a presidenta….

esclarecemos:

enviado por Vasco Pereira da Costa:
A PRESIDENTA ELEGANTA
Ela não sabe e não sabe que não sabe…

“SUA EXCELÊNCIA, A SENHORA PRESIDENTA DILMA”
Agora, o Diário Oficial da União adoptou o vocábulo presidenta nos actos e despachos iniciais de Dilma Rousseff.

As feministas do governo gostam de presidenta e as conservadoras (maioria) preferem presidente, já adoptado por jornais, revistas e emissoras de rádio e televisão, final os veículos de comunicação tem a ética de escrever e falar certo.
****
Na verdade, a ordem partiu directamente de Dilma: ela quer ser chamada de Presidenta. E ponto final.
Por oportuno, vou dar-lhes conhecimento de um texto sobre este assunto e que foi enviado pelo leitor Hélio Fontes, de Santa Catarina, intitulado:
“Olha a Vernácula”
“No português existem os particípios activos como derivativos verbais.
Por exemplo: o particípio activo do verbo atacar é atacante, de pedir é pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de mendigar é mendicante.
Qual é o particípio activo do verbo ser? O particípio activo do verbo ser é ente.
Aquele que é: o ente. Aquele que tem entidade.
Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a acção que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os sufixos ante, ente ou inte. Portanto, à pessoa que preside é PRESIDENTE, e não “presidenta”, independentemente do sexo que tenha.
Diz-se capela ardente, e não capela “ardenta”; diz-se a estudante, e não “estudanta”; diz-se a adolescente, e não “adolescenta”; diz-se a paciente, e não “pacienta”.
Um bom exemplo seria:
“A candidata a presidenta comporta-se como uma adolescenta pouco pacienta que imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada representanta. Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa capela ardenta, pois esta dirigenta política, dentre tantas outras suas atitudes barbarizantas, não tem o direito de violentar o pobre português, só para ficar contenta.”
“Assim ela pareceria mais inteligenta e menos ignoranta e jumenta”.


PARA DIGERIR 
LEI de 03Abr12 – Emprego obrigatório da flexão de gênero para nomear profissão.
Agora é lei: PresidentA!

12 DE ABRIL DE 2012, 11:34

Acabou a moleza. Quem relutava, se negava ou criticava o pedido meigo de Dilma para ser tratada como presidentA, pode se preparar para não ser pego fora da lei.
No último dia 3 de Abril, a presidentA sancionou a Lei 12.605/12. Pra quem ainda duvida, está lá no site da PresidentA. A lei determina a obrigação da flexão de gênero em profissões. Ou seja, agora é presidentA, gerentA, pilotA, etc…

Vou aproveitar para exigir que eu seja tratado a partir de agora como santistO e jornalistO, dentistO, motoristO, etc.
========================================================
Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos
Determina o emprego obrigatório da flexão de gênero para nomear profissão ou grau em diplomas.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1o  As instituições de ensino públicas e privadas expedirão diplomas e certificados com a flexão de gênero correspondente ao sexo da pessoa diplomada, ao designar a profissão e o grau obtido.
Art. 2o  As pessoas já diplomadas poderão requerer das instituições referidas no art. 1o a reemissão gratuita dos diplomas, com a devida correção, segundo regulamento do respectivo sistema de ensino.
Art. 3o  Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília,  3  de  abril  de 2012; 191o da Independência e 124o da República.
DILMA ROUSSEFF
Aloizio Mercadante
Eleonora Menicucci de Oliveira
Este texto não substitui o publicado no DOU de 4.4.2012

Presidente ou presidenta? O iG esclarece a dúvida

Linguistas explicam a correção da palavra presidenta e mesmo a oposição vê no seu uso uma evolução dos costumes
A palavra “presidenta” existe na língua portuguesa desde 1872. E desde 1925 ela consta como verbete do dicionário Caldas Aulete, revela, com exclusividade para o iGum estudo feito pelas lexicógrafas Marina Baird Ferreira e Renata de Cássia Menezes da Silva, da equipe do dicionário Aurélio. Mas quase um século depois de ser dicionarizado, o substantivo feminino de presidente ainda causa estranhamento e leva muitos leitores do iG, que adota o uso do termo, a questionar sua correção ortográfica.
O principal argumento contra o uso de presidenta se baseia no fato de que na língua portuguesa existem os particípios ativos como derivativos verbais. Assim, quem ataca é “atacante” e não “atacanta”, mesmo em uma partida de futebol feminino. Dessa forma, o particípio ativo do verbo ser, que é “ente”, também não permitiria a flexão de gênero. Ela se daria apenas pelo artigo feminino que antecede a palavra.
Portanto, a forma correta, segundo essa teoria, seria sempre a presidente, como é a estudante ou a gerente. “Não existe estudanta porque ninguém reivindicou”, diz o linguista Marcos Bagno, professor da Universidade de Brasília. “Mas à presidenta, por ser um cargo único e muito importante, é mais do que justo que seja dado este direito.”
De acordo com as lexicógrafas Marina Baird Ferreira e Renata de Cássia Menezes da Silva, a origem de presidenta prende-se, é claro, ao vocábulo presidente, mas não por flexão e, sim, por derivação. “Houve a substituição da vogal temática (-e) pela desinência formadora do feminino em português (-a). Fato que se deu por analogia com inúmeras outras palavras da língua, como chefa e governanta”, escreveram elas no estudo publicado agora pelo iG.
Para elas, não se trata de exceção, mas de uma possibilidade reconhecida pela história da língua. “Tal processo é possível no nosso idioma desde sempre, como se vê no substantivo feminino infanta, registrado na língua desde o século 13”, diz o parecer das lexicógrafas.
Para o professor da Universidade de Campinas Sirio Possenti a discussão é absurda. “Você tem um dicionário bom aí? Então, pronto”, responde à reportagem. Segundo ele, os termos “correção e aceitabilidade” não são universais, pois envolvem cultura ou política. “É correto? Pelos critérios das gramáticas e dos dicionários, sim. Mas é curioso que os que apelam para gramáticas para criticar “os livro” não aceitam as gramáticas quando abonam presidenta”, diz.
Possenti se refere à polêmica causada por um livro utilizado em 4.236 escolas públicas do País queconsidera como válida a expressão “nós pega o peixe”. Se outras palavras que ganharam o feminino por derivação, como mestra, monja, governanta e infanta não causam a mesma estranheza, qual o problema com a palavra presidenta?
A primeira resistência de muitas pessoas está na sonoridade. Como até hoje foi uma palavra pouco pronunciada, presidenta enfrenta uma barreira natural a ser superada pelo costume. Na Argentina, Cristina Kirchner prefere ser chamada de “presidenta” ou ainda “chefa de Estado”. No site da Casa Rosada, sede da Presidência argentina, ela é sempre tratada como “presidenta”.
Mas lá, talvez por já ter tido outra presidenta, a palavra não suscita o mesmo debate: praticamente todos os veículos de comunicação a adotam, mesmo os jornais de oposição, como o Clarin, chamam Cristina Kirchner de “presidenta”. “Os argumentos contrários (à palavra presidenta) podem vir da sua conotação política ou feminista”, diz o professor Possenti. “Se se tratar de problemas “de ouvido”, há duas soluções: ler mais ou ir ao otorrinolaringologista”.
De fato, menos de um ano depois do discurso da vitória de Dilma Rousseff, quando ela se anunciou publicamente como presidenta eleita, gerando a primeira onda de debates sobre o tema, a palavra começa a cair na rotina. Entre os políticos, poucos são os que não usam “a presidenta” (ou pelo menos não a usam ocasionalmente). A grande maioria o faz de forma natural, como o governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB). Mas outros dão a ela um sentido irônico, como um cacique do PMDB, descontente com Dilma, que se refere a ela como “essa presidenta”.
Dilma Rousseff durante o primeiro pronunciamento como presidenta eleita.
No mesmo PMDB, tanto o vice-presidente Michel Temer como o presidente do Senado, José Sarney, integram a lista dos que hesitam entre “presidente” e “presidenta”. Sarney já levou até bronca da senadora Marta Suplicy (PT-SP), primeira vice-presidenta do Senado. Em fevereiro, Sarney chamou Dilma de “presidente” e Marta pediu para corrigi-lo. “Pela ordem! É presidenta”, disse em plenário. Já o vice-presidente Temer chama Dilma de “presidenta” quando se lembra, segundo seus assessores. Na maioria das vezes, contudo, diz “presidente”.
“Sou contra o uso, embora ache legítimo, porque tem um sentido político, não partidário com o governo, mas em relação à posição feminista”, diz o professor de linguística da Universidade Federal do Paraná Bruno Dallari. Dallari acrescenta que considera ruim quando “presidenta” é usado de forma isolada, apenas para tratar de Dilma Rousseff. “Se a flexão fosse atribuída a todas as funções com a mesma terminação, como assistenta ou gerenta, seria uma reforma maior”, afirma.
Provavelmente a língua portuguesa não sofrerá tamanha reforma. Mas a popularização da palavra presidenta e o seu significado político estão vencendo outras barreiras.
No PSDB, maior partido de oposição ao governo federal, a deputada estadual de São Paulo Maria Lúcia Amary defende o uso do gênero feminino. Presidenta da Comissão de Constituição de Justiça da Assembleia Legislativa, Maria Lúcia diz que o uso de “presidenta” é uma forma de as mulheres ocuparem mais espaço na política, com maior visibilidade.
A tucana não acredita que o tratamento “presidenta” signifique alinhamento com o governo Dilma. “Desde que a presidenta Dilma foi eleita, existe uma tendência a forçar esse tratamento. Eu gosto da expressão pela questão da luta pelo gênero feminino. A briga partidária fica em segundo lugar”, afirma. Das 15 comissões da Alesp, apenas a CCJ tem uma mulher na presidência.
“As pessoas que são contra o termo presidenta estão defendendo um machismo ou colocando partidarismo em uma questão linguística”, afirma o linguista Marcos Bagno, da Universidade de Brasília.
Pioneirismo

A chegada de mulheres ao poder nas últimas décadas resultou não apenas na adoção do gênero feminino para a descrição de cargos públicos, como também em adaptações de protocolo e cerimonial. As mudanças ocorreram, por exemplo, quando Luiza Erundina (PSB-SP) tornou-se a primeira mulher a comandar a Prefeitura de São Paulo, em 1988. O mesmo aconteceu nove anos antes no Senado. Em 1979, a amazonense Eunice Michiles foi a primeira senadora eleita no Brasil.
A senadora Lídice da Mata (PSB-BA), que atuou como deputada na Constituinte entre 1987 e 1988, lembra que na época não havia, no plenário, banheiro privativo para as parlamentares, mas apenas para os parlamentares. Em seu site, a senadora relata o preconceito que enfrentou. “Nós chegamos num Congresso que não tinha sequer banheiro feminino. O plenário só tinha banheiro de homem, um banheiro único porque a presença da mulher era tão minúscula que não se fazia necessário esse tipo de equipamento”.
iG concorda com os linguistas que entendem o português como uma língua viva, capaz de incorporar novas expressões de acordo com as transformações da sociedade. Além disso, em todas as cerimônias públicas, a ordem do cerimonial é tratar Dilma como presidenta. Adotar “a presidente” levaria o leitor a ver duas formas de tratamento quando o iG transmitisse eventos oficiais ou publicasse algum discurso presidencial com referência ao termo. Por isso, as reportagens se referem a Dilma Rousseff como “presidenta”.
Mas o uso diário do termo que há 139 anos consta da língua portuguesa e há mais de oito décadas faz parte da norma culta não implica qualquer alinhamento partidário. Da mesma forma que os veículos que preferem usar “a presidente” não estão fazendo campanha contra Dilma, adotar o termo “presidenta” não significa ser oficialista.

 

Postado por João Jorge Pereira dos Reis

 

 


On 31-05-2014 18:31, Afonso Quental wrote:

Glossário de portuga para brasucas

Glossário de portuga para brasucas

Chegou a vez de ajudar os brasileiros a entenderem melhor a linguagem idiomática dos lusitanos

0 comentários
 1031  4

Há uns meses publiquei aqui uma lista de expressões cariocas. Chegou agora a vez de ajudar os brasileiros que visitam Portugal – em turismo ou porque compraram um visto dourado – a entenderem melhor a linguagem idiomática dos lusitanos. Não há um português que não reproduza, no seu quotidiano e habitat natural, várias das entradas que apresento na primeira parte deste glossário. Para a semana há mais, com direito a um conto que inclui todas as expressões compiladas. Se existe alguma ordem ou lógica nesta lista, não foi intencional.

Vou ter com – Ainda que Machado de Assis usasse esta expressão no romance “Dom Casmurro”, para dizer que iria encontrar-se com alguém, no Brasil de hoje o mais comum seria “vou encontrar com”. Se pararmos para pensar, percebemos que “vou ter com” não quer dizer nada. Vou ter o quê? Um filho? Um ataque cardíaco? Embora não tenha achado a razão pela qual dizemos “vou ter com”, especulo que seja a contração da frase mais longa “vou ter um encontro com”.

Vão vocês que eu vou lá ter – Usado especialmente no final de jantares de grupo ou quando, num bar, os amigos decidem ir para o bar seguinte. Bom exemplo da subtileza e da procrastinação dos portugueses. Eufemismo para “vai andando, não percas tempo por minha causa, deixa-me estar sossegado que estou aqui tão bem”.

Bazar, dar de fuga, dar corda aos sapatos, pôr-se na alheta, ala que é cardoso – Ir embora, sair do lugar onde se está. No caso de “alguém se pôr na alheta” é possível que se trate uma referência náutica, uma vez que as alhetas são os lados da popa de um barco. No caso do Cardoso, talvez fosse uma presença indesejável, e, perante a sua aproximação, alguém alertasse Ala (“anda”, “vamos”) que o canalha do Cardoso está nas imediações. “Ala, ala” é usado pelo diabo no “Auto da Barco do Inferno”, de Gil Vicente.

Chegar a roupa ao pelo – Bater em alguém. Uso popular: “Ó Toninho, tu deixa de azucrinar a tua irmã se não daqui a bocado chego-te a roupa ao pelo”.

Levar nos cornos, levar no rabo, levar na boca – O uso do verbo “levar” tem aqui um sentido diferente de transportar, carregar ou trazer. Levar nos cornos e levar na boca implicam apanhar porrada. Levar no rabo (no Brasil usar-se-ia “tomar” e “cu”) dispensa mais elucidações.

Trabalhar para aquecer – Trabalho desperdiçado, um projeto que não deu em nada, desempenhar uma função sem a devida recompensa. Tendo em conta a carga fiscal e a avidez predatória com que se caçam hoje os contribuintes portugueses, bem como os invernos rigorosos e o preço da energia, trabalhar para aquecer tem ganho ultimamente um sentido mais literal.

Sai-me do pelo – Algo que custa, que implica esforço e valor, que deu trabalho. É a segunda referência ao “pelo” neste glossário, ainda assim, asseguro que o número de mulheres portuguesas com bigode é hoje residual.

Enquanto o pau vai e vemfolgam as costas – Momento de descanso e alívio durante algo desagradável ou doloroso. Não confundir com o uso de “pau” – órgão sexual masculino – no Brasil. Exemplo:

– O idiota teu chefe foi de férias?

– É só uma semana.

– Ao menos enquanto o pau vai e vem, folgam as costas.

Pra quem é bacalhau basta – Quando a pessoa a quem é destinada alguma coisa não merece muita consideração. Exemplo:

– Vais levar um vinho de três euros para o jantar com o Vladimir Putin?

– Pra quem é bacalhau basta.

Águas de bacalhau – Uma situação estagnada, algo que não se desenvolve, impasse. Exemplo:

– E aquele negócio de importação de gambuzinos chineses, foi em frente?

– Nunca mais me disseram nada, ficou tudo em águas de bacalhau.

Arrotar postas de pescada – Intervir de forma desnecessária, exagerada ou inoportuna. Dar opiniões sem fundamento, debitar informação sem pertinência. Demonstra um certo desprezo pelo interlocutor. Exemplo:

– Estás praí a arrotar postas de pescada sobre o meu casamento com a tua irmã, fica mas é sossegadinho se não tenho de pregar-te tamanha galheta que ficas desenhado na parede.

Armar-se em carapau de corrida – Presumir de ser o melhor, alguém saliente, que tenta destacar-se demasiado, também se aplica se o interlocutor é desafiante ou tem a mania que é esperto. Exemplo:

– Antunes, deixa de ter armar em carapau de corrida e vai para a fila como os outros.

Saltar à espinha ou Saltar para a espinha – Frase bastante coloquial para demonstrar desejo sexual pela pessoa que é detentora da espinha (coluna vertebral) em questão. Também usado para descrever o ato sexual. Exemplo: “O Antunes ontem triunfou, saltou à espinha daquela gótica de Fernão Ferro que entrega pizzas”. Talvez uma referência aos predadores que cravam garras e dentes no dorso das suas presas.

Saltar à boca – Beijar alguém de forma inesperada e repentina. Exemplo: “Mal ela me disse olá saltei-lhe logo à boca”.

À balda – Tudo à vontade, sem regras, liberou geral.

Giro – Bonito, agradável, bom, formoso. Adjetivo que qualifica algo de positivo. Um conceito difícil de explicar pelas suas múltiplas aplicações. Uma mulher pode ser gira por ser bonita (normalmente gira aplica-se mais à beleza da cara), mas também por ser interessante ou conjugar uma série de qualidades. Umas calças também podem ser giras, tal como um filme ou um faqueiro.

Meter o Rossio na rua de Betesga – Revela a impossibilidade de uma ação, normalmente em matéria de espaço, uma vez que a ampla praça lisboeta do Rossio não caberia na estreita rua da Betesga, sua vizinha. Exemplo: “Queres estacionar o carro aqui? Isso é como meter o Rossio na rua da Betesga”.

Cai o carmo e a trindade – Anúncio de uma desgraça ou de, pelo menos, um desenvolvimento com más consequências. Referência ao largo da Trindade e ao Convento do Carmo, que foram destruídos no terramoto de 1755. Exemplo: “Se o Tavares sabe que eu perdi os bilhetes para a final da Liga dos Campeões cai o Carmo e a Trindade”.

Rés-vés Campo de Ourique – Rés: rente, a rasar. Algo que quase aconteceu, a escapatória no último segundo. Por um cabelo, por um triz, por uma unha negra. Outra referência ao grande terramoto: diz a lenda que a destruição da cidade parou antes do bairro de Campo de Ourique. Exemplo: “Cheguei agora de Copacabana, um ônibus passou um vermelho e não morri por acaso, foi rés-vés Campo de Ourique”.

Nota final – Desde que sou gente, não me lembro de alguma vez ter ouvido, em Portugal, “Ora pois”, muito menos “Ora pois, pois”, expressão que no Brasil se usa com frequência para reproduzir o discurso dos portugueses. Por favor, parem com isso. Fiquem com o “pá” e o “gajo”, mas livrem-se do “Ora pois, pois.”

Ler mais: http://visao.sapo.pt/glossario-de-portuga-para-brasucas=f781912#ixzz33HuMjmRs

Macau por José Luis Peixoto

(vídeo) Macau por José Luís Peixoto
Macau entre cá e lá. Catorze anos após a passagem de Macau para a China, a Volta ao Mundo regressou a este território tão singular pela sua história e pela sua situação geográfica, pela mão (e voz) do escritor José Luís Peixoto.
Por José Luís Peixoto a 29 de Maio de 2014

Macau por José Luís Peixoto

Macau por José Luís PeixotoPor Paulo Barata
http://www.voltaaomundo.pt/Multimedia/Detalhe/vm099308.html
http://www.voltaaomundo.pt/Viagens/Artigo/vm099309.html
Veja aqui o vídeo da viagem de José Luís Peixoto a Macau com a Volta ao Mundo.
%d bloggers like this: