timor lorosae notícias 31 maio 2013

TIMOR LOROSAE NAÇÃO – diário


PEQUIM GERA CONFUSÃO ENTRE OS EUROPEUS

Posted: 30 May 2013 02:38 PM PDT

LE MONDE, PARIS – Presseurop – imagem Mohr
Uma vez mais, a Europa está dividida. Uma vez mais, Berlim quer que uma voz alternativa à do coro europeu seja ouvida. E uma vez mais, é a China que vai ganhar.
A China desafia a União Europeia. Está a testar a capacidade dos Vinte e Sete em manter a única verdadeira política comum existente: a política comercial. Enquanto entidade singular na cena internacional, a Europa só continua a existir por causa do comércio. Será que, neste caso, os europeus também vão baixar os braços?
Há muita coisa em jogo. A prova desenrola-se num domínio que afeta as indústrias do futuro: o fotovoltaico. O comissário europeu responsável pelo Comércio, o belga Karel De Gucht, acusa as indústrias chinesas do setor de dumping maciço. Quer introduzir, até ao dia 5 junho, um direito aduaneiro provisório de 47%, em média, nos painéis solares chineses. Este tenciona defender os fabricantes europeus do setor. São cerca de 25 mil os empregos ameaçados pelas práticas comerciais desleais dos seus concorrentes chineses.
De Gucht é um homem respeitável. Tem um dossiê sólido. Jurista de profissão, o comissário não faz mais do que seguir o exemplo dado pelos americanos. Cansados de competir com concorrentes subvencionados, os Estados Unidos instauraram no verão de 2012 um imposto de 31% a 250% sobre os painéis solares chineses importados.
O caso não é tão simples quanto parece. Na Europa, a indústria dos painéis solares já está em forte declínio. O setor é dominado pelas empresas europeias que instalam dispositivos solares. É, portanto, do interesse deles conseguirem painéis baratos – por outras palavras: chineses…
O que explica, em parte, o facto de haver 17 membros da UE a contestarem a ofensiva de De Gucht. São liderados pela Alemanha, tendo em conta que a China é o terceiro parceiro comercial do país. Uma Alemanha que produz cerca de dois terços do seu excedente comercial fora da Europa, nomeadamente na Ásia, e sobretudo na China.
“Bárbaros” divididos
Berlim não quer, de forma alguma, travar uma guerra comercial com Pequim: os exportadores alemães têm medo de perder o mercado chinês. Para eles, este mercado vale mais do que a união dos europeus. E, ao receber o seu homólogo chinês, Li Keqiang, a chanceler Angela Merkel rejeitou esta semana o projeto de taxação da Comissão de Bruxelas e propôs negociar com Pequim.
Alguns argumentos dos europeus que se opõem à iniciativa de De Gucht são provavelmente válidos. Mas o método utilizado é absurdo e contraprodutivo. Deste ponto de vista, o exemplo de Merkel é catastrófico. Uma vez que não há nada que satisfaça mais os chineses do que ver os “bárbaros” divididos. Tanto nas relações comerciais como noutros setores, a China sabe explorar a falta de união dos europeus. Tem meios para exercer pressão sobre a Alemanha para que Berlim arraste em seguida o resto da União.
A melhor estratégia a adotar, para todos os europeus, teria sido apoiar publicamente a iniciativa de De Gucht para alcançar uma posição de força que lhes teria permitido negociar com a China. Por outras palavras, deveriam ter feito como os Estados Unidos, e não agir, uma vez mais, como “ursinhos carinhosos” do comércio internacional.
VISTO DA ALEMANHA
Acordo de Comércio Livre em vez de sanções
Ao impôr pesados direitos aduaneiros aos painéis fotovoltaicos de origem chinesa, “a UE impede a viragem energética”,considera o Tageszeitung. Para o diário de esquerda, é uma decisão que poderá virar-se contra nós, visto que foram os fabricantes chineses que tornaram possível o boomda produção de energia solar […]. Não nos podemos esquecer de que o preço da energia solar está hoje mais baixo do que nunca. Ainda não há muito tempo, o quilowatt/hora custava 40 cêntimos. Hoje, não chega a custar 20 cêntimos.
Com exceção de alguns produtores alemães de painéis solares, que exigiram sanções contra a China, os empresários alemães não receiam a importação de painéis baratos da China, adianta oTageszeitung. Pelo contrário, a proposta de um acordo de comércio livre entre a China e a Alemanha, apresentada pelo primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, aquando da sua visita a Berlim, no passado dia 26 de maio, “suscitou grande interesse na economia alemã”:
Só a eliminação dos direitos alfandegários às exportações alemãs para a China poderá provocar um aumento de pelo menos €4 mil milhões.
BNU anuncia linha de crédito de 30 milhões de dólares para empresas timorenses

Posted: 30 May 2013 11:52 AM PDT

MSE – MLL – Lusa
Díli, 30 mai (Lusa) – O diretor-geral do Banco Nacional Ultramarino em Timor-Leste, da Caixa Geral de Depósitos, Fernando Torrão Alves, anunciou hoje uma linha de 30 milhões de dólares para financiar empresas timorenses e projetos do Governo ligados às infraestruturas.
Segundo Fernando Torrão Alves, o financiamento está aprovado e falta apenas uma “luz verde” e a “criação de canais facilitadores à concretização do crédito por parte das autoridades timorenses”.
Fernando Torrão Alves falava durante a cerimónia de inauguração de uma nova agência em Díli.
“Esta linha de crédito destina-se a financiar as empresas timorenses e outras para projetos do Governo ligados a quaisquer infraestruturas e, portanto, é, quanto a nós, um dos instrumentos essenciais para alavancar o processo de desenvolvimento e de crescimento económico de Timor-Leste”, afirmou Fernando Torrão Alves.
Segundo o diretor-geral do BNU, o setor privado timorense só pode crescer se tiver linhas de crédito disponíveis, mas de acordo com padrões razoáveis de segurança e metodologias reconhecidas internacionalmente.
“Há ainda muito por fazer (…), designadamente quanto ao registo de garantias reais que permitam melhorar os riscos sobre a concessão de crédito, baixando-se assim as taxas de juro, bem como a informação contabilística das empresas”, explicou Torrão Alves.
O diretor-geral do BNU referia-se ao facto de, por exemplo, em Timor-Leste não ser possível fazer uma hipoteca.
O BNU foi o primeiro banco a instalar-se em Timor, tendo inaugurado a primeira agência bancária em 1912.
Em 1968, o banco construiu um novo edifício de raiz, que após a ocupação indonésia voltou a ser recuperado e abriu oficialmente ao público a 10 de julho de 2001.
Com a inauguração do novo balcão em Díli, a sucursal do grupo Caixa Geral de Depósitos em Timor-Leste passou a dispor de nove agências distribuídas por sete distritos.
CHINA A CAMINHO DE ULTRAPASSAR EUA E SER A MAIOR ECONOMIA DO MUNDO

Posted: 30 May 2013 11:47 AM PDT

A China deverá ultrapassar os Estados Unidos e passar a ser a maior economia do mundo nos próximos anos e a Índia já deverá ter ultrapassado o Japão, sendo agora a terceira maior economia global, segundo a OCDE.
De acordo com o ‘Economic Outlook’, publicado nesta quarta-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), a China deverá ultrapassar os Estados Unidos e passar a ser a maior economia do mundo nos próximos anos e a Índia já deverá ter ultrapassado o Japão, sendo agora a terceira maior economia global no início da década de 2030.
Por outro lado, o Produto Interno Bruto (PIB) combinado do Brasil, da Rússia, da Índia, da Indonésia, da China e da África do Sul (os BRIICS) deverá igualar o PIB conjunto das actuais economias que compõem a Organização. Actualmente, o produto dos BRIICS corresponde a apenas metade do dos países da OCDE.
Nas suas perspectivas de longo prazo, a OCDE estima que, até 2060, o PIB per capita deverá aumentar mais de oito vezes na Índia e cerca de seis vezes na Indonésia e na China, respectivamente, ao passo que deverá apenas duplicar nos países de alto rendimento que integram a instituição liderada por Angel Gurria.
No entanto, o Produto dos países de baixo rendimento vai continuar a estar bastante abaixo do dos que têm rendimentos elevados: o PIB per capita (tendo em conta a paridade do poder de compra) do Brasil, da Índia e da Indonésia deverá ser equivalente a apenas 30 a40% do produto dos Estados Unidos em 2060.
TIMOR-LESTE VAI ASSINAR ACORDO COM UNIVERSIDADE BRITÂNICA

Posted: 30 May 2013 11:43 AM PDT

BM – VM – Lusa
Londres, 30 mai (Lusa) – A universidade britânica de Bolton e as autoridades timorenses vão assinar um memorando de entendimento na segunda-feira para desenvolver uma “colaboração académica e comercial”, anunciou hoje a instituição.
“Estudantes de Timor-Leste poderão estudar na Universidade de Bolton e haverá oportunidades futuras para intercâmbios de estudantes com instituições de ensino no país do sudoeste asiático”, informou.
O acordo prevê ainda planos para colaboração em investigação e serviços de consultoria por parte da universidade, localizada perto de Manchester, no norte de Inglaterra, onde está concentrada uma parte importante da comunidade timorense que reside no Reino Unido.
O documento será formalizado durante uma visita do ministro da Justiça timorense, Dionisio Babo Soares, durante a qual dará uma palestra intitulada “O Sistema Judicial em Timor-Leste – Causas, Efeitos e Influências”.
No comunicado, a instituição nota que, além de ser o mais jovem país da Ásia e a mais recente democracia mundial, Timor-Leste “prepara-se para fazer investimentos internos consideráveis, através das reservas de gás e petróleo, em particular para apoiar a educação superior dos seus cidadãos”.
A Universidade de Bolton recebeu nos últimos anos o investimento de vários milhões de euros na construção de instalações comuns e a instalação de equipamento e um centro de investigação na área da saúde, contando com cerca de 13 mil alunos.
ECONOMIA DE MACAU CRESCEU 10,8% NO PRIMEIRO TRIMESTRE

Posted: 30 May 2013 11:39 AM PDT

PNE – MLL – Lusa
Macau, China, 30 mai (Lusa) – O Produto Interno Bruto (PIB) de Macau aumentou 10,8%, em termos reais, no primeiro trimestre face a igual período de 2012, para 94.662 milhões de patacas (9,1 mil milhões de euros), revelam dados oficiais hoje divulgados.
De acordo com os Serviços de Estatística e Censos, o crescimento do PIB foi “impulsionado principalmente pela subida da exportação de serviços, despesa de consumo privado e do investimento”.
O deflator implícito do PIB, que mede a inflação global, ascendeu 6,5% face ao primeiro trimestre do ano passado.
Entre janeiro e março, o investimento global aumentou 13,8%, a despesa de consumo privado 10,2%, a exportação de serviços do jogo 8,9% e a exportação de outros serviços turísticos 4,9%.
A formação bruta de capital fixo teve uma expansão de 14,7% face aos três primeiros meses do ano passado, com o investimento do setor público a aumentar 40,6%, na sequência do acréscimo de 40,4% do investimento em construção, nomeadamente nas obras da Universidade de Macau na ilha da Montanha, do metro ligeiro e da habitação pública.
O investimento em equipamento pelo Governo de Macau aumentou 71,5% no primeiro trimestre, enquanto o investimento do setor privado subiu 8,7%.
O aumento da despesa em consumo privado é justificado pelos Serviços de Estatística e Censos com o crescimento do número de empregados e do rendimento de trabalho.
A despesa de consumo final das famílias de Macau realizada no território aumentou 10% e no exterior 9,5%, enquanto a do Governo teve um acréscimo de 1,7%.
A exportação de mercadorias manteve a tendência de subida, com um aumento de 16,4%, ao mesmo tempo que a importação de bens e produtos também teve uma expansão, de 10,4% devido “aos acréscimos da despesa de consumo privado, de visitantes e do investimento”.
A exportação de serviços também aumentou 8,5% no primeiro trimestre devido ao “contínuo acréscimo das receitas brutas do jogo, do número de visitantes e da sua despesa”, e a importação de serviços registou um crescimento de 1,6%.
AUSTRALIANO CONDENADO A PENA DE PRISÃO POR TERRORISMO NA ARÁBIA SAUDITA

Posted: 30 May 2013 11:36 AM PDT

DM – DM – Lusa
Sydney, Austrália, 30 mai (Lusa) — Um cidadão australiano foi condenado a uma pena de quatro anos e meio de prisão na Arábia Saudita, por terrorismo, revelou hoje o seu advogado, que pretende recorrer da decisão por considerar que o seu julgamento foi injusto.
Shayden Thorne foi detido em novembro de 2011, depois de terem sido encontrados documentos contendo mensagens relacionadas com alegados atos terroristas num computador em sua posse, que tinha levado emprestado, segundo a família, de uma mesquita local.
A família disse que o jovem australiano, de 25 anos, confessou o crime, mas somente depois de ter sido torturado na prisão, pelo que defendem que a sua confissão não deve ser considerada como prova.
Oriundo de Perth, Thorne residia há 12 anos na Arábia Saudita com o irmão, Junaid Muhammed, de 23 anos, o qual também passou sete meses na prisão por protestar contra a detenção do seu irmão mais velho.
O advogado saudita Abdul Jalil Al-Khalidy explicou à imprensa australiana que sobre Shayden Thorne, que se encontrava preso há um ano e meio numa cadeia nos arredores de Riade, pendiam cinco acusações, incluindo apoio e encorajamento do terrorismo.
Shayden Thorne foi condenado, esta quarta-feira, por um tribunal de Jeddah.
“Penso que ele é inocente e vou tentar recorrer”, declarou o causídico, citado pelo jornal The Australian, apontando que não existe qualquer prova da culpa, além da confissão, a qual foi, de acordo com o irmão de Shayden Thorne, extorquida sob tortura.
“Se o governo australiano pudesse intervir, talvez isso pudesse ajudar à sua libertação”, disse o advogado.
GOVERNO BIRMANÊS E REBELDES KACHIN ASSINAM ACORDO DE CESSAR-FOGO

Posted: 30 May 2013 11:30 AM PDT

EJ – VM – Lusa
Rangum, 30 mai (Lusa) – O Governo birmanês e os rebeldes da minoria étnica kachin, a última rebelião ainda em atividade no extremo norte do país, assinaram hoje um acordo de cessar-fogo provisório, anunciou um mediador.
Os representantes da rebelião e do Governo assinaram um plano de sete pontos, que prevê “o fim dos combates”, declarou à agência noticiosa francesa AFP o negociador do Centro para a Paz na Birmânia, Min Zaw Oo.
“O acordo destina-se a pôr fim aos combates, numa primeira fase. Em seguida, haverá negociações mais avançadas sobre o reposicionamento das tropas”, afirmou Min Zaw Oo.
Estas negociações foram organizadas pela primeira vez em território birmanês desde o reinício dos combates, em junho de 2011, após 17 anos de tréguas.
O encontro teve início na terça-feira na capital do estado kachin, Myitkyina, entre representantes do Exército para a Independência Kachin (KIA, sigla em inglês) e do braço político Organização para a Independência Kachin (KIO) e emissários do Governo birmanês.
Os grupos étnicos participantes nas negociações convidaram um representante da ONU, Vijay Nambiar, a assistir ao encontro.
Desde 2011, as duas partes já realizaram uma dezena de encontros, que não impediram a intensificação dos combates em dezembro, antes de o poder ter anunciado um cessar-fogo unilateral, também incapaz de calar totalmente as armas.
O exército tomou uma posição essencial para os rebeldes, perto do quartel-general rebelde, situado na localidade de Laiza, na fronteira com a China.
Os combates entre os rebeldes e o exército governamental deslocaram dezenas de milhares de pessoas e, de acordo com observadores – citados pela AFP -, um eventual acordo deverá ultrapassar, para vingar, as várias reticências entre as duas partes e os interesses financeiros dos atores ligados ao conflito.
BNU INAUGURA NOVA AGÊNCIA EM DÍLI E ABRE MAIS TRÊS AINDA ESTE ANO

Posted: 30 May 2013 06:45 AM PDT

MSE – PDF – Lusa
Díli, 30 mai (Lusa) – O diretor-geral do Banco Nacional Ultramarino (BNU), da Caixa Geral de Depósitos, em Timor-Leste, Fernando Torrão Alves, disse hoje que o banco vai abrir três novas agências no país este ano.
“Iremos abrir ainda este ano mais três agências em distritos onde ainda não estamos, nomeadamente Liquiçá, Manatuto e Lospalos”, afirmou Torrão Alves.
O diretor-geral do BNU falava durante a cerimónia de inauguração de uma nova agência em Díli, situada no centro comercial Timor Plaza.
“Pretendemos reforçar o nosso posicionamento no mercado financeiro deste jovem país, procurando, como sempre, estar ao lado das forças vivas de Timor-Leste, contribuindo de forma muito vincada para o desenvolvimento deste país”, disse.
No discurso, Fernando Torrão Alves reafirmou a vontade do BNU de colocar Timor-Leste no “mapa bancário internacional” com a ligação “muito em breve” à rede Visa.
“Ainda este ano emitiremos os próprios cartões de débito e crédito da rede Visa”, acrescentou.
O BNU foi o primeiro banco a instalar-se em Timor, tendo inaugurado a primeira agência bancária em 1912.
Em 1968, o banco construiu um novo edifício de raiz, que após a ocupação indonésia voltou a ser recuperado e abriu oficialmente ao público a 10 de julho de 2001.
Com a inauguração do novo balcão em Díli, a sucursal do grupo Caixa Geral de Depósitos em Timor-Leste passou a dispor de nove agências distribuídas por sete distritos.
GALERIA PORTUGUESA APRESENTA 39 OBRAS NA PRIMEIRA FEIRA DE ARTE DE MACAU

Posted: 30 May 2013 06:37 AM PDT

PNE – VM – Lusa
Macau, China, 30 mai (Lusa) – A galeria Cordeiros, do Porto, é a única presença portuguesa na primeira feira de arte de Macau, que abriu hoje portas, apresentando no certame 39 obras de artistas portugueses e estrangeiros, incluindo um quadro de Andy Warhol.
A “Art Macao”, organizada pelo grupo Longhei, sediado na Região Administrativa Especial chinesa, ocupa uma área de 6.500 metros quadradosno centro de convenções do hotel-casino The Venetian e conta com a participação de cerca de 50 galerias de países como a China, Coreia, Japão, França, Bélgica, Israel, Canadá e Portugal, que apresentam no certame mais de 1.000 obras.
A galeria Cordeiros, aberta desde 1995 na casa onde nasceu a escritora Sophia de Mello Breyner, no Porto, está pela segunda vez a participar em certames de arte na Ásia, depois de Singapura, já que este mercado regional revela “grandes possibilidades de crescimento”, disse à agência Lusa o diretor, Agostinho Cordeiro.
“Temos expostas aqui 39 obras de pintura e fotografia de artistas portugueses como Moita Macedo, António Macedo, Mário Bismarck, Nuno Cordeiro, Baltasar Torres, Sobral Centena, e estrangeiros, como o espanhol Barceló e Andy Warhol”, indicou o diretor da galeria portuense.
O retrato de Barbara Molasky, de Andy Warhol, que data de 1980, é a obra mais valiosa da Cordeiros, apresentando um valor de cinco milhões de euros, mas a galeria apresenta também em Macau arte a preços mais acessíveis, como duas fotografias de Nuno Cordeiro, que valem 1.200 euros cada uma.
Agostinho Cordeiro começou a adquirir obras de vários artistas há mais de 30 anos e hoje a sua galeria conta com “algumas centenas” de peças de pintura, escultura e fotografia assinadas por nomes como Tàpies, Paula Rego, Julião Sarmento, entre outros, mas a crise em Portugal forçou uma internacionalização do negócio.
“A situação em Portugal é dramática, não há compradores, há mais vendedores, porque a crise é muito grande e as pessoas desfazem-se dos bens e há muita gente a desfazer-se da pintura, por isso começámos a apostar fortemente em feiras internacionais no ano passado”, explicou.
A “Art Macao” é já a quinta em que a Cordeiros participa este ano.
José Drummond, artista português radicado em Macau que tem obras expostas na feira de Macau, considera que este certame é o primeiro passo para o território desenvolver um mercado de arte e poder até “ambicionar ter uma trienal de arte contemporânea”.
Drummond defende, por isso, a continuidade da feira, como a organização planeia, e salienta como aspetos positivos o facto de contar com galerias de várias regiões do mundo e com uma exposição dedicada aos artistas de Macau para que estes possam ter uma plataforma direta para mostrarem o seu trabalho num contexto internacional.
James Chu, artista de Macau e diretor da associação Art for All (AFA), sublinhou a importância de o território, “enquanto cidade internacional, ter uma feira de arte”, mas considera que Macau “tem ainda muito a aprender e experiência a adquirir” na área e que também “não deve esperar tornar-se num centro de arte da Ásia”, devido à limitada dimensão do mercado local.
“Há feiras de arte em todo o mundo, mais de 300, e Macau precisa de ter alguma coisa para que as pessoas se lembrem desta feira. Hong Kong tem das melhores feiras de arte do mundo e nós estamos tão perto, por isso se não mostrarmos a nossa diferença, por que razão é que as pessoas virão a Macau?”, questionou.
O presidente do Instituto Cultural, Guilherme Ung Vai Meng, referiu, à margem da cerimónia de inauguração da “Art Macao”, que o território “tem finalmente capacidade para organizar uma feira de arte desta dimensão” e manifestou-se satisfeito por a mesma não ter esquecido os artistas locais.
“Esta feira é só o primeiro passo, espero que no futuro possa crescer e tornar-se numa referência desta região da Ásia, porque não basta uma cidade ter dinheiro, o mais importante é a cultura, porque ela é a alma da cidade”, concluiu.
A “Art Macao” está de portas abertas até domingo.
MULHERES DE OECUSSE REALIZAM 4º CONGRESSO REGIONAL

Posted: 30 May 2013 05:09 AM PDT

30 de Maio de 2013, 19:42
O 4º Congresso Regional das Mulheres Timor-Leste este ano realizou-se no distrito de Oecusse e a abertura foi feita pelo Adjunto do Administrador do Distrito de Oecusse, Cancio Koa. O congresso decorreu de 27 a 28 de Maio 2013.
Na abertura, o Adjunto Administrador, Cancio Koa, disse que todos os timorenses têm que colaborar e ver juntos o que é que falta fazer para melhorar o desenvolvimento nacional.
Num comunicado de imprensa a Rede Feto disse que a escolha do distrito de Oecusse para o congresso foi muito importante porque assim as mulheres do distrito podem transmitir os problemas que têm ou recomendar algumas sugestões que serão depois discutidas no próximo Congresso Nacional das Mulheres de Timor-Leste.
O congresso decorreu no auditório da Igreja Numbei, Suco Costa, no sub-distrito de Pante Makasar. Participaram no evento delegações de 4 sub-distritos: Passabe, Pante Makasar, Nitibe e Oesillo, representantes do governo local, PNTL, organizações nacionais e internacionais, instituições religiosas e os media de Oecusse.
Sapo TL e CJITL

CPLP estágios não remunerados

Notícias

Abertas candidaturas para estágios curriculares

Encontra-se aberto até 15 de Junho, um período para apresentação de candidaturas para 10 Estágios Curriculares (não remunerados), na Sede da CPLP, no âmbito da Campanha de angariação de fundos: Juntos contra a Fome – alimentando a esperança na CPLP”, a ser desenvolvida em parceria pela CPLP e FAO, com a finalidade de apoiar a implementação de projetos de Segurança Alimentar, nos estados membros da Comunidade. (termos de referencia em anexo)
29-05-2013

uma utopia chamada Corvo

http://parquesnaturais.azores.gov.pt/pt/corvo/noticias/locais/1889-uma-utopia-chamada-corvo

Uma utopia chamada Corvo

parquesnaturais.azores.gov.pt

Desde a minha adolescência que as Ilhas dos Açores faziam parte do meu imaginário, cada artigo que lia sobre as maravilhas da sua vida marinha tornava uma visita a estas ilhas, uma necessidade. As baleias, os golfinhos, os grandes cardumes de pelágicos, as jamantas e tubarões, os meros… a ideia de u…

moçambique e o ao1990

 

O Embaixador de Moçambique junto da UNESCO justifica a não ratificação do AO com a dificuldade de formação de professores na nova grafia, os custos da mudança nas instituições… E que tal se fizessem a mudança a pouco e pouco, como Portugal e o Brasil estão a fazer?

http://www.portugues.rfi.fr/africa/20130529-lingua-portuguesa-um-passaporte-de-oportunidades-0

“Língua portuguesa, um passaporte de oportunidades”

www.portugues.rfi.fr

Esta terça e quarta-feira, Paris foi palco do Congresso da Língua Portuguesa no Mundo, organizado pela Universidade Sorbonne-Nouvelle. Representantes dos vários…

música na Galiza (Angola)

 

ANGOLA E A GALIZA UNIDAS PELA MÚSICA.
A cantora e compositora angolana ALINE FRAZÃO canta “Maria Silêncio”, um formoso poema de RICARDO CARVALHO CALERO. Com esta canção ganhou o concurso convocado pela AGAL para premiar a quem musicasse melhor os poemas do escritor e intelectual de Ferrol.
A Minha Embala – Maria Silêncio (letra em legendas de Ricardo Carvalho-Calero)

www.youtube.com

A Minha Embala canta Ricardo Carvalho-Calero, “Maria Silêncio” Imagens da Galiza

TEATRO FITEI

29.05.2013 08:42

Festival de Teatro de Expressão Ibérica, FITEI ,começa hoje no Porto com a peça “Namíbia, Não!”, o início de um festival com 36 edições que só acontece graças a fundos brasileiros.

A direção do festival recordou isso na terça-feira, em comunicado, classificando  o FITEI de 2013 como “um festival de resistência” que se realiza com o apoio  da Funarte – Fundação Nacional de Artes do Governo Brasileiro em parceria  com o Teatro Nacional São João, o Teatro Helena Sá e Costa, o Serralves  em Festa e o Instituto Francês”.

Mário Moutinho, o diretor do festival confessou mesmo à Lusa “que chegou  a ponderar-se se isto deveria ser apresentado como um festival ou como uma  mostra de teatro brasileiro”, já que das 14 companhias a apresentar, entre  hoje e 10 de junho, 11 são brasileiras.

Este ano, o festival não recebeu qualquer subsídio da secretaria de  Estado da Cultura e o apoio financeiro do Funarte é concedido no âmbito  do Ano do Brasil em Portugal.

A peça a ser apresentada hoje é “Namíbia, Não!”, de Aldri Anunciação,  a primeira encenação de Lázaro Ramos, principalmente conhecido como ator  (foi protagonista de filmes como “Madame Satã” ou “Carandiru” e desempenhou papéis em diversas telenovelas e numerosas peças de teatro). A peça repete  a 30 de Maio, à mesma hora.

Lazuli Cultura, Sutil Companhia de Teatro, Ágora, Razões Inversas, Grupo  XIX de Teatro são algumas das companhias presentes. Os espetáculos abordam  temas que vão desde o racismo, à desigualdade social, à reflexão sobre artistas  como Elizabeth Bishop sendo também de registar a presença de várias companhias de dança.

A conhecida cantora Maria Bethânia vai dar dois espetáculos (a 7 e 8  de junho) em que intercala textos e canções da tradição portuguesa e brasileira,  pouco habituais no seu reportório.

Destaque ainda para “Orfeu Mestiço – Uma Hip-hópera brasileira”, de Claudia Schapira que aqui apresenta uma versão “tropical” do mito grego  de Orfeu e Eurídice.

As únicas exceções ao universo dramático brasileiro é uma proposta do Teatro Helena Sá e Costa em torno das danças latino-americanas, com a Allantantou  Danse Company e a Cubania Dance Company, e uma performance para o “Serralves  em Festa” pela companhia francesa Cie Jo Bithume.

Lusa

.

__,_._,___

TIMOR LOROSAE NOTÍCIAS 30/5/13

TIMOR LOROSAE NAÇÃO – diário


MNE australiano diz que relações com Timor-Leste “continuam boas”, apesar de…

Posted: 29 May 2013 04:14 PM PDT

… acusação de espionagem
MSE – BM – Lusa
Díli, 29 mai (Lusa) – O chefe da diplomacia australiana, Bob Carr, disse hoje que as relações com Timor-Leste “continuam boas”, apesar de as autoridades timorenses terem acusado a Austrália de espionagem para acesso a informação confidencial nas negociações sobre gás e petróleo.
“Nada pode romper os laços entre o povo da Austrália e o povo de Timor-Leste”, afirmou Bob Carr, citado na página na Internet da rádio e televisão australiana ABC.
“Tenho de respeitar a convenção que impede os ministros do Governo australiano de comentarem questões relacionadas com segurança, inteligência e espionagem, mesmo quando o que foi dito é uma simples mentira”, acrescentou Bob Carr.
O Governo de Timor-Leste acusou as autoridades australianas de espionagem durante as negociações relacionadas com o petróleo e o gás do Mar de Timor, alegando que os serviços secretos australianos efetuaram escutas no Ministério dos Negócios Estrangeiros timorense.
“Eu não teria tomado nenhuma decisão tão grave se não tivesse bases sólidas. Não gosto de brincar. Eu sou assim, não tomo decisões de ânimo leve”, disse o primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, quando questionado pela Lusa sobre aquele assunto.
A acusação de espionagem pelo Governo timorense apareceu na imprensa depois de terminar o prazo que impossibilitava Timor-Leste de denunciar o Tratado sobre Determinados Ajustes Marítimos no Mar de Timor (CMATS), assinado pelos dois países em 2007 para facilitar a exploração de gás e petróleo no Mar de Timor, nomeadamente do Greater Sunrise.
O tratado possibilita que Timor-Leste ou a Austrália o denunciem caso não tenha sido aprovado o Plano de Desenvolvimento do Greater Sunrise seis anos após ter entrado em vigor, prazo que terminou em fevereiro.
No final de abril, Timor-Leste enviou uma notificação a Camberra, em que afirmava que o tratado entre os dois países era inválido porque a Austrália tinha feito espionagem durante as negociações do mesmo.
O Governo australiano recusou negar ou confirmar as acusações.
A exploração do Greater Sunrise, campo de gás, criou um impasse nas relações entre a petrolífera australiana Woodside e as autoridades de Timor-Leste.
Enquanto a empresa australiana defende a exploração numa plataforma flutuante, Timor-Leste insiste na construção de um gasoduto para permitir desenvolver a costa sul do país.
Mesmo que o tratado seja denunciado, os contratos de exploração do Sunrise continuam em vigor e, se a produção no Greater Sunrise começar, o CMATS volta a entrar imediatamente em vigor, a não ser que modificações tenham sido negociadas.
No tratado, que impede a definição de fronteiras marítimas entre Timor-Leste e a Austrália durante um período de 50 anos, ficou especificado que cada um dos países recebe metade das receitas de exploração do Sunrise.
Além do CMATS, a exploração do gás e petróleo no Mar de Timor é também regulado pelo Tratado do Mar de Timor e pelo Acordo Internacional de Unificação.
O advogado do Governo timorense, Bernard Collaery, afirmou, citado pela ABC, que a prova de espionagem é “irrefutável”.
“As provas são irrefutáveis e as autoridades australianas estão conscientes de que estamos em posição de fazer isto”, afirmou.
“Eles (os timorenses) querem fazer melhor, o que faz parte da natureza humana, mas o facto é que com esta disputa com as empresas e com o Governo australiano estão a negar a eles próprios qualquer receita, porque o projeto não vai para a frente”, disse o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros australiano Alexander Downer, responsável pela diplomacia australiana quando aconteceu a alegada espionagem.
DADOS METEOROLÓGICOS RESGATADOS DE UMA TURBULÊNCIA

Posted: 29 May 2013 04:07 PM PDT

29 de Maio de 2013, 10:21
O Governo australiano recuou duas décadas atrás nos dados meteorológicos de Timor-Leste, depois de terem sido resgatados por um meteorologista de Darwin, Austrália, no meio da agitação civil durante o movimento da pequena ilha que caminhava para a sua independência, a rádio ABC News.

O meteorologista Sam Cleland chegou a Díli em 1999 para ajudar a restaurar os serviços meteorológicos no país, e ficou chocado ao encontrar 20 anos de registos deixados num escritório abandonado.

“Havia uma grande quantidade de registos em papel espalhados pelo chão, um pé de profundidade em alguns lugares, passei horas à procura tentando reunir o que pude”, disse Sam Cleland.

Na altura, o metereologista passou horas a recolher os papéis que ele podia levar consigo antes de ir para o aeroporto e enviá-los para Darwin para sua custódia.

Os registos foram agora devolvidos em papel original para os arquivos nacionais de Timor-Leste, mas também em forma digitalizada para as agências e cientistas locais terem acesso a esses dados de pesquisa.

Os 20 anos de registos preenchem uma importante lacuna no conhecimento sobre o clima do país e o seu clima.

Os australianos e timorenses peritos da metereologia dizem que tem sido difícil para Timor-Leste entender o potencial das alterações climáticas e os impactos por causa da falta de informação.

A digitalização dos registos também é parte de um projecto mais amplo para converter todos os dados meteorológicos de Timor-Leste a partir de papel para o formato electrónico.

No entanto, continuam a existir décadas de falta de dados dos períodos em que Portugal e a Indonésia colonizaram a pequena nação.

Timor Leste fez o pedido a Portugal e a Indonésia para obter esses registos.

SAPO TL com radio ABC News

HÁ “ATROPELOS” À JUSTIÇA EM TODOS OS PAÍSES – Paula Teixeira da Cruz

Posted: 29 May 2013 04:03 PM PDT

PSP – VM – Lusa
Lisboa, 29 mai (Lusa) — A ministra da Justiça disse hoje em Lisboa que em todos os países há “atropelos” judiciais, quando questionada sobre os dados do último relatório da Amnistia Internacional sobre Direitos Humanos nos Estados de língua portuguesa.
“Não há nenhum país onde não existam atropelos e é evidente que temos de caminhar civilizacionalmente para eliminar esses atropelos”, disse Paula Teixeira da Cruz, quando questionada pelos jornalistas sobre os dados referentes a irregularidades no setor da Justiça referidas pelo relatório da organização Amnistia Internacional relativas aos países de língua portuguesa.
Paula Teixeira da Cruz falava na abertura dos trabalhos da XIII Conferência dos ministros da Justiça da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que começou hoje em Lisboa e se prolonga até quinta-feira.
Nesta reunião, a presidência da conferência, neste momento a cargo de Moçambique, vai passar para Portugal.
“Esta conferência de ministros da Justiça da CPLP reveste-se de muita atualidade. Recordo que vamos discutir duas declarações apresentadas pela presidência moçambicana e trabalhadas pelos países da CPLP que são sobre o tráfico de seres humanos e o combate à corrupção e vamos discutir como tema central desta conferência a proteção civil e penal das crianças”, disse a ministra.
No discurso, Paula Teixeira da Cruz abordou a questão da pedofilia enquadrada no problema relacionado com o tráfico de seres humanos.
“Nós temos uma polícia extremamente eficaz e estamos a rever uma legislação penal que, do ponto de vista da prevenção, vai ajudar muitíssimo e estou a referir-me à referenciação dos pedófilos. Uma das razões do tráfico de crianças, infelizmente, está ligada à pedofilia e vamos claramente apostar num sistema de referenciação de pedófilos”, disse a ministra.
Relatos de trabalho infantil em Angola na construção civil associados a obras chinesas

Posted: 29 May 2013 03:55 PM PDT

NME – VM – Lusa
Luanda, 29 mai (Lusa) – Os relatos de uso de mão-de-obra infantil em Angola na construção civil estão associados a empresas chinesas, cujos contratos baseados em salários “verdadeiramente de miséria” são potenciados pela inexistência de obrigações sociais e fiscais, denunciou fonte oficial.
A queixa é do presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), José Severino, e consta do relatório final elaborado pelo gabinete de intercâmbio internacional do Ministério da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social de Angola e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), relativo ao Seminário Nacional sobre o Trabalho Infantil, realizado em abril.
O documento enviado hoje à agência Lusa refere que é “claramente visível” em Angola o envolvimento ilegal de mão-de-obra infantil na atividade extrativa de inertes, na agricultura em pequena escala e na construção civil.
Segundo José Severino, que apresentou no encontro o tema “O Papel dos Empregadores no Combate ao Trabalho Infantil em Angola”, é no ramo da construção civil em que “infelizmente” está “massivamente incorporada”, em obras chinesas, a mão-de-obra infantil.
“Pois têm sido pontos atrativos para mão-de-obra barata e de menores encargos fiscais, contratando para o efeito crianças desprotegidas para a produção de blocos e abobadilhas e outros materiais de construção”, refere o documento.
Acrescenta ainda que, “tais parâmetros de contratação chinesa baseados em salários verdadeiramente de miséria e trabalhadores sem conhecerem os direitos que a lei confere ou ainda sem capacidade de contestação ou o entusiasmo da criança por realizar algum valor, são potenciados ainda mais pela inexistência de obrigações sociais e fiscais”.
Contudo, José Severino reconheceu que em Angola ainda é baixo o índice de mão-de-obra infantil, comparativamente a outros países.
Este baixo nível é justificado, segundo o responsável, pela ainda incipiente atividade empresarial nas vertentes agrícolas, com o fim da monocultura do café, a inexistência de explorações agrícolas latifundiárias, com colheitas sazonais intensivas e carentes de mão-de-obra em períodos curtos, como no algodão ou na fruticultura.
José Severino fez referência também a um caso peculiar em Angola, onde algumas ocorrências de trabalho infantil ilícito estão ligadas a crianças que se assumem empreendedoras e contratam outras para trabalharem para si.
O responsável associativo disse também que em Angola há poucos casos de denúncias públicas de trabalho infantil, bem como dos casos tidos como graves ou abrangentes.
“Por se tratar de trabalho ilícito ou mesmo criminoso, em casos mais deprimentes, os operadores económicos nessa transgressão, perante os órgãos do Estado, não apresentam ou escamoteiam dados desta componente da sua produtividade”, lê-se no relatório.
Por outro lado, sublinha o documento que o “estágio de desenvolvimento da sociedade coíbe decisões judiciais também contra empregadores, em geral suportados por lobbies. Daí o imperativo da denúncia pública, muito em destaque quando envolvidas empresas de renome, a coabitar ou não com entes oficiais”.
MARI: DESENTRALIZASAUN LABELE DEPENDE BA LIDERANSA

Posted: 29 May 2013 03:06 AM PDT

Radio Liberdade Dili – Wednesday, 29 May 2013 – Santino Dare Matias
Radio, online –  Sekertariu Jeral, Partido FRETILIN, Mari Alkatiri sai hanesan orador ba konferensia Internasional sobre desentralizasaun e poder loka tama ba loron rua (29/5) iha Centru Convensaun Dili, Kaikoli dehan, sistema desentralizasuan atu lao diak labele depende deit ba lideransa.
“Hau apoiu PM Xanana lao dadaun ba sosializasaun munispiu. See ema seluk ba sosializa ema la fiar, nebe mai hau diak liu desentralizasaun ba munisipiu labele depende ba lideransa. Ema hotu-hotu tenki partisipa maximu,”Dehan Mari Alkatiri iha nia palestra.
Mari hautan, “Hau mai laos kontra, maibe atu kontribui. Kuitadu, PM Xanana nia lao sai kotuk mos kolen los, tanba Input la koresponde ho PM Xanana nia output, esforsu ne’ebe PM Xanana halo dadaun ne’e,”Mari esklarese.
Eis PM I governu kontitusional ne’e sujere katak, diak liu munisipiu hari tuir rejiaun ne’ebe mak uluk I governu hari ona, atu  nune’e labele fo iimpkatu ba rekursu umanus. Distritu ida hari munisipiu ida, nee komplikadu nee tebes. Munisipiu ba distritu hotu nee ambisiozus.
“Ita komesa koalia desentralizasaun. Ema hotu ididak ba nia distritu. Dili hela mamuk. Saida mak administrasaun sentral,” Mari kestiona.
Tuir Mari, osan laos mak rezolve ba problema nasuan nian, maibe kapasidade da lideransa no rekursu umanus. Osan sei halo konfuzaun tan. No la rezolve problema.
Iha okaziaun ne’e mos Mari dehan tama ba sistema desentralizasaun iha nia vantazen diak mak, lideransa lokal hetan poder, mais iha nia desvantazen kuandu la prepara rekursu umanus. Tuir Mari Prezidenti Camara Munispiu sei rai osan ne’e hotu iha kama okos.
Sekjen FRETILJN ne’e mos dehan, razaun hari zona ekonomia espesial ba iha Oecusse tanba, hare ba kestaun politika, TL hahu nia politika husi Oecusse no segundu, Distritu Oecusse rai estadu nian mak barak liu kompara ho rai privadu. Ho rai estadu nian barak liu iha. Kondisoens favoravel liu.
KOMUNIDADE DILI SUKU 7 LA ASESU BEE MOS

Posted: 29 May 2013 02:58 AM PDT

Radio Liberdade Dili – Wednesday, 29 May 2013 – Acacio Pinto
Radio, online –  Liu husi avaliasaun husi sosiedade sivil, Luta Hamutuk (LH) deskobre katak, Distritu Dili hanesn kapital TL, iha suku 7 mak la asesu ba bee mos.
Koordenador ekipa ba avaliasaun LH Zemilto Zaneve liu husi konferensia da imprensa foin lalais ne’e iha sede LH, Farol-Dili,  dehan suku 7 mak la asesu bee mos hanesan Becora, Kamea, Bairo-Pite, Comoro, Lahane oriental no Lahane osidental.
Relasiona ho orsamentu alokasaun orsamentu ba Distritu Dili, LH analiza, iha tinan tolu nia laran alokasaun orsamentu ba distrito Dili la refleta kondisaun. Linha distribuisaun bee mos sai at no sabraut.
Hare ba alokasaun hirak ne’e LH analiza katak, politika orsamentu seidauk bele kontribui hodi resolve problema bee moos iha distrito Dili.
Tuir dadus sensus 2001 hatudu katak, komunidade Timor-Leste iha deit 48% mak asesu ba bee moos.
Iha tinan 2010 konsege sae ba 66% populasaun Timor Leste mak iha ona asesu ba bee moos hanesan kanalizasaun, posu, mota bomba, sosa bee tanke no bee botir. Maske asesu ba bee moos to ona 66%. Iha distrito Dili atinji ona 86% ho dadus ida ne’e hatudu katak asesu ba bee moos iha distrito Dili diak liu kompara ho distrito sira seluk.
“Komunidade seidauk hetan distribuisaun be mos  diak, tamba linha distribuisaun ne’ebe mak SAS halo seidauk to ba komunidade hotu,”dehan Zemilto.
Iha suku Camea iha aldeia Ailelehun, suku lahane Osidental aldeia Gomes de Araujo ne’ebe sei konsume udan ben no entre komunidade sira iha divida bee moos ba balu hodi uza ba nesesidade domestika.
Iha suku Bairo-Pite aldeia 02 Nikir no aldeia Terus Nain nebe seidauk hetan distribuisaun bee moos husi SAS. Komunidade iha suku sira seluk mos seidauk hetan distribuisaun bee moos ho diak tamba dalaruma bee mai dala ruma la mai. Wainhira kondisaun hirak ne’e la resolve imidiatamente susar ba Timor Leste atu atinji indikador Milinium Development Goals (MDGs) iha tinan 2015.
Kordinador ne’e hateten, komunidade asesu ba bee moos seidauk tuir higenia tanba komunidade uza bee mota ne’ebe seidauk iha teste laboratoriu.
Tuir LH nia analiza konsume bee moos kada ema ida tenke konsume bee 20-50 litru/ema ida. Maibe bazeia ba resultadu assessment hatudu katak komunidade iha suku nebe mak LH halo assessment; seidauk konsume to’o standar tamba komunidade foin konsume deit kuaze 50-75 jerigen (5 litru) familia.
Signifika katak familia ida konsume deit 13 litru. Kondisaun ida akontese tamba komunidade asesu ba bee moos ±1-2 km nomos bee moos nebe fornese husi SAS dalaruma mai dala ruma la mai.
LH rekomenda ba governu hodi aloka orsamentu iha anu fiskal 2014 nian hadia hotu linha distribuisaun nebe agora iha no ba komunidade nebe mak seidauk hetan kanalizasaun iha distrito Dili
Rekomenda ba governu hodi halo Planeamentu Urbana ba Distrito Dili atu nune bele fasilita diak liu servisu Governu nian liu-liu SEASU hodi distribui bee moos ho diak ba komunidade.
Rekomenda ba Governu liu SEASU tenke halo rehabilitasaun ba linha distribuisaun bee moos no halo instalasaun foun linha distribuisaun ba komunidade iha Distrito Dili nebe mak seidauk hetan antes implementa fila fali dekretu lei nu. 4/2004.
Prime Minister Gusmao acknowledges: “a lot of money has simply been wasted away”

Posted: 29 May 2013 02:48 AM PDT

ETLJB 28 May 2013 – According to a report published by Jornal Independente yesterday, the Prime Minister Kay Rala Xanana Gusmao has promised that the mistakes of the Parliamentary Majority Alliance Government where State money was improperly used will not be repeated.
“Maybe you have already heard people ask why this government is so big, and that is because it is needed, and I ask each member of government publicly to take these things into account properly, there has to be good coordination inside the ministries, otherwise, we are useless governors,” he said.
The head of government made these statements during his decentralisation and local government discussion for the Dili District, Saturday 25 May last at the Dili Convention Centre.
Xanana acknowledged that during the previous AMP government up to the Fifth Government, a lot of money has been spent by the government improperly, money that has all just melted away.
Despite having wasted a lot of money, Xanana made his analysis of the state whereby he said that in ten or so years of state building after independence, some good things have been done but there have also been some failures also.
“But we also have to acknowledge that a lot of money has simply been wasted away, and it is because of this that from hereon in in the future, we have to identify these malpractices in administration and management, because although we have established a control system it is still not effective,” underlined PM Xanana.
To fix this, according to Xanana, we have to revise the character of Timorese, revise their conduct so as to correct the wrongs that have already been committed.
“We also have to undertake a critical analysis that some money has been well spent, but some other money we should not question and we should not ask why it was spent, because it was a need in order to address imbalances in our society,” Xanana said.
Because of this the head of government asked the members of government who managed public money, who implement state programs to begin to correct themselves.
As well, regarding the issue of establishment of municipalities, Xanana said that there must be reform on the issue of corruption from the central government to local level.
That he said was important because the government and the state did not want to continue to hear complaints when they descended to the grassroots, whether this state was failing.
“The big risk for us throughout the whole of Timor-Leste is that we have money, which gives us a big advantage in planning our development, and that is s big risk because we cannot all end up drinking sea water,” Xanana pointed out.
During this public discussion Xanana expressed that this was the year to fix the house from within, so he asked the private sector to prepare themselves properly.
The private sector he said had to improve its management capacity, as they should not just be happy with gaining some money for projects that they have not properly implemented and then drive around in luxury cars, looking for new projects.
“This nation needs to develop all its sectors, and needs to reform everyone’s mentality, and because of this the private sector has to be creative in reinvesting,” Xanana stressed.
Source: Jornal Independente 27 May 2013 Edited by Warren L. Wright
Sex crimes against underage girls in Timor-Leste cause high school drop-outs

Posted: 29 May 2013 02:43 AM PDT

ETLJB 228 May 2013 – 79% of young girls who suffered sexual violence in Timor-Leste are forced to abandon their school, according to the results of a survey from a local NGO, according to a report in Jornal Independente pubished on 17 May 2013.
Jornal Independente cited the Director of Rede Feto (Women’s Network), Jacinta Luizinha, as stating that during their socialisation (information campaign) this year, her organization noted that, one of the impacts of violation (rape or abuse) of young girls is that 79% of the victims abandon their studies.
“In the presentation we also see in the results that we have collected thus far that 79% of girls dropout of school because they are not in a  condition to continue school. Some because they are pregnant, some because of 9the trauma and discrimination against them] resulting from rape or sexual assault that occurs while they are in the learning process,” she stated.
“We all need to see how to find a solution, mechanism or means to help them, in particular our girls so that they can return to school and finish their studies.”
The Director stated that she will look for a way that the victims can return to their schooling. “According to our organisations that assist the victims, such as Casa Vida and Fokupers, a majority of the victims that stay in the shelters (Uma Mahon), stop their studies due to these conditions. It shows that they want to return to school because they have the same rights as other children. They are still children (minors), with the right to access education,” she emphasized.
She stated that one problem the victims face if they return to school is discrimination. “We think this is because each school looks at morality, ethics and discipline and such. But we must see that this condition is not what they wanted,” she said.
She said that her organisation will continue the information campaign so that the schools can receive back girls who have dropped out of school because they were victims of sexual violence.
Reporter: Julio da Silva. Source: Jornal Independent 17/05/2013. Translated from the original Tetum and published by the Timor Leste Media Development Centre. Edited by Warren L. Wright

o juíz da casa pia meteu água

maio 28, 2013

http://emportuguezgrande.blogspot.pt/2013/05/frango.html

Frango

O juiz Rui Teixeira é um homem prestigiado e prestigiante, basta lembrar a forma como conduziu o famoso “processo Casa Pia”.Mas, como diz o povo, não há bela sem senão.

Recorremos a esta notícia no DN online citando esta outra notícia publicada na edição em papel do Correia da Manhã de domingo.

Primeira questão:

“O magistrado enviou uma nota à Direção Geral de Reinserção Social (DGRS) em abril onde se podia ler, que esta “‘fica advertida que deverá apresentar as peças em Língua Portuguesa e sem erros ortográficos decorrentes da aplicação da Resolução do Conselho de Ministros 8/2011 (…) a qual apenas vincula o Governo e não os tribunais’“.

Ora, a DGRS está vinculada ao poder executivo e não ao poder judicial, portanto tem por obrigação cumprir as determinações legais em vigor emanadas pela Tutela, naquilo que ao poder executivo respeita, como é o caso dos usos ortográficos. De resto, nenhum juiz deve, muito menos pode, pretender obrigar as entidades públicas, privadas ou os cidadãos a dirigirem-se aos seus juízos segundo a norma ortográfica da preferência do juiz, quer o juiz prefira a norma ortográfica atual ou a anterior. O sistema judicial e os juízes servem para outros fins.

Segunda questão; voltamos a transcrever o DN:

“nos tribunais, pelo menos neste, os factos não são fatos, as actas não são uma forma do verbo atar, os cágados continuam a ser animais e não algo malcheiroso”

Pois há boas notícias para Rui Teixeira: nos termos do AO90, os factostambém não são fatos (embora, segundo as caraterísticas evolutivas do Português, esse seja o seu destino), e os cágados também continuam a ser animais e não algo mal cheiroso.

Quanto à ata/ata; Rui Teixeira é um homem inteligente e vai ser capaz de resolver esta questão tão bem como resolveu sempre estas outras (todas elas existentes tanto na ortografia atual como na ortografia anterior): colher/colher, cor/cor, pena/pena, pregar/pregar, rota/rota, seca/seca, seco/seco, sede/sede, sumo/sumo, acordo/acordo, almoço/almoço, anular/anular, chama/chama, consolo/consolo, dita/dita, erro/erro, fora/fora, força/força, gelo/gelo, gema/gema, golo/golo, jogo/jogo, molho/molho, pela/pela, pelo/pelo, serão/serão, torre/torre, vale/vale, vela/vela/vela.

Se para os defensores da cristalização ortográfica de 1945/73 os casos acima são imutáveis e perfeitos, então o par ata/ata tem tudo para ser integrado e bem aceite na tal imutável perfeição.

Terceira questão; voltamos a citar a carta do juiz Rui Teixeira dirigida à DGRS, segundo o DN:

“[A] Língua Portuguesa permanece inalterada até ordem em contrário’”

Pois aqui temos más notícias para Rui Teixeira mas boas notícias para a nossa Língua: a Língua Portuguesa está viva, portanto ela altera-se e evolui diariamente sem obedecer a nada nem atender a ordens de ninguém. De quando em quando a ortografia deve ser atualizada para que possa acompanhar a evolução da Língua. Foi também isso o que o AO90 veio fazer.

Este caso lembra este outro: todos os melhores guarda-redes – sem exceção – deram em algum momento das suas carreiras grandes frangos, e nem por isso nunca nenhum deles viu o seu prestígio diminuído na história do futebol.
Independentemente de Rui Teixeira insistir nesta caturrice ou se esquecer dela depressa, este juiz vai continuar a ser uma referência maior para os portugueses e para a Justiça em Portugal.

-- 
J. CHRYS CHRYSTELLO, 
Presidente da Direção [AICL, Associação Internacional dos Colóquios da Lusofonia]

antologia da emigração

Antologia literária vai reunir textos de luso-descendentes dos EUA e Canadá

Quarta-Feira, 22 Maio de 2013
Dois professores universitários portugueses nos Estados Unidos estão a lançar um projecto que vai culminar no lançamento de uma antologia literária, onde irão reunir trabalhos em prosa e poesia que retratem a temática da experiência migratória portuguesa nas suas várias manifestações.
Os escritores interessados têm até 1 de Junho para enviar os seus textos para aprovação…

Luís Gonçalves, professor na Universidade de Princeton, e Carlo Matos, professor na Universidade de Chicago acharam que seria interessante reunir num livro, os textos de escritores de origem portuguesa que sejam pouco ou nada conhecidos nos Estados Unidos e no Canadá, a nível nacional.
A génese do projecto está numa tertúlia literária organizada em Newark com o apoio do Consulado de Portugal naquela cidade. “Organizamos o evento na altura em que o (escritor) José Luis Peixoto visitou os Estados Unidos. Reunimos o José Luis Peixoto com seis escritores luso-descendentes num evento realizado no Sport Club Português, a que chamamos «Ler na Ferry Street», que é a principal rua do bairro onde vivem os portugueses”, recorda Luis Gonçalves a este jornal.
Durante o evento, os organizadores viram-se a braços com pedidos do público que queria saber onde poderia comprar os livros dos escritores que participaram. “E não havia nenhum livro, era simplesmente um encontro de escritores luso-descendentes que partilharam o ser trabalho com a comunidade e que queriam partilhar com as pessoas coisas das suas vidas, as suas experiências, e continuar a escrever as nossas histórias”, recorda o professor que, juntamente com Carlo Matos, decidiram avançar com o lançamento de uma colectânea de autores de origem lusa.
“Resolvemos abrir o espaço a outros escritores luso-descendentes que não têm oportunidades ou que não se identifiquem como descendentes na sua biografia, mas que têm pai, mãe ou avô português. Quem sabe poderemos até reunir na mesma colecção, escritores altamente consagrados ao lado de escritores jovens e dar alguma continuidade à nossa traição literária nos Estados Unidos”, explicou Luís Gonçalves que já conseguiu o que a princípio seis mais difícil: o interesse de uma editora, neste caso, a Edwin Mellen Press que aprovou o projecto em três dias.
Agora, os professores estão a correr contra o tempo para reunir os textos em prosa e poesia que vão integrar o livro. Até ao dia 1 de junho estão a fazer a recolha dos trabalhos dos autores que queiram participar. “Já recebemos candidaturas e tivemos vários escritores a dizer que vão submeter os seus textos. Entretanto, convidamos uma verdadeira «instituição» luso-americana que tem feito um trabalho fenomenal de pesquisa da nossa comunidade e também de escrita – o professor George Monteiro, da Brown University, para escrever o prefácio da antologia”, revela o professor.
A publicação será bilingue para poder chegar ao público em geral, como explica Luis Gonçalves. “Quando concebemos este projecto definimos que o público-alvo é o de língua inglesa, porque queremos integrar a tradição literária luso-americana no mainstream norte-americano. De facto, queremos que os luso-americanos ocupem o seu espaço dentro da literatura americana em geral. Então, todos os trabalhos que forem apresentados em português, vamos providenciar uma tradução e serão publicados nas duas línguas”.
Apesar de ter na emigração portuguesa um tema importante, a antologia está aberta em termos de temática, porque o que os responsáveis pretendem em primeiro lugar, é que os textos sejam uma visão luso-americana do mundo. “É o que estamos à procura: como os luso-americanos vêem o mundo. Um dos textos que temos é sobre a viagem de um luso-descendente ao Brasil, não é exactamente sobre a experiência luso-americana, mas é como um luso-americano vê o mundo, e neste caso um país e língua portuguesa”, adianta o professor. Os textos candidatos devem ser enviados com extensão doc, docx ou pdf, para o endereço de email wpdanthology.com. A acompanhar os trabalhos, os candidatos devem enviar informações como nome, pseudónimo (caso usem), morada, contactos telefónico e de email e uma pequena biografia.
Mais informações podem ser obtidas na pagina do projecto na rede social facebook intitulada «Writers of the Portuguese Diaspora: An Anthology»

Ana Grácio Pinto

outras fontes:
__._,_.___
Atividade nos últimos dias:

O espaço Diálogo_Lusófonos tem por objetivo promover o intercâmbio de opiniões
“Se as coisas são inatingíveis… ora!/Não é motivo para não querê-las…/
Que tristes os caminhos se não fora/A mágica presença das estrelas!” Mário Quintana
______________________________
Tradução de mensagens :translate.google.pt/
.

__,_._,___

Convite
              Navegação Interior_final.jpg

relações austrália e timor

Natália Carrascalão Antunes
MNE australiano diz que relações com Timor-Leste “continuam boas”, apesar de acusação de espionagem

30 de Maio de 2013, 00:04

Díli, 29 mai (Lusa) – O chefe da diplomacia australiana, Bob Carr, disse hoje que as relações com Timor-Leste “continuam boas”, apesar de as autoridades timorenses terem acusado a Austrália de espionagem para acesso a informação confidencial nas negociações sobre gás e petróleo.

“Nada pode romper os laços entre o povo da Austrália e o povo de Timor-Leste”, afirmou Bob Carr, citado na página na Internet da rádio e televisão australiana ABC.

“Tenho de respeitar a convenção que impede os ministros do Governo australiano de comentarem questões relacionadas com segurança, inteligência e espionagem, mesmo quando o que foi dito é uma simples mentira”, acrescentou Bob Carr.

O Governo de Timor-Leste acusou as autoridades australianas de espionagem durante as negociações relacionadas com o petróleo e o gás do Mar de Timor, alegando que os serviços secretos australianos efetuaram escutas no Ministério dos Negócios Estrangeiros timorense.

“Eu não teria tomado nenhuma decisão tão grave se não tivesse bases sólidas. Não gosto de brincar. Eu sou assim, não tomo decisões de ânimo leve”, disse o primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, quando questionado pela Lusa sobre aquele assunto.

A acusação de espionagem pelo Governo timorense apareceu na imprensa depois de terminar o prazo que impossibilitava Timor-Leste de denunciar o Tratado sobre Determinados Ajustes Marítimos no Mar de Timor (CMATS), assinado pelos dois países em 2007 para facilitar a exploração de gás e petróleo no Mar de Timor, nomeadamente do Greater Sunrise.

O tratado possibilita que Timor-Leste ou a Austrália o denunciem caso não tenha sido aprovado o Plano de Desenvolvimento do Greater Sunrise seis anos após ter entrado em vigor, prazo que terminou em fevereiro.

No final de abril, Timor-Leste enviou uma notificação a Camberra, em que afirmava que o tratado entre os dois países era inválido porque a Austrália tinha feito espionagem durante as negociações do mesmo.

O Governo australiano recusou negar ou confirmar as acusações.

A exploração do Greater Sunrise, campo de gás, criou um impasse nas relações entre a petrolífera australiana Woodside e as autoridades de Timor-Leste.

Enquanto a empresa australiana defende a exploração numa plataforma flutuante, Timor-Leste insiste na construção de um gasoduto para permitir desenvolver a costa sul do país.

Mesmo que o tratado seja denunciado, os contratos de exploração do Sunrise continuam em vigor e, se a produção no Greater Sunrise começar, o CMATS volta a entrar imediatamente em vigor, a não ser que modificações tenham sido negociadas.

No tratado, que impede a definição de fronteiras marítimas entre Timor-Leste e a Austrália durante um período de 50 anos, ficou especificado que cada um dos países recebe metade das receitas de exploração do Sunrise.

Além do CMATS, a exploração do gás e petróleo no Mar de Timor é também regulado pelo Tratado do Mar de Timor e pelo Acordo Internacional de Unificação.

O advogado do Governo timorense, Bernard Collaery, afirmou, citado pela ABC, que a prova de espionagem é “irrefutável”.

“As provas são irrefutáveis e as autoridades australianas estão conscientes de que estamos em posição de fazer isto”, afirmou.

“Eles (os timorenses) querem fazer melhor, o que faz parte da natureza humana, mas o facto é que com esta disputa com as empresas e com o Governo australiano estão a negar a eles próprios qualquer receita, porque o projeto não vai para a frente”, disse o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros australiano Alexander Downer, responsável pela diplomacia australiana quando aconteceu a alegada espionagem.

MSE // BM

Lusa/Fim

ANGOLA TENTARAM QUEIMAR PORTUGUÊS

 

  • Acidente em Angola: populares tentam queimar vivo piloto português – Autoportal

    www.autoportal.iol.pt

    Pormenores macabros sobre a tragédia de Benguela. Vítimas mortais eram crianças…Acidente em Angola: populares tentam queimar vivo piloto português

mia couto em montreal

Caros amigos,
É com o grato prazer que vos envio uma reportagem que fiz sobre a presença de Mia Couto em Montreal no Festival de Literatura


MIA COUTO
EM MONTREAL


Cara a Cara com Mia Couto por Luís Aguilar

Mia Couto no Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor por Vitália Rodrigues

Luís Aguilar
Professeur invité de l’Université de Montréal
Docente do Instituto Camões

angola e a corrupção

excelente análise de Rafael Marques de Morais. Vale a pena ler…

Corrupção em Angola, Branqueamento de Capitais em Portugal | Maka Angola

makaangola.org

Em defesa da democracia. Contra a corrupção.
…e Abel Chivukuvuku acusa Portugal de se ter transformado num “refúgio de capitais ilícitos”, de alguns dirigentes angolanos. Vamos a ver se o governo português responde. Ou se consente, calando…

Político angolano diz que investimentos em Portugal servem para lavar dinheiro – JN

www.jn.pt

Os investimentos de Angola em Portugal servem para lavar dinheiro, acusou, esta quarta-feira, em Luanda, Abel Chivukuvuku, líder da coligação Convergência Ampla de Salvação de Angola.
Like ·  · Share · 29 minutes ago · 
Like ·  · Share · 32 minutes ago ·