

“Ha’u akompaña tuituir ema estrañu tama sai hodi halo movimentasaun iha Parlamentu Nasionál (PN), ami rona mós informasaun barak hosi intelijénsia nian, entaun ha’u hakarak iha koordenasaun di’ak ho autoridade seguransa sira atu asegura debate orsamentu retifikativu liuliu seguransa ba deputadu sira nian.”

Antesipasaun ba seguransa sai prioridade ba PPN Aniceto tanba referénsia ne’ebé hatudu antes ne’e debate programa governu hafoin votasaun ba mosaun rejeisaun mosu kedan insidente balun iha PN momentu ne’e. maski antes ne’e iha orientasaun ba seguransa PN atu halo check point ba ema ne’ebé tama partisipa diskusaun iha PN.

Iha segunda feira mai ba debate jeneralidade OR mós sei aplika nafatin check point ho objetivu evita akontesimentu eh konfrontasaun ruma iha parlamentu hodi prejudika seguransa deputadu sira nian.

Iha fatin hanesan Prezidente Bankada CNRT, Arão Noé konsidera situasaun to’o agora normál maibé iha mak presaun polítika.

Nune’e mós Prezidente Bankada Khunto, Luis Roberto husu ba PPN, Aniceto Guterres atu labele hata’uk povu tanba durante ne’e estabilidade la’o di’ak hela, enkuantu OR liu eh lae depende ba desizaun finál iha Plenária PN.

Jornalista: Zezito Silva | Editór: Manuel Pinto

Imagen: Prezidente Parlamentu Nasionál, Aniceto Longuinhos Guterres Lopez. Imajen Mídia Palásiu PR.

BOAMP garante sei la hapara Funsinariu Kontratadu; OR finansia ba estrutura membru Governu

Posted: 14 Dec 2017 11:14 AM PST
Bloku Opozisaun Aliansa Maioria Parlamentar (BOAMP) garante Funsionariu Kontratadu (FK) sira sei la hapara husi sira-nia servisu tanba konsidera orsamentu duo désimu sei bele atu fasilita, hateten prezidente bankada PLP Fidelis Magalhães ba jornalista, liu hosi konferensia imprensa iha Parlamentu Nasional, Kuarta (13/12/2017).

“Ami husi AMP sei asegura sira kontratadu sei simu osan, no ami mós assegura katak sei iha renovasaun ba funsionariu sira nia kontratu, tanba ne’e responsabilidade governu nian, se governu selebra ona kontratu ate agora, tanba governu labele halo estensaun ba nia kontratu ba tan tinan oin, depois orsamentu dua désimu nato’o para atu asegura parlamentu, ba funsionariu sira ne’e, tanba ne’e labele prejudika ita nia funsionariu sira nia vida, sira nia família nia moris, tanba de’it interesse polítiku,” hateten Fidelis.

Iha biban hanesan, prezidente bankada CNRT, Arão Noe, reforsa, Orsamentu Retifikativu la’os atu trata saláriu ba funsionariu sira, maibe atu finansia de’it estrutura governu foun no selu kompromisu kontratu ho kompañia sira.

“Ba funsionariu kontratadu ka permanente, simu osan husi orsamentu jeral estadu tinan 2017 nian, depois sira simu hosi bens servisu ba funsionariu kontratadu, tuir lei jestaun finanseira artigu 32, kuandu orsamentu jeral estadu ba tinan 2018 seidauk aprova, selu funsionariu sira, bens servisu funsionariu sira, liuhosi dua désimu, tanba ne’e, sira ne’ebé kontratadu mós iha direitu hanesan, tanba alokasaun dua désimu ne’e, bazeia ba orsamentu tinan kotuk nian, ita iha 1.3 millõesn dólar, dividir ba 12, governu jere 130 millões kada fulan, para hodi halo jestaun ba estadu nia moris, durante orsamentu jeral ba tinan 2018 seidauk hetan aprova, tanba ne’e laiha razaun governu atu hapara funsionariu kontratadu sira, se opsaun polítika ida atu hapara sira, ida ne’e mak ami lamenta, tanba ita labele prejudika povu funsionariu sira, tanba opsaun polítika ida, hau husu para governu konsidera ida ne’e, tanba ita labele sakrifika ema rihun resin nia destinu, tan de’it ita nia interese polítika,“ esplika Arão.

Reprezentante povu ne’e sujere ba VII governu konstitusional, atu labele tau funsionariu sira-nia moris iha risku tanba de’it interese polítika.

Antes ne’e, Ministru Prezidensia Konsellu Ministru, Adriano do Nascimento, deklara ona ba públiku katak, sei hapara hotu funsionariu kontratadu iha Timor laran, bainhira remata tinan 2017.

Enkuantu, Primeiru Ministru, Marí Alkatiri mós antes ne’e deklara katak, Estadu sei iha osan ne’ebé natoon atu bele halo eleisaun antesipada.

Hapara FK kompetensia KFP

Nune’e mós, Ministru Turizmu, Manuel Vong, hateten, kona-ba atu hapara Funsionáriu Kontratadu (FK), nia parte labele foti desizaun tanba desizaun kona ba funsionariu sira ne’e kompentesia Komisaun Funsaun Publiku (KFP) nian.

“Atu hala’o servisu Ministerio nian la’o diak no susesu ne’e , presija ema tanba ne’e , ema sira ne’ebé mak servisu iha MT ne’e hamutuk atus rua resin, no husi atus rua resin ne’e nain 90 resin lima deit mak funsionariu permanente no nain atus ida resin ne’e funsionariu kontratadu, no atu hapara ou kontinua ne’e kompetensia KFP nian,”Ministru Turismu Manuel Vong hateten ba GMN iha Centro Convenções de Dili, Tersa (12/12/2017).

Diretor Nasional Administrasaun Rekursus Humanus, Ministerio Turismu, Leandro Sena, afirma, karta hapara kontratu ba funsionario kontratadu refere, nudar prosesu normal ne’ebé la’os foin akontese maibe antes ne’e akontese ona iha governu anterior.maibe oinsa atu hapara ou kontinua ne’e konforme superior Ministerio nian.

“Ita iha funsionariu hamutuk atus rua resin, no husi númeru ne’e kontratadu mak barak liu númeru permanente ne’ebé karik hapara duni sira kontratu, ne’e sei afeta ba servisu ministeriu nian tanba ema laiha, maibe prontu ida ne’e desizaun husi superior ministeriu nian nomós KFP,” DNARH ne’e dehan.

Entertantu Aurio da Costa, funsionariu Kontratadu, Ministeriu Turizmu, sente triste ho karta ne’e tanba bele afeta ba nia vida moris.

“Ha’u hanesan funsionariu kontratadu ne’ebé haknaar-an iha ne’e durante tinan rua ona, konserteza sente triste, tanba se hapara kontratu ne’e sei afeta ba iha ha’u-nia vida moris, entaun ha’u husu ba Ministru atu bele hato’o ba Governu oinsa tetu opsaun ne’e, tanba la’os ha’u mesak deit mak sei lakon servisu maibe mós ba Timor oan lubuk ida ne’ebé mak durante ne’e hala’o servisu ho estatutu kontratu,” Aurio hateten.

Tuir Observasaun iha terenu nota katak, maske kuaje diresaun hotu-hotu iha Ministeriu refere, hetan ona informasaun kona ba asuntu ne’e, maibe maioria funsionariu kontratadu sei hala’o servisu hanesan bai-bain. say/Ola

GMN TV | Grupo Média Nacional

Tensão política encerra ano de Timor-Leste marcado por duas eleições

Posted: 14 Dec 2017 10:25 AM PST
O ano de 2017 começou em Timor-Leste com uma paz quase total entre as forças partidárias, foi marcado a meio pelo acordo fronteiriço com a Austrália e terminou com uma crise política após eleições presidenciais e legislativas.

Foi a vida política, dominada primeiro pelo calendário eleitoral e depois pela difícil formação de Governo e posterior contestação da oposição maioritária, que mais marcaram 2017.

O ano termina com muito mais dúvidas do que havia no início do ano, quando o país se preparava para as eleições presidenciais e um consenso dava à partida como certa a vitória de Francisco Guterres Lu-Olo, apoiado pelo seu partido – a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) – mas também com o apoio de Xanana Gusmão e do seu partido, o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT).

Francisco Guterres Lu-Olo venceu à primeira volta. Mais complexas foram as legislativas, em julho, em que a Fretilin acabou por ter uma vitória mínima, com pouco mais de mil votos do que o CNRT.

No entanto, o quase equilíbrio entre as duas forças políticas mais votadas, o facto de a Fretilin ter apoiado os dois governos anteriores liderados pelo CNRT e a declaração – depois de um período de reflexão de vários dias de Xanana Gusmão – de que o segundo partido seria oposição construtiva, deixavam antever uma solução pacífica.

Mas as conversações acabaram por passar por vários solavancos e a Fretilin conseguiu apenas formar um Governo minoritário com o Partido Democrático (PD), no qual participam pelo menos um militante do CNRT e três do PLP.

O equilíbrio dos últimos anos não se manteve e depois de um longo processo de formação de Governo, o executivo viu o seu programa chumbado por uma moção de rejeição da oposição, entretanto reunida na Aliança de Maioria Parlamentar (AMP).

O ano acaba assim com um impasse: o Governo acusa a oposição de tentativa de golpe, a AMP diz que atua dentro da Constituição e acusa o presidente do Parlamento Nacional de recusar agendar uma moção de censura ao executivo.

Sem dinheiro em muitas áreas, com um orçamento limitado para 2017 – e a previsão de que 2018 começará com duodécimos – o Governo tem as mãos atadas em muitas áreas, com a oposição a pretender ver aprovada a sua moção de censura, forçando a queda do executivo.

A decisão final está nas mãos do Presidente da República, que tem estado a ouvir líderes políticos, religiosos e da sociedade civil e que terá de decidir se procura outra solução governativa no atual quadro parlamentar ou se avança para eleições antecipadas.

No plano externo, o ano foi marcado pelo acordo de delimitação de fronteiras marítimas alcançado com a Austrália e que deverá ser assinado, formalmente, em breve.

O acordo é também, eventualmente, o último grande ato da vida de luta pela independência e soberania de Timor-Leste do histórico Xanana Gusmão: foi ele que liderou a equipa timorense que negociou com a Austrália sob mediação de uma Comissão de Conciliação da ONU.

Num ano de tensão política em que as posições dos principais partidos mais se distanciaram, a luta pela delimitação de fronteiras e este acordo foram o grande polo unificador, merecendo apoio quase consensual em Timor-Leste.

Além de definir os “elementos centrais” da delimitação de fronteiras marítimas entre os dois países – centrada, tudo indica, na linha mediana sempre reivindicada pelos timorenses -, o acordo tem um impacto direto nas contas nacionais, já que inclui o estatuto legal para o desenvolvimento do poço de gás de Greater Sunrise no Mar de Timor.

O único assunto pendente tem a ver com a forma como o gás será explorado: se com um gasoduto para Darwin, no Território Norte da Austrália, se para a costa sul de Timor-Leste. O destino desse gasoduto determinará a forma como as receitas serão divididas entre os dois países.

Este ano ficou também marcado por um dos momentos mais tensos das relações bilaterais recentes entre Portugal e Timor-Leste, por causa do casal português Tiago e Fong Fong Guerra, condenados a oito anos de prisão em Díli e que fugiram para a Austrália, onde chegaram, de barco, a 09 de novembro. O casal chegou a Lisboa a 25 de novembro.

A entrega recente de passaportes ao casal pela embaixada portuguesa em Díli foi criticada em Timor-Leste, mas o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, garantiu que a legislação portuguesa foi respeitada, conclusão de um inquérito urgente que tinha ordenado.

Lusa | em SAPO TL

Oposição timorense acusa presidente do Parlamento de obstruir trabalhos

Posted: 14 Dec 2017 10:13 AM PST
O maior partido da oposição timorense acusou o presidente do Parlamento de continuar a obstruir os trabalhos parlamentares, para travar a proposta da sua própria destituição, montando um “drama político” em que tenta “fazer-se de vítima”.

Dionísio Babo, deputado do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT) e ex-ministro do anterior Governo, considerou “irónico” que o presidente do Parlamento tente questionar a constitucionalidade de alterações regimentais que ele próprio apoiou.

“Isso é que é a ironia. Essas alterações foram feitas antes da saída do anterior presidente do Parlamento e todas as bancadas incluindo a Fretilin [Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente] apoiaram. E agora, por causa da atual situação, pede a revisão da constitucionalidade”, disse à Lusa.

Num comunicado difundido na página na rede social Facebook, o CNRT disse que Aniceto Guterres Lopes continua a violar o regimento, ao não agendar sessões plenárias, para evitar que se debata a moção de censura ao Governo e a proposta da destituição do presidente do Parlamento.

Na nota, o CNRT contestou a decisão do presidente do Parlamento Nacional apresentar, no inicio da semana, uma providência cautelar no Tribunal Distrital de Díli “sem cabimento”, para tentar travar a destituição.

O maior partido da oposição timorense criticou igualmente a decisão de Aniceto Guterres Lopes de levar ao Tribunal de Recurso um pedido de fiscalização da constitucionalidade de alterações aprovadas no ano passado ao regimento do parlamento para permitir a destituição do presidente da assembleia.

Essas alterações foram aprovadas em maio do ano passado, na altura para permitir o afastamento do então presidente do parlamento Vicente da Silva Guterres, e contaram com o apoio da Fretilin, partido do qual Aniceto Guterres Lopes era, na altura, chefe da bancada.

“Creio que isso é procedimento interno do Parlamento e creio que depende completamente da confiança política dos deputados e não sei se terá algum efeito suspensivo”, considerou Babo.

No comunicado, o CNRT reiterou as acusações feitas na proposta de destitução, considerando que o presidente do Parlamento não tem exercido as funções com imparcialidade. O partido acusou Guterres de violação da Constituição por permitir a tramitação do Orçamento Retificativo sem que o Governo tenha apresentado novamente o programa.

O CNRT contestou ainda a decisão de Aniceto Guterres Lopes de continuar sem agendar reuniões plenárias do Parlamento, apesar de vários pedidos nesse sentido dos três partidos da oposição, que controlam a maioria dos assentos. E acusou também o presidente do Parlamento de travar o agendamento da moção de censura ao executivo, do recurso à decisão de tramitação do orçamento e da proposta de destituição.

Babo rejeitou os argumentos do presidente de que “tem sido prática” suspender as atividades plenárias quando está a ser tramitado o Orçamento do Estado, considerando que “isso não é uma norma” e a sua aplicação depende das circunstâncias.

“Isso foi apenas uma prática de opção no passado, mas principalmente por tinha a ver com questões que não eram muito importantes. Agora a moção [de censura] em si é outra coisa, é demasiado importante porque tem a ver com o andamento dos órgãos de soberania e funcionamento do Parlamento em si”, afirmou.

“A situação deve ser por isso considerada de forma diferente do passado. A prática depende da situação”, considerou.

Questionado sobre o que a oposição fará se o presidente continuar sem agendar reuniões plenárias (a última foi a 20 de novembro), Babo disse que a decisão cabe às bancadas que “continuarão a atuar dentro do respeito pela Constituição e pelo regimento”.

“Isto não é só um teste para a democracia, mas é também para o processo pedagógico e educativo para o nosso povo. O importante é que a coisa seja resolvida dentro da Consituição e do regimento”, referiu.

No comunicado, o CNRT contestou o que diz ser o “poder omnipotente” da Fretilin, “que controla o Governo, a Presidência da República e a presidência do Parlamento Nacional” e exigiu que os assuntos pendentes sejam discutidos na plenária parlamentar.

Lusa | em SAPO TL

Tribunal Constitucional indonésio recusa ilegalizar sexo ‘gay’ e extraconjugal

Posted: 14 Dec 2017 10:09 AM PST
O Tribunal Constitucional da Indonésia recusou hoje ilegalizar as relações sexuais ‘gay’ e extraconjugais.

A maioria do painel, composto por nove juízes, do Tribunal Constitucional, rejeitou os argumentos de um grupo conservador, Aliança do Amor Familiar, que apresentou o caso.

Os juízes concluíram que não cabe ao tribunal criminalizar comportamentos privados.

Advogados afirmaram recear que o tribunal decidisse a favor da ilegalização, o que significaria um recuo nos direitos humanos no maior país muçulmano do mundo.

Lusa | em SAPO TL

Asalta Poder no Golpe Politika; Diskursus Erradu no Burradu

Posted: 14 Dec 2017 08:29 AM PST
Husi Quintiliano Afonso Belo | opiniaun

Depois tiha seremonia tomada de posse soleniamente ba membrus parlamentu nasional husi partidu sira ne’ebe hetan asentu parlamentar iha loron 05 fulan setembro 2017 liu ba, tuir kedas ho período ba formasaun governu konformi konstituisaun hateten ho modalidade ne’ebe partidu manan nain eskoilha. Infelizmente depois tiha Nai Presidente da Republika pronunsia formasaun governu foun, afinal governu foun ne’ebe Nai PR nomeia laiha forza politika natoon atu asegura estabilidade ninia governativa. No fim halo ema barak ho antuziasmu interpreta no lee konstituisaun ho interpretasaun oi-oin no ikus mai BINGUNG rasik deit.

Tanba ne’e, hodi hamenus no halakon sentimentu BINGUNG iha sosiedade nia le’et, partidu laos parte husi koligasaun hatudu asaun konkretu demokratikamente liu husi forma aliança maioria iha parlamentu nasional ka AMP konformi konstituisaun RDTL defini. Asaun ne’e mos nudar konsentrasaun politika atu haforza demokrasia iha Timor-Leste forti no asegura konstituisaun RDTL. Konsienti mos, katak governasaun minoria sei sai sasidik bot no sei sai presedente ne’ebe ladiak ba futuru (demokrasia sei la funsiona ou sei lakon iha futuru). Governasaun minoria sei susar atu hetan konfiansa maioria iha nia programa politika no orsamentu geral estadu nian (prinsipius demokrasia minoria-maioria sei lakon ou promove kompromisiu laos demokratiku). Governasaun minoria mos sei hamenus konfiansa husi investimentu pribadu ka estranjeiru, konfiansa merkadu no konfiansa husi konsimudores sira ba volatilidade ekonomia nasional.

Lolos la prezisa ona atu dada ba mai ho rajaun oi-oin, tamba povu ka eleitor rasik halo ona sira nia mensagem ho klaru iha eleisaun 22 de jullu liu ba, katak lakoi partidu politiku ida mesak hetan maioria absoluta no lakoi partidu ida mesak ukun ho poder omnipotenti. Povu hakarak forma governu ne’ebe iha legitimidade politika tuir rekezitu iha artigus sira K-RDTL haruka no bazea ba prinsipius demokratiku nudar estadu direitu demokratika ne’ebe hahu funda iha 1975 ho naran Republika demokratika de Timor-Leste.

Ho rajaun refere maka ho lalais kedas partidu ne’ebe laos parte husi koligasaun iha direitu demokratiku aprezenta plataforma politika nudar pratika normal konstituisional no hateten ho firmi ba Nai Presidenti da Republika, katak partido opozisaun alemde sai Aliansa maioria parlamentar (AMP), Prontu lori povu Timor-Leste tuir prinsipius fundamentais konstituisaun RDTL iha artigus 1 too 15 hanesan valores demokratikus, moris diak povu nian, respeitu ba direitos humanos. AMP mos prontu infrenta situasaun hotu-hotu no la obriga Nai Presidenti da Republika atu viola fali konstituisaun no prontu hamutuk ho Nai Presidenti Republika ho firmi atu respeitu ba leis no regras konstitusionais nebe vigora iha Timor-Leste.

Tamba ne’e diskursu sira hanesan halo asaltu poder no halo Golpe politika, nudar maineira politika hodi dezvia no halakon prosesu demokratizasaun sosiedade iha baze sem hanoin nia implikasaun positiva no negativa. Alemde ne’e mos diskursu refere nudar diskursu erradu no burradu. Erradu tamba ajendamentu asalta poder satan halo golpe politika iha natureza demokrasia ne’ebe hahu forti dadaun iha pais demokratiku hanesan Timor-Leste la merese atu ezisti. Burradu tanba kahur buat hotu-hotu hodi sakrifika fali konstituisaun ba intereses ne’ebe hakarak deit legitima-an ho argumentu sira ne’ebe lolos lamerese atu sai argumentu.

Entaun, termu asalta poder lolos mak saida? Termu asalta poder lolos maka aproveita tempu hodi ignora aktu demokrasia, halo violasaun ba konstituisaun no hakarak buat hotu maske konstituisaun rasik ladifini. Termu Golpe lolos mak saida? Termu golpe lolos maka pratika utiliza arogansia poder tomak hodi halo asaltu ba instituisaun publika sira laos ho maneira demokrasia, ignora konstituisaun no regras tomak estadu nian hodi kontrola absulta lalaok estadu konformi gostu.

See nune’e pratika AMP nian iha parlamentu nasional lolos maka saida? AMP nia pratika lolos maka promove kultura demokrasia ida ne’ebe lolos no momos hodi tane ass objetivu estadu nian tuir prinsipius fundamentais konstituisaun RDTL iha artigus 1 too 15 hanesan Dom CFX.Belo hateten, katak bainhira ita ko’alia kona ba Demokrasia, demokrasia rejime ida ne’ebé respeita ema (pessoa), ema nia direitu fundamental no ema nia liberdade. Tanba ne’e, demokrasia organiza nia aan atu bele sai demokrasia “participada e pluralista”, dehan katak nakloke ba ema hotu hotu nia partisipasaun maske ho idolojia oin oin ou idolojia diferente ho ema seluk.

Referensia ne’e hateten mai ita nudar sidadaun, katak situasaun ida agora nia alvu lolos maka ignora demokrasia pluralista no pior liu tan laiha sentimentu prontidaun atu asumi titlu foun ne’ebe hanaran “ESTATOCRASIA E PARTIDOCRACIA”, hanensan Dom CFX.Belo hateten, la iha demokrasia lolós, bainhira la iha “possibilidade efectiva de pluralismo político”, dehan katak tem ke iha partidu oin oin ho opsaun politika oin oin. Tanba prinsipiu ida ne’e, ita la bele simu “partido único”, ka partidu ida deit iha rai laran. Tanba partidu úniku ka ida deit ninia natureza, dala barak, sai anti-demokrátiku, no anti-natural. Iha demokrasia hanesan ne’e, labele iha “estatocracia”, katak poder Estadu nian maka’as liu no domina buat hotu, nune’e Estado mak manda, estado mak hatene, estado mak kontrola ema nia moris; labele iha mos “partidocracia”, dehan katak partidu ida mak domina buat hotu hotu, nia mak sai tiha norma ka regra, nia mak determina ema nia destinu.

Timor-Leste ne’ebe ho sistema multipartidarismu ho idolojia oin-oin iha direitu demokratiku atu sai alternativu hodi salva guarda konstituisaun RDTL ass liu buat hotu-hotu. Obdese ba konstituisaun RDTL laos, katak YES SIR ba ema ida, asegurador ba ema seluk no insedensia tamba interese, maibe obdese ba konstituisaun RDTL maka, tane ass konstituisaun RDTL liu fali buat hotu-hotu sem reserva. Tamba ne’e hanesan sidadaun, mai ita hotu hamutuk nafatin reafirma kultura demokrasia no tane ass konstituisaun RDTL hodi rekunese nafatin esperitu heroiku fundador sira nian ne’ebe deklara tiha ona iha tinan 1975, Timor-Leste laos Republika anti demokrasia maibe Timor-Leste maka Republika Demokratika de Timor-Leste.

Ikus liu, nudar sidadaun aproveita mos husu ba politiku sira atu; Para ona sakrifika konstituisaun RDTL, Para ona obriga ema seluk hodi viola konstituisaun RDTL no Mai hotu-hotu hakruk no tane ass konstituisaun RDTL sem reserva nufim fila Timor-Leste sai Nasaun Forte, Riku no Seguru.

Abracos

Intelektual Fiar Lideransa Sei Lafahe Malu

Posted: 14 Dec 2017 08:11 AM PST
DILI – Intelektual sira iha nafatin esperansa ba situasaun politika neebe lao iha rai laran, maibe ida nee laos intensaun atu lideransa nasional sira atu fahe malu iha situasaun hanesan nee.

Liafuan hirak nee hatoo husi Retor Institute Of Bisnis (IOB) Augusto da Conceição Soares ba STL iha nia knar fatin Pantai Kelapa Dili Kinta, (14/12/2017). Nia dehan, iha mos esperansa ba lideransa nasional sira atu tane as nafatin interese nasional, atu lori nasaun ida nee ba oin.

Ami husu ba PR nudar komandante supreme forsa armadas atu garantia estabilidade iha TL. Nunee moos ami husu ba PR atu solusiona problema nee tuir lei no konstituisaun neebe maka iha. Maibe PR moos sei esforsu an nafatin atu solusiona politika rai laran tuir dalan konstituisaun,”nia dehan.

Iha parte seluk katak iha diferensia ideia no diferensa politika nee normal. Uluk iha situasaun ladiak durante tinan 24 nia laran sira iha unidade nafatin atu lori nasaun nee ba ukun an nusam mak agora labele. Tanba nee maka sei lafahe malu iha situasaun sira hanesan nee tanba povu iha esperansa nafatin ba lideransa sira.

Diretor Kumpania Nimia Costrution. Lda Epifanio Faculto dehan presija tebes lideransa nasional sira hamutuk tanba TL ema hotu nian. nunee mos sei iha nafatin esperansa ba VII Governu konstituisional atu dura ba tinan 2022. Maibe parte seluk mos Prezidente Republika sei solusiona problema iha rai laran.

Justinho Manuel | Suara Timor Lorosae

Governu Lakoi Halo Funsionariu Kontratadu Sai Vitima

Posted: 14 Dec 2017 08:05 AM PST
DILI – VII Governu neebe maka lidera husi Primeiru Ministru Mari Alkatiri, lakoi halo funsionariu kontratadu sai vitima, maibe buka mekanismu oinsa atu bele rejolve problema neebe maka sira hasoru.

Primeiru Ministru Mari Alkatiri hateten, Kontratu bainhira iha osan, halo kontratu mosu fali tusan nee lahalo, laos ameasa funsionariu kontratatu sira, maibe Governu hare osan iha ka laiha bele halo kontratu ho funsinariu hirak nee to fulan hira.

Hau kontratu bainhira iha osan, halo kontratu mosu fali tusan hau lahalo, hau laos ameasa funsionariu kontratatu sira, ami hare osan iha ka laiha bele halo kontratu ho sira to fulan hira, tanba ami lakoi funsinariu hirak nee maka sai fali vitima,” dehan PM Mari, ba jornalista sira, bainhira remata inkontru ho PR Francisco Guterres Lú Olo, iha Palasiu PR, Bairo-Pite, Dili, Kinta (14/12/2017).

Xefi Governu hateten, Kuandu bele halo ba fulan ida halo tan fulan ida, se bele halo ba fulan rua halo tan ba fulan rua, nunee mos bele halo ba fulan tolu Governu sei halo tan ba fulan tolu.Tanba lalika laran taridu lai, tanba Governu estuda hela oinsa atu rejolbe, ho osan neebe maka iha.

Iha parte ketak Juvinal Dias hanesan membru ONG Lao Hamutuk hateten, klaru katak Funsionariu kontratadu sira nee depende ba bensimentu neebe maka sira hetan nee maioria laselu husi salariu bensimentu, mais selu husi bens servisu.

Entretantu Xefi bankada PD deputada Maria Tereza Gusmao hateten, Karik OR nee lapasa funsionariu kontratadu barak kuaze ke atus resin sira labele benefisia sira nia moris, liu liu sira neebe uja osan bens de servisu labele hetan osan, tanba sira nia moris depende mos ba iha OR neebe ke atu aprezenta, dehan deputada Maria Gusmao.

Carme Ximenes/Maria Lay | Suara Timor Lorosae

Karta Destituisaun Tribunal Mak Deside, Prazu Loron 10

Posted: 14 Dec 2017 08:02 AM PST
DILI – Karta destituisaun neebe Prezidente Parlamentu Nasional haruka ba iha Tribunal Rekursu, no Tribunal Distrital Dili, tuir dalan neebe iha tribunal maka sei deside.

Deklarasaun nee hatoo husi Direktor JSMP Luis De Oliveira Sampaio ba STL iha nia Knar Fatin Colmera Kinta, (14/12/2017).

Husik ba prosesu nee lao mak ita bele hare, dalan saida maka maka loos liu, husik ba tribunal maka avalia dalan ida neebe maka atual presidente parlamentu nasional halo nee tuir duni rekezitus atu lori ba, ka tenki tarata iha nivel politiku parlamentu nasional husik tribunal maka sei deside,” dehan Luis.

Nia dehan, hanesan sidadaun ema hotu iha direitu atu defende nia an, iha dalan legal lejitimu tuir lei haruka, maibe la hatene prosesu sira nee, tuir rejimentu parlamentar nian, no tuir dalan hanesan nee duni ka lae, tuir konstitusaun ida neebe brevelese duni ka lae, mas tenki uja meius sira nee hotu.

Iha fatin ketak, Prezidente Majislatura Judicial Antonino Gonsalves hateten, karta destituisaun neebe haruka husi Prezidente Parlamentu Nasional, Tribunal simu ona, no agora dadaun iha ona juis titular.

Hatan konaba karta nee iha pazu ka lae, Antonino hateten, exemplu karta providensia kautelar iha prazu loron 10 hodi halo kontekstasaun. No karta providensia kautelar nia prazu badak, atu fo ba reo hodi halo kontekstasaun, depois maka juis hare no deside. Iha prazu barak, se prosesu babain nia prazu lao tuir 30 dias.

Terezinha De Deus | Suara Timor Lorosae

Primeiru-Ministru Fiar Opozisaun Vota Afavór ba Programa Governu

Posted: 13 Dec 2017 11:22 PM PST
DILI, (TATOLI) – Primeiru-Ministru, Marí Alkatiri, fiar katak programa Governu ne’ebé tempu besik sei aprezenta ba Parlamentu Nasionál bele pasa tanba opozisaun sira labele ona halo Mosaun Rejeisaun ba dala rua atu vota kontra.

“Ba ha’u programa pasa ona maibé, ami kontinua haruka programa ba parlamentu ho anotasaun atu bele esplika ba deputadu opozisaun sira ne’ebé foti duvida, nune’e sira bele kumpreende programa”, hatete Xefe Ezekutivu ba jornalista sira iha Palásiu Prezidente Nicolau Lobato Bairru Pité, hafoin informa ba Xefe Estadu kona-ba programa governu ho orsamentu retifikativu.

Marí Alkatiri haktuir loloos partidu Kongresu Nasionál Rekonstrusaun Timor (CNRT-sigla portugés) hatama mesak mosaun rejeisaun ida no Partidu Libertasaun Populár (PLP) no Kmanek Haburas Unidade Nasionál Timor Oan (KHUNTO) bele hatama rejeisaun ida tan, nune’e bele hetan votu dala rua. Katak, rejeita dala ida mosaun A, no vota tan fali mosaun B hodi rejeita para programa labele liu.

Xefe Governu hatutan konstituisaun RDTL rejeita programa Governu ne’e só dala rua de’it. Tan ne’e, tuir nia la divia partidu tolu ne’e hamutuk halo rejeisaun dala ida de’it no loloos halo mosaun rejeisaun rua.

Jornalista: Xisto Freitas | Editora: Rita Almeida

Imajen: Primeiru-Ministru, Marí Alkatiri, ko’alia ba jornalista sira hafoin hasoru Prezidente Repúblika, Francisco Guterres Lú Olo, iha Palásiu Prezidente Nicolau Lobato Bairru Pité, ohin. Foto mídia PR

Governu Sei Atribui Sertifikadu Investidór Ba Pelikan Paradise

Posted: 13 Dec 2017 11:06 PM PST

DILI, (TATOLI) – Diretór Ezekutivu TradeInvest Timor-Leste, Arcanjo da Silva, hatete tempu badak governu sei atribui sertifikadu investidór ba Pelikan Paradise hafoin halo akordu espesiál hodi hahú investimentu iha Tasi-Tolu.

“Enkontru ohin, Primeiru-Ministru konkorda ona atu atribui sertifikadu investidór ba Pelican Paradise atu halo ninian investimentu iha Tasi-Tolu hafoin halo akordu espesiál no bainhira laiha impedimentu sei marka ba loron 28 Dezembru atu atribui sertifikadu investidór”, tenik ba jornalista sira hafoin enkontru ho Xefe Governu, Marí Alkatiri, iha Palásiu Governu, kinta (14/12).

Pelikan Paradise hahú negosiasaun ho Governu desde 2015 hodi hasai Rezolusaun Governu nú 33/2015 5 Outubru no approva terrenu iha Tasi-Tolu hodi hahú konstrusaun.

Kompañia estranjeira ne’e sei investe ho montante tokon $310 hodi halo otél luxu fitun lima ho kuartu 464, restaurante, apartementu, golf, departementu ho kualidade a’as, sentru komunidade, igreja, muzeum no seluk tan.

Kontratu Pelican Paradise ho Governu iha inisiál ba tinan 50, posibilidade renova ba tinan 50. Sei sai kompañia inan (Mother Company) ba kompañia 20 husi Nasaun Singapura no Malazia ne’ebé sei hamutuk halo projeitu boot ne’ebé sei okupa terrenu ektare 564.

Tuir informasaun, planu Pelikan Paradise ba faze dahuluk atu fó empregu ba timoroan kuaze 1000 no iha faze konstrusaun mós posibilidade iha kampu servisu ba timoroan.

Agora dadaun, kompañia orijen Singapura ne’e iha ona ninia sede iha Timor-Plaza no hala’o ona atividade balun ne’ebé integra mós timoroan.

“Mesmu ita iha situasaun polítika hanesan agora dadaun, maibé prova hatudu katak Pelican Paradise nafatin iha ne’e no agora iha Timor Plaza, sira disponivel iha loron 28 Dezembru bainhira Primeiru-Ministru asina sertifikadu atu investe no entrega ba sira, signifika katak investidór balun barani atu foti risku no atu hetan oportunidade uluk”, dehan.

Hodi dehan durante ezisténsia TradeInvest, atribui ona sertifikadu ba investidór hamutuk 184, desde 2006 to’o ohin loron ho investimentu boot ho mínimu investimentu tokon $1,5, kuandu investedór estranjeiru no mínimu rihun $50 kuantu investidór nasionál.

“Bainhira Primeiru-Ministru entrega sertifikadu investidór iha Pelican Paradise hanesan sertifikadu dahuluk ba investimentu boot iha setimu Governu”, dehan tan.
Bele haree dezeñu kompletu Pelican Paradise nia iha https://www.pelican-paradise.com/gallery/ .

Jornalista: Julia Chatarina | Editora: Rita Almeida

Imajen: Dezenhu Konstrusaun Resort Pelican Paradise iha Tasi-Tolu. Foto Espesial

GMN TV | Lalaok Desportu

Posted: 13 Dec 2017 10:51 PM PST

GMN TV
You are subscribed to email updates from TIMOR AGORA.
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. Email delivery powered by Google
Google, 1600 Amphitheatre Parkway, Mountain View, CA 94043, United States

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

NOTÍCIAS 15DEZ17 PG GLOBAL

PÁGINA GLOBAL

Continuar a ler

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

O que dizem os licenciados e mestres da arqueologia e história sobre a estrutura da Ribeira dos Bispos

2017-12-15

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

NATALOGIAS O Natal dos Atlantes José Soares

NATALOGIAS

O Natal dos Atlantes Continuar a ler

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

por que será que todos querem negar a existência de vestígios pré-portugueses nos Açores?

descoberta nos açiores

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

Santos Silva recusa a presença de Tibério Dinis na reunião com os EUA – Açoriano Oriental(o colonialismo luso sobre os Açores…)

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, não aceitou o pedido feito por parte do presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória para participar, esta quinta-feira, em Lisboa, na 38ª Reunião da Comissão Bilateral Permanente do Acordo de Cooperação e Defesa entre Portugal e os Estados Unidos da América.

Source: Santos Silva recusa a presença de Tibério Dinis na reunião com os EUA – Açoriano Oriental

Publicado em AICL no tag | Tags | Deixe o seu comentário

timor 1940 álbum fontoura

Publicado em AICL no tag | Tags , | Deixe o seu comentário