notícias 20 set página global

PÁGINA GLOBAL

WALLERSTEIN: IMPÉRIO EM PÂNICO NO ORIENTE MÉDIO
Brasil – Eleições: PONDERAÇÕES SOBRE A VITIMIZAÇÃO DE MARINA
Brasil: Trabalhadores são treinados na prevenção e no combate ao trabalho escravo
Brasil – Eleições: Dilma tem 37% das intenções de voto, Marina, 30% e Aécio, 17%, diz Datafolha
Angola: VICE-PRESIDENTE JÁ TEM UM CADASTRO COMPROMETEDOR
Angola: COMBATE À MORTALIDADE
ANGOLA COM SEGUNDA PIOR TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL DO MUNDO
CONSTITUIÇÃO ANGOLANA É EXCELENTE E COMPLETA
Moçambique - Campanha Eleitoral: SIMANGO, DHLAKAMA E NYUSI SOMAM PROMESSAS
Nampula espera do futuro Presidente de Moçambique mais emprego e melhor educação
Presidente da CNE alerta para ilegalidades durante a campanha eleitoral em Moçambique
Pequim preocupado com impacto do referendo escocês em Taiwan, Tibete e Hong Kong
Presidentes português e indonésio querem reforçar cooperação comTimor-Leste
Portugal e Indonésia têm a "obrigação" de "salvar Timor-Leste", diz investigador
Xanana na Austrália para assinalar chegada em 1999 das forças australianas a Timor-Leste
AUSTRÁLIA DOA 10 AUTOMÓVEIS À POLÍCIA NACIONAL DE TIMOR-LESTE
Susilo Yudhoyono: PR indonésio efetua hoje visita oficial a Portugal a convite de Cavaco Silva
Portugal: O PECADO ORIGINAL DE PEDRO PASSOS COELHO
Portugal: FÃ DE BIN LADEN TINHA ARSENAL E QUERIA IR PARA A SÍRIA
Portugal – Racismo: Maria, 9 anos, cigana."Porque não me põem numa turma de senhores?"
“GUERREIROS DE ALÁ COM PASSAPORTES EUROPEUS”
CAMERON PROMETE DAR MAIS DIREITOS À ESCÓCIA
ESCÓCIA REJEITA INDEPENDÊNCIA. NA UE HÁ OUTRAS TENDÊNCIAS SEPARATISTAS

WALLERSTEIN: IMPÉRIO EM PÂNICO NO ORIENTE MÉDIO

Posted: 19 Sep 2014 02:22 PM PDT

Mal explicada pelos militares e Obama, nova guerra na região será provável desastre. Em grave declínio, EUA cometem desatinos que ameaçam planeta

Immanuel Wallerstein – Outras Palavras – Tradução: Antonio Martins

O presidente Barack Obama disse aos Estados Unidos, e em particular ao Congresso, que o país deve fazer algo no Oriente Médio, para interromper um desastre. Sua análise do suposto problema é extremamente turva, mas os tambores do patriotismo estão batendo forte e, no momento, quase todo mundo, nos EUA, está cotagiado. Alguém mais sensato diria que todos estão se debatendo em desespero, diante de uma situação pela qual Washington é o principal responsável. Não sabem o que fazer. Por isso, agem em pânico.

A explicação é simples. Os Estados Unidos estão em grave declínio. Tudo dá errado. E, em pânico, seus governantes assemelham-se ao condutor de um automóvel possante, que perdeu o controle da máquina e não sabe como reduzir a velocidade. Em vez disso, ele acelera rumo a um grande desastre. O carro trafega em ziguezague e derrapa. Tornou-se um enorme perigo – não apenas para o motorista, mas também para o resto do mundo.

As análises atuais concentram-se sobre o que Obama fez ou deixou de fazer. Mesmo seus defensores mais próximos parecem duvidar do presidente. Um comentarista australiano escreveu, no Financial Times, que “em 2014, o mundo subitamente cansou-se de Barack Obama”. Imagino que talvez o próprio Obama tenha se cansado de si mesmo. Mas seria um erro culpar apenas o presidente. Virtualmente ninguém, entres os líderes norte-americanos, apresentou alternativa mais inteligente. Bem ao contrário. Há os profetas da guerra, que estimulam o presidente a bombardear todo mundo, e já. Há os políticos que realmente creem que as próximas eleições norte-americanas farão grande diferença…

Uma rara voz de sensatez surgiu numa entrevista do New York Times com Daniel Benjamin, que foi, no primeiro governo Obama, o principal conselheiro antiterrorismo do Departamento de Estado. Ele considera a suposta ameaça do ISIS uma “farsa”, em que “membros do governo e do alto comando militar descrevem a ameaça, todo o tempo, em termos escabrosos, que não se justificam”. Ele diz que as alegações são feitas sem nenhuma “evidência comprovada”, o que só demonstra como é fácil, para altos funcionários e a mídia, “mergulhar o público em pânico”. Mas quem dá ouvidos a Benjamin?

Neste instante, e com a ajuda de fotos macabras da decapitação de dois jornalistas norte-americanos pelo califado, as pesquisas mostram enorme apoio a uma ação militar. Mas quanto isso perdurará? O apoio só será sustentado enquanto houver resultados concretos. Mesmo o chefe do Estado-Maior militar, Martin Dempsey, reconhece, quando defende ação bélica, que ela se estenderá por pelo menos três anos. Multiplique três por cinco, para se aproximar de uma estimativa de duração mais real. A população norte-americana, com certeza, irá se desencantar rapidamente.

Por enquanto, Obama propõe alguns bombardeios na Síria, nenhum soldado norte-americano “em solo”, mas um número maior de soldados especiais, em atividades de treinamento no Iraque (e provavelmente em outras partes). Quando disputou a presidência, em 2008, Obama fez muitas promessas, como é normal para um político. Mas sua promessa-chave foi sair do Iraque e Afeganistão. Ele não irá mantê-la. Na verdade, está envolvendo os EUA em novas guerras.

A coalizão liderada por Obama oferecerá “treinamento” a quem o presidente define como “gente de bem” [orig: “good guys”]. Aparentemente, o treinamento ocorrerá na Arábia Saudita. Bom para os governantes do pais. Eles podem vetar qualquer participante dos exercícios e escolher em quem confiam ou não. Isso tornará possível, ao regime saudita (hoje, ao menos tão desnorteado quanto o norte-americano), sugerir que está fazendo algo e sobreviver um pouco mais.

Há maneiras de alterar este cenário catastrófico. Mas elas exigem uma decisão de substituir a guerra por acordos políticos entre muitos grupos, que não se gostam, nem confiam uns nos outros. Tais acordos políticos não são impossíveis, mas são difíceis de articular – e, depois de firmados, são, num primeiro momento, frágeis. Uma das principais condições para que eles tenham espaço no Oriente Médio é um menor envolvimento dos Estados Unidos. Ninguém acredita em Washington, ainda que alguns atores convoquem assistência norte-americana momentaneamente, para executar certas tarefas. O New York Times lembra que, no encontro que Obama montou, para lançar sua nova coalizão, o apoio dos países do Oriente Médio presente foi “morno” e “relutante”, por haver “crescente desconfiança nos Estados Unidos, partindo de todos os lados”. Portanto, ainda que alguns se alinhem de forma limitada, ninguém mostrará gratidão por algum tipo de assistência norte-americana. É provável que os atores políticos do Oriente Médio desejem agora produzir seu próprio cenário, ao inveś de encenar a visão dos EUA sobre o que lhes convém.

Brasil – Eleições: PONDERAÇÕES SOBRE A VITIMIZAÇÃO DE MARINA

Posted: 19 Sep 2014 11:06 AM PDT

Cláudio Gonzalez, São Paulo – Correio do Brasil, opinião

A campanha midiática que busca transformar Marina Silva em vítima dos “ataques” do PT pode dar certo se Dilma e seu arco de apoiadores errar a mão, exagerar na dose e partir para ataques pessoais transformando a adversária em vítima real. Mas também pode dar errado se o eleitor perceber que este discurso de vitimização não encontra respaldo na realidade.

Neste caso, ao invés de vítima,Marina pode acabar sendo vista como uma pessoa despreparada e sem forças para enfrentar adversidades.

“Quem bate, perde”. Esta frase já se tornou um clássico no vasto repertório de frases e tiradas famosas que povoam as campanhas eleitorais no Brasil. Ela foi dita pelo publicitário Duda Mendonça em 2002, quando ele conduzia a comunicação da quarta campanha presidencial de Luís Inácio Lula da Silva. Para vacinar a campanha petista contra os ataques dos adversários e suavizar a imagem de “sindicalista raivoso” que a mídia fazia de Lula, Duda cunhou outra expressão famosa: “Lulinha paz e amor”. Vestindo este figurino e apostando em uma campanha propositiva, sem ataques diretos aos adversários, Lula foi eleito.

Agora em 2014, acampanha de Marina Silva aposta todas as fichas no “ensinamento” de Duda Mendonça. Marina e todo seu leque de apoiadores, com a grande mídia à frente, acredita piamente que vitimizando a candidata, mostrando-a como uma indefesa sendo alvejada por “furiosos” ataques da campanha petista, conseguirá colar em Dilma a pecha de agressora e fazê-la perder votos. Assim, o lema “quem bate, perde”, de Duda Mendonça, estaria confirmado.

Pode até dar certo. Mas a campanha marineira também pode dar com os burros n’água. Vejamos:

O brasileiro em geral adora uma vítima e detesta gente truculenta, sobretudo truculência política. Parece que só em São Paulo esta regra não se aplica. Afinal, o governador Alckmin manda descer o cacete em qualquer tipo de manifestante e boa parte dos paulistas continua lhe dando apoio. Mas quando Ciro Gomes ousou ser indelicado com um eleitor durante entrevista a uma rádio em 2002, pagou caro. No fundo, tudo depende da forma como o assunto repercute e a mídia tem um papel destacado nisso.

Na contenda Dilma-Marina já se vê que não haverá um minuto de trégua para a candidata petista, que será acusada em qualquer situação de estar atacando de forma truculenta a adversária. Mesmo que esteja evidente que o debate é programático, sempre haverá uma Cantanhêde, um Noblat ou uma Kramer para berrar em favor de Marina.

Essa “vantagem” midiática da candidata do PSB-Rede não pode ser menosprezada neste tipo de embate pois mais do que a razão, o discurso da vitimização mexe com a emoção do eleitor e a grande mídia tem recursos, técnicas, instrumentos e espaços de sobra para manipular sentimentos. Mas, e sempre tem um mas, mesmo poderosa, a mídia não consegue driblar a realidade quando esta se impõe.

Bolinha de papel

Vale lembrar dois exemplos recentes de vitimização de candidatos. Um deu certo, o outro foi um desastre.

O primeiro exemplo é do ano 2008, da campanha para a prefeitura de São Paulo. Marta Suplicy (PT) e Gilberto Kassab (PFL) disputavam o segundo turno. O publicitário de Marta, João Santana — o mesmo que agora faz a campanha de Dilma — teve a infeliz ideia de fazer uma peça de TV questionando aspectos da vida pessoal de Kassab. A mídia, com destaque para a Folha de S. Paulo, fez desmoronar uma avalanche de críticas sobre a candidata petista. A vitimização de Kassab deu certo. Ele foi eleito, obviamente que não foi por causa deste episódio apenas, mas isso ajudou a enfraquecer a adversária.

Em 2010, na disputa presidencial, a mídia — desta vez pelas mãos da Rede Globo — fez uma nova tentativa de mostrar o PT como agressor de candidatos. Extensa reportagem do Jornal Nacional insinuava que o candidato José Serra havia sido atingido na cabeça por um objeto cortante lançado contra ele em uma atividade de campanha. Serra foi parar até no hospital. Dias depois, reportagem do SBT comprovou que o tal objeto era uma inofensiva bolinha de papel. De “vítima de agressão”, Serra passou a ser tratado como mentiroso e falastrão. O tiro saiu pela culatra e a bolinha de papel está agora definitivamente anexada à biografia do candidato.

Agora em 2014, adesacreditada revista Veja é quem berrou mais alto, com direito a uma capa que já pode ser considerada a mais hipócrita já produzida pelo “jornalismo” brasileiro. Quem conhece o histórico recente da revista dos Civita, repleto de episódios aberrantes de calúnia, difamação e assassinato de reputação, sabe que ela não tem qualquer moral para fazer acusações sobre esse tema.

Mas não é só a Veja. Todo o sistema da grande mídia tem contribuído para criar uma onda de vitimização da candidata do PSB. Lançam, de forma genérica, acusações de que a campanha de Dilma estaria atacando Marina com “agressividade” e “desonestidade”. Nas redes sociais, eleitores de Marina embarcaram na onda com afinco. Eles nem sabem apontar direito onde, quando e como estariam ocorrendo estes ataques. As acusações são genéricas, mas avançam pois encontram eco no antipetismo disseminado nas redes sociais.

Fraqueza e vacilação

Esta generalização é o calcanhar de aquiles da campanha de vitimização em curso. O mais próximo que os aliados de Marina e a mídia conseguiram chegar de um fato concreto de ataque foi a peça de campanha de Dilma que critica a proposta de independência do Banco Central, na qual uma família pobre é retratada à mesa, com os alimentos desaparecendo em consequência da política econômica que seria adotada por um eventual BC independente. Acontece que este tipo de propaganda, que se convencionou chamar de “campanha do medo” é absolutamente comum nas disputas eleitorais. Com ela, o candidato tenta mostrar ao eleitor que algo ruim vai acontecer se o adversário for eleito. No fundo, isso é parte da essência de qualquer disputa. Portanto, é forçar demais a barra enxergar na peça sobre o BC um ataque “desonesto e agressivo” contra Marina. Até porque a própria candidata utiliza o mesmo recurso. A capa do portal UOL de segunda-feira (15) exibia a seguinte manchete: “Dilma subirá preços após eleição, diz Marina”. Ou seja, campanha do medo na sua forma mais nítida.

Percebendo que a candidatura oposicionista tenta surfar na onda da vitimização, a campanha de Dilma tem tomado cuidados redobrados para não promover ataques pessoais à candidata. Obviamente que nas redes sociais o chorume corre solto por todos os lados. Nem Dilma nem Aécio nem Marina tem como controlar as ações dos ativistas e militantes que os apoiam. Mas pelo menos da parte do comando da campanha de Dilma, nada tem sido feito ou dito pela candidata, por Lula ou pelas lideranças dos partidos aliados que possa dar respaldo ao chororô exagerado de Marina e sua trupe.

Portanto, chorar e reclamar de ataques desmedidos quando o que se vê na campanha oficial são apenas divergências políticas e debate de propostas é um feitiço que pode se virar contra a feiticeira. Ao invés de angariar a solidariedade de parte expressiva do eleitorado, a candidata do PSB-Rede corre o risco de ser interpretada como alguém que não aguenta pressão, não tolera a divergência e não tem argumentos para defender as proprias ideias. Esse é, definitivamente, o perfil que os eleitores não querem ver em uma candidata presidencial.

*Cláudio Gonzalez, é jornalista, editor-executivo da revista Princípios

Brasil: Trabalhadores são treinados na prevenção e no combate ao trabalho escravo

Posted: 19 Sep 2014 10:54 AM PDT

Representantes de trabalhadores rurais de todo o país estão sendo treinados em Brasília para atuarem na prevenção e no combate ao trabalho escravo em seus estados. As palestras são oferecidas pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). O objetivo do encontro é intensificar a participação dos trabalhadores para prevenir e detectar situações análogas à escravidão.

Para a OIT, o trabalho escravo está generalizado no mundo. O órgão estima que o total de vítimas do trabalho forçado em todo o planeta chega 20 milhões de pessoas. Andrea Araújo, do Programa de Combate ao Trabalho Forçado da OIT, diz, no entanto, que o Brasil é referência mundial no combate às situações análogas à escravidão no trabalho.

“O Brasil tem toda uma política nacional que conseguiu, desde 1995, reduzir os números do trabalho escravo”, disse. Para Andrea, o país precisa, agora, focar em trabalhos de prevenção e apoio aos trabalhadores resgatados. “É um tripé: fomentar a prevenção, estimular a denúncia e aumentar a assistência aos trabalhadores vítimas da prática. As pessoas que estão aqui hoje têm papel chave em levar essa mensagem para as comunidades”.

Segundo a Contag, entre 1995 e maio de 2014, mais de 45 mil trabalhadores vítimas de trabalho escravo foram libertados no Brasil. De acordo com o órgão, foram feitas 1.587 operações de fiscalização no período.

Para o secretário de Assalariados da Contag, que cuida de assuntos relativos ao trabalho escravo, os trabalhadores são submetidos a essa situação pela sua condição de vida. “Os trabalhadores são vulneráveis devido à baixa escolaridade, às dificuldades enfrentadas. Quando ele vai para o trabalho escravo, vai com uma promessa boa e, quando chega lá, não é nada do que imaginou”.

Um dos estados com maior número de trabalhadores resgatados, segundo a Contag, é o Pará. O trabalhador rural da cidade paraense de Castanhal, Valberto Maia, diz que a prevenção, com ações educativas nas comunidades, é a principal forma de combate ao trabalho escravo. “Quando alguém está com seus direitos trabalhistas cerceados, tem que denunciar, não pode esperar ser maltratado para procurar a Justiça ou os sindicatos”.

Agência Brasil – Edição: Fábio Massalli

Brasil – Eleições: Dilma tem 37% das intenções de voto, Marina, 30% e Aécio, 17%, diz Datafolha

Posted: 19 Sep 2014 10:47 AM PDT

Pesquisa Datafolha divulgada hoje (19) pelo jornal Folha de S. Paulo mostra a candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) com 37% das intenções de voto. Marina Silva (PSB) aparece com 30% e Aécio Neves (PSDB), com 17%.

Na última pesquisa do instituto, publicada no dia 11 de setembro, Dilma tinha 36% das intenções de voto, Marina, 33% e Aécio, 15%.

Em uma simulação de segundo turno entre Dilma e Marina, o instituto aponta empate técnico entre as duas candidatas: Marina Silva com 46% e Dilma com 44%.

Em um possível segundo turno entre Dilma e Aécio, a petista teria 49% das intenções de voto e o tucano, 39%.

O percentual de eleitores indecisos permanece em 7% e os que votariam em branco ou nulo, 6%.

Os demais candidatos somam 3% das intenções de voto. A margem de erro da pesquisa, feita nos dias 17 e 18 de setembro, é 2 pontos percentuais. Foram entrevistadas 5.340 pessoas em 265 municípios.

Carolina Gonçalves – Repórter da Agência Brasil – Edição: Lílian Beraldo

Angola: VICE-PRESIDENTE JÁ TEM UM CADASTRO COMPROMETEDOR

Posted: 19 Sep 2014 10:34 AM PDT

Folha 8, 13 setembro 2014

Neste mo­mento o que a maio­ria dos ci­dadãos am­biciona é ver alterada a composição da Assem­bleia Nacional, pela razão simples da bancada maio­ritária ser incompetente, na defesa das suas prer­rogativas de defesa das populações, tal como as demais bancadas da opo­sição.

Então o que o povo vê?

Um presidente da Assem­bleia Nacional, sem perso­nalidade e independência, vergado a partidocracia, quando deveria ser isento e imparcial nas suas fun­ções e bem poderia imitar a sua homologa portugue­sa, que sendo do PSD, tem um papel de elevada im­parcialidade no desempe­nho das suas funções.

Infelizmente, no caso an­golano, o inverso é a regra e então os cidadãos elei­tores observam os depu­tados do partido no poder demitirem-se do seu papel de fiscalizador, ajoelhan­do-se e rezando diante do Presidente da República.

A maneira “democratica­mente ditatorial” como os deputados do MPLA, com ajuda do Tribunal Constitucional, se colocou de acordo quanto a não fiscalidade do Executivo, define, só por si, a espécie de deputados que temos. Eles, também, desavergo­nhadamente, aprovaram as efigies nos Bilhetes de Identidade de cidadão nacional, bem como a lei da nacionalidade, uma in­constitucionalidade, mas se não o fizessem perde­riam as mordomias, pois a maioria não está lá para defender o povo, mas as mordomias dadas pelo Ti­tular do Poder Executivo, o Eduardo.

Precisa-se de uma nova e representativa Assem­bleia Nacional, para se sa­narem muitas suspeições. Como nada se questionar e ter assumido funções o vice-presidente Manuel Vicente acusado de vários ilícitos?

Desde tráfico de influên­cia, ccorrupção apropria­ção de terrenos, sendo o mais recente, na Avenida 21 de Janeiro, onde se está a construir mais um su­permercado da sua rede: Kero. O mesmo ainda não tem decisão do tribunal cível, pois trata-se de uma herança, mas ainda assim, estimulado pelo chefe, o MV, avançou e comprou um terreno sem documen­tos e carecendo da aceita­ção de todos herdeiros.

Numa democracia higie­nizada, face a tantas sus­peições Manuel Vicente nunca poderia, até serem esclarecidos os casos a vice presidência, mas isso é Angola e o MPLA, infe­lizmente, não tem cabeças pensantes, com excepção do seu líder.

Por todas estas arbitrarie­dades Angola precisa de uma nova Constituição, pois a actual já não nos serve.

O que nos surpreende é que por tudo isso, afinal, Angola e os angolanos até podem ter um Presidente da República criminoso ou acusado de outras práticas ilícitas, quer por indicação, como cabeça de lista, se­guindo o espírito do art.º 109.º CRA (Constituição da República de Angola) ou na eventualidade de substituição do titular, por doença ou outra causa, segundo o art.º art.º 132.º CRA, que é, mais uma vez omisso, quanto a nnecessidadede “ficha-limpa” do vice – presidente.

Mas tudo isso não pode ser estranho, porquanto o n.º 1 do art.º 127.º CRA diz o seguinte: “O Presidente da República não é respon­sável pelos actos pratica­dos no exercício das suas funções, salvo em caso de suborno, traição à Pátria e pratica de crimes defini­dos pela presente Cons­tituição como imprescri­tíveis e insusceptíveis de amnistia”. E o n.º 3 afirma: “pelos crimes estranhos ao exercício das suas funções, o Presidente da República responde perante o Tribu­nal Supremo cinco anos depois de terminado o seu mandato”.

Esse tempo é bastante para se evadir, basta ver o que se verificou com Fu­jimori, que se refugiou no Japão depois de ter saído da Presidência do Peru.

Todos podem ser pre­sidentes nesta forma de regime e com esta consti­tuição, até mesmo o chefe dos garimpeiros das Lun­das o general, político, em­presário, filantropo e fami­liar de Eduardo dos Santos, esteve umbilicalmente ligado aos seus sipaios que foram apanhados pela Po­lícia francesa na posse de milhões de dólares, no ano passado.

Dizem as notícias que os vassalos foram detidos, também com um cartão de crédito VISA de um alto dirigente angolano, que se encontrava em Lisboa à espera dessa singela e rotineira encomenda, mas terá evitado a prisão apre­sentando um passaporte diplomático.
Raúl Danda, líder parla­mentar da UNITA, disse que “Bento Kangamba não pode passear-se com mi­lhões de dólares, ou euros, para ir jogar batota lá fora.” Estava, obviamente, erra­do. O general que tem livre trânsito para, por outorga do Presidente de Angola, fazer o que bem entender onde quiser, é uma figura impoluta e cuja credibili­dade, todo o mundo sabe, está acima de qualquer suspeita.

“Como é que esse dinheiro sai do país, se cada cidadão só pode sair com máximo de 15 mil dólares, como é que Bento Kangamba sai daqui com sacos de 4 mi­lhões de dólares?” pergun­tou, ingenuamente, Raúl Danda.

Importa, por isso, salientar a relevância política (em dólares) e a estatura mo­ral (em euros) do general. Quando ele, por exemplo, afirma que “as faculdades estão a ser construídas para os jovens estudarem e não para fazerem po­lítica, nem criticarem o governo”, está a dar uma clara prova de pertencer a uma classe superior de ci­dadãos, totalmente incom­patível com aqueles que se integram naquela a que se chama Povo.

Esta definição do papel das universidades, feita pelo secretário do Comité Pro­vincial do MPLA de Luan­da para a Periferia, Bento Kangamba, ao discursar num acto político e cul­tural, mostra uma tão ele­vada estatura de estadista que, como recompensa, lhe foi reforçado o plafond europeu para circular com milhões de euros alojados nas suas bicuatas.

As críticas ferozes, tan­to da UNITA como da CASA-CE, revelaram que, segundo as regras do regi­me, são pouco patrióticos, razão que levou Bento dos Santos Kangamba a apelar aos militantes, amigos e simpatizantes do regime (MPLA) para que primam por um comportamento organizado, disciplinado e vigilante, face à atitude de certos partidos da opo­sição determinados em desestabilizar e criar má imagem do Executivo e do partido que governa o nos­so país desde 1975.

Em declarações à Angop, em Luanda, Kangamba alertou, por outro lado, os militantes do regime para não se deixarem enganar por eventuais calúnias e difamação, tendo incen­tivado para uma atitude serena perante actos pro­vocatórios e difamatórios.

“Os dirigentes de parti­dos políticos devem ter a certeza do que dizem, e não enveredarem pela ca­lúnia e difamação e com isto tentar manchar o meu bom nome, uma vez que nunca estive envolvido em escândalos desta na­tureza, até porque estou em Angola e bem sereno e recentemente ainda estive na Europa e circulei com tranquilidade”, sublinhou o general presidencial a pro­pósito dos tais milhões de dólares encontrados pela Polícia francesa.

“Devem também reflectir em torno do ambiente e da estabilidade política do país, bem como participar activamente na consoli­dação da paz e da demo­cracia”, acrescentou o pa­ladino da honorabilidade do regime, acrescentando que “há muitas pessoas que mancham o nome de certos responsáveis do Governo e do partido, para fazer desacreditar a sua ac­ção política”.

Como reforço destas te­ses, recorde-se que muitos generais adquiriram resi­dências no mais luxuoso e exclusivo condomínio de Espanha, La Finca. Trata­-se de uma modesta urba­nização habitada por gente humilde do tipo Cristiano Ronaldo, Káká, Benzema, Iker Casillas, Javier Bar­dem, Penélope Cruz, Paz Veja e Alejandro Sanz.

Na verdade, todas estas ilustres figuras do des­porto e do espectáculo fi­zerem questão de ir viver para a urbanização situada na localidade de Pozuelo de Alarcón, a 8 quilóme­tros de Madrid, quando souberam que generais e governantes angolanos também iriam para lá.
Não se sabe o valor do contrato de trabalho de muitos destes generais, mas calcula-se que será de muitos milhões de euros, pelo que gastar 12 milhões de Euros numa mansão é uma ninharia para um general presidencial ou, eventualmente, para um outro qualquer membro do núcleo duro do regime.

Dizia o diário espanhol “El Confidencial” que o con­domínio ultra-privado de La Finca tem vários lagos artificiais e é, como aliás convém, “um dos bunkers mais glamorosos e se­lectos jamais sonhados” e onde, no âmbito de ser “o espaço onde se podem encontrar mais celebrida­des e fortunas por metro quadrado”, não destoaria um ou bem mais generais presidenciais do reino an­golano.

Em áreas verdes, a urba­nização tem um total de 844.100 metrosquadra­dos. El Confidencial des­creve La Finca, como o maior provedor de priva­cidade no país, para “figu­ras, tanto públicas como desconhecidas, de marca­do poder aquisitivo”. Com detectores infravermelhos, o condomínio “é uma au­têntica jaula de ouro, sobre a qual se sabe ou conhece pouco, ou muito pouco”, refere a publicação.

Em Lisboa, os generais do regime têm mansões e apartamentos milionárias por toda a parte e muito re­centemente o irmão mais velho do Presidente, Ave­lino dos Santos foi agracia­do com uma penthouse de luxo, avaliada em cerca de dois milhões de euros.

O apartamento está lo­calizado na urbanização Jardins do Cristo-Rei, em Moscavide, a poucos mi­nutos da zona da Expo. Na referida urbanização têm também apartamentos o governador do Kwanza­-Sul, general Eusébio Tei­xeira de Brito, o general Arnaldo Antas e mais al­gumas figuras do regime angolano.

Entretanto, desde logo porque não há diferen­ças de género em Angola, consta que a ilustre espo­sa do general presidencial também quer algo que seja, digamos, só seu.

Assim, uma empresa de França e outra do Móna­co construíram sob en­comenda generalíssima um iate com 58 metros de comprimento e 38 metros de largura, que tem uma área de 3.400 m2com ca­pacidade para 12 passagei­ros e 20 tripulantes.

Além disso, conta com três plataformas, uma piscina de 25 metros, um “spa”, “helicopter-pad”, sauna, gi­násio e sala de massagem, um passeio de 130 metros, uma sala de música, uma sala de jantar, um cinema, “decks sol”, suites, terra­ços, um “lounge”. Os pa­vimentos são ligados por escadas, mas há também um elevador. Uma área de 200m² cobre comple­tamente o terceiro piso. A vista para o mar é grande e há um terraço privado de 25 metros de comprimen­to.

Este é o luxo de uns pou­cos, enquanto a maioria dos autóctones definha a fome, vivendo com menos de 1 dólar/dia, sem educa­ção, saúde e emprego.

De nada vale esperar por mudanças internas, pois se um elemento ainda na vigência de uma condena­ção, por crime de Burla e Roubo, foi colocado na lis­ta de deputados do MPLA e do seu comité central.

Se tendo processos ju­diciais no mundo nada acontece, por parte do regime, fica a convicção de estar institucionaliza­da a roubalheira de certos membros do regime presi­dencial, previamente “per­doados” pelo denominado arquitecto da paz.

Até quando vamos ter de conviver com esta sujeira, ninguém sabe, mas que já durou muito, muito tem­po, todos temos ciência, logo, urge trabalhar para o nascimento de uma nova aurora, capaz de higienizar a democracia e a socieda­de.

Angola: COMBATE À MORTALIDADE

Posted: 19 Sep 2014 08:51 AM PDT

Clicar para ampliar
Jornal de Angola, editorial

A vacinação alargada constitui uma das principais vertentes das políticas públicas que são traçadas pelo sector da Saúde e que têm em vista a erradicação de doenças que ainda prevalecem em Angola.

As campanhas de vacinação que se realizam no país têm se concentrado no grande objectivo que é a redução de situações patológicas e a diminuição de casos de mortalidade, particularmente entre as crianças. São continuados os esforços do sector da Saúde para a vacinação contra doenças que suscitam ainda, pelo número de falecimentos que causam, muitas preocupações, estando as autoridades a actuar com medidas eficientes para conter as consequências negativas das patologias que mais afectam as populações.

Uma dessas doenças é o sarampo, com casos de óbito em Luanda, onde foram registadas no primeiro semestre do ano em curso 200 ocorrências de que resultaram 92 falecimentos. Segundo Felismina Neto, coordenadora de Luanda do Programa Alargado de Vacinação, houve um aumento de cem casos nesta província, comparativamente ao ano passado. Em face do aumento de casos de sarampo, estão a ser tomadas medidas preventivas que se consubstanciam em campanhas de vacinação, para se evitar que no país a doença continue a ser uma das principais causas de morte de crianças com menos de cinco anos de idade.

Sabe-se que se vai realizar a partir da próxima segunda-feira até ao dia 5 de Outubro uma campanha de vacinação integrada, que prevê abranger milhões de crianças em todo o país, dos quais 2,9 milhões serão da província de Luanda. A grande extensão da operação é prova de que se pretende empreender esforços para uma vasta protecção contra o sarampo, uma doença infecto-contagiosa, provocada por um vírus (o morbillvírus) e que é a principal responsável pela morte de crianças em países subdesenvolvidos.

Além das campanhas de vacinação, há a preocupação das autoridades sanitárias do país de se levar a conhecimento das comunidades informação essencial sobre a doença, para que estas saibam que os pacientes com sarampo devem ir aos hospitais para se submeterem a tratamento adequado, em vez de recorrerem a práticas que não raras vezes resultam em danos irreparáveis.

A coordenadora provincial de Luanda do Programa Alargado de Vacinação conta que muitos encarregados de educação preferem deixar os seus educandos com sarampo em casa e submetê-los a tratamento que não produzem resultados positivos, pondo em perigo as vidas de muitas crianças. Esta atitude de encarregados de educação de renúncia ao tratamento hospitalar para a cura do sarampo justifica que se faça uma ampla divulgação sobre a natureza da doença e suas consequências e sobre a necessidade das pessoas serem tratadas em locais da Saúde apropriados.

A informação sobre o sarampo, a exemplo de outras patologias, é fundamental, na medida em que ela coloca as pessoas em condições de agirem correctamente em caso de a doença se manifestar. É preciso dizer às pessoas que se podem curar se se dirigirem a um hospital ou centro de saúde, onde hão-de encontrar pessoal preparado para lidar com o sarampo.

Muitas das pessoas que agem incorrectamente, na convicção errada de que têm soluções alternativas ao tratamento hospitalar, fazem-no porque não possuem informação sobre a doença e sobre os seus perigos. Que ninguém subestime a capacidade dos nossos hospitais ou centros de saúde para acudir aos casos de sarampo, considerada doença típica das crianças, uma vez que são dadas garantias pelas autoridades competentes de assistência imediata.

Essas garantias correspondam a um tratamento célere e eficaz, devendo-se mobilizar os meios humanos e materiais necessários para se combater a doença, suprindo-se as carências, se ainda houver, na assistência médica e medicamentosa. Lutando-se nas frentes da prevenção, com uma vacinação alargada, e da cura, podemos ter esperança de que um dia, e que este dia esteja próximo, não teremos mais casos de sarampo. A salvaguarda da saúde pública é crucial para os cidadãos que têm de estar aptos a realizar diversas tarefas que têm a ver com o nosso crescimento e desenvolvimento económico e social. Só com saúde é que podemos trabalhar em prol do nosso progresso.

Não é por acaso que o Estado faz investimentos consideráveis ao nível da criação de infra-estruturas hospitalares, destinadas a proporcionar às populações serviços de saúde excelentes. Vai começar na próxima semana uma campanha de vacinação contra o sarampo. Que haja uma ampla adesão dos cidadãos a essa campanha, no interesse de todas as comunidades.

ANGOLA COM SEGUNDA PIOR TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL DO MUNDO

Posted: 19 Sep 2014 08:35 AM PDT

Contas da UNICEF mostram 164 mortes em cada mil crianças angolanas nascidas vivas, em 2012. Pior, só a Serra Leoa

Angola ocupa a segunda posição mundial na tabela da taxa de mortalidade de menores de cinco anos, com 164 mortes infantis em mil crianças nascidas vivas.

No relatório anual sobre a situação mundial da infância, intitulado Compromisso para a Sobrevivência Infantil – Uma Promessa Renovada, o Fundo das Nações Unidas para a Infância indica que as estatísticas apresentadas esta sexta-feira são relativas a 2012.

De entre os países lusófonos, segue-se a Guiné-Bissau, na 6ª posição ex-aequo com a República Centro-Africana, com uma taxa de mortalidade neo-natal – que representa, nos termos da definição dos indicadores da UNICEF, “a probabilidade de morrer entre o nascimento e os cinco anos de idade, por mil nascidos vivos” – de 129 crianças em 2012, contra 158 crianças em 2011 e 243 em 1990.

Moçambique classifica-se no 22º lugar da lista, utilizada como “principal indicador dos progressos em direção ao bem-estar da criança”, com 90 crianças entre cada mil nascidas vivas a terem elevada probabilidade de morrer nos primeiros cinco anos de vida, em 2012, em contraste com as 103 que se encontravam nessa situação em 2011 e as 226 em 1990.

Timor Leste encontra-se no 48º lugar, com uma TMM5 de 57 crianças em mil, mais do que as 54 em mil registadas em 2011, mas muito menos que a registada em 1990: 180 em mil.

A 52ª posição da lista pertence a São Tomé e Príncipe, onde, em 2012, 53 crianças enfrentavam esse limite temporal, contra 89 em 2011 e 96 em 1990.

O arquipélago de Cabo Verde classifica-se na 88ª posição, apresentando uma TMM5 de 22 crianças em mil, contra 21 em 2011 e 58 em 1990.

Na posição nº 120 está o Brasil, que ocupa o último lugar entre os países lusófonos, com a mais baixa taxa de mortalidade de menores de cinco anos: 14 crianças em 2012, contra 16 crianças em 2011 e 58 em 1990.

Os números da UNICEF mostram que a mortalidade infantil diminuiu quase para metade, em pouco mais de vinte anos, no global, mas que a África subsariana contraria a tendência. Seja como for, diariamente ainda morrem 18 mil crianças com menos de 5 anos. No relatório, a agência especializada da ONU esclarece que estes dados foram extraídos dos bancos de dados da UNICEF e se baseiam em estimativas do Grupo Interagências das Nações Unidas sobre Mortalidade Infantil (UNICEF, Organização Mundial da Saúde, Divisão de População das Nações Unidas e Banco Mundial).

Oiça as reportagens de Eleutério Guevane, da rádio da ONU, e de Paula Borges.

RDP África

CONSTITUIÇÃO ANGOLANA É EXCELENTE E COMPLETA

Posted: 19 Sep 2014 08:13 AM PDT

Bernardino Manje – Jornal de Angola

O professor catedrático português Jorge Bacelar Gouveia disse ontem, em Luanda, que Angola tem uma excelente Constituição e minimizou comentários, segundo os quais confere poderes excessivos ao Presidente da República.

O constitucionalista manifestou a opinião ao dissertar sobre “A administração Pública de Angola: um Olhar Constitucional” no colóquio sobre “Administração Pública no Século XXI em Angola” promovido pela Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica de Angola e encerra hoje.

O professor catedrático da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa referiu que a Constituição angolana, a mais jovem das dos países de língua portuguesa, “é excelente” por ser completa e integrar “todo um conjunto de assuntos que a sua antecessora, a Lei Constitucional de 1992, não tinha.

“É, sobretudo excelente nas soluções que propõe”, sublinhou. Em termos de Administração Pública, disse, a Constituição angolana é moderna e avançada, a partir do momento em que reconhece que o Poder Local é constituído não apenas por autarquias, mas também pelas instituições do Poder Tradicional, além de todos os direitos que confere, quer aos administrados, quer aos cidadãos em geral. “Há todo um conjunto de mecanismos que a meu ver são muitíssimo positivos. Com certeza que pode haver um ou outro pormenor que possamos criticar, mas comparando a Constituição angolana com a portuguesa, brasileira ou a de alguns países africanos de língua portuguesa, não tenho nenhuma dúvida em afirmar que é excelente”, afirmou.

Jorge Bacelar Gouveia disse ter ficado “muito surpreendido” ao ouvir comentários de alguns constitucionalistas que acusam a Constituição angolana de ser ditatorial ou de consagrar excessiva concentração de poderes na figura do Presidente da República.

O orador lembrou não haver “nenhuma concentração excessiva de poderes”.

“Há um poder, que é o Executivo e está no Presidente da República, um Legislativo no Parlamento e o Judicial nos tribunais”.

Gradualismo nas autarquias

O constitucionalista português defendeu o princípio do gradualismo na criação das autarquias, “como de resto consagra a Constituição angolana”.

O legislador, ao optar pelo princípio do gradualismo, salientou, teve em atenção a realidade do país. O orador disse que “a criação dos municípios não pode ser simultânea e total em todo o país”.

O gradualismo, prosseguiu, significa que a reforma pode ser faseada, no âmbito dos municípios que a cada momento são escolhidos para serem municipalizados, mas também nas competências que vão ser transferidas.

Jorge Bacelar Gouveia afirmou tratar-se de “uma questão complexa”, mas recusou a ideia, segundo a qual o facto de se terem passado quatro anos desde a entrada em vigor da Constituição da República é sinal que se está a violar o princípio do gradualismo.

“Tenho conhecimento que a reforma legislativa está quase pronta. Quatro anos não é muito numa reforma de grande envergadura”, disse, mas realçou ser “necessário acelerar e sobretudo encaixar as eleições dos municípios com as gerais por uma questão de economia financeira”.

O orador declarou que para haver eleições autárquicas é preciso que seja aprovada uma Lei-Quadro dos Municípios.

Para ontem estava agendada uma mesa-redonda sobre \”A Administração Pública no Século XXI: Modelos de Organização Administrativa e Vinculação ao Direito” na qual participaou o ministro da Administração Pública, Emprego e Segurança Social, António Pitra Neto.

À tarde realizou-se o segundo painel, que se subordinou ao tema “Descentralização Administrativa em Angola: as Autarquias Locais”. O ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa, foi um dos conferencistas.

Foto: Santos Pedro

Moçambique – Campanha Eleitoral: SIMANGO, DHLAKAMA E NYUSI SOMAM PROMESSAS

Posted: 19 Sep 2014 08:03 AM PDT

Simango em passeata nas ruas de Maputo

O candidato presidencial do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) às eleições de 15 de Outubro, Daviz Simango, realiza hoje uma passeata pelas diferentes ruas e avenidas da Cidade de Maputo, naquilo que vai marcar o seu primeiro dia de “caça ao voto” na capital do país.

Vindo de Manica, onde trabalhou nos últimos dias, Simango não chegou a escalar a província de Inhambane como estava previsto. Durante os cinco dias que trabalhará na cidade e província de Maputo, o candidato do MDM orientará comícios populares e visitará alguns bairros, como são os casos de Hulene, Mafalala, Chamanculo, Xiquelene, Xipamanine, entre outros. Entretanto, em Sussundenga, província de Manica, Daviz Simango afirmou que em caso de vitória vai concentrar esforços na melhoria das estradas rurais, como pressuposto básico para o desenvolvimento agrário.

Dhlakama em Comício no Lumbo

O candidato presidencial da Renamo às eleições de 15 de Outubro, Afonso Dhlakama, realiza hoje um comício popular no populoso Posto Administrativo de Lumbo, zona continental do distrito da Ilha de Moçambique, no seu terceiro dia de “caça ao voto” no maior círculo eleitoral do país, Nampula.

Ontem, Dhlakama reuniu-se, na capital provincial, com os membros da comissão política nacional, deputados da Assembleia da República, conselheiros e outros quadros seniores desta formação política.

Para além da definição de estratégias que vão nortear a campanha de Afonso Dhlakama nos distritos que escalará em Nampula, o encontro também serviu para o candidato explicar aos seus quadros questões relacionadas com o acordo assinado entre o Governo e este partido para o fim das hostilidades militares que se registaram no país, particularmente na zona de Gorongosa, em Sofala.

Nyusi promete concluir Ponte Maputo – Catembe

O concorrente da Frelimo às eleições presidenciais de 15 de Outubro comprometeu-se ontem a concluir as obras da ponte Maputo-Ka Tembe e da Estrada que liga a capital do país à vila fronteiriça da Ponta de Ouro se os eleitores residentes em Maputo votarem nele e no seu partido no referido sufrágio.

Falando num comício popular realizado no Bairro Chamissava, na Ka Tembe, Filipe Nyusi disse que votar nele e no partido no poder é garantir a continuidade na procura de soluções para a melhoria das condições de vida dos cidadãos. “É necessário votar na Frelimo porque os seus projectos são visíveis. As suas obras existem um pouco por todo o país, pelo que é preciso votar neste partido para concluir as obras da ponte Maputo – Katembe que já iniciaram”, disse Nyusi, acrescentando que: “uma fotografia tirada hoje na cidade de Maputo, não é igual a que podemos tirar amanhã”.

Notícias (mz)

*Título PG

Nampula espera do futuro Presidente de Moçambique mais emprego e melhor educação

Posted: 19 Sep 2014 07:36 AM PDT

Em Moçambique os cidadãos esperam que o próximo presidente do país, a ser eleito no sufrágio de outubro, venha resolver os problemas que assolam o país de modo a salvaguardar o bem-estar da população.

Moçambique, à semelhança de outros países em vias de desenvolvimento, enfrenta várias dificuldades sócio-económicas para satisfazer as necessidades básicas da população.

Aider Andrade, a exemplo de muitos cidadãos, em declarações à DW África, refere que o futuro dirigente de Moçambique deve vir com ações concretas para responder cabalmente as ansiedades da população.

O seu desejo é “que haja uma política muito bem estruturada para o setor do emprego, em primeiro lugar, porque queremos dignidade. O emprego é uma das áreas que gostaria que fosse melhorada”, sublinhou.

E Andrade tem ainda outros anseios: “Também gostaria que fosse melhorada a política educacional, porque temos visto que a nossa educação nos últimos tempos tem estado a decair, principalmente no ensino primário, que em seguida repercute nos ensinos secundário e superior.”

Cumprimento de promessas eleitorais

Os partidos políticos estão atualmente em campanha eleitoral e, ao mesmo tempo, cada um à sua maneira promove a divulgação do seu respetivo programa de governação de Moçambique para os próximos 5 anos.

O cidadão António Marcos defende que os planos de governação dos partidos políticos, que estão a ser divulgados junto dos moçambicanos nesta épca da caça ao voto, deveriam ser devidamente cumpridos e por forma terem reflexos positivos na vida social dos cidadãos.

Marcos também tem o mesmo desejo que Andrade: “Gostaria que o futuro Presidente garantisse emprego para os jovens. Se formos à procura de emprego nas repartições e instituições deveriam surgir oportunidades nomeadamente de pequenos empregos para os jovens.”

No entender de Aider Andrade a aposta do futuro Presidente de Moçambique tem de estar focalizada em operar mudanças com vista a garantir a melhoria das condições de vida dos moçambicanos.

Ele afirmou ainda que para os próximos 5 anos de governação, Moçambique precisa de um Presidente que viva e acompanhe os problemas de todos os moçambicanos, porque caso contrário o desenvolvimento do país poderá estar em perigo.

E Andrade exemplifica uma áera problemática: “Que a nossa rede de estradas seja melhorada. Para quem conhece um pouco o nosso país, temos visto que há um grande problema na rede rodoviária moçambicana. As distâncias curtas têm sido cada vez mais longas, precisamente por causa dos problemas da rede de estradas. Há uma necessidade urgente para a construção de mais infraestruturas.

Por isso Andrade quer uma solução para os problemas prementes que afligem os cidadãos moçambicanos e sugere que “o próximo Presidente tenha projetos concretos para que Moçambique progrida em muitas áreas e que esse porogresso beneficie realmente a população do país, nomeadamente a mais carenciada. Acho que nesta fase de desenvolvimento do país, deveria ser mais difundida a promoção do auto-emprego, que não tem sido concreto e efetivo em termos de abrangência.”

Paz, a base de sucesso

Por seu turno, o presidente do fórum das ONGs em Cabo Delgado, Rodrigues Miguel, espera que o futuro estadista moçambicano estabeleça uma política de manutenção da paz efetiva e estabilidade política do país, para garantir a preservação do património já conseguido até hoje.

Por isso Miguel destaca a importância da paz, porque com ela “toda a população sabe o que fazer e o desenvolvimento sómente em possível com um país estável. Todas as promessas que estão a ser feitas, só poderão ser materializadas com o envolvimento de todos num processo de paz duradouro”.

O país tem vindo nos últimos anos a registar várias descobertas na área dos recursos naturais, os quais segundo Rodrigues Miguel presidente do fórum das ONGs em Cabo Delgadopoderão ser melhor explorados num ambiente de diálogo permanente entre o governo e a população.

Na foto: Citadinos de Pemba, capital da província de Cabo Delgado, Moçambique

Eleutério Silvestre (Pemba) – Deutsche Welle

Presidente da CNE alerta para ilegalidades durante a campanha eleitoral em Moçambique

Posted: 19 Sep 2014 07:25 AM PDT

Abdul Carimo disse que não se deve fazer campanha usando a força e incitando à violência, nem se deve usar meios do Estado.

Francisco Júnior – Voz da América – ontem

A campanha eleitoral em Moçambique entrou hoje, 18, no seu décimo nono dia.

A corrida aos votos tem sido marcada, um pouco por todo o país, por incidentes que já provocaram óbitos em consequência de acidentes de viação e feridos devido à violência, que, segundo o presidente da Comissão Nacional de Eleições(CNE) Abdul Carimo tende a aumentar.

Ao falar hoje à imprensa, Carimo mostrou-se particularmente preocupado com a prática de ilícitos eleitorais, que têm resultado em detenções.

O presidente da CNE não especificou números, mas fez questão de lembrar que não se deve fazer campanha eleitoral, usando a força e incitando à violência. E, salientou que não se deve fazer campanha usando meios do Estado.

Aquele responsável, pediu aos partidos políticos e seus simpatizantes para transformarem a campanha num momento de festa e que todos trabalham em prol do desenvolvimento, fortalecimento e consolidação da democracia no país.

Nesta sexta-feira, 19, arranca, em todo o país, a formação de candidatos a membros de mesas das assembleias de voto, cuja missão é a de conduzir o processo de votação e o apuramento parcial dos resultados das eleições.

Nas eleições de Outubro, em cada mesa de assembleia de voto serão integrados membros indicados pelos partidos políticos com assento no parlamento, uma inovação que surge na sequência dos recentes entendimentos entre o Governo e a Renamo e que culminou com a aprovação, este ano, de um novo pacote eleitoral.

Para as eleições de 15 de Outubro, estão inscritos 3 candidatos à Presidência da República e 30 partidos políticos, coligações de partidos e grupos de cidadãos eleitores à Assembleia da República.

Pequim preocupado com impacto do referendo escocês em Taiwan, Tibete e Hong Kong

Posted: 19 Sep 2014 07:08 AM PDT

Hong Kong, China, 19 set (Lusa) – As autoridades de Pequim estão a observar de perto o referendo à independência da Escócia e a avaliar cuidadosamente o impacto que a votação pode ter nos seus territórios, diz o jornal de Hong Kong South China Morning Post.

Desde que as urnas abriram, não foi feito qualquer comentário oficial, mas a atenção do público é elevada, descreve o diário.

Stephen Notman, um escocês que trabalha na China e regressou a casa para votar, garante que os seus amigos chineses têm feito muitas comparações entre a Escócia e os desenvolvimentos em Taiwan, Xinjiang e Tibete.

Outro escocês em Pequim, Stephen Nashef, professor de inglês, contou que alguns dos seus amigos chineses consideram o referendo como algo “estranho”.

“Julgo que o Reino Unido é olhado como sendo um país poderoso e bem-sucedido. Muitas pessoas acham estranho que [partes desse país] se queiram separar”, comenta.

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse ao primeiro-ministro britânico, David Cameron, durante uma viagem a Londres em junho, que a China queria ver “um Reino Unido forte, próspero e unido”.

Analistas explicam ao jornal que o assunto é sensível para Pequim, já que tem o potencial de encorajar debates sobre se o futuro de Taiwan, do Tibete ou até de Hong Kong deve ser “decidido pelas pessoas”.

“A República Popular da China nunca gostou da ideia de realizar este tipo de referendos em Taiwan ou em qualquer outro sítio considerado território chinês”, comenta Dali Yang, professor de Ciência Política na Universidade de Chicago.

Titus Chen Chih-chieh, professor de Relações Internacionais na Universidade Nacional de Chengchi, em Taiwan, acredita que as implicações para Hong Kong e Taiwan são uma séria preocupação.

“A China Continental não quer, obviamente, que a forma como os escoceses decidem o seu futuro seja vista como um exemplo para Taiwan e Hong Kong”, diz.

Na segunda-feira, o jornal oficial chinês Global Times, escreveu que a decisão de Cameron de permitir o referendo foi “imprudente” e irá torná-lo um “pecador” no Reino Unido, caso a Escócia se torne independente.

“Se a auto-determinação nacional se tornar um princípio supremo, a Europa vai estar constantemente a separar-se em pequenas frações, o que contraria a integração europeia”, dizia o jornal.

ISG // JCS – Lusa

Presidentes português e indonésio querem reforçar cooperação comTimor-Leste

Posted: 19 Sep 2014 07:01 AM PDT

Lisboa, 19 set (Lusa) – Os Presidentes da República português, Aníbal Cavaco Silva, e indonésio, Susilo Bambang Yudhoyono manifestaram hoje em Lisboa a vontade de intensificar a cooperação com Timor-Leste para apoiar o seu desenvolvimento económico e social.

“Tivemos ocasião de falar sobre a cooperação para o desenvolvimento económico e social com Timor-Leste. Neste momento, a Indonésia e Portugal têm interesses comuns no que se refere à estabilidade política e ao desenvolvimento económico e social de Timor-Leste, e falámos sobre a possibilidade de encontros e parcerias entre Portugal e Indonésia — e, eventualmente, também com a Austrália”, disse o chefe de Estado português, numa conferência de imprensa conjunta com o homólogo indonésio.

Susilo Bambang Yudhoyono, em visita de Estado a Portugal 54 anos depois da última visita de um Presidente indonésio ao país, declarou-se honrado com o convite de Cavaco Silva, feito há dois anos, quando este se deslocou à Indonésia — naquela que foi, também, a primeira visita ao país de um chefe de Estado português ao país, e sublinhou também a vontade de cooperar com Portugal e com Timor-Leste.

“Discutimos a fundo a possibilidade de cooperação entre Portugal, Indonésia e também Timor-Leste. Creio que Portugal e a Indonésia podem fazer muito mais para ajudar Timor-Leste – que se tem desenvolvido bem, atualmente, na sua democracia, na área económica, através da ajuda à cooperação entre Portugal e Indonésia e Timor-Leste”, sustentou.

Cavaco Silva frisou que ambas as visitas (a sua à Indonésia, há dois anos, e a do seu homólogo, agora, a Portugal) “marcam uma nova fase nas relações entre os dois países”, depois do conflito que opôs os dois Estados a partir de 1975, quando Jacarta ocupou Timor-Leste, até então uma colónia portuguesa.

“As relações políticas, diplomáticas, são excelentes neste momento”, salientou o Presidente português, elogiando o papel desempenhado por Yudhoyono na democratização da Indonésia, após décadas de ditadura militar.

“Permitam-me que saúde o Presidente Yudhoyono pelo contributo extraordinário que deu para a consolidação da democracia e do pluralismo político na Indonésia, pelo contributo que deu para a afirmação internacional da Indonésia e para o seu desenvolvimento económico e social”, sublinhou.

ANC // APN – Lusa

Portugal e Indonésia têm a “obrigação” de “salvar Timor-Leste”, diz investigador

Posted: 19 Sep 2014 06:55 AM PDT

Jacarta, 18 set (Lusa) – Portugal e a Indonésia têm a “obrigação moral” de “salvar Timor-Leste da possível maldição dos recursos naturais”, sob pena de a pobreza aumentar no país, disse à Lusa o investigador indonésio Kristio Wahyono.

“É uma obrigação moral” para os dois países “salvar Timor-Leste da possível ‘maldição dos recursos naturais’, dado que a economia timorense é uma das mais profundamente dependentes do petróleo no mundo. Caso contrário, mais pessoas deste país ficarão abaixo da linha da pobreza”, alertou.

Kristio Wahyono espera que o tema seja discutido hoje, na visita a Portugal do Presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono.

O também antigo representante da Indonésia na Administração Transitória das Nações Unidas em Timor Leste (UNTAET), entre 2000 e 2003, defendeu que os dois países devem apoiar o governo timorense no Plano Estratégico de Desenvolvimento 2011-2030 e investir no país.

Apesar de discordar dos especialistas que alertam para o risco de o país se tornar num Estado falhado, o docente de Estudos de Timor-Leste considera que a Indonésia tem a “obrigação moral” de prevenir que tal aconteça, depois de ter invadido o país em 1975 e de ali ter cometido violações de direitos humanos durante 25 anos.

“O próximo governo da Indonésia não deve cometer um segundo erro, aproveitando a oportunidade económica ou envolvendo-se na exploração de petróleo no Mar de Timor, a menos que obtenha o consentimento de Timor-Leste e da Austrália”, respondeu.

Kathleen Rustici, diretora-adjunta do departamento do Sudeste Asiático do Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS, na sigla em inglês), entende que a Indonésia vê Timor-Leste como um “parceiro”, até porque partilha uma ilha com o país vizinho, logo, “o desenvolvimento e a estabilidade [timorenses] são bons” para ambos.

A Indonésia tem apoiado Timor-Leste em várias áreas, como o desenvolvimento regional, as pescas e a educação, sendo que boa parte dos produtos disponíveis na antiga colónia portuguesa partem do mercado indonésio.

Para Kristio Wahyono, Portugal e a Indonésia devem “incentivar e dar toda a assistência possível a Timor-Leste” através da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), respetivamente.

Timor-Leste é o único país do Sudeste Asiático que ainda não foi admitido na Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e o único da região que faz parte da CPLP.

A viagem a Portugal, bem como a visita a Timor-Leste em agosto, deve-se à intenção de Susilo Bambang Yudhoyono de encerrar o capítulo da ocupação indonésia da antiga colónia portuguesa, segundo declarações do ministro dos Negócios Estrangeiros da Indonésia, Marty Natalegawa, proferidas à agência Lusa em agosto.

Segundo a imprensa indonésia, o antigo general indonésio Agum Gumelar disse, na semana passada, que foi incumbido pelo governo de criar uma equipa para procurar o local da morte de Nicolau Lobato, líder da Resistência Timorense, que terá sido morto durante um combate contra os militares indonésios em 1978.

Na interpretação de Kristio Wahyono, apesar de as autoridades timorenses terem sacrificado a procura da justiça em prol da paz, Susilo Bambang Yudhoyono quer evitar que este “legado de violações de direitos humanos” seja um “peso” para o seu sucessor, Joko Widodo, que assumirá funções a 20 de outubro.

Nas recentes eleições presidenciais, o Partido Democrático, de Susilo Bambang Yudhoyono, apoiou o candidato derrotado, Prabowo Subianto, que, segundo alguns relatórios, liderava a unidade que terá assassinado Nicolau Lobato e cujo nome tem sido associado a outras violações de direitos humanos na Indonésia.

Kathleen Rustici considera que o Presidente indonésio tem “um desempenho misto quando se trata de abordar direitos humanos”, mas reconhece que a Indonésia tem evoluído nesse aspecto e destaca que as relações com Timor-Leste “melhoraram consideravelmente”, durante os dez anos da presidência de Susilo Bambang Yudhoyono.

A última visita oficial de um chefe de Estado indonésio a Portugal ocorreu em 1960. Os dois países estiveram de relações diplomáticas cortadas durante o período da ocupação indonésia, que culminou com a declaração da independência de Timor-Leste em 2002.

AYN // PJA – Lusa

Xanana na Austrália para assinalar chegada em 1999 das forças australianas a Timor-Leste

Posted: 19 Sep 2014 06:42 AM PDT

Díli, 19 set (Lusa) – O primeiro-ministro de Timor-Leste, Xanana Gusmão, participa sábado em Melbourne, Austrália, numa conferência para assinalar o 15º aniversário da chegada das forças australianas ao país, em 1999, na sequência da realização do referendo pela autodeterminação.

A Força Internacional para Timor-Leste (Interfet), liderada pela Austrália, entrou no país a 20 de setembro de 1999 na sequência de uma campanha de violência, destruição, deportações em massa, roubos e incêndios perpetrados pelas milícias pró-indonésias, na sequência do anúncio dos resultados da consulta popular, onde mais de 78% dos timorenses votaram a favor da independência.

A conferência, que termina domingo, tem como objetivo falar sobre a crise de 1999 e tornar públicas as diferentes perspetivas e versões da história contadas por timorenses, australianos, indonésios e de vários países asiáticos.

Segundo um comunicado divulgado à imprensa pelo governo timorense, após a participação na conferência, Xanana Gusmão vai ter um encontro com o Governador-Geral da Austrália e antigo comandante geral da Interfet, Peter Cosgrove, e participar no jantar de encerramento da conferência.

De Melbourne, o primeiro-ministro viaja para Nova Iorque onde vai participar na 69ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, regressando a Timor-Leste no próximo dia 30.

Durante a sua estada na Austrália, que teve início dia 15, o primeiro-ministro atribuiu também medalhas de Solidariedade de Timor-Leste a ativistas que apoiaram a luta da resistência e participou num almoço de negócios para promover o investimento de empresários australianos no país.

MSE // JCS – Lusa

AUSTRÁLIA DOA 10 AUTOMÓVEIS À POLÍCIA NACIONAL DE TIMOR-LESTE

Posted: 19 Sep 2014 06:37 AM PDT

Díli, 19 set (Lusa) – A Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) recebeu do governo australiano 10 veículos e três motorizadas no âmbito do programa de apoio ao desenvolvimento daquela força de segurança, anunciou hoje a embaixada da Austrália em Díli.

Os veículos e as motorizadas foram entregues ao comandante-geral da PNTL, Longuinhos Monteiro, pelo coordenador do programa australiano, Graham Waite, que garantiu, citado no comunicado, que a Austrália vai continuar a apoiar Timor-Leste no desenvolvimento profissional da polícia.

“Estes veículos demonstram o nosso compromisso e estamos orgulhosos de dar apoio contínuo à PNTL, que contínua a querer constituir-se como uma organização de policiamento profissional”, salientou Graham Waite.

O programa australiano de apoio ao desenvolvimento de capacidades da PNTL é gerido pela Polícia Federal Australiana e decorre desde 2004.

Os veículos e motorizadas entregues pela Austrália vão ser usados para treino de motoristas da PNTL e para patrulhas de polícia no distrito de Díli.

MSE // JCS – Lusa

Susilo Yudhoyono: PR indonésio efetua hoje visita oficial a Portugal a convite de Cavaco Silva

Posted: 19 Sep 2014 06:31 AM PDT

Lisboa, 19 set (Lusa) – O Presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, efetua hoje uma visita oficial a Portugal a convite do seu homólogo português, Aníbal Cavaco Silva.

A visita oficial, a primeira de um chefe de Estado indonésio a Portugal desde 1960, inicia-se com um encontro entre os dois Presidentes no Palácio de Belém, em Lisboa, durante a manhã, seguido de uma conferência de imprensa conjunta.

O chefe de Estado indonésio reúne-se depois com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, com quem terá um almoço de trabalho.

Do programa da visita, constam ainda deslocações à Assembleia da República e à Câmara Municipal de Lisboa e, por último, um jantar oferecido por Cavaco Silva, no Palácio Nacional da Ajuda.

A viagem a Portugal, bem como a visita a Timor-Leste em agosto, deve-se à intenção de Susilo Bambang Yudhoyono de encerrar o capítulo da ocupação indonésia da antiga colónia portuguesa, segundo declarações do ministro dos Negócios Estrangeiros da Indonésia, Marty Natalegawa, proferidas à agência Lusa em agosto.

ANC/AYDN // PJA – Lusa

Cavaco Silva assinala “grande potencial” de reforço das relações económicas com a Indonésia

Lisboa, 19 set (Lusa) – O Presidente da República, Cavaco Silva, assinalou hoje que a visita do Presidente indonésio a Portugal marca “uma nova fase” no relacionamento entre os dois países, com “um grande potencial no aumento das relações comerciais e de investimento”.

“Esta visita ocorre 54 anos depois da primeira visita de um Presidente da Indonésia a Portugal. Há dois anos, eu próprio tive oportunidade de visitar Jacarta, a primeira visita de um Chefe de Estado português à Indonésia. Estas duas visitas marcam uma nova fase no relacionamento entre os nossos dois países”, declarou Cavaco Silva.

O Presidente português sublinhou que “existe um grande potencial no aumento das relações comerciais e de investimento entre os dois países”, assinalando a importância da comitiva de empresários que viajou a Portugal com o Presidente da Indónesia, Susilo Bambang Yudhoyono.

Cavaco Silva falava no Palácio de Belém, em Lisboa, numa declaração conjunta com Susilo Bambang Yudhoyono, na Sala das Bicas.

ACL // SMA – Lusa

Agência Lusa e indonésia Antara assinam acordo de troca de conteúdos

Lisboa, 19 set (Lusa) – A Agência Lusa e a sua homóloga indonésia Antara assinaram hoje um acordo para a troca de conteúdos, o intercâmbio de jornalistas e o reforço da cooperação entre as duas agências de notícias.

“Este acordo com a Antara significa que num primeiro momento vamos começar já a trocar conteúdos. Vamos ter mais notícias daquela região via Antara e a Antara vai ter mais notícias de Portugal e do mundo de língua portuguesa via Lusa”, disse o presidente da Agência de Notícias de Portugal, Afonso Camões.

O presidente da Agência Lusa falava após a assinatura do memorando de entendimento com o seu homólogo indonésio na Antara, Saiful Hadi, à margem do Fórum Empresarial Portugal – Indonésia, que decorreu hoje em Lisboa a propósito da visita do Presidente indonésio a Portugal.

Afonso Camões frisou que “a ideia é a Indonésia conhecer melhor Portugal e Portugal conhecer melhor a Indonésia”.

“Queremos que haja intercâmbio de conteúdos e para haver conteúdos temos de os produzir. Para tal, queremos que haja jornalistas portugueses a produzir informação sobre a Indonésia, reportagem no terreno, e queremos que haja indonésios a produzir informação em Portugal”, explicou.

No mesmo sentido, o presidente da Antara lembrou que já existe uma cooperação com anos entre as duas agências, mas que o objetivo é agora intensificá-la e haver um avanço.

“É muito importante, porque para nós a Lusa é o meio para entrar nos países de língua portuguesa, como Angola ou Moçambique”, exemplificou.

Hadi reiterou a proposta de intercâmbio de jornalistas da Lusa e da Antara.

JMG// ATR – Lusa

Lusa quer reabrir delegação em Jacarta

Lisboa, 19 set (Lusa) – O presidente da Agência Lusa, Afonso Camões, disse hoje querer reabrir uma delegação em Jacarta e adiantou que vai incluir este objetivo como uma das prioridades na discussão do próximo contrato-programa com o Estado português.

“É nosso interesse que, no âmbito da discussão do próximo contrato-programa entre a Lusa e o Estado português, Jacarta esteja nas nossas prioridades. Queremos reabrir em Jacarta”, disse Afonso Camões.

O presidente da Agência Lusa falava após a assinatura de um acordo de troca de conteúdos hoje celebrado entre a Lusa e a sua homóloga indonésia Antara, representada pelo seu presidente Saiful Hadi, à margem do Fórum Empresarial Portugal – Indonésia, que decorreu hoje em Lisboa a propósito da visita do Presidente indonésio a Portugal.

O responsável reforçou que a Lusa está “muito determinada a voltar a Jacarta” e considerou esta determinação como “um sinal que quer dar à sociedade portuguesa” de que está “a acompanhar a economia indonésia e o fluxo crescente das relações entre os dois países”, mas sublinhou: “Queremos estar mais”.

“No atual contrato-programa não consta Jacarta no número de delegações no estrangeiro e nós queremos que volte a constar. Por isso, precisamos de discutir com o Estado português as questões que têm a ver com os custos das delegações no estrangeiro”, afirmou.

Afonso Camões lembrou que a Lusa e a Antara foram pioneiras no restabelecimento das relações diplomáticas entre Portugal e a Indonésia, depois da interrupção de 25 anos.

O responsável recordou que a Antara abriu uma delegação em Lisboa e a Lusa outra em Jacarta no período do restabelecimento das ligações diplomáticas e que antecedeu a independência de Timor Leste.

Aquando da independência de Timor-Leste, a Lusa deslocou a delegação de Jacarta para Díli.

“A ideia é estarmos em Díli e reforçar ali a nossa presença, porque temos relações com o Governo e responsabilidades em Timor-Leste, mas queremos reabrir em Jacarta”, reforçou, lembrando que a agência de notícias de Portugal tem uma jornalista na capital indonésia.

JMG// ATR – Lusa

Portugal e Indonésia assinam memorando para energia e recursos minerais

Lisboa, 19 set (Lusa) — Portugal e Indonésia assinaram hoje um memorando no setor da energia e dos recursos minerais, que prevê a criação de “um grupo de trabalho” para identificar” as “oportunidades de investimento”, segundo uma nota do Governo.

Na nota do gabinete do primeiro-ministro enviada à Lusa adianta-se ainda que o “novo instrumento de cooperação bilateral” prevê “a criação de projetos de capacitação e formação de recursos humanos” e “o reforço das relações entre centros de investigação dos dois países”.

Pedro Passos Coelho presidiu à cerimónia de assinatura do memorando de entendimento foi firmado pelo ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia português, Jorge Moreira, e pelo ministro coordenador para os Assuntos Económicos indonésio.

Para o Governo, o memorando de cooperação bilateral representa “mais um passo na estratégia” de “promoção do crescimento verde” e de “internacionalização da economia”.

Recordando que a Indonésia — cujo chefe de Estado, Susilo Bambang Yudhoyono, está em visita oficial a Portugal — é a 16.ª economia do mundo, o Governo português destaca que “o potencial de talentos, recursos e infraestruturas” contidos no memorando “reforçam a competitividade de Portugal à escala global”.

SBR // APN – Lusa

Portugal: O PECADO ORIGINAL DE PEDRO PASSOS COELHO

Posted: 19 Sep 2014 05:08 AM PDT

Pedro Bacelar de Vasconcelos – Jornal de Notícias, opinião

O mandato do Governo está a chegar ao fim e a pré–campanha para as eleições legislativas que terão lugar no próximo ano tornou-se a sua única preocupação. Nem de outra forma se explica a precipitação desastrosa que ditou a extinção do BES e a demissão do Conselho de Administração recém-nomeado para o novo banco que o substituiu, seguida da nomeação de novo administrador com perfil mais adequado à urgência da sua alienação a qualquer preço. Não importa que os custos desta criminosa leviandade fiquem a cargo, como hipocritamente gosta de dizer, dos contribuintes e das gerações futuras, desde que se arrume este empecilho antes do início da próxima campanha eleitoral. Mais um episódio, enfim, a confirmar que este Governo não tem projeto, para além da sua própria sobrevivência, nem prossegue qualquer intuito reformador, ao contrário das promessas demagógicas que lhe valeram uma vitória eleitoral nas legislativas de 2011. Para além da degradação das condições de trabalho, da rotura dos serviços públicos, da falência das empresas, do desemprego, do empobrecimento generalizado e do agravamento da dívida, qual é a herança que nos lega Pedro Passos Coelho? Que reformas levou a cabo na Administração Pública, no aparelho de Estado, no sistema político, para eliminar os tão deplorados desperdícios e garantir a sustentabilidade dos encargos públicos?

Em primeiro lugar, o primeiro-ministro pretendeu responsabilizar exclusivamente a anterior governação socialista pelo descalabro financeiro do país. Evidentemente, a teimosia de José Sócrates em prosseguir, embora com a solidariedade do diretório europeu, a missão impossível de governar em condições extremas sem o respaldo de uma maioria parlamentar, facilitou os planos da Oposição, como se viu. Sócrates desperdiçou a derradeira oportunidade de se demitir, oferecida pelo discurso agressivo do Presidente da República eleito, no ato de tomada de posse. As consequências nunca teriam tido tão perversas como aquelas que amargamente experimentamos nestes últimos três anos. Acresce que a nova direção socialista de António José Seguro, na tentativa de alijar a herança do antecessor, contribuiu objetivamente para dar algum crédito à justificação míope e interesseira invocada pela nova maioria, dispensando a busca das razões mais profundas da crise e de outros responsáveis óbvios.

Em segundo lugar, Passos Coelho alegava que o memorando de entendimento com os credores da nossa dívida soberana esgotava outras alternativas políticas e que ele até pretendia levar mais longe a austeridade imposta por Bruxelas. Tais propósitos, se excluíam de facto a ponderação de outros caminhos, não prejudicavam fatalmente algum rasgo imaginativo no sentido de transformar os riscos presentes em oportunidades virtuais, por exemplo, lançando um ambicioso processo de reforma do Estado e do sistema político. Bem melhor que a proposta de revisão constitucional precocemente abandonada ou a persistência na violação da Constituição que conduziu ao inevitável braço de ferro com o Tribunal Constitucional, o Governo teria conseguido mais sucesso se tivesse procurado envolver a Oposição e a sociedade civil num amplo processo de reformas, construindo consensos que duradouramente permitissem responder aos bloqueamentos estruturais que denunciava. Só que isso não lhe interessava pela simples razão de que os resultados que por essa via pudesse obter ficariam sempre muito aquém dos verdadeiros objetivos políticos que pretendia atingir, à sombra da ortodoxia orçamental de Berlim, de uma soberania limitada pela permanente ingerência dos agentes dos credores e pelo fantasma da bancarrota.

Mas não foi capaz de desmantelar o “Estado de direito democrático”, nem sequer a diminuição sustentável da despesa! Limitou-se ao agrupamento de algumas freguesias, à extinção de tribunais, ao encerramento de escolas e à dispensa dos trabalhadores indispensáveis ao regular funcionamento dos serviços – no ensino, na ciência, na saúde e até na defesa, na justiça e na segurança.

Portugal: FÃ DE BIN LADEN TINHA ARSENAL E QUERIA IR PARA A SÍRIA

Posted: 19 Sep 2014 05:00 AM PDT

Jovem, de 26 anos, detido no Algarve,admitia ser apreciador da “jihad”. GNR passa informação ao antiterrorismo da PJ

Carlos Varela e Marisa Rodrigues – Jornal de Notícias

Um verdadeiro arsenal e mais de seiscentas munições foram encontradas pela GNR na casa de um suspeito, no Algarve, que tinha ainda vários elementos associados a Bin Laden e à “jihad” islâmica.

Na casa do jovem, de 26 anos, em Ferreiras (Albufeira), foram encontradas uma espingarda com silenciador, três revólveres, uma carabina e quatro pistolas, além de mais de 600 munições de vários calibres.

O conjunto dos dados, incluindo as referências à “jihad”, recolhidos pela GNR, foi passado à Unidade Nacional Contra-Terrorismo (UN CT), da PJ, que está a avaliar todos os elementos, segundo soube o JN, tendo em conta o combate ao terrorismo internacional, onde vários portugueses surgem envolvidos. Também o Exército foi avisado pela GNR, uma vez que uma das armas apreendidas, uma Galil com silenciador, é similar às usadas pelos paraquedistas, uma força de elite.

Na foto: Armas apreendidas no local

Ler mais na versão e-paper ou na edição impressa

Portugal – Racismo: Maria, 9 anos, cigana.”Porque não me põem numa turma de senhores?”

Posted: 19 Sep 2014 06:04 AM PDT

RACISMO E XENOFOBIA

Carlos Diogo Santos – jornal i

O i foi até à escola de Tomar que criou uma turma só para ciganos. Director diz ser uma boa medida, mas os ciganos não querem estar separados dos brancos

A campainha de saída toca às 15h30 e após os atropelos nos corredores, as crianças cruzam numa correria o pátio de entrada da Escola primária dos Templários, em Tomar, e dividem-se naturalmente: De frente para a escola o lado direito é dos pais ciganos, o esquerdo é dos restantes. Cá fora como lá dentro não há misturas para muitos dos alunos. “Porque é que não me põem numa turma de senhores”, pergunta Maria J. enquanto se afasta pela terra batida até ao acampamento onde vive. Tem 9 anos e culpa a sua etnia pelo que hoje sabe ou, neste caso, pelo que não sabe: “Já ando há dois anos na escola, mas como estou com ciganos não sei ler nem escrever”. É um dos 12 casos de alunos repetentes que foi colocado numa turma de primeiro ano exclusiva de ciganos. Para o director Agrupamento de Escolas Jácome Ratton, Carlos Ribeiro, esta medida poderá resolver o insucesso escolar dos que têm chumbado, mas para a comunidade cigana é segregacionista.

“A minha filha tem seis anos e está no primeiro ano numa turma com crianças de 13 anos”, disse ontem ao i António Fragoso, que diz ter receio que a medida de colocar todos no mesmo saco possa desincentivar a comunidade cigana de levar os mais novos à escola.

Vânia Fragoso, a sua mulher, será das primeiras a tomar essa decisão se da parte da escola não houver mudanças. “As nossas filhas estão nessa turma e mesmo elas têm idades diferentes. Isto não faz qualquer sentido separar uns dos outros, o que eles querem é pôr os ciganos de ponta”, diz, garantindo que se nada mudar as filhas deixarão de frequentar a primária.

A falta de integração não é porém o que mais preocupa a escola, focada no aproveitamento escolar: “Os alunos têm ficado retidos devido à falta de interesse e ao elevado número de faltas quando estavam em turma com alunos não ciganos”, explicou ao i Carlos Ribeiro. O director de agrupamento disse mesmo desconhecer que a medida tivesse tido um impacto negativo na comunidade cigana e garantiu nunca ter recebido qualquer contacto nesse sentido.

VOLTAR ATRÁS AINDA É POSSÍVEL?

António não tem dúvidas de que ainda é possível voltar atrás e integrar os alunos ciganos em várias turmas. Maria não vê a hora para que isso aconteça, ainda que não queira passar do oito ao oitenta e perder por completo todos os seus amigos do acampamento. E o director do agrupamento de escolas disse ontem pela primeira vez ao i que está aberto a outras soluções, a por em prática já este ano. Carlos Ribeiro disse mesmo que a sua disponibilidade é total “para arranjar as melhores medidas para os meninos, quer sejam ciganos ou não”.

O responsável esclareceu que 30% da comunidade escolar dos Templários é de etnia cigana e que por isso nas outras turmas estão todos misturados. Sobre aquilo a que os ciganos chamam “segregação”, o director diz ser uma turma validada pelo Ministério da Educação e que tem como objectivo “criar um microclima favorável à aprendizagem daquelas crianças”. Isto porque a turma exclusiva de ciganos tem apenas 12 alunos e não mais de duas dezenas como as restantes, o que “permite à professora dar um acompanhamento mais personalizado a cada criança”.

Mas até entre a comunidade cigana é sabido que a professora não consegue fazer muito com os repetentes: “Eles assim todos juntos, com a confiança que têm por serem todos do acampamento, brincam e fazem o que querem”. Para Vânia assim é que a professora não terá “mão neles”.

É na secretária cheia de papeis, onde recebeu o i, que o director diz falar todos os dias com pais e alunos de todas as escolas do agrupamento, incluindo as dos Templários. Ainda assim diz nunca ter recebido ninguém da comunidade cigana este ano para criticar esta opção.

A poucos quilómetros, no acampamento onde Maria e as primas brincam com a água que se acumula nas depressões da terra batida, a versão é outra: “Vamo-nos queixar à escolas dos Templários, dizem que é na escola sede do agrupamento. Quando lá chegamos dizem que esse é um problema da escola e mandam-nos para trás”, diz Helena Baptista, mãe de duas crianças.

Carlos Ribeiro, que até está a estudar a colocação de auxiliares de educação ciganos na escola dos Templários, diz estar surpreendido com todas estas reacções negativas à turma exclusiva de repetentes ciganos. “A intenção foi a melhor e nunca pensei que ia apanhar este ricochete. Fui ingénuo…”

*Título com adição PG

Leia mais em jornal i
BES. Regulador suíço inicia processo de insolvência do Banque Privée Espírito Santo
Urgência do Amadora-Sintra com esperas superiores a 10 horas
Tecnoforma. Suspeitas relacionadas com aeródromos do Centro foram arquivadas
Seguro insiste na lei eleitoral mesmo com oposição da bancada

“GUERREIROS DE ALÁ COM PASSAPORTES EUROPEUS”

Posted: 19 Sep 2014 03:50 AM PDT

Oleg Severguin – Voz da Rússia

Segundo comunica a mídia alemã, citando fontes do Departamento Federal de Proteção da Constituição, pelos menos, cinco atos terroristas cometidos no Iraque e na Síria são da autoria de bombistas suicidas procedentes da Alemanha.

A mesma fonte refere que nas fileiras do Estado Islâmico (EI) estariam combatendo centenas de pessoas, portadoras de passaportes da Alemanha Federal e de outros países europeus.

Enquanto isso, os vastos círculos sociais estão focando um processo judicial iniciado em Francoforte do Meno, estado do Hesse, aberto contra o antigo combatente do EI, Kreshnik B., natural da Alemanha.

Nascido numa família dos naturais do Kosovo, ele terá sido influenciado por islamistas radicais e, em meados de 2013, partiu com destino à Síria. Lá entrou nas fileiras da oposição armada, mas depois decidiu voltar para sua terra natal, onde foi detido. Perante o fato de regresso voluntário e na ausência de provas convincentes de crimes graves, a acusação não insiste em pena de prisão de longo prazo.

No entanto, o processo está em pleno andamento, podendo vir a revelar novos fatos. Os habitantes da Alemanha estão apreensivos com a tendência negativa e alarmante de conversão de muitos jovens ao islamismo radical. Segundo constata o periódico alemão Sueddeutsche Zeitung alegando fontes oficiais, um crescente número de jihadistas de origem alemã recém-convertidos não deixa de causar preocupações sérias e bem fundamentadas. O Departamento de Proteção da Constituição, destaca que, presentemente, o EI conta com mais de 400 pessoas nascidas na Alemanha, inclusive jovens.

Uma análise mais detalhada do curriculum daqueles que foram para a guerra na Síria dá muitos outros motivos para refletir no assunto. Apenas 26% dos jihadistas alemães têm o curso médio, 6% são graduados de escolas técnicas, 12% tinham trabalhado como serventes. Cada quinto recrutado por extremistas era desempregado, cada terceiro possui um cadastro criminal. Assim, pois, as causas de radicalização de ânimos estão bem à vista!

Conforme relatos da mídia alemã, os políticos têm proposto recrudescer o combate aos adeptos de islamismo radical. O chefe do Departamento de Proteção da Constituição, Hans-Georg Maassen, considera, contudo, que o problema tem de ser um objeto de cuidado especial de toda a sociedade alemã.

E não só. No fim do ano passado, os chanceleres da França e da Bélgica anunciaram dispor de informações de que a oposição síria contava com 2.000 pessoas provenientes da União Europeia que, na sua maior parte, são jovens entre os quais 400 franceses e 150 belgas.
A agência noticiosa Associated Press admite, ao mesmo tempo, que a oposição síria tem sido apoiada por voluntários de 11 países europeus, inclusive da Alemanha, Áustria, Suécia e Dinamarca.

O mencionado acima Sueddeutsche Zeitung cita as palavras do porta-voz do Exército iraquiano, Kassem Atta, segundo o qual tem vindo a aumentar o número dos combatentes suicidas, recrutados na Europa. Conforme frisou adiante, eles são mais cruéis do que os árabes. Uma prova disso são as execuções por decapitação de dois jornalistas norte-americanos que foram filmadas e em que o carrasco era um cidadão britânico. Os serviços secretos do Ocidente, por seu turno, dão conta de múltiplos atos terroristas cometidos por jihadistas europeus, cujo número, desde março de 2014, teria triplicado.

A mídia da Alemanha informa que as quatro maiores comunidades islâmicas exortaram a declarar esta sexta-feira, 19 de setembro, um Dia de Ação e Protesto contra o fanatismo religioso, racismo e ódio. Em sua ótica, não se pode admitir que, em nome dos postulados da fé maometana, sejam “feitos reféns” dos terroristas e de criminosos como os combatentes do Estado Islâmico. Pelo visto, chegou a hora de “libertar” o islamismo que se tornou “cativo” dos elementos radicais.

Mas quem é que irá salvar os jovens europeus feitos reféns ideológicos?

Foto: AP/Raqqa Media Center of the Islamic State group

Leia mais em Voz da Rússia
Poroshenko visita os EUA para receber instruções de Obama
Kudrin: crescimento da Rússia é travado por má administração pública
Poroshenko afirma que seu filho está combatendo no leste da Ucrânia
Cientistas russos vão criar constelações de mini-satélites “inteligentes”

CAMERON PROMETE DAR MAIS DIREITOS À ESCÓCIA

Posted: 19 Sep 2014 03:38 AM PDT

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, anunciou esta sexta-feira que em novembro, a comissão especial do governo irá apresentar um pacote de propostas relativas a novas competências das autoridades da Escócia e sobre a transferência de uma parte dos impostos para o orçamento regional; conforme planejado, o respetivo projeto de lei será publicado em janeiro.

“O comitê de transferência de poderes será encabeçado por lorde Smith, que chefiou os preparativos para os Jogos da Commonwealth de 2014, em Glasgow. Até o início de novembro, o comitê irá preparar as propostas pertinentes, que englobarão também a transferência parcial dos impostos e taxas. O projeto de lei a esse respeito será apresentado em janeiro. Todos os partidos serão envolvidos neste trabalho”, especificou o premiê.

Ele parabenizou os apoiantes da unidade do país pela vitória no referendo de ontem.

Foto: REUTERS/Suzanne Plunkett

Voz da Rússia

Leia mais em Voz da Rússia
Medvedev: tentativas de pressionar Rússia sempre rendem resultados nulos
Rússia reforça defesa da Crimeia
Milicianos de Donetsk e exército ucraniano planejam nova troca de prisioneiros
Japão adia imposição de novas sanções contra a Rússia
Três civis foram mortos esta noite na Ucrânia
Vacina russa contra ebola em processo de aprovação

ESCÓCIA REJEITA INDEPENDÊNCIA. NA UE HÁ OUTRAS TENDÊNCIAS SEPARATISTAS

Posted: 19 Sep 2014 03:01 AM PDT

Em referendo, escoceses decidem permanecer no Reino Unido, com o “não” vencendo por vantagem de cerca de 10 pontos percentuais. Nacionalistas reconhecem derrota, e Cameron volta a prometer mais poderes à Escócia.

Num referendo histórico, os escoceses optaram por permanecer no Reino Unido. Após a contagem dos votos de 31 dos 32 círculos eleitorais, o “não” já não podia mais ser derrotado pelo “sim” nas primeiras horas desta sexta-feira (19/09), estando à frente por uma margem de cerca de 10 pontos percentuais.

Com a apuração dos votos quase concluída, os resultados mostraram que cerca de 55% dos eleitores votaram pelo “não” à independência”, contra cerca de 45% que votaram pelo sim. As últimas pesquisas de opinião já haviam colocado o “não” à frente, porém, com uma margem menor de vantagem.

Logo após a constatação da vitória do “não”, Alex Salmond – primeiro ministro e presidente do Partido Nacional Escocês (SNP) – reconheceu a derrota da campanha nacionalista. “Em nome do governo escocês, aceito o resultado e comprometo-me a trabalhar construtivamente.”

Salmond classificou o referendo – no qual cerca de 85% dos eleitores compareceram às urnas – como “um triunfo para o processo democrático e para a participação na política”, insistindo que os políticos de Londres agora cumpram suas promessas e concedam mais poderes à Escócia.

Em Edimburgo, capital do país, o “não” venceu por 61% a 38%. Na cidade natal de Salmond, Aberdeen, o “sim” também foi derrotado por 59% a 41%. Já em Glasgow, a maior cidade da Escócia, 53,5% votaram pela independência, mas isso não foi suficiente para alterar o resultado geral.

Ainda antes da vitória decisiva do “não”, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, parabenizou Alistair Darling, que encabeçou a campanha contra a independência escocesa. “Falei com Alistair Darling para parabenizá-lo por uma campanha bem disputada.” Em Glasgow, Darling comemorou a vitória: “Hoje é um dia memorável para a Escócia e para o Reino Unido”.

Ao discursar pouco depois da vitória do “não” vir à tona, Cameron voltou a prometer conceder novos poderes para todas as partes do Reino Unido, assegurando que os compromissos serão honrados. “Assim como a população da Escócia terá mais poder sobre seus assuntos, as populações da Inglaterra, do País de Gales e da Irlanda do Norte também precisam ter mais poder sobre os assuntos delas.”

O premiê também falou a favor da unidade, dizendo que, com o referendo, a questão da dependência foi resolvida “por uma geração”. “Agora é a hora do Reino Unido se unir. […] Teria partido meu coração ver nosso Reino Unido chegar ao fim.”

A rejeição à independência impediu a ruptura de uma união de 307 anos. Também significa que o Reino Unido não perderá uma parte substancial de seu território e de suas reservas de petróleo e não terá que buscar uma nova base para seu arsenal nuclear, alojado na Escócia.

Com a independência escocesa, o Reino Unido também poderia perder influência em instituições internacionais, incluindo a União Europeia e a ONU. A decisão também significa que o Reino Unido evitará um período prolongado de insegurança financeira, previsto por muitos no caso de uma separação da Escócia.

LPF/dpa/rtr/afp/ap – Deutsche Welle

UNIÃO EUROPEIA – Além da Escócia, outras regiões europeias cultivam tendências separatistas

Catalunha, País Basco, Flandres: várias regiões desejam, em maior ou menor grau, obter independência ou ao menos mais autonomia. Votação na Escócia pode fortalecer essa chama.

No Leste Europeu, a desintegração da União Soviética e da Iugoslávia resultou na criação de muitos países. No oeste, entretanto, as fronteiras semprem pareceram estar fixas. É verdade que houve tendências separatistas, algumas delas violentas, mas essas iniciativas jamais tiveram chances reais de atingir seus objetivos.

Essa situação poderá mudar em breve, com o referendo sobre a independência da Escócia marcado para 18 de setembro. Londres já afirmou que respeitará a vontade dos escoceses de sair do Reino Unido, se assim ficar decidido. Pesquisas indicam que uma vitória do “sim” é possível. Caso aconteça, ela poderá desencadear uma série de outros movimentos pela independência no continente.

Escócia

A união entre a Escócia e o Reino Unido, que já dura mais de 300 anos, poderá chegar ao fim caso a maioria dos escoceses opte pela independência no referendo marcado para 18 de setembro. A pergunta direta a ser respondida com “sim” ou “não” sobre a secessão poderia nem ter sido necessária, caso o governo britânico tivesse permitido uma terceira opção, oferecendo maior autonomia ao país. É bem provável que a maioria dos escoceses optasse por essa possibilidade.

No entanto, Londres não considerou essa terceira opção, presumindo que a possibilidade de uma independência total assustaria a maioria dos escoceses. Esse plano pode ir por água abaixo. Se a maioria optar pelo “sim”, a Europa testemunhará o renascimento de um Estado escocês já em 24 de março de 2016.

Catalunha

Em nenhuma outra região europeia o “vírus” escocês pela independência poderá ser mais contagioso do que na Catalunha. Durante a ditadura do general Francisco Franco na Espanha, de 1936 a 1975, o idioma catalão chegou a ser proibido. Atualmente, a região possui alto grau de autonomia cultural e política, além de seu próprio parlamento regional.

Mas, para muitos catalães, isso ainda não é suficiente. Eles querem ter seu próprio Estado, principalmente por razões econômicas. O argumento é que a rica Catalunha estaria sendo sugada pelo Estado espanhol.

Desde o início da crise econômica, o número de apoiadores da independência catalã aumentou significativamente. O governo regional em Barcelona almeja a realização de um referendo, nos mesmos moldes do escocês, em novembro. Mas, ao contrário do governo britânico, Madri não está disposta a aceitar, o que torna o confronto inevitável.

País Basco

O nacionalismo e o idioma basco também foram oprimidos durante o regime de Franco. O País Basco se encontra em situação econômica pior do que a Catalunha. Por outro lado, uma minoria dos nacionalistas bascos exerce militância bem mais ativa. Em 50 anos de tentativas de separar a região da Espanha, a organização clandestina ETA já causou mais de 800 mortes.

Há três anos, o grupo abdicou formalmente da violência. No entanto, nem os ataques ou as negociações deixaram o País Basco próximo de realizar um referendo, menos ainda de obter a independência. Apenas o governo central da Espanha poderia realizar a consulta popular, o que Madri rejeita, da mesma forma que faz com a Catalunha.

Flandres

Nas mais recentes eleições parlamentares na Bélgica, a Nova Aliança Flamenga, sob o comando de Bart De Wever, se tornou a maior força política da região de Flandres. De Wever está convencido de que o Estado belga está, de um jeito ou~de outro, fadado ao desaparecimento e almeja iniciar negociações para a independência de Flandres.

O separatismo flamengo é um caso à parte. A Bélgica é composta por essa região, cujo idioma é o holandês; pela Valônia, que é de idioma francês e inclui uma comunidade de língua alemã; e por Bruxelas, oficialmente bilíngue.

Com a secessão de Flandres, a Bélgica perderia mais da metade de sua população e de seu poder econômico. Não sobraria muito do país. Um ponto controverso, nesse caso, é o papel de Bruxelas, sede da União Europeia e da Otan. Também é incerto o que poderia acontecer com a Valônia. Já houve rumores de que a região poderia aderir à França, Luxemburgo ou até à Alemanha. Apesar de tudo, os belgas conseguiram até hoje manter sua unidade intacta.

“Padania”

O movimento separatista do norte da Itália tem apenas uma motivação. A região, que conta com as províncias da Lombardia, Aosta, Piemonte, Ligúria, Veneza e Emília Romana, gera boa parte do PIB italiano com suas empresas, indústrias e bancos. Alguns afirmam que a Itália central e do sul desperdiça o dinheiro que se ganha tão arduamente no norte do país.

Nos anos 1990, o partido Lega Nord chegou a clamar pela secessão total da região que eles próprios denominaram de “Padania”, nome derivado da planíce padana do vale do rio Pó. Nos dias de hoje, a Lega Nord está mais moderada. No momento, o grupo pede apenas que o norte possa reter três quartos do dinheiro gerado, em vez de transferi-lo primeiramente a Roma.

Córsega

Por muito tempo, o governo francês tentou apagar o idioma corso da vida pública e das escolas da ilha. As tentativas de conquista da autonomia sempre foram combatidas. Organizações militantes, principalmente o FLNC, tentaram por anos se libertar da França através da violência, atacando símbolos do Estado francês e casas de veraneio de cidadãos franceses continentais.

Neste ano, o FLNC anunciou que abriu mão da violência. Ainda assim, o potencial explosivo permanece. Em 2000, propostas de autonomia da ilha, durante o governo do socialista Lionel Jospin, enfureceram a oposição conservadora. Esta argumenta que, se a autonomia for concedida, outras regiões, como a Bretanha e a Alsácia, também poderiam exigir suas independências.

Tradicionalmente, Paris tem pouco respeito por idiomas regionais, uma vez que os políticos os consideram perigosos para a unidade do país.

Tirol do Sul

No caso do Tirol do Sul, prevalecem os fatores culturais e econômicos. A região pertencia ao Império Austro-Húngaro até o fim da Primeira Guerra Mundial, sendo, posteriormente, anexada à Itália. A língua majoritária é o alemão.

Após um período de “italianização” durante o regime de Benito Mussolini, o Tirol do Sul pôde conquistar maior autonomia política e linguística somente após a Segunda Guerra Mundial. A região, muito rica, tem permissão para reter grande parte de sua própria renda.

Por muito tempo, os cidadãos locais pareciam satisfeitos. Mas a crise da dívida nacional acendeu uma nova chama no movimento separatista. Após a Grécia, a Itália é o país mais endividado da zona do euro. Muitos sul-tiroleses que gozam de boa situação financeira preferem não ter nada que ver com os problemas italianos. Por esse motivo, cada vez mais pessoas almejam a separação de Roma.

Baviera

Poucos na Baviera levam a sério a fundação de um Estado próprio. A região, em seu nome oficial, já é chamada de “Freistaat Bayern”, ou seja, Estado Livre da Baviera. O estado mais ao sul da Alemanha poderia sobreviver por conta própria, sendo o maior do país, com mais de 13 milhões de habitantes. A população bávara supera a de países como Suécia e Portugal. Além disso, o estado tem o melhor desempenho econômico do país.

Se o desejo por mais autonomia na Baviera emergir, será em razão do acordo financeiro que estipula que os estados mais ricos do país devem ajudar os mais pobres. Os bávaros gostariam de repassar menos dinheiro aos outros.

Há, de fato, separatistas bávaros. O político conservador Wilfred Scharnagel, da União Social Cristã (CSU) – partido que compõe a coalizão de governo da chanceler federal Angela Merkel – pede a separação da região do resto do país em seu livro Bayern kann es auch allein (“A Baviera também consegue sozinha”, em tradução livre), de 2012. Mas, até o momento, não surgiu nenhum movimento separatista relevante.

Christoph Hasselbach (rc) Deutsche Welle

You are subscribed to email updates from PÁGINA GLOBAL
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. Email delivery powered by Google
Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610

Please follow and like us:
error

Publicado por

chrys chrystello

Chrys Chrystello presidente da direção e da comissão executiva da AICL