chinesices e António Hespanha

de diálogos lusófonos retira-se:

“O mais curioso, na minha vida literária chinesa….”

António Hespanha, prof, Foto do perfil de António Hespanha, A imagem pode conter: 1 pessoa, céu, barba, oceano, atividades ao ar livre, água e close-upcompartilhou no FB
A minha opera sinensis não é grande, mas é muito pitoresca. Para já, não faço a mínima ideia do que os livros dizem. Sei que são muito mais fininhos e aparentemente limpinhos de notas. Um dos tradutores fez-me, um dia, perguntas estranhas, vagamente relacionadas com o texto. Lembro-me que, usando eu a pacóvia metáfora “[Francisco Xavier] bater com o Evangelho às portas do Japão”, ele me perguntou onde é que, exatamente, ficavam essas portas. Mas não se riu …

Nenhum texto alternativo automático disponível.
O mais curioso, na minha vida literária chinesa é, porém, a heteronomia. Olhando para os carateres, parece-me que tenho mais do que um nome, embora, literariamente, me pareça que domina Ye Shi Peng. Não foi o meu primeiro nome.
Os chineses – tal como os críticos do acordo ortográfico, mas de forma muito mias consistente – acham que as palavras e a sua escrita têm a ver coma essência das coisas.
Por isso, dar um nome não é assunto trivial.
Depois de umas semanas de estudos, um letrado aluno meu deu-me o nome de Si On Man, que quereria dizer alguém que sabe muito do tempo e das suas mudanças. Não sendo eu metereologista, era lisonjeiro para um historiador.
Depois, a namorada do meu assistente achou que o nome não era assim tão bonito e deu-me outro, o tal de Ye Shi Peng. Que me disse querer dizer “amigo das pessoas cultas”.
Fiquei um pouco dececionado, porque era um elogio mais para ela e para os meus restantes amigos do que para mim. Para além de que os meus filhos logo acharam semelhanças fónicas com “chimpanzé”.
Entretanto, os meus cultos amigos, quando era preciso apresentar-me, anunciavam-me como Si Pa Nha Lao Tse (Mestre His pa nha), o que me parecia bastante mais familiar. E gosto de ser Lao Tse …