linguajar terceirense

publicado por JN em 4/4/13

Algumas eu já as tinha guardado, outras foram-me passadas pelos subscritores do nosso pequeno projecto online, A Gente Sabe. As expressões típicas do falajar terceirense podem ser arrebatadoramente divertidas. Eis algumas as minhas preferidas:

“Pára de tecer, estepô!”, “É home!”, “Ai, tal velh’alaricado!”, “É, pequene, na queres ir brincar com a pombinha para a areia?”, “Ai, tal pecade!”, “Home’, pomordês!”, “Tinha povo c’ma bicho.”, “Home, faz-te discretinho, sequer.”, “Tu bota sentide!”, “Esse cão tá amarrade? Ele pega?”, “Aquilhe foi gaitadaria velha!”, “Ó vocês, acaçapem-se!”, “Home, tu queres é valhacas.”, “Gente tola e toiros, paredes altas.”, “Credo, tinha poderes de gente!”, “Àquela, uh!”, “Mas isto tá tudo pegadinhe de cabeça, ó que é?”, “O toiro aguindou!”, “Ah, pequena, t’ás tante prezada…”, “A tua mãe já tá mais tenteadinha, ou ainda tá aberrocida?”, “Aquilhe tem dinheire c’ma cabele em cão.”, “A modos que sim!”, “Vocês tenteiem, sequer, suas tatonas…”, “Passa cá!”, “Ah, Chique, na meteste as frescas na friza?”, “Quando se apocata.”, “Áquela, tal home de pechinchim…”, “Ai, aguaceira!”, “Olha, é pená!, “Não dês sopa inteira ao menino, que ele pode-se afogar!”, “Vergonhas da minha cara!”, “Olha, visitas pa tê pá!”, “Passa o mapa nessa cozinha, mulhé!”, “Foi só comê e bubê.”, “À conta de Nosse Senhô.”, “Ai tal cadela!”, “Voces que se agasalhe, sequé!”, “Antes cagá um pé tode…”, “Alagade pinguiande debaixe da isquiada.”, “Passa fora!”, “Home, vai cagá, pá.”, “Na qués vê macaquins?”, “Tava mei’ esmorcide, o pequene…”, “Bota que tem!”, “Ah, boca santa!”, “Ah, estepô, tu és prigosa!”, “Tal coisa sem tarelo…”, “Tás por troça…”, “Tal caldeação!”, “‘Tás a mamá pa crescê?”, “Tê home tá mei’ pairadinhe…”, “Uma coisa como é dado!”, “Aquilo fez um piso na biscoita que nunca mais teve tafulho.”, “Bilicas!”, “Deste um fofó?”, “Súme-te, estepô!”, “Tal home d’esganade!”, “Vavó, sabença!”, “Tal rapaz atoleimado.”, “Ah, padaço de tolo!”, “Àquela, na sejas inticante.”, “Deixa-me da mão!”, “Home, isto vai tentear!”, “Ara, mais, mais, mais!”, “Mê home’ tá bum, à conta de Dês.”, “O mê pequene xinxim tá com soltura.”, “Quem tá fora cheira tabaque.”, “Podes antrá, que o cão na pega.”, “Rompeste os alvarozes?”, “Tava penando!”, “Àquela, vai-te escondê.”, “Cuidade com esse vente encanade!”, “Eh, diabe, pára d’inriçá!”, “Home, pega na pomba!”, “Olha, deixá-lo…”

OSVALDO CABRAL PASSOU ESTAS EXPRESSÕES COMPILADAS PELO JOEL NETO

 

Sobre AICL lusofonias.net

Chrys Chrystello
presidente da direção e da comissão executiva da AICL

Esta entrada foi publicada em AICL no tag com as tags . ligação permanente.