diário angolano

VoltarEstá em… Início  Opinião  O diálogo com a juventude não se coaduna com a censura! – Luaty Beirão

O diálogo com a juventude não se coaduna com a censura! – Luaty Beirão

  • Imprimir
  • Email

dialogo juventudeA mentalidade fossilizada da obediência doentia a uma suposta “ordem superior” não irá, como que por um golpe de magia, desvanecer-se enquanto as mesmas pessoas que foram formatadas para obstaculizar o “adverso”, o “do contra”, o “dissonante” se mantenham como titulares de cargos com poder de decisão.

Infelizmente, por força da experiência repetida, temos de aplicar aqui o ditado fatalista que diz:”pau que nasce torto, nunca se endireita”. Para essas pessoas, pouco importa que o cidadão cumpra com escrupuloso rigor com as leis da República, que escreva todas as cartas, peça (e adquira) autorização deste mundo e o outro, tenha transtornos financeiros que nunca, ninguém se propõe indemnizar, jamais deverá este cidadão auferir dos direitos que lhe são conferidos pela atípica Constituição, pois esses direitos ferem a sensibilidade dos que os aprovaram para “fazer bonito”, para saírem bem na fotografia, para aparentar vontade explicita de se democratizarem os hábitos sociais.

No dia 30 de Março, a mesma data da nossa manifestação (mais uma vez) abortada pela já habitual violência policial redundando em porretes, bofetadas, pontapés nos testículos e detenções ilegais, em Benguela, um grupo de Hip Hop chamado Família Eterna, tentava levar a cabo um evento que celebraria os seus 10 anos de existência e para o qual procederam a todos os a priori impostos pela lei pre-histórica, com autorizações carimbadas pela cultura, pela polícia e pela administração local, como se pode comprovar nas imagens aqui disponibilizadas.

O que pode levar as autoridades a reverter um parecer anterior e, à margem de qualquer critério legal, tentar impedir a realização de um evento no próprio dia em que este deveria ter lugar? Que nomes são esses que ao aparecer no ecrã do telefone fazem mais-velhos, pais-de-família, hiperventilar de pânico e embrulharem-se completamente com actos que contrariam todas as formações que já receberam?

Segundo o testemunho do Fábio, um dos organizadores do evento cujo nome se pode ver na documentação aqui disponibilizada, foi ao aperceberem-se que o MCK seria o convidado de honra do evento que lhes terá disparado o alarme arrepiante da auto-censura e terão tentado corrigir o tiro, pressionando psicologicamente a organização a abortar o evento e, mais engraçado, a inventar “uma desculpa qualquer” para o justificar perante a opinião pública, ao pé da qual a sua credibilidade ficaria mordiscada. “Sobretudo não dizer nada ao MCK”. Esses mais-velhos perderam totalmente o juízo.

Ainda segundo o Fábio, uma vez no escritório do comandante Ndalu, por quem terá sido convocado, uma enxurrada de questões acerca do recém-premiado do Festival Nacional da Canção se seguiu, ao ponto de, na dúvida acerca do conteúdo temático das letras deste último, o comandante ter baixado a ordem a um subordinado hierárquico que se deslocasse ao local onde estaria a decorrer a venda do “Proibido Ouvir Isto”, adquirisse uma cópia e se pusesse a escutá-la in loco, comunicando a par-e-passo o que estivesse a ouvir. O agente não terá superado a faixa introdutória e já o comandante levava as mãos à cabeça alarmado:”não pode ser, esse indivíduo não pode cantar, não estamos autorizados a ter músicos que cantam contra o governo!”.

A resistência à intimidação fez com que outro tipo de estratégia, mais agressiva, fosse colocada em marcha: desde visitas ostensivas de agentes à paisana ao local do evento, desencorajamento de permanência de quem se aproximasse com intuito de adquirir bilhete, visita inusitada do soba e ainda uma campanha de desinformação executada utilizando o serviço de SMS de uma das operadoras nacionais, em tom alarmante, advertia a população a não ir ao evento pois “algo de mau irá acontecer”. Para coroar tudo isto, um corte de energia foi encomendado quando o evento já decorria.

Ameaça mal disfarçada de conselho. O visado tentou ligar para o remetente, mas o número estava desligado.

Os rapazes foram firmes e resolutos, levando em frente a sua intenção de realização do evento que tão cuidadosamente prepararam, não abdicando de nenhum dos pormenores previstos inicialmente, incluindo a participação do MCK que acabou por cantar o dobro daquilo para o que tinha sido contratado, em sinal de reconhecimento tanto pela organização, como pela brava plateia de (à volta de) 80 almas, que apesar dos alertas, não quiseram perder um evento que é raro para os amantes de Hip Hop consciente na terra das acácias rubras.

As consequências da sua “afronta” à ordem superior e arbitrária já começaram a fazer-se sentir e o pequeno espaço de 30 minutos semanais que lhes era cedido na Radio Morena, lhes foi retirado mas, claro está, de maneira amigável, sem celeuma, sem ressentimentos pois, afinal de contas, coitado do “dono do programa” que receia agora ter qualquer tipo de associação a esta juventude desobediente, não vá ele, por seu turno, perder tão pequena “benesse” como um inofensivo programa de rádio.

Para download gratuito, a banda dispensou uma das suas novas faixas intitulada “10 anos de irmandade“, no qual abordam justamente o assunto aqui relatado.

Só mais um episódio entre milhares no país do revanchismo, protagonizado pelos mesmos dinossauros políticos que recusam aperceber-se que essas práticas já não têm lugar numa Angola democrática e seguem, envergonhando o país perante o mundo, ao mesmo tempo que impingem por força de discursos exemplos que nunca lhe deram.

Luaty Beirão

 

http://centralangola7311.net, 22 de abril de 2013

Voltar

livro de DOM XIMENES BELO

 vai sair um livro meu, com o título:”Antigos reinos de Timor-Leste”. Será editado pela Porto Editora e será lançado em DILI NO DIA 20 de Maio. Muito obrigado, Dom Carlos Ximenes Belo

10%
Os Antigos Reinos de Timor-Leste
Código: 09649
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 336
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-09649-4
Pré-lançamento – disponível para envio a partir de 06-05-2013entrega
Sinopse
O livro Os Antigos Reinos de Timor-Leste (Reys de Lorosay e Reys de Lorothoba, Coronéis e Datos) trata da história dos régulos (chefes) timorenses e dos governadores portugueses. O livro foi escrito para comemorar os quinhentos anos da descoberta da Ilha de Timor (1513?-2013) e o primeiro centenário da Guerra de Manufahi (1912-2012). Consta essencialmente de seis partes: 1.ª parte: Os reinos de Timor ao longo dos séculos; 2.ª parte: Usos e costumes de Timor; 3.ª parte: Reinos por distritos e subdistritos; 4.ª parte. A lista dos régulos por ordem cronológica; 5.ª parte: governadores portugueses; 6.ª parte anexos.Os Antigos Reinos de Timor-Leste pretende ser um subsídio para a História da República Democrática de Timor-Leste e um incentivo aos timorenses para conhecerem o seu passado histórico, caracterizado por guerras constantes, contra Portugal, Macau, holandeses e contra reinos das ilhas vizinhas.

Finalmente, o livro pretende ser um convite expresso aos descendentes dos régulos e liurais para escreverem sobre as suas “casas reais” e, assim, poderem perpetuar a memória dos seus antepassados.

À Porto Editora, exprimo o meu profundo agradecimento pelo apoio generoso e pela solidariedade para com o Povo de Timor-Leste.

Os Antigos Reinos de Timor-Leste de Dom Carlos Filipe Ximenes Belo, SDB

 

 

alta tecnologia

Brasileiros participam de projetos de pesquisa de alta tecnologia em Portugal

Lisboa – Para pesquisadores brasileiros, a opção de estudar e trabalhar em Portugal vai além da facilidade de ter o mesmo idioma. As condições dos laboratórios, o acesso a recursos e a facilidade de contato com cientistas da União Europeia têm levado muitos brasileiros a se fixar em terras lusitanas.  Leia mais

cinema português em Brasília

Brasil recebe Semana da Europa com cinema português incluído

Brasília – O filme “A esperança está onde menos se espera”, de Joaquim Leitão, representará Portugal na Semana da Europa no Brasil, um evento que divulgará várias expressões culturais do Velho Continente através do cinema, da música e do desporto.  Leia mais

boletim fle 30/4/13

 

No meio da permanente crispação que em Portugal envolve as discussões sobre educação, é muito comum verificarmos que o enfoque raramente é colocado no aluno e na qualidade dos resultados, para se perder em assuntos conexos e pouco importantes para os Portugueses.

 

E, de facto, é na qualidade dos resultados educativos, medidos pelas repercussões positivas que a escola tem no desenvolvimento das novas gerações, que deverá centrar-se toda a discussão, pois dela depende o futuro do nosso País.

 

Numa interessante abordagem à escola e à liberdade, o Professor Doutor Ruben de Freitas Cabral, analisa o problema da autonomia das escolas questionando de forma transversal todas as componentes associadas à educação e à instrução: Valerá a pena a escola que hoje temos? Para que serve? Estará ela centrada nas efectivas necessidades dos nossos alunos?

 

Explicando qual é o impacto da autonomia no funcionamento do sistema, e mostrando que é possível, com menos recursos, criar uma escola mais significante com um reforço efectivo da qualidade e dos resultados e uma valorização do trabalho dos professores, o Professor Ruben Cabral demonstra que é possível fazer mais e melhor.

 

O caminho é o da liberdade… com responsabilidade e rigor. Esse é, sem sombra de dúvidas, o caminho de Portugal.

 

Assista AQUI ao testemunho do Professor Ruben Cabral no Canal FLE

 

FLE – Fórum para a Liberdade de Educação

www.FLE.pt

 

O FLE no Facebook

Canal FLE no Youtube

Documentos FLE

 

Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o género de educação a dar aos filhos

Art.º 26º da Declaração Universal dos Direitos do Homem

 

 


Powered by Joobi
 

timor lorosae notícias 30/4/13

TIMOR LOROSAE NAÇÃO – diário


COOPERAÇÃO COM A INDONÉSIA EM DEBATE NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

Posted: 29 Apr 2013 02:37 PM PDT

MSO – MSP – Lusa
Aveiro, 29 abr (Lusa) – Académicos e personalidades ligadas à área da economia debatem as possibilidades de cooperação entre Portugal e a Indonésia, dia 02,em Aveiro, numa iniciativa inserida na política de internacionalização da Universidade de Aveiro.
“Portugal – Indonésia: parcerias e negócios” é o nome da sessão, organizada conjuntamente com a Embaixada da Indonésia em Portugal, tendo em vista a apresentação da Indonésia como atrativo destino para o estabelecimento de acordos de cooperação em vários domínios.
“A realização deste seminário conjunto é mais um passo no aprofundamento das relações com a Indonésia, inseridas na política de internacionalização da Universidade. Em coerência com a missão da UA, e com a prática que vimos assumindo, esta aposta em novas colaborações abrange a área académica e científica, através da mobilidade de estudantes ou intercâmbio de docentes, mas também a cooperação com autarquias e empresas”, antecipa o Reitor da UA, Manuel António Assunção.
A Universidade de Aveiro foi visitada no início de abril pelo embaixador da Indonésia em Portugal, Albert Matondang, que manifestou interesse no estabelecimento de parcerias com universidades do seu país, que permitam a criação de programas conjuntos e o intercâmbio de estudantes e docentes.
Luciano Coelho da Silva, presidente da Câmara de Comércio e Indústria Indonésia-Portugal e cônsul da Indonésia no Porto, a propósito da sessão destinada ao setor empresarial, salienta as potencialidades daquele País, o quarto país mais populoso do mundo.
O empresário defende que “Portugal, devido à sua herança e presença cultural que deixou na Indonésia e pela capacidade empreendedora dos seus agentes económicos, não poderá deixar de procurar assumir um papel mais ativo, direcionando a sua visão para os desafios do futuro”.
Beneficiando de uma localização transversal entre os oceanos Índico e Pacífico, o que lhe confere grande relevância em termos geoestratégicos e económicos, a Indonésia tem cerca de 250 milhões de habitantes e 17 mil ilhas, sendo hoje a sua economia uma referência no Sudeste Asiático e a nível mundial.
A sessão “Portugal – Indonésia: parcerias e negócios” resulta de uma colaboração conjunta entre a Câmara de Comércio e Indústria Indonésia-Portugal, a Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA), a Associação Industrial do Distrito de Aveiro (AIDA) e o Banco Espírito Santo (BES).
Sekertariu Estadu Ilidio Ximenes inagura ponte iha suku Biqueli-Atauro

Posted: 29 Apr 2013 02:26 PM PDT

Radio Liberdade Dili – Tuesday, 30 April 2013 – Santino Dare Matias
Radio, online – Sekertariu Estado Politika Formasaun Profesional Empregu (SEPFOPE), Ilidio Ximenes da Costa ho komitiva nebe akompanha mos husi Autoridade lokal  Sub-distrito Atauro, Distrito Dili halao inagurasaun Ponte iha suku Biqueli nebe mak realiza iha tinan 2012 ho montante orsamento $96.200,00 ho medida  naruk 5,5 no luan  4,5 nebe benefisiarios ba familia hamutuk 552.
Serimonia inagurasaun ne’e halao Sesta, (26/04) iha suku Biqueli, Sub-Distritu Atauro, Distritu Dili. Informaaun ne’e www.radioliberdadedili.com asesu liu husi via email, media officer SEPFOPE, foin lalais ne’e.
Komunikadu ne’e dehan, molok hahu serimonia inagurasaun komunidade no autoridade lokal sira hato’o bemvindo ba Sekertariu Estado no komitiva iha fatin serimonia no liafuan agradesimentu ba Governu liu husi SEPFOPE ne’ebe mak hari’i ona ponte rua iha Suku Biqueli nebe mak sempre atraza komunidade sira atu haku’ur wainhira iha tempu udan.
Wainhira halao inagurasaun, Sekertariu Estado.Ilidio Ximenes halo mos puisia ne’ebe mak fo inspirasaun ba komunidade sira dehan “oinsa bele mehi ba dezenvolvimentu liu husi halerik hodi hafanun ita hotu  hare’e liu tan ita nia an”.
Iha diskursu Sekertariu Estado Ilidio Ximenes dehan, programa no prosedimentu SEPFOPE iha V Governu konstitusional hasoru ho komunidade sira hodi bele hatene no rona diretamente, programa sira ne’ebe mak halao tiha ona no plano ne’ebe mak sei realiza iha futuru hanesan Programa Empregu Rural (PER), Formasaun Profissional, no Auto Emprego.
Iha okaziaun ne’e Sekertariu Estado Ilidio Ximenes mos kolia kona ba potensia turismo no kultura  oinsa bele sai nudar fatin turistiku nebe mak furak iha Sub distrito refere.
Inagurasaun ne’e Sekertariu Estado Ilidio Ximenes asina mos termo de entrega projetu ne’ebe hatudu katak projetu ne’e halao remata ona. Obra ne’e kaer husi kompania Pipari Always Unipesoal Lda.
SEPFOPE halao dialogu ho komunidade suku Biqueli
Depois serimonia inagurasaun, Sekertariu Estado Ilidio Ximenes realiza mos dialogu hamutuk ho autoridade lokal husi Suku lima. Administrador Sub Distrito Atauro no komunidade sira hodi rona diretamente halerik no preokupasaun husi komunidade sira iha Sub Distrito ida ne’e nia laran.
Iha dialogu ne’e komunidade sira nia preokupasaun barak liu mak kona ba estrada rural, formasaun professional auto emprego no turismo komunitario ho razaun katak estrada ligasaun entre Sub distrito ba suku, no Aldeia barak liu mak kondisaun etrada la diak, no ligasaun entre Suku no Aldeia seidauk asesu.
Estrada to’o agora iha mos preokupasaun husi Xefi suku sira tamba estrada hirak ne’ebe mak bele asesu tiha ona maibe estrada balun seidauk konstrui bareira.
Autoridade lokal sira husu nafatin ba Governu liu husi SEPFOPE hodi bele konsidera preokupasaun ne’ebe mak hato’o husi komunidade sira liu husi autoridade lokal.
Iha oportunidade ne’e, Xefi suku sira propoin mos ba SEPFOPE hodi bele loke sentru formasaun kona ba hospitalidade, lingua Inglesh no komputador iha Sub distrito Atauro. Iha razaun katak, Atauro iha potensia ba turismo tamba ne’e presija tebes formasaun ba juventude sira hodi bele sai fasilitador informasaun no atendimentu ne’ebe professional ba maluk turista sira ne’ebe mak ba visita Sub distrito ida ne’e.
Autoridade lokal sira husu mos atu bele apoio grupo kooperativa  ba inan feton sira hanesan makina suku ropa, no apoio mos grupo pescas sira atu nune’e bele hakbi’it liu tan sira nia aktividade.
Hafoin rona preokupasaun Sekertariu estado.Ilidio Ximenes promete sei tetu no konsidera preokupasaun husi komunidade sira nian iha Sub Distrito Atauro, maibe husu mos atu preokupasaun sira ne’e tenki liu husi proposta atu nune’e bele kontrola no bele mos justifika.
“Governu liu husi SEPFOPE sei konsidera tamba sub Distrito Atauro iha potensia bot ba turismo. Presija tebes realiza programa SEPFOPE nian iha iha Sub Distrito refere,”dehan Ilidio. ***
PR TAUR SIMU VIZITA DELEGASAUN RUSIA

Posted: 29 Apr 2013 02:21 PM PDT

Radio Liberdade Dili – Monday, 29 April 2013 – Santino Dare Matias
Radio, online  – Prezidente Repúblika, Taur Matan Ruak, Kuarta-feira (24/04) ne’e iha PalásiuPrezidensiál Nicolau Lobato, Dili, simu iha audiénsia vizita kortezia delegasaun ida husi Federasaun Rúsia nian.
Komunikadu imprensa ne’e, radioonline asesu liu husi via email, Departamentu media offier, foin lalais ne’e.
Delegasaun ne’e lidera husi Senadór Arkady M. Chernetsky, akompañadu husi embaixadór Rúsia ba Timor-Leste, hodi lobby Timor-Leste nia pozisaun atu suporta Rúsia sai uma-na’in ba espozisaunmundiál 2020.
Senadór Arkady M. Chernetsky husu ba Xefe Estadu atu fó Timor-Leste nia pozisaun suporta Rúsia ba uma-na’in espozisaunmundiál 2020, ho troka mak Rúsia sei ajuda Timor-Leste nia setór turizmu no edukasaun.
Hatán ba ida-ne’e Xefe Estadu hatete: “Seidauk bele hola pozisaun maibé promete ba delegasaun sira katak iha tempu badak Timor-Leste sei hola pozisaun ba pedidu ida-ne’e.”
Entretantu aproveita delegasaun Russia nia vizita, Xefe Estadu agradese barak ba apoiu sira ne’ebé Rúsia fó ona ba Timor-Leste liuhusi Konsellu Seguransa ONU.
Vizita delegasaun Rúsia nian iha Timor-Leste nu’udar parte ida husi vizita ba Illas Pasífiku no Karaíbas hodi husu apoiu ba Rúsia atu sai uma-na’in ba expo 2020.
Delegasaun ne’e aleinde hasoru malu Xefe Estadu, hasoru malu mós ho Primeiru-Ministru Xanana Gusmão.
Paizes ne’ebé mak sai kandidatura ba expo mundiál 2020 mak hanesanBrazíl, Tailándia, Rúsia no Emiradus Árabes Unidus. Turkia mós iha faze inisiál sai kandidatu, maibérezignaan ona husi kandidatura.***
GOVT URGED TO IMPROVE WELFARE IN BORDERS

Posted: 29 Apr 2013 02:00 PM PDT

Bambang Muryanto, The Jakarta Post, Yogyakarta Fri, April 26 2013
The Indonesian government has been called upon to renew efforts to improve the welfare of people living in its border areas.
During the Cold War, the government was forced to assist people in border areas by helping them establish cooperation and socio-economic transactions with those on the opposite sides of borders.
“But improving the socio-economic conditions of communities in border areas should not only be done through domestic economic empowerment,” said Endi Haryono, a lecturer at Gadjah Mada University (UGM).
Speaking at a discussion organized by the political and administration department of UGM on Saturday, Endi said it was time for the government to change its paradigm from a security approach to a prosperity approach.
This, he said, could take shape by providing the opportunity for border communities to conduct transactions with citizens on the other side of borders.
“In a global era, the policy should be changed. The country’s borders should not separate and imprison residents,” he said.
“It should be reorganized as a region that connects and liberates and as a place to develop democracy.”
The discussion was held to review a book written by Johanes Sanak titled Human Security dan Politik Perbatasan (Human Security and Border Politics).
Endi said Indonesia had vast land and sea territory bordering 10 nations. It has three land borders: West Kalimantan and East Kalimantan, which border Malaysia; Papua, which borders Papua New Guinea; and East Nusa Tenggara, which borders Timor Leste.
Indonesia’s border also includes 92 outer islands, 12 of which are still the subjects of disputes with neighboring countries: Rondo, Sekatung, Berhala, Nipa, Marore, Mianggas, Marampit, Fani, Fanildo, Brass, Batek and Dana.
“All regencies in border areas are still disadvantaged, despite their rich natural resources,” said Endi.
According to Endi, poverty in border areas is attributed to the implementation of a security approach during the New Order regime. Such a model was implemented by every nation during the Cold War.
During the New Order, border areas were regarded as areas that were only secured militarily. Consequently, infrastructure development and socio-economic issues in border areas had been neglected.
“When compared with other developing countries, Indonesia is considered late in opening and ‘softening’ the borders,” said Endi.
However, after the New Order collapsed, the government issued Law No. 43/2008 on the territory of the Republic of Indonesia and formed the National Agency on Border Management (BNPP) in 2010, which is led by the home minister. It is aimed at integrating security and prosperity approaches to border managing border areas.
“However, the condition of the border areas is still yet to see significant progress, as they remain poor and disadvantaged, such as those bordering Malaysia,” said Endi.
Erwin Endaryanta, from UGM’s social and political sciences faculty, said border areas also remained marginalized.
“Don’t consider border areas as regions at the rear, but they must be positioned at the forefront. The government’s logic must be dismantled,” said Erwin who conducted a study in Entikong, West Kalimantan, which borders the Malaysian state of Sarawak.
He said residents living in border areas should be free to interact with communities across the border.
“For example, allow residents in Entikong to get eye treatment in Malaysia, as it would be too expensive to get it in Indonesia,” he said.
“Then the Malaysian hospital could later charge the expenses to the regency administration.”
He added the need for research in border areas to find common interests that could push for prosperity.
The BNPP has issued its Grand Design in Managing Border Areas and Indonesian Border Areas from 2011 to 2025.
The goal is to create a master plan and action plan for the management of border areas in stages, in a systematic, measured and comprehensive manner.
FUNDING NEEDED FOR FOR FISH FARMING IN EAST TIMOR

Posted: 29 Apr 2013 01:49 PM PDT

Carlos Santamaria – Devex – 26 April 2013
The future sustainable development of East Timor relies not only on building infrastructure and modernizing agriculture but also in harnessing a steady supply of fish without depleting its marine resources.
Aquaculture, or harvesting fisheries rather than commercial fishing, could well be the solution to the nation’s food insecurity, said WorldFish scientist Jharendu Pant.
This Malaysian nongovernmental organization is helping East Timor’s Ministry of Agriculture, Forestry and Fisheries hash out a strategic implementation plan for the sector that envisions developing aquaculture to combat chronic malnutrition in one of the poorest countries in Asia-Pacific.
“Fish supplies essential fats for brain development and cognition in the first 1000 days of a child’s life. It also provides anima protein and micronutrients like vitamin A, iron, zinc and calcium,” Pant told Devex.
Fish farms, he added, will also help to drive down the price of the product in the market and thus make it more accessible to the poor.
The plan, detailed in the National Aquaculture Development Strategy, has been financed by the Spanish Agency for International Development Cooperation through a FAO trust fund project and supported by several NGOs, among them WorldFish, and the USAID-funded Coral Triangle Support Partnership, led in East Timor by Conservation International with partners World Wildlife Fund and The Nature Conservancy.
But so far only the strategy has been developed and additional funding is needed for the necessary infrastructure to be built and experts to train traditional fishermen and other Timorese how to grow their own fish.
Although the participants have yet to come up with a figure to make an appeal to donors, Pant stressed that implementation “will require mobilization of both public and private sector investment” and public-private partnership schemes will of course be considered.
“We believe that donors and development partners will be interested in helping East Timor to combat poverty and malnutrition through aquaculture,” noted the scientist.
Inclusive growth
Despite living on an island, most Timorese do not consume much fish or seafood, just an average of 6.1 kilogramsper capita or less than half the global average, according to data compiled by WorldFish.
The goal of the Timorese government is to raise the consumption to 15 kilograms per capita by 2020, and that ambitious target will contribute to inclusive growth, said Pant.
“Development of fish farmer institutions for production, marketing or service provisions among groups or clusters has scope to improve the viability of aquaculture among small holders,” he explained.
The scheme involves formal (cooperatives) or informal groups of farmers that can act collectively when buying inputs and services and selling their produce, thus reducing production costs for the farmers. On top of this, theproject also hopes to empower women and other vulnerable groups who now are not in control of East Timor’s resources and effectively barred from the decision-making process.
Women would be trained along with traditional fishermen and be actively involved in both farming and selling the produce, giving them new and more sustainable livelihoods, especially for the wives of fishermen.
But all of this, Pant insisted, will be impossible without funds, and he hopes donors will be interested once the development strategy implementation plan is ready to be published in October.
“Aquaculture will increase the number of men, women and children in poor and vulnerable households deriving direct nutrition, food and income benefits from fish,” Timorese Minister for Agriculture, Forestry and Fisheries Mariano Sabino said in a statement.
Devex reported in March that building a stronger agricultural sector was among the priorities for the World Bank’s new four-year strategy for East Timor, a country still heavily dependent on oil revenues for its public finances.World Vision also recently included the former Portuguese colony in its drive to double the funding for projects in the Pacific islands.
About 70 percent of the Timorese population are subsistence farmers or fishermen.
Read more development aid news online, and subscribe to The Development Newswire to receive top international development headlines from the world’s leading donors, news sources and opinion leaders — emailed to you FREE every business day.
POSIBILIDADE MOSU PETISIONARIU PNTL IHA 2013?

Posted: 29 Apr 2013 06:37 AM PDT

Tempo Semanal – Monday, 29 April 2013 – BREAKING NEWS AND EXCLUSIVE TEMPO SEMANAL
Membru PNTL Balun Halo Petisaun ba PM Xanana Tan La Satifas ho Promosaun Hanesan mos ho Situasaun ne’ebe Petisionariu ho F-FDTL iha 2006 ne’ebe dehan sira hetan diskrimiasaun kona ba hetan promosaun ba sira nia divizas.
Iha tinan 2006 mosu petisionariu F-FDTL hamutuk nain 598 ne’ebe to’o ikus mai kait ba krize politik hodi hamonu nasaun RDTL ninia reputasaun iha komunidade internasional no agora daudaun mosu hikas fali tan grupu PNTL ne’ebe hanaran aan sai hanesan vitima ba promosaun extra ordinariu.
Iha semana kotuk grupu ne’e hato’o ona sira ninia deklarasaun por eskrita ne’ebe dirije ba Primeiru Ministru V Governu Konstitusional ne’ebe mos hanesan Ministru defeza no seguranca. Dokumentus ne’e asina husi por voz nain rua maka Sr. Mauriba ho Sr. Panglima.
Iha dokumentus ne’ebe ninia kopia haruka mos ba Presidenti da Republika, Presidenti Parlamentu Nasional, Presidenti Tribunal Rekursu, Sekretariu do estadu Seguranca ho Komandante jeral PNTL ne’e, grupu refere lamenta ho servisu komisuan de promosaun PNTL ninian ne’ebe tuir grupu ne’e alega katak komisaun independent ba Promosaun husu de’it ba Polri atu mai halo phisikotes ba PNTL nune’e sira husu atu Ministru defesa no seguranca, Xanana Gusmao atu hapara ona komisaun independenti ninia servisu no kona ba asuntus promosaun entrega de’it ba komando PNTL mak hala’o.
Grupu ne’e mos hato’o sira nia sujestaun ba PM Xanana hodi extende tan mandatu Komandante Jeral PNTL atual, DR. Longuinhos Monteiro ne’ebe tuir konsello dos Ministru iha fulan Marsu extende tan de’it fulan tolu.
Razaun ne’ebe grupu ne’e apresenta ba PM Xanana maka dehan DR. Longuinhos Monteiro hanesan ema independent no iha kuinesimentu ba lei.
Tuir fontes jornal Tempo Semanal ne’ebe besik liu ba grupu ne’e hateten katak iha semana ne’e ninia laran sei mosu protesta husu grupu ne’e.
“Ami ninia membru ladun barak maibe kuandu iha semana ne’e maka konsege halo protesta maluk sira bele haree ninia numeru karik menus husi maluk sira uluk halo ne’e ga ami maka barak liu,” dehan membru PNTL ida ne’ebe involve mos iha grupu refere maibe husu atu labele publika ninia naran.
Grupu ne’e mos esplora maka’as sentiment veteranus sira nian tan ba sira ne’e mos maioria ema ne’ebe involve iha frente armada no frente klandestina. Iha ninia surat ba PM Xanana Gusmao, grupu ne’e mos relata katak dala ruma eis komandante en xefe hateke ba ninia emar sira uluk terus hamutuk ho nia la hetan ona.
Iha 2006 hafoin de manifestasaun loron hat ne’ebe hahu husi (24-28/04) hodi hamosu violencia nune’e komunidade balun mos preokupa.
Presidente timorense alerta que quem “ignora o passado, caminha cego no futuro”

Posted: 29 Apr 2013 06:27 AM PDT

JCS – MLL – Lusa
Díli, 29 abr (Lusa) – O Presidente timorense, Taur Matan Ruak, afirmou na apresentação das cartas credenciais do novo embaixador de Portugal em Timor-Leste que aquele que “ignora o passado, caminha cego no futuro”.
“Nesta histórica data, sinto-me feliz e honrado por receber as cartas credenciais do mais alto representante diplomático de um país irmão, com quem temos laços profundos. Não há povos sem passado, e quem ignora o passado caminha cego no futuro”, afirmou Taur Matan Ruak na cerimónia que decorreu em Díli a 25 de abril, e que hoje foi revelada em comunicado.
Na ocasião, o Presidente timorense, que falava no Palácio Nicolau Lobato, a sede da Presidência da República, salientou também o papel de Portugal na cooperação com Timor-Leste.
“No presente, Portugal é um dos maiores parceiros de desenvolvimento em Timor-Leste. A cooperação bilateral desdobra-se em vários setores estratégicos em que se assenta a construção do nosso Estado. Da Educação à Justiça, passando pela cooperação na área da Defesa e Segurança, para não falar da língua, e da sua importância no aprofundamento da nossa identidade nacional e geopolítica, Portugal está presente”, disse.
Taur Matan Ruak falou também sobre o futuro desenvolvimento de Timor-Leste e da adesão à ASEAN, um “bloco de países com uma considerável importância na região geopolítica em que o (nosso) país se encontra inserido”.
O chefe de Estado referiu-se ainda à cimeira da Comunidade de Países de Língua Portuguesa que terá lugar no próximo ano em Timor-Leste e lembrou que, neste “desafio” como noutros, Portugal tem dado o seu apoio, havendo espaço para o reforço da cooperação bilateral.
“Em todos estes desafios, contamos com o apoio do vosso país. Com relevo especial para o reforço das nossas instituições de Defesa e Segurança, dos setores da Educação e Justiça e no campo da formação profissional. Estou convencido de que existe um amplo campo para alargar a nossa cooperação bilateral.”
O embaixador Manuel António de Jesus substitui no cargo Luís Barreira.
TIMOR-LESTE A UM PASSO DE ADESÃO À ASEAN

Posted: 29 Apr 2013 04:24 AM PDT

29 de Abril de 2013, 10:18
O presidente indonésio Susilo Bambang Yudhoyono cumpriu o seu compromisso de promover Timor-Leste, na adesão à ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático), na 22ª cimeira, em Bandar Seri Begawan, no Brunei Darussalam, segundo o Jakarta Post.
O Ministro dos Negócios Estrangeiros Marty Natalegawa, disse na passada sexta-feira, que os dez Estados-membros concordaram com a participação de Timor-Leste nas suas próximas reuniões, graças  à Indonésia.
“Nós ainda estamos à espera de uma decisão formal”, disse Marty no Aeroporto Halim Perdanakusuma depois de chegar de Bandar Seri Begawan.
Marty Natalegawa faz parte de uma delegação que acompanha o presidente Susilo Bambang Yudhoyono nos cinco dias da viagem da ASEAN, que incluiu também visitas de Estado a Singapura e Birmânia
A aprovação da candidatura de Timor Leste para ter um papel mais importante na ASEAN também foi incluído na Declaração da Cúpula do presidente.
“Fomos encorajados pelo progresso nas discussões do Conselho de Coordenação ASEAN e o seu Grupo de Trabalho, em todos os aspectos relevantes relacionados com a aplicação de Timor-Leste, bem como sua possível implicação na ASEAN, e concordou na possibilidade de participação de Timor-Leste em actividades da ASEAN no contexto da sua necessidade de capacitação “, segundo a declaração, da qual o Jakarta Post teve acesso.
SAPO TL com Jakarta Post 
Veículos doados pela UNMIT foram distribuídos pelos Ministérios timorenses

Posted: 29 Apr 2013 04:19 AM PDT

29 de Abril de 2013, 16:12
O Ministério das Finanças representado pelo Director-Geral das Finanças, António Freitas, realizou uma cerimónia de distribuição de veículos doados pela UNMIT (Missão das Nações Unidas em Timor-Leste) aos ministérios e agências estatais, no dia 16 de Abril de 2013, em Balide, segundo o comunicado no portal do governo.
António Freitas disse que os veículos foram distribuídos com base nas propostas dos ministérios no Orçamento Geral do Estado (OGE)  de 2013 e no mérito das agências.

No total serão distribuídos 217 veículos, com a previsão da entrada do segundo lote para breve.
Os ministérios que receberam os veículos foram o MPCM (Ministério do Estado e Presidência do Conselho de Ministros), o MDS (Ministério da Defesa e Segurança, o MNEC (Ministério dos Negócios Estrangeiros), ME (Ministério da Educação), o MS (Ministério da Saúde), o MJ  (Ministério da Justiça), o MSS (Ministério da Solidariedade Social), o MOP (Ministério das Obras Públicas), o MPRM (Ministério do Petróleo e Recursos Naturais), MF (Ministério das Finanças), MTC (Ministério dos Transportes Públicos) e o MCIA (Ministério do Comércio, Indústria e Ambiente), incluíndo o Gabinete do Presidente da República, do Primeiro-Ministro, do Vice-Primeiro-Ministro, do Parlamento Nacional, algumas secretarias de Estado, o Tribunal, a Procuradoria Geral da República, CAC (Comissão Anti-Corrupção), entre outras agências estatais.
O Director-Geral das Finanças assegurou que os veículos, a maioria modelo Prado, estão em bom estado. O mesmo solicitou, em nome do Primeiro-Ministro e da Ministra das Finanças, para manterem os veículos recebidos em bom estado e verificarem cuidadosamente, para evitarem futuras reclamações.
As agências que recepcionaram as viaturas serão responsáveis pelo o estado das mesmas e não o Ministério das Finanças.
António Freitas explicou ainda que em vez de comprar viaturas para 2013, que no OGE2013, está previsto uma manutenção para estes veículos.

SAPO TL com Governo 

Timor-Leste: CCI recomenda aos empresários realização de obras com qualidade

Posted: 29 Apr 2013 04:11 AM PDT

29 de Abril de 2013, 12:22
O Vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria (CCI), Jaime dos Santos disse que a sua instituição recomendou a todos os empresários que sejam responsáveis pelos projectos que realizam.
Jaime dos Santos disse para os empresários fazerem os seus projectos com qualidade, uma vez que irão ficar para as gerações futuras.
O mesmo salientou que a CCI-TL assume totalmente a responsabilidade dos projectos por isso quer projectos com boa qualidade.
O deputado Felisberto Monteiro da bancada Fretilin questionou sobre a irrigação do distrito de Viqueque, nomedamente o projecto feito em Buanaruk que não tem qualquer qualidade porque após sua realização a construção danificou-se.
Felisberto aproveitou e pediu ao Estado que tomasse medidas em relação a essas companhias, que as chamasse à responsabilidade por projectos que não têm qualidade.
Gstão de Sousa, anteriormente, havia dito que o Ministério das Obras Públicas (MOP) tinha identificado algumas companhias que realizavam obras sem qualidade.
Actualmente já existe uma lei que qualifica os serviços prestados pelas companhias.
SAPO TL com STL
Timor-Leste: AGRICULTURA E TURISMO SÃO SETORES IMPORTANTES PARA A NAÇÃO

Posted: 29 Apr 2013 04:04 AM PDT

29 de Abril de 2013, 16:52
Os sectores de agricultura e turismo são muitos importantes para Timor-Leste pois poderão reduzir a taxa de desemprego no país.
O vice-presidente do Parlamento Nacional, Adérito Hugo disse que Timor está dependente do investimento único do orçamento de Estado e se o mesmo está a investir na agricultura e turismo este deverá ter um aumento na economia.
O director da ONG Luta Hamutuk Merício Akara disse que o crecimento económico é sustentável e tem um balanço preciso de um investimento da parte do Governo, nomeadamente nos sectores de produtividade como agricultura e turismo, visto que orçamento do país está dependente, actualmente, só do petróleo. Por essa razão, o Governo deve desenvolver as áreas de turismo e agricultura. O país não pode depender só de importação, disse Akara.
SAPO TL com STL
Jornalistas da CPLP defendem observatórios para denúncia de atropelos à profissão

Posted: 29 Apr 2013 03:59 AM PDT

PMA – MLL – Lusa
Maputo, 29 abr (Lusa) – Jornalistas da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) defenderam, no fim de semana, em Maputo, a criação de observatórios da liberdade de imprensa em cada um dos países, para a denúncia dos atropelos à liberdade de imprensa.
A necessidade de observatórios da liberdade de imprensa foi enfatizada na declaração final do Congresso Internacional dos Jornalistas de Língua Portuguesa, realizado na semana passada em Maputo.
No documento, os jornalistas da CPLP exigem que os poderes políticos e económicos dos estados membros da organização se abstenham de interferir no exercício da profissão.
“Os participantes ao congresso manifestam preocupação pela excessiva concentração de órgãos de comunicação social no mesmo grupo ou grupos económico-financeiros, alinhados com o poder estabelecido, impedindo dessa forma a existência do pluralismo informativo, da diversidade de meios e do são exercício do contraditório”, dizem os profissionais da comunicação social da CPLP.
Na declaração, os jornalistas repudiam a alegada violação dos direitos dos jornalistas na Guiné-Bissau, em Angola e em Moçambique, exortando os poderes destes países para garantirem o respeito da liberdade de imprensa.
“Os jornalistas manifestam também a sua preocupação com a onda de despedimentos que tem afetado muitos profissionais em Portugal e no Brasil”, lê-se no documento.
Quinze membros de ordem católica da Austrália investigados por pedofilia

Posted: 29 Apr 2013 03:55 AM PDT

DM – DM – Lusa
Sydney, Austrália, 29 abr (Lusa) — Quinze membros de uma ordem católica australiana estão a ser investigados, no âmbito de um inquérito parlamentar, pela suspeita de pedofilia, noticiam hoje os meios de comunicação social.
Representantes da ordem testemunharam diante da comissão do Parlamento do estado de Victoria, no sudoeste do país, que tem vindo a investigar as denúncias de alegados casos de abusos sexuais de menores no seio da Igreja Católica, entre os anos de 1940 e 1980, segundo a cadeia televisiva ABC.
A ordem em causa presta serviços a crianças com deficiências e com problemas de aprendizagem na Austrália.
Tim Graham, um dos membros da ordem, esclareceu diante da comissão que a primeira queixa por abuso sexual foi apresentada em 1993, mas que, até ao momento, não foram apresentadas acusações contra os alegados agressores.
O responsável manifestou o seu horror face às acusações, admitindo que se cometeu no seio da ordem “um erro sistemático em determinar da responsabilidade dos alegados delitos praticados principalmente nas décadas de 1960 e 1970”.
“Há 31 casos e um só já é suficiente mau”, apontou o religioso, referindo-se ao número de crimes sexuais que se encontram a ser investigados pelas autoridades australianas.
Tim Graham assegurou que a ordem está a investigar as denúncias e negou que exista uma rede de pedófilos na ordem, que contou com total de 60 religiosos entre os anos de 1940 e 1980.
O parlamento de Victoria começou a investigar, no ano passado, os casos de abusos sexuais cometidos no seio de diversas organizações, incluindo religiosas, enquanto uma comissão governamental investiga estes crimes a nível nacional.
A Igreja Católica admitiu, em setembro, cerca de 620 casos de abusos sexuais contra menores cometidos por sacerdotes na Austrália desde a década de 1930.
Presidente chinês qualifica sindicatos como “importante pilar do regime socialista”

Posted: 29 Apr 2013 03:51 AM PDT

AC – DM – Lusa
Pequim, 29 abr (Lusa) – O presidente chinês, Xi Jinping, qualificou os sindicatos como “um importante pilar do regime socialista”, disse a imprensa oficial hoje, primeiro de três dias de folga proporcionados pelas celebrações do 1.º de maio.
“Os sindicatos devem ouvir os trabalhadores e proteger os seus legítimos direitos e interesses, incluindo os dos trabalhadores oriundos das aldeias”, disse Xi Jinping, numa cerimónia comemorativa do Dia Internacional do Trabalhador realizada no domingo na sede da Federação dos Sindicatos Chineses, em Pequim.
Xi Jinping é também secretário-geral do Partido Comunista Chinês, o mais importante cargo político da China, e presidente da Comissão Militar Central.
O líder chinês descreveu os sindicatos como “uma ponte entre o Partido Comunista e os trabalhadores”.
“A classe operária é uma firme e segura base para o Partido Comunista Chinês, assim como a principal forla na edificação de uma sociedade moderadamente próspera”, disse Xi Jinping, citado pela agência noticiosa oficial chinesa Xinhua.
No início da decada de 1990, o PCC converteu-se à economia de mercado e desde há cerca de dez anos, os empresarios privados já podem filar-se no Partido, mas, constitucionamente, a China continua a ser “um Estado socialista, liderado pela classe trabalhadora”.
Sábado e domingo passados foram dias normais de trabalho na China, permitindo juntar duas folgas de compensação ao feriado do 1.º de Maio, que ocorre, este ano, numa quarta-feira.
You are subscribed to email updates from TIMOR LOROSAE NAÇÃO
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.
Email delivery powered by Google
Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610

PNETLiteratura em maio

lista de autotres a ler no PNETliteratura – CRONOGRAMA DE MAIO DE 2013

 

 

 

 

 

NOTA: O ENVIO DOS TEXTOS DEVERÁ, SEMPRE QUE POSSÍVEL, SER FEITO OITO DIAS ANTES DA DATA DE PUBLICAÇÃO

 

 

 

 

 

Editorial (António Pacheco) – 1/5.

 

Observatório de tradução (Maria do Carmo Figueira) – 30/5.

 

Observatório do humor (João Moreira de Sá) – 27/5.

 

Balanços Literários/ Ana Cristina Leonardo – 28/5.

 

Balanços Literários / Vasco Graça Moura – 1/5.

 

Balanços Literários/ Maria J. Cantinho – 4/5.

 

Balanços Literários/ Raphael Vidal – 9/5.

 

Balanços Literários/ José Mário Silva – 6/5.

 

Balanços Literários/ Ana Almeida – 7/5.

 

Balanços Literários/ André Barata – 8/5.

 

Inéditos ficcionais de Gonçalo M. Tavares – 11/5.

 

Inéditos ficcionais de Germano Almeida – 12/5.

 

Inéditos ficcionais de Nelson Saúte – 13/5.

 

Inéditos ficcionais de Vítor Burity da Silva – 14/5.

 

Inéditos ficcionais de Cecília Prada – 16/5.

 

Inéditos ficcionais de Lídia Jorge –  18/5.

 

Colaboração Literária de Patrícia Reis – 19/5.

 

Colaboração Literária de Henrique Monteiro – 20/5.

 

Colaboração Literária de Mário de Carvalho – 23/5.

 

Colaboração Literária de Onésimo T. Almeida –22/5.

 

Colaboração literária de Luís Carmelo – 28/05.

 

Colaboração Literária de Rui Zink – 25/5.

 

Colaboração Literária de Cristina Carvalho – 3/5.

 

Colaboração Literária de Literária de Miguel Real –27/5.

 

Colaboração literária de João Tordo – 10/5.

 

Colaboração literária de Richard Zimler – 3/5.

 

Colaboração Literária de Luisa Mellid-Franco – 4/5.

 

Colaboração Literária de Mónica Marques – 5/5.

 

Colaboração Literária de Pedro Maciel – 6/5.

 

Colaboração Literária de Vítor Oliveira Jorge – 7/5.

 

Colaboração Literária de Daniel de Sá – 2/5.

 

Colaboração Literária de Vamberto Freitas – 5/5.

 

Colaboração Literária de Eduardo Bettencourt Pinto – 4/5.

 

Colaboração Literária de Francisco Rogido – 13/5.

 

Colaboração Literária de Urbano Bettencourt – 14/5.

 

Colaboração Literária de Álamo Oliveira – 15/5.

 

Colaboração literária de Álvaro Cardoso Gomes – 18/5.

 

Colaboração Literária de Mário Rufino – 19/5.

 

Colaboração Literária de Paulo Serra – 24/5.

 

Colaboração Literária de António Ganhão – 21/5.

 

Colaboração Literária de Ercília Pollice – 25/5.

 

Inéditos/ Livro de Eros de Casimiro de Brito – 29/5.

 

Inéditos/ Viagens… de Manuela Degerine – 27/5.

 

Manuel Brito (A Escolha do Editor) – 29/5.

 

Colaboração de Chrys Chrystello (Lusofonia e açorianidade) 17/05.

 

Folhetim (II sequência de novelas de Carlos Pessoa Rosa) 4/5, 5/5, 11/5, 12/5, 18/5, 19/5, 22/5, 26/5.

 

 

 

Outras Rubricas:

 

Mini e Auto-entrevistas – Publicação dependente do envio de material por parte das editoras.

 

Literatura num Minuto – Rubrica de inscrição rápida. Todos os colaboradores poderão, sempre que entenderem, enviar textos com um limite máximo de referência de 250 palavras.

 

Poesia – Rubrica de publicação de poesia preferencialmente inédita.

antologia poética

antologia literária participação sem custo

in diálogos lusófonos

A Editora LiteraCidade está convidando autores para participar do volume 2 do livro 100 poemas 100 poetas.

Os autores interessados em participar devem enviar poemas (não precisa ser inéditos) de até 14 linhas (contando as linhas entre estrofes.

O envio deve ser necessária e unicamente através do site até o dia 10 de maio. Não há custo, não é cooperativado, nem será obrigatório comprar exemplares depois.

O prazo é 10 de maio, mas até o momento a Editora já recebeu mais de 450 trabalhos. De modo que já estuda a possibilidade de publicar também o volume 3.

http://literacidade.com.br/projetos/100100-poetas-volume-2/

Receba nosso caloroso abraço neste mês de maio que inicia.

Abilio Pacheco – organizador

www.abiliopacheco.com.br

timor lorosae notícias 29/4/13

TIMOR LOROSAE NAÇÃO – diário


“Sede de abril” vence concurso de arte para celebrar revolução dos cravos em Macau

Posted: 28 Apr 2013 07:29 AM PDT

JCS (FV) VC – Lusa
Macau, China, 25 abr (Lusa) – O trabalho “sede de abril”, da autoria da jovem Carolina Bettencourt foi o vencedor do concurso de arte da Casa de Portugal em Macau para assinalar a data na atual Região Administrativa Especial chinesa.
O quadro, que aproveita o braço de uma guitarra como parte da obra, integra outros elementos tradicionais do 25 de Abril como os cravos que servem de base a imagens da época, e de Portugal como uma garrafa de vinho “Revolução”, colheita de 1974, e está agora patente no Lvsitanvs, o espaço de exposição e gastronomia da Casa de Portugal.
Em declarações à agência Lusa, Amélia António, presidente da Casa de Portugal, que hoje juntou cerca de 70 pessoas a celebrar os 39 anos da revolução, salientou a importância dos eventos culturais que se realizam em Macau e sobre o 25 de Abril considera “ser preciso não deixar esquecer todos os ideais que levaram a que a revolução militar fosse possível”.
“E mais importante se torna numa época em que o país está a viver tempos difíceis sendo, por isso, necessário relembrar e manter vivos o espírito e os ideais” dos militares.
Amélia António acrescentou ainda que cabe a todos os portugueses “fazerem tudo o que for possível para que as novas gerações entendam, tenham oportunidade de viver e, mais importante, sejam capazes de defender o espírito do 25 de Abril”.
Também em Macau, e além de outras iniciativas de grupos de amigos que habitualmente se juntam para assinalar o 25 de Abril em restaurantes locais e onde a luta pela liberdade nunca escapa às conversas informais que se prolongam noite dentro, o Instituto Português do Oriente (IPOR) assinalou a data com a exibição dos filmes “Cravos de Abril”, “Capitães de Abril” e “Cinco Dias, Cinco Noites”.
As sessões cinematográficas começaram na quarta-feira com a projeção de “Cravos de Abril”, de Ricardo Costa, e “Capitães de Abril”, de Maria de Medeiros.
Para sexta-feira está prevista a projeção de “Cinco Dias, Cinco Noites”, de José Fonseca e Costa.
Integrado também nas comemorações, mas destinado a assinalar o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, celebrado a 23 de abril, o Instituto Português do Oriente tem desde 19 de abril, numa iniciativa que se prolonga até 03 de maio, a decorrer uma mini-feira do livro com preços mais acessíveis.
DRUG TRAFFICKING IN TIMOR-LESTE

Posted: 28 Apr 2013 07:15 AM PDT

ETLJB 27 April 2013 – Illegal drug trafficking and use in East Timor is a significant social problem in East Timor that has become increasingly problematical in recent times. Over the last year, there have been significant seizures of illegal drugs and arrests of traffickers and those in possession of illegal drugs.
According to a report in the leading media publication, Tempo Semanal in November last year, between August and November of that year, dozens of foreigners, including Indonesians as well as citizens of African and European countries were arrested in connection with narcotics smuggling in East Timor. The total value of the drugs that have been seized was estimated to be between US$10 – $15million.
At that time, the Prime Minister, Xanana Gusmao, was reported to have acknowledged that East Timor was becoming a transit zone for criminals smuggling drugs into both Indonesia and Australia.
On 17 December 2012, the State Secretary of Defence, Julio Tomas Pinto, was quoted in Jornal Nacional Diario as saying that the Timorese military forces were to be deployed at the border with Indonesia to combat drug traffickers and networking. According to the leading security monitoring civil society organisation, Fundasaun Mahein (FM), that constituted “a kind of declaration of a war against drugs in East Timor”, in much the same was as Western nations have declared wars on drugs.
At the meeting of the Timor-Leste Council of Ministers on April 23, 2013, the Government approved a Draft Resolution approving the Adhesion to the United Nations Convention Against Illicit Traffic in Narcotic Drugs and Psychotropic Substances and at a meeting between the Minister for Justice, Dionisio Babo, the Minister for Foreign Affairs and Cooperation, Jose Luis Guterres and State Secretary for Security, Francisco da Costa Guterres on 25 April, the Minister for Justice, Dionisio Babo said that many young Timorese were currently taking drugs which had been illegally distributed.
“Young people here have started using drugs and it will destroy our society,” Minister Babo told journalists.
He added that, the Government was cooperating with neighboring countries in order to help assist East Timor through their laboratories for analysing drugs. Sources: Televizaun Timor-Leste 26 April 2013; ETLJB Edited by Warren L. Wright

Community Land in East Timor: Compensation for Acquisition for Public Purposes

Posted: 28 Apr 2013 07:18 AM PDT

ETLJB 28 April 2013 – A recent press release from the Government of East Timor reported that an agreement had been reached regarding the surrender of 1,113 hectares of community lands in Covalima District for the public purpose of a government supply base. The press release stated that the agreement had been reached after a long period of consultation with the local community. It also noted that the the benefits for the community from the supply base project would “come in the form of jobs for local people during both the construction and operational phases, landowners are to be recompensed through a 10% share of profit from the project.” In addition, the press release asserted that that compensation “is a far more significant share than has been offered to traditional landowners in other countries including Australia.”
The reference to the system of compensation to traditional landowners in Australia is an interesting one that warrants some closer consideration and scrutiny.
Firstly, it is not really apposite to compare the relative positions of traditional land owners in East Timor and Australia. This is because in Australia, the ownership of land and the existence of other rights over land by indigenous Australians such as fishing, hunting and gathering, sacred sites and so forth are actually enshrined in the law. In addition, there are juridically-constituted entities such as indigenous land councils that represent and act on behalf of the indigenous communities when the government wants to acquire traditional lands for public purposes or private enterprise wishes to exploit natural resources on native title lands or undertake pastoral or tourism ventures on native title land. All of this puts the Australian indigenous communities in a much stronger bargaining position vis-a-vis the state or private capital whereas neither of those things exists in East Timor. There is no law that acknowledges community land ownership or that constitutes bodies to represent the communities who have owned the land (in so far as ownership of community land can be approximated to the Western legal notions of property ownership) since time immemorial.
In Australia, following the famous Mabo decision of the High Court in 1992 that native title continued to exist on the continent, the Native Title Act 1993 (Cth) enable Aboriginal people to lodge claims for native title. Native title is a concept recognised by the common law and legislation which establishes that a particular group holds specific native title rights and interests.
There is no such law or jurisprudence in the legal system of East Timor. Furthermore, if any Australian government acquires the native title land absolutely for a public purpose, then it is liable to pay just compensation to the community – with just compensation being the current market value of the land.  Current market value is the international standard for compulsory acquisition of property and, in the case of the federal Government in Australia, it is constitutionally-bound to pay compensation on just terms. Again, there is no such law or jurisprudence in East Timor.
There is a host of other questions arising from this development. For example, with whom did the Government of East Timor negotiate? Who represented the affected communities and what rights did they have to enter into agreements with the government about the community’s lands? Was the community afforded access to legal advice? Was the agreement written in a language that is understood by the community? What exactly are the terms of the agreement and what happens, for instance, if no profits are generated from the project? Ten percent of nothing is nothing.
What are those profits and how are they expected to be generated? How will the 10% be held, managed and distributed for the benefit of the community? Have the community’s land rights been extinguished forever or do some rights continue to co-exist with the rights that have been ceded to the government by the agreement?
All such questions are comprehensively dealt with under the law in Australia.
It is, therefore, in this writer’s view, exceedingly disingenuous of the government of East Timor to draw any comparisons to the traditional land ownership in East Timor and that in Australia.
Author: Warren L. Wright. Fomer Solicitor to the NSW Aboriginal Legal Service, former UNTAET Property Rights Adviser; former Senior Legal Officer, NSW Land Titles Office.

TIMOR LESTE ONE STEP CLOSER TO ASEAN MEMBERSHIP

Posted: 28 Apr 2013 04:56 AM PDT

Bagus BT Saragih, The Jakarta Post, Jakarta – Sat, April 27 2013, 10:13 AM
President Susilo Bambang Yudhoyono had fulfilled his commitment to promote Timor Leste’s ASEAN membership during the 22nd summit in Bandar Seri Begawan in Brunei Darussalam, a minister says.
Foreign Minister Marty Natalegawa said on Friday that the ten member states had agreed to Timor Leste’s participation in its next meetings thanks to lobbing by Indonesia.
“We are still waiting for a formal decision,” Marty said at Halim Perdanakusuma Airport after arriving from Bandar Seri Begawan.
Marty was part of a delegation accompanying President Susilo Bambang Yudhoyono on his five-day ASEAN tour, which also included state visits to Singapore and Myanmar.
The approval of Timor Leste’s bid to have a greater role in ASEAN was also included in the summit Chairman’s Statement.
“We were encouraged by the progress in discussions by the ASEAN Coordinating Council [ACC] and the ACC Working Group [ACCWG], on all relevant aspects related to the application by Timor Leste, as well as its possible implication on ASEAN, and agreed to explore the possibility of Timor Leste’s participation in ASEAN activities within the context of its need for capacity building,” the statement read. (ebf)
“ALIAS RUBY BLADE”: FROM FREEDOM FIGHTER TO FIRST LADY

Posted: 28 Apr 2013 04:51 AM PDT

A new film tells the tale of Kirsty Sword Gusmão and the East Timorese liberation struggle.
Life doesn’t often mirror fairytales, but it did for Kirsty Sword Gusmão, whose trajectory from a grassroots activist to the first lady of a fledgling nation is a modern-day twist on the peasant-to-princess archetype.
Alias Ruby Blade, which opened at the Tribeca Film Festival on April 19, tells Kirsty’s amazing story. Born in Australia in 1966, she moved to Indonesia in the early 90’s to work on human rights and humanitarian aid. There, she got swept up in the escalating independence movement in East Timor, which had been violently occupied by Indonesia since 1975. Kirsty became enchanted with the rebellion’s “enigmatic poet warrior,” Xanana (pronounced Sha-na-na) Gusmão, and began to exchange letters with him. By the time the two met, four years later, they were in love.
The Gusmão’s larger-than-life story is at once forbidden affair, revolutionary triumph, and suspenseful political espionage. The film opens with a flash of archival newsreels: starving children, unconscionable violence, heavily armed militias. In 1990, East Timor was in the midst of a dire human-rights crisis when 23-year-old Kristy arrived as an activist. She was keen on exploring the turbulent territory, which had just recently allowed a trickle of tourists. “I derived some sense of enjoyment from the fact this was going to be very risky; that appealed to me,” she admits in a narration. Soon after, she returned with an undercover documentary crew who caught on tape a brutal attack on civilians that made nightly news across the globe.
“It’s really made for people to have an entry point into the story,” says director Alex Meiller of the film’s historical synopsis. (His wife, Tanya, produced the movie.) The Meillers first worked in East Timor in 2005 as filmmakers for the United Nations. They began mulling a longer project on the region, and came across Kirsty’s autobiography, which immediate rang “alarm bells.”
Flying out to Dili, the capital of Timor-Leste, the Meillers met Kirsty and she handed them boxes of old tapes. She had planned to someday make a film herself of what she calls “the David and Goliath struggle” in East Timor, and had intimately documented everything—from her first trips to the videos of everyday life she and Xanana would send each other while he was in prison. “It was all about enhancing the sense of—while separate—a shared life together, in the most strange and awful circumstances,” Kirsty says in the movie of their correspondence.
“When we saw the footage we were blown away,” Alex remembers. As they began making contacts for the film, the Meillers found there was a feeling of incredulity that no one had told the story before. They had wanted to capture the narrative of East Timor’s rise to independence, and now they had the perfect subject through which to tell it.
Through interviews with the era’s high-ranking activists and political figures, the documentary pieces together the trappings of an unlikely political love story. Xanana, a charismatic leader, had been directing the revolution from a hideout in the forest for 16 years before he was captured by government troops. Kirsty, working from the Indonesian capital and adopting the alias Ruby Blade (“everyone in resistance has a code name,” she says), begins couriering messages to and from Xanana’s prison cell in Jakarta. Soon, she became a conduit of resistance activity: her house became a meeting point, and Xanana’s orders come through her lips. “The way she is—very refined, elegant—who can believe she can be mischievous?” a fellow activist jokes in the film. (Inevitably, her phone was tapped and her home graced with visits by Indonesia’s national intelligence.)
For those viewers unfamiliar with East Timorese history (and that’s most of us), we don’t initially know whether Xanana survives his jail time and the subsequent bloody rebellion. The creators say the suspense was intended. In two scenes, Kirsty is seen surveying the country from a helicopter. At that point, Mellier says, “you don’t know if she’s flying over a place where a terrible tragedy has occurred or whether she’s flying over a place where there was a great triumph. But in reality, it was both.”
Finally, the United Nations stepped into the conflict. Then-Secretary General Kofi Annan brokered agreements that ultimately resulted in the Timorese voting for sovereignty on May 20, 2002. Even though a vicious uprising followed, Xanana and Kirsty were allowed to return to East Timor for the first time in years. “We are human being and like everyone else in the world we have the right to be free and now we are free,” Xanana bellowed to a crowd upon his arrival. Soon—spoiler alert—Xanana was elected to be new president of the Democratic Republic of Timor-Leste, and Kirsty became its first lady.
Today, Xanana—clad in a suit and neatly trimmed goatee—serves as prime minister and Kirsty strives to be a normal Timorese mom. Despite her status (she’s also chair of the UNESCO National Education Commission in Timor-Leste and founder of the Alola Foundation, which supports health and education access for women and children), she spends each morning loading her three boys into her truck and driving them to school. (She is currently in Australia undergoing treatment for cancer.)
“My hope is that viewers will be infected with the passion that inspired me to dedicate a large chunk of my life to the East Timorese struggle, and want to find out more for themselves,” Kirsty wrote in an email to The Daily Beast. “I believe this film refocuses attention on this little half-island nation in a very intimate and special way.”
“The past was the past, but the story of Timor is a story of people working together and a story of reconciliation,” Meiller says. He and his wife hope to turn the film into an education outreach program that tours Timor-Leste once Kirsty finishes her treatment and returns home. Tanya Meiller says she hopes the more salacious aspects of the tale—the forbidden love and espionage parts—will encourage interested viewers to learn about the issues still affecting Timor-Leste.
“Her point of view is she just did what she felt was right in the circumstances, “Alex Meiller adds. “Our question became: Would anybody do what she did under the circumstances? And we hope people think about that when they leave the theater.”
VISITA DE XANANA GUSMÃO À TAILÂNDIA

Posted: 28 Apr 2013 04:38 AM PDT

José Martins – Aqui Tailândia
Primeiro Ministro e Ministro da Defesa e Segurança da República Democrática de Timor-Leste 25-29 abril 2013
Sr. Kay Rala Xanana Gusmão, Primeiro Ministro e Ministro da Defesa e Segurança da República Democrática de Timor-Leste, está a efectuar uma visita oficial ao Reino da Tailândia de 25-29 abril 2013, comoconvidado do Governo Real da Tailândia. A visita faz parte do périplo a países membros da ASEAN após sua reeleição como Primeiro-Ministro da República Democrática de Timor-Leste em 8 de agosto de 2012. ATailândia é o primeiro destino dos países da ASEAN.
O primeiro-ministro Gusmão será acompanhado por 20 pessoas, incluindo o ministro das Finanças, o Ministro da Educação, o Ministro do Turismo e Secretário de Estado dos Negócios da ASEAN.
A cerimonia oficial de boas-vindas foi realizada em 26 de Abril de 2012, no Palácio do Governo, seguido de um encontro entre os dois primeiros-ministros. O primeiro-ministro da Tailândia, Yingluck Shinawatra também esteve presente no jantar em homenagem ao primeiro-ministro Gusmão e sua delegação. Além do programa da visita bilateral, o primeiro-ministro de Timor-Leste está agendado para participar da 69 ª Sessão da Comissão UNESCAPno Centro de Convenção das Nações Unidas em 29 de abril de 2013.
Tailândia e Timor-Leste comemorou o 10 º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas no ano passado. A visita oficial do Sr. Kay Rala Xanana Gusmão irá abrir uma outra década de relações estreitas entre a Tailândia e Timor-Leste, onde ambos os lados irão reforçar a cooperação em áreas de interesse mútuo, tais como o desenvolvimento sócio-económico, comércio, investimento e turismo.
Fonte Press Releases : Official Visit of Mr. Kay Rala Xanana Gusmão, Prime Minister and Minister of Defense and Security of the Democratic Republic of Timor-Leste 25 – 29 April 2013

saramago na feira do livro de bogotá

Saramago é o escritor homenageado na Feira Internacional do Livro de Bogotá

Bogotá – Na 26ª edição do evento, que dura 14 dias, são esperados 500 mil visitantes. O escritor homenageado este ano é o português José Saramago, Nobel da literatura. A feira decorre até quarta-feira (1º), na capital colombiana. Até lá, Bogotá convive com autores, ilustradores, fado, cinema e gastronomia portuguesa.  Leia mais

bolseiros do brasil

Professores dizem que decisão do governo brasileiro suspender bolsas de estudo para Portugal é um “equívoco”

Lisboa – A decisão do governo federal brasileiro de remanejar para outros países os estudantes selecionados pelo Programa Ciência sem Fronteiras para universidades portuguesas é contestada por especialistas e professores em Portugal. Segundo eles, está equivocada a justificativa do Ministério da Educação de que os alunos brasileiros devem aproveitar a oportunidade de estudar fora para treinar outro idioma.  Leia mais

discriminação aborígena

David Gulpilil’s wife lives in ‘chook shed’

 

David is the most renowned aboriginal film actor for more than 3 decades..

 

http://www.heraldsun.com.au/news/national/the-grim-side-of-darwin/story-fncynkc6-1226631495153?fb_action_ids=4958760807033&fb_action_types=og.recommends&fb_source=other_multiline&action_object_map=%7B%224958760807033%22%3A478445192211301%7D&action_type_map=%7B%224958760807033%22%3A%22og.recommends%22%7D&action_ref_map=%5B%5D

timor mais de 10 anos depois

Ah, Timor

fugas.publico.pt

<p> Pouco mais de uma década após a restauração da independência (11 anos a 20 de Maio), um outro olhar sobre Timor-Leste num passeio entre as belezas naturais e a vida quotidiana do seu povo. Parafraseando o célebre dito, viajamos aqui por um Timor mais p….

jornal de angola ataca…

in diálogos lusófonos
Director do Jornal de Angola não poupa a Justiça portuguesa AFP
O Jornal de Angola voltou a atacar a Justiça portuguesa num artigo de opinião do director do diário a propósito da condenação de Maria Eugénia Neto, viúva do primeiro Presidente de Angola, Agostinho Neto, pelo crime de difamação da historiadora Dalila Cabrita Mateus.

Num artigo, com a data de domingo na edição online do jornal, intitulado “Pobre justiça portuguesa”, o director, José Ribeiro, diz que “os fascistas nunca conseguiram” levar Maria Eugénia Neto aos tribunais plenários, “porque ela se escapou por entre as suas garras”,” mas no Portugal de hoje, dominado pela crise financeira, por elites corruptas e pela perda de valores de toda a natureza, ela foi julgada no Tribunal Criminal de Lisboa e condenada”.

Maria Eugénia Neto foi condenada a 19 de Abril a 150 dias de multa e ao pagamento de uma indemnização de 2000 euros a Dalila Cabrita Mateus, que acusou Neto de difamação pelas suas declarações numa entrevista ao Expresso, em Janeiro de 2008. Interrogada sobre os acontecimentos de 27 de Maio de 1977 em Angola, um confronto entre facções do MPLA de que resultaram vários mortos, e sobre os quais Dalila Mateus escreveu o livro Purga em Angola, a viúva de Neto chamou-lhe “desonesta” e “mentirosa”.

O artigo de opinião do Jornal de Angola começa por lembrar que Maria Eugénia Neto “enfrentou com coragem o regime fascista e colonialista de Lisboa”; salienta a “grande mulher que acompanhou e deu a sua vida à luta de libertação dos povos das ex-colónias portuguesas”, acrescentando que “na História de Portugal não há nenhuma mulher com a dimensão de Maria Eugénia Neto”.

“Por isso muitos a odeiam. Mas Maria Eugénia Neto tem um amor e um carinho especial pelo povo português. Mostrou isso sempre e muito especialmente em 1978, quando os presidentes Ramalho Eanes e Agostinho Neto decidiram, em Bissau, dar livre curso à História e reatar as relações que outros dirigentes portugueses cortaram, envenenaram ou simplesmente desprezaram”, diz o articulista.

Depois de várias considerações sobre o livro de Dalila Cabrita Mateus, que considera “um tributo notável à desonestidade intelectual, à aldrabice, ao ressentimento, ao ódio contra Angola”, o director do jornal lembra que, “há dias, o Ministério Público de Lisboa mandou arquivar uma queixa apresentada por generais angolanos contra um ‘activista’ [Rafael Marques] que os acusou de assassinos e torturadores”.

“O magistrado que apreciou a queixa mandou arquivá-la, porque o autor de tão graves acusações apenas fez uso da ‘liberdade de expressão’. O mesmo serviço que assim decidiu recusou agora a Maria Eugénia Neto o mesmo direito. Dois pesos, duas medidas”, acrescenta.

A concluir, o director do Jornal de Angola diz que “um tribunal português conseguiu julgar Agostinho Neto e os seus camaradas na pessoa de Maria Eugénia Neto”.

“Pobre justiça portuguesa!”, afirma.

__._,_.___